DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS
1º Trimestre de 2014
__
Teleconferência / Webcast
12 de Maio de 2014
AVISOS
Estas apresentações podem conter previsões acerca de
eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas
d...
Resultado 1T14
Crescimento de 8% no Lucro Operacional frente ao 4T13
7,6
7,0 +8%
R$ bilhão
4T13 1T14
Destaques no Resultad...
Resultado 1T14
Crescimento de 8% no Lucro Operacional. Lucro Líquido 14% menor frente ao 4T13
5,4
7,6
6,3
7,0
-14%
+8%
R$ ...
5
FPSO Cid. São Paulo
(Sapinhoá)
2.100
2.050
2.000
1.950
2.200
2.150
1.850
1.900
nov-13
2.009
out-13
1.994
set-13
2.022
ag...
6
FPSO Cid. São Paulo
(Sapinhoá)
1.950
2.200
2.150
2.100
2.050
2.000
1.900
1.850
mar-14
2.014
1.926
fev-14
2.009
1.923
jan...
302
169
119
41
153
444
0
50
100
150
200
250
300
350
400
450
200720062004 2005 200920082003 2010 20122011 20142013
Recorde ...
8
Produção de Óleo e LGN no Brasil – Projeção 2014
Mantida a meta de crescimento da produção de 7,5% (+/- 1 p.p.)
2T14 3T1...
9
Produção de Óleo – Sistemas Existentes
Programa de Aumento da Eficiência Operacional (PROEF) – Ganho de 58 mbpd no 1T14
...
10
Custos da Produção de Óleo e Gás Natural no Brasil
Maior produtividade assegurou a manutenção do patamar do custo de ex...
Produção de Derivados no Brasil
Produção do 1T14 foi 1% acima do 4T13. Vendas caíram 2,2% neste período (sazonalidade)
1T1...
2.124
1.997
1.896
1.8321.821
1.7801.788
1.755
1.735
1.696
1.639
1.600
1.650
1.700
1.750
1.800
1.850
1.900
1.950
2.000
2.05...
13
3,47 3,91
4,20
3,83
3,14
3,37
3,14 3,08
3,26
2,88 2,75 2,83
2
3
4
5
6
3,50
3,74
2012 20132011
5,80
6,25
7,00 6,94
6,60
...
Oferta e Demanda de Gás Natural
Aumento da demanda do mercado térmico no 1T14 em relação ao 4T13 (+28%)
Maior importação d...
Recorde de Entrega de Gás Natural
Entrega mensal de 95,5 milhões m³/dia em março e recorde diário de 101,1 milhões m³/dia ...
16
INTERNACIONAL: Produção de Petróleo/Gás e Refino
Maior produção no 1T14 em função da entrada de poços em Cascade e Chin...
17
Programas Estruturantes e Impacto no Lucro Líquido
Efeito positivo de R$ 2,8 bilhões no 1T14
2,6
5,4
PROEF
0,5
PRODESIN...
18
Impacto positivo no caixa: programas estruturantes PRODESIN (R$ 0,9 bilhão), INFRALOG (R$ 0,4 bilhão), PRC-Poço
(R$ 0,2...
3,52
4,00
39% 39%
-10%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
1,5
2,5
3,5
4,5
4T13 1T14
Endividamento Líquido / EBITDA ¹
Endividamento Líq...
Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário - PIDV 2014
Compromisso com o aumento da eficiência, produtividade e discipl...
DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS
1º Trimestre de 2014
__
Informações:
Relacionamento com Investidores
+55 21 3224-1510
petroinvest...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Webcast sobre Resultados do 1T14

47,622 views

Published on

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS
1º Trimestre de 2014

Teleconferência / Webcast
12 de Maio de 2014

Resultado 1T14: Crescimento de 8% no Lucro Operacional. Lucro Líquido 14% menor frente ao 4T13.

