SlideShare a Scribd company logo
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
(UFRRJ)
INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR (D.E.S)
PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM DEMANDAS
POPULARES E CONTEXTOS CONTENPORÂNEOS
GRUPOS DE PESQUISAS ESTUDOS CULTURAIS,
EDUCAÇÃO E ARTE; CURRÍCULO, CULTURA E POLÍTICA.
NOVA IGUAÇU, 2019
AS OCUPAÇÕES SECUNDARISTAS NO
RIO DE JANEIRO EM IMAGENS: memórias
afetivas de um movimento.
Julio Roitberg, Aristóteles Berino
 Recuperação do movimento de ocupação das escolas públicas do Rio de Janeiro (2016) pelos
e pelas estudantes secundaristas, através do registro de narrativas, enquanto resgate das
memórias afetivas de coletivos estudantis.
 A possibilidade de relacionar as ocupações a outros movimentos estudantis, através da
minha experiência, formação e militância.
 A percepção das alterações em suas locações e mobiliário, rearranjos, adaptações,
improvisos, para a acomodação e ‘conforto’ durante a ocupação.
 A proposição de outras possibilidades metodológicas para as pesquisas em educação.
O QUE A PESQUISA SIGNIFICOU PARA MIM
Transformações, refuncionalizações,
adaptações, rearranjos
instalação, adaptação, manutenção,
permanência, desocupação
Paulo Freire
1921 - 1997
Michel Foucault
1926 - 1989
• Heterotopias: espaços infantis e o encantamento que nos promove a sua
lembrança, “como os celeiros, o fundo do jardim a tenda de índios ou a
cama dos pais, verdadeiras utopias localizadas”
• Heterotopologia: “Ciência dos espaços absolutamente outros.”
Gaston Bachelard
1884-1962
 No teatro do passado que é a
nossa memória, o cenário
mantém os personagens em seu
papel dominante. Às vezes
acreditamos conhecer-nos no
tempo, ao passo que se conhece
apenas uma série de fixações nos
espaços da estabilidade do ser, de
um ser que não quer passar no
tempo, que no próprio passado,
quando vai em busca do tempo
perdido, quer “suspender” o vôo
do tempo. Em seus mil alvéolos, o
espaço retém o tempo
comprimido. O espaço serve para
isso. (BACHELARD, 1978, p. 202)
Roland Barthes
1915 - 1980
• A Fotografia é contingência
pura e só pode ser isso (é
sempre alguma coisa que é
representada) – ao contrário do
texto que, pela ação repentina
de uma única palavra, pode fazer
uma frase passar da descrição à
reflexão -, ela fornece de
imediato esses “detalhes” que
constituem o próprio material do
saber etnológico.
MEMÓRIAS AFETIVAS E O
MEMORIAL DE FORMAÇÃO
metodologias
EU, AS PESSOAS, O
TEMPO, O LUGAR
A PRAÇA
CIEP HEITOR DOS
PRAZERES
Método, metodologias
C.E. VISC. DE CAIRU ETESC
O SINAL
MOCHILA, MALA DE VIAGEM, GPS
A PEDRA, A PRAÇA
SOBRE O DESENHO
DO TEXTO (PAPEL OCUPADO)
• OS CAPÍTULOS
• A PEDRA
• A PRAÇA
• O SINAL
• OS TÍTULOS
• ENTRETEXTO
• IMAGENS
• SÍNTESE
DOS ESPAÇOS (ESCOLAS OCUPADAS)
• AS HETEROTOPIAS
• REARRANJOS
• ADAPTAÇÕES
• REFUNCIONALIZAÇÕES
CARTOGRAFIA TOPOANALÍTICA TEXTUAL
Proposição de uma outra perspectiva metodológica
para os es
Estruturação dos capítulos
‘heterotopias’, de Michel Foucault;
 ‘poética dos espaços’ de Gaston Bachelard;
 ‘texto estilhaçado’ e semiótica heterodoxa, de Roland Barthes;
“transcriações” das conversas, em constante diálogo entre
autores e autoras;
“conversa infinita”, da “palavra plural”, de Maurice Blanchot;
Princípios orientadores
 observação das ações, atitudes e gestos; conversas com os e aos protagonistas
das ocupações sobre alterações nos equipamentos, mobiliário,
compartimentos tendo em vista a melhor adaptação para acomodação dos
que ali iriam permanecer;
 “aproximacionalismo” (BACHELARD, 1978, p. vi) através de vivências e/ou
verificação em fotografias, e entrevistas de história oral, conversas,
documentos;
 resgate de lembranças, através das memórias afetivas, dos protagonistas das
ocupações, com a utilização de fotografias;
ADOLESCÊNCIA,
IDENTIDADE E CRISE
• Os jovens de classe média, por exemplo passam por
um longo período de preparação quando escolhem um
curso universitário. Tal preparação pode até mesmo
ultrapassar essa juventude. O jovem da classe operária
pode cursar uma escola técnica, onde aprende o
necessário para tornar-se uma ferramenta, por
exemplo, e esse aprendizado não dura tanto tempo
quanto um curso de Medicina. Outros jovens ainda
abandonam a escola muito cedo e já trabalham oito
horas diárias antes de completaram 14 anos de idade
[...] (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2008, p. 308)
A juventude da minha rua e a ideia de mudar o
mundo: 40 anos de insistência
memória como fato,
como algo que pode
incidir sobre a
realidade e causar
mudanças
BATISMO NO MOVIMENTO
ESTUDANTIL
• Entre março e junho de 1980, uma verdadeira batalha
foi travada entre os estudantes e a polícia, a justiça e o
poder público com o intuito de impedir que os
estudantes retomassem a posse do prédio. Em 10 de
junho, cerca de 400 manifestantes e jornalistas entraram
em conflito direto com a polícia em frente ao prédio,
resultando na prisão de onze estudantes. Apesar dos
esforços dos estudantes, de políticos e artistas
simpáticos à sua causa e da própria Justiça personalizada
no juiz Aarão Reis, o prédio foi demolido em fins de
junho de 1980. (MÜLLER; RESENDE, 2011, p. 70)
VEM PRA PRA RUA
PRIMAVERA ESTUDANTIL
2013 - 2016
Demandas contemporâneas, explosão em abril de
2016, onde começava e onde termina a pesquisa:
intervenção está para o estado assim como
ocupação, para os estudantes.
A NECESSIDADE DESTE
RESGATE HISTÓRIO
“Quero contar pra minha filha…” Fran Borges
O legado das ocupações
Muito obrigado, às e aos que me ajudaram a contar a sua e a nossa história dentro
do movimento de ocupação secundarista, em 2016, dedicando um tempo extra
para as nossas conversas e facilitando o acesso a informações, registros e
documentos.
Ao futuro lego apenas
meu passado. Dito
assim, como nos
entrelaços desses
apontamentos, tudo se
faz permanentemente
presente. Porque as
pessoas não são feitas
apenas de corpo e
alma. São feitas
sobretudo de histórias.
(Frei Betto, em Minas
de Ouro)

