• Like
A Dissertação de Mestrado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

A Dissertação de Mestrado

  • 4,670 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
4,670
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
32
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Metodologias deInvestigação Científica A dissertação de mestrado David Lamas Universidade Lusófona, 2012
  • 2. Ajuda! Estou perdido!• O que é que se espera de mim?• O que é isso de ter um supervisor?• E a bibliografia?• Mas afinal, o que é investigação científica?• Quais são as etapas seguintes?Fevereiro de 2012 Universidade Lusófona 2
  • 3. O que se espera…• Bem, uma dissertação de mestrado, claro! – 100 a 150 páginas de texto rigoroso que se revele um contributo interessante para a comunidade científicaFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 3
  • 4. O que se espera…• Comunidade científica? – Uma comunidade que... • Promove uma percepção consensual da sua área de investigação – Por exemplo, é esta comunidade que estabelece o que sabemos e o que não sabemos, que determina a validade das questões que se levantam, que recomenda as metodologias e os métodos a utilizar para responder às sucessivas, contribuindo assim para uma redefinição constante de uma área de investigação • Faz isto através de... – Conferências, reuniões, apresentações – Publicações de natureza científica – Aconselhando e revendoFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 4
  • 5. O que se espera…• E como é que eu identifico a “minha comunidade científica”? – Existem comunidades tradicionais • Sistemas de informação, educação, psicologia, ciências da comunicação, gestão, ciência das organizações – E comunidades interdisciplinares • Gestão do conhecimento, tecnologias educativas• Quem me pode ajudar? – O supervisor – A bibliografia disponívelFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 5
  • 6. O supervisor• O supervisor é um membro da comunidade científica, responsável por... – Guiar os iniciantes, providenciando tutoria, conselhos e comentários construtivos – Avaliar formativamente o projeto conducente à dissertação de mestrado • Focando-se tanto no processo como no produto – Mas o supervisor é só um assessor, as decisões e a gestão do projeto são da responsabilidade do mestrando • É o teu projeto e tu és o responsávelFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 6
  • 7. O supervisor• E o supervisor é humano – Dá-lhe tempo para se ajustar mentalmente ao teu projeto – Deixa-o participar nos teus raciocínios – Prepara e envia sempre antecipadamente seja lá o que for que queiras discutir com eleFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 7
  • 8. E a bibliografia?• Porque é que eu tenho de me preocupar com isto? – Por que é uma forma de identificares a tua comunidade científica • Percebendo assim a sua terminologia, os seus conceitos e os seus métodos – Ler, citar e construir os nossos raciocínios sobre a bibliografia existente é fundamental para nos integrarmos numa comunidade científicaFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 8
  • 9. E a bibliografia?• Porque é que eu tenho de me preocupar com isto? – É a melhor forma de contribuir para a construção de conhecimento coerente e consistente • Só assim conseguimos fazer com que os resultados do nos nossos esforços de investigação científica contribuam para a base de conhecimento da nossa comunidade – E também facilita muito o teu trabalho! • Não tens de reinventar a roda, pois não?Fevereiro de 2012 Universidade Lusófona 9
  • 10. E a bibliografia?• Espera-se que integres diferentes fontes de inspiração nos teus raciocínios – Como reflexo de um referencial teórico sólido e abrangente• Mas nunca copies e coles! – Na melhor das hipóteses, isto pode ser considerado como uma demonstração de incapacidade intelectual – Na pior, é plágio intelectualFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 10
  • 11. Investigação científica• Investigar é um processo de aprendizagem – Se fosse fácil, não era investigação – O supervisor e a tua comunidade científica podem ajudar-te • Mas ti vais ter de transpor a porta sozinho!Fevereiro de 2012 Universidade Lusófona 11
  • 12. Investigação científica• Investigar é um processo de aprendizagem – E como em todos os processos, é importante perceber... • Quais são as etapas • O propósito de cada etapa – Isto para além de perceber que existem várias formas de conduzir cada etapa • Mais uma vez, se fosse fácil, não era investigaçãoFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 12
  • 13. Investigação científica• E o processo (ideal) de investigação científica passa por estas etapas – Definição da pergunta de pesquisa – Seleção da metodologia a adoptar • Recolha dos dados • Análise dos dados – Construção das respostas à pergunta de pesquisa• E não, o processo não é necessariamente linearFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 13
  • 14. Investigação científica• A questão de pesquisa – Aborda um problema ou uma questão válidos • Motivados por problemas reais ou por resultados de investigação científica anterior – Determina a direção dos esforços de investigação – Mas não é de definição trivial • É normalmente o resultado de um processo complexo e iterativoFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 14
  • 15. Investigação científica• A metodologia – Determinar a estratégia geral do processo de investigação • E é condicionada pela pergunta de pesquisa – É posta em prática recorrendo a diferentes métodos • Os instrumentos de pesquisa – Entrevistas, questionários, observações, testes, etc... • São determinados pela metodologia e pela pergunta de pesquisaFevereiro de 2012 Universidade Lusófona 15
  • 16. Investigação científica• A resposta – Se tudo o resto foi bem feito, isto é trivial!Fevereiro de 2012 Universidade Lusófona 16