Indicadores Industriais | janeiro/ 2012

518 views

Published on

Indicadores industriais de janeiro/2012 mostram sinais ambíguos na ativiade industrial.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
518
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Indicadores Industriais | janeiro/ 2012

  1. 1. INDICADORES INDUSTRIAISInformativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1983-621X Ano 23 Número 1 Janeiro de 2012 www.cni.org.brSinais ambíguos na UCI - dessazonalizadaatividade industrial 100 Janeiro/2012Indicadores industriais mostraram sinais ambíguos em janeiro.Enquanto os diretamente ligados à atividade se expandiram, ofaturamento real recuou pelo segundo mês seguido. Os indicadoresdessazonalizados de horas trabalhadas e utilização da capacidade 90instalada aumentaram 0,3% e 0,6 ponto percentual, respectivamente.A indústria operou com 81,9% da capacidade instalada em janeiro, noindicador dessazonalizado. O faturamento, no entanto, recuou 1,4% 81,9 Mês anterior 81,3no mesmo período. Esse movimento interrompe uma sequência de 80seis meses de crescimento contínuo do indicador.O emprego dessazonalizado cresceu 0,5% na comparação com omês anterior. Essa alta ocorreu mesmo após a expansão de 0,4% 70em dezembro, na mesma base de comparação. Os indicadores demassa salarial e rendimento médio real intensificaram o ritmo decrescimento na comparação anual. 0Indicadores Industriais Brasil - janeiro/2012 Variação percentual Jan12/ Dez11 Jan-Dez12/ Indústria de Transformação Jan12/ Dez11 Jan12/ Jan11 Dessaz. Jan-Dez11 Faturamento real1 -16,1 -1,4 3,4 3,4 Horas trabalhadas -1,6 0,3 -0,7 -0,7 Emprego 0,2 0,5 0,8 0,8 Massa salarial real 2 -10,8 - 9,7 9,7 Rendimento médio real2 -10,9 - 8,8 8,8 Percentual médio Jan12 Dez11 Jan11 Utilização da capacidade instalada 79,6 79,4 80,6 Utilização da capacidade instalada - Dessazonalizada 81,9 81,3 82,9 1 Deflator: IPA/OG-FGV 2 Deflator: INPC-IBGE Página 2 Página 3 Página 4 Faturamento real Emprego Análise setorial Horas trabalhadas na produção Massa salarial real Utilização da capacidade instalada Rendimento médio real
  2. 2. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Faturamento real Faturamento real Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 130Segunda queda seguida 125• Faturamento real dessazonalizado recuou 1,4% 120 em janeiro na comparação com o mês anterior; 115• A queda ocorreu após a redução de 2,0% em 110 dezembro, na mesma comparação; 105• Comparativamente ao mesmo mês do ano 100 anterior, o indicador reduziu o ritmo de expansão para 3,4%; 95 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 Deflator: IPA/OG-FGVHoras trabalhadas na produção Horas trabalhadas na produção Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 115Indicador oscila entre queda ecrescimento 110• As horas trabalhadas na produção cresceram 0,3% em janeiro frente a dezembro (dessazonalizado); 105• Variável continua oscilando entre queda e crescimento na comparação com o mês anterior; 100• Comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, as horas trabalhadas mantiveram a queda de 0,7%; 95 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12Utilização da capacidade instalada Utilização da capacidade instalada Dessazonalizado Percentual médio 85Alta interrompe quatro meses seguidos dequeda 83• A indústria operou, em média, com 81,9% da capacidade instalada em janeiro (indicador dessazonalizado); 81• A alta de 0,6 ponto percentual frente a dezembro interrompeu quatro meses seguidos de queda; 79• A utilização da capacidade instalada se mantém 1,0 77 ponto percentual abaixo do patamar de janeiro de 2011; jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 2