More Related Content

Similar to Tesedefesa

cultura
culturacultura
Informativo do cacis
Informativo do cacisInformativo do cacis
Informativo do cacis
Vitória Lourenço
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
MARCIA GOMES FREIRE
 
Historia 3 ano Ensino Fundamental
Historia 3 ano Ensino FundamentalHistoria 3 ano Ensino Fundamental
Historia 3 ano Ensino Fundamental
Geovana Isabel
 
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
SandraBarbosa101
 
Paper de miranda & moraes na anpuh
Paper de miranda & moraes na anpuhPaper de miranda & moraes na anpuh
Paper de miranda & moraes na anpuh
citacoesdosprojetos
 
Orientações curriculares 2011
Orientações curriculares 2011Orientações curriculares 2011
Orientações curriculares 2011
lucavao2010
 
Compreender o mundo.pdf
Compreender o mundo.pdfCompreender o mundo.pdf
Compreender o mundo.pdf
LucianaGobi
 
História local
História localHistória local
História local
O Blog do Pedagogo
 
Conhecendo a história de uma escola
Conhecendo a história de uma escolaConhecendo a história de uma escola
Conhecendo a história de uma escola
pibiduergsmontenegro
 
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
Marina Teixeira
 
Dissertação de daniel cantinelli sevillano usp
Dissertação de daniel cantinelli sevillano uspDissertação de daniel cantinelli sevillano usp
Dissertação de daniel cantinelli sevillano usp
citacoesdosprojetos
 
