Atualidade do Construtivismo<br />Conhecimento Científico, seu ensino e aprendizagem:<br />
Gloria Regina Pessôa Campello Queiroz <br />Maria da Conceição Almeida Barbosa-Lima<br />- Formação Inicial: Física<br />-...
“O presente artigo pretende reunir idéias a favor de uma versão sustentável para o construtivismo, identificando críticas,...
“Nosso saber da experiência nos incita a fazer isto porque acreditamos que esse enfoque teórico se tornou paradigmático, p...
Construir – semear coletivamente. Se origina da palavra instruir, uma das mais antigas para indicar o processo pedagógico....
Preocupação quanto a forma de educar e ensinar ciência.<br />“... não deve se limitar aos conteúdos científicos, mas també...
Osborne critica o afastamento da visão de realidade imposta pelos cientistas. Isso não estaria contribuindo para a formaçã...
“...uma realidade não ingênua, independente da vontade humana, torna-se fundamental para os críticos das formas radicais d...
“Teorias não são elaboradas apenas com a matéria prima dos fatos, mas também com a inventividade da razão humana.” (2003)<...
O conceito de mundo físico<br />“Um terceiro mundo, distinto tanto do mundo real como do mundo sensível. Este mundo, difer...
Soluções para enfrentar o “problema epistemológico” acerca das relações entre mundoreal e conhecimento científico:<br />Co...
“O conhecimento científico tem uma situação diferenciada em relação a outras formas de conhecimento e, para mantê-la, os c...
Osborne (1996) resume sua posição em relação à educação em ciências como tendo o dever de tentar não só comunicar a prátic...
“Planejar uma nova didática para a educação em Ciências tem sido objeto de estudo de pesquisadores ao longo das últimas dé...
A cientista Marín Martinez propõe “uma distinção entre o construtivismo que busca compreender como o conhecimento é constr...
O Construtivismo estático “assume que o que o sujeito apreende ou interpreta da realidade depende de seus conhecimentos an...
Logo, “as interações do sujeito com novos materiais (texto, explicações, experiências), com o intuito de que a aprendizage...
O construtivismo dinâmico assume, como o estático, que o conhecimento novo do sujeito se constrói em interação com o conhe...
J. L. Pozo ( Aprender y enseñarciencias - 1998)<br />“... a aprendizagem associativa (construtivismo estático) e no outro ...
CONSTRUTIVISMO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS<br />Nos anos de 1980 surge o MCA (movimento das concepções alternativas...
O MCA desenvolveu-se com rapidez quase exponencial (Osborne, 1996), oferecendo um novo enfoque à educação em ciências cent...
“...um excelente mapeamento, ou em outras palavras, um diagnóstico bastante preciso sobre a conceituação de senso-comum tr...
Ou seja, “... em vez de se acreditar na substituição na cabeça dos alunos de uma concepção alternativa por uma cientificam...
As pesquisas de Pozo (1998) propôs “um enfoque para o ensino de ciências por explicação e contrastaçãode modelos e integra...
A meta da educação científica consensual entre muitos pesquisadores atualmente é:<br />  Que o aluno conheça a existência ...
ENSINO DE CIÊNCIAS NA SALA DE AULA<br />Hoje, enfoques construtivistas vêm oferecendo novas idéias sobre a produção do con...
Uma situação-problema é concebida como uma tarefa que envolve de forma obrigatória pelo menos uma aprendizagem significati...
E do ponto de vista do aluno? O que é um problema?<br />“Para o aluno, normalmente habituado à solução de exercícios e não...
O uso de literaturas de ciência em sala de aula, como os contos Aventuras Científicas de Sherlock Holmes(Colin Bruce, 2000...
“No que se refere explicitamente ao “método científico”, professores e pesquisadores das salas de aula não conseguem aband...
Eles “assumem o compromisso dos cientistas como indispensável à produção de conhecimento confiável tanto por eles como pel...
Argumentos indutivos oudedutivos<br />“São modos de comunicação verbais usados na sala de aula e reconhece-se esse ambient...
“Análises de cunho sócio-histórico dos processos de produção do conhecimento são mobilizadas durante as aulas para motivar...
Hoje, o que tem impressionado os cientistas pesquisadores do ensino da ciência em sala de aula “...são as diferentes forma...
“Pesquisadores construtivistas dedicados a conhecer o que leva os estudantes a atribuírem significado aos conteúdosao entr...
