Semiologia febre

35,192 views

Published on

Seminário de semiologia (sinais e sintomas - febre) da Faculdade de medicina da UFF....Faltam hipotermia,hipertemia e semiotécnica

Published in: Health & Medicine
2 Comments
14 Likes
Statistics
Notes
  • Esse slide me ajudou bastante! muito bom!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Parabéns! Precisei estudar em seu slide para prova de Imunilogia hoje, obrigado!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
35,192
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
400
Comments
2
Likes
14
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Semiologia febre

  1. 1. SEMINÁRIO DE SEMIOLOGIA FebreRollanHirano eAna Alice Carneiro
  2. 2. Definições: febre - elevação da temperatura normal em conjunto com a reconfiguração (aumento) do ponto de ajuste hipotalâmico. temperatura – A temperatura corporal normal (≤ 37,2°C pela manhã e ≤ é 37,7°C à noite) é mantida porque o centro termorregulador hipotalâmico equilibra o excesso de calor produzido pela atividade metabólica nos músculos e fígado com dissipação de calor através da pele e dos pulmões.
  3. 3. Porção anterior do hipotálamo(central):- Área anterior:centro de dissipação de calor- Área posterior: centro de promoção de calorReceptores localizados, principalmente na pele(periférico): Particularmente nas situações de baixa da temperatura.
  4. 4.  Início:Súbito: Quase sempre acompanhada dos demais sintomas da síndrome febrilGradual: Prevalece a sudorese,cefaléia e inapetência Intensidade: Toma-se como referência a temperatura axilar #Febre leve ou febrícula : até 37,5°C # Febre moderada: de 37,5 a 38,5 °C # Febre alta ou eleveada: acima de 38,5
  5. 5.  Duração:Febre se instalou a poucos dias;Febre prolongada: Que permanece por mais de uma semana tendo ou não caráter contínuo Modo de evolução: Verificado por meio de um quadro térmico Quadro térmico: Registro da temperatura em uma tabela, dividida no mínimo em dias subdivididos em 4 ou 6 horários Término em crise(febre desaparece subitamente- malária) e em Lise(a febre diminui lentamente
  6. 6. Febre Contínua: Variações até 1°C, sempre acima do normal Ex: febre tifóide, pneumonia;40°C39°C38°C37°C
  7. 7. Febre Intermitente: Hipertermia com períodos cíclicosde apirexia (terçã, quartã ,cotidiana) Ex: linfomas, malária, tuberculose;39°C38°C37°C36°C
  8. 8. Febre Recorrente ou Ondulante: Períodos de temperatura normal, que dura dias ou semanas seguidos por períodos com febre. Ex: linfomas, tumores;39°C38°C37°C36°C
  9. 9. Febre Remitente: Hipertermia diária com variações maiores de 1°C, sem apirexia. Ex: septicemia, pneumonia;40°C39°C38°C37°C
  10. 10. Febre Irregular ou Séptica: Picos muito altos intercalados com por temp. baixas ou apirexia. Sem caráter cíclicos, totalmente imprevisíveis. Ex: septicemia;39°C38°C37°C36°C
  11. 11.  Febre  Astenia  Inapetência  Cefaléia  Taquicardia  Taquipnéia  Taquisfigmia  Oligúria  Dor no corpo  Calafrios  Sudorese  Náuseas  VômitosD
  12. 12.  Condições indutoras: infecções(bacterianas,virais e parasitárias);tumores;hemorragias;infartos;d oenças auto-imunes... Dentre os mecanismos de produção da febre destaca-se a produção de pirogênio endógeno que é uma molécula protíca. Esta que ativa os neurônios do centro termorregulador por meio dos níveis de AMP-cíclico.
  13. 13.  Estímulos para produção(ativação)de PE: Endotoxinas de microorganismos, vírus e bactérias Hormônios( esteróides e progesterona) Produtos de hidrólise Pólen,Vacinas, Proteínas Quem produz os PE? Neutrófilos Monócitos Eosinófilos Cél. De Kuppfer Cél. Sinusoidais Esplênicas Macrófagos alveolares Cél. peritoniais
  14. 14.  Principais PE na corrente circulatória: IL-1 IL-6 TNF PIM( proteína alfa inflamatória do macrófago) FNT( interferon alfa e beta)
  15. 15. FEBRE DE ORIGEM OBSCURA FOO ou FOI caracteriza-se por TA> 37,9ºC em várias ocasiões; febre com duração de mais de 3 semanas; impossibilidade de estabelecer um diagnóstico a despeito de 1 semana de investigação hospitalar. 4 tipos: FOO clássica, FOO hospitalar, FOO neutropênica, FOO associada a infecção pelo HIV.
  16. 16. FOO CLÁSSICA 3 consultas ambulatoriais ou 3 dias de internação hospitalar ou 1 semana de investigação ambulatorial “criteriosa e invasiva” sem elucidação de uma causa.
  17. 17. FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns complicações hospitalares são: ITU, pneumonia, infecções de incisões cirúrgicas, infecções relacionadas aos acessos e monitorações intravasculares.
  18. 18. FOO HOSPITALAR Suscetibilidade do paciente associada às complicações potenciais de hospitalização. As mais comuns complicações hospitalares são: ITU, pneumonia, infecções de incisões cirúrgicas, infecções relacionadas aos acessos e monitorações intravasculares.
  19. 19. FOO NEUTROPÊNICA Duração da doença pode ser curta, mas se não tratada pode levar a situações catastróficas. Causas comuns: Candida e Aspergillus, herpes vírus simples ou CMV, tromboflebite séptica (associada à cateteres).
  20. 20. FOO ASSOCIADA AO HIV A infecção pelo HIV isoladamente pode causar febre. Em mais de 80% dos pacientes a FOO associada ao HIV é por causas infecciosas, mas a febre medicamentosa e o linfoma são possibilidades importantes.
  21. 21. FÁRMACOS ANTI-PIRÉTICOS Atuam na inibição da formação das prostaglandinas. Muitos deles, inibindo a ciclooxigenase. Ex: paracetamol, dipirona, ácido acetil salicílico.

×