Dom Casmurro 3ª D - 2011

6,941 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,941
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
90
Actions
Shares
0
Downloads
182
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Dom Casmurro 3ª D - 2011

  1. 1. E.E. Prof.ª Irene Dias Ribeiro<br />Dom Casmurro<br />Autor: Machado de Assis<br />3ªD - 2011<br />Fernanda Cristina de Oliveira Gallante<br />Leandro Fernandes da Silva<br />Marcelo Henrique Barbosa Baptista<br />Vinicius Felipe da Silva Melo<br />
  2. 2. Biografia<br />Joaquim Maria Machado de Assis<br />Nasceu no dia 21/6 de 1839, Morro do Livramento, Rio de Janeiro.<br />Os pais agregados da Viúva do Senador . Irma morreu aos 4 anos de idade.<br />Fica órfão de sua mãe. Seu pai casa-se com outra mulher. E logo depois também perde o pai.<br />Na escola mostra interesse por livros e seus assuntos.<br />
  3. 3. Em 1854, publicou seu primeiro soneto.<br />Faz óperas, porém não agrada a ninguém, sendo ignorado. <br />Foi assistente do diretor do Partido Liberal Império.<br />Casou-se com Carolina Xavier, em 12/12 de 1869.<br />Presidente da ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, com o objetivo de cultuar a literatura brasileira.<br />Sua esposa morre (1904), entra em depressão.<br />Com 69 anos de idade, morre em 1908 dia 29/9, vitima de esclerose cerebral.<br />
  4. 4. Obras Publicadas<br />COMÉDIA:<br />Desencantos (1861); Tu, só tu, puro amor (1881).<br />POESIA:<br />Falenas (1870); Americanas (1875).<br />ROMANCE:<br />Quincas Borba (1891); Dom Casmurro (1899);<br />Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881).<br />CONTO:<br />Contos Fluminenses (1870); Várias histórias (1896).<br />TEATRO:<br />Quase ministro (1863); O caminho da porta (1862).<br />
  5. 5. Resumo<br />
  6. 6. Resumo da Obra<br /> Bentinho, ou Dom Casmurro, apelido dado por um rapaz de seu bairro, decide atar as duas pontas de sua vida . A partir daí, inicia a contar sua história (importante ressaltar que é Bentinho que nos narra sua vida). Morando em Matacavalos com sua mãe Dona Glória (viúva) , José Dias (o agregado), Tio Cosme advogado e viúvo e prima Justina (viúva) , Bentinho teve uma vizinha que conviveu como"irmã-namorada" dele , Capitolina, a Capitu . Seu projeto de vida era claro, sua mãe havia feito uma promessa, em que Bentinho iria para um seminário e tornar-se-ia um padre. Cumprindo a promessa Bentinho vai para o seminário, mas sempre desejando sair, pois se tornando padre não poderia casar com Capitu . José Dias, que sempre foi contra ao namoro dos dois, é quem consegue retirar Bentinho do seminário, convencendo Dona Glória que o jovem deveria ir estudar no exterior, José Dias era fascinado por direito e pelos estudos no exterior. Quando retorna do exterior, Bentinho consegue casar com Capitu e desde os tempos de seminário havia fundamentado uma amizade com Escobar que agora estava casado e sempre foi o amigo íntimo do casal. Nasce o filho de Capitu e Bentinho, Ezequiel. Escobar, o amigo íntimo, falece e durante o seu velório Bentinho percebe que Capitu não chorava, mas aguçava um sentimento fortíssimo. A partir desse momento começa o drama de Bentinho.<br />
  7. 7. Ezequiel um dia vem visitar o pai e conta da morte da mãe. Pouco tempo depois, Ezequiel também morre, mas a única coisa que não morre no romance é Bentinho e sua dúvida .Análise num pequeno comentário :Os olhos oblíquos e dissimulados de Capitu demonstram as duas pontas da história da vida de Bentinho: seu primeiro beijo na amada ocorre mediante a percepção daqueles belíssimos olhos de ressaca e seu drama é, justamente, a percepção no velório dos mesmos olhos de Capitu. A infância coligada com Capitu também contribui para a afirmação de Bentinho,pois ela sempre esteve com o espírito de dissimulação que o deixava abismado nos momentos que ela conseguia enganar o próprio pai , o velho Pádua.Dom Casmurro é um livro complexo e cada leitura origina uma nova interpretação. Segundo Fábio Lucas, prefacionista de uma da sedições de Dom Casmurro: "É a triangulação ideal que traduz a certeza de uma consciência conturbada , a de Bentinho (cujo nome - Bento Santiago – Santo representa Bem e Iago no drama Othello é a consciência perversa, ou seja, afusão entra o bem e o mal), e resulta, para o destinatário de seu discurso mesclado de objetividade e de ressentimento (subjetivismo), numa ambigüidade insolúvel". Ele percebe que o seu filho (?) era a Escobar e ele já havia encontrado, às vezes, Capitu e Escobar sozinhos em sua casa. Embora confiasse no amigo, que era casado e tinha até filha, o desespero de Bentinho é imenso. Vão para Europa e Bentinho depois de um tempo volta para o Brasil . Capitu escreve-lhe cartas, a essa altura, a mãe de Bentinho já havia morrido, assim como José Dias. <br />