Antes: “Os alunos universitários que optam pela formação em Licenciatura em Física vêem com seus conceitos prévios o que é...
Atualmente: “Com as sementes construtivistas lançadas nos cursos de formação universitária, em especial nas disciplinas in...
CONSTRUTIVISMO E COMPLEXIDADE<br />Piaget defendeu a “aquisição do conhecimento em todas as etapas de desenvolvimento, não...
“A proposta construtivista apoiada na análise psicogenética implica (Garcia, 2002) que o conhecimento seja estudado como u...
Porém, “a crítica enfatiza o fato de o construtivismo piagetianonão ser aplicável à escola e às salas de aula, pois nelas ...
O cientista Roland Garcia, ao final da vida de Piaget, “amplia e sistematiza a Epistemologia Genética como teoria científi...
“O conhecimento se constrói por interações entre sujeitos e objetos (realidade externa ao sujeito)”<br />Logo, é necessári...
“A ciência não é apenas uma coleção de leis, um catálogo de fatos não relacionados entre si. É uma criação da mente humana...
QUEIROZ, G.R.P. & BARBOSA LIMA, M.C. Conhecimento científico, seu ensino e aprendizagem: Atualidade do Construtivismo. Ins...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Conhecimento científico, seu ensino e aprendizagem

3,364 views

Published on

Trabalho de PPP III - Equipe 3

Published in: Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,364
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
62
Actions
Shares
0
Downloads
26
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Conhecimento científico, seu ensino e aprendizagem

  1. 1. Atualidade do Construtivismo<br />Conhecimento Científico, seu ensino e aprendizagem:<br />
  2. 2. Gloria Regina Pessôa Campello Queiroz <br />Maria da Conceição Almeida Barbosa-Lima<br />- Formação Inicial: Física<br />- Doutoras em Educação; Departamento de Física Aplicada e Termodinâmica, Instituto de Física Armando Dias Tavares, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro, RJ<br />Autores do texto:<br />
  3. 3. “O presente artigo pretende reunir idéias a favor de uma versão sustentável para o construtivismo, identificando críticas, de origem epistemológica, psicológica ou mesmo pedagógica, a aspectos de outras versões veiculadas na pesquisa educacional.”<br />Objetivo do artigo:<br />
  4. 4. “Nosso saber da experiência nos incita a fazer isto porque acreditamos que esse enfoque teórico se tornou paradigmático, por haver conseguido reunir valores, teorias e modelos (de ensino-aprendizagem) respeitados por uma comunidade de especialistas em Educação que os tomaram como base teórica para a resolução de uma série de problemas/dilemas da prática e da pesquisa educacional em ciências.”<br />Por quê?<br />
  5. 5. Construir – semear coletivamente. Se origina da palavra instruir, uma das mais antigas para indicar o processo pedagógico.<br />Instruir – “o sentido contemporâneo de treinamento de atividades mecânicas e repetitivas.”<br />Etimologia da palavra Construtivismo<br />
  6. 6. Preocupação quanto a forma de educar e ensinar ciência.<br />“... não deve se limitar aos conteúdos científicos, mas também abranger os processos de sua construção, além de desenvolver habilidades do fazer científico.”<br />BeyondsConstructivism – J. F. Osborne<br />
  7. 7. Osborne critica o afastamento da visão de realidade imposta pelos cientistas. Isso não estaria contribuindo para a formação adequada de futuros cientistas.<br />
  8. 8. “...uma realidade não ingênua, independente da vontade humana, torna-se fundamental para os críticos das formas radicais de construtivismo, ainda que a compreensão dessa realidade por meio da ciência mude ao longo do tempo.”<br />Como é vista a realidade pelos cientistas?<br />
  9. 9. “Teorias não são elaboradas apenas com a matéria prima dos fatos, mas também com a inventividade da razão humana.” (2003)<br />Logo, “uma visão anti-realista que se recuse a aceitar a noção de realidade comumente adotada por quem faz ciência (existe um mundo real por trás das nossas sensações) poderia levar a supor que a ciência é produzida de acordo com regras de racionalidade que congelam uma metodologia única que parte sempre do que é observado.”<br />Filosofia da Ciência – Oliva, A.<br />
  10. 10. O conceito de mundo físico<br />“Um terceiro mundo, distinto tanto do mundo real como do mundo sensível. Este mundo, diferente dos outros dois, é uma criação consciente do homem, sujeita a transformações que pretendem levar a ciência a se aproximar cada vez mais do mundo real, num movimento de evolução histórico.”<br />Cientista Plank (Halbwach, 1976)<br />
