Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Princípios da Filosofia Lean

525 views

Published on

Lean Day Vale do Paraíba - Princípios da Filosofia Lean

Published in: Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Princípios da Filosofia Lean

  1. 1. LEANDAYVALEDOPARAÍBA “ Princípios da Filosofia Lean ” Denis Santos Stevan Lopes (Liebherr Aerospace Brasil)
  2. 2. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Objetivos do Treinamento “ Explicar a origem do Sistema Toyota de Produção, o surgimento do Lean Thinking e seus princípios fundamentais para a aplicação da filosofia “ 2
  3. 3. LEANDAYVALEDOPARAÍBA O Modelo Toyota 3
  4. 4. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Pilar do Jidoka (Autonomação) O inicio do JIDOKA: Sakichi Toyoda considerando um dos dez maiores inventores da história contemporânea do Japão, inventou a "Máquina de Tear Automática". O problema: A máquina continuava rodando: • mesmo a linha rompendo; • só era detectado o problema com o tecido concluído; A solução: Sakichi inventou em 1924, uma máquina configurada para parar quando detectava: • o rompimento de uma linha; • o termino da linha; • a quantidade programada atingida. 4
  5. 5. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Pilar do Just in time 5 Kanban at the Motomachi Plant, around 1975 Fonte: www.toyota.co.jp O início do Just in Time: Kiichiro Toyoda “devotou sua vida para a fabricação de veículos e idealizador do sistema puxado". 5
  6. 6. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Aumentar a Produtividade O início do TPS: Taiichi Ohno com forte apoio da direção estabeleceu o Sistema Toyota de Produção, resultado da união dos 2 pilares e assim“mudando o espírito de se fazer as coisas”. “Menor custo, a melhor qualidade e o menor lead time” 6
  7. 7. LEANDAYVALEDOPARAÍBA O que é o Lean Thinking “ A Mentalidade Enxuta ou Lean Thinking” é uma filosofia gerencial construída a partir da observação das práticas e métodos do Sistema Toyota de Produção 7
  8. 8. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Origens do Lean Thinking  1945 - Início do desenvolvimento do TPS (Taiichi Ohno)  1973 - Crise do petróleo, a Toyota se recupera mais rápido  1984 - Joint Venture entre a Toyota-GM (NUMMI - California)  1985 - Estudo sobre a indústria automobilística (Instituto de Tecnologia de Massachussets-EUA)  1990 - “A Máquina que Mudou o Mundo” (Womack, Jones e Roos)  Resultados da pesquisa iniciada em 1985  Cunhado o termo “lean manufacturing” para caracterizar o TPS  1996 - Como resultado de estudos sub-seqüentes, Womack e Jones publicam o “Lean Thinking”  Explica os 5 príncipios. 88
  9. 9. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é “ VALOR ” sob a ótica do cliente externo ou interno 2. Identificar os “ FLUXOS DE VALOR ” existentes, classificando os processos entre o que agrega valor e o que não agrega valor 3. Se possível implementar o “ FLUXO CONTÍNUO ” do seu produto no seu fluxo 4. Permitir que seu cliente “ PUXE ”, estabelecendo a lógica da puxada 5. Buscar constantemente a “ PERFEIÇÃO ” do seu fluxo produtivo 9
  10. 10. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Operações (Sistema) T. P. M. (Ferramenta) Troca Rápida (Ferramenta) Kanban (Ferramenta) FILOSOFIA Kaizen (Ferramenta) Tolerância zero ao Desperdício e ao problema Mentalidade Enxuta, Ferramentas e Atitudes 10
  11. 11. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 11 Princípio 1: Valor “ Percepção do cliente quanto às suas necessidades e preferências ” Preço Qualidade Atendimento Flexibilidade Imagem Preservação do Meio Ambiente Outros 11
  12. 12. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 12 Princípio 2: Fluxo de Valor “ Todas as etapas que agregam valor ou não necessárias para se transformar uma material ou insumo em produto acabado “ Operação: Recebimento  Expedição Planta fornecedor  Planta cliente Produto: Conceito  Lançamento Uso  Reciclagem 12
  13. 13. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Simulação A Fábrica de canetas Produção convencional  Estabelecer estoques dentro da previsão de vendas  Produzir sem paradas máquinas ou processos 13
  14. 14. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 14 Mapa de Fluxo de Valor (fábrica de canetas) Colocar tampa CONTROLE DE PRODUCÃO Previsões de 30 dias Pedidos Diários Fazer Embalagem Expedir E Inspecionar EE Montar Carga na CorpoE Pedidos Lotes = 20 14