  3. 3. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Emprego Emprego Dessazonalizado Índice base: média 2006=100 116Segundo mês seguido de expansão 113• Após ajuste sazonal, o emprego cresceu 0,5% em janeiro em relação ao mês anterior; 110• Essa foi a segunda alta seguida do indicador; 107• Comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, o emprego cresceu 0,8%; 104 101 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12Massa salarial real Massa salarial real Índice base: média 2006=100 145Maior crescimento anual• A massa salarial real recuou 10,8% em janeiro frente 135 a dezembro (indicador sem ajuste sazonal); 2012• Essa foi a menor queda do indicador para meses de 125 janeiro desde 2007; 115• Comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, 2011 a massa salarial intensificou a taxa de crescimento para 9,7% em janeiro; 105 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Deflator: INPC-IBGERendimento médio real Rendimento médio real Índice base: média 2006=100 135Queda mensal é normal para época do ano• O rendimento médio real do trabalhador da indústria 125 caiu 10,9% em janeiro frente ao mês anterior;• Queda de janeiro é historicamente normal após forte 115 crescimento de dezembro; 2012• Comparativamente ao mesmo mês do ano anterior, o 105 rendimento real cresceu 8,8%; 2011 95 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Deflator: INPC-IBGE 3
  4. 4. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Análise setorialEvolução setorial segue com heterogeneidadeA atividade industrial se mostra dividida setorialmente. Com Horas trabalhadas na produçãoexceção do faturamento, em que a maioria dos setores re-gistra alta do indicador, na comparação com janeiro de 2011, Variação frente ao measmo mês do ano anterior (%)as demais variáveis mostram um comportamento ambíguo:metade dos setores registra crescimento enquanto a outrametade queda. Têxteis 8,3O faturamento real cresceu em 14 setores industriais em Refino e álcool 5,1janeiro na comparação com o mesmo mês do ano anterior– três a mais do que em dezembro. Seis setores alteraram Produtos químicos 4,2a queda anual de dezembro para crescimento em janeiro: Outros equipamentos de transporte 3,7Outros equipamentos de transporte, Produtos de metal,Minerais não-metálicos, Refino e álcool, Couros e calçados e Borracha e plástico 3,6Vestuário. Na contramão dos anteriores, os setores Veículosautomotores e Máquinas, aparelhos e materiais elétricos 3,0 Alimentos e bebidaspassaram a registrar queda do faturamento em janeiro. Mat. eletrônico e comunicação 1,1As horas trabalhadas cresceram em nove setores industriaisem janeiro, assim como em dezembro. Os setores Têxteis, 1,1 Máquinas e equipamentosRefino e álcool e Material eletrônico e de comunicaçãodeixaram de registrar queda em dezembro para expansão Metalurgia básica 0,4em janeiro. Três outros setores apresentaram um movimentocontrário, de queda em janeiro após crescimento em dezem- -0,1 Papel e celulosebro: Vestuário, Minerais não metálicos e Máquinas, aparelhose materiais elétricos. -0,3 Minerais não metálicosDo total dos 19 setores considerados da indústria de transfor- -3,2 Edição e impressãomação, 13 operaram