Apresentação pesquisa qualitativa secad

1,661 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,661
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
63
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação pesquisa qualitativa secad

  1. 1. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral:concepções e práticas na educação brasileira- Análises qualitativas - Instituição e Grupo de Pesquisa (CNPq): UNIRIO - NEEPHI Pesquisadores: Ana Maria V. Cavaliére - UFRJ Claudia Fernandes Janaina S. Menezes Ligia Martha C. da C. Coelho Lucia Velloso Mauricio - UERJ Nailda Bonato Bolsist as: Bruno Adriano R. da Silva - UFRJ Caren Victorino Regis Caroline Marchiori - UFRJ Valdeney Lima da Costa
  2. 2. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira - Análises qualitativas - Municipios visitados e pesquisadores responsáveis: Colatina (ES) Nailda e Caroline Natal (RN) Janaina e Caroline Nova Friburgo (RJ) Ana,Claudia,Lígia Martha,Lúcia,Nailda Olímpia (SP) Ligia Martha e Caren Recife (PE) Ana e Bruno Russas (CE) Lucia e Valdeney São Paulo (SP) Lígia Martha, Lucia e Bruno São Sebastião do Passe (BA) Claudia e Caren
  3. 3. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira - Análises qualitativas - (1) COLATINA (ES) * PROJETO ESCOLA DE TEMPO INTEGRALPeriodo da visita Março de 2010Critérios de escolha Experiência com mais de 8 anos (início em 2001) 5 dias na semana + 8 horas diárias Contempla três experiências, em parceria (CEJA; AABB Comunidade; Tempo Integral, em cinco escolas da rede) Maior representatividade entre os municípios com experiências, no estadoAlunos envolvidos risco social + dificuldade de aprendizagem Ed. Infantil + ensino fundamental
  4. 4. COLATINA PROJETO ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL*Todas as escolas gostariam de participar do Projeto*Formadores“Precisam ser professores, nós não temos nenhum que não tenha uma formação pedagógica, é uma política nossa, nós não contratamos se não tiver formação” (secretária) AABB Comunidade *Objetivo : “contribuir para a inclusão, a permanência e o desenvolvimento educacional de crianças e adolescentes de famílias de baixa renda na escola, integrando as famílias, a escola e a comunidade”. * Atendimento: 80 crianças, de 6 aos 18 anos, oriundas de cinco escolas da rede * Material didático: Cadernos Pedagógicos, vol. I e Atividades Lúdicas, vol. II, elaborados pelo Núcleo de Trabalhos Comunitários – NTC – PUC/SP, datados do ano 2000. * Funcionamento: Desde 2001, no turno inverso ao escolar
  5. 5. COLATINA PROJETO ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL CEJA – Centro Educacional Jornada Ampliada Santo Antonio *Atendimento: 120 crianças de ambos os sexos, de 6 a 14 anos, oriundas de cinco escolas municipais da 1ª à 8ª série *Estrutura: Era uma cooperativa; parcerias na reforma do prédio e na merenda *Funcionamento: Turno inverso; procura contato com as escolas; atividades artísticas, esportivas, culturais e reforço escolar Escola Fundamental do Ensino Fundamental Edwalter Ribeiro Soares * Atendimento: 80 crianças, de 1ª. a 4ª. Série (total=175 alunos) *Estrutura: Bom espaço físico que, no entanto, não comporta ampliação da experiência para as turmas até 8ª. Série *Funcionamento: Turno inverso, pela manhã; à tarde, aulas regulares (professores sentem os alunos mais cansados; outras escolas estão invertendo os turnos) *Horário integral como proteção é algo destacado nas falas das crianças *Os pais procuram a escola pelo horário integral, mas reclamam da dispensa dos alunos, às sextas, devido à reunião semanal dos professores *Há parcerias para a merenda, nas festas, mas a gestão se ressente de mais parcerias financeiras
  6. 6. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral:concepções e práticas na educação brasileira- Análises qualitativas - (2) NATAL (RN)Periodo da visita Abril de 2010Critérios de escolha 4 experiêmcias de jornada escolar ampliada distintos tempos de implantação (uma das experiências possui 15 anos) atendimento a um número significativo de alunos projeto educacional do município contempla a educação (em tempo) integralVisitas realizadas 4 escolas municipais 1 unidade de Núcleo Educacional de Apoio à Criança e ao Adolescente (Tributos) CEMURE (Centro Municipal de Referência em Educação Aluizio Alves)
