1      FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBACURSO DE TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIADISCIPLINA: PESQUISA DE MARKETING E P...
2                                    ESTUDO DE CASO GOVERNO DA PARAÍBA                    O MODELO DE GOVERNANÇA ELETRÔNIC...
3INTRODUÇÃO1. OBJETIVO   1.1 Objetivo Geral       A sociedade tem se organizado nos ambientes virtuais fazendo uso das Red...
4caso para estimular a compreensão. Segundo Gil (1999, p. 43), as pesquisasexploratórias visam proporcionar uma visão gera...
5             Trata-se de uma expressão anglo-saxônica derivada do latim mercare, quesignifica o ato de comercializar prod...
6ambiente web) pedem a participação direta da população na criação de políticaspúblicas.     2.2 Cibercultura         A Ci...
7Eugênio Trivinho, diz que “para estar inserido de forma plena nesse mundo digital oindivíduo precisa ser dromoapto, ou se...
8                                        Deste modo, os brasileiros representam a segunda população mais ativa da         ...
9     2.4 Ciberativismo         Está presente de forma natural nas relações desenvolvidas em ambientespolitizados, as luta...
10marca nos movimentos sociais. Os cidadãos ficam cada vez mais exigentes, definindoaté os valores a serem defendidos pelo...
11               Fonte: relatório interno da campanha Ricardo Coutinho/2010 – Agência Duda Mendonça            O impacto d...
12                  Fonte: relatório interno da campanha Ricardo Coutinho/2010– Agência Duda Mendonça               A camp...
13                                                              Fonte: www.twitter.com             Em seu discurso de poss...
14acerca da mulher do vice presidente, Michel Temer, Marcela Temer. Como comprova afigura:                      Figura 5: ...
15Mídia Social20. Esse profissional ficou encarregado de interagir com os internautas e ossistemas sociais, segundo Centen...
16            Segundo Bueno (2010),                                        Diferentemente das mídias tradicionais, que pri...
17                                       Figura 7: Quadro do número de seguidores no Twitter                              ...
18                                            Fonte: www.twitter.com Acessado: 07/11/2011            Percebemos que não fo...
19            Já na rede social Facebook, o perfil da fan page do governo da Paraíba está emprimeiro lugar no Brasil, entr...
20                                                  Fonte: www.twitter.com25 07/10/20111     CONSIDERAÇÕES FINAIS         ...
21existia a necessidade de pessoas se relacionarem, se comunicarem e construírem grupossociais, capazes de se manter polít...
22TERRA TECNOLOGIA. Disponível em:<http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI4205545- EI4802,00-Brasil+reune+maior+grupo...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

ESTUDO DE CASO GOVERNO DA PARAÍBA O MODELO DE GOVERNANÇA ELETRÔNICA BASEADO NA PARTICIPAÇÃO DAS REDES SOCIAIS

2,064 views

Published on

Os governos Federal, Estadual e Municipal têm procurado se adequar à nova realidade do uso da internet como ambiente comunicacional e de interação com o cidadão. Por meio de ações de governança e de participação nas redes sociais, o Governo da Paraíba criou um modelo de gestão para acompanhamento da marca (@govparaiba), ocupação das redes sociais; interação com o cidadão; e promover a relação entre sistemas de comunicação e os setores da administração direta e indireta usando as mídias sociais. Essas ferramentas estão sendo usadas com o objetivo de promover ações, informar e divulgar os dados e notícias referente ao Governo da Paraíba de forma transparente.

Published in: Education
2 Comments
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
2,064
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
2
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ESTUDO DE CASO GOVERNO DA PARAÍBA O MODELO DE GOVERNANÇA ELETRÔNICA BASEADO NA PARTICIPAÇÃO DAS REDES SOCIAIS

  1. 1. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBACURSO DE TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIADISCIPLINA: PESQUISA DE MARKETING E PUBLICIDADE Orientadora: Profª Dra. Micky Fischer ESTUDO DE CASO GOVERNO DA PARAÍBAO MODELO DE GOVERNANÇA ELETRÔNICA BASEADO NA PARTICIPAÇÃO DAS REDES SOCIAIS FRANCISCO RAIMERSON GUEDES DANTAS JOÃO PESSOA-PB DEZEMBRO/2011