Maior Lucro Operacional em função do efeito dos reajustes dos preços de derivados em todo 1T14, da menor participação do diesel importado nas vendas, prejudicado pela provisão para o PIDV (Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário). O lucro líquido foi menor devido ao impacto do benefício fiscal dos juros sobre capital próprio (R$ 3,2 bilhões), ocorrido no 4T13.

Published in: Investor Relations
1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
  • Considero muito importante a postura pela transparência dos resultados, passo-a-passo, esclarecendo o acionista sobre os resultados alcançados ou não.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
47,622
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
40,433
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Webcast sobre Resultados do 1T14

  1. 1. DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre de 2014 __ Teleconferência / Webcast 12 de Maio de 2014
  2. 2. AVISOS Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia sobre condições futuras da economia, além do setor de atuação, do desempenho e dos resultados financeiros da Companhia, dentre outros. Os termos “antecipa", "acredita", "espera", "prevê", "pretende", "planeja", "projeta", "objetiva", "deverá", bem como outros termos similares, visam a identificar tais previsões, as quais, evidentemente, envolvem riscos e incertezas previstos ou não pela Companhia e, consequentemente, não são garantias de resultados futuros da Companhia. Portanto, os resultados futuros das operações da Companhia podem diferir das atuais expectativas, e o leitor não deve se basear exclusivamente nas informações aqui contidas. A Companhia não se obriga a atualizar as apresentações e previsões à luz de novas informações ou de seus desdobramentos futuros. Os valores informados para 2014 em diante são estimativas ou metas. A SEC somente permite que as companhias de óleo e gás incluam em seus relatórios arquivados reservas provadas que a Companhia tenha comprovado por produção ou testes de formação conclusivos que sejam viáveis econômica e legalmente nas condições econômicas e operacionais vigentes. Utilizamos alguns termos nesta apresentação, tais como descobertas, que as orientações da SEC nos proíbem de usar em nossos relatórios arquivados. Aviso aos Investidores Norte-Americanos:
  3. 3. Resultado 1T14 Crescimento de 8% no Lucro Operacional frente ao 4T13 7,6 7,0 +8% R$ bilhão 4T13 1T14 Destaques no Resultado do 1T14 x 4T13 LUCRO OPERACIONAL (+8%) Efeito em todo o trimestre dos reajustes do diesel e da gasolina ocorrido em nov/13. Menor participação do diesel importado nas vendas. Ausência de Impairment no 1T14. Menor produção de petróleo reduzindo o volume exportado. Provisão para pagamento do PIDV (R$ 2,4 bilhões). Maior Lucro Operacional em função do efeito dos reajustes dos preços de derivados em todo 1T14, da menor participação do diesel importado nas vendas, prejudicado pela provisão para o PIDV (Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário). O lucro líquido foi menor devido ao impacto do benefício fiscal dos juros sobre capital próprio (R$ 3,2 bilhões), ocorrido no 4T13.
  4. 4. Resultado 1T14 Crescimento de 8% no Lucro Operacional. Lucro Líquido 14% menor frente ao 4T13 5,4 7,6 6,3 7,0 -14% +8% R$ bilhão 4T13 1T14 Destaques no Resultado do 1T14 x 4T13 LUCRO OPERACIONAL (+8%) Efeito em todo o trimestre dos reajustes do diesel e da gasolina ocorrido em nov/13. Menor participação do diesel importado nas vendas. Ausência de Impairment no 1T14. Menor produção de petróleo reduzindo o volume exportado. Provisão para pagamento do PIDV (R$ 2,4 bilhões). LUCRO LÍQUIDO (-14%) Melhor resultado financeiro devido a menor taxa de câmbio de fechamento no 1T14. Maior despesa com impostos devido a ausência do benefício fiscal dos juros sobre capital próprio ocorrido no 4T13 (R$ 3,2 bilhões). Maior Lucro Operacional em função do efeito dos reajustes dos preços de derivados em todo 1T14, da menor participação do diesel importado nas vendas, prejudicado pela provisão para o PIDV (Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário). O lucro líquido foi menor devido ao impacto do benefício fiscal dos juros sobre capital próprio (R$ 3,2 bilhões), ocorrido no 4T13.
