Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Baleias 3º A

706 views

Published on

PROJETO @ BIO 2016

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Baleias 3º A

  1. 1. BALEIAS @ BIO 2016
  2. 2. OBJETIVOS  Este trabalho tem como objetivo abordar as características das baleias e seu modo de vida.
  3. 3. BALEIAS  As baleias são mamíferos marítimos pertencentes à ordem dos Cetáceos, são animais que vivem desde o nascer até a morte na água. Elas não têm guelras e, por isso, têm de subir para respirar na superfície, periodicamente.  Geralmente as baleias têm mais de 4 metros de comprimento. Atualmente existem 40 espécies de baleias sendo que metade delas está ameaçada de extinção, graças à caça indiscriminada de países que não respeitam a legislação internacional como o Japão, por exemplo.  As narinas das baleias ficam no alto da cabeça e, quando elas sobem para respirar, soltam ar quente, que, quando entra em contato com a atmosfera, se transforma em gotas de água. Quando o ar é expelido, essas gotas podem chegar a 6 metros de altura.
  4. 4.  Seu corpo é coberto por uma camada de gordura que a ajuda a baleia a submergir, a manter a temperatura do corpo e a armazenar energia. Seu esqueleto é muito semelhante ao dos mamíferos terrestres de grande porte como, por exemplo, o elefante.  A cauda da baleia é o seu principal modo de locomoção. As nadadeiras das baleias são membros locomotores atrofiados de seus ancestrais, que viviam em terra e eram quadrúpedes. Esses ancestrais viveram, há cerca de 50 milhões de anos, durante a era cenozóica, eles passavam muito tempo na água para buscar alimentos, dessa forma, gradativamente ocorreu a adaptação.  As baleias emitem dois sons conhecidos, sendo que um deles é usado como sonar e o outro como meio de comunicação com os companheiros de sua espécie.
  5. 5.  Normalmente estes animais vivem 30 anos, sendo que já houve registros de baleias com 50 anos de idade. As baleias se alimentam principalmente de peixes, sendo que algumas delas (como as jubartes), não têm dentes. Como substituto dos dentes essas baleias têm algumas laminas ósseas (cerca de 400) que são usadas para filtrar a água engolida juntamente com os peixes. A água engolida é devolvida ao mar, e os peixes presos as laminas são, então, engolidos.  Na Idade Média, o objetivo da caça era a obtenção de carne da baleia para o consumo. Já no século XVIII começou a extração do óleo das baleias. Cada baleia rendia 160 barris de óleo. Do fígado do animal é possível extrair um óleo rico em vitamina A.  A Comissão Internacional da Baleia (que reúne somente 15 paises) fixou o limite máximo de 20.000 baleias a serem caçadas por ano. Porém, ainda existem pessoas que insistem em não respeitar a lei, o que acontece sempre que uma lei prejudica a obtenção do lucro. Atualmente existem poucas baleias no mundo e a caça mata mais do que as baleias se reproduzem, o que pode, em pouco tempo, levar estes mamíferos à extinção. As espécies de baleias mais conhecidas são as as Jubartes, as Francas, as Cachalotes e as maiores que existem: as baleias Azuis.
  6. 6. BALEIA ORCA  ANATOMIA  Comprimento do corpo 6,5 a 8,0 metros; peso: 2,5 a 7 toneladas. Nadam velozmente, podendo viajar numa velocidade de até 55 km/h. O sopro - um jato de água que é atirado pelo orifício nasal do animal -, quando baixo e denso, é muitas vezes visível no ar frio. A coloração da baleia Orça é característica, o dorso e flancos são pretos; ventre branco, estendendo-se na forma de lobos sobre o flanco; mancha branca oval acima e atrás dos olhos; sela cinza indistinta sobre o dorso, atrás da nadadeira dorsal. Existem dois tipos diferentes de orcas, as transeuntes e as residentes, com diferenças físicas e comportamentais. As transeuntes formam bandos pequenos (1 a 7 orcas por grupo), percorrem uma área maior, alimentam-se de outros mamíferos emitem sons com menor frequência e quando nadam, mudam abruptamente de direção, costumam permanecer sob a superfície da água entre 5 a 15 minutos, subindo nos intervalos para respirar. Possuem barbatanas dorsais mais pontiagudas do que as residentes. As residentes formam bandos maiores, geralmente tendo de 5 a 25 orcas no grupo, percorrem uma área menor, alimentando-se de peixes. Emitem sons mais longos, têm rotas de navegação previsíveis e raramente passam mais de cinco minutos embaixo da água. ALIMENTAÇÃO  A orca é um predador versátil, alimenta-se de uma diversidade enorme de animais, desde lulas, peixes e aves, até focas, golfinhos e tartarugas-marinhas. Em bando, são capazes de abater baleias de grande porte, como a azul. A orca é um dos raros cetáceos que nadam até a praia com o objetivo de alimentar- se.