  7. 7. NATAL Núcleos Educacionais de Apoio à Criança e ao Adolescente - Tributos* Origem: Programa Tributo à Criança (Portaria 007/1997)*Funcionamento: Contraturno escolar; 4 Tributos; imóveis alugados*Objetivo: Apoio educacional e psicossocial; vulnerabilidade social*Abrangência: Aproximadamente 200 crianças em cada turno de cada tributo*Desafios: (1) colaboração entre os setores envolvidos; (2) rotatividade dos monitores (valor da bolsa); (3) ausência de maior conexão com as escolas*Avanços: (1) atividades para alunos das escolas municipais e estaduais; (2) satisfação das famílias Programa Ações Educativas Complementares* Origem: Programa do governo federal (2004)*Objetivos: “promover, no ambiente escolar, ações de inclusão social, ampliando o tempo de permanência diária do aluno, criando possibilidades de uma educação de qualidade” (SME, 2008)*Funcionamento: Na escola, no turno inverso, com oficinas de esportes, artes, apoio pedagógico e temáticas (Protagonismo infantojuvenil é destaque)*Dados do projeto em 2009: atendimento a 30 escolas, cada uma com no máximo 3 oficinas*Profissionais: Monitores, com serviço voluntário; formação em nível médio, ou universitários*Divulgação: Anualmente, há um grande evento com a participação dos alunos envolvidos*Avanços: (1) aproximação da escola à comunidade e vice-versa; (2) melhoria na frequência e nos trabalhos em grupo; (3) utilização de espaços fora da escola*Desafios: (1) aumento do financiamento; (2) diminuição da visão assistencialista; (3)
  8. 8. NATAL Oficinas de Aprendizagem em Língua Portuguesa e Matemática* Origem: 2008 (SME)*Objetivos: contribuir para a superação das dificuldades em Língua Portuguesa e Matemática, por meio da oferta de oficinas de aprendizagem no contraturno escolar É uma ação, dentro de uma proposta de Educação Integral*Profissionais: Professores oriundos das creches do município, que foram lotados na SME e formaram o corpo de trabalho com esta ação.*Avanços: (1) melhoria no desempenho dos alunos; (2) solicitação da ação para várias escolas, devido a essa melhoria*Desafios: (1) ampliação dos espaços (2) formação dos profissionais Programa Mais Educação*Origem: maio de 2007, durante Seminário em que o Programa foi apresentado*Setor de Educação em Tempo Integral na SME: função de assessorar e acompanhar as escolas no desenvolvimento do Programa (parcerias,*Abrangência: Em 2010, 20,4% da rede pública municipal*Alunos envolvidos: Dificuldades em Letramento e Matemática + vulnerabilidade social*Foco da visita: 4 escolas, de diferentes regiões do município, cujo Programa iniciou-se em 2008*Algumas considerações : (1) envolvimento e compromisso dos coordenadores do programa nas escolas; (2) resistência inicial de alguns diretores, por conta do espaço, entre outros fatores; (3) apoio imediato das famílias; (4) diversidade das oficinas; (5) formação das turmas, nas oficinas, por nível de aprendizagem; (6) monitores escolhidos não só pela qualificação, mas pelo envolvimento com causas sociais; (7) participação voluntária no programa; (8) parcerias para ampliação dos espaços; (9) dificuldade na efetivação das parcerias; (10) conexão entre professores e monitores é realizada por meio do coordenador do PME na escola
  9. 9. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira - Análises qualitativas - (3) NOVA FRIBURGO (RJ) Período da visita novembro de 2009 Critérios para a escolha Três experiências com tempo integral (oito horas) Duas experiências com jornada ampliada Município de médio porteVisitas realizadas SME CEFFA Rei Alberto I E.M. Batista E.M. Cecília Meireles
  10. 10. NOVA FRIBURGO PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA* CEFFA Rei Alberto I: Início das atividades em 1998, com a Pedagogia da Alternância.*Parceria: IBELGA*Espaço: Meio rural, escola-fazenda*Tempo: Integral, na semana em que os alunos estão na escola. Na semana seguinte, eles ficam em casa, realizando atividades oriundas do espaço escolar.*Profissionais: Professores do município (concursados e/ou contratados); envolvimento com a proposta.*Atividades: Além das curriculares tradicionais, formação humana, técnicas agropecuárias e educação familiarA proposta tem, como objetivo, orientar a formação profissional dos jovens do meio rural, baseando-se em quatro pilares: (1) responsabilidade das famílias e instituições, organizadas como associações; (2) formação por alternância: meio sócio-profissional e escola, em tempo integral, com descontinuidade de atividades; (3) formação integral e (4) dinâmica de desenvolvimento local. (Folder IBELGA). Segundo o Caderno Didático já apresentado, “a idéia é fazer da propriedade uma extensão da unidade educacional”, caracterizando-se pela “formação integral do jovem rural abrangendo aspectos profissional e intelectual, humano e social, ético e espiritual” (p.4).