  2. 2. 2 ESTUDO DE CASO GOVERNO DA PARAÍBA O MODELO DE GOVERNANÇA ELETRÔNICA BASEADO NA PARTICIPAÇÃO DAS REDES SOCIAIS 1 Francisco Raimerson Guedes Dantas2ResumoOs governos Federal, Estadual e Municipal têm procurado se adequar à nova realidadedo uso da internet como ambiente comunicacional e de interação com o cidadão. Pormeio de ações de governança e de participação nas redes sociais, o Governo da Paraíbacriou um modelo de gestão para acompanhamento da marca (@govparaiba), ocupaçãodas redes sociais; interação com o cidadão; e promover a relação entre sistemas decomunicação e os setores da administração direta e indireta usando as mídias sociais.Essas ferramentas estão sendo usadas com o objetivo de promover ações, informar edivulgar os dados e notícias referente ao Governo da Paraíba de forma transparente.Palavras-chave: Rede Social, Mídias Sociais, Marketing Digital, Cibercultura,Comunicação.AbstractThe Federal, State and City Government has sought foward to fit to a new reality ofinternet use as an enviroment of communication and interaction with citzens. ThroughGovernance actions and participation in social networks, the Paraíba State Governmenthas developted a brand new management model for monitoring of the brand(@govparaiba); occupation of social networks, interaction with the citzens; and topromote the relationship between communication systems and administration direct andindirect sections using the social media. Those tools are being used in order to promoteactions, to inform and dissiminate the data and news of Paraíba State Governmenttransparently.Keywords: Social Networking, Social Media, Digital Marketing, Cyberculture,Communication.1  Artigo  científico  produzido  como  trabalho  final  do  Curso  de  Tecnologia  em  Produção  Publicitária.    2  Formando  do  Curso  de  Tecnologia  em  Produção  Publicitária  da  FATEC  –  PB  (João  Pessoa  –PB)  –  E-­‐mail:  xhicoraimerson@gmail.com
  3. 3. 3INTRODUÇÃO1. OBJETIVO 1.1 Objetivo Geral A sociedade tem se organizado nos ambientes virtuais fazendo uso das RedesSociais para, cada vez mais, cobrar aproximação e transparência dos governos. Devido aessas antigas exigências, mas se utilizando de novas ferramentas de comunicação, ospoderes públicos têm se adequado a essa realidade de organização social e ativismopolítico virtual para estabelecer sua presença e construir, junto com a sociedade asdiretrizes e necessidades do Estado. Este artigo se propõe a informar como o Governoda Paraíba procurou estabeleceu prioridades na construção de um relacionamento diretocom a sociedade no ciberespaço. 1.2 Objetivo Específico Neste trabalho, demonstraremos como se criou uma política de Estado noGoverno da Paraíba para a ocupação das redes sociais, como também a organização doscargos, a estrutura de relacionamento entre setores das administrações direta e indireta,e, entre estes, a sociedade. Também pretendemos mostrar os resultados e o ranking dosperfis governamentais, os casos de campanha colaborativa e de comunicação e a formacomo o modelo da Paraíba pode ser adotado pela Diretoria de Governo Eletrônico doMinistério do Planejamento, como base para o Governo Federal, e como esse modelo jáestá sendo replicado pelos municípios paraibanos. 1.3 Justificativa Além de identificar a necessidade do gerenciamento da presença do governo ede formalizar uma padronização nas mais populares redes sociais brasileira, este tipo deestudo proporcionará maior conhecimento acerca deste trabalho inédito, que é inéditodo Governo da Paraíba, a fim de que possamos nos aprofundar no tema ou criarreferências e reflexões que possam ser pesquisadas por estudos posteriores. 1.4 Metodologia A metodologia das pesquisas aplicadas neste artigo é de caráter exploratório,pois o trabalho envolve levantamento bibliográfico, inclusão de exemplos e estudo de
  4. 4. 4caso para estimular a compreensão. Segundo Gil (1999, p. 43), as pesquisasexploratórias visam proporcionar uma visão geral de um determinado fato, do tipoaproximativo.3 “ 1.5 Estudo de Caso O método vai fornecer a base para o estudo de caso em que vamos analisar aevolução do modelo adotado pelo Governo da Paraíba, de formato único no Brasil, naocupação das redes sociais: Twitter, Facebook, Orkut, Youtube, Flickr e, maisrecentemente, o Instagram4 (rede social de compartilhamento de imagens). Vamos, porfim, avaliar como é criada a relação com público digital.2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Este estudo reúne diversas áreas de conhecimento: Marketing Político,Cibercultura, Redes Sociais e Ciberativismo. Buscamos nos credenciar em acervoacadêmico, análise documental oficial e análise de conteúdo, bem como em novasconcepções de autores e pesquisadores modernos. Na áreas acima citadas, buscamos porautores que tratam o tema de forma mais conceitual e funcional. Para o casoapresentado, nos baseamos em referências nacionais de governos e usamos ferramentasabertas para mensurar o desempenho dos perfis, das ações e da repercussão na internet,em sites especializados. Enfim, nossa base está centrada nas experiências de tentativa eerro. 2.1 Marketing Político Em Kotler (2000, p.30) vemos que marketing é um processo social por meio dosquais pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam coma criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com os outros.3  Pesquisa  qualitativa,  exploratória  e  fenomenológica.  In:  Administradores.  Disponí”vel  em  <http://www.administradores.com.br/informe-­‐se/artigos/pesquisa-­‐qualitativa-­‐exploratoria-­‐e-­‐fenomenologica-­‐alguns-­‐conceitos-­‐basicos/14316/>  (acessado  em  04/12/2011)  4  rede  de  compartilhamento  de  fotografias,  desenvolvida  em  outubro  de  2010  pelo  brasileiro  Mike  Krieger  e  pelo  americano  Kevin  Systrom  Disponível  em  <http://www.candango.com.br/newcandango/outrasOndas/Materias/Instagram.html  >  (acessado  em  04/12/2011)    
