Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Promoção, disseminação e marketingde repositórios institucionais  Pedro Príncipe, pedroprincipe@sdum.uminho.pt  Ricardo Sa...
Conteúdos1. Estratégias integradas de promoção, para vários   públicos e com integração de diferentes meios,   recursos e ...
Objetivos Compreender a necessidade de uma estratégia  integrada de promoção e comunicação do  repositório institucional;...
1.ESTRATÉGIAS INTEGRADAS DE PROMOÇÃO, PARAVÁRIOS PÚBLICOS, COM INTEGRAÇÃO DEDIFERENTES MEIOS, RECURSOS E CANAIS DECOMUNICA...
Tópicos1. Estratégia integrada com utilização de:    Diferentes canais de comunicação    Variados meios para informar e ...
Canais de comunicação (1/4)                            Web         Media local,          regional,                     Mer...
Meios para informar/comunicar (1/4)                        Materiais de                        divulgação        Press rel...
A quem chegar (2/4) Público-alvo Interno:                Público-alvo Externo:    Investigadores/docentes;            ...
Públicos-alvo (2/4)
Estratégia integrada local&global (3/4)  Institucional       Nacional      Internacional• Serviços web    • Agregadores   ...
Estratégia integrada… (4/4) Estratégia integrada em desenvolvimento:   Em função da implementação dos repositórios   Em...
Exemplo: plano de ação (RCAAP/OAW)                1. WEB                          2. MATERIAIS PROMOCIONAISRecursos e estr...
Checklist Compreender a necessidade de uma estratégia integrada de  promoção e comunicação do repositório institucional: ...
2.ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DOSREPOSITÓRIOS E DE POLÍTICAS, ÁREAS DE AÇÃO EPÚBLICOS DAS ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO EPROMOÇÃO
Tópicos1. A promoção e a disseminação:    Nas etapas de implementação de repositórios nas     instituições    Nas fases ...
Etapas iniciais  Definir objectivos e obter apoio e   comprometimento institucional  Seleccionar a solução tecnológica (...
Começar projectos de demonstraçãocomo comunidades piloto Estabelecer um programa com comunidades piloto ou  demonstração ...
Comprometimento institucional Explicar/ demonstrar a vantagem dos  repositórios:   Para a visibilidade, posicionamento e...
Promover e apoiar a utilizacão do repositório e doauto-arquivo junto dos autores/pesquisadores Para que a participação se...
Promover e apoiar a utilizacão do repositório e doauto-arquivo junto dos autores/pesquisas  Criar o hábito de auto-arquiv...
O que fazer para além do comprotimentoinstitucional?  Explicar as vantagens do Acesso Aberto e dos repositórios   (aos di...
Divulgar e promover o repositório Criar documentos e materiais de apresentação e divulgação do  repositório Apresentar o...
Definição de políticas Open AccessFases de desenvolvimento:1.   Análise e planeamento2.   Definição e aprovação3.   Divulg...
Análise e planeamento1 Mês Levantamento e estudo das políticas de outras  instituições Identificação dos recursos (técni...
Definição e aprovação1 a 2 Meses Redacção da proposta Apresentação da proposta e consulta junto de  órgãos ou individual...
Implementação e entrada em vigor(1 a 2 Meses) Disponibilização do repositório institucional para  depósito das publicaçõe...
Divulgação e sensibilização1 a 2 Meses Assinatura simbólica da Declaração de Berlim Divulgação da política pelos canais ...
Acompanhamento, apoio e monitorizaçãoContínuo Manter e desenvolver as informações e serviços de apoio aos autores da  ins...
Checklist Identificar as áreas de intervenção, as diferentes  etapas e as estratégias de ação a desenvolver.             ...
3.PLANO DE AÇÃO PARA COMUNICAÇÃO NASORGANIZAÇÕES, NAS REDES SOCIAIS, USANDOMEIOS E CANAIS TRADICIONAIS E DIGITAIS (CASOSPR...
Tópicos1. Ações para um plano de promoção e comunicação2. Casos práticos3. Recursos úteis
Plano de ação Para a divulgação do repositório, deverá elaborar-se  um plano de promoção e comunicação na  instituição.  ...
