Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos

10,743 views

Published on

Curso desenvolvido para a ministração de aulas de História Eclesiástica I no Seminário Teológico Shalom. O curso envolve a exposição da história da igreja cristã, dos tempos de Jesus aos tempos atuais, passando pelo seu surgimento e desenvolvimento, domínio com a conversão de Constantino, ascensão papal, movimentos reformadores e avivalistas da era moderna, até os movimentos ecumenista e pentecostal do séc. XX. Esta aula apresenta a vida de Jesus e desenvolvimento de seu ministério terreno.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos

  1. 1. História Eclesiástica I Pr.André dos Santos Falcão Nascimento Blog: http://prfalcao.blogspot.com Email: goldhawk@globo.com SeminárioTeológico Shalom Os Primórdios da Igreja Cristo e a Plenitude dos Tempos
  2. 2. A Plenitude dos Tempos  Gálatas 4.4:“Vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho...”  Marcos 1.15: "O tempo é chegado", dizia ele. "O Reino de Deus está próximo.Arrependam-se e creiam nas boas novas!
  3. 3. Contribuições políticas romanas  Desenvolvimento de senso de unidade da humanidade sob uma lei universal favorece pregação do evangelho, que afirma que toda a humanidade está uniformemente mergulhada no pecado e oferece lugar num organismo universal, a igreja cristã, o Corpo de Cristo.  Unificação do império em torno de um código legal diariamente imposto aos cidadãos romanos e concessão de cidadania aos não-romanos.  Pax Romana imposta pelas forças imperiais na região mediterrânea favoreceu o tráfego dos primeiros cristãos na pregação do evangelho aos moradores das diversas regiões imperiais.
  4. 4. Contribuições políticas romanas  Sistema de estradas imperiais que cortava todo o império também facilitou o trabalho dos primeiros missionários, incluindo Paulo, que notoriamente usou o sistema em suas viagens.  Trabalho do exército em regiões remotas e relacionamento entre soldados favorece a divulgação do evangelho.  As conquistas romanas levaram muitos povos a perderem a fé em seus deuses, por não terem sido capazes de impedir a conquista romana.  Religiões de mistério romanas com imagens de deuses-salvadores substituída pelo culto cristão quando percebidas como sendo falsas (adoração a Cibele, Ísis e Mitra).
  5. 5. Contribuições intelectuais gregas  Idioma grego usado universalmente na época de Jesus Cristo (grego koiné), usado para escrever o NT e a versão da Septuaginta doAT.  Luta da filosofia contra a antiga religião politeísta grega gera crise que leva as pessoas ao ceticismo ou à busca pelo mistério.  Busca filosófica por uma realidade transcendente ao mundo temporal e visível, por parte de Sócrates e Platão, demonstra busca dos gregos pela solução dos problemas do certo e do errado e com o futuro eterno do homem.  Filosofia individualista da época de Jesus (Epicuro e Zenão) favorecia uma busca de relacionamento pessoal com Deus, porém eram incapazes de dar conta completamente de alcançar a Deus, pois trabalhavam puramente pela razão.
  6. 6. Contribuições religiosas dos judeus  Judaísmo é a herança religiosa do cristianismo.  Posição central no Oriente Próximo e conquistas assírias, babilônicas, gregas e romanas facilitou propagação de suas ideias religiosas.  Monoteísmo judaico contrastava com a maioria das religiões pagãs.  Esperança pela vinda de um Messias que libertaria o povo e estabeleceria a justiça na terra.
  7. 7. Contribuições religiosas dos judeus  Sistema moral judaico através do elevado padrão proposto pelos Dez Mandamentos contrastava com os sistemas éticos predominantes na época.  AntigoTestamento serve de fonte para Jesus e seus discípulos na transmissão de suas doutrinas.  Filosofia da História judaica indica que a história tem um significado, com uma visão linear e cataclísmica.  Instituição da sinagoga como modelo de local descentralizado de culto, pela necessidade exílica. Foi onde o evangelho foi originalmente pregado.
