Doenças Hidoveiculadas Dra. Clea

2,997 views

Published on

Doenças de Veiculação Hídrica - Dra. Cléa

Published in: Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,997
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
25
Actions
Shares
0
Downloads
74
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Doenças Hidoveiculadas Dra. Clea

  1. 1. Como combater doenças de Veiculação Hídrica Dr.ª Cléa Elisa Lopes Ribeiro
  2. 2. Doenças de Veiculação Hídrica <ul><li>25 mil pessoas morem a cada dia por beber água poluída (OMS) </li></ul><ul><li>80% das doenças nos países pobres estão relacionadas à água </li></ul>
  3. 4. Leptospirose: epidemiologia <ul><li>L.icterohaemorragiae: cosmopolita </li></ul><ul><li>Homem: hospedeiro ocasional e temporário </li></ul><ul><li>Ratos e camundongos: portadores sãos </li></ul><ul><li>Trabalhadores de esgotos, lavradores de plantações de arroz, reciclagem e coleta de lixo,enchentes </li></ul><ul><li>Mais freqüente em homens de 10 -39 anos </li></ul>
  4. 5. Leptospirose: vias de penetração <ul><li>Pele sã umidificada </li></ul><ul><li>Solução de continuidade </li></ul><ul><li>Oral </li></ul><ul><li>Mucosa conjuntival </li></ul>
  5. 6. Leptospirose: prevenção <ul><li>Campanhas educativas </li></ul><ul><li>Controle de roedores (medidas anti-ratização e desratização) </li></ul><ul><li>Uso de equipamento de proteção individual para trabalhadores de risco </li></ul><ul><li>Saneamento </li></ul><ul><li>Medidas concretas que evitem as enchentes </li></ul><ul><li>Imunização e tratamento dos animais doentes (caninos, suínos e bovinos) </li></ul>
  6. 7. Leptopirose: Distrito Sanitário Cajuru <ul><li>Área de freqüentes inundações - Rios Iguaçu, Atuba e Belém </li></ul><ul><li>Invasões e grande população ribeirinha </li></ul><ul><li>Índice pluviométrico: 1500 mm/ano </li></ul><ul><li>Coef. Incidência por 100.000 hab. </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>1997 =36 </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>1998 = 20,7 </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>1999 = 29,5 </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>2000 = 5,2 </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  7. 8. Leptopirose: Distrito Sanitário Cajuru <ul><li>Ações educativas desencadeadas por mais de 150 agentes comunitários </li></ul><ul><li>Dragagem e alargamento do Rio Atuba </li></ul><ul><li>Construção de canal extravasador ao lado do leito do Rio Iguaçu </li></ul><ul><li>Limpeza das principais valetas, córregos e rios da região </li></ul><ul><li>programa de desratização </li></ul><ul><li>ampliação da rede de esgoto </li></ul>
  8. 10. Esquistossomose: epidemiologia <ul><li>No Brasil compromete de 6 a 8% da população </li></ul><ul><li>Aproximadamente 20% da população do nordeste </li></ul><ul><li>Em 1992 registrados 225 mil exames positivos </li></ul><ul><li>Contaminação ocorre por penetração ativa da cercaria através da pele, quando em contato com água infestada </li></ul>
  9. 12. Esquistossomose:Catolândia Bahia <ul><li>Oeste da Bahia, semi-árido, 3.000 hab. </li></ul><ul><li>Em 1976 mais de 90% da população com exame positivo </li></ul><ul><li>Todas as famílias com história de pelo menos um óbito por complicações de esquistossomose </li></ul><ul><li>Em 1987 nenhum caso de óbito e nenhum exame positivo </li></ul>
  10. 16. Esquistossomose:Catolândia, medidas de controle <ul><li>Tratamento coletivo duas vezes ao ano </li></ul><ul><li>Construção de lavanderia coletiva </li></ul><ul><li>Construção de fossas </li></ul><ul><li>Educação em saúde </li></ul><ul><li>Diagnóstico precoce das formas intestinais </li></ul><ul><li>Orientação higiênico-dietéticas </li></ul><ul><li>Melhoria na distribuição de água </li></ul><ul><li>Controle dos caramujos </li></ul>
  11. 18. Dengue <ul><li>Segundo a O.M.S. 1,5 milhão de pessoas vivem em áreas onde há transmissão de dengue. </li></ul><ul><li>Ásia tropical, África oriental e ocidental, Caribe, América Central e do Sul. </li></ul><ul><li>Brasil crescimento significativo na década de 90, atingindo nível mais elevado em 1998 com 560 mil casos, em 2.000 foram 238 mil casos. </li></ul><ul><li>Sorotipo 1 e 2 entrada recente do sorotipo 3. </li></ul><ul><li>Paraná em 2001 até junho 692 casos </li></ul>
  12. 19. Dengue: controle <ul><li>Medidas referentes á erradicação do vetor </li></ul><ul><li>Medidas referentes ao hospedeiro </li></ul><ul><li>Vacina </li></ul>
  13. 20. Cólera <ul><li>1991 introdução da cólera no Peru resultando em explosiva epidemia em outros países da América do Sul; </li></ul><ul><li>Brasil grande explosão 1992-1994 com 149.236 casos, predominando nas regiões norte e nordeste; </li></ul>
  14. 21. Cólera :Paranaguá <ul><li>Surto com início em 16 de maio de 1999 </li></ul><ul><li>Início do monitoramento em 29 de maio de 1999 </li></ul><ul><li>Último caso diagnosticado em 20 de abril de 1999 </li></ul><ul><li>Total de casos 445 casos </li></ul><ul><li>Contaminação por alimentos 71%, banho no mangue 9,5%, ignorado 19% . </li></ul>
  15. 22. Cólera :Paranaguá medidas de controle
  16. 24. Hepatites <ul><li>Dados mundias </li></ul>
  17. 25. Hepatites: Mauá da Serra- Paraná <ul><li>Fevereiro a junho de 2000 ocorreram 64 casos de hepatite A; </li></ul><ul><li>coef. de incidência por 100.000 hab 1.137; </li></ul><ul><li>Faixa etária de maior concentração de 7 a 14 anos; </li></ul><ul><li>Fonte de água: </li></ul><ul><ul><ul><li>rede pública: 78% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>poço: 18% </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>mina: 4% </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>poço: 18% </li></ul></ul><ul><ul><li>mina:4% </li></ul></ul>
  18. 26. Hepatites: Mauá da Serra medidas de controle <ul><li>Melhoria da notificação dos casos(busca ativa); </li></ul><ul><li>Coleta de amostras de água; </li></ul><ul><li>Orientação nas escolas sobre profilaxia da doença com conscientização dos diretores e professores; </li></ul><ul><li>Orientação domiciliar: limpeza de caixa d’água, uso de hipoclorito e fervura dos utensílios domésticos; </li></ul><ul><li>Divulgação sobre a doença pela Rádio Clube Faxinal; </li></ul><ul><li>Tratamento da água da mina e interdição da mesma. </li></ul>
  19. 27. Conclusões

×