Ações para a promoção e comunicação Sem prejuízo de se utilizarem outras ações no  plano de comunicação que se julguem  p...
Ações para um plano de comunicação (1/17) Comunidades e investigadores/docentes piloto –  consiste na selecção/identifica...
Ações para um plano de comunicação (2/17) Sessão de apresentação pública – Sessão de  apresentação e lançamento público d...
Ações para um plano de comunicação (3/17) Apresentação de modelos de políticas institucionais  de auto-arquivo de publica...
Ações para um plano de comunicação (4/17) Produção de “Kit de Adesão” para novas  comunidades – Consiste na produção de u...
Ações para um plano de comunicação (5/17) Brochura Institucional RI – Elaboração de uma  brochura sobre repositórios inst...
Ações para um plano de comunicação (6/17) FAQ’s & Guias de Ajuda – Pretendem dar uma  resposta a perguntas frequentes. Sã...
Ações para um plano de comunicação (7/17) Glossário de Termos – Documento dinâmico com  uma listagem de termos pouco clar...
Ações para um plano de comunicação (8/17) Contactos com Escolas, Departamentos e docentes -  Contactos preliminares com v...
Ações para um plano de comunicação (9/17) Sessões de Apresentação – Estas sessões são  fundamentais para concretizar o pr...
Ações para um plano de comunicação (10/17) Comunicações de “Follow up” – No seguimento de  reuniões e sessões de apresent...
Ações para um plano de comunicação (11/17) Sessões de (Re)formação – Este formato tem como  destinatários as comunidades ...
Ações para um plano de comunicação (12/17) Aniversário RI – Consiste na realização de um evento  (ou conjunto de eventos)...
Ações para um plano de comunicação (13/17) Reuniões com o Staff – A realização reuniões com o  staff do RI servem para av...
Ações para um plano de comunicação (14/17) Destaques em websites da instituição e/ou intranet  – Consiste na utilização d...
Ações para um plano de comunicação (15/17) Estacionário – Consiste na utilização dos placards e  displays existentes nas ...
Ações para um plano de comunicação (16/17) Mediação com órgãos de comunicação social – Visa  gestão dos contactos com os ...
Ações para um plano de comunicação (17/17) Clipping – Constituição de um arquivo das notícias  que vão sendo publicadas n...
Em resumo (uma proposta de plano)Acção                                                             Mês   1   2   3   4   5...
2) Ações desenvolvidas, boas práticas,recursos úteis…   De dimensão nacional e internacional   À escala institucional  ...
Exemplo RCAAP - iniciativas nacionais Serviços electrónicos      Merchandising      Portal                Conferência ...
Dimensão nacional e internacional                                    R
Divulgar e promover o repositório –um exemplo Projecto RCAAP – (Portugal)http://projecto.rcaap.pt/    Como criar um repo...
Sítio web RCAAP
e-learning             Módulos             1 - O Acesso Aberto             2 – RCAAP             3 – O Rep. Comum         ...
Documentos relevantes PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJECTO RCAAP (2009) CHECKLIST DA DIVULGAÇÃO DO PROJECTO RCAAP (2009)
Serviços - Disseminação
Recursos adicionais DINI Certificate - http://www.dini.de/english/dini-certificate/ DRIVER Support website - http://www.dr...
Estudos DRIVER A DRIVERs Guide to European Repositories; Five  studies of important Digital Repository related  issues an...
Divulgação (IPCB) Um exemplo de ações numa pequena  instituição(Instituto Politécnico de Castelo  Branco):   Atividades ...
Actividades desenvolvidas (IPCB) Formação    Sessões de formação dirigidas a docentes/investigadores    Integração do R...
Actividades desenvolvidas (IPCB) Divulgação/Informação      Conferências (2)      Dia do Repositório Aberto (1 sessão e...
Disseminação e comunicação Web 2.0   Blog – http://blog.rcaap.pt   Twitter – www.twitter.com/rcaap   Facebook – www.fac...
Repositórios e a web social Permite aos repositórios e aos seus utilizadores mais  comunicação, melhor colaboração e a co...