A música como instrumento de resistência.pdf
A música como instrumento de resistência.pdfA música como instrumento de resistência.pdf
A música como instrumento de resistência.pdf
WirlanPaje2
 
Inf historia 5
Inf historia 5Inf historia 5
Inf historia 5
Izaac Erder
 
Caderno 4 emerson
Caderno 4   emersonCaderno 4   emerson
Caderno 4 emerson
Lia Araújo
 
Gabarito
GabaritoGabarito
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempeTexto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
Otavio Luiz Machado
 
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Verônica Silveira
 
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauá
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauáEtnografia do mundo do trabalho no cais mauá
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauá
Renata Ribeiro
 

Similar to Tesedefesa (20)

cultura
culturacultura
cultura
 
Informativo do cacis
Informativo do cacisInformativo do cacis
Informativo do cacis
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
 
Historia 3 ano Ensino Fundamental
Historia 3 ano Ensino FundamentalHistoria 3 ano Ensino Fundamental
Historia 3 ano Ensino Fundamental
 
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
2019_Plano-de-aula-Projeto-História-do-meu-bairro-história-de-mim-Mayra-Matta...
 
Paper de miranda & moraes na anpuh
Paper de miranda & moraes na anpuhPaper de miranda & moraes na anpuh
Paper de miranda & moraes na anpuh
 
Orientações curriculares 2011
Orientações curriculares 2011Orientações curriculares 2011
Orientações curriculares 2011
 
Compreender o mundo.pdf
Compreender o mundo.pdfCompreender o mundo.pdf
Compreender o mundo.pdf
 
História local
História localHistória local
História local
 
Conhecendo a história de uma escola
Conhecendo a história de uma escolaConhecendo a história de uma escola
Conhecendo a história de uma escola
 
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
Artigo de cláudia moraes e bruna miranda na anpuh de 2011
 
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
O processo de degradação e revitalização dos espaços públicos: usos e apropri...
 
Dissertação de daniel cantinelli sevillano usp
Dissertação de daniel cantinelli sevillano uspDissertação de daniel cantinelli sevillano usp
Dissertação de daniel cantinelli sevillano usp
 
A música como instrumento de resistência.pdf
A música como instrumento de resistência.pdfA música como instrumento de resistência.pdf
A música como instrumento de resistência.pdf
 
Inf historia 5
Inf historia 5Inf historia 5
Inf historia 5
 
Caderno 4 emerson
Caderno 4   emersonCaderno 4   emerson
Caderno 4 emerson
 
Gabarito
GabaritoGabarito
Gabarito
 
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempeTexto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
Texto de otávio luiz machado sobre projeto repúblicas no iv sempe
 
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
Projeto Interdisciplinar sobre o Balneário Cassino: História, Arte e Literatu...
 
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauá
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauáEtnografia do mundo do trabalho no cais mauá
Etnografia do mundo do trabalho no cais mauá
 

More from Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC)

Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC)
 
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletivaO uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC)
 
Skliar
SkliarSkliar
O que me envolve
O que me envolveO que me envolve
CONAE 2014 1º dia
CONAE 2014 1º diaCONAE 2014 1º dia
Davi
DaviDavi
Rural
RuralRural
Ciências sociais (UFRRJ)
Ciências sociais (UFRRJ)Ciências sociais (UFRRJ)
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do EnsinI Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC)
 
Impressões digitais
Impressões digitaisImpressões digitais
Movimento Ecomuseu Sepetiba
Movimento Ecomuseu SepetibaMovimento Ecomuseu Sepetiba
Comportamento
ComportamentoComportamento
XV Endipe
XV EndipeXV Endipe
O evento
O eventoO evento
Nossas práticas
Nossas práticasNossas práticas
Nossas práticas 3
Nossas práticas 3Nossas práticas 3
Experiências
ExperiênciasExperiências
A vida é uma escola
A vida é uma escolaA vida é uma escola
Oficina de Mapas Conceituais
Oficina de Mapas ConceituaisOficina de Mapas Conceituais

More from Fundação de apoio à escola técnica (FAETEC) (19)

Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
Generostextuaisparte1 130731201208-phpapp02
 