  15. 15. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Resultados da Simulação A SIMULAÇÃO "A" SIMULAÇÃO "B" SIMULAÇÃO "C" MASSA (L=20) ATENDIMENTO 20% ESTOQUE 30 dias REFUGO/RETRABALHO 20 dias LEAD TIME 50 dias PRODUTIVIDADE 4/4 ÁREA 3 mesas ACIDENTES 3 STRESS 1 STATUS CLIENTE RUIM FABRICA DE CANETAS INDICADORES 15
  16. 16. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Desperdício: tudo que consome recursos, mas não cria valor 16 Todas as atividades do fluxo são necessárias? Todas as etapas agregam valor ? Quais etapas o cliente não perceberia? 16
  17. 17. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Os Sete Desperdícios... Transporte Espera Movimentação desnecessária Produção em excesso Estoque Correção Processamento desnecessário 17
  18. 18. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 18 O desafio lean é enxergar os desperdícios, identificar suas causas e eliminá-las Desperdícios são sintomas dos reais problemas ! Desperdícios na fábrica de canetas:  Estoques  Produção de cores não necessárias  Transporte excessivo  Inspeção (6 voltas)  Ociosidade e gargalo  Tamanho do lote  Refugos e retrabalhos  outros 18
  19. 19. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 19 Princípio 3: Fluxo Contínuo “ O fluxo contínuo é criado quando continuamente eliminamos as etapas que não criam valor, os desperdícios “ Reduzir o tempo entre uma solicitação e sua entrega (valor para o cliente) Alinhando em uma seqüência rápida todas as atividades que criam valor Exigindo que todas as atividades tenham capacidade adequada, disponibilidade e qualidade 19
  20. 20. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Fluxo em Lotes e com Interrupção Lead time de entrega ? S1 S2 S3 S10 ... 1 h 1 h 2 h 1 h1 min/pç Lote 300 pç Lead time = (1+1+2+5+1) x 10 = 100 horas 20
  21. 21. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Eliminação dos Desperdícios S1 S2 S3 S10 ... 1 min/pç Lote 300 pç Lead time = (5) x 10 = 50 horas Lead time de entrega ? 21
  22. 22. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Criando Fluxo Contínuo Unitário Ritmo 1 min/pç Lote 300 pç Lead time = 10 + 299 = 309 min ou 5 horas e 9 min S10S3S2S1 ... 1º 2º 3º . . . 10º minuto1ª Peça Lead time de entrega ? 22
  23. 23. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Reduzindo o Lote Ritmo 1 min/pç Lote 50 pç Lead time = 10 + 49 = 59 min ou ~1 horas S10S3S2S1 ... 1º 2º 3º . . . 10º minuto1ª Peça Lead time de entrega ? 23
  24. 24. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Qual o ritmo do fluxo contínuo ? 24 O que acontece quando o ritmo é maior do que as vendas? Como resolver o problema? Tempo Takt = tempo disponível demanda 24
  25. 25. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Takt Time para ditar o ritmo 25 Gráfico Yamazumi, ferramenta para criar o fluxo contínuo Tempo takt 25
  26. 26. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Takt Time para ditar o ritmo 26 Gráfico Yamazumi, ferramenta para criar o fluxo contínuo Tempo takt 26
  27. 27. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Takt Time para ditar o ritmo 27 Gráfico Yamazumi, ferramenta para criar o fluxo contínuo Tempo taktTempo de ciclo planejado 27
  28. 28. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Criando Fluxo Contínuo Entenda o trabalho em detalhes das pessoas, máquinas, materiais e métodos (Gemba) Questione cada atividade: • Por que é necessário? • Quem deveria fazer? • Como e onde deveria ser feito? Desenvolva a nova maneira Teste, implemente rápidamente, verifique e corrija Garanta estabilidade das mudanças e volte a repetir o ciclo 28
  29. 29. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 29 Mapa de Fluxo de Valor (fábrica de canetas) Colocar tampa CONTROLE DE PRODUCÃO Previsões de 30 dias Pedidos Diários Fazer Embalagem Expedir E Inspecionar EE Montar Carga na CorpoE Pedidos Lotes = 20 Criar Fluxo Contínuo 29
  30. 30. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Simulação B Fábrica de canetas Fluxo Contínuo  Identificar e eliminar os desperdícios  Aproximar as etapas que agregam valor e introduzir o one-piece-flow dentro do Takt  Reduzir o lote de produção 30
