Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Versão traduzida de 1.docx
Texto original
Thus the truth of the first part of the statement, You can think that you wish y...
Conteúdo
Prefácio
Prefácio
Capítulo 1. AAbordagem de Utilização Hipnoterapia
1. Preparação
2. Trance Therapeutic
3. Ratifi...
4. Expectativas iniciadas Resolvido Posthypnotically
5. Surpresa Como uma sugestão pós-hipnótica Exercícios
Capítulo 5. A ...
Referências
Prefácio
Fale com a parede para que a porta pode ouvir - Sufi ditado.
Todo mundo sabe que Milton Erickson está...
subjacentes. Ele faz isso mais diretamente através da organização e extraí-los a partir de
material do caso de Erickson. A...
Às vezes, Erickson vai trabalhar com um paciente em um transe leve, em que ele chama
de um transe diário comum, ou não tra...
nesse sentido é ilustrada por eu ter o visitou em 1970, passando de uma sessão de quatro
horas com ele, e deixando com a s...
selecionados para fora das apresentações de caso de nosso primeiro volume. Agora
acreditamos que a abordagem utilização e ...
historiadores da ciência acreditam agora que este padrão cíclico é característica de todos
os ramos da ciência e da arte: ...
paciente durante um período de transe terapêutico, (3)
um reconhecimentocuidadoso, avaliação e ratificação da mudança tera...
pode melhorar a sugestão hipnótica. Estamos de acordo e enfatizam que o trabalho
trance eficaz geralmente é precedido por ...
4. Processo inconsciente
via
A ativação de associações pessoais e mecanismos mentais por todos os acima.
5. Hypnotic Respo...
Existem muitos meios de depotentiating quadros habituais de referência. Qualquer
experiência de choque ou surpresa se fixa...
Na vida cotidiana, há muitas abordagens para a fixação de atenção, depotentiating
associações habituais, e iniciando assim...
fenômenos de transe como uma demonstração de poder, prestígio, influência e controle
(como tem sido utilizado em fase de h...
Em outras palavras, a psicoterapia hipnótica é um processo de aprendizagem para o
paciente, um procedimento de reeducação....
podem freqüentemente desfazer o valor da sugestão hipnótica e abortar o processo
terapêutico que foi iniciada.
Devido a is...
Alguns pesquisadores selecionou alguns desses fenômenos espontâneos como
características definidoras da natureza fundament...
testemunhá-los (por exemplo, com os olhos fechados ou evitado quando um dedo ou
sinal de mão é dado). É muito difícil, no ...
A abordagem de utilização e as formas indiretas de sugestão são os dois principais
meios de facilitar estas dinâmicas glob...
inconscientes por falar demais e distraindo assim a pessoa. Quanto melhor
simplesmente permanecer em silêncio a si mesmo e...
fechá-lo se eu tiver a capacidade física para fazê-lo, e se eu concordo que é uma boa
sugestão. Se a mente consciente tinh...
sugestão são mais úteis para explorar as potencialidades e facilitando tendências
resposta natural de um paciente em vez d...
terapeuta está fazendo essa conversa interessante, mas aparentemente não relevantes
durante a hora de terapia. Se o comum,...
Muitas ilustrações claras desse processo de intercalando sugestão ideodinâmica indireta
será encontrado nos casos deste li...
A maioria de nós tentar evitar pensamentos e memórias que trazem lágrimas, mas
eles freqüentemente lidar com as coisas mai...
Você não sabe exatamente quando essas pálpebras irá fechar tudo por si.
Você pode não saber exatamente qual mão vai levant...
7.Abrangendo todas as possibilidades de uma classe de
respostas
Enquanto sugestões de duração indeterminada permitir a mai...
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Ancasebook
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ancasebook

