Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII

617 views

Published on

Material de apoio ao estudo

Published in: Education
  • Be the first to comment

Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII

  1. 1. Dinâmicas económicas nos sécs. XVII e XVIII
  2. 2. 1. Enquadramento Sécs. XVII-XVIII potências envolvidas no comércio colonialPortugal França Holanda InglaterraEspanha Rotas comerciais Produtos transacionados Rota do Cabo Rota atlântica (Comércio Triangular e tráfico negreiro) Produtos orientais Da América: Açúcar, tabaco, ouro, algodão Para a América: Produtos agrícolas, industriais e mão de obra escrava Objetivos Gerar capital, investi-lo e aumentá-lo CAPITALISMO COMERCIAL (pág.74)
  3. 3. 2. O mercantilismo (pág.75) Contexto Antigo Regime: - Afirmação das monarquias absolutas; - Necessidade de custear a magnificência dos príncipes; - Fortalecer o Estado, enriquecendo-o; Objetivos - Aumentar a riqueza do Estado (aumentando a quantidade de metais preciosos); - Obter uma balança comercial favorável (reduzindo as importações)- (doc. 4, pág.78) - Implementar uma política de protecionismo económico; Como? Revendo as tarifas alfandegárias (para proteger a produção nacional e reduzir as importações) (doc. 5, pág.78) Reorganizando o comercio externo Fomentando a produção manufatureira (para aumentar as exportações)
  4. 4. 2.1. O mercantilismo francês ou colbertismo Jean Baptiste Colbert (1618-1683) Colbert foi o superintendente geral das finanças do rei Luís XIV e responsável pela implementação do mercantilismo em França. (doc. 6, pág.79)
  5. 5. Muito embora Colbert seja o grande impulsionador do mercantilismo em França, podemos considerar que as primeiras medidas mercantilistas surgiram no reinado de Luís XIII, com o cardeal Richelieu. Empenhado em vencer a concorrência holandesa, impulsionou a criação naval, a construção de novos portos e incentivou a fundação de companhias mercantis destinadas ao comércio colonial (Companhia da Nova França e a Companhia de Morbilan). Luís XIII Cardeal Richelieu
  6. 6. - Desenvolver as manufaturas francesas para reduzir as importações; Objetivos Contexto - Elevado número de importações que chegam a França através dos holandeses Medidas - Fomento manufatureiro (privilégios fiscais, subsídios e concessão de monopólios); - Fomento comercial (desenvolvimento da frota mercante e marinha de guerra); - Criação de companhias monopolistas (combater a concorrência estrangeira); Criticas - Dirigismo excessivo – regulamentação das manufaturas e restrições impostas ao comércio e à iniciativa privada);
  7. 7. 2.2. O protecionismo inglês - Consolidar o seu poder económico (as medidas são introduzidas gradualmente e de forma eficaz); - Procurar proteger-se da concorrência holandesa na área dos transportes marítimos e comercio externo; - Atos de Navegação (1651-1663) – procuram dificultar a atividade de intermediários no comércio colonial; - Criação de Companhias de Comércio; - Expansão territorial na América do Norte e Antilhas; Medidas Consequências - Acaba a concorrência holandesa; - Reforça a marinha mercante inglesa; - Reforça o setor comercial; (criação de grandes Companhias de Comércio como a Companhia das Índias Orientais); - Consolida o poder económico de Inglaterra; Objetivos
  8. 8. 3. O equilíbrio europeu e a disputa das áreas coloniais Sécs. XVII-XVIII Fragilidade do equilíbrio europeu Conflitos armados Questões dinásticas, territoriais, económicas; Acesso às áreas coloniais; 1651-89 Holanda/Inglaterra (Holanda perde as colónias americanas e parte das possessões no Oriente); 1689-1763 Inglaterra/França - Conflito pela posse territorial, mercados e produtos coloniais (tensão que culmina com a Guerra dos Sete Anos); - França perde as possessões nas Índias, América e África; Inglaterra torna-se a maior potência colonial e marítima da Europa até ao final do séc. XIX

×