  11. 11. NOVA FRIBURGO PEDAGOGIA WALDORF*Abrangência: Duas escolas, em Nova Friburgo. A escola visitada foi a E.M. Cecília Meireles. Todos os alunos das duas escolas participam da proposta da Pedagogia Waldorf.*Tempo: O tempo é trabalhado de forma integrada, ou seja, as atividades são organizadas a partir de expectativas oriundas da faixa etária das crianças, independentemente de mescla de atividades, ou da divisão em atividades do turno e atividades do contraturno.*Espaço: Construção circular, que se abre para um pátio interno. Salas coloridas e com equipamentos e materiais de trabalho próprios.*Profissionais: Professores e auxiliares, com formação para atuar com a Pedagogia Waldorf.*Atividades: Há peculiaridades no desenho curricular da escola, descritas tanto no documento apresentado quanto na fala da gestora. Trabalho com o que se denomina “ritmo anual”, ou seja, “o ritmo das festas ou estações do ano. Esses “ritmos” ou projetos acontecem no ensino fundamental, durante aproximadamente 4 semanas cada um, e relacionam-se às festas e às estações do ano. TEMPO DE SER FELIZ*Abrangência: Aproximadamente 90 crianças, oriundas de escolas municipais da região.*Espaço: O Clube Roqueano (parceria) cede parte de seu espaço para as atividades do projeto.*Funcionamento: No contraturno das escolas, opcional para as crianças.*Atividades: Reforço escolar; esportivas; artísticas e culturais.*Relação com a escola: Ainda incipiente, o contato é pouco.
  12. 12. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira - Análises qualitativas - (4) OLÍMPIA (SP)Período da visita 7 a 10 de dezembro de 2009Critérios de escolha Experiência única, ocorrendo em tempo integral (9 horas diárias) Para toda a rede (10 escolas municipais) Experiência com seis anos Município de pequeno porteVisitas realizadas SME E.M. Luiza Seno de Oliveira E.M. Theodomiro da Silva Melo E.M. Zenaide Rugai Fonseca
  13. 13. OLIMPIA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL*Tempo: Experiência única, ocorrendo em tempo integral (9 horas diárias), de 2003 a 2009.Em 2010, há a possibilidade de diminuição de uma hora diária.*Espaço: Utilização do espaço das próprias escolas; descontentamento em relação aoespaço(a maioria precisou de adaptação nos prédios).*Profissionais: Tanto as atividades regulares quanto as complementares são oferecidas porprofessores contratados ou concursados; os profissionais precisam ter algumaexperiência/formação em relação à atividade que desenvolvem, no contraturno.*Ampliação da jornada escolar: Inicialmente, a ampliação foi obrigatória para todos osalunos da rede. Em 2009, a gestão municipal*Sujeitos: Alunos até o quinto ano de escolaridade / quarta série; dependendo da escola, ospais optam pela manutenção do aluno no tempo integral; alunos gostam do horário integral, masalguns reclamam da alimentação*Gestão: Escolas possuem diretora, vice-diretora, coordenador do turno regular e coordenadordo turno complementar (todos professores da rede)
  14. 14. OLIMPIA ESCOLA DE TEMPO INTEGRALPolítica pública•A experiência existe desde 2003, e vem tendo continuidade, com mudanças•Existe legislação específica, desde 2003, que institui a obrigatoriedade•2009 - Obrigatoriedade foi substituída pela opção (pais/alunos)•Abrange toda a rede de ensino fundamental (10 escolas)Atividades•Todas as escolas mantêm Educação alimentar e Reforço escolar•Todas as escolas mantêm projetos (Meio ambiente + Cultura afro + Trânsito +Folclore)•As escolas, em conjunto com a comunidade e alunos, escolhem as atividadesesportivas, culturais e / ou artísticas que farão parte da ampliação da jornada escolarResultados e Avaliação•Os alunos que frequentam vem melhorando seu desempenho e suas atitudes•Os alunos e os pais gostam muito;•Para alguns professores e membros da SME, não há consenso sobre o lado positivoda ampliação da jornada escolar.