  5. 5. 5 Trata-se de uma expressão anglo-saxônica derivada do latim mercare, quesignifica o ato de comercializar produtos na Antiga Roma. Mas foi a partir da década de50 que a expressão ganhou notoriedade, por meio do livro “Prática da administração deempresas”, do americano Peter Drucker. Na década de 60, autores como o alemãoTheodore Levitt e o americano Philip Kotler, com suas publicações “Miopia demarketing” e “Administração de marketing”, respectivamente, reforçaram o papel eimportância do marketing na sociedade (BORN , 2008) Vemos, no Portal Wikipédia5, que Marketing Político é o conjunto de planos e ações, desenvolvidos por um político ou um partido político, para influenciar a opinião pública em relação às idéias ou atividades, que digam respeito às eleições. O referido texto ainda destaca, assim como nas empresas que buscam atender às necessidades de seu público-alvo, o candidato, antes de apresentar suas propostas e de aparecer perante a opinião pública, deve trabalhar com sua equipe de assessoria. Deve, perceber os anseios do público que pretende conquistar, para só depois preparar sua campanha e definir a estratégia. (WIKIPÉDIA, 05/12/2011) Esses princípios também norteiam a administração pública na definição de suacomunicação. Em Mello (2010), podemos observar uma definição de marketing políticocomo sendo (...) o segmento específico dentro da comunicação mercadológica voltada para o ambiente político que visa estreitar a relação de expectativa de um determinado grupo de pessoas em relação às questões que envolvem seu cotidiano e a materialização da mesma em um candidato a um cargo público no período eleitoral através de suas propostas e projetos, ou seja, políticos que em meio de propostas se elegem, marketing político melhor explicando é uma propaganda política, como nos horários eleitorais. (MELLO, 2010, p.6) O marketing político é aplicado na criação das propostas, prioridades e planos degoverno dos partidos políticos, servindo de fonte para as campanhas eleitorais doscandidatos. Todas as ações administrativas do governante eleito serão embasadas nosresultados levantados e prometidos durante a campanha, e isso influenciará todo ogoverno, seja na criação de projetos de leis ou na construção de obras estruturantes.Áreas como as de: saúde, educação, segurança e na infraestrutura (e agora também no5  Disponível  em  <  http://pt.wikipedia.org/wiki/Marketing_pol%C3%ADtico>  (acessado  em  04/12/2011)  
  6. 6. 6ambiente web) pedem a participação direta da população na criação de políticaspúblicas. 2.2 Cibercultura A Cibercultura da qual temos referência hoje e como a conhecemos, é umaevolução tecnológica da sociedade e abrange aspectos individuais, computacionais,comportamentais e comunicacionais. Atribuindo uma definição concreta ao termo, Lévy(1999) explica que: O ciberespaço (que também chamarei de “rede”) é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. O termo especifica não apenas a infra-estrutura material da comunicação digital, mas também o universo oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo. (Lévy. 1999, p. 17) O entendimento dessa cibercultura e de seu funcionamento por meio de sistemaspróprios e relações com o meu ambiente virtual é o grande desafio dos poderespúblicos, pois um dos atributos do Estado é promover o desenvolvimento humano esuas relações, disciplinando e/ou, nesta nova visão, construindo com políticas públicaspara estes novos nativos digitais. A capacidade de uma sociedade interconectada, operando uma rede mundial decomunicação ainda livre, propicia a geração de um conteúdo universal multimídia, sons,imagens, textos. Tudo o que a humanidade pode produzir e disseminar corre nesteciberespaço, onde até mesmo o seu entendimento e mensuração é ambíguo. Depois quedesligamos nossos computadores, para onde vai ou onde fica esse espaço? E nossosconteúdos, que espaço de tempo ficam armazenados? Entender e compartilhar talconhecimento vai propiciar a revolução do ser humano. Ainda segundo autor: (...) Quanto ao neologismo “cibercultura”, especifica aqui o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. (Lévy, 1999, p. 17) Como já referido em outro artigo6, em entrevista à revista Isto é (2009), oPresidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber),6  Disponível  em  <http://www.insite.pro.br/2011/Janeiro/perfil_cognitivo_internautas.pdf>  (acessado  em  04/12/2011)  