  8. 8. Personagens<br />Bento Santiago/Bentinho/Dom Casmurro: é um homem que desde criança demonstrou ser inseguro, frágil e incapaz de tomar decisões sozinho ou enfrentar situações delicadas por si mesmo. Revela-se ainda egoísta, sarcástico e dissimulado em muitos momentos da história. Isso tudo faz de Bentinho um homem ciumento e um narrador em que é difícil confiar.<br />Maria Capitolina/Capitu: desde criança se mostra esperta, sagaz, rápida nas decisões e com a qualidade de dissimular, de se fazer enigmática e surpreender Bentinho com suas idéias bem pensadas. É bela, sedutora e de admirável olhar oblíquo de cigana dissimulada, na opinião de José Dias. Bentinho descreve seu olhar como sendo de ressaca, por se assemelharem com as vagas do mar em dias de agitação. Capitu desperta tanto o fascínio quanto a desconfiança.<br />
  9. 9. Pedro Albuquerque Santiago e D. Glória: pai e mãe de Bentinho.<br />José Dias: É o agregado, que mora com a família de Bentinho desde muito tempo por afeição. É ele quem denuncia o namoro de Bentinho com Capitu. É o homem dos superlativos (“um dever amaríssimo”).<br />Sancha: é a esposa de Escobar (a filha recebe o nome de Capitolina em homenagem aos amigos).<br />
  10. 10. Ezequiel Escobar: é o melhor amigo de Bentinho no seminário, com ele consegue sair e vai se dedicar ao comércio. É com ele que Capitu teria cometido adultério, segundo Bentinho.<br />Tia Justina e Tio Cosme: tios de Bentinho.<br /> Ezequiel Santiago: Filho de Bento e Capitu (em homenagem ao casal de amigos).<br />Pádua:pai de Capitu.<br />Manduca: o amigo leproso.<br />
  11. 11. ENREDO<br />A história se passa no Rio de Janeiro do Segundo Império, e conta a trajetória de Bentinho e Capitu. É um romance psicológico, narrado em primeira pessoa por Bentinho, o que permite manter questões sem elucidação até o final, já que a história conta apenas com a perspectiva subjetiva de Bentinho.<br />O romance Dom Casmurro além de estar entre as grandes obras da Literatura Brasileira, é considerado como a obra-prima de Machado de Assis.<br />
  12. 12. Tempo<br />Cronológico:primeira referência é o ano de 1857, no momento que José Dias sugere a D. Glória a necessidade de apressar a ida de Bentinho para o seminário. Em 1858, Bentinho vai para o seminário. Em 1865, Bentinho e Capitu casam-se. Em 1872, Bentinho e Capitu separam-se. <br />Psicológico:Bentinho, solitário, reconstitui a sua vida como um tempo perdido, narrando à proporção que lembranças surgem.<br />
  13. 13. Espaço<br />O narrador faz-nos acompanhar sua trajetória pelos bairros e ruas do Rio, desde o Engenho Novo, onde escreve sua obra, até a Rua de Matacavalos, onde passou sua infância e conheceu Capitu. <br />“Um dia, há bastantes anos, lembrou-me reproduzir no Engenho Novo a casa em que me criei na antiga Rua de Matacavalos...''<br /> <br />'' Vendeu a fazenda e os escravos, comprou alguns que pôs ao ganho ou alugou, uma dúzia de prédios, certo número de apólices, e deixou-se estar na casa de Matacalos...''<br />
  14. 14. Foco Narrativo<br />O romance é narrado em primeira pessoa, por Bento Santiago, que escreve a história de sua vida. Dessa forma o romance funciona como uma pseudo-biografia de um homem já envelhecido que parece preencher sua solidão atual com a recordação de um passado que nunca se distancia verdadeiramente, porque foi marcado pelo seu sofrimento pessoal.<br />
  15. 15. Estilo<br />Metáfora: <br /> “A vida é uma ópera”<br />Antítese:<br />“... assim também a quantidade das delícias que terão gozado no céu os seus desafetos aumentará as dores aos condenados do inferno.” <br />Eufemismo:<br />“Os amigos que me restam são de data recente; todos os antigos foram estudar a geologia dos campos-santos.” (morreram)<br />
  16. 16. Verossimilhança<br />Os personagens interessam-se pelo atual presente (Capitu preocupa-se a cada dia com a ida de Bentinho ao seminário). Todos os personagens retratam suas reais figuras na sociedade. A razão predomina sobre a emoção, a qual não é capaz de livrar Bentinho e Capitu de todos seus problemas. Retratava exatamente a realidade da época.<br />
  17. 17. Verossimilhança<br />Época de escravidão.<br />“Capitu segredou-me que a escrava desconfiara, e ia talvez contar às outras”.<br />O domínio da igreja sobre a sociedade.<br />“Ser padre é bom e santo”.<br />Os casamentos visavam benefício social.<br />(Capitu era pobre e Bentinho era rico).<br />O adultério comprova a desvalorização do casamento.<br />
  18. 18. Movimento Literário<br />Realismo<br /> O realismo foi um movimento artístico e cultural que se desenvolveu na segunda metade do século XIX. A característica principal deste movimento foi a abordagem de temas sociais e um tratamento objetivo da realidade do ser humano.<br />
  19. 19. Conclusão<br />A obra é considerada a maior representante do movimento literário realista, tendo praticamente todas as características do movimento literário do qual participa. Os problemas sociais citados no livro ainda atingem a sociedade atual, portanto ainda possui muito valor, não apenas devido as características do livro, mas pela forma como Machado escreve, o qual é considerado o maior escritor brasileiro de todos os tempos.<br />
  20. 20. BIBLIOGRAFIA<br /> www.releituras.com/machadodeassis_bio.asp<br /> http://pt.wikipedia.org/wiki/Machado_de_Assis<br /> C:Documents andSettingsVIICIUSMeus documentosDownloadsDom CasmurroDom Casmurro Resumo por Capítulo e Análise (Recanto das Letras).mht<br /> http://pt.wikipedia.org/wiki/Dom_Casmurro<br />

×