73 views

Published on

hipnose

Published in: Education
  • Be the first to comment

Ancasebook

  1. 1. Versão traduzida de 1.docx Texto original Thus the truth of the first part of the statement, You can think that you wish you knew opened a yes or acceptance set for the critical suggestion that follows, but you don't know. Sugira uma tradução melhor Hipnoterapia Um Casebook Exploratório por Milton H. Erickson e Ernest L. Rossi Com um prefácio de Sidney Rosen IRVINGTON EDITORIAIS, Inc., New York Halsted Imprensa Divisão de John Wiley Sons, Inc. Nova Iorque Londres Toronto Sydney O material com direitos autorais seguinte é reproduzido com autorização: Erickson, MH Quanto a natureza eo caráter do comportamento pós-hipnótica. Journal of General Psychology, 1941, 24, 95-133 (com EM Erickson). Copyright © 1941. Erickson, MH Hypnotic psicoterapia. Clínicas Médicas da América do Norte, Novo Número York, 1948, 571-584. Copyright © 1948. Erickson, MH técnicas naturalistas de hipnose. American Journal of Clinical Hypnosis, 1958, 1, 3-8. Copyright © 1958. Erickson, MH Outras técnicas clínicas da hipnose: técnicas de utilização de American Journal of Clinical Hypnosis, 1959, 2, 3-21.. Copyright © 1959. Erickson, MH Uma introdução ao estudo e aplicação de hipnose para o controle da dor. Em J. Lassner (Ed.), Hipnose e Medicina Psicossomática: Anais do Congresso Internacional de Hipnose e Medicina Psicossomática. Springer Verlag, 1967. Reproduzido em Inglês e Francês no Jornal do Colégio de Clínica Geral do Canadá de 1967, e em francês em Cahiers d 'anesthesiologie de 1966, 14, 189- 202. Copyright © 1966, 1967. Copyright © 1979 por Ernest L. Rossi, PhD Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida em qualquer forma que seja, incluindo o armazenamento de informações ou de recuperação, no todo ou em parte (exceto para breves citações em artigos ou críticas), sem permissão por escrito do editor. Para mais informações, escreva para Irvington Publishers, Inc., 551 Fifth Avenue, New York, New York 10017. Distribuído por HALSTED PRESS A divisão de John Wiley Sons, Inc., New York Internacionais de Catalogação na publicação de dados Erickson, Milton H. Hipnoterapia, um livro de casos exploratória. Inclui referências bibliográficas. 1. Hipnotismo - Uso terapêutico. I. Rossi, Ernest Lawrence, co-autor. II. Título. RC495.E719 615,8512 78-23839 ISBN 0-470-26595-7 Impresso nos Estados Unidos da América
  2. 2. Conteúdo Prefácio Prefácio Capítulo 1. AAbordagem de Utilização Hipnoterapia 1. Preparação 2. Trance Therapeutic 3. Ratificação terapêuticas Exercícios Mudança Resumo Capítulo 2. As formas indiretas de sugestão 1. Sugestão Direta e Indireta 2. AAbordagem interspersal a) Associativa indireta Focando b) Indireta ideodinâmica Focando 3. Obviedades Utilizando Processos ideodinâmica a) Processos ideomotora b) Processos Ideosensory c) Processos Ideoaffective d) Processos Ideocognitive 4. Obviedades Tempo Utilizando 5. Não sabendo, sem fazer 6. Sugestões em aberto 7. Abrangendo todas as possibilidades de uma classe de respostas 8. Perguntas que Facilitam novas possibilidades de resposta a) Perguntas ao Associações Foco b) Questões em Trance Indução c) Questões Facilitar Resposta Terapêutica 9. Composto Sugestões a) O Sim Set e Reforço b) Sugestões Contingentes e associativas Networks c) aposição de opostos d) O Negativo e) Choque, Surpresa, e Creative Moments 10. Implicação ea Directiva implícita a) A directiva Implícita 11. Vinculado e Double Vinculado a) Vincula Modelado em Evitar a evasão ea abordagem de abordar os conflitos b) O Double Bind Consciente-Inconsciente c) A dissociação dupla Double Bind 12. Vários níveis de significado e Comunicação: A Evolução da Consciência em piadas, trocadilhos, metáforas, símbolos e Exercícios Capítulo 3. AAbordagem Utilização: Trance Indução e Sugestão 1. Aceitar e Utilizando Comportamento Manifesto do Paciente 2. Utilizando Situações de Emergência 3. Utilizando realidades internas do paciente 4. Utilizando Resistências do paciente 5. Utilizando negativa do paciente afeta e Confusão 6. Utilizando Sintomas Exercícios do paciente Capítulo 4. Sugestão pós-hipnótica 1. Associando sugestão pós-hipnótica com Comportamental inevitabilidades 2. Sugestão pós-hipnótica Serial 3. Inconsciente Condicionado sugestão pós-hipnótica como
  3. 3. 4. Expectativas iniciadas Resolvido Posthypnotically 5. Surpresa Como uma sugestão pós-hipnótica Exercícios Capítulo 5. A alteração sensório-perceptuais Funcionamento: O Problema da Dor e Conforto . Caso 1 conversação Abordagem à Alteração Funcionamento Sensório-Perceptual: Phantom Limb dor e zumbido . Caso 2 choque e surpresa pela alteração sensório-perceptuais Funcionamento: intratável dor nas costas Caso 3. Mudando Quadros de Referência para Anestesia e Analgesia Caso 4. Utilizando própria personalidade e habilidades do paciente para alívio da dor Selecionados Casos mais curtos: Exercícios para Análise Capítulo 6. Sintoma resolução Caso 5. Uma abordagem geral sobre comportamento sintomático Sessão Um: Part One. Preparação e Initial Trabalho Trance Parte II. Trance Terapêutico como Intense Trabalho Interior Parte