  11. 11. Soluções para enfrentar o “problema epistemológico” acerca das relações entre mundoreal e conhecimento científico:<br />Conhecimento científico é tentativo e nunca deve ser igualado à verdade. Ele é apenas temporário.<br />Observação isoladamente não pode dar origem ao conhecimento científico de modo indutivista. Vemos o mundo com lentes teóricas.<br />Conhecimento novo em ciência é produzido por atos criativos de imaginação, aliados a métodos rigorosos, porém variados da pesquisa científica; sua aquisição é problemática, nunca fácil. O abandono do conhecimento que nos é caro e que foi falseado por algum experimento ocorre com relutância.<br />O conhecimento científico novo surge no seio de uma problemática teórico-prática.<br />
  12. 12. “O conhecimento científico tem uma situação diferenciada em relação a outras formas de conhecimento e, para mantê-la, os cientistas adotam um programa de experimentação, verificação e revisão atenta, em busca de consensos, que são a pedra de toque de confiabilidade no conhecimento científico.”<br />
  13. 13. Osborne (1996) resume sua posição em relação à educação em ciências como tendo o dever de tentar não só comunicar a prática da ciência, mas também as convicções amplamente sustentadas na comunidade científica.<br />De modo a propor uma visão de realidade, Osbornerevisita o realismo para emergir com um realismo moderado que não pretende mais responder a questões sobre a veracidade de uma teoria. “Mas ao invés disso, fazer a pergunta: existem coisas, propriedades, processos deste tipo?”Desse modo, os cientistas conseguem defender as proposições que fornecem.<br />
  14. 14. “Planejar uma nova didática para a educação em Ciências tem sido objeto de estudo de pesquisadores ao longo das últimas décadas. Nos últimos anos, ao fazerem da sala de aula seu campo de pesquisa, passaram a enfocar o professor, seus argumentos, sua linguagem, seusprocedimentos didáticos mais gerais, enriquecendo a pesquisa e deixando clara a diferença de objetivos do professor e do pesquisador (Queiroz, Guimarães e Fonte Boa, 2001), mostrando mais uma vez a conveniência de se tratar como sistemas complexos as situações de ensino-aprendizagem.”<br />
  15. 15. A cientista Marín Martinez propõe “uma distinção entre o construtivismo que busca compreender como o conhecimento é construído na mente do sujeito Xaquele que estuda sua construção pela comunidade científica, que regula de modo característico sua produção, sendo regulado por uma série de fatores econômicos, históricos etc.”<br />CONSTRUTIVISMO E APRENDIZAGEM DAS CIÊNCIAS<br />
  16. 16. O Construtivismo estático “assume que o que o sujeito apreende ou interpreta da realidade depende de seus conhecimentos anteriores e, por meio de mecanismos reducionistas/mecanicistas que dividem o todo em partes, supondo que este é apenas a soma das partes, sendo o conhecimento resultante independente da configuração do todo.”<br />Construtivismo estático e Construtivismo dinâmico<br />
  17. 17. Logo, “as interações do sujeito com novos materiais (texto, explicações, experiências), com o intuito de que a aprendizagem seja significativa, levam em conta o conhecimento prévio dos estudantes, porém, acredita-se que o novo conhecimento será construído por conexões ou associações.<br />
  18. 18. O construtivismo dinâmico assume, como o estático, que o conhecimento novo do sujeito se constrói em interação com o conhecimento anterior, porém rechaça o princípio de correspondência entre realidade prévia e conhecimento novo, abordando o problema numa perspectiva orgânica, rejeitando a analogia da mente como um processador de informações, mas buscando conhecer a construção e modificação constante da estrutura cognitiva dos sujeitos, usando para isso os processos de assimilação e acomodação piagetianoscomo referência básica.<br />Construtivismo dinâmico<br />
  19. 19. J. L. Pozo ( Aprender y enseñarciencias - 1998)<br />“... a aprendizagem associativa (construtivismo estático) e no outro a aprendizagem construtiva (dinâmica), não só os dois tipos são necessários para o desenvolvimento cognitivo, para a aprendizagem cotidiana e para a educação, mas se exigem mutuamente.”<br />
