Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doencas Transmissiveis em Trabalhadores da Saude

48 views

Published on

Doenças Transmissíveis em Trabalhadores da Saúde

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Doencas Transmissiveis em Trabalhadores da Saude

  1. 1. Doenças Transmissíveis em Trabalhadores da Saúde Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Semana de Prevenção de Acidentes FAMESP/Tupã Dez/2018 - Tupã - SP - Brasil
  2. 2. Declaração de Conteúdo e de Uso da Apresentação O material que se segue faz parte do projeto didático do Prof. Dr. Alexandre Naime Barbosa Objetivos 1. Ensino: Treinamento de Estudantes e Profissionais da Área de Saúde; 2. Extensão: Facilitar o Contato da População em Geral com Conceitos Científicos; 3. Científico: Fomentar a Discussão Científica e Compartilhar Material Didático. Autoria e Cessão 1. Conteúdo: Os dados contidos estão referenciados, em respeito ao autor original; 2. Uso: Está permitido o uso do material, desde que citada a fonte; 3. Contato: fale com o autor e conheça o seu projeto didático em:
  3. 3. Doenças Transmissíveis - Trabalhadores da Saúde Exposição Ocupacional Material Biológico - Acidentes Pérfuro-Cortantes - Respingos em Mucosas - Mordedura Humana - Outros Exposição Ocupacional Infecções por Vias Aéreas - Gotículas - Aerosol - Outros
  4. 4. Doenças Transmissíveis - Trabalhadores da Saúde Exposição Ocupacional Material Biológico - Acidentes Pérfuro-Cortantes - Respingos em Mucosas - Mordedura Humana - Outros - HIV - Hepatite B - Hepatite C - Outros
  5. 5. Doenças Transmissíveis - Trabalhadores da Saúde Exposição Ocupacional Infecções por Vias Aéreas - Gotículas - Aerosol - Outros - Influenza (Gripe) - Tuberculose - Meningococo - Outros
  6. 6. HIV/Aids: Cenário Mundial Unaids - Aids Epidemic Update, 2018 1981-2017: > 75 milhões de casos 1981-2017: ± 40 milhões de mortes 2017: 36,9 milhões de PVHA 2017: 1,8 milhões de casos novos 2017: 940.000 mortes 2017: 21,1 milhões de PVHA em TARV
  7. 7. HIV/Aids: Cenário Nacional Boletim Epidemiológico HIV/Aids, 2017 1981-2016: ? milhões de casos 1981-2016: ? milhões de mortes 2016: 830.000 PVHA (0,4% prev.) 2016: 38.000 casos novos 2016: 12.000 mortes 2016: 517.000 de PVHA em TARV
  8. 8. HIV/Aids: Risco de Transmissão
  9. 9. HIV/Aids: Falta de Percepção de Risco
  10. 10. HIV/Aids: Não Uso do Preservativo Brasil, Ministério da Saúde - Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas na População Brasileira (PCAP), 2014
  11. 11. HIV/Aids: Como lidar com essa situação?
  12. 12. TARV HIV: Quando Iniciar e Quando Postergar TARV HIV: CV Indetectável (virgens ou não)  CV Indetectável = ↓ Mortalidade: ↑ Expectativa Vida  CV Indetectável = ↓ Morbidades: ↓ Custo a Longo Prazo  CV Indetectável = Intransmissível: ↓ Número Casos Novos  CV Indetectável = ↓ Inflamação Crônica HIV: ↓ Morbidade e Mortalidade  CV Indetectável = ↓ Reservatório Pró-Viral: ↑ Chance de “Cura” no futuro  Outros...
  13. 13. TARV HIV: Quando Iniciar e Quando Postergar TARV HIV: CV Indetectável (virgens ou não)  CV Indetectável = ↓ Mortalidade: ↑ Expectativa Vida  CV Indetectável = ↓ Morbidades: ↓ Custo a Longo Prazo  CV Indetectável = Intransmissível: ↓ Número Casos Novos  CV Indetectável = ↓ Inflamação Crônica HIV: ↓ Morbidade e Mortalidade  CV Indetectável = ↓ Reservatório Pró-Viral: ↑ Chance de “Cura” no futuro  Outros...
  14. 14. HIV/Aids: Indetectável = Intransmissível
  15. 15. HIV/Aids: Virologia  RNA: 2 moléculas  Capsídeo Protéico (p17, p24)  Envelope (gp41, gp120)  Enzimas: TR, PT, IT, RNAse  Células Alvo: Receptores CD4 (LT)  Co-receptores: CCR5, CXCR4
  16. 16. HIV/Aids: Infecção Inicial < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  17. 17. HIV/Aids: História Natural