Imagem retirada do Slideshare de António Granado http://www.slideshare.net/agranado/comunicacao-
+ visibilidade Dinamismo na acção Transparência na comunicação Redundância de pontos de acesso à info
David Álvarez, Mi PLE - http://e-aprendizaje.es/2010/03/09/mi-ple
Martin Weller - My personal work/leisure/learning environmenthttp://nogoodreason.typepad.co.uk/no_good_reason/2007/12/my-p...
TWITTER
Eventos          72
Eventos/açõesExemplos Open Access Week 2010
Eventos/açõesExemplos Open Access Week 2011                    http://www.acessolivre.pt/semana
Ações numa instituição (exemplo)
Visibilidade/integração nacional
Visibilidade/integração internacional
Media
Checklist Conhecer boas práticas promocionais e analisar  casos práticos de estratégias desenvolvidas no  âmbito do marke...
Questões (partilha)   Pedro Príncipe, pedroprincipe@sdum.uminho.pt   Ricardo Saraiva, rsaraiva@sdum.uminho.pt
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Promoção, disseminação e marketing de repositórios institucionais

1,487 views

Published on

2ª Conferência Luso-Brasileira sobre Acesso Aberto, 23 de Novembro - OFICINAS PRÉ-CONFERÊNCIA, Título: Promoção, disseminação e marketing de repositórios institucionais
Duração: 1h30
Tutores: Pedro Príncipe, Ricardo Saraiva

Published in: Education
  • Be the first to comment

Promoção, disseminação e marketing de repositórios institucionais

  1. 1. Promoção, disseminação e marketingde repositórios institucionais Pedro Príncipe, pedroprincipe@sdum.uminho.pt Ricardo Saraiva, rsaraiva@sdum.uminho.pt
  2. 2. Conteúdos1. Estratégias integradas de promoção, para vários públicos e com integração de diferentes meios, recursos e canais de comunicação;2. Etapas do desenvolvimento dos repositórios, áreas de ação e públicos das estratégias de comunicação e promoção;3. Plano de ação para comunicação nas organizações, nas redes sociais, usando meios e canais tradicionais e digitais (casos práticos e recursos úteis).
  3. 3. Objetivos Compreender a necessidade de uma estratégia integrada de promoção e comunicação do repositório institucional; Identificar as áreas de intervenção, as diferentes etapas e as estratégias de ação a desenvolver; Conhecer boas práticas promocionais e analisar casos práticos de estratégias desenvolvidas no âmbito do marketing de repositórios institucionais.
  4. 4. 1.ESTRATÉGIAS INTEGRADAS DE PROMOÇÃO, PARAVÁRIOS PÚBLICOS, COM INTEGRAÇÃO DEDIFERENTES MEIOS, RECURSOS E CANAIS DECOMUNICAÇÃO
  5. 5. Tópicos1. Estratégia integrada com utilização de:  Diferentes canais de comunicação  Variados meios para informar e comunicar2. Estratégia integrada para chegar a:  Diferentes públicos-alvo3. Estratégia integrada em diferentes escalas:  Local & global (institucional, nacional e mundial)4. Estratégia integrada em desenvolvimento:  Em função da implementação dos repositórios  Em função do tipo de políticas
  6. 6. Canais de comunicação (1/4) Web Media local, regional, Merchandising internacional Institucional Presencial Externa Institucional interna
  7. 7. Meios para informar/comunicar (1/4) Materiais de divulgação Press release Redes sociais Sessões Páginas web presenciais Informações internas
  8. 8. A quem chegar (2/4) Público-alvo Interno:  Público-alvo Externo:  Investigadores/docentes;  População do ensino  Dirigentes universitários; superior;  Membros da instituição  Meio científico/académico promotora.  Comunidade em geral;  Media. 8
  9. 9. Públicos-alvo (2/4)
  10. 10. Estratégia integrada local&global (3/4) Institucional Nacional Internacional• Serviços web • Agregadores • Diretórios• Catálogo • Diretórios • Agregadores• Monotorizar • Projetos • Movimento OA• Portfolio… •… •…
  11. 11. Estratégia integrada… (4/4) Estratégia integrada em desenvolvimento:  Em função da implementação dos repositórios  Em função do tipo de políticas