  7. 7. 7Eugênio Trivinho, diz que “para estar inserido de forma plena nesse mundo digital oindivíduo precisa ser dromoapto, ou seja, acompanhar a velocidade imposta pela era dainformação”. Esta aptidão subentende conhecimentos específicos e pode ser traduzidada seguinte forma: (...) uma prática interativa, própria de um comportamento de contiguidade de acesso, de fluência e de rapidez. São conhecimentos pragmáticos para usar o hardware, o software e a rede, necessários para operar os dispositivos da era da velocidade. (TRIVINHO, 2009) 2.3 Redes Sociais Atualmente, a internet e os meios de comunicação tradicionais estão usando edebatendo o uso das redes sociais pelas da mídias sociais. Essas plataformasincorporaram as marcas das redes sociais em sua comunicação e bombardeiam ocidadão, projetando o desejo e a curiosidade de interagir nestes meios sociais. Em todosos lugares somos impactados, por comerciais de TV e rádio, impressos, vitrines, eventosou pelas fachadas das empresas. Essa exposição projeta na mente do cidadão a ideia deque hoje não é mais possível viver sem estar conectado. Em pesquisa realizada no Wikipédia7, vemos que Uma rede social é uma estrutura social composta por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. Uma das características fundamentais na definição das redes é a sua abertura e porosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e não hierárquicos entre os participantes. Redes não são, portanto, apenas uma outra forma de estrutura, mas quase uma não estrutura, no sentido de que parte de sua força está na habilidade de se fazer e desfazer rapidamente. (WIKIPÉDIA, 04/12/2011) Os brasileiros têm se mostrado um povo social e aberto às novas tecnologias derelacionamento e colaboração. Tomando por exemplo a ascensão do Twitter(microblogging), e citando uma pesquisa do Instituto Sysomos, especializado emanálises de redes sociais, divulgada pelo site de tecnologia do portal Terra8, (...) os brasileiros representavam, em dezembro de 2010, 8% do total de usuários do Twitter, contra apenas 2% registrados em junho do mesmo ano.7  Disponível  em  <http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social>  (acessado  em  04/12/2011)  8  Disponível  em:  <http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI4205545-­‐  EI4802,00-­‐Brasil+reune+maior+grupo+de+usuarios+do+Twitter+fora+dos+EUA.html>.  Acesso:  04/12/2011    
  8. 8. 8 Deste modo, os brasileiros representam a segunda população mais ativa da rede social, a frente da Grã-Bretanha (7,2%), Canadá (4,3%) e Alemanha (2,49%). (TERRA, 00/00/0000) Há algum tempo, corporações e cidadãos dedicam um tempo especial paraconstruir, expandir e manter seus perfis nas redes sociais. Isso é um fenômeno mundial,cada vez mais comum no dia a dia do indivíduo. Um dos casos que mais chamam aatenção é do pós eleições de 2010. Depois desse período, o número de políticos fazendouso das redes sociais para criar relação com seu eleitorado só tem crescido, tendênciaque aponta para um movimento que está vindo do ambiente web e se incorporando anossa rotina. Outros poderes públicos e organizações sociais, também estão criandoperfis nas redes sociais para abrir diálogo com a sociedade. De uns tempos para cá,diversas organizações começaram a dar mais evidências a suas marcas corporativas,investindo e veiculando campanhas só em ambientes sociais. Podemos dizer que isso não é um fenômeno passageiro ou superficial. Trata-seda organização da sociedade frente às opções criadas pelas mídias sociais. As conversasdo ambiente familiar, do trabalho, das organizações e dos bares estão transformando omodo de nos relacionarmos e produzirmos informações. Os negócios também deixaramde ser locais e passaram a ser mundiais, já que a internet tem se mostrado umaplataforma plana e sem fronteiras. E para registro e entendimento vejamos o conceito de Mídias Sociais,pesquisado no Wikipédia9 Andreas Kaplan e Michael Haenlein definem mídias sociais como um grupo de aplicações para Internet construídas com base nos fundamentos ideológicos e tecnológicos da Web 2.0, e que permitem a criação e troca de Conteúdo Gerado pelo Utilizador (UCG). Mídias sociais podem ter diferentes formatos como blogs, compartilhamento de fotos, videologs, scrapbooks, e- mail, mensagens instantâneas, compartilhamento de músicas, crowdsourcing, VoIP, entre outros. (...) As mídias sociais, segundo Kotler, podem ser classificadas em Expressivas10 e Colaborativas11.9  Disponível  em  <  http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%ADdias_sociais>  (acessado  em  04/12/2011)    10  Aquelas  que,  quem  escreve  está  expressando  uma  opinião  ou  explanando  algum  assunto  como  por  exemplo  os  blogs,  twitter,  youtube  e  outros.  [2]  As  mídias  sociais  expressivas  podem  ser  subdividias  em  Comunicação,  Multimídia  e  Entretenimento  Disponível  em  <  http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%ADdias_sociais>  (acessado  em  04/12/2011)    11   Aquelas   em   que   os   usuários   colaboram   diretamente   uns   com   os   outros.Disponível   em   <  http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%ADdias_sociais>  (acessado  em  04/12/2011)  
