Your SlideShare is downloading. ×
0
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
SIDIII 1º versão artigo daniel basílio
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

SIDIII 1º versão artigo daniel basílio

407

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
407
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   These results will propitiate the reaching of conclusions on the participants’ self- and hetero-images that should provide a basis for a comparative analysis intended to highlight the main similarities and differences of the nature, characteristics, and background of the reciprocal images of the two groups of students, and elicit some further conclusions on the factors that might come to play a role in intercultural communication between Portuguese and Turkish people.A set of conclusions on the images that either group constructs and shares regarding the other will have an intrinsic value for the academic research in Language Didactics and IE, as well as for other disciplines in the area of the social studies. It will also provide a basis for the planning and construction of the data collection instruments and techniques to be applied in the development of this research project: the collective interviews (based on the technique of focus-group) and the on-line interaction platform.The data collection instruments based on an eminently qualitative methodology will help deepen the knowledge and understanding of the participants’ reciprocal images, and of the interconnection between these images and the participants’ ability to be involved in effective intercultural communication with each other.
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  •   Tirarfotocópias da tabelaJuntar tipos de perguntasDar exemplos de perguntas?
  • Transcript

    • 1. Universidade de Aveiro Programa Doutoral em Didáctica e Formação Ramo de Didáctica e Desenvolvimento Curricular Seminário de Investigação em Didáctica III Apresentação de Artigo CientíficoImagens em Diálogo – Perspectivas recíprocas de estudantes Portugueses e Turcos 10 de Fevereiro de 2012 Daniel Basílio Orientadora: Professora Doutora Maria Helena Araújo e Sá Co-Orientadora: Doutora Ana Raquel Simões
    • 2. ÍNDICE1. Artigo e revista a submeter2. Objectivos e quadro conceptual3. Enquadramento metodológico4. “Questionário Imagens” – Apresentação e análise de alguns dos resultados obtidos5. Referências bibliográficas
    • 3. “Imagens em Diálogo - perspectivas recíprocas de estudantes portugueses e turcos”Objectivos:Apresentação e discussão dos resultados do diagnóstico dasimagens recíprocas dos dois universos em estudo.Implicações didácticas dessas imagens no contexto deEducação de Línguas Estrangeiras.Base empírica:Dados recolhidos através da aplicação do instrumento derecolha de dados “Questionário Imagens”.Estrutura do artigo: Seguindo as orientações de A Systematic Guideto Reviewing a Manuscript (Provenzale, J. & Stanley, R., 2006) e os requerimentos darevista científica seleccionada.
    • 4. Revista seleccionada: Language and Intercultural Communication Dados de publicação Indexação e Impacto Scope Editora: Routledge Indexada a: it promotes an interdisciplinary Volume : 11 Arts & Humanities Citation understanding of the interplay Frequência: 4 issues per Index; Communication and between language and intercultural year Mass Media Complete; communication; Editores: Malcom Current Abstracts; E R I C; it is alert to its implications for MacDonald (U. Education Research Index; education, especially higher education, Warwick) e John Educational Management and for language learning and teaching. O’Regan (U. London), Abstracts; Linguistics it seeks to advance a perception of the UK Abstracts Online; Linguistics intercultural dimension of language and Language Behavior within a complex and pluralist view of Abstracts; M L A the world. International Bibliography; it seeks always to resist reductive and Multicultural Education hegemonic interpretations, and is Política de Peer Review: Abstracts; Social Sciences stimulated by contemporary, critical Todos os artigos são Citation Index and perspectives in understanding cultural submetidos a um Sociology of Education practices and intercultural rigoroso “peer review”, Abstracts relationships. It aspires to promote an realizado por um understanding of the position and mínimo de dois perítos. Factor de impacto: politics of language(s) in intercultural Tamanho do artigo: 2010 Impact Factor of 0.441 communication conceived as a máximo de 7000 contribution to personal development palavras. and to interpersonal understanding, dialogue and co-operation.