  15. 15. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira - Análises qualitativas - (5) RECIFE (PE)Período da visita Dezembro de 2009Critérios de escolha Experiência cuja progressão foi significativa (35 escolas em 2008; 123, em 2009; mais de 10 mil alunos atendidos)Visitas Culminância de projeto com o Memorial Luiz Gonzaga (2ª. Mostra de Curtas de Animação – alunos do Programa Mais Educação) – entrevistas com diretores, professores e monitores de 4 escolas Secretaria Municipal de Educação de Recife“Considerou-se que o momento de culminância de um trabalho envolvendo diversas escolas poderia ser muito oportuno a uma observação. A tarefa de pesquisa, portanto, revestiu-se de uma característica particular, cabendo aos pesquisadores uma observação para além do interior dos prédios escolares”
  16. 16. RECIFE Programa Mais EducaçãoConsiderações Gerais:* 123 escolas, em 2009, cada uma com 8 a 10 monitores contratados, e de 1 a 2 tutores, que são professores da rede, com ampliação de carga horária.*Atividades desenvolvidas no turno alternativo às aulas, com duração de uma hora e meia, sendo duas atividades diárias para cada grupo de alunos, matutinas ou vespertinas, todos os dias da semana.*A jornada, que era de quatro horas, foi ampliada para sete horas, além do tempo do lanche e almoço.*Atividades de judô, xadrez, matemática, letramento, recreação, jornal escolar e quadrinhos, informática, canto-coral, futebol, futsal, capoeira, dança, horta e viveiro, higiene e limpeza, preservação do meio ambiente .*Em todas as escolas havia atividade de acompanhamento pedagógico, conforme consta do documento do Programa.*Em 1982/1983, houve uma experiência de ampliação do tempo escolar, com atividades no turno contrário. Esta experiência auxiliou na repercussão favorável ao PME.*Falta de recursos diminuiu o número de monitores na escola 1;*Relação das atividades/oficinas com o projeto pedagógico da escola é considerada como significativa em três das escolas entrevistadas.
  17. 17. RECIFEPrograma Mais EducaçãoConsiderações Gerais:* Monitores tem formação diversa – nível superior (Pedagogia), nível médio; alguns trabalham junto aos professores; outros mostram que refletem sobre a concepção do Programa.*Figura do professor-tutor (acumula na própria escola) – nem todas as escolas conseguiram o número suficiente de professores-tutores; as falas divergem, tanto em relação ao comprometimento com a proposta, quanto com a existência de parcerias, necessidade de mais espaço, etc.*Parcerias estão mais relacionadas à ampliação do espaço das escolas, que é restrito.*Relação com uma proposta de Cidade Educadora foi importante: houve intercâmbio entre bairros.Contribuições e Desafios:* Ausência de espaço e de infra-estrutura, tanto para a realização das atividades quanto para a formação de monitores, professores.*Ausência de um planejamento mais elaborado das atividades, realizações.*Em relação às parcerias, em algumas delas não há propriamente ação educativa dos parceiros, que apenas cedem espaços, colaboram com a escola mas não formam uma comunidade educativa*Opção pelo fim do projeto municipal das 5 escolas de tempo integral, que apresentava bons resultados, segundo o secretário adjunto, obriga a uma reflexão sobre a descontinuidade das políticas públicas.
  18. 18. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral:concepções e práticas na educação brasileira- Análises qualitativas - (6) RUSSAS (CE) Período da visita Dezembro de 2009Critérios de escolha Duas experiências, implantadas há três anos Continuidade das experiências Ampliação da abrangência numérica (escolas e alunos 50% das matrículas municipais e escolas) Município de porte médioVisitas SEDUC CAIC Carlos Jereissati E.M. Luis Ferreira Lima
  19. 19. RUSSAS (CE) TEMPO INTEGRAL* Abrangência: A proposta evoluiu de 2 escolas em 2006 para 3 em 2007, 4 em 2008 e 6 em 2009. Em relação ao número de alunos, envolvia 218 alunos dos três primeiros anos de escolaridade em 2006 e passou a abranger 759 alunos do 1º. ao 5º. ano de escolaridade em 2008.*Carga horária: 50 horas por semana para o aluno.*Espaço e organização das atividades: Desenvolve-se dentro do espaço escolar, com atividades mescladas com as aulas regulares ou no contraturno, dependendo da escola.*Atividades: Oferece atividades de reforço escolar, esportivas, artístico-culturais e informática.*Profissionais que atuam na proposta: Todos professores, concursados ou contratados, são os responsáveis pelo projeto, que é implementado pela Secretaria de Educação e coordenado pelos diretores das escolas envolvidas.A proposta de tempo integral, que está inserida no Projeto político pedagógico das escolas, é uma política pública municipal, financiada pelo próprio município, mas não está normatizada em lei orgânica.Considerações Gerais:Todo o tempo em que o aluno está na escola é aproveitado com atividades diversificadas e lúdicas, planejadas para desenvolver seu aprendizado em espaços variados e não apenas em sala de aula.(10) Nas 6ª.s feiras à tarde, não há aula, pois é dia de planejamento das atividades da semana. As professoras, com regime de trabalho de 40 horas semanais, permanecem o dia inteiro na escola, com horário semanal previsto para o centro de estudos, que ocorre no horário das atividades motoras e artísticas da sua turma. As professoras têm período de descanso no horário de almoço, quando são substituídas por monitores contratados para esta finalidade.