  7. 7. BALEIA ORCA  COSTUMES: Pode ser encontrada em todo o planeta, apesar de ser vista com mais frequência em águas mais frias (em particular em regiões polares). Prefere águas mais profundas e costuma navegar próximo à costa, na rebentação. Não faz longas migrações como as baleias-azuis e são acostumadas a navegar entre blocos de gelos flutuantes nas águas gélidas, onde procuram presas. São frequentemente vistas dando saltos, batidas de cauda e peito na superfície da água e se esfregando no leito marinho, próximo às praias. Talvez esse costume seja para "coçar" o corpo e retirar camadas mortas de pele. REPRODUÇÃO: Não-sazonal; somente um filhote por vez. Os machos chegam a 50 anos, fêmeas chegam a 80 anos de idade.
  8. 8. BALEIA JUBARTE
  9. 9.  ANATOMIA: A baleia Jubarte é um dos grandes cetáceos que habitam o nosso planeta, sendo encontrada em praticamente todos os oceanos. Corpo robusto. Adultos em geral, medem entre 12 e 16m e podem pesar mais de 40 toneladas. Dorso preto com manchas brancas irregulares na barriga. Nadadeiras peitorais e parte ventral da nadadeira caudal variam do preto total ao branco total, com padrões intermediários. Quilha central sobre a cabeça, que é arredondada e repleta de calosidades ou tubérculos. A nadadeira dorsal é pequena, achatada e situa-se sobre pequena corcova. A nadadeira caudal tem forma de asa de borboleta, com bordas recortadas. Nadadeiras peitorais muito longas, correspondendo a 1/3 do comprimento do corpo. Possui de 250 a 400 pares de barbatanas de coloração cinza-escuro ou marrom. Apresenta de 12 a 36 pregas ventrais, que estende-se até perto da abertura genital. REPRODUÇÃO: Os machos disputam as fêmeas com lutas entre si e comportamentos agressivos. Nas áreas de reprodução a estrutura de grupo mais comumente observada são pares de fêmeas com filhotes acompanhadas de um ou mais machos denominados “escortes”. A maturidade sexual é alcançada com aproximadamente 11m. A gestação dura cerca de 1 ano. As fêmeas dão à luz a um único filhote que ao nascer mede cerca de 5m e pesam 1,5 tonelada. A amamentação dura de 6 a 10 meses. O intervalo médio entre as crias é de 2 anos. Pode viver, pelo menos, 40 anos. ALIMENTAÇÃO: Principalmente no verão, em águas frias. Alimenta-se de krill, copépodes e pequenos peixes que formam cardumes. Possuem uma série de técnicas alimentares altamente especializadas.
  10. 10.  COSTUMES: Nada sozinha, em pares ou trios mas pode formar grupos temporários maiores nas áreas de alimentação e reprodução. São consideradas as mais acrobáticas e dóceis baleias, saltando e mostrando sua nadadeira caudal muitas vezes bem perto das embarcações. Seu borrifo tem o formato de um balão e alcança até 3 metros de altura, sendo bastante visível a grandes distâncias. Costuma projetar a nadadeira caudal fora da água antes de iniciar um mergulho profundo. Os machos costumam emitir sons semelhantes a canções que podem durar de 6 minutos até mais de uma hora nas áreas de reprodução para atrair e cortejar as fêmeas. Apresentam um complexo comportamento social. Quando molestada, pode soltar bolhas pelo orifício respiratório na água e emitir um barulho parecido com um som de trompete, como sinal de alerta. Espécie cosmopolita. No verão, alimenta-se próximo aos polos e no inverno migra para os trópicos para se reproduzir e criar seus filhotes. Possui hábitos costeiros mas pode ser encontrada também em ilhas oceânicas como Fernando de Noronha e Trindade. No Brasil, ocorre desde o Rio Grande do Sul até o nordeste. O Banco de Abrolhos, na Bahia, constitui uma importante área de reprodução e cria no Atlântico Sul Ocidental, e a única devidamente comprovada até o momento (suspeita-se que na costa nordeste do Brasil possa existir outra). Inimigos Naturais: As orcas (Orcinus orca), as falsas- orcas (Pseudorca ocrassidens) e possivelmente os grandes tubarões (Família Carcharhinidae).
