Your SlideShare is downloading. ×
Sonoplastia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Sonoplastia

959
views

Published on

Diapositivos sobre sonoplastia

Diapositivos sobre sonoplastia

Published in: Education

8 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
959
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
8
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso Profissional de Técnico de Multimédia
  • 2.  O mundo sonoro: Intensidade, amplitude, frequência, timbre, meios sonoros, equipamentos e manipulação do som.  Noção de design aplicada ao som. Conceito de sonoplastia.  Técnicas de captação, microfones.  Técnicas de gravação e edição.  Do analógico ao digital. As características. Os recursos e equipamentos.  Gravação de som em estúdio.  Captação de som em exterior.  Locução e sonoplastia de um produto audiovisual ou multimédia.  Edição de áudio. A sonoplastia – criação de bandas de ambientes, dobragens, ruídos, música.  Efeitos sonoros.  Mistura final.
  • 3.  Gravação de um spot publicitário, em áudio, da ESEN  Locução  Banda sonora (gratuita - http://freemusicarchive.org)  Som ambiente (campainha, alunos no corredor, jogo de futebol, ...)  Efeitos especiais (...)
  • 4.  Som: Fenómeno físico que se propaga ou desloca, normalmente pelo ar, através de ondas
  • 5.  As ondas podem ter tamanhos (comprimentos de onda) e amplitudes diferentes. São medidas em Hertz (Hz).  Ondas de menor comprimento  maior frequência  Ondas de maior comprimento  menor frequência
  • 6.  Intensidade: “Volume”  Proporcional à amplitude. É medida em Decibéis (dB).  Amplitude: característica que nos permite distinguir um som fraco de um som forte. Esta característica está relacionada com a quantidade de energia transportada pela onda sonora.
  • 7. http://osfundamentosdafisica.blogspot.pt/2010/06/intensidade-sonora.html
  • 8.  Timbre: propriedade que nos permite distinguir sons produzidos por diferentes fontes sonoras).
  • 9.  Velocidade: A velocidade de propagação do som no ar depende da temperatura.
  • 10.  Eco: reflexão de som que chega ao ouvinte pouco tempo depois do som direto.
  • 11.  Delay: Delay (ie. "atraso", em Português), que possui como função criar um atraso do som em relação ao sinal original (i.e. o sinal "real") gerado por um equipamento ou instrumento musical.  Normalmente os aparelhos de marcas boas que possuem o controle do delay também possuem uma tecla para o eco (a repetição) que controla a quantidade de repetições desejada no efeito.
  • 12.  Reverberação: reflexão múltipla de uma frequência.  A Duração do tempo de reverberação varia conforme muitos fatores, deve-se ter em conta o local, os materiais que serão afetados pelas ondas sonoras assim como a sua absorção e reflexão.
  • 13.  Harmónicos: ressonâncias paralelas à frequência original.
  • 14.  Mono: 1 fonte sonora
  • 15.  Estéreo: 2 fontes sonoras
  • 16.  Estéreo: 2 fontes sonoras + 1 subwoofer
  • 17.  Subwoofer: usado para complementar a gama de frequências do sistema de som, reproduzindo normalmente frequências de ~20 Hz a ~200 Hz.
  • 18.  Estéreo: 2 fontes sonoras + 2 subwoofers
  • 19.  Quadrifonia: 4 fontes sonoras
  • 20.  5.1 Surround – Dolby Digital, Dolby Pro Logic II ou DTS: 5 fontes sonoras + 1 subwoofer
  • 21.  7.1 Surround – Dolby Pro Logic IIz ou DTS HD: 7 fontes sonoras + 1 subwoofer
  • 22.  11.1 DTS Neo:x 11 fontes sonoras + 2 subwoofers
  • 23.  Altifalante Fullrange: consegue reproduzir a maior faixa possível de frequências, dependente esta das características físicas e eletromagnéticas do altifalante.
  • 24.  Sistema fullrange: composto por, pelo menos, 2 altifalantes:  um para as frequências mais baixas  outro para as frequências mais altas  Possui crossover passivo (explicado mais à frente)
  • 25.  Sistema “Grave + Topo”: composto por:  grave(s) para as frequências mais baixas  topo(s) para as frequências mais altas
  • 26.  Sistema “Line Array”: sistema de colunas, normalmente constituído pelo mesmo número de elementos para toda a gama de frequências montados em linha, criando uma fonte sonora (quase) linear.  Caracterizam-se por uma distribuição uniforme da gama de frequências, chegando mais longe e com mais nitidez que um sistema tradicional.  Devido à sua construção característica, podem ser orientados para qualquer direção.