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletivaO uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
O uso das imagens em educação: intervenção estética e produção coletiva
 
Skliar
SkliarSkliar
Skliar
 
O que me envolve
O que me envolveO que me envolve
O que me envolve
 
CONAE 2014 1º dia
CONAE 2014 1º diaCONAE 2014 1º dia
CONAE 2014 1º dia
 
Davi
DaviDavi
Davi
 
Rural
RuralRural
Rural
 
Ciências sociais (UFRRJ)
Ciências sociais (UFRRJ)Ciências sociais (UFRRJ)
Ciências sociais (UFRRJ)
 
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do EnsinI Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
I Jornada de Educação - Políticas Educacionais, Avaliação e Gestão do Ensin
 
Impressões digitais
Impressões digitaisImpressões digitais
Impressões digitais
 
Movimento Ecomuseu Sepetiba
Movimento Ecomuseu SepetibaMovimento Ecomuseu Sepetiba
Movimento Ecomuseu Sepetiba
 
Comportamento
ComportamentoComportamento
Comportamento
 
XV Endipe
XV EndipeXV Endipe
XV Endipe
 
O evento
O eventoO evento
O evento
 
Nossas práticas
Nossas práticasNossas práticas
Nossas práticas
 
Nossas práticas 3
Nossas práticas 3Nossas práticas 3
Nossas práticas 3
 
Experiências
ExperiênciasExperiências
Experiências
 
A vida é uma escola
A vida é uma escolaA vida é uma escola
A vida é uma escola
 
Oficina de Mapas Conceituais
Oficina de Mapas ConceituaisOficina de Mapas Conceituais
Oficina de Mapas Conceituais
 

