Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

TARV HIV 2018 O Papel dos Inibidores de Protease

TARV HIV 2018
O Papel dos Inibidores de Protease

  • Login to see the comments

  • Be the first to like this

TARV HIV 2018 O Papel dos Inibidores de Protease

  1. 1. Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia VI Encontro Hepatites Virais, HIV e HCC IVIP Jun/2018 - Piracicaba - SP - Brasil TARV HIV 2018 O Papel dos Inibidores de Protease
  2. 2. Potenciais Conflitos de Interesse (CFM e Anvisa) Declaro ter recebido incentivos na forma de inscrições de eventos científicos e/ou; viagens aéreas e terrestres e/ou; gastos com alimentação, hospedagem e translados e/ou; patrocínio para a realização de congressos; pagamentos por serviços prestados e/ou consultorias das seguintes empresas ou instituições nos últimos 12 meses: - Abbvie - Bristol-Myers Squibb - CNPq - DECIT - FAMESP - FAPESP - Gilead - GSK-ViiV - Jansen - MRG - DISTAH - Ministério da Saúde - Merck Sharp and Dohme - Prefeitura de Botucatu - SMS - Sanofi Pasteur - Sociedade Brasileira de Infectologia - UNESP
  3. 3. Declaração de Conteúdo e de Uso da Apresentação O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  4. 4. 1. Guias Terapêuticas Nacionais e Internacionais 2. IP em Primeira Linha 3. IP em Situações Especiais de Primeira Linha 4. Particularidades dos IPs 5. Conclusões Temário
  5. 5. TARV HIV: Timeline
  6. 6. TARV HIV: Timeline
  7. 7. TARV HIV: Timeline
  8. 8. TARV HIV: Timeline
  9. 9. TARV HIV: Arsenal Terapêutico Classe Drogas Chemokine receptor antagonists (CCR5 antagonists) Maraviroc Entry inhibitors (CD4- directed post- attachement inhibitors) Ibalizumab Fusion inhibitors (FIs) Enfuvertide Nucleoside reverse transcriptase inhibitors (NRTIs) Abacavir, Emtricitabine, Lamivudine, Tenofovir Disoproxil Fumarate, Tenofovir Alafenamida, Zidovudine Non-nucleoside reverse transcriptase inhibitors (NNRTIs) Efavirenz, Etravirine, Nevirapine, Rlpivirine Integrase inhibitors (INSTIs) Dolutegravir, Raltegravir, Bictegravir, Elvitegravir Protease inhibitors (PIs) Atazanavir, Darunavir, Ritonavir, Tipranavir 7 Classes > 20 Drogas
  10. 10. TARV HIV: Pipeline de Novas Drogas
  11. 11. TARV HIV: Como escolher?
  12. 12. TARV HIV: Como escolher? Características das Drogas 1. Eficácia 2. Segurança 3. Barreira Genética 4. Resistência Transmitida 5. Frequência de Dose 6. Número de Comprimidos 7. Tamanho dos Comprimidos Fatores do Indivíduo 1. CD4 e CV Basais 2. Resistência HIV Pré-Tratamento 3. HLA-B*5701 4. Comorbidades 5. Comedicações 6. Preferência do Paciente
  13. 13. TARV HIV: PCDT Brasil 2017 Brasil, Ministério da Saúde - 2017
  14. 14. TARV HIV: Guidelines Vigentes em 2018 Preferidos Alternativos Não recomendados/ Não disponíveis/Situações especiais * Testar HLA-B*5701 ** Não usar em pacientes com doença ou risco de doença óssea ou renal GUIDELINES Dupla ITRNs ITRNNs INIs IPs ABC/3TC AZT/3TC TAF/FTC TDF/XTC EFV NVP RPV BTG DTG EVG RAL ATV DRV IAS (2016) * ** DHHS (2018) * ** EACS (2017) * ** WHO (2016) Brasil (2017) * **
  15. 15. 1. Guias Terapêuticas Nacionais e Internacionais 2. IP em Primeira Linha 3. IP em Situações Especiais de Primeira Linha 4. Particularidades dos IPs 5. Conclusões Temário
  16. 16. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  17. 17. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  18. 18. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  19. 19. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  20. 20. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  21. 21. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  22. 22. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  23. 23. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  24. 24. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  25. 25. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ) University of Washington, 2013