  5. 5. 5 FPSO Cid. São Paulo (Sapinhoá) 2.100 2.050 2.000 1.950 2.200 2.150 1.850 1.900 nov-13 2.009 out-13 1.994 set-13 2.022 ago-13 1.951 jul-13 1.929 jun-13 2.021 mai-13 1.925 abr-13 1.974 mar-13 dez-13fev-13 1.955 jan-13 1.994 2.027 1.890 mar-14 2.014 fev-14 2.009 jan-14 1.988 Mil bpd 2013: 1.974 mbpd 1T13 Média 1.946 2T13 Média 1.973 4T13 Média 2.010 1T14 Média 2.004 3T13 Média 1.967 P-58 (Parque das Baleias) P-55 (Roncador) P-63 (Papa-Terra) 12/NovFPSO Cid. Paraty (Piloto de Lula NE) FPSO Cidade de Itajaí (Baúna) 16/Fev 5/Jan 17/Mar 31/Dez Produção da Petrobras Produção Operada pela Petrobras 6/Jun Petrobras Operadora: Produção de Óleo e LGN no Brasil Produção Operada pela Petrobras no 1T14 foi de 2.004 mbpd
  6. 6. 6 FPSO Cid. São Paulo (Sapinhoá) 1.950 2.200 2.150 2.100 2.050 2.000 1.900 1.850 mar-14 2.014 1.926 fev-14 2.009 1.923 jan-14 1.988 1.917 dez-13 2.027 1.964 nov-13 1.908 jul-13 1.929 1.888 jun-13 2.021 1.979 mai-13 1.925 1.892 abr-13 1.974 1.924 mar-13 1.890 ago-13fev-13 1.955 1.920 jan-13 1.994 1.965 1.979 1.951 2.022 set-13 1.960 1.994 out-13 1.957 2.009 1.846 Mil bpd Petrobras: Produção de Óleo e LGN no Brasil Produção Petrobras no 1T14 foi de 1.922 mbpd, em linha com o planejado para o trimestre 1T13 Média 1.910 2T13 Média 1.931 4T13 Média 1.960 1T14 Média 1.922 3T13 Média 1.924 P-58 (Parque das Baleias) P-55 (Roncador) P-63 (Papa-Terra) 12/NovFPSO Cid. Paraty (Piloto de Lula NE) FPSO Cidade de Itajaí (Baúna) 16/Fev 5/Jan 17/Mar 31/Dez Capacidade: 120 mbpd (45% Petrobras) 2013 – 10 mbpd 1T14 – 20 mbpd Capacidade: 80 mbpd (100% Petrobras) 2013 – 36 mbpd 1T14 – 72 mbpd Capacidade: 120 mbpd (65% Petrobras) 2013 – 10 mbpd 1T14 – 30 mbpd Capacidade: 140 mbpd (62,5% Petrobras) 2013 – 1 mbpd 1T14 – 9 mbpd Capacidade: 180 mbpd (100% Petrobras) 1T14 – 8 mbpd Capacidade: 180 mbpd (100% Petrobras) 1T14 – 2 mbpd Produção Operada pela PetrobrasProdução da Petrobras 6/Jun Principais fatores que impactaram a produção no 1T14: • Desmobilização do FPSO Brasil e parada total da P-20 por 103 dias (incêndio). • Limitação de PLSVs devido à decisão tardia de contratá-los no exterior (2010 → 2012), impactando o ritmo atual de interligação de poços. • Atrasos na entrega das plataformas pelos estaleiros. • Maior tempo na execução de projetos inovadores, como os BSRs (boiões) e os sistemas P-63/P-61/TAD. 2013: 1.931 mbpd
  7. 7. 302 169 119 41 153 444 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 200720062004 2005 200920082003 2010 20122011 20142013 Recorde de Produção de Petróleo no Pré-Sal Produção mensal de 395 mil bpd em março e recorde diário de 444 mil bpd em 18/Abr com 24 poços Mil bpd Nota: Valor de 2014 refere-se ao recorde diário alcançado em 18/04/2014 P-58 17/03/14 FPSO Cid. São Paulo 05/01/13 + Instalação de Bóia de Sustentação de Riser (BSR) - Boião A alta produtividade dos poços do pré-sal contribuem para o menor custo de extração (CE) destes projetos. O campo de Lula tem custo de extração de US$ 9/boe (2013), frente a um CE de US$ 14,76/boe da Petrobras. Altura 10 m x Largura 40 m x Comprimento 52 Recordes sucessivos de produção do pré-sal: • 18/fev: interligação do 1º poço do boião (BSR1) ao FPSO Cid. São Paulo, com 36 mil bpd (melhor poço do país); • 17/mar: 1º óleo da P-58; • 03/abr: interligação do 2º poço ao BSR1, com 35 mil bpd; • 09/mai: interligação do 1º poço à BSR2 (FPSO Cid. Paraty), com 31 mil bpd; • 09/mai: concluída a instalação da BSR4, última das 4 bóias de sustentação de risers; 2 BSR´s
  8. 8. 8 Produção de Óleo e LGN no Brasil – Projeção 2014 Mantida a meta de crescimento da produção de 7,5% (+/- 1 p.p.) 2T14 3T14 4T14 Média 2014: 2.075 mbpd +/- 1% Fatores que sustentam o crescimento da produção: • Novos sistemas: P-62 (12/mai), P-61/TAD (3T14), FPSO Cidade de Ilhabela (3T14) e FPSO Cidade de Mangaratiba (4T14). • Interligação de 65 poços produtores em 2014, dos quais 20 já interligados até 12/mai/2014. - Aumento da frota de PLSVs: 11 navios no 1T14, 13 navios no 2T14, 16 navios no 3T14 e 19 navios no 4T14. - Aumento da produtividade dos navios PLSV: de 99 km / PLSV / ano no 1T13 para 129 km / PLSV / ano no 1T14 (+30%). Mil bpd 2.000 2.500 2.600 2.200 2.100 1.900 1.800 0 2.300 2.400 jun-14 mai-14 abr-14 mar-14 1.926 fev-14 1.923 jan-14 1.917 dez-13 1.964 dez-14 nov-14 out-14 nov-13 1.957 out-13 1.960 set-13 1.979 ago-13 1.908 jul-13 1.888 set-14 1.979 mai-13 1.892 abr-13 1.924 mar-13 jun-13 fev-13 1.920 jan-13 1.965 ago-14 jul-14 1.846 2T13 Média 1.931 3T13 Média 1.924 4T13 Média 1.960 Média 2013: 1.931 mbpd 1T13 Média 1.910 1T14 Média 1.922 P-62 12/Mai Realizado FPSO Cid. São Paulo FPSO Cid. Paraty 6/Jun FPSO Cidade de Itajaí 16/Fev 5/Jan P-55 P-63 12/Nov 31/Dez Cid. Ilhabela Cid. Mangaratiba 4º Tri 3º Tri 3º Tri 3º Tri P-61 TAD P-58 17/Mar ilustração
  9. 9. 9 Produção de Óleo – Sistemas Existentes Programa de Aumento da Eficiência Operacional (PROEF) – Ganho de 58 mbpd no 1T14 UO-BC Produção de Óleo + LGN (mbpd)Eficiência Operacional (%) 73 68 71 76 76 74 75 77 77 50 60 70 80 90 100 +9 p.p. Abr/14 81 1T14*4T133T132T131T134T123T122T121T12 382 355 389390389 418 442452455 488 335312 370357374 405408413428 100 200 300 400 500 600 Abr/141T14*4T133T132T131T134T123T122T121T12 POLEO sem PROEFPOLEO com PROEF Dispêndios totais de US$ 1.897 milhões até fev/14. VPL de US$ 1.080 milhões até fev/14. Foco na recuperação de poços em sistemas submarinos. Ganho de produção: +43 mbpd no 1T14. *Excluindo o efeito dos sistemas novos: P-63 e P-61. 