    • 5. Objectivos Gerais do artigo: • diagnosticar as imagens recíprocas de estudantes Imagens portugueses e turcos do Ensino Superior (ES);recíprocas de • Descrever e compreender os factores envolvidos na estudantes construção dessas imagens; portugueses • Identificar e analisar as relações entre essas e turcos imagens. • Contribuir para as áreas da Educação Intercultural para uma e Ensino de Línguas Estrangeiras através de mediação propostas didácticas que visem o desenvolvimento da Competência Interculturalintercultural (CI) dos estudantes. entre • Apresentar estratégias de promoção do Portugal e conhecimento e contacto mútuos entre Turquia Portugueses e Turcos e a promoção do Diálogo Intercultural (DI) entre Portugal e Turquia. 5
    • 6. Questões de Investigação 1) Quais as 2) Que relações 3) Que estratégias imagens que os podem ser educativas e deestudantes têm de estabelecidas entre promoção cultural essas imagens e as podem ser si próprios e do dimensões do propostas pelo “outro”? modelo conhecimentoQual é a sua fonte, multidimensional obtido em (1) e (2)natureza e função? de CI? Quais as visando a (re/des) Como se implicações dessas construção das relacionam essas relações para a imagens recíprocas imagens em Didáctica de de ambos os termos de Línguas públicos no sentido similaridade / Estrangeiras e para da promoção do a Educação Diálogo dissimilaridade? Intercultural? Intercultural 6
    • 7. Quadro ConceptualCompetência Imagens /Intercultural Representações Diálogo Intercultural Ed. Línguas Estrangeiras /Intercultural Ensino Superior
    • 8. Imagens e Didáctica de Línguas (DL) Adopção de uma “pragmática intercultural” na Educação em Línguas Necessidade de conhecer as relações que osindivíduos estabelecem entre as imagens do Outro e de si próprios e saber como é que estas intervêm nas suas acções interactivas e comunicativas Proposta e implementação de estratégias educativas baseadas nesse conhecimento, tendo, como finalidade última, a promoção do DI. (Araújo e Sá & Pinto, 2006) 8
    • 9. Conceito de Imagens em DL Imagens como sistemas constituintes econstitutivos de interpretação da realidade social1. Papel central nas interacções entre indivíduos, enformando e influenciando as suas acções interactivas e comunicativas.Tratamento didáctico, no campo da educação em línguas, enfocado na (re/des)construção destas mesmas imagens,fazendo uso da competência intercultural dos estudantes e,simultaneamente, desenvolvendo-a, nomeadamente através do seu uso como base e instrumento de intervenção didáctica (Mariko, 2005).1(Moscovici, 1961; Doise & Palmonari, 1986; Vala, 1993; Abric, 1994; Jodelet, 91997; Araújo e Sá & Pinto, 2006)
    • 10. Enquadramento metodológico Em termos de • Estudo de Caso (Yin, 2003) generalização Em termos de • Continuum Quantitativo- recolha e análise Qualitativo (Niglas, 2004) de dados Em termos de • Abordagem ontológica eQuadro Referencial epistemológica construtivista (Guba & Lincoln, 1994) 10
    • 11. Abordagens Imagológicas Abordagem Tematizada- Toma as imagens como elementos passiveis deexplicar competências inerentes a um indivíduo ou grupo;- Tem como finalidade a compreensão do sistema de organização do mundo dos indivíduos. Abordagem não-tematizada - Centra-se na natureza dinâmica das imagens; - Tem como finalidade o enviesamento de actividades didácticas que favoreçam a (re)construção dessas mesmas imagens. (Vasseur, 2001; Müller & de Pietro, 2001) 11
    • 12. Instrumentos de Recolha de Dados Inquéritos por Questionários aos alunos:- “Questionário Imagens” e “Questionário Intercultural” Entrevistas em formato Focus Group aos alunos Entrevistas semi-estruturadas aos Professores Plataforma de interacção on-line 12
    • 13. Selecção das Unidades de Análise Com base nos objectivos da investigação e no seu quadro teórico e desenho metodológico foram seleccionadas duas unidades de análise correspondentes a dois casos:Estudantes portugueses Estudantes turcos de das turmas dos cursos turmas dos cursos de de Língua Turca (LT) Língua Portuguesa (LP)como língua estrangeira como língua estrangeira oferecidos por oferecida por universidades universidades turcas portuguesasDesenvolveu-se de seguida um apuramento do número de cursos e deestudantes total em Portugal e Turquia. 13
    • 14. Selecção das Unidades de Análise Contexto Português – Ano Lectivo 2011-2012 – 1º Semestre Universidade de Lisboa – Faculdade de Letras (FLUL) 1º ano 22 alunos 2º ano 2 alunos Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas 2º ano 5 alunos Universidade do Porto – Faculdade de Letras (FLUP) 1º ano 4 alunos 2º ano 5 alunos Universidade de Aveiro 1º ano 2 alunos Universidade do Minho 1º ano 2 alunos Número total de alunos dos cursos de língua turca em contexto de Ensino 42 alunos Superior em Portugal: Número total de alunos portugueses dos cursos de língua turca em contexto de 30 alunos Ensino Superior em Portugal: Número total de alunos estrangeiros dos cursos de língua turca em contexto de 12 alunos Ensino Superior em Portugal: Contexto Turco - Ano Lectivo 2011-2012 – 1º Semestre Universidade de Ancara – Faculdade de Línguas, História 1º ano 66 alunos e Geografia (FLHG/UA) 2º ano 3 alunos Universidade de Yaşar (Izmir) – Faculdade de Ciências e 1º ano 8 alunos Letras Universidade de Economia de Izmir 3º ano 2 alunosDesenvolveu-se de seguida um portuguesa em do númeroEnsino 79 alunos de Número total de alunos de língua apuramento contexto de de cursos e 14 Superior na Turquia:estudantes total em Portugal e Turquia.