  12. 12. Exemplo: plano de ação (RCAAP/OAW) 1. WEB 2. MATERIAIS PROMOCIONAISRecursos e estratégias de comunicação na web Materiais a utilizar e nas Instituições depara disseminação de informação e agregação investigação e ensino superior. de conteúdos. 3. MEDIA 4. EVENTOS Informação e presença pública nos meios de Promover e participar em actividades a realizar comunicação social. nas instituições “aderentes”. »» canais »» meios »» públicos »» »» institucional »» nacional »» internacional »»
  13. 13. Checklist Compreender a necessidade de uma estratégia integrada de promoção e comunicação do repositório institucional:  Os repositórios institucionais são serviços de informação com implicações transversais que obrigam a estratégias amplas de promoção e comunicação. Questões (partilha)
  14. 14. 2.ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DOSREPOSITÓRIOS E DE POLÍTICAS, ÁREAS DE AÇÃO EPÚBLICOS DAS ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO EPROMOÇÃO
  15. 15. Tópicos1. A promoção e a disseminação:  Nas etapas de implementação de repositórios nas instituições  Nas fases de definição de políticas Open Access
  16. 16. Etapas iniciais  Definir objectivos e obter apoio e comprometimento institucional  Seleccionar a solução tecnológica (infra-estrutura própria ou externa? Software do repositório, etc.)  Estabelecer e executar uma estratégia e um plano de implementação e definir os responsáveis pelas diferentes tarefas
  17. 17. Começar projectos de demonstraçãocomo comunidades piloto Estabelecer um programa com comunidades piloto ou demonstração (depósito de documentos em lote, digitalização de documentos, etc.) Recolher documentos de páginas dos autores ou dos departamentos; Recolher documentos de repositórios temáticos (PubMedCentral, Arxiv, RePEc);
  18. 18. Comprometimento institucional Explicar/ demonstrar a vantagem dos repositórios:  Para a visibilidade, posicionamento e prestigio da instituição  Para a gestão da informação da instituição  Para garantir a preservação da produção intelectual da instituição  Para a reforma do sistema de comunicação da ciência
  19. 19. Promover e apoiar a utilizacão do repositório e doauto-arquivo junto dos autores/pesquisadores Para que a participação seja voluntária e efectiva é necessário que as vantagens dos repositórios sejam comunicadas de maneira clara e redundante. As objecções e resistências potenciais ao repositório institucional devem ser antecipadas e compreendidas, para que sejam ultrapassadas.
  20. 20. Promover e apoiar a utilizacão do repositório e doauto-arquivo junto dos autores/pesquisas  Criar o hábito de auto-arquivo pelos autores  Mudança de rotinas, métodos e “cultura”;  Comunidades sem tradição de auto-arquivo  Medo de plagio  “mais trabalho”...  dificuldades tecnológicas  falta de conhecimento e consciência sobre o Acesso Aberto e os problemas do sistema de comunicação científica  Clarificar dúvidas e problemas relacionados com a propriedade intelectual e os direitos de autor (copyright) de das publicações.
  21. 21. O que fazer para além do comprotimentoinstitucional?  Explicar as vantagens do Acesso Aberto e dos repositórios (aos dirigentes universitários e ao investigadores/autores);  Demonstrar as vantagens do repositório e do Acesso Aberto com dados de utilização, visibilidade e citação, ou com “casos exemplares”;  Promover e apoiar a utilização do repositório e do auto- arquivo junto dos autores;  Desenvolver serviços de valor acrescentado para os utilizadores (dirigentes e autores), como o apoio ao copyright, listagens, estatísticas, etc.;  Integrar o repositório com outros sistemas de informação das instituições ou de organismos de financiamento (CRIS, outros repositórios, etc.).