  8. 8. Jesus Cristo - historicidade  Testemunho pagão  Tácito (55-117): Historiador grego, liga o nome e origem dos cristãos a “Christus”, que sofreu morte por sentença do procurador Pôncio Pilatos durante o reinado deTibério.  Plínio (c.112): Escreve aTrajano para pedir orientações sobre como lidar com os cristãos, elogiando sua conduta moral.  Suetônio: Na obra Vidas dos Doze Césares:Vida de Claudius, cita que os judeus foram expulsos de Roma por causa de distúrbios a respeito de um tal Chrestos.  Luciano (c.125-c.190): Escreve uma sátira sobre os cristãos em cerca de 170, descrevendo Cristo como aquele que “foi crucificado na Palestina” por ter iniciado a “nova seita”.
  9. 9. Jesus Cristo - historicidade  Testemunho judaico  Flávio Josefo (c.37-c.100): Judeu rico, procurou justificar o judaísmo diante dos romanos instruídos, menciona Cristo, fala deTiago, o irmão de Jesus, além de falar de Cristo como um homem sábio sentenciado à morte na Cruz por Pilatos.Alguns acham que o segundo texto foi uma interpolação cristã posterior, mas para muitos é autêntica.  Testemunho cristão fora da Bíblia  Evangelhos, cartas, atos e apocalipses apócrifos escritos baseados na historicidade de Cristo.  Inscrições e imagens de pombas, peixe e âncora nas catacumbas romanas dão testemunho da crença no Cristo.  Datação de Cristo durante os dias do rei Herodes (785A.U.C.).
  10. 10. O caráter de Cristo  Originalidade de discurso (“Eu digo”, ao contrário do que os outros afirmam).  E maravilharam-se da sua doutrina, porque os ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas. Marcos 1:22  E admiravam a sua doutrina porque a sua palavra era com autoridade. Lucas 4:32  Sinceridade no discurso.  Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes? João 8:46  Equilíbrio e integridade de caráter (nenhuma característica se sobressai às outras, todas trabalham harmoniosamente).
  11. 11. A obra de Cristo  Ministério terreno  Exceto relato da ida a Jerusalém aos 12 anos, pouco se sabe sobre o tempo em que Cristo morou em Jerusalém.  Possível educação bíblica no lar e na escola infantil da sinagoga.  Infância em Nazaré, importante rota comercial, o fez observar a vida do mundo exterior que passava pelo local.  Conhecia Deus através da revelação na natureza e pelo AT.  Aparece publicamente pela primeira vez sendo batizado por João Batista.  Desenvolve seu ministério inicialmente em centros judaicos, para alcançar as “ovelhas perdidas da casa de Israel (Mt. 15.24).
  12. 12. A obra de Cristo  Ministério terreno  Inaugura seu ministério escolhendo alguns homens como discípulos que continuariam sua obra após sua morte e ressurreição.  Seu primeiro milagre acontece em Caná, transformando água em vinho durante um casamento.  Após breve visita a Jerusalém, onde purifica o templo e conversa com Nicodemos, retorna a Galileia através de Samaria, onde se encontra com uma mulher pecadora, demonstrando que seu ministério não teria barreiras de gênero ou nacionalidade.  Rejeitado em sua cidade natal, Nazaré, segue para Cafarnaum, onde centraliza seu ministério galileu, realizando três viagens pela região.
  13. 13. A obra de Cristo  Ministério terreno  Primeira viagem: Cura do paralítico, coxo, ressurreição do filho da viúva de Naim, Sermão da Montanha, cujo conteúdo é que a verdadeira religião é espiritual, e não de atos externos exigidos pela lei.  Segunda viagem:Viagem ao sul da Galileia com ensino a respeito do Reino (Mt. 13), cura do endemoninhado gadareno e da filha de Jairo.  Terceira viagem: Continuação da obra.  Viagens seguidas de pequenos períodos de retiro, onde instruía seus discípulos e atendia os necessitados (primeira multiplicação dos pães após primeira viagem). Curou a filha da mulher siro-fenícia no segundo retiro.