  9. 9. 9 2.4 Ciberativismo Está presente de forma natural nas relações desenvolvidas em ambientespolitizados, as lutas de classes, pelos direitos básicos de cidadania e justiça, igualdade eliberdade de expressão, norteiam a maioria dos movimentos sociais no Brasil e omundo. O palco das discussões passa a ser as redes sociais, onde todos podem opinar ediscordar. São estruturas voláteis que têm a capacidade de se montar e desmontar com amesma facilidade, lembrando assim o formato perseguido na organização dosmovimentos sociais. Outro fator importante é a liberdade de opinião oferecida pelomeio digital. Segundo Wikipédia12 Ciberativismo pode ser conceituado como: (...) uma forma de ativismo realizado através de meios eletrônicos, como a informática e a internet. Na visão dos que o praticam, o ciberativismo é uma alternativa aos meios de comunicação de massa tradicionais, permitindo-lhes "driblar" o monopólio da opinião publica por estes meios, ter mais liberdade e causar mais impacto, ou é apenas uma forma de expressar suas opiniões. Na década de 90, a internet chegou mostrando a facilidade de conectar pessoas diferentes em diversas partes do mundo e logo se tornou popular. A velocidade que as informações levam para ir de um extremo ao outro chamou atenção e despertou o interesse, incluindo a de ativistas que divulgavam suas idéias através de outros meios de comunicação. Foi então que surgiram os primeiros vestígios do Ciberativismo. O Ciberativismo geralmente busca apoio para suas causas (que costumam ser de cunho ambiental, político ou social) através da Internet e de outros meios mediáticos; divulgam e abrem espaço para discussões, procurando algumas vezes estabelecer uma rede de solidariedade. A utilização das informações na Internet passou a ter maior visibilidade até mesmo pelo baixo custo e eficácia na resposta a curto, médio e longo prazo pela comunidade virtual. (WIKIPÉDIA, 04/12/2011) Martins (2006, p.141) cita que: “... neste sentido, é possível que uma marcaestabeleça relacionamento inclusive com não-consumidores, caso, por exemplo, dasmarcas Ferrari, Harley Davidson e dos times de futebol, que têm “torcedores”.“ Comessa visão, e conhecendo os formatos e ferramentas do Ciberativismo, o governo tentaestabelecer um diálogo com o cidadão, para, também ser um agente de transformaçãono meio digital. A relação que se pretende é a parceria por uma mudança estrutural,ambiental, econômica, política e social na Paraíba. O poder público, quando procuragerir da forma mais criativa e eficaz, dando suporte e gerenciando os discursos oriundode várias áreas de conhecimento, estabelece uma comunicação acessível, fixando sua12  Disponível  em  <  http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciberativismo>  (acessado  em  04/12/2011)  
  10. 10. 10marca nos movimentos sociais. Os cidadãos ficam cada vez mais exigentes, definindoaté os valores a serem defendidos pelos governantes. Essa ação empodera o povo e levao controle social de volta para suas mãos. 2.4 Análise do caso Governo da Paraíba A idéia de criação de um modelo de governança eletrônica do Governo daParaíba surgiu após as eleições de 2010, quando o então candidato, e hoje GovernadorRicardo Vieira Coutinho, estabeleceu uma relação direta com os eleitores de todo oEstado, por meio de seu perfil nas redes sociais Twitter, Orkut, Facebook, Flickr eYoutube. O contato direto e as discussões estabelecidas no ambiente virtual foramrelevante para a disseminação das propostas de governo e a defesa de suas idéiaspolíticas. Ricardo Coutinho13 (2010) disse que: “...a internet, para mim, se tornou umaferramenta indispensável e democrática para a construção de meu futuro governo.Quero contar com os internautas para construir comigo essa nova Paraíba...” Algunsfatos foram marcantes, ainda na campanha. O primeiro comício realizado em CampinaGrande, na Rua Rio de Janeiro, era o mais importante para a campanha no interior doEstado porque marcava a abertura e o primeiro contato com a população Campinense(já é uma tradição da família Cunha Lima iniciar as campanhas por este endereço.) Nodia marcado, conseguimos levar ao local cerca de mil eleitores, e, na transmissão aovivo pela web, Em mais de duas horas de transmissão, conseguimos atrair mais de seismil pessoas, assistindo e interagindo pelas redes sociais. Como comprova relatóriointerno figura 01. Figura 1: Resultado do comício Campina Grande 1413  Anuncio  de  posse  dos  novos  secretários  estaduais,  em  primeira  mão  para  os  internautas  e  usuários  do  Twitter  14/12/2010      14   Figura   1:   Imagem   capturada   do   relatório   interno   de   monitoramento   web   do   candidato   Ricardo  Coutinho  Produzido:  12/07/2010  –  Agencia  Duda  Mendonça      