1T14: Ganho de 43 mbpd UO-RIO Produção de Óleo + LGN (mbpd)Eficiência Operacional (%) 92 91 89 94 91 93 92 94 95 50 60 70 80 90 100 +6 p.p. Abr/14 96 1T14*4T133T132T131T134T123T122T121T12 807 839 881871887871 920 775 824811 841840851 910 500 600 700 800 900 1.000 Abr/141T14*4T133T132T131T134T12 POLEO sem PROEFPOLEO com PROEF Dispêndios totais de US$ 3,2 milhões até fev/14. VPL de US$ 1.340 milhões até fev/14. Foco na gestão, melhoria de integridade e otimização na utilização de recursos. Ganho de produção: +15 mbpd no 1T14. *Excluindo o efeito dos sistemas novos: P-55 e P-62 1T14: Ganho de 15 mbpd Meta 2014: 93% Meta 2014: 81% Maior valor dos últimos 46 meses Maior valor dos últimos 40 meses
  10. 10. 10 Custos da Produção de Óleo e Gás Natural no Brasil Maior produtividade assegurou a manutenção do patamar do custo de extração 1T14 Mais atividades operacionais com produção de óleo constante; Custos unitários estabilizados com tendência de queda → aumento da produtividade e redução de custos 11,38 13,12 12,49 12,91 13,28 15,24 14,76 15,02 14,96 14,33 14,62 9 12 15 18 13,37 13,80 14,15 2012 20132011 19,00 20,93 22,31 22,47 22,57 30,79 28,33 29,49 31,25 34,28 32,66 33,14 32,65 10 20 30 40 2T124T113T11 1T122T111T11 3T12 26,39 20141T144T133T132T131T134T12 US$/boe 2014 Projeção R$/boe Média: US$ 12,59 /boe Média: US$ 13,79 /boe Média: US$ 14,76 /boe +9% +7% US$ 14,15 /boe 2012 20132011 2014 Projeção Média: R$ 21,19 /boe Média: R$ 26,97 /boe Média: R$ 31,94 /boe +27% +18% R$ 33,14 /boe 2011 2012 2013 1T14 Câmbio Médio (R$/US$) 1,67 1,96 2,16 2,37 % do Custo em US$ 18 18 32 35 Produção de Óleo (mbpd) 2.022 1.980 1.931 1.922 Produção Pré-Sal (mbpd) 100 138 249 299 Nº de UEP em Operação 121 122 124 124 Dias de Intervenção em Poços (PROEF) 1.402 2.966 3.479 872 1T14 -1% +1%
  11. 11. Produção de Derivados no Brasil Produção do 1T14 foi 1% acima do 4T13. Vendas caíram 2,2% neste período (sazonalidade) 1T14 x 4T13 • Menor produção de Diesel e Gasolina, principalmente devido à parada programada na REPLAN. • Maior FUT (de 95% para 96%) e maior utilização do petróleo nacional na carga processada (+21 mbpd). Produção de Derivados 0% 839 841 822 453 499 483 288 248 290 197 211 208 125128140 9286113 1059198 +1% 1T14 2.124 4T13 2.105 1T13 2.127 -2,2% -3,2% Vendas de Derivados – Brasil Outros* DieselGasolinaGLPNaftaQAVOC (mil bpd)(mil bpd) 921 1.005 947 580 610 601 222235 213 178164 180 111108 105 11099 118 202204 196 1T14 2.371 4T13 2.425 1T13 2.313 -2,2% (*) Outros – Lubrificantes, Asfalto, Coque, Propeno, Solvente, Benzeno, Querosene iluminante e Intermediários +2,5% -5,8% -1,5% 1T14 x 4T13 • Diesel (-58 mbpd): Efeito da sazonalidade, atenuado pelo maior consumo de diesel pelas térmicas. 4º tri. tem produção industrial aquecida e plantio da safra, enquanto 1º tri. tem redução de vendas no varejo e na indústria. • GLP (-13 mbpd): Temperaturas mais altas no 1T14 e período de férias reduzem o consumo de GLP.