com maior ociosidade na comparaçãocom janeiro de 2011. Os setores Vestuário e Móveis e indús- -3,5 Vestuáriotrias diversas, que mostraram quedas anuais de 0,7 pontopercentual (p.p.) e 0,3 p.p. em dezembro, respectivamente, -3,7 Máq., apar. e mat. elétricospassaram a aumentar a UCI em 1,3 p.p. e 2,5 p.p. em janeiro,na mesma ordem. O setor Veículos automotores foi exceção: -5,7 Produtos de metalpassou de aumento de 0,1 p.p. em dezembro para queda de -6,5 Madeira1,9 p.p. da UCI em janeiro, frente a janeiro de 2011. -7,8 Couros e calçadosO emprego cresceu em 10 setores. No entanto apenasseis mostraram uma situação melhor em janeiro do que em -8,8 Móveis e diversasdezembro (seja menor queda, seja maior crescimento). Osdemais 13 setores registraram em janeiro um movimento de -12,1 Veículos automotoresperda de dinamismo. 4
  5. 5. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Máquinas e equipamentos Alimentos e bebidasAtividade não acompanha Menor faturamento em janeirofaturamento O setor Alimentos e bebidas mostra crescimento da atividade, mas redução doA despeito da dificuldade de crescimento da faturamento na comparação anual. Enquantoindústria de transformação, o setor Máquinas o faturamento da indústria de transformaçãoe equipamentos apresenta indicadores cresceu 3,4% em janeiro, o setor registrourelativamente mais favoráveis sobre atividade. queda de 1,1% do mesmo indicador.O faturamento acelerou o crescimento frente As horas trabalhadas intensificaram a taxaao mesmo mês do ano anterior de 14,1% em de crescimento de 2,6% em dezembrodezembro para 17,8% em janeiro. Todavia, para 3,0% em janeiro. O emprego tambémas horas trabalhadas registraram o mesmo cresceu mais em janeiro (4,2% ante 0,6%movimento, mas de forma menos intensa: de em dezembro).0,3% em dezembro para 1,1% em janeiro. A utilização da capacidade instalada ficouO setor operou com utilização da capacidade mais próxima do patamar do mesmo mês doinstalada em janeiro de 2012 (78,5%) muito ano anterior, atingindo 79,6%.próxima ao patamar de janeiro de 2011 (78,6%). Os indicadores de massa salarial eApesar da maior atividade, o setor registrou rendimento médio real chamaram a atençãoperda de ritmo na expansão do emprego. A pelo fato de alterarem a queda de 0,9% evariação anual do indicador foi de +3,6% em 1,5%, respectivamente, em dezembro paradezembro para +2,9% em janeiro. A massa aumento de 10,0% e 5,5% em janeiro, nasalarial, no entanto, intensificou a taxa de mesma ordem.crescimento na mesma base de comparação,passando de 1,2% para 3,1%.Indicadores de atividade do setor Indicadores de atividade do setorMáquinas e equipamentos Alimentos e bebidasVariação frente ao mesmo mês do ano anterior (%) Variação frente ao mesmo mês do ano anterior (%) 17,8 14,1 4,2 3,0 2,6 3,6 2,9 1,1 0,6 0,3 -0,3 -0,1 -0,7 Faturamento Horas UCI* Emprego -1,0 dez/11 jan/12 -2,6 -3,2 Faturamento Horas UCI* Emprego dez/11 jan/12* Em pontos percentuais * Em pontos percentuais 5