  11. 11. 11 Fonte: relatório interno da campanha Ricardo Coutinho/2010 – Agência Duda Mendonça O impacto desta ação impulsionou o crescimento das menções nas outras redessociais, criando um distanciamento entre os candidatos. Veja a figura 02: Figura 2: Gráfico de menções de Ricardo Coutinho15 Fonte: relatório interno da campanha Ricardo Coutinho/2010– Agência Duda Mendonça Foi percebido, pela coordenação da campanha na internet, que tínhamos virado ojogo. Já no começo da campanha, disparamos com uma vantagem grande em relação aoadversário José Maranhão. Veja quadro abaixo: Figura 3: Gráfico de evolução dos comentários de Ricardo Coutinho 1615   Figura   2:   Imagem   capturada   do   relatório   interno   de   monitoramento   web   do   candidato   Ricardo  Coutinho  Produzido:  12/07/2010  –  Agencia  Duda  Mendonça        16   Figura   3:   Imagem   capturada   do   relatório   interno   de   monitoramento   web   do   candidato   Ricardo  Coutinho  Produzido:  12/07/2010  –  Agencia  Duda  Mendonça      
  12. 12. 12 Fonte: relatório interno da campanha Ricardo Coutinho/2010– Agência Duda Mendonça A campanha no campo das redes sociais servia como um termômetro.Conseguíamos mensurar as impressões e o desejo dos militantes web, (os girassóis) eaté mesmo mudar estratégias com base nas opiniões dos internautas. Essa atitude fezcom que eles se sentissem parte integrante do pleito. Procuramos marcar os momentos da campanha com o uso de palavras chaves outermo. Isso traduziu o desejo da maioria e levou os internautas a se mobilizarem emvolta da causa do candidato Ricardo. Muitos destes momentos transformados em termosnos levaram ao Trending Topics17 Brasil do Twitter, como demonstra a figura a seguir: Figura 4: Termos publicados no Trending Topics Brasil17     Figura   4   -­‐   Um   tópico   de   tendências   é   uma   palavra,   frase   ou   tópico   que   é   postado   (twittou)   várias  vezes  na  rede  social  Twitter  serviço  de  microblogging.  Trending  topics  torna  termos  popular  através  de  um  esforço  concertado  por  usuários  ou  por  causa  de  um  evento  que  leva  as  pessoas  a  falarem  sobre  um  tópico   específico.   Disponível   em   <   http://en.wikipedia.org/wiki/Trending_topic>   (acessado   em  05/12/2011)  
  13. 13. 13 Fonte: www.twitter.com Em seu discurso de posse, o governador eleito Ricardo Coutinho reconheceu aajuda dos militantes digitais na campanha, que multiplicaram suas idéias e promoveramo ciberativismo político em prol de seu plano de governo. (...) ao meu lado, byte a byte, estarão plugados os integrantes da nova ordem tecnológica, ajudando a criar e espalhar, de casa para o mundo, a democracia digital e suas redes sociais de compartilhamento. Com os internautas, jovens ou maduros, essencialmente éticos e solidários, um e-governo tem início para que as oportunidades proporcionadas pelo espaço virtual sejam disseminadas para o aperfeiçoamento e crescimento da sociedade real. Tinha início um governo inspirado pela construção de uma nova Paraíba. Naocasião, aproveitou-se para lançar o termo #umanovapb18 e lançar o projeto@govparaiba19, inicialmente com o lançamento do perfil oficial do governo no Twitter.Naquele momento, a mobilização e os comentários espontâneos levaram o termo#umanovapb ao terceiro lugar no Trending Topics Brasil como assunto maiscomentado, perdendo apenas para a posse da Presidente Dilma e para os comentários18    Figura  5:  Palavra  chave  usada  para  marcar,  no  Twitter,    a  posse  do  Gov  Ricardo  Coutinho.  Difundida:  01/01/11    19    Nomenclatura  utilizada  para  padronizar  a  marca  do  Governo  da  Paraiba  nas  redes  socias.  Difundida:  01/01/11  
  14. 14. 14acerca da mulher do vice presidente, Michel Temer, Marcela Temer. Como comprova afigura: Figura 5: Termos publicados no Trending Topics Brasil Fonte: www.twitter.com Com o lançamento do perfil oficial @govparaiba no Twitter começou aestratégia de ocupação das outras redes, a exemplo do Facebook, Orkut, Youtube eFlickr. Tínhamos a preocupação de registrar os perfis como um único domínio, assimfacilitaria para a população encontrar os perfis nas diversas redes nas quais nosregistramos. O padrão escolhido foi o @governopb, mas alguém já havia registrado estetermo no Twitter, então optamos pelo atual. Levamos essa mesma lógica para os órgãosda administração direta e indireta, normatizando que a sigla da secretaria ou órgão seriaacompanhado da terminação govpb (por exemplo @seadgovpb secretaria Estadual deAdministração do Governo da Paraíba) para marcar como perfil oficial do governo. O Governador acordou com o Secretário de Comunicação que esta era uma açãode comunicação e, por essa razão, nos encaixamos na estrutura organizacional daSecretaria Estadual de Comunicação Institucional- Secom. Foi criada a Diretoria deGoverno Eletrônico e Mídias Sociais e nomeados na função de agentes de programasgovernamentais, para as secretarias e órgãos de administração indireta, os analistas de