  12. 12. 2.124 1.997 1.896 1.8321.821 1.7801.788 1.755 1.735 1.696 1.639 1.600 1.650 1.700 1.750 1.800 1.850 1.900 1.950 2.000 2.050 2.100 2.150 2.200 Recorde de Produção de Derivados no Brasil: 12 Refinarias Produção de 2.151 mil bpd em março 2007 2008 2009 2010 20142011 2012 20132003 2004 2005 2006 Nota: Valor de 2014 refere-se ao recorde mensal alcançado em março/2014. Mil bpd 2.151 Novos recordes de produção no refino • Excelentes níveis de eficiência: fator de utilização de 96% no 1T14. • Novo recorde mensal de 2.151 mil barris por dia em março, superando o anterior de 2.139 mil bpd obtido em julho de 2013. Refinaria de Paulínia – REPLAN Capacidade: 415 mil bpd A elevação expressiva do patamar de operação decorre da melhor performance obtida com a entrada em funcionamento de novas unidades de qualidade e conversão, além da otimização dos processos de refino e da remoção de gargalos na logística.
  13. 13. 13 3,47 3,91 4,20 3,83 3,14 3,37 3,14 3,08 3,26 2,88 2,75 2,83 2 3 4 5 6 3,50 3,74 2012 20132011 5,80 6,25 7,00 6,94 6,60 6,25 6,98 6,24 6,37 6,62 6,48 6,63 4 6 8 10 4T13 1T14 20141T134T123T12 7,07 2T121T124T113T112T111T11 7,45 3T132T13 US$/bbl R$/bbl Média: US$ 3,86 /bbl Média: US$ 3,44 /bbl Média: US$ 3,09 /bbl -11% -10% US$ 2,75 / bbl 2012 20132011 Média: R$ 6,51 /bbl Média: R$ 6,73 /bbl Média: R$ 6,67 /bbl +3% 0% R$ 6,48 /bbl Custo de Refino no Brasil Redução significativa devido ao aumento da produtividade e da carga processada Mais atividades operacionais com crescimento da produção de derivados; Custos unitários em queda → aumento da produtividade e redução de custos 2011 2012 2013 1T14 Câmbio Médio (R$/US$) 1,67 1,96 2,16 2,37 Nº de Efetivo 9.231 9.289 9.078 9.017 Carga Processada (mbpd) 1.866 1.944 2.074 2.058 FUT (%) 91 94 97 96 Complexidade (UEDC/d) 12,94 14,39 15,02 16,16 1T14 1T14 -5% -2% 2014 Projeção 2014 Projeção UEDC – Utilized Equivalent Distillation Capacity
  14. 14. Oferta e Demanda de Gás Natural Aumento da demanda do mercado térmico no 1T14 em relação ao 4T13 (+28%) Maior importação de GNL para atendimento ao mercado termelétrico. 1T14 x 4T13 • Maior demanda termelétrica devido à condição hidrológica desfavorável e baixo nível dos reservatórios. • Maior importação de Gás Natural da Bolívia com o contrato adicional assinado, em fev/14, para atendimento à UTE Cuiabá. • Maior volume de GNL regaseificado para atendimento à maior demanda térmica. 39,9 milhão m³/dia Nacional Bolívia GNL Não-Termelétrico Termelétrico Abast/E&P/Fafens OFERTADEMANDA 40,2 37,0 11,7 39,3 +1% +1% 13,012,710,9 +10% 1T14 88,5 37,9 37,6 4T13 80,8 29,6 38,5 1T13 87,8 39,9 37,0 18,812,814,1 +9% 1T14 88,8 31,7 38,3 4T13 81,3 30,7 37,8 1T13 88,1 30,7 43,3 +28% +2% +3% +47% +1%