  22. 22. Divulgar e promover o repositório Criar documentos e materiais de apresentação e divulgação do repositório Apresentar o repositório em reuniões de faculdade ou departamento, seminários e conferências, etc. Publicar artigos e notícias sobre o repositório em revistas, boletins e outros meios de comunicação da instituição (sítios Web, etc.) Identificar comunidades e pessoas “exemplos”, líderes de opinião, etc. Divulgar “casos de sucesso” Divulgar e promover o repositório no interior e no exterior da instituição
  23. 23. Definição de políticas Open AccessFases de desenvolvimento:1. Análise e planeamento2. Definição e aprovação3. Divulgação e sensibilização4. Implementação e entrada em vigor5. Acompanhamento, apoio e monitorização
  24. 24. Análise e planeamento1 Mês Levantamento e estudo das políticas de outras instituições Identificação dos recursos (técnicos, humanos) necessários à implementação, acompanhamento e monitorização Elaboração do plano de implementação
  25. 25. Definição e aprovação1 a 2 Meses Redacção da proposta Apresentação da proposta e consulta junto de órgãos ou individualidades da instituição Aprovação e formalização da política
  26. 26. Implementação e entrada em vigor(1 a 2 Meses) Disponibilização do repositório institucional para depósito das publicações Disponibilização de informação (resposta a perguntas frequentes) e/ou de serviços de apoio (apoio ao depósito, esclarecimento sobre direitos de autor, etc.) para os membros da instituição Comunicação e “lembrete” da vigência da política através dos canais institucionais e internos Realização de ações de formação ou sensibilização sobre o auto-arquivo
  27. 27. Divulgação e sensibilização1 a 2 Meses Assinatura simbólica da Declaração de Berlim Divulgação da política pelos canais institucionais e pelos meios de comunicação e informação internos (Despacho institucional, Mailing lists, Website, Newsletter, etc.) Realização de sessão pública de apresentação Realização de sessões de divulgação específicas e/ou apresentação da política nas reuniões regulares aos vários níveis da instituição Execução de Press Release para divulgação externa Registo da política no Registry of Open Access Repository Material Archiving Policies (ROARMAP)
  28. 28. Acompanhamento, apoio e monitorizaçãoContínuo Manter e desenvolver as informações e serviços de apoio aos autores da instituição e aos utentes do repositório Fornecer estatísticas de utilização (acessos, downloads, etc.) aos autores e às lideranças institucionais Monitorizar o cumprimento da política (taxa/percentagem de documentos depositados, face aos produzidos) e fornecer informação regular a diversos níveis organizacionais (autores individuais, departamentos da organização, gestão de topo) Levantamento da produção científica anual efectiva e produção de listagens de publicações não depositadas para envio a autores e/ou unidades orgânicas. Incentivar a produção das listagens anuais “oficiais” das publicações científicas das unidades orgânicas a partir do repositório institucional.
  29. 29. Checklist Identificar as áreas de intervenção, as diferentes etapas e as estratégias de ação a desenvolver. Questões (partilha)
  30. 30. 3.PLANO DE AÇÃO PARA COMUNICAÇÃO NASORGANIZAÇÕES, NAS REDES SOCIAIS, USANDOMEIOS E CANAIS TRADICIONAIS E DIGITAIS (CASOSPRÁTICOS E RECURSOS ÚTEIS)
  31. 31. Tópicos1. Ações para um plano de promoção e comunicação2. Casos práticos3. Recursos úteis
  32. 32. Plano de ação Para a divulgação do repositório, deverá elaborar-se um plano de promoção e comunicação na instituição.  Além da divulgação online e através de meios impressos, é muito importante a realização de workshops e sessões de divulgação junto das comunidades (departamentos e centros) para marcar uma presença mais próxima junto do público-alvo.
  33. 33. Ações para a promoção e comunicação Sem prejuízo de se utilizarem outras ações no plano de comunicação que se julguem pertinentes, apresentam-se de seguida um conjunto de ações já identificadas…
  34. 34. Ações para um plano de comunicação (1/17) Comunidades e investigadores/docentes piloto – consiste na selecção/identificação de comunidades e investigadores que possam funcionar como uma primeira linha experimental de utilizadores.  Vantagens: Excelente para testar novos conceitos e tarefas (ex. auto-arquivo), para o “povoamento” inicial do repositório e servir como exemplo para outros potenciais utilizadores.  Desvantagens: Excesso de reuniões ou trabalho pode provocar desinteresse.
  35. 35. Ações para um plano de comunicação (2/17) Sessão de apresentação pública – Sessão de apresentação e lançamento público do Repositório Institucional.  Vantagens: Excelente formato para o lançamento e apresentação do projeto de uma forma global e abrangente. Forma de envolver a participação de dirigentes universitários.  Desvantagens: Conforme o formato pode implicar alguns custos.