  15. 15. 15Mídia Social20. Esse profissional ficou encarregado de interagir com os internautas e ossistemas sociais, segundo Centeno (2006) Da consideração do conjunto de relações significativas que ligam os elementos em interação surge o conceito de “sistema” ou complexidade organizada, que não é uma simples soma de elementos, já que possui características próprias, diferentes das dos elementos tomados isoladamente. Cada elemento depende do todo e o conjunto ultrapassa em complexidade a simples adição dos seus componentes. Uma modificação num elemento do conjunto vai desencadear uma modificação em todos os outros – são partes envolvidas numa interação dinâmica. O mesmo é dizer que as interações entre os elementos de um sistema são circulares e não lineares. (CENTENO, 2006, p. 44) Tentamos montar este modelo esférico para criar relações entre governo, cidadãoe agentes envolvidos no processo, pois o Centeno (2006, p.44) “O funcionamento dosistema é assegurado por fluxos de energia, de informações ou de elementos que opercorrem e asseguram a sua conservação, autoregulação, reprodução e adaptação aoambiente.” Por isso tentamos reproduzir este formato, como mostra a figura abaixo: Figura 6: Gráfico da estrutura organizacional de interação na Redes Sociais. Fonte: Governo do Estado da Paraíba/SECOM2120     Profissional   capacitado   para   Monitorar   as   redes   sociais,   pensando   estratégias   e   executando   ações  para   divulgar   produtos   e   serviços,   pesquisar   o   público-­‐alvo   e   novas   vertentes   para   o   negócio   e,   claro,  responder  a  questões  específicas  de  internautas,  especialmente  quando  são  críticas  à  empresa.  Fonte:  http://oglobo.globo.com/emprego/analista-­‐de-­‐redes-­‐sociais-­‐um-­‐profissional-­‐do-­‐presente-­‐2747776  Acessado  em:  05/12/2011  
  16. 16. 16 Segundo Bueno (2010), Diferentemente das mídias tradicionais, que privilegiam uma visão monopolista, quase sempre associada a grupos hegemônicos com interesses econômicos e/ou políticos, elas cumprem uma função democrática, possibilitando a consolidação do pluralismo de ideias e posições. Sobretudo, favorecem a participação dos cidadãos, que se sentem estimulados à participação e que, em determinadas situações, se mobilizam para reivindicar novas posturas ou atitudes por parte de governos e organizações. Trata-se efetivamente de uma mudança drástica de paradigma a orientar relacionamentos e interações e a exigir de gestores de comunicação a elaboração de uma nova proposta para dar conta das singularidades dos novos ambientes. (BUENO, 2010, p. 6) Esse conhecimento leva os governos a cobrarem mais de seus colaboradores e adividir com o cidadão a visão global de sua administração. Assim, são vários olhosvigilantes cobrando a realização das promessas e a correta aplicação dos recursospúblicos. Num trecho de seu discurso de posse, o governador Ricardo Coutinho disse: É desse jeito que entendemos e fazemos política. É assim que a população exige. É dessa forma que trabalharemos, não importando quantos embates tenhamos que enfrentar ou quantos interesses venhamos a contrariar. A política dos grupelhos, do atalho, do favorecimento, do jeitinho e das ilicitudes acaba aqui. Fica, pois, decretado - como primeiro ato governamental - o restabelecimento do estado democrático de direito, com o poder popular assumindo seu papel na vanguarda do desenvolvimento coletivo. Esse fragmento norteia as ações que se promovem nas redes sociais, sempre como intiuito de empoderar o povo com instrumentos de controle social do Estado. Os resultados práticos de doze meses de experiência utilizando esse modelo derelacionamento no ciberespaço já puderam ser medidos pelo crescimento dos perfis nasredes sociais e pelos números alcançados nas campanhas virtuais. Veja quadro dosperfis governamentais e os seus seguidores, na ferramenta Twitter.21  Figura  6:  Imagem  capturada  do  relatório  interno  da  Secretaria  de  Estado  e  Comunicação  Institucional  do  governo  da  Paraíba.  Produzido:  07/11/2011  –  Diretoria  de  Governo  Eletrônico  e  Mídias  Sociais    
  17. 17. 17 Figura 7: Quadro do número de seguidores no Twitter Fonte: Governo do Estado da Paraíba/SECOM22 As impressões do gráfico anterior refletem resultados concretos quandocomparamos o perfil @govparaiba com os perfis oficiais de outros estados dafederação, no Twitter. O ranking a seguir, levantado em 07/11/2011, revela que aParaíba é o terceiro perfil mais seguido do Brasil. Figura 8: Ranking de perfis do governamentais no Twitter/Brasil.22  Figura  6:  Imagem  capturada  do  relatório  interno  da  Secretaria  de  Estado  e  Comunicação  Institucional  do  governo  da  Paraíba.  Produzido:  05/12/2011  –  Diretoria  de  Governo  Eletrônico  e  Mídias  Sociais    