  6. 6. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Indústria de Transformação - Brasil - série históricaDados originaisFaturamento real* Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 88,0 89,1 108,3 98,7 102,9 106,7 109,0 110,5 115,3 117,5 113,9 115,6 2010 95,3 99,5 123,7 110,9 116,5 117,1 118,9 123,1 126,4 122,8 125,3 122,1 2011 103,7 113,1 125,1 112,9 124,0 123,9 120,9 131,0 131,7 128,8 130,8 127,7 2012 107,2 * Deflator: IPA/OG - FGVHoras trabalhadas na produção Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 93,4 93,8 99,5 97,7 100,0 100,6 103,6 102,3 103,7 106,4 104,7 98,6 2010 96,6 98,6 109,7 105,8 109,7 109,1 112,0 113,4 111,3 111,5 111,5 102,0 2011 100,4 105,1 109,6 106,8 112,6 110,2 111,7 115,2 110,8 110,1 109,1 101,3 2012 99,7Utilização da Capacidade Instalada Percentual médio ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 76,2 76,5 78,4 78,8 80,0 79,7 80,5 81,2 81,8 82,8 82,5 80,1 2010 78,8 78,9 81,9 82,6 83,5 82,9 83,2 83,6 83,4 84,2 84,0 80,6 2011 80,6 81,5 82,3 82,0 83,2 82,6 82,4 83,5 82,8 83,3 82,7 79,4 2012 79,6Emprego Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 105,1 104,0 103,3 103,2 103,3 103,2 103,2 104,4 105,2 105,9 106,3 105,5 2010 105,8 106,8 108,2 108,9 109,6 110,2 110,8 112,0 112,7 112,6 112,5 111,1 2011 110,8 111,3 111,5 112,1 112,8 112,9 113,2 113,7 113,8 113,5 112,7 111,5 2012 111,7Massa salarial real** Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 108,7 105,7 105,5 103,3 103,6 103,0 106,4 102,9 105,7 107,3 115,0 132,5 2010 110,2 108,6 110,6 109,5 111,7 111,0 114,9 112,0 113,0 117,9 122,7 134,9 2011 116,5 115,3 118,4 114,9 116,8 116,2 120,5 116,8 121,8 121,7 128,5 143,2 2012 127,8 ** Deflator: INPC-IBGERendimento médio real** Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2009 103,4 101,6 102,1 100,1 100,3 99,8 103,1 98,6 100,5 101,3 108,2 125,6 2010 104,2 101,7 102,2 100,6 101,9 100,7 103,7 100,0 100,3 104,7 109,1 121,4 2011 105,1 103,6 106,2 102,5 103,5 102,9 106,4 102,7 107,0 107,2 114,0 128,4 2012 114,4 ** Deflator: INPC-IBGE 6
  7. 7. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Indústria de Transformação - Brasil - série históricaDados dessazonalizadosFaturamento real* Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2007 103,0 101,3 103,6 103,0 105,6 107,6 103,8 106,5 106,3 106,9 110,0 109,8 2008 113,7 115,0 109,8 113,9 110,6 114,3 116,4 111,0 111,0 109,5 102,6 102,5 2009 102,0 100,0 106,3 102,1 104,5 106,3 104,9 107,4 107,6 110,1 109,5 116,6 2010 112,9 114,1 118,7 114,7 115,7 114,2 116,9 117,1 118,0 117,6 120,5 120,5 2011 120,2 126,9 120,1 122,0 120,5 120,9 121,5 121,9 122,9 123,3 125,7 123,3 2012 121,6 * Deflator: IPA/OG - FGVHoras trabalhadas na produção Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2007 101,2 100,3 101,6 101,4 104,5 104,8 103,5 104,4 104,7 106,0 106,0 107,4 2008 107,3 108,8 107,3 110,2 107,7 110,7 110,1 110,2 111,5 110,5 107,7 100,5 2009 101,0 99,5 99,6 98,6 98,7 99,6 99,0 98,7 100,7 102,2 103,1 105,4 2010 105,4 105,4 108,6 106,7 107,2 107,0 108,6 108,6 108,3 108,4 109,9 107,6 2011 108,0 110,8 108,5 110,0 108,9 108,1 109,4 109,3 107,8 107,0 107,5 105,8 2012 106,2Utilização da Capacidade Instalada Percentual médio ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2007 82,3 82,2 82,5 81,8 82,5 82,1 82,0 82,6 81,9 82,7 83,2 83,3 2008 83,8 83,7 82,9 83,0 82,4 82,9 83,4 82,5 83,2 82,7 81,0 79,6 2009 78,5 78,4 78,7 79,2 79,3 79,5 80,1 80,0 80,6 81,0 81,2 82,0 2010 81,1 80,8 82,2 83,0 82,8 82,7 82,8 82,4 82,2 82,4 82,7 82,5 2011 82,9 83,4 82,6 82,4 82,5 82,4 82,0 82,3 81,6 81,5 81,4 81,3 2012 81,9Emprego Índice base fixa: média 2006=100 ano/mês jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 2007 101,4 101,6 102,5 103,1 103,6 103,8 103,9 104,1 104,4 104,9 105,3 105,8 2008 106,5 106,7 107,1 107,5 107,6 108,1 108,6 108,4 109,1 109,1 108,5 107,4 2009 106,3 105,2 104,3 103,5 103,2 103,1 102,9 103,6 103,9 104,6 105,5 106,4 2010 107,0 108,0 109,2 109,2 109,5 110,1 110,5 111,2 111,4 111,3 111,7 112,0 2011 112,0 112,5 112,5 112,4 112,7 112,8 112,9 112,9 112,5 112,2 111,9 112,4 2012 112,9 Nos resultados dessazonalizados a partir de janeiro de 2011, os modelos e os coeficientes utilizados foram atualizados. Nessa revisão foram considerados os dados disponíveis de janeiro de 2006 a dezembro de 2010. Os parâmetros utilizados na dessazonalização estão disponíveis em www.cni.org.br/indicadoresindustriais 7