    • 15. Selecção das Unidades de Análise e aplicação do “Questionário Imagens” Universo Português 3 turmas de língua turca 1º ano FLUL 31 alunos (71% do total de 1º e 2º anos FLUP estudantes em PT) no entanto apenas 24 alunos são Portugueses Universo Turco 2 turmas de língua 1º e 2º anos FLHG/UA 69 alunos (87% do total de portuguesa estudantes na Turquia) APLICAÇÃO DO “QUESTIONÁRIO IMAGENS” (aplicado via on-line junto dos públicos seleccionados no decorrer do mês de Novembro de 2011) Resultados da aplicação do “Questionário Imagens” Portugal 17 respostas completas de estudantes de nacionalidade portuguesa Turquia 42 respostas completas de estudantes deDesenvolveu-se de seguidanacionalidade turca do número de um apuramento cursos e de 15estudantes total em Portugal e Turquia.
    • 16. “Questionário Imagens”: secções e respectivosobjectivos de recolha de dados • Caracterização pessoal, profissional e académica 1. Perfil pessoal dos inquiridos2. Biografia Linguística • Caracterização da biografia linguística e identificação de experiências no estrangeiro 3. Imagens de línguas • Descrever as auto- /às línguas portuguesa e turca inquiridos relativas hetero- imagens dos4. Imagens de povos e • Descrever as imagens relativas aos povos e culturas culturas de Portugal e Turquia5. Opiniões e atitudes • Descrever as opiniões e atitudes relativamente à em relação à UE União Europeia 16
    • 17. Resultados esperados da aplicação, tratamento e análisedos dados obtidos por meio do “Questionário Imagens”1. Reunir um conjunto de conclusões relativas à identificação e caracterização das auto- e hetero- imagens dos inquiridos;2. Distinguir as similaridades e diferenças da natureza, características e background das imagens recíprocas identificadas através de uma análise comparativa;3. Reunir conclusões relativas aos factores que poderão interferir na comunicação intercultural entre portugueses e turcos;4. Estabelecimento de uma base empírica para o tratamento e análise dos dados recolhidos através dos outros instrumentos e técnicas de recolha de dados do projecto de investigação. 17
    • 18. Apresentação e análise dos resultados obtidosCaracterização dos inquiridos Sexo e idade Contexto de Carreira Académica aprendizagem da LEInquiridos 82% dos inquiridos é do sexo 47% dos inquiridos 65% dos inquiridos está a feminino. frequenta os cursos de desenvolver a sua carreira Portugal A faixa etária dos língua turca como académica no âmbito do respondentes estende-se disciplina de opção dos 1º, 2º e 3º ciclos de desde os 19 aos 45 anos, seus respectivos cursos Bolonha. integrando-se a larga maioria académicos e 53% 35% dos inquiridos não na faixa etária entre os 19 e os frequentam-no como está a desenvolver a sua 25 anos (75%). curso livre de língua carreira académica de estrangeira momento.Inquiridos 82% dos inquiridos são do Todos (100%) os Todos (100%) os inquiridos sexo feminino. inquiridos frequentam o encontram-se a Turquia A faixa etária dos curso de língua desenvolver a sua carreira respondentes estende-se portuguesa como académica no âmbito do desde os 20 aos 33 anos, disciplina de opção dos grau de licenciatura ou de integrando-se a larga maioria seus respectivos cursos mestrado. na faixa etária entre os 20 e os académicos. 25 anos (88%). 18