  15. 15. Recorde de Entrega de Gás Natural Entrega mensal de 95,5 milhões m³/dia em março e recorde diário de 101,1 milhões m³/dia em 26/Mar 85 75 6162 45 58 484645 42 35 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 95 100 2007 2008 2009 2010 20142011 2012 20132003 2004 2005 2006 Nota: Valor de 2014 refere-se ao recorde mensal alcançado em março/2014. Milhão m³/dia 96 Novos recordes na entrega de gás natural ao mercado • Recorde diário de 101,1 milhões de m³/dia, ultrapassando pela primeira vez a barreira dos 100 milhões m³/dia de gás natural entregues ao mercado. • O mercado termelétrico recebeu 45 milhões m³/dia para uma geração de 7.163 MW de energia elétrica, cerca de 12% da demanda do Sistema Interligado Nacional. Terminal de Regaseificação de GNL da Bahia Capacidade: 14 milhões m³/dia 1º Gás: 24/01/2014
  16. 16. 16 INTERNACIONAL: Produção de Petróleo/Gás e Refino Maior produção no 1T14 em função da entrada de poços em Cascade e Chinook (EUA) Produção de Petróleo e Gás Natural Refino (Carga Total Processada) Milbbl/dia 51 42 33 -6% 1T14 165 29 103 4T13 175 28 104 1T13 173 28 94 Bahía Blanca Pasadena Okinawa -5% 55 51 53 557 131115 917 1 5 5 6 +8% 1T14 209 81 27 26 4T13 194 85 27 1T13 242 89 52 Bolívia Colômbia Peru Argentina EUA Angola Nigéria Venezuela Milboe/dia -13% 1T14 x 4T13 • EUA (+18 mboe/dia): Entrada em produção dos poços Cascade 6 e Chinook 5 em jan/14. • Bolívia (+2 mboe/dia): Entrada de poços em Itau, em jan/14. • Argentina (-5 mboe/dia): Farm-out total de Puesto Hernandez. • Custo de Extração (de US$ 11,72/boe para US$ 7,85/boe): Redução de 33% em função do aumento da produção nos EUA e venda de Puesto Hernandez (Argentina). 1T14 x 4T13 • Okinawa (-9 mbbl/dia): Parada programada por 39 dias, a partir de fev/14. • Pasadena (-1 mbbl/dia): Limpeza de trocadores de calor da Unidade de Destilação Atmosférica. • Bahía Blanca (+1 mbbl/dia): Parada não programada da unidade de FCC ocorrida em nov/13 (13 dias). • Custo de Refino (de US$ 4,44/bbl para US$ 3,66/bbl): Redução de 18% devido à manutenção de tanques em Okinawa ocorridas no final de 2013.
