Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
TEXTOS ARGUMENTATIVOS<br />O  SERMÃO<br />O DISCURSO POLITICO<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2...
TEXTOS ARGUMENTATIVOS<br />Os textos argumentativos são aqueles que têm por objectivo influenciar, convencer e persuadir o...
O  texto  argumentativo<br />Consiste na  defesa de um raciocínio e/ou de uma opinião controversa;<br /> Visa um destinatá...
Como fazer uma boa argumentação ? <br /><ul><li>  Ter um conhecimento claro e preciso da ideia ou do assunto que se vai de...
  Considerar o público ao qual o texto/discurso se destina, a fim de se seleccionarem os argumentos e as referências de co...
elaborar  um guião com os principais dados e os fundamentos mais relevantes a utilizar.
 organizar os argumentos por ordem de importância  (crescente ou decrescente) e apresentá-los com  clareza e correcção.</l...
Como fazer uma boa argumentação ? <br /><ul><li>evitar ataques pessoais para que a argumentação não seja ofensiva para qua...
antecipar possíveis réplicas do destinatário de forma a preparar respostas ou contra-argumentação convincentes;
evitar falácias, isto é, não tirar conclusões a partir de dados insuficientes nem ignorar propostas ou soluções alternativas;
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Texto Argumentativo Ppt

20,460 views

Published on

Como redigir um texto argumentativo.

  • Be the first to comment

Texto Argumentativo Ppt

  1. 1. TEXTOS ARGUMENTATIVOS<br />O SERMÃO<br />O DISCURSO POLITICO<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  2. 2. TEXTOS ARGUMENTATIVOS<br />Os textos argumentativos são aqueles que têm por objectivo influenciar, convencer e persuadir o destinatário, procurando moldar-lhe o comportamento. O discurso político, o sermão, os textos publicitários são situações de comunicação em que se utiliza o texto argumentativo.<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  3. 3. O texto argumentativo<br />Consiste na defesa de um raciocínio e/ou de uma opinião controversa;<br /> Visa um destinatário bem definido – eleitores, jurados, leitores… - tendo como finalidade prática convencê-lo, persuadi-lo , influenciá-lo;<br />Exige um trabalho cuidado de texto: organização do discurso , selecção de vocabulário, uso de articuladores , entre outros;<br />4. Clarifica e demonstra a veracidade ou falsidade de uma tese, isto é, a aceitabilidade, ou não de uma ideia ou de um ponto de vista<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  4. 4. Como fazer uma boa argumentação ? <br /><ul><li> Ter um conhecimento claro e preciso da ideia ou do assunto que se vai defender, procurando-se a informação e a documentação necessárias;
  5. 5. Considerar o público ao qual o texto/discurso se destina, a fim de se seleccionarem os argumentos e as referências de conteúdo mais eficazes em cada caso concreto.
  6. 6. elaborar um guião com os principais dados e os fundamentos mais relevantes a utilizar.
  7. 7. organizar os argumentos por ordem de importância (crescente ou decrescente) e apresentá-los com clareza e correcção.</li></ul>Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  8. 8. Como fazer uma boa argumentação ? <br /><ul><li>evitar ataques pessoais para que a argumentação não seja ofensiva para qualquer dos interlocutores ;
  9. 9. antecipar possíveis réplicas do destinatário de forma a preparar respostas ou contra-argumentação convincentes;
  10. 10. evitar falácias, isto é, não tirar conclusões a partir de dados insuficientes nem ignorar propostas ou soluções alternativas;
  11. 11. utilizar uma linguagem objectiva, específica e concreta, evitando termos tendenciosos.</li></ul>Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  12. 12. Marcas predominantes do texto argumentativo<br /><ul><li>modo indicativo, associado à actualidade e factualidade dos argumentos;
  13. 13. modo imperativo, procurando influenciar a acção do destinatário;
  14. 14. paralelismos de construção e outros mecanismos de reiteração, retomas anafóricas – pronominalizações, nominalizações, perífrases, relações lexicais de sinonímia, antonímia, hiperonímia/hiponímia, holonímia /meronímia, - reforçando a convicção do locutor;</li></ul>Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  15. 15. <ul><li>articuladores consonantes com a intencionalidade comunicativa (confrontar, reiterar, explicar, ordenar , comparar, demonstrar, exemplificar, concluir (…)
  16. 16. actos ilocutórios assertivos, directivos e declarativos assertivos, que visam provar, demonstrar, convencer, persuadir.</li></ul>Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  17. 17. A estrutura do texto argumentativo<br />O texto argumentativo apresenta-se, normalmente, em três partes:<br />INTRODUÇÃO - Contém a TESE inicial à qual o autor quer fazer aderir o interlocutor. Deve ser apresentada de modo afirmativo, claro e sem ambiguidades;<br /> DESENVOLVIMENTO ou CORPO da argumentação – apresenta os argumentos que apoiam ou refutam a tese inicial. <br />Deve ser organizado em parágrafos, em que cada uma deles deve conter uma ideia central .<br /> Os argumentos devem manter entre si uma ordem e coerência lógicas, correspondendo à construção do raciocínio do locutor.<br /> CONCLUSÃO – reafirma a tese inicial através de uma breve síntese.<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  18. 18. TIPOS DE ARGUMENTOS<br />Entre os argumentos mais usuais, podemos encontrar os seguintes:<br /><ul><li>de AUTORIDADE – incluem as opiniões emitidas por pessoas/entidades de prestígios na matéria a tratar e os textos de normativos legais, entre outros;
  19. 19. UNIVERSAIS – reportam-se a saberes universalmente aceites;
  20. 20. PROVERBIAIS ou de SABEDORIA POPULAR – assentes em valores de verdade aceites por todos, como é, por exemplo, o caso dos provérbios;
  21. 21. por ANALOGIA - argumenta-se a partir de um caso ou exemplo específico, em muitos aspectos semelhantes ao que está em causa;</li></ul>Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />
  22. 22. TIPOS DE ARGUMENTOS<br /><ul><li>de EXPERIÊNCIA – assentes em experiências já vividas pelo próprio ou por outros;
  23. 23. HISTÓRICOS – baseiam-se em exemplos da tradição e da experiência histórica;</li></ul>QUALQUER DESTES TIPOS DE ARGUMENTOS É, FREQUENTEMENTE, SUSTENTADO POR EXEMPLOS.<br />Nélson Ramos - ESJBV em S. Brás de Alportel - Janeiro 2010<br />

×