  20. 20. RUSSAS (CE) JORNADA AMPLIADA *Abrangência: A experiência começou com um projeto-piloto na E.M. Luis Ferreira Lima, em 2002. Em 2006, ampliou-se para 38 escolas, fixando-se em 35 nos anos seguintes. Atende alunos do ensino fundamental. O número de alunos envolvidos tem variado entre 5 e 4 mil, o que corresponde a 50% das matriculas municipais no ensino fundamental.*Carga horária: 30 horas por semana para o aluno, ampliando o horário regular em, pelo menos, 2 horas diárias.*Atividades: São oferecidas no contraturno e envolvem reforço escolar, esportes, informática e atividades artístico-culturais. A jornada ampliada é prevista no Projeto político pedagógico das escolas e acontece no espaço escolar.*Profissionais que atuam na proposta: Professores efetivos e contratados; monitores.A proposta é uma política da secretaria de educação, não normatizada, financiada pelo próprio município, a não ser no primeiro ano de implementação, em que recebeu recursos federais.Considerações Gerais:(1) A necessidade de espaço é claramente explicitada pelas professoras das turmas de horário integral. Quando perguntadas sobre o que falta para a implementação desta modalidade de atendimento, a resposta é imediata: refeitório, banheiro, sala para o sono. Outra carência apontada pelas professoras é a de recursos humanos.(E.M.Luis Ferreira Lima)
  21. 21. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral:concepções e práticas na educação brasileira- Análises qualitativas - (7) SÃO PAULO (SP)Período da visita Março de 2010Critérios de escolha Existência de duas experiências, abrangendo 477 e 220 instituições, respectivamente, à época do preenchimento do questionário de dados Existência de tempo integral (7 horas por dia) Utilização de espaços escolares e não escolares Atividades mescladas às atividades regulares e também no contraturno Situação sócio-econômica do municípioVisitas realizadas SME CEU Caminho do Mar E.M. Carlos Pasquale
  22. 22. SÃO PAULO SÃO PAULO É UMA ESCOLA* A partir de 2009, o programa São Paulo é uma Escola abarcou um conjunto de propostas, projetos e atividades que existiam na secretaria municipal de educação com o objetivo de ampliação da jornada escolar.*Programa criado em 2005, que consiste na mediação entre atividades próprias da escola e atividades oriundas da cidade, abrindo um canal de diálogo entre essas duas dimensões educativas, não somente através da incorporação de atividades complementares, mas também da capacidade de gerenciamento dessas ações no interior da escola. Convoca, ainda, pais e comunidades para esse diálogo e assume a perspectiva de que estes são partes fundamentais na constituição de uma instituição educacional de qualidade.*CEU Caminho do Mar Como todos os outros, é um conjunto formado por três unidades educacionais – uma creche, uma escola de educação infantil e uma de ensino fundamental – além de um complexo poliesportivo e cultural – teatro, biblioteca, telecentro, conjunto poliesportivo, conjunto aquático – capaz de oferecer acesso a lazer, cultura, esporte, educação, educação profissionalizante, buscando transformar as condições de vida da população. Apresenta uma estrutura grandiosa, com três piscinas; complexo poliesportivo e cultural com atividades permanentes; um teatro/auditório com todos os equipamentos necessários a uma apresentação artístico-cultural; prédios escolares com espaço garantido para várias atividades. No CEU Gestor, os coordenadores são professores estatutários, mas os diversos serviços são oferecidos por profissionais variados: podem ser professores da rede, que ganham horas adicionais para desenvolver projetos; profissionais especializados de ONGs, que são credenciadas pela SME; agentes culturais comunitários e voluntários.
