Your SlideShare is downloading. ×
2011 Encontro de Pine Chemicals São Paulo, Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

2011 Encontro de Pine Chemicals São Paulo, Brasil

1,994

Published on

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,994
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. “O objetivo de fazer um prognósticonão é de predizer o futuromas de dizer-lhe o que você precisa saber dizer-para tomar ações significativas no presente.” Paul Saffo Six Rules for Accurate Eff i F Si R l f A Effective Forecasting i Harvard Business Review, Review, July- July-August 2007, 122-131 122-
  • 2. areldorado.com.ar/ ld d /2011encontro/alex.pdf
  • 3. RESINAGEM DE PINUS E RESINA  Floresta de Pinus Resinagem Resina Indústria Terebintina e eb Breu eu Indústria Indústria IndústriaDerivados da Resinas Resinas de Terebintina Politerpênicas Breu
  • 4. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA! Floresta de Pinus Corte de Resinagem Madeira Resina Madeira Chips Papel p Sulfato de Processo Indústria Terebintina KraftTerebintina Breu Licor Negro g Indústria (*) ( ) Indústria Indústria Indústria Breu de Tall OilDerivados dD i d da Resinas R i Resinas de R i d Terebintina Politerpênicas Breu
  • 5. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA! Floresta de Pinus Corte de Resinagem Madeira Resina Madeira Chips Papel p Sulfato de Processo Indústria Terebintina KraftTerebintina Breu Licor Negro g Indústria (*) ( ) Indústria Indústria Indústria Breu de Tall OilDerivados dD i d da Resinas R i Resinas de R i d Terebintina Politerpênicas Breu
  • 6. PRODUTOS “DOWNSTREAM” – OUTRA VIA! Floresta de Pinus Corte de Resinagem Madeira Resina Madeira Chips “Pine Papel p Chemicals” Ch l” Sulfato de Processo Indústria Terebintina KraftTerebintina Breu Licor Negro g Indústria (*) ( ) Indústria Indústria Indústria Breu de Tall OilDerivados dD i d da Resinas R i Resinas de R i d Terebintina Politerpênicas Breu
  • 7. VIA PETROQUÍMICA ‐ CONCORRENTE Petróleo Petroquímica Feed Líquido (Nafta, etc.) Processo Cracking c/vapor Etileno Propileno Benceno Butadieno Pentadieno Isopreno I Pygas Ciclopentadieno SUBPRODUTOS (C5, C9, DCPD) Aromáticos Indústria Produtos de consumo: plásticos, borracha, Resinas Hidrocarbônicas R i Hid bô i adesivos, etc. C5 ou C9
  • 8. ÍNDICE• oferta f• demanda• visão global ou 3-D 3-
  • 9. ÍNDICE• oferta f• demanda• visão global ou 3-D 3-
  • 10. RESINAS DE BREU + RESINAS POLITERPÊNICAS + RESINAS HIDROCARBÔNICAS = RESINAS TACKIFICANTES Floresta de Pinus Processo Petróleo Resinagem Kraft Petroquímica “Pine Resina Chemicals” Licor Negro g Indústria Indústria (*) ( ) Sulfato deTerebintina Breu Terebintina Breu de Tall Oil Pygas (C5, C9, DCPD) Indústria Indústria Indústria Resinas Resinas de Resinas Hidrocarbônicas Politerpênicas Breu C5 ou C9