  36. 36. Ações para um plano de comunicação (3/17) Apresentação de modelos de políticas institucionais de auto-arquivo de publicações – Consiste na criação de modelos para definição de politicas institucionais de auto-arquivo de publicações em Acesso Livre. Com este documento pretende-se que as instituições assumam um compromisso formal na prossecução de políticas de acesso livre.  Vantagens: A definição de uma política institucional de auto-arquivo pode revelar-se crucial para o sucesso do RI.  Desvantagens: Morosidade adopção.
  37. 37. Ações para um plano de comunicação (4/17) Produção de “Kit de Adesão” para novas comunidades – Consiste na produção de um documento modelo que sistematize as informações e os passos necessários para efetivar a adesão de novas comunidades ao RI.  Vantagens: Sistematização da informação necessária para efetivar a adesão num único documento.  Desvantagens: Pode não abarcar todas as questões ou dúvidas.
  38. 38. Ações para um plano de comunicação (5/17) Brochura Institucional RI – Elaboração de uma brochura sobre repositórios institucionais. Pode ser facultada nas sessões de apresentação, em eventos ou noutros casos específicos. Utilizar por exemplo a que será produzida pelo RCAAP.  Vantagens: Formato que permite apresentar o projeto de uma forma global e abrangente.  Desvantagens: Conforme o formato pode implicar alguns custos.
  39. 39. Ações para um plano de comunicação (6/17) FAQ’s & Guias de Ajuda – Pretendem dar uma resposta a perguntas frequentes. São documentos dinâmicos, pois evoluem em sintonia com as duvidas e questões que vão emergindo e com as mudanças que se vão operando.  Vantagens: Útil para na resposta a questões e dúvidas frequentes.  Desvantagens: Pode não abarcar todas as questões ou dúvidas.
  40. 40. Ações para um plano de comunicação (7/17) Glossário de Termos – Documento dinâmico com uma listagem de termos pouco claros ou de vocabulário tecnológico relativo às áreas ligadas ao projeto.  Vantagens: Evolui com as mudanças operadas. Útil para a clarificação rápida de dúvidas.  Desvantagens: Pode não abarcar todos os termos.
  41. 41. Ações para um plano de comunicação (8/17) Contactos com Escolas, Departamentos e docentes - Contactos preliminares com vista a estabelecer a elos de ligação.  Vantagens: Método muito eficaz para transmitir informação com vista à adesão de novas comunidades.  Desvantagens: Excesso de contactos pode provocar ”ruído” em demasia.
  42. 42. Ações para um plano de comunicação (9/17) Sessões de Apresentação – Estas sessões são fundamentais para concretizar o processo de adesão de novas comunidades. Nestes encontros, o projeto e os seus objetivos podem ser apresentados de uma forma dinâmica e muito eficaz.  Vantagens: Método muito eficaz para transmitir informação de referência. Permite clarificar dúvidas. As pessoas sentem-se valorizadas.  Desvantagens: Excesso de reuniões acaba por provocar desinteresse.
  43. 43. Ações para um plano de comunicação (10/17) Comunicações de “Follow up” – No seguimento de reuniões e sessões de apresentação/(re)formação poderá ser enviada uma carta (e-mail, fax, etc) para tentar aferir os resultados das sessões e reforçar a mensagem. Devem ser utilizadas também para fazer o acompanhamento das comunidades.  Vantagens: Reforça a importância do projeto. Dirigidas e personalizadas tornam-se mais eficientes. As pessoas sentem-se valorizadas.  Desvantagens: Pode ter interpretações erradas, se não for objetiva.
  44. 44. Ações para um plano de comunicação (11/17) Sessões de (Re)formação – Este formato tem como destinatários as comunidades já existentes e consiste em sessões de formação temáticas. Esta medida insere-se no “follow up” que deverá ser feito às comunidades.  Vantagens: Eficaz para formações práticas e esclarecimento de dúvidas. As pessoas sentem-se valorizadas.  Desvantagens: Podem conduzir a sobrecarga informativa.