  • 27.  Amplificador: equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade maior.  A relação entre a entrada e a saída de um amplificador — geralmente expressa em função da frequência de entrada — é denominada função de transferência do amplificador, e a magnitude da função de transferência é denominada de ganho.  A potência de um amplificador mede-se em Watts (W).
  • 28.  Audio Crossover: equipamento eletrónico que separa o espectro total do som em faixas de frequências distintas, de forma a se poder definir o que sai em cada coluna / altifalante utilizada(o).  Ex.: Sistema de três vias: ▪ 20Hz a 250Hz, 250Hz a 2500Hz e 2500Hz a 20000Hz
  • 29.  Equalizador: fazer a equalização paramétrica, isto é, alterar parâmetros que por sua vez alteram a curva de resposta em frequência em kHz (quilohertz) do sinal de áudio.
  • 30.  Equalizador:  Faixa de 16kHz: Agudos “super delicados”.  Faixa de 8 kHz: Agudos comuns.  Faixa de 4 kHz: Os agudos estridentes "ardidos".  Faixa de 2 kHz: Médios.  Faixa de 1 kHz: Médios.  Faixa de 500Hz: Médio-graves. (Mais "ocos").  Faixa de 250Hz: Médio-graves. (Menos "ocos").  Faixa de 125Hz: Graves normais.  Faixa de 64Hz: Sub graves.  Faixa de 32Hz: Sub graves extremos.
  • 31.  Mesa de mistura: aparelho electrónico (analógico ou digital) usado para combinar várias fontes de som, de forma a somá-las num único sinal de saída.
  • 32. Níveis de Saída (volumes) Saídas (outputs) Entradas (inputs) Ganhos (trims / gain) Processamento (inputs) Processamento (outputs)
  • 33. Inserts: permitem injetar outros sinais nesta via (processador de efeitos, compressor, limitador, noise gate, etc.). Utilização de cabo Y. Entradas de linha (teclados, guitarras, instrum entos eletrónicos, etc.). Utilização de fichas “jack”. Entradas microfone (XLR)
  • 34. Ligação a sistema de gravação (CD, DAT, cassete!) Saídas auxiliares (monitores, processadores de efeitos, ...) Entradas auxiliares (processadores de efeitos, ...)
  • 35. Equalizador (output)Low Cut: utilizado para cortar frequências baixas Equalização. Neste caso, apenas Graves / Agudos (Low / High) Níveis de saída para auxiliares Panorâmicos (Esquerda / Direita) Processador de efeitos (reverberação, eco, etc.)
  • 36. Faders nível de saída (output final) Mute: ligar / desligar fonte sonora Peek: acende quando o sinal está em excesso Faders: nível de saída de cada fonte sonora Nível de saída auxiliares (geral)
  • 37.  Input: entrada de informação num sistema.  Audio Input: entrada de áudio num sistema de processamento de áudio.
  • 38.  Line input: sinais de potência mais elevada  Amplificadores de Guitarra / Baixo (Line Out)  Teclados  Baterias eletrónicas  CD  DVD  ...
  • 39.  Mic input: sinais de potência mais baixa:  microfones
  • 40.  Um sistema balanceado funciona com 3 vias. Positivo (Hot), Neutro (Ground) e Positivo Invertido (Cold), com polaridade invertida (+, massa e -).  Uma fonte emissora, como a mesa de mistura, separa o sinal de áudio enviado em duas vias, invertendo a fase de uma delas, o que cancelaria o sinal se assim fosse utilizado. Nesse momento, qualquer ruído que se apresente estará com polaridade igual nas duas vias.
Ao receber o sinal, a unidade receptora, por exemplo uma interface de áudio, inverte novamente a fase de uma das vias, fazendo com que o sinal volte ao sua polarização correta e que interessante, fazendo com que o ruído que poderia ocorrer fique com uma das vias em polaridade invertida, cancelando-o completamente.
  • 41.  Uma unidade DI, caixa DI, Direct box, Direct Input, Direct Injection ou simplesmente DI Box é um dispositivo normalmente utilizado em estúdios de gravação para conectar um sinal de saída não balanceado de alta impedância e de nível de linha a uma entrada balanceada de microfone de baixa impedância, normalmente através de um conector XLR.
  • 42. _ +
  • 43.  A inércia do diafragma (pequena membrana suspensa no interior do microfone que, exposta a um campo sonoro, capta continuamente as ondas acústicas) é maior que num condensador. O diafragma é mais rígido.  Não necessita alimentação (phantom power)  Melhor para utilização genérica, onde não se prevê muitas das situações a que vai ser sujeito.
  • 44.  Mais utilizados em estúdio.  Possui um diafragma menos rígido que o dinâmico tornando-se, por isto, mais sensível.  Microfone macio e capaz de proporcionar resposta rápida e reprodução de qualidade, clara e com riqueza de detalhes.  Necessita alimentação (phantom power)
  • 45.  Ominidirecional  Unidirecional ou direcional  Bidirecional ou “figura 8”