  • 11. RESINAS TACKIFICANTES VOLUMES DE PRODUÇÃO GLOBAL 2011 EM TONELADAS/ANO Floresta de Pinus Processo Petróleo Resinagem Kraft Petroquímica “Pine Resina Chemicals” Licor Negro g Indústria Indústria (*) ( ) Sulfato deTerebintina Breu Terebintina Breu de Tall Oil Pygas 390.000  (C5, C9, DCPD) 740.000  Indústria Indústria Indústria 70.000  1.130.000  1.000.000  Resinas Resinas de Resinas Hidrocarbônicas Politerpênicas Breu C5 ou C9
  • 12. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU – 2010 Espectativa de Crescimento 5 % em 2011 Espectativa de Crescimento 50 % em 2011
  • 13. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREUPRODUÇÃO MUNIDAL DE BREU [TON / ANO] 1997 2007 2008 2009 2010 2011 +5 +10China 535.000 826.000 589.000 553.000 575.000Brasil 40.000 78.000 67.000 67.000 69.000Indonésia 69.000 56.000 55.000 55.000 52.000Índia 33.000 35.000 35.000 35.000 33.000México 22.000 16.000 16.000 16.000 22.000Argentina 21.000 9.000 9.000 9.000 11.000Outros 46.000 17.000 17.000 13.000 15.000 TOTAL 766.000 766 000 1.037.00 1 037 00 788.000 788 000 748.000 748 000 777.000 777 000 0 + 35,3 % ‐ 24,6 % ‐ 5,1 % + 3,4 % + 5,0 %Fontes: Song Lifeng (2009), Rosineb (2009), AR Eldorado (2011).
  • 14. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA LN SA SC HB AH ZJ HU JX GZ FJ YN GD GX HN
  • 15. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINAUtilização Indiscriminada do Recurso FlorestalUtilização Indiscriminada do Recurso Florestal
  • 16. PRODUÇÃO CHINESA DE RESINA – O FUTURO = YUNNAN Utilização Indiscriminada do Recurso Florestal Utilização Indiscriminada do Recurso Florestal1.800.000 hectares de P. yunnanensis e simão1 800 000 hectares de P yunnanensis e simão kesiya Potencial Produção de Resina = 550.000 ton/ano
  • 17. EXPORTAÇÃO DE BREU – BRASIL vs. CHINA
  • 18. PREÇO HISTÓRICO DO BREU
  • 19. PREÇO DO BREU CHINÊS
  • 20. PREÇO DO BREU CHINÊS
  • 21. EXPORTAÇÃO DE BREU – BRASIL vs. CHINA
  • 22. EXPORTAÇÕES CHINESA DE BREU
  • 23. EXPORTAÇÕES CHINESA DE BREU
  • 24. POTENCIAL DE CTO GLOBAL – 2010 CTO [KTON] [ ] America do Norte 1.200 America do Sul 150 ‐ 200 Europa 650 ‐ 700 Resto do Mundo 150 ‐ 200 TOTAL 2.150 – 2.300
  • 25. PROCESSO KRAFT E LICOR NEGRO – 2010Indústria (*) Chips Processo Papel Kraft Químicos SUBPRODUTOS SUBSIDIOS Licor Negro Sulfato de c/sabão / b Terebintina “black liquor” ~3 % Recuperação BIOENERGIA do sabão Sabão Pitch Pit h Acidulação Tall Oil Cru (CTO) Breu de Tall Oil Ácidos Graxos Á id G Destilação (TOFA) (TOR / TORA)
  • 26. PROCESSO “SUNPINE” = DIESEL DE FLORESTA
  • 27. PROCESSO “SUNPINE” = DIESEL DE FLORESTA SUBPRODUTOS PROCESSO KRAFT Licor Negro c/sabão “black liquor” Hidrogenaçãp Hid ã Esterificação na SUNPINE Pitch Craqueo em Petroquímica SUBSIDIOSBreu de Tall Oil Consumo como(TOR / TORA) 1 parte BIODIESEL Combustivel 3 partes DIESEL Automotor