  45. 45. Ações para um plano de comunicação (12/17) Aniversário RI – Consiste na realização de um evento (ou conjunto de eventos) que assinale o surgimento do RI. Neste podem ser apresentadas novidades ou a evolução do projeto (novas comunidades, nova versão DSpace, etc.).  Vantagens: Dá grande visibilidade ao projecto.  Desvantagens: Pode implicar custos.
  46. 46. Ações para um plano de comunicação (13/17) Reuniões com o Staff – A realização reuniões com o staff do RI servem para avaliar e delinear estratégias para prossecução do projeto.  Vantagens: Permitem delinear estratégias a curto, médio e longo prazo.  Desvantagens: Excesso de reuniões acaba por provocar desinteresse.
  47. 47. Ações para um plano de comunicação (14/17) Destaques em websites da instituição e/ou intranet – Consiste na utilização dos websites e intranet da instituição para disseminar a informação e sensibilização.  Vantagens: Simples, fácil gestão e adequado para todo tipo de mensagens.  Desvantagens: Pode conter excesso de informação.
  48. 48. Ações para um plano de comunicação (15/17) Estacionário – Consiste na utilização dos placards e displays existentes nas bibliotecas ou em espaços semelhantes nos departamentos da instituição. A utilização destes suportes é complementada com a colocação de cartazes e folhetos.  Vantagens: Simples, fácil gestão e adequado para todo tipo de mensagens.  Desvantagens: Fraca visibilidade.
  49. 49. Ações para um plano de comunicação (16/17) Mediação com órgãos de comunicação social – Visa gestão dos contactos com os media, o tratamento editorial de informação, adequação de meios aos eixos de comunicação, a gestão do interesse e reposta dos media às ações e o acompanhamento de informações.  Vantagens: Facilita relacionamento com os media.  Desvantagens: Excesso informativo pode provocar saturação.
  50. 50. Ações para um plano de comunicação (17/17) Clipping – Constituição de um arquivo das notícias que vão sendo publicadas nos media relativas ao projeto. O arquivo poderá ser disponibilizado no próprio RI.  Vantagens: Permite uma visão externa da evolução do projeto.  Desvantagens: Sistematização da recolha das notícias.
  51. 51. Em resumo (uma proposta de plano)Acção Mês 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12Comunidades e Investigadores pilotoSessão de apresentação públicaApresentação de modelos de políticas institucionais de auto-arquivoProdução de “Kit de Adesão” para novas comunidadesBrochura Institucional RIFAQ’s / Guias / Tutoriais de ajuda / Glossário de termosContactos com Escolas, Departamentos e docentesSessões de apresentação para novas comunidadesComunicações de Follow upSessões de (Re)formaçãoInstituição do dia do RI (Aniversário)Reuniões com staff gestão/desenvolvimento RIDestaques em websites da instituição e/ou intranetEstacionárioMediação com órgãos de comunicação socialClipping (arquivo de notícias)
  52. 52. 2) Ações desenvolvidas, boas práticas,recursos úteis… De dimensão nacional e internacional À escala institucional Nas redes sociais Merchandising Ações integradas nas Instituições No âmbito de formação e sessões presenciais …
  53. 53. Exemplo RCAAP - iniciativas nacionais Serviços electrónicos  Merchandising  Portal  Conferência Luso-  Directório Brasileira  Sítio web  Interoperabilidade  Kit Institucional Web 2.0  Plano de divulgação E-learning  checklist Comunicação social
  54. 54. Dimensão nacional e internacional R
  55. 55. Divulgar e promover o repositório –um exemplo Projecto RCAAP – (Portugal)http://projecto.rcaap.pt/  Como criar um repositório?  Como gerir um repositório?  Como auto-arquivar documentos?  Recursos de apoio: kit de politicas Acesso Aberto; tutoriais; Documentos de suporte; módulos de e-learning
  56. 56. Sítio web RCAAP
  57. 57. e-learning Módulos 1 - O Acesso Aberto 2 – RCAAP 3 – O Rep. Comum 4 – Auto-arquivo 5 – Os direitos de autor
  58. 58. Documentos relevantes PLANO DE DIVULGAÇÃO DO PROJECTO RCAAP (2009) CHECKLIST DA DIVULGAÇÃO DO PROJECTO RCAAP (2009)
  59. 59. Serviços - Disseminação
  60. 60. Recursos adicionais DINI Certificate - http://www.dini.de/english/dini-certificate/ DRIVER Support website - http://www.driver-support.eu/ Institutional Repository Bibliography - http://digital- scholarship.org/irb/irb.html Projeto repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal - http://projecto.rcaap.pt/ Ranking Web of World Repositories - http://repositories.webometrics.info/ Recolecta - http://www.recolecta.net Repositories Case Studies - http://www.rsp.ac.uk/repos/cases Repositories Support Project - http://www.rsp.ac.uk/
  61. 61. Estudos DRIVER A DRIVERs Guide to European Repositories; Five studies of important Digital Repository related issues and good practices, edited by Kasja Weenink, Leo Waaijers and Karen van Godtsenhoven, ISBN 9789053564110. Further details are available at: http://www.driver- support.eu/linkspubs/driversguide.html The population of repositories, by Vanessa Proudman. The case studies for this chapter.