Recently uploaded

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 

Recently uploaded (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 

Tesedefesa

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO (UFRRJ) INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR (D.E.S) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM DEMANDAS POPULARES E CONTEXTOS CONTENPORÂNEOS GRUPOS DE PESQUISAS ESTUDOS CULTURAIS, EDUCAÇÃO E ARTE; CURRÍCULO, CULTURA E POLÍTICA. NOVA IGUAÇU, 2019
  • 2. AS OCUPAÇÕES SECUNDARISTAS NO RIO DE JANEIRO EM IMAGENS: memórias afetivas de um movimento. Julio Roitberg, Aristóteles Berino
  • 3.  Recuperação do movimento de ocupação das escolas públicas do Rio de Janeiro (2016) pelos e pelas estudantes secundaristas, através do registro de narrativas, enquanto resgate das memórias afetivas de coletivos estudantis.  A possibilidade de relacionar as ocupações a outros movimentos estudantis, através da minha experiência, formação e militância.  A percepção das alterações em suas locações e mobiliário, rearranjos, adaptações, improvisos, para a acomodação e ‘conforto’ durante a ocupação.  A proposição de outras possibilidades metodológicas para as pesquisas em educação. O QUE A PESQUISA SIGNIFICOU PARA MIM
  • 7. Michel Foucault 1926 - 1989 • Heterotopias: espaços infantis e o encantamento que nos promove a sua lembrança, “como os celeiros, o fundo do jardim a tenda de índios ou a cama dos pais, verdadeiras utopias localizadas” • Heterotopologia: “Ciência dos espaços absolutamente outros.”
  • 8. Gaston Bachelard 1884-1962  No teatro do passado que é a nossa memória, o cenário mantém os personagens em seu papel dominante. Às vezes acreditamos conhecer-nos no tempo, ao passo que se conhece apenas uma série de fixações nos espaços da estabilidade do ser, de um ser que não quer passar no tempo, que no próprio passado, quando vai em busca do tempo perdido, quer “suspender” o vôo do tempo. Em seus mil alvéolos, o espaço retém o tempo comprimido. O espaço serve para isso. (BACHELARD, 1978, p. 202)
  • 9. Roland Barthes 1915 - 1980 • A Fotografia é contingência pura e só pode ser isso (é sempre alguma coisa que é representada) – ao contrário do texto que, pela ação repentina de uma única palavra, pode fazer uma frase passar da descrição à reflexão -, ela fornece de imediato esses “detalhes” que constituem o próprio material do saber etnológico.
  • 10. MEMÓRIAS AFETIVAS E O MEMORIAL DE FORMAÇÃO
  • 11. metodologias EU, AS PESSOAS, O TEMPO, O LUGAR A PRAÇA CIEP HEITOR DOS PRAZERES Método, metodologias C.E. VISC. DE CAIRU ETESC O SINAL MOCHILA, MALA DE VIAGEM, GPS A PEDRA, A PRAÇA
  • 12. SOBRE O DESENHO DO TEXTO (PAPEL OCUPADO) • OS CAPÍTULOS • A PEDRA • A PRAÇA • O SINAL • OS TÍTULOS • ENTRETEXTO • IMAGENS • SÍNTESE DOS ESPAÇOS (ESCOLAS OCUPADAS) • AS HETEROTOPIAS • REARRANJOS • ADAPTAÇÕES • REFUNCIONALIZAÇÕES
  • 13. CARTOGRAFIA TOPOANALÍTICA TEXTUAL Proposição de uma outra perspectiva metodológica para os es Estruturação dos capítulos ‘heterotopias’, de Michel Foucault;  ‘poética dos espaços’ de Gaston Bachelard;  ‘texto estilhaçado’ e semiótica heterodoxa, de Roland Barthes; “transcriações” das conversas, em constante diálogo entre autores e autoras; “conversa infinita”, da “palavra plural”, de Maurice Blanchot;
  • 14. Princípios orientadores  observação das ações, atitudes e gestos; conversas com os e aos protagonistas das ocupações sobre alterações nos equipamentos, mobiliário, compartimentos tendo em vista a melhor adaptação para acomodação dos que ali iriam permanecer;  “aproximacionalismo” (BACHELARD, 1978, p. vi) através de vivências e/ou verificação em fotografias, e entrevistas de história oral, conversas, documentos;  resgate de lembranças, através das memórias afetivas, dos protagonistas das ocupações, com a utilização de fotografias;
  • 15. ADOLESCÊNCIA, IDENTIDADE E CRISE • Os jovens de classe média, por exemplo passam por um longo período de preparação quando escolhem um curso universitário. Tal preparação pode até mesmo ultrapassar essa juventude. O jovem da classe operária pode cursar uma escola técnica, onde aprende o necessário para tornar-se uma ferramenta, por exemplo, e esse aprendizado não dura tanto tempo quanto um curso de Medicina. Outros jovens ainda abandonam a escola muito cedo e já trabalham oito horas diárias antes de completaram 14 anos de idade [...] (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2008, p. 308)
  • 16. A juventude da minha rua e a ideia de mudar o mundo: 40 anos de insistência
  • 17. memória como fato, como algo que pode incidir sobre a realidade e causar mudanças
  • 18. BATISMO NO MOVIMENTO ESTUDANTIL • Entre março e junho de 1980, uma verdadeira batalha foi travada entre os estudantes e a polícia, a justiça e o poder público com o intuito de impedir que os estudantes retomassem a posse do prédio. Em 10 de junho, cerca de 400 manifestantes e jornalistas entraram em conflito direto com a polícia em frente ao prédio, resultando na prisão de onze estudantes. Apesar dos esforços dos estudantes, de políticos e artistas simpáticos à sua causa e da própria Justiça personalizada no juiz Aarão Reis, o prédio foi demolido em fins de junho de 1980. (MÜLLER; RESENDE, 2011, p. 70)
  • 19. VEM PRA PRA RUA PRIMAVERA ESTUDANTIL 2013 - 2016 Demandas contemporâneas, explosão em abril de 2016, onde começava e onde termina a pesquisa: intervenção está para o estado assim como ocupação, para os estudantes.
  • 21. “Quero contar pra minha filha…” Fran Borges
  • 22. O legado das ocupações
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26. Muito obrigado, às e aos que me ajudaram a contar a sua e a nossa história dentro do movimento de ocupação secundarista, em 2016, dedicando um tempo extra para as nossas conversas e facilitando o acesso a informações, registros e documentos. Ao futuro lego apenas meu passado. Dito assim, como nos entrelaços desses apontamentos, tudo se faz permanentemente presente. Porque as pessoas não são feitas apenas de corpo e alma. São feitas sobretudo de histórias. (Frei Betto, em Minas de Ouro)