    • 19. Apresentação e análise dos resultados obtidosConjunto de quatro questões em formato de associograma que seintegram na secção 4 do “Questionário Imagens” Versão público português Versão público turco 1a. Indique 3 palavras ou pequenas frases que, 1b) Indicate 3 words or small sentences that para si, melhor descrevam o povo turco (3 come to your mind to best describe the palavras ou expressões que associa ao povo Portuguese people (3 words or expressions you turco): associate with the Portuguese people): 2a. Indique 3 palavras ou pequenas frases que, 2b) Indicate 3 words or expressions that come to para si, melhor descrevam o povo português (3 your mind to best describe the Turkish palavras ou expressões que associa ao povo people (3 words or expressions you associate português): with the Turkish people): 3a. Se lhe perguntassem o que acha que os 3b) If you were asked about how you think the turcos, em geral, pensam dos portugueses, Portuguese people, in general, see the Turkish diria: “Para os turcos, os portugueses são…” people, you would say: “For the Portuguese, the (indique 3 palavras ou expressões) Turkish people are…”…” (indicate 3 words or expressions) 4a. Se lhe perguntassem o que acha que os 4b) If you were asked about how you think the portugueses, em geral, pensam dos turcos diria: Turkish people, in general, see the Portuguese “Para os portugueses, os turcos são…” (indique people, you would say: “For the Turkish, the 3 palavras ou expressões) Portuguese people are…” (indicate 3 words or expressions) 19
    • 20. Apresentação e análise dos resultados obtidosObjectivo: perceber quais as tendências de respostas dosinquiridos no seu todo, procurando padrões de resposta próprios a cada grupo (não individualizando).Metodologia: elaboração de um quadro categorial baseado no contexto teórico e metodológico do estudo.Análise de conteúdo dos itens lexicais apresentados pelos inquiridos. Categorização dos itens lexicais. Contabilização do número de ocorrências dos itens lexicais dentro de cada uma das respectivas categorias propostas. 20
    • 21. Apresentação e análise dos resultados obtidos Modelo de análise categorial [cf. Bierwiaczonek (2004)] Categorias Descrição das categorias Itens lexicais incluidos1. Elementos de Qualidades de ordem afectiva e psicológica de “hospitaleiro”, “simpático”, “disponível”,sociabilidade e “cordial”, “prestável”, “caloroso”, “divertido”, natureza eminentemente social e que implicam, etc.interacção para se revelarem, interacção social.2. Elementos Qualidades caracterizadoras de aspectos “apaixonado” , “emotivo”, “orgulhoso”,psicológico- “corajoso”, “calmo”, “triste”, “deprimido”, psicológicos e emocionais gerais que não se “agressivo”, etc.emocionais ligam especificamente à interacção social.3. Aptidões Qualidades ligadas a aspectos de ordem “inteligente”, “com educação”, “com formação”,intelectuais, “trabalhador”, “pouco trabalhador”, intelectual, educacional e profissional “preguiçoso”, “talentoso”, etc.formativas eprofissionais4. Sentido de Elementos indiciadores de um sentido de “traços físicos semelhantes”, “iguais”,aproximação ou “parecidos”, “semelhante em termos de feitio”, parecença e proximidade. “interessante”, “curioso”, etc.semelhança5. Sentido de Elementos indiciadores de um sentido de “muito estranho”, “confusos”, “diferente”, etc.diferença ou distanciamento e diferença e, também,distância desconhecimento.6. Religião e Elementos relativos a traços religiosos e “religioso”, islâmico”, muçulmano”, cristão”,tradicionalismo “véu”, “tradição”, “conservadores”, “agarrado ao tradicionalistas. Inclui ainda traços indicadores passado”, “nacionalista”, etc. de conservadorismo e nacionalismo.7. Aparência Fisica Elementos ligados à aparência “bonito”, “atraente”, etc.8. Aspectos A categoria mais heterogénea, que inclui os “futebol”, “mediterrânicos”, “bons cozinheiros”,socioculturais “gosta de dançar”, “oriental”, “europeu”, elementos ligados a aspectos culturais, sociais, “histórico”, “crise económica”, “fusão entre 21 políticos e económicos dos dois países. ocidente e oriente”, “cultura rica”, “pobre”, etc.