  18. 18. HIV/Aids: Importância da CV Indetectável  HAART: CV indetectável  Supressão em virgens ou não  Grande redução da mortalidade  Taxas próximas do normal Objetivo da TARV Tempo Carga Viral 4 - 6 semanas ↓ 1 log 4 meses ↓ 2 log 6 meses Indetectável À longo prazo Indetectável
  19. 19. HIV/Aids: Prevenção Combinada
  20. 20. HIV/Aids: Prevenção Combinada
  21. 21. HIV/Aids: Preservativo
  22. 22. HIV/Aids: Infecção Inicial < 72h, chance de impedir a formação de pró-vírus, ARVs impedem a perpetuação da infecção Infecção crônica pelo HIV, ARVs controlam replicação, mas não esterilizam as células
  23. 23. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEP: O que é? - Proteção Pós Exposição de Risco - Funciona até 72 horas - Exposição Sexual Consentida - Violência Sexual - Exposição Ocupacional - 2 cps, 1 x/dia, por 28 dias - Altíssima Eficácia, Urgência Médica - 451 Locais no Estado de São Paulo: www3.crt.saude.sp.gov.br/profilaxia/hotsite
  24. 24. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição
  25. 25. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição
  26. 26. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição
  27. 27. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) Categoria de Exposição Nº Acidente Ocupacional 44 Exp. Hetero Ocasional 41 Violência Sexual - Mulher 17 HSH 8 Trabalhador(a) do Sexo 5 Violência Sexual - Criança 5 Outros 4 MSM 1 Violência Sexual - Adolescente 1 Usuário de Drogas 0 Total 126 35% 33% 13% 6% 4% 4% 3% 1% 1% 0% Acidente Ocupacional Exp. Sex. Hetero Ocasional Violência Sexual - Mulher Exp. Sex. HSH Trabalhador(a) do Sexo Violência Sexual - Criança Outros Exp. Sex. MSM Violência Sexual - Adolescente SAEI-DAM, 2015
  28. 28. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 6% 10% 34% 26% 18% 6% Crianças (< 13 anos) 13 - 19 20 - 29 30 - 39 40 - 49 50 ou mais Idade Nº Crianças (< 13 anos) 8 13 - 19 12 20 - 29 43 30 - 39 33 40 - 49 22 50 ou mais 8 Total 126 51%49% Feminino Masculino Sexo Nº Feminino 64 Masculino 62 Total 126
  29. 29. HIV/Aids: Profilaxia Pós-Exposição PEPs SAEI-DAM & HC UNESP (Infectologia FMB-HC UNESP (Jan/2014 - Jun/2015) SAEI-DAM, 2015 0% 20% 40% 60% 80% 100% PEP Completa: Sim PEP Completa: Não Completou PEP Nº PEP Completa: Sim 126 PEP Completa: Não 0 Total 126 0% 20% 40% 60% 80% 100% Transmissão HIV: Sim Transmissão HIV: Não Transmissão HIV Nº Transmissão HIV: Sim 0 Transmissão HIV: Não 126 Total 126
  30. 30. HIV/Aids: Profilaxia Pré-Exposição PrEP: O que é? - Proteção Pré Exposição de Risco - Populações ↑ Vulnerabilidade - 1 cp, 1 x/dia, uso contínuo - Altíssima eficácia - Aprovado pela Anvisa - Disponível pelo SUS desde 2017 - Populações alvo específicas
  31. 31. HIV/Aids: Eficácia dos Meios de Prevenção
  32. 32. Doenças Transmissíveis - Trabalhadores da Saúde Exposição Ocupacional Material Biológico - Hepatite B: - Hepatite C: - Anti-HBs ≥ 10 UI/ml: Imunes - Vacinados sem Anti-HBs ≥ 10 UI/ml: avaliar - Susceptíveis e/ou não vacinados: Imunoglobulina - Avaliar soroconversão (infecção aguda) - Tratamento na fase aguda: ≥ 95% de eficácia
  33. 33. Doenças Transmissíveis - Trabalhadores da Saúde Exposição Ocupacional Infecções por Vias Aéreas Influenza Tuberculose Meningococo - Avaliação para Profilaxia Individualizada - Tipo e Tempo de Exposição - Status imunológico do trabalhador, comorbidades
  34. 34. Considerações Finais - Papel da CIPA  Orientar sobre os Fatores de Risco  Promover Diálogo  Combater Preconceito  Combater Discriminação  Promover o Uso do Preservativo  Orientar sobre a PEP  Estimular Testagem  Estimular Diagnóstico
  35. 35. Obrigado pela Atenção! SAE de Infectologia HC UNESP Botucatu Faculdade de Medicina UNESP

×