  20. 20. CONSTRUTIVISMO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS<br />Nos anos de 1980 surge o MCA (movimento das concepções alternativas): Este movimento surgiu “a partir de uma crítica tanto ao empirismo na educação em ciências que adota uma visão rígida e não atualizada da produção da ciência, quanto ao construtivismo piagetiano, criticado principalmente na Inglaterra por ser de domínio geral, não atendendo a especificidades dos conteúdos.”<br />
  21. 21. O MCA desenvolveu-se com rapidez quase exponencial (Osborne, 1996), oferecendo um novo enfoque à educação em ciências centralizado no poder de recuperação das idéias dos alunos.<br />
  22. 22. “...um excelente mapeamento, ou em outras palavras, um diagnóstico bastante preciso sobre a conceituação de senso-comum trazida pelos alunos para a escola.”<br />Resultado do MCA:<br />
  23. 23. Ou seja, “... em vez de se acreditar na substituição na cabeça dos alunos de uma concepção alternativa por uma cientificamente aceita, no processo conhecido como mudança conceitual, pesquisas na área levam a crer que os dois “pensamentos” podem conviver e são mobilizados em situações em que são considerados mais adequados.”<br />
  24. 24. As pesquisas de Pozo (1998) propôs “um enfoque para o ensino de ciências por explicação e contrastaçãode modelos e integração hierárquica entre o conhecimento científico e que os alunos trazem para a escola.”<br />
  25. 25. A meta da educação científica consensual entre muitos pesquisadores atualmente é:<br /> Que o aluno conheça a existência de diversos modelos alternativos na interpretação e compreensão da natureza, sendo apresentado aos modelos da ciência, contrastando-os com os seus e com outros historicamente existentes.<br />
  26. 26. ENSINO DE CIÊNCIAS NA SALA DE AULA<br />Hoje, enfoques construtivistas vêm oferecendo novas idéias sobre a produção do conhecimento científico dos alunos.<br />Pesquisadores vêm realizando atividades que apresentam o conhecimento científico como recurso capaz de levar os alunos a tomar consciência das variáveis envolvidas, da forma de controlar as que são passíveis de controle e assim conseguirem resolver problemas.<br />
  27. 27. Uma situação-problema é concebida como uma tarefa que envolve de forma obrigatória pelo menos uma aprendizagem significativa.<br />Tal situação é vista pelos professores como um meio de fazer seus alunos chegarem a aliar a ciência estudada com a vida que lhes cerca, fazendo uso de métodos cuidadosos e da imaginação, que podem conduzir à solução dos problemas originados das mais variáveis formas.<br />
  28. 28. E do ponto de vista do aluno? O que é um problema?<br />“Para o aluno, normalmente habituado à solução de exercícios e não de problemas, essa nova estratégia em geral os mobiliza a estabelecer diálogos no mundo das hipóteses, vivenciando processos autenticamente construtivistas.”<br />
  29. 29. O uso de literaturas de ciência em sala de aula, como os contos Aventuras Científicas de Sherlock Holmes(Colin Bruce, 2000), têm contribuído para sugerir problemas que de fato instiguem os estudantes, “onde logo na primeira história o próprio Holmes precisa da ajuda de um cientista para tomar conhecimento do funcionamento do pêndulo de Foucault e com isso resolver o enigma em que seu cliente está envolvido.”<br />
  30. 30. “No que se refere explicitamente ao “método científico”, professores e pesquisadores das salas de aula não conseguem abandoná-lo de todo, porém não se admite que ignorem as críticas a ele feitas, durante mais de meio século de discussões. A crença de que um só caminho seja capaz de conduzir a descobertas verdadeiras e possíveis de serem justificadas ao público especializado e geral deve ser substituída por um processo que reconheça a impossibilidade de se eliminar completamente o papel do sujeito na construção do conhecimento”<br />
  31. 31. Eles “assumem o compromisso dos cientistas como indispensável à produção de conhecimento confiável tanto por eles como pelos alunos nos laboratórios e salas de aula.”<br />Compromisso atual dos cientistas:<br />
  32. 32. Argumentos indutivos oudedutivos<br />“São modos de comunicação verbais usados na sala de aula e reconhece-se esse ambiente como espaço social de negociação de novos significados, a base de argumentação.”<br />