  26. 26. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  27. 27. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  28. 28. TARV HIV: IP em Primeira Linha (DTG/EFZ)
  29. 29. 1. Guias Terapêuticas Nacionais e Internacionais 2. IP em Primeira Linha 3. IP em Situações Especiais de Primeira Linha 4. Particularidades dos IPs 5. Conclusões Temário
  30. 30. TARV HIV: Simplificação (Racional) TDF: Toxicidade Renal e Óssea ABC: Hipersensibilidade, ↑ IAM, ↑ Bilirrubinas) AZT: Toxicidade Mitocondrial, Lipodistrofia -> Opção: Simplificação = Desintensificação (≠ Terapia Dupla Inicial)
  31. 31. TARV HIV: Simplificação (Metanálise)
  32. 32. TARV HIV: Simplificação (Metanálise)
  33. 33. TARV HIV: Simplificação (UNESP, Vida Real)
  34. 34. TARV HIV: Simplificação (IP/r + 3TC vs IP/r)
  35. 35. TARV HIV: Simplificação (IP/r + 3TC vs IP/r)
  36. 36. TARV HIV: Simplificação (IP/r + 3TC vs IP/r)
  37. 37. TARV HIV: Simplificação (DTG + 3TC)
  38. 38. TARV HIV: Simplificação (DTG Monoterapia)
  39. 39. TARV HIV: Simplificação (IP/r + INIs em Resgate)
  40. 40. TARV HIV: Simplificação (Racional) Diaz, R - 2018
  41. 41. TARV HIV: Simplificação (Racional) Diaz, R - 2018
  42. 42. TARV HIV: Terapia Dupla Inicial
  43. 43. TARV HIV: Terapia Dupla (IP/r + INIs)
  44. 44. TARV HIV: Barreira Genética Diaz, R - 2018
  45. 45. 1. Guias Terapêuticas Nacionais e Internacionais 2. IP em Primeira Linha 3. IP em Situações Especiais de Primeira Linha 4. Particularidades dos IPs 5. Conclusões Temário
  46. 46. TARV HIV: Eventos Adversos ATV/r (Impacto Renal)
  47. 47. TARV HIV: Eventos Adversos ATV/r (Impacto Renal) M. Atta - 2012
  48. 48. TARV HIV: Eventos Adversos ATV/r (Impacto Renal)
  49. 49. TARV HIV: Eventos Adversos ATV/r (Impacto Ósseo)
  50. 50. TARV HIV: Eventos Adversos DRV/r (IAM?)
  51. 51. TARV HIV: Eventos Adversos DRV/r (IAM?)
  52. 52. TARV HIV: Eventos Adversos DRV/r (IAM?)
  53. 53. TARV HIV: DRV/r 1x/dia OFF-LABEL DRV 600 2cp + RTV 100 1 cp 1x/dia
  54. 54. TARV HIV: DRV/r 1x/dia (Multicêntrico, Vida Real)
  55. 55. TARV HIV: DRV/r 1x/dia (Resgate Multiexperiment.)
  56. 56. TARV HIV: Grande Experiência de IPs a Longo Prazo
  57. 57. TARV HIV: Falha de Esquema Inicial com IP/r
  58. 58. TARV HIV: Falha de Esquema Inicial com IP/r
  59. 59. TARV HIV: IP em STR (DFC) -> 1 cp/dia
  60. 60. TARV HIV: IP em STR (DFC) -> 1 cp/dia
  61. 61. TARV HIV: IP em STR (DFC) -> 1 cp/dia (Switch)
  62. 62. 1. Guias Terapêuticas Nacionais e Internacionais 2. IP em Primeira Linha 3. IP em Situações Especiais de Primeira Linha 4. Particularidades dos IPs 5. Conclusões Temário
  63. 63. Conclusões 1. IPs: Drogas com grande experiência clínica, eventos adversos bem conhecidos e ausência de impactos significativos em SNC 2. IPs: Barreira genética que permite troca droga a droga em pacientes virgens para a classe, incluindo simplificações para esquemas com menor número de drogas 3. Segunda Linha - IPs são agentes preferenciais com ITRN reciclados ou INIs
  64. 64. Conclusões 1. Coformulações permitindo esquemas em primeira linha em pílula única contendo TAF e Cobicistat 2. Perspectiva de esquemas até terceira linha com excelente tolerabilidade de 1 vez ao dia contendo 1 a 3 comprimidos
  65. 65. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP

×