  23. 23. SÃO PAULOSÃO PAULO É UMA ESCOLA*E.M.Carlos PasqualeSituada na periferia da cidade, a instituição trabalha com tempo integral e diversasatividades que acontecem em seu espaço, que é pequeno, mas “multiplicado”, selevarmos em conta o número de atividades, alunos, professores e funcionários que nelacirculam, diariamente.Em relação às atividades, são enfatizadas as de “xadrez, teatro, rádio, ginástica, vôlei,basquete, monitorias, trabalhos manuais”, que caminham junto às denominadasatividades regulares – português, matemática, ciências, geografia, história, artes,educação física, informática. O projeto de “monitoria” chama a atenção pelo envolvimento que cria entre os alunos.Ele consiste na participação de alunos da turma, ou ainda ex-alunos, auxiliando otrabalho docente nas diversas aulas regulares. Durante a visita, conheceram-se algunsmonitores, em função, durante as aulas no Laboratório de Informática e no Laboratóriode Ciências.O projeto de “xadrez” também foi destacado, uma vez que o monitor é ex-aluno daescola.“Xadrezmática” – integração entre as atividades de xadrez e as aulas de matemática.A gestão é fator significativo no desenvolvimento desta instituição escolar.
  24. 24. Educação integral / educação integrada e(m) tempo integral:concepções e práticas na educação brasileira- Análises qualitativas - (8) SÃO SEBASTIÃO DO PASSE (BA)Período da visita Março de 2010Critérios de escolha Município demonstrou potencial em sua experiência, a partir dos critérios definidos previamente para a escolha daqueles que poderiam ter suas experiências visitadas, além da qualidade das respostas no questionário, depois de uma leitura mais direta dessa fonte.Visitas SEDUC 4 das 5 escolas que compõem o Projeto Educação Integral no Campo
  25. 25. SÃO SEBASTIÃO DO PASSE PROJETO EDUCAÇÃO INTEGRAL NO CAMPOA gente foi num viés diferente... Nós acreditamos que a gente precisava requalificar. Até porque esse aluno do campo, em algum momento, ele vem pra cidade. Porque... Como são escolas muito pequenas [as do campo], no segundo segmento do ensino fundamental e no ensino médio, eles vêm aqui pra sede. Eles têm que vir preparados. (Secretária)Motivos da implantação: Baixo índice de aproveitamento dos alunos (reprovações), trabalho infantil, recuperar o tempo pedagógico.*Histórico: A proposta iniciou-se em 2006, como um Projeto Piloto de Escola Integral em 3 escolas municipais rurais: Rosa Garcez, Maria Clara Mariane e Cândido Santos. Levando em consideração o sucesso do trabalho, em 2008 a escola Leonor Bahia Dantas foi incorporada e, em 2010, a José Ferreira também aderiu ao projeto.*Concepção: Há uma concepção de escola-casa, de tempo-casa, espaço-casa. A origem buscada pela gerente da SEDUC para estudar a possibilidade de implantação do projeto encontra-se nas casa de professoras leigas que ensinavam as crianças dos arredores, responsabilizando-se pelas refeições, aprendizado, e educação das mesmas.*Profissionais: Professores que optaram trabalhar no projeto, 8 horas diárias e 40 horas semanais.
  26. 26. SÃO SEBASTIÃO DO PASSE EDUCAÇÃO INTEGRAL NO CAMPO* Funcionamento: Salas de aula organizadas em função da ampliação do tempo (carteiras, cantinhos).*Parcerias: Com as demais secretarias municipais, o Conselho Tutelar, a comunidade local e os pais dos alunos. Há uma discreta parceria com a Caraíba Metais (Paranapanema), em uma das escolas. Com a Petrobrás, os contatos ainda não lograram êxito.*Organização escolar: Atividades de aulas regulares mescladas às atividades de apoio e oficinas.No projeto inicial, no currículo oficial, digamos assim, foi planejado que as atividades regulares aconteceriam pela manhã, e as atividades de apoio pedagógico, oficinas e esportes pela tarde. Entretanto, as práticas, as vivências e adequações de pessoal e cargas horárias fizeram com que as atividades acontecessem de forma mesclada.*Resultados: Índices de aproveitamento vêm melhorando e a evasão é próxima a zero; redução do trabalho infantil, da indisciplina e o respeito pela escola e pelas atividades que propõe.*Desafio: Fazer com que a escola de educação integral em tempo integral passe a fazer parte da política do município e não seja apenas uma política do governo atual.

×