  11. 11. BALEIA CACHALOTE
  12. 12.  ANATOMIA: O cachalote é o maior representante dos cetáceos com dentes. Os cachalotes apresentam o maior dimorfismo sexual entre todos os cetáceos. A taxa de crescimento dos machos torna-se maior do que a das fêmeas por volta dos dois ou três anos de idade. Desta forma, os machos adultos atingem tamanhos médios entre os 13 e 18 metros enquanto as fêmeas têm em média 10-12 metros. A sua cabeça, que alberga espermacete, pode representar um terço do comprimento total do animal. O esparmacete é uma substância cerosa aparentemente relacionada com a utilização de sons (ecolocalização) para sondar o meio onde vivem, auxiliando na orientação e também na identificação e captura de presas.  ALIMENTAÇÃO: Os cachalotes adultos comem em média 2.5 - 4% do seu peso o que pode equivaler a mais de 1 tonelada por dia. Nos Açores, estudos dos conteúdos estomacais de cachalotes capturados durante a baleação revelaram que a dieta destes animais consistia em 77% de pequenas lulas (< 1.2 Kg) e os restantes 23% de cefalópodes de maiores dimensões (polvos, potas ).
  13. 13.  REPRODUÇÃO: pensa-se que o acasalamento dos cachalotes ocorra principalmente na Primavera, embora esta época possa ser dilatada durante o Verão. No hemisfério Norte este período deverá variar entre Março-Abril e Maio-Junho. As épocas de nascimento, no hemisfério Norte, deverão distribuir-se entre Maio a Novembro, com máximos de Julho a Setembro. Não há evidência de áreas discretas de acasalamento ou nascimentos, mas nos Açores já foram vistas várias crias recém nascidas. As crias nascem com cerca de 4 metros e pesam entre 900 Kg e uma tonelada. Tal como um mamífero típico, os cachalotes amamentam as suas crias. Na zona abdominal, de cada lado da fenda genital, as fêmeas possuem duas fendas mamárias onde estão alojados os mamilos. Quando têm por volta de um ano, elas começam a ingerir alimentos sólidos, mas podem continuar a mamar até os quatro ou cinco anos. Uma vez que não podem mergulhar às mesmas profundidades e durante o mesmo tempo que os adultos, as crias permanecem perto da superfície. Alguns estudos indicam que em grupos com crias os mergulhos dos cachalotes são descordenados, de forma a que esteja quase sempre presente um adulto ou juvenil à superfície junto às crias. Os machos tornam-se sexualmente ativos entre os 18 e 20 anos (12 a 13 m), mas continuam a crescer até aos quarenta. Já as fêmeas tornam-se sexualmente maturas entre os 4 e 9 anos de idade (8 a 9 m).
  14. 14.  COSTUMES: Essa espécie despende 3/4 da vida em atividade alimentar, Estes animais conseguem mergulhar a mais de 2000 m de profundidade, para capturar as presas, e podem permanecer imersos por períodos médios de trinta a sessenta minutos, mas há registros de mergulhos com cerca de noventa minutos. Os cachalotes são cosmopolitas. Podem ser encontrados em águas profundas de todos os oceanos, exceto perto dos calotes polares. Os machos efetuam migrações mais amplas. A organização social dos cachalotes é complexa, e atualmente pensa-se que existam três tipos principais de agrupamentos. Os agrupamentos mistos, que são formados sobre tudo por fêmeas em idade reprodutora e crias. Nestes grupos as fêmeas auxiliam-se mutuamente na proteção das crias, permanecendo em águas mais quentes. Ha um segundo tipo de grupo à qual pertencem os machos celibatários. Estes grupos são formados por machos imaturos e por machos que atingiram a maturidade sexual, mas que ainda não atingiram a maturidade social. O terceiro tipo é constituído por machos solitários, que atingiram a maturidade social, sendo, por isso, sexualmente ativos.
  15. 15. BIBLIOGRAFIA  http://www.infoescola.com/mamiferos/baleia/  http://www.baleias.com.br/
  16. 16. • Jéssica Fantazzini L. P. dos Santos • Millena Costa • Aline Sthepany • Rodrigo Santos • Natalia Aquino • Esther Souza • 3º A • Profª Maria Teresa Iannaco Grego

×