  62. 62. Divulgação (IPCB) Um exemplo de ações numa pequena instituição(Instituto Politécnico de Castelo Branco):  Atividades em curso  Editorial  Informativa/formativa  Tutorial
  63. 63. Actividades desenvolvidas (IPCB) Formação  Sessões de formação dirigidas a docentes/investigadores  Integração do RCIPCB nos programas de formação das bibliotecas Editorial  Newsletter do RCIPCB – publicação electrónica distribuída a todos os colaboradores docentes e não docentes do IPCB (7 números editados em 2010; 7 números editados até ao momento em 2011)  Desdobrável informativo  Cartazes (Conferências, Actividades, 12 Razões…)  1 marcador de livros para cada docente
  64. 64. Actividades desenvolvidas (IPCB) Divulgação/Informação  Conferências (2)  Dia do Repositório Aberto (1 sessão em cada UO)  Desdobrável  Poster “12 razões para depositar documentos no RCIPCB”  Mensagens mailing list Instrumentos de apoio à utilização do RCIPCB  Regulamento para utilização do Repositório Científico do IPCB  Kits de apoio ao depósito de documentos  Normas para elaboração de referências bibliográficas  Desdobrável informativo Semana Internacional do Open Access
  65. 65. Disseminação e comunicação Web 2.0 Blog – http://blog.rcaap.pt Twitter – www.twitter.com/rcaap Facebook – www.facebook.com/rcaap Website Projecto http://projecto.rcaap.pt e-learning
  66. 66. Repositórios e a web social Permite aos repositórios e aos seus utilizadores mais comunicação, melhor colaboração e a construção de comunidades online. Possibilita a partilha e reutilização de informação e conteúdos produzidos e disponibilizados pelos serviços. Facilita a disseminação da informação e capitalizam o conhecimento dos utilizadores e a utilização que fazem dos sistemas.
  67. 67. Imagem retirada do Slideshare de António Granado http://www.slideshare.net/agranado/comunicacao-
  68. 68. + visibilidade Dinamismo na acção Transparência na comunicação Redundância de pontos de acesso à info
  69. 69. David Álvarez, Mi PLE - http://e-aprendizaje.es/2010/03/09/mi-ple
  70. 70. Martin Weller - My personal work/leisure/learning environmenthttp://nogoodreason.typepad.co.uk/no_good_reason/2007/12/my-personal-wor.html
  71. 71. TWITTER
  72. 72. Eventos 72
  73. 73. Eventos/açõesExemplos Open Access Week 2010
  74. 74. Eventos/açõesExemplos Open Access Week 2011 http://www.acessolivre.pt/semana
  75. 75. Ações numa instituição (exemplo)
  76. 76. Visibilidade/integração nacional
  77. 77. Visibilidade/integração internacional
  78. 78. Media
  79. 79. Checklist Conhecer boas práticas promocionais e analisar casos práticos de estratégias desenvolvidas no âmbito do marketing de repositórios institucionais. Questões (partilha)
  80. 80. Questões (partilha) Pedro Príncipe, pedroprincipe@sdum.uminho.pt Ricardo Saraiva, rsaraiva@sdum.uminho.pt

×