  8. 8. Indicadores Industriais Ano 23, n. 1, janeiro de 2012Indicadores Industriais Brasil - janeiro/2012 HORAS UTILIZAÇÃO DA FATURAMENTO MASSA RENDIMENTO TRABALHADAS CAPACIDADE EMPREGO REAL SALARIAL REAL MÉDIO REAL NA PRODUÇÃO INSTALADA (variação em %) (variação em %) (variação em %) (variação em %) (variação em %) (variação em p.p.) Jan12/ Jan-Dez12/ Jan12/ Jan-Dez12/ Jan12/ Jan-Dez12/ Jan12/ Jan-Dez12/ Jan12/ Jan-Dez12/ Jan12/ Jan-Dez12/ Jan11 Jan-Dez11 Jan11 Jan-Dez11 Jan11 Jan-Dez11 Jan11 Jan-Dez11 Jan11 Jan-Dez11 Jan11 Jan-Dez11 INDÚSTRIA DE 3,4 3,4 -0,7 -0,7 -1,0 -1,0 0,8 0,8 9,7 9,7 8,8 8,8 TRANSFORMAÇÃO POR SETOR Alimentos e bebidas -1,0 -1,0 3,0 3,0 -2,6 -2,6 4,2 4,2 10,0 10,0 5,6 5,6 Têxteis -5,4 -5,4 8,3 8,3 0,3 0,3 -3,1 -3,1 -6,4 -6,4 -3,3 -3,3 Vestuário 7,2 7,2 -3,5 -3,5 1,3 1,3 -2,0 -2,0 1,6 1,6 3,8 3,8 Couros e calçados 0,5 0,5 -7,8 -7,8 -4,3 -4,3 -3,8 -3,8 -3,6 -3,6 0,3 0,3 Madeira 27,2 27,2 -6,5 -6,5 5,5 5,5 -5,4 -5,4 8,7 8,7 15,0 15,0 Papel e celulose 22,8 22,8 -0,1 -0,1 -3,0 -3,0 0,4 0,4 4,5 4,5 4,2 4,2 Edição e impressão 5,5 5,5 -3,2 -3,2 -1,2 -1,2 -3,1 -3,1 -7,4 -7,4 -4,4 -4,4 Refino e álcool 3,0 3,0 5,1 5,1 6,8 6,8 -0,3 -0,3 46,7 46,7 47,2 47,2 Química 2,1 2,1 4,2 4,2 3,2 3,2 3,2 3,2 2,4 2,4 -0,6 -0,6 Borracha e plástico 1,0 1,0 3,6 3,6 -3,2 -3,2 -0,8 -0,8 12,2 12,2 13,2 13,2 Minerais não metálicos 2,2 2,2 -0,3 -0,3 -1,4 -1,4 1,8 1,8 9,1 9,1 7,2 7,2 Metalurgia básica 9,6 9,6 0,4 0,4 1,3 1,3 1,6 1,6 -3,3 -3,3 -4,8 -4,8 Produtos de metal 3,2 3,2 -5,7 -5,7 -2,3 -2,3 -4,8 -4,8 -3,1 -3,1 1,8 1,8 Máquinas e 17,8 17,8 1,1 1,1 -0,1 -0,1 2,9 2,9 3,1 3,1 0,3 0,3 equipamentos Máq. e materiais elétricos -15,3 -15,3 -3,7 -3,7 -7,1 -7,1 3,0 3,0 14,4 14,4 11,1 11,1 Material eletr. e de 40,8 40,8 1,1 1,1 -0,4 -0,4 4,9 4,9 22,6 22,6 17,0 17,0 comunicação Veículos automotores -7,6 -7,6 -12,1 -12,1 -1,9 -1,9 3,1 3,1 48,3 48,3 43,9 43,9 Outros equip. de 0,7 0,7 3,7 3,7 -4,5 -4,5 3,2 3,2 -9,6 -9,6 -12,3 -12,3 transporte Móveis e diversas -4,1 -4,1 -8,8 -8,8 2,5 2,5 -3,2 -3,2 -0,4 -0,4 3,0 3,0 Informações sobre a metodologia estão disponíveis no endereço: www.cni.org.br/indicadoresindustriaisINDICADORES INDUSTRIAIS | Publicação Mensal da Confederação Nacional da Indústria - CNI | Unidade de Política Econômica - PEC | Gerente-executivo:Flávio Castelo Branco | Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento - PAD | Gerente-executivo: Renato da Fonseca | Equipe técnica: Marcelo de Ávila,Maria Angélica Moreira e Edson Velloso | Informações técnicas: (61) 3317-9468 Fax: (61) 3317-9456 indicadores.industriais@cni.org.br | Supervisão Gráfica:DIRCOM | Impressão e acabamento: Reprografia Sistema Indústria | Normalização Bibliográfica: ASCORP/GEDIN | Assinaturas: Serviço de Atendimento aoCliente Fone: (61) 3317-9989 sac@cni.org.br | SBN Quadra 01 Bloco C Ed. Roberto Simonsen Brasília, DF CEP: 70040-903 www.cni.org.brAutorizada a reprodução desde que citada a fonte. Documento elaborado em 7 de março de 2012 8

×