  • 28. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU DE TALL OIL ‐ Tendência[TONELADAS / ANO] 1997 2007 2008 2009 2010 +5 +10USA 280.000 243.000 255.000 220.000UE 96.000 110.000 105.000 90.000Rússia 40.000 40.000 40.000 40.000Japão 19.000 19.000 19.000 19.000China 5.000 8.000 8.000 8.000Brasil 5.000Nova Zelândia 4.000 4.000 4.000TOTAL 440.000 440 000 424.000 424 000 431.000 431 000 386.000 386 000 390.000 390 000 + 1,6 % ‐ 10,5 %Fontes: Forchem (2010), Song LifF t F h (2010) S Lifeng (2009) AR Eld d (2011) (2009), AR Eldorado (2011).
  • 29. GUM ROSIN vs. TALL OIL ROSIN000 MT/YEAR Estimated
  • 30. RESINAS HIDROCARBÔNICAS – 2010 Petróleo Petroquímica Feed Gasoso Feed Líquido (Nafta, etc.) Processo Processo Cracking c/vapor Cracking c/vapor Etileno Etileno Propileno Propileno Benceno Benceno Butadieno Pentadieno Isopreno I Pygas Ciclopentadieno SUBPRODUTOS (C5, C9, DCPD) Aromáticos IndústriaProdutos de consumo: Produtos de consumo: plásticos, borracha, plásticos, borracha, Resinas Hidrocarbônicas R i Hid bô i adesivos, etc. adesivos, etc. C5 ou C9
  • 31. RESINAS TACKIFICANTES VOLUMES DE PRODUÇÃO GLOBAL 2011 EM TONELADAS/ANO Floresta de Pinus Processo Petróleo Resinagem Kraft Petroquímica “Pine Resina Chemicals” Licor Negro g Indústria Indústria (*) ( ) Sulfato deTerebintina Breu Terebintina Breu de Tall Oil Pygas 390.000  (C5, C9, DCPD) 780.000  Indústria Indústria Indústria 70.000  1.170.000  1.000.000  Resinas Resinas de Resinas Hidrocarbônicas Politerpênicas Breu C5 ou C9
  • 32. ÍNDICE• oferta f• demanda• visão global ou 3-D 3-
  • 33. DEMANDA POR APLICAÇÃOMERCADO CRESCIMENTO UTILIZAÇÃO DE  VISÃO PINE CHEMICALSADHESIVOS 5,5 % Embalagens, construção...TINTAS DE 2,8 % Embalagens, publicações...IMPRESSÃOPNEUS 9,3 % 93% Fabricação F bi ãBORRACHA 1,7 % Processo de polimerização (mudanças de de  processo)RODOVIAS E 4,0 % Demarcação vial, tintas, CONSTRUÇÃO pavimentaçãoPRODUTOS DE 3,5 % Sabores & fragranciasCONSUMOOVERALL 5,0 % DEMANDA A FRENTE DA OFERTA!
  • 34. SUBSTITUÇÃOMERCADO TORA  BREU  OBSERVAÇÕES vs. vs. BREU RESINAS DE HIDROCARBONETOADHESIVOS 2 3 COMPATIBILIDADE DE POLIMEROSTINTAS IMPRESSÃO Ã 4 5 ESTABILIDADE DA FORMULAÇÃOPNEUS E BORRACHAPNEUS E BORRACHA 4 4 PROPRIEDADES MUY PROPRIEDADES MUY ESPECÍFICASRODOVIAS E  2 2 QUALIDADECONSTRUÇÃOPRODUTOS DE 3 ‐ 5 3 ‐ 5 FORMULAÇÃOCONSUMO 1 = FACIL     A     5 = DIFICIL 1 = FACIL A 5 = DIFICIL CUSTOS DE SUBSTITUÇÃO SIGNIFICANTES EM QUASE TODOS OS MERCADOS
  • 35. ÍNDICE• oferta f• demanda• visão global / 3-D 3-
  • 36. 3 ‐ D • Divida • Déficit• Demografia
  • 37. NETWORKING areldorado.com.ar ld dareldorado.com.ar/2010encontro/alex.pdflinkedin.com/in/alexcunnlinkedin.com/in/alexcunn / / Pine Chemicals Network
  • 38. NETWORKING Muchas gracias! h i ! Nos vemos no ... Nos vemos no2011 Encontro de Pine Chemicals  25 / Junho / 2012 São Pablo ‐ São Pablo BRASIL

×