    • 22. Apresentação e análise dos resultados obtidosResultados obtidos em percentagem de respostas para cada umadas categorias em relação com cada um dos associogramas 22
    • 23. Apresentação e análise dos resultados obtidos Identificação dos padrões de resposta de cada um dos grupos (enfocando apenas em 3 das 8 categorias) Categorias Grupo Português Grupo Turco1. Elementos de Predominânica de Predominância desociabilidade e interacção ocorrências. ocorrências. Redução abrupta no Estabilidade do número de associograma 4 (percepção ocorrências. da imagem que o povo português tem do povo turco).5. Sentido de diferença ou Número relevante de Número reduzido dedistância ocorrências: associograma 1 ocorrências (entre 4% e 7%) (11%); associograma 3 (23%) e associograma 4 (42%)6. Religião e tradicionalismo Número relevante de Número reduzido de ocorrências: associograma 1 ocorrências (entre 6% e 7%) (18%); associograma 4 (26%) e apenas nos associogramas (hétero-imagens) referentes à auto-imagem (1 e 3) 23
    • 24. Apresentação e análise dos resultados obtidosAlgumas conclusões preliminaresVerifica-se uma maior tendência por parte do público turco para umaimagem do povo português como um povo, que embora “outro” e, porisso mesmo, “diferente”, se assemelha bastante, em termos de imagens,com consigo próprio .Verifica-se, ainda, que no que toca às imagens pessoais e às imagens(virtualmente) partilhadas no âmbito social, não existe uma diferençanotória de percepção do “outro” nos resultados obtidos no grupoturco. “enantiomorfismo”Pelo contrário, no caso do público português verifica-se uma tendênciaclara para uma imagem do povo turco distinta da sua auto-imagem.Os resultados obtidos no grupo português revelam ainda que apercepção social alargada do povo português relativamente ao povoturco é uma percepção profundamente marcada por um sentido dediferença. “distorção” 24
    • 25. Bibliografia1. Abdallah-Pretceille, M. (1999). L’éducation interculturelle. Paris: PUF.2. Abdallah-Pretceille, M. (2006). Interculturalism as a paradigm for thinking about diversity. Intercultural Education, 17 (5), 475-483.3. Abdallah-Pretceille, M., & Porcher, L. (1996). Éducation et communication interculturelle. Paris: PUF.4. Abric, J. C. (1994). Pratiques sociales et représentations. Paris: PUF.5. Arasaratnam, L. A. (2008). Further testing of a new model of intercultural communication competence. Artigo apresentado no encontro anual da International Communication Association, New York, NY. Versão online in http://www.allacademic.com//meta/p_mla_apa_research_citation/0/1/1/7/9/pages11792/p11792-1.php (consultado a 20 de Maio de 2010).6. Arasaratnam, L. A., & Doerfel, M. L. (2005). Intercultural communication competence: identifying key components from multicultural perspectives. International Journal of Intercultural Relations, 29, 137-163.7. Alarcão, I., Andrade, A. I., Araújo e Sá, M. H., Melo-Pfeiffer, S. & Santos, L. (2009). Intercompréhension et plurilinguisme: (re)configurateurs épistémologiques d’une didactique des langues? ÉLA, Revue de didactologie des langues-cultures et de lexiculturologie, Approches plurielles et multimodales, 153, 11-24.8. Alarcão, I., & Canha, M. Q. (2008). Investigação e acção em Didáctica. Suscitar o debate, criar comunidade, construir caminhos. In I. Cardoso; E. Martins, & Z. Paiva (Orgs.), Actas do Colóquio Da Investigação À Prática: Interacções e Debates (pp. 9-26). Aveiro: Universidade de Aveiro, Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa e Centro de Investigação Didáctica e Tecnologia na Formação de Formadores, CD-Rom.9. Amado, J., & Boavida, J. (2008). Ciências da Educação: epistemologia, identidade e perspectivas. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.10. Araújo e Sá, M. H., & Pinto, S. (2006). Imagens dos outros e suas línguas em comunidades escolares: produtividade de uma temática de investigação em educação linguística. In R. Bizarro (Org.), A escola e a diversidade cultural. Multiculturalismo, interculturalismo e educação (pp. 227-240). Porto: Areal Editores.11. Batelaan, P. (2003). Intercultural education in the 21st century: learning to live together. Standing Conference of European Ministers of Education, intercultural education: managing diversity, strengthening democracy, 21st session. Athens, 10-12 November 2003. Versão online in http://www.coe.int/t/e/cultural_co-operation/education/intercultural_education/EMED21_5.pdf (consultado a 15 de Outubro de 2009).12. Bleszynska, K. M. (2008). Constructing intercultural education. Intercultural Education, 19(6), 537-545.13. Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora14. Bohm, D. (1980). Wholeness and the implicate order. London: Routledge.15. Byram, M. (1997). Teaching and assessing intercultural communicative competence. Clevedon: Multilingual Matters.16. Conselho da Europa (2008). Livro Branco sobre o diálogo intercultural: “Viver juntos em igual dignidade”. Estrasburgo: Conselho da Europa.17. Deardorff, D. K. (2006). Identification and assessment of intercultural competence as a student outcome of internalization. Journal of Studies in Intercultural Education, 10, 241-266. 25
    • 26. Bibliografia18. Delors, J (1996). Learning the treasure within: report to UNESCO of the international commission of education for the twenty-first Century. Paris: UNESCO.19. Develay, M. (1992). De l’apprentissage à l’enseignement. Paris: ESF.20. Doise, W., & Palmonari, A. (1986). L’étude des représentations sociales. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé.21. Fantini, A. E. (2000). A central concern: developing intercultural competence. SIT Occasional Papers Series. Adressing Intercultural Education, Training & Service. Versão online in http://www.sit.edu/SITOccasionalPapers/sitops01.pdf (consultado a 6 de Março de 2010).22. Gadamer, H.-G. (2008). Philosophical hermeneutics. Berkley: University of California Press.23. Galego, C. & Gomes, A. A. (2005). Emancipação, ruptura e inovação: o «focus group» como instrumento de investigação. Revista Lusófona de Educação, 5, 173-184.24. Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (1994) Competing paradigms in qualitative research. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research (pp. 105-117). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.25. Jodelet, D. (1997). Les représentations sociales. Paris: PUF.26. Morgan, D. L. (1997). Focus group as qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.27. Kim, Y. Y. (1988). Communication and cross-cultural adaptation: an integrative theory. Philadelphia: Multilingual Matters.28. Morin, E. (1999). Les sept savoirs nécessaires à l’éducation du futur. Paris: UNESCO.29. Morin, E. (2005). Re: From prefix to paradigm. World Futures: The Journal of General Evolution, 61(4), 254-267.30. Morin, E. (2008). On complexity. Cresskill, NJ: Hampton Press.31. Müller, N., & De Pietro, J. F. (2001). Que faire de la notion de représentations? Que faire des représentations? Questions méthodologiques et didactiques à partir de travaux sur le rôle des représentations dans l’apprentissage d’une langue. In D. Moore (Coord.), Les représentations des langues et de leur apprentissage. Références, modèles, données et méthodes (pp. 51-65). Paris: Didier.32. Otten, M., & Geppert, J. (2009). Mapping the landscape of qualitative research on intercultural communication. A hitchhikers guide to the methodological galaxy. Forum: Qualitative Social Research, 10, 1, Art. 52. Versão online in http://www.qualitative- research.net/index.php/fqs/article/view/1252/2710 (consultado a 6 de Março de 2010).33. Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (1998). Manual de investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.34. Spitzberg, B., & Chagnon, G. (2009). Conceptualizing intercultural competence. In D. K. Deardorff (Ed.), The SAGE handbook of intercultural competence (pp. 2-52). Thousand Oaks, CA: Sage publications.35. Stewart, D. W., Shamdasani, P. N., & Rook, D. W. (2007). Focus groups: theory and practice. Thousand Oaks, CA: Sage publications.36. Vala, J. (1993). Psicologia Social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.37. Vasseur, M. T. (2001). Places discursives, imaginaire dialogique et apprentissage de la langue. In D. Moore (Coord.), Les représentations des langues et de leur apprentissage. Références, modèles, données et méthodes (pp. 133-148). Paris: Didier.38. Yin, R. (2003). Case study research: design and methods. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.39. Young, R. (1996). Intercultural communication: pragmatics, genealogy, deconstruction. Philadelphia: Multilingual Matters. 26

    ×