  14. 14. A obra de Cristo  A missão de Cristo  A fase ativa do ministério de Cristo serviu de preparação para a fase passiva de sua obra, seu sacrifício vicário na Cruz. Foi seu sofrimento e morte que foi previsto pelos profetas (Is. 53), gerando vitória sobre as forças do mal e libertação do pecado (Gl. 3.10,13) dos que o aceitam e tomam posse de todo o poder espiritual de sua obra na Cruz (Ef. 1.19- 23).  A mensagem de Cristo  Mensagem principal foi o “Reino de Deus” e/ou o “Reino dos Céus”.  Alguns estudiosos separam ambos:  Reino dos Céus (parábolas do joio (Mt. 13.36-43) e da rede (Mt. 13.47s): Reúne homens bons e maus.  Reino de Deus:Apenas para os que se submetem voluntariamente à vontade de Deus.
  15. 15. A obra de Cristo  A mensagem de Cristo – Escatologia dos Reinos  Pré-milenistas: reino dos céus, purgado de judeus incrédulos e gentios, após governo de Cristo por mil anos e da rebelião de Satanás, será fundido com o Reino de Deus, após o juízo final.  Pós-milenismo liberal: Os termos são sinônimos e igualados à igreja, que faz a obra de preparar o caminho para um reino que Cristo receberá quando voltar.Ação social é importante nesse papel.  Pós-milenismo conservador:Termos sinônimos. Igreja formada por pessoas regeneradas causaria um impacto na sociedade que emergiria uma perfeita ordem milenista entre os povos.  Amilenismo:Termos sinônimos, realização final do reino é futura e será consumado de modo sobrenatural e cataclísmico na volta de Cristo. Não aceitam um reino milenar de Cristo nem associam os judeus ao reino de Cristo.
  16. 16. A obra de Cristo  Os milagres de Cristo  Propósito dos milagres era revelar a glória de Deus e mostrar que Cristo era o filho de Deus.  Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele. João 3:2  Racionalistas e empiristas negam os milagres, explicando-os como leis naturais ou mitos.  Significado de Cristo  Atribuição de um novo valor à personalidade humana, por ser potencialmente ou realmente um filho de Deus, através da fé em Cristo.  Humanização da vida, com abolição de barreiras sociais, raciais e sexuais.  Código de conduta ética interior baseado no amor, em vez de em regras externas.
  17. 17. O avanço do cristianismo aos judeus  Testemunho original dos discípulos a Jerusalém, Judeia e Samaria (At. 1.8).  Inauguração da Igreja em Jerusalém com o Pentecoste (At. 2.5-11) e a subsequente pregação de Pedro, gerando pelo menos três mil convertidos. Pouco depois, o número de batizados chegava a cinco mil.  Igreja, desde cedo, atraiu uma variedade de pessoas, incluindo judeus helenistas (At. 6.1) e “muitíssimos sacerdotes” (At. 6.7).  Perseguição do Sinédrio gera prisão de Pedro e João e martírio deTiago e Estêvão.  Relacionamento comunal temporário e voluntário no início da igreja.  Liderança da igreja por três ofícios:Apóstolos, presbíteros e diáconos.  Participação de mulheres no ministério diaconal e em postos de liderança.
  18. 18. O avanço do cristianismo aos judeus  Natureza da pregação dos apóstolos (At 2.14-36) era o enfoque de que Jesus era o Messias sofredor prenunciado pelos profetas doAntigoTestamento. Por ter morrido e ressuscitado, era capaz de trazer a salvação para aqueles que o aceitassem pela fé, pois morrera pelos pecados dos homens. (At. 17.2-3, 1 Co. 15.3-4).  Decisão do Concílio em Jerusalém de que os gentios não eram obrigados a obedecer à lei abriu o caminho para a emancipação espiritual das igrejas gentílicas e alargou seu alcance.  A Igreja de Jerusalém perde importância após a fuga do povo de Jerusalém com a sua conquista por Tito em 69.  Na Palestina, o evangelho é levado por Filipe a Samaria (At. 8.5-25), enquanto se alastra pelas cidades da região. Eventualmente o grande centro cristão se estabelece em Antioquia da Síria, de onde Paulo parte para suas viagens.A cidade se torna o grande centro do Cristianismo entre 44 e 68.
  19. 19. Fontes  Texto base: CAIRNS, Earle E. O Cristianismo através dos séculos:uma história da igreja cristã.3 ed. Trad. Israel Belo deAzevedo eValdemar Kroker. São Paulo:Vida Nova, 2008.  Textos auxiliares:  DREHER, Martin N. Coleção História da Igreja, 4 vols. 4 ed. São Leopoldo: Sinodal, 1996.  GONZALEZ, Justo L. História ilustrada do cristianismo. 10 vols. São Paulo:Vida Nova, 1983

×