  31. 31. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Resultados da Simulação B SIMULAÇÃO "A" SIMULAÇÃO "B" SIMULAÇÃO "C" MASSA (L=20) CFC (L=20) ATENDIMENTO 20% 80% ESTOQUE 30 dias 15 dias REFUGO/RETRABALHO 20 dias 5 dias LEAD TIME 50 dias 20 dias PRODUTIVIDADE 4/4 2/fev ÁREA 3 mesas 2 mesas ACIDENTES 3 1 STRESS 1 5 STATUS CLIENTE RUIM MÉDIO FABRICA DE CANETAS INDICADORES 31
  32. 32. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 32 Princípio 4: Puxar “ Fazer somente aquilo que é necessário, na quantidade certa, no momento certo, quando o cliente o solicita ” Aplicar a puxada quando não é possível criar fluxo contínuo entre processos ou etapas devido à: • Distância • Tempos de Setup diferentes • Processos compartilhados • Tempos de processamento diferentes • Processos não confiáveis 32
  33. 33. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Produção Convencional (empurrado)  Cada atividade ou etapas do fluxo de valor estão desconectadas e recebendo programações individuais: • Muitas vezes, a programação é baseada em projeções de demanda • Cada etapa produz conforme sua necessidade sem observar o que realmente está sendo consumido adiante  Necessidade de revisões freqüentes devido às mudanças dos pedidos ou às variações internas (qualidade, capacidade máquina, deficiências) 33
  34. 34. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Produção Puxada  Cada etapa do fluxo somente deve produzir quando a etapa posterior solicita: • A solicitação é através do consumo de um estoque controlado chamado supermercado • Se a etapa posterior não consumir um determinado item, a etapa anterior não o produzirá, mesmo que isto contrarie a previsão de vendas • A informação de reposição do estoque consumido é feito pelo “ kanban “, o qual especifica modelo e quantidade a ser produzida pela etapa fornecedora 34
  35. 35. LEANDAYVALEDOPARAÍBA O que é um Supermercado... Nível mínimo Ponto de disparo Nível máximo “ Local onde um estoque mínimo e determinado é mantido para não parar o fornecimento aos processos posteriores, e sinaliza ao processo fornecedor a necessidade de reposição “ 35
  36. 36. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Exemplos de Kanban 3636
  37. 37. LEANDAYVALEDOPARAÍBA O que é um Supermercado na Produção? 37  O processo cliente sempre encontre peças dos modelos e nas quantidades necessárias para cumprir seu programa de entregas ou repor seu supermercado  O processo fornecedor sempre consiga repor o supermercado antes que os níveis mínimos definidos sejam atingidos É um estoque controlado, dimensionado, de modo que: 37
  38. 38. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Lead time da informação Lead time do processamento + entrega PCP Suprimentos Expedição Produção A puxada entre Empresas 38
  39. 39. LEANDAYVALEDOPARAÍBA  MUDA= ociosidade, desperdício  MURI= sobrecarga  MURA= irregularidade 9 X 1 X 1X, 4X, ?? As variações de volume causam... 39
  40. 40. LEANDAYVALEDOPARAÍBA TEMPO VOLUME M U R A MURI MUDA HEIJUNKA Evitar os 3M’s na produção devido à variação do volume 40
  41. 41. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Amortecedores da variação do volume Supermercados funcionam como “amortecedores”, que permitem aos processos anteriores trabalharem com maior estabilidade e nivelados 41 Supermercado 41
  42. 42. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 42 Mapa de Fluxo de Valor (fábrica de canetas) CONTROLE DE PRODUCÃO Previsões de 30 dias Pedidos Diários ExpediçãoCélula de montagem Pedidos Lotes = 20 Sistema Puxado Pedidos 42
  43. 43. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Simulação C Fábrica de canetas Fluxo Puxado  Repensar o fluxo de informação  Introduzir o supermercado de acabados e o processo puxador  Reduzir o lote de produção 43
  44. 44. LEANDAYVALEDOPARAÍBA Resultados da Simulação C SIMULAÇÃO "A" SIMULAÇÃO "B" SIMULAÇÃO "C" MASSA (L=20) CFC (L=20) SPN (L=5) ATENDIMENTO 20% 80% 100% ESTOQUE 30 dias 15 dias 4 dias REFUGO/RETRABALHO 20 dias 5 dias 0 dia LEAD TIME 50 dias 20 dias 4 dias PRODUTIVIDADE 4/4 2/4 1/4 ÁREA 3 mesas 2 mesas 1 mesa ACIDENTES 3 1 0 STRESS 1 5 10 STATUS CLIENTE RUIM MÉDIO ÓTIMO FABRICA DE CANETAS INDICADORES 44
  45. 45. LEANDAYVALEDOPARAÍBA 45 Princípio 5: Perfeição “ Tornar-se uma organização de aprendizagem pela busca da padronização, da reflexão incansável (Hansei) e pela melhoria contínua (Kaizen) “ Plan Do CheckAction 45

×