  17. 17. 17 Programas Estruturantes e Impacto no Lucro Líquido Efeito positivo de R$ 2,8 bilhões no 1T14 2,6 5,4 PROEF 0,5 PRODESIN 0,7 PROCOP 1,6 Lucro Líquido 1T14 R$ -2,8 bilhões (-52%) Lucro Líquido 1T14 sem Programas Estruturantes R$ bilhão PROCOP (R$ 1,6 bilhão), PRODESIN (R$ 0,7 bilhão), PROEF (R$ 0,5 bilhão) impactaram positivamente o Lucro Líquido em 52% (R$ 2,8 bilhões). Programas Estruturantes Programa de Desinvestimentos Programa de Otimização de Custos Operacionais Programa de Aumento da Eficiência Operacional Ganho descontado de IR
  18. 18. 18 Impacto positivo no caixa: programas estruturantes PRODESIN (R$ 0,9 bilhão), INFRALOG (R$ 0,4 bilhão), PRC-Poço (R$ 0,2 bilhão) e PROCOP (R$ 1,6 bilhão) possibilitaram um caixa 4% superior. 1,6 0,2 0,4 0,9 PRODESIN*Caixa Final 1T14 78,5 PRC SUB 0,05 INFRALOG Caixa Final sem Programas Estruturantes 75,4 PROCOP*PRC Poço R$ +3,1 bilhões (+4%) *Ganho descontado de IR Programa de Desinvestimentos Plano de Redução de Custos de Instalações Submarinas Programa de Redução de Custos de Poços Programa de Otimização de Custos Operacionais R$ bilhão Gestão Integrada dos Projetos de Logística Programas Estruturantes e Impacto no Caixa Efeito positivo de R$ 3,1 bilhões no 1T14
  19. 19. 3,52 4,00 39% 39% -10% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 1,5 2,5 3,5 4,5 4T13 1T14 Endividamento Líquido / EBITDA ¹ Endividamento Líquido / Capitalização Líquida ² ALAVANCAGEM EL/EBITDA Indicadores Financeiros Captações no 1T14 elevaram as disponibilidades para R$ 78,5 bilhões 1) Endividamento Líquido / (EBITDA ajustado 1T14 x 4). EBITDA ajustado= EBITDA excluindo a participação em investimentos e a perda na recuperação de ativos 2) Endividamento Líquido / (Endividamento Líquido + Patrimônio Líquido) 3) Inclui títulos federais com vencimento superior a 90 dias R$ Bilhões 31/12/13 31/03/14 Endividamento de Curto Prazo 18,8 21,8 Endividamento de Longo Prazo 249,0 286,3 Endividamento Total 267,8 308,1 (-) Disponibilidades ajustadas 3 46,3 78,5 = Endividamento Líquido 221,6 229,7 US$ Bilhões Endividamento Líquido 94,6 101,5 • No 1T14 foram realizadas duas emissões de títulos: - Janeiro/14 € 3,05 bilhões + £ 600 milhões = US$ 5,14 bilhões (demanda de US$ 15 bilhões) - Março/14 US$ 8,5 bilhões (demanda de US$ 23 bilhões) • Alavancagem permanece em 39% • EL/EBITDA em 4,00x, consequência da provisão do PIDV; Como sensibilidade, sem o efeito do PIDV o indicador EL/EBITDA seria de 3,43x no 1T14. Acesso ao Mercado Indicadores de Endividamento
  20. 20. Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário - PIDV 2014 Compromisso com o aumento da eficiência, produtividade e disciplina de capital • Número de Inscritos: 8.298 empregados 12% do total de empregados* e 15% do custo de pessoal previsto** para 2014 • Custo do Programa: R$ 2,4 bilhões Provisionado no 1T14 • Redução de Custos: R$ 13 bilhões no período 2014-2018 Premissa de Reposição: 60% dos desligamentos. O custo do incentivo deverá ser compensado em um tempo médio de 9 meses após a saída de cada um dos profissionais. • Previsão de Desligamentos 55% dos desligamentos ocorrem em 2014. As saídas subsequentes estão programadas de forma a conciliar a necessária retenção do conhecimento, indispensável ao crescimento e à continuidade operacional, segura e sustentável, da Companhia • Evolução do Custo de Pessoal* * Petrobras Holding + BR Distribuidora. Empregados em Mar/14 = 66.982 / ** Custo previsto no PDG 2014 - Programa de Dispêndios Globais 2009 11,5 2010 13,1 18,3 2011 15,5 Redução PIDV 26,9 2012 +3% a.a. 5,0 2015 25,6 2016 25,524,9 4,13,3 Custo de Pessoal 2017 +18% a.a. 2018 1,3 2014 23,8 2013 22,3 R$ bilhão Empregados (mil) 60,1 61,9 63,5 66,4 67,2 62,6 63,7 63,8 61,9 63,2 R$ 13 bilhões 2014-2018 -0,6 Projeção
  21. 21. DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre de 2014 __ Informações: Relacionamento com Investidores +55 21 3224-1510 petroinvest@petrobras.com.br

×