  18. 18. 18 Fonte: www.twitter.com Acessado: 07/11/2011 Percebemos que não foi contabilizado o dado população, o que certamenteelevaria a Paraíba para uma melhor colocação. Fazendo esta mesma comparação comos estados nordestinos, o perfil @govparaiba passa a ocupar o primeiro lugar. Compareo gráfico: Figura 9: Ranking de perfis do governamentais no Twitter/Nordeste. Fonte: Governo do Estado da Paraíba/SECOM2323  Figura  6:  Imagem  capturada  do  relatório  interno  da  Secretaria  de  Estado  e  Comunicação  Institucional  do  governo  da  Paraíba.  Produzido:  07/11/2011  –  Diretoria  de  Governo  Eletrônico  e  Mídias  Sociais      
  19. 19. 19 Já na rede social Facebook, o perfil da fan page do governo da Paraíba está emprimeiro lugar no Brasil, entre os perfis estaduais. Confira gráfico: Figura 10: Ranking de páginas governamentais no Facebook/Brasil. Fonte: www.facebook.com24 07/11/2011 O estímulo e o uso, por parte do ente público das redes sociais durante o ano de2011, provocou um efeito dominó, pois os municípios do Estado passaram também aadotar as ferramentas de mídias sociais para interagir com seus cidadãos. O movimentodestes municípios foi observado pela Diretoria de Governo Eletrônico e Mídias Sócias-DGE, o que gerou o seguinte levantamento. Segue figura: Figura 10: Quadro de municípios com perfis criados no Twitter em 201124  Figura  6:  Imagem  capturada  do  relatório  interno  da  Secretaria  de  Estado  e  Comunicação  Institucional  do   governo   da   Paraíba.   Fonte:   www.facebook.com   Acessado:   07/11/2011   –   Diretoria   de   Governo  Eletrônico  e  Mídias  Sociais    
  20. 20. 20 Fonte: www.twitter.com25 07/10/20111 CONSIDERAÇÕES FINAIS A experiência compartilhada pelo Governo da Paraíba na ocupaçãosistematizada das redes sociais a tentativa de implementação de uma política de Estadoque tenta alcançar o desejo do cidadão consciente e empoderá-lo com ferramentas decontrole social. Esta relação acontece essencialmente no ciberespaço, um território queestá sendo desbravado pelos poderes públicos e, principalmente, pelo cidadão comum.Esses indivíduos passaram a chamar a atenção das autoridades dispostas a abrir diálogoem vez de monólogos, e se sentem mais motivados pela organização de grupo que asferramentas de mídias sociais, proporciona em seus ambientes de redes sociais. Esta relação nasce dessa nova forma de organização social, que só foi alcançadapela horizontalidade oferecida pela internet. A concepção dos processos de interação ecolaboração que conhecemos hoje na web vem de épocas mais remotas, quando já25  Figura  6:  Imagem  capturada  do  relatório  interno  da  Secretaria  de  Estado  e  Comunicação  Institucional  do   governo   da   Paraíba.   Fonte:   www.twitter.com   Acessado:   07/11/2011   –   Diretoria   de   Governo  Eletrônico  e  Mídias  Sociais    
  21. 21. 21existia a necessidade de pessoas se relacionarem, se comunicarem e construírem grupossociais, capazes de se manter política e economicamente fortes. Antes, as pessoas compravam idéias políticas e depois eram isoladas do processode governança. Devido a esta evolução tecnológica chamada Mídias Sociais, oscidadãos conquistaram o poder de ouvir e falar para muitos. Para entender esse novopoder e aprender a dividi-lo com o povo o rumo do Estado, é preciso criar um vínculoemocional e transparente, visando à fidelidade dos seus seguidores.2 REFERÊNCIASBORN, Ani Mari Hartz. A bibliografia de marketing nos cursos de administração deempresas no Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DAESPM, 5. 2008, São Paulo. Anais. Porto Alegre: ESPM, 2008. 1 CD-ROM.CENTENO, Maria João O Conceito de comunicação na obra de Bateson-Interacção eregulação, LabCom, 2006, p. 44KOTLER, Philip - Administração de Marketing, 2000 - Pearson Prentice Hall. SãoPaulo.MARTINS, José Roberto. Branding o manual para você criar, gerenciar e avaliarmarcas. 1. ed. São Paulo: GlobalBrands, 2006.Sites:ANUNCIO DE SECRETARIO PELO TWITTER Disponível em: <http://jornaldaparaiba.com.br/noticia/53579_novo-horario--ricardo-anuncia-mais-secretarios-as-15h-no-twitter> (acessado em 05/12/2011).CIBERCULTURA LÉVY, P. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34,1999. 17 p. Disponívelem:<http://www.insite.pro.br/2011/Agosto/mix_marketing_digital.pdf> Acesso em04/12/2011MARKETING POLITICO In: WIKIPEDIA A Enciclopédia Livre.Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Marketing_pol%C3%ADtico>Acesso em 04/12/2011.MIDIAIS SOCIAIS Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%ADdias_sociais> (acessado em 04/12/2011)REDE SOCIAL. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social> (acessadoem 04/12/2011)
  22. 22. 22TERRA TECNOLOGIA. Disponível em:<http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI4205545- EI4802,00-Brasil+reune+maior+grupo+de+usuarios+do+Twitter+fora+dos+EUA.html>. Acesso:04/12/2011PESQUISA  qualitativa,  exploratória  e  fenomenológica:  alguns  conceitos  básicos.  In:  Administradores.  Disponível  em  <http://www.administradores.com.br/informe-­‐se/artigos/pesquisa-­‐qualitativa-­‐exploratoria-­‐e-­‐fenomenologica-­‐alguns-­‐conceitos-­‐basicos/14316/>  (acessado  em  29/11/2011)  

×