  33. 33. “Análises de cunho sócio-histórico dos processos de produção do conhecimento são mobilizadas durante as aulas para motivar os alunos a julgarem seus conceitos, sua visão de ciência e de função da educação em ciências. Professores lançam mão de toda essa gama de recursos para rechear as discussões em aula, cientes de que assim como fazer ciência, também aprender ciência é “falar ciência” (Driveretal, 1999)”<br />
  34. 34. Hoje, o que tem impressionado os cientistas pesquisadores do ensino da ciência em sala de aula “...são as diferentes formas verbais e não verbais pelas quais se dão as interações entre docentes e estudantes ao tratarem os conteúdos científicos.”<br />
  35. 35. “Pesquisadores construtivistas dedicados a conhecer o que leva os estudantes a atribuírem significado aos conteúdosao entrarem nas salas de aulapuderam perceber a importância do que passou a ser chamado de uma nova retórica, o conjunto articulado de diferentes modos de comunicação, tais como linguagem argumentativa, imagens, gestos, usados para produzir “textos” coerentes que comunicam, ensinam e legitimam o conhecimento científico escolarizado.”<br />
  36. 36. Antes: “Os alunos universitários que optam pela formação em Licenciatura em Física vêem com seus conceitos prévios o que é ser professor. Normalmente a caracterização do profissional do magistério trazida é traduzida pelo estereótipo do professor tradicional que lhes serviu de exemplo pelo já longo tempo de escolarização. Assim sendo, a maioria deles acredita que a aula deve ser dada, quase no sentido estrito de doação do saber do professor, para os alunos, que são considerados detentores de nenhum saber e que a receberão passivamente.”<br />CONSTRUTIVISMO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES<br />
  37. 37. Atualmente: “Com as sementes construtivistas lançadas nos cursos de formação universitária, em especial nas disciplinas integradoras como a Instrumentação para o ensino e a Prática de Ensino, os futuros docentes começam a se perceber construtores de um conhecimento com significado, um conhecimento que em muito se diferencia do que lhes foi proporcionado pela maioria das disciplinas do currículo. Com isso fica aberto o caminho para que inovações pedagógicas sejam realizadas.”<br />
  38. 38. CONSTRUTIVISMO E COMPLEXIDADE<br />Piaget defendeu a “aquisição do conhecimento em todas as etapas de desenvolvimento, não apenas da infância até a idade adulta- para os chamados cidadãos comuns - mas até o nível dos cientistas, é estudada por meio de seus mecanismos construtivos comuns.”<br />
  39. 39. “A proposta construtivista apoiada na análise psicogenética implica (Garcia, 2002) que o conhecimento seja estudado como um processo cujo desenvolvimento está fortemente atrelado ao contexto histórico-social (marco epistêmico), a epistemologia construtivista piagetiananão se limitando, assim, aos métodos de validação aos quais o empirismo se reduziu.”<br />
  40. 40. Porém, “a crítica enfatiza o fato de o construtivismo piagetianonão ser aplicável à escola e às salas de aula, pois nelas os professores percebem que as dificuldades dos estudantes não são as mesmas de um campo conceitual para o outro.”<br />
  41. 41. O cientista Roland Garcia, ao final da vida de Piaget, “amplia e sistematiza a Epistemologia Genética como teoria científica integrada, propondo-se a atualizar e desenvolver áreas que se mostraram incompletas, oferecendo uma teoria complexa de base piagetiana mais frutífera para ser mobilizada na prática.”<br />
  42. 42. “O conhecimento se constrói por interações entre sujeitos e objetos (realidade externa ao sujeito)”<br />Logo, é necessário que “As implicações para a didática das ciências construtivista e para a formação de professores aptos a mobilizá-la com seus futuros alunospassem pelo reconhecimento da necessidade do ensino-aprendizagem de conhecimentos universais que são importantes não só para a solução de problemas do cotidiano como também permitem aos indivíduos se tornarem cidadãos críticos em relação à sociedade mais ampla e aos seus problemas não cotidianos.”<br />Conclusão:<br />
  43. 43. “A ciência não é apenas uma coleção de leis, um catálogo de fatos não relacionados entre si. É uma criação da mente humana, com seus conceitos e idéias livremente inventados.”(Einstein e Infeld, 1938, 1976, p.235)<br />
  44. 44. QUEIROZ, G.R.P. & BARBOSA LIMA, M.C. Conhecimento científico, seu ensino e aprendizagem: Atualidade do Construtivismo. Instituto de Física - UERJ <br />Referência:<br />

×