III. Avaliação e Ratificação da mudança terapêutica Sessão Dois: Introspecção e Lidar com os Problemas Relacionados Caso 6. Demonstrando Psychosomatic asma com choque para facilitar a resolução dos sintomas e Discernimento Resolução Caso 7 Sintoma com Catharsis Facilitar Personalidade Maturação:. Uma abordagem autoritária . Caso 8 Disfunção Sexual: Formação de sonambulismo em uma abordagem rápida hypnotherapeutic Part One. Facilitar comportamento sonâmbulo Parte II. Uma abordagem rápida hypnotherapeutic Utilizando. Simbolismo terapêutica com mão Levitação Caso 9. Anorexia Nervosa Selecionado Casos mais curtos. Exercícios de Análise Capítulo 7. Revivication Memória Caso 10. Resolver uma experiência traumática Part One. Formação de sonambulismo, Autohipnose e Hypnotic Anestesia Parte II. Reorganizando Experiência de vida traumáticos e Memória Revivication Capítulo 8. Coping Emocional Caso 11. Resolvendo Afeto e Fobia com novos quadros de referência Part One. Deslocando um fóbico Sintoma Parte II. Resolvendo um trauma precoce-Life na fonte de uma Fobia Parte III. Facilitar a aprendizagem: desenvolvimento de novos quadros de referência Selecionados Casos mais curtos: Exercícios para Análise Capítulo 9. Facilitar Potenciais: Transforming Identidade Caso 12 Utilizando Trance espontânea:. Uma Exploração Integrando a Esquerda ea Direita Atividade Hemisférica Sessão 1: Trance espontânea e sua utilização: Cura Symbolic Sessão 2: Part One. Facilitar a auto-exploração Parte II. Manuscrito automática e dissociação . Processo 13 Hipnoterapia em Organic Spinal Cord Danos: Nova Identidade Resolvendo suicida Depressão Caso 14. Choque psicológico e Surpresa para transformar Identidade Caso 15. Experiencial Vida revisão na transformação da identidade Capítulo 10. Criação de Identidade: Beyond Teoria da Utilização? Caso 16. The Man fevereiro
  4. 4. Referências Prefácio Fale com a parede para que a porta pode ouvir - Sufi ditado. Todo mundo sabe que Milton Erickson está ciente de que ele raramente faz nada sem um propósito. Na verdade, seu objetivo direcionamento pode ser a característica mais importante de sua vida e obra. Por que é, então, que antes de escrever Realidades hipnóticas com Ernest Rossi (Irvington, 1976) que ele tinha evitado apresentando seu trabalho em forma de livro? Por que ele escolheu Ernest Rossi ao co-autor desse livro eo atual? E, finalmente, eu não podia ajudar, mas pergunto, por que ele me pede para escrever este prefácio? Erickson foi, afinal, publicada quase 150 artigos ao longo de um período de cinquenta anos, mas apenas dois livros relativamente menores -Tempo de Distorção em hipnose, escrito em 1954, com LS Cooper, e as aplicações práticas da Medical and Dental Hypnosis, em 1961, com S . Hershman, MD e II Sector, DDS. É fácil compreender que, em seus setenta anos, ele pode muito bem estar ansioso para deixar um legado, uma soma definitiva para cima, uma última oportunidade para que outros possam realmente entender e talvez imitá-lo. Rossi é uma excelente escolha como um co-autor. Ele é um médico experiente que tem treinado com muitos gigantes em psiquiatria - Franz Alexander, entre outros. Ele é um analista de formação junguiana. Ele é um autor prolífico e tem dedicado a maior parte de seu tempo ao longo dos últimos seis anos para meticulosa observação, registro e discussão do trabalho de Erickson. Mais uma vez, Por que eu? Eu também sou um analista de treinamento, mas com um grupo diferente - o Instituto Americano de Psicanálise (Karen Horney). Tenho sido um psiquiatra por quase trinta anos. Por quase 15 anos eu também fiz uma grande quantidade de trabalho com pacientes com deficiência. Tenho estado envolvido com a hipnose há mais de 35 anos, desde que eu ouvi pela primeira vez sobre Milton Erickson, que vivia então em Eloise, Michigan. Tanto Rossi e tenho fundos gerais, mas diferentes, clínicas e teóricas. Nenhum de nós tem trabalhado principalmente com a hipnose. Portanto, nenhum de nós tem interesse em promover algumas teorias hipnóticos do nosso próprio. Estamos genuinamente dedicada ao objetivo de apresentar teorias e idéias de Erickson, não só para os praticantes da hipnose, mas para a comunidade de psicoterapeutas e psicanalistas que tinham pouca familiaridade com a hipnose. Para este fim, Rossi assume a postura de um aluno bastante ingênuo agindo em nome do resto de nós. Margaret Mead, que também conta-se como um de seus alunos, escreve sobre a originalidade de Milton Erickson, na edição do American Journal of Clinical Hypnosis dedicada a ele em seu septuagésimo quinto aniversário (Mead, M. A originalidade de Milton Erickson, AJCH, vol. 20, No. 1, julho de 1977, pp 4-5). Ela comenta que ela tem se interessado em sua originalidade, desde que ela o conheceu pela primeira vez no verão de 1940, expandindo-se sobre esta ideia, afirmando: Ele pode ser firmemente disse que Milton Erickson nunca resolveu um problema de um modo antigo, se ele pode pensar em uma nova maneira - e ele geralmente consegue. Ela sente-se, no entanto, que a sua insaciável, originalidade queima foi uma barreira para a transmissão de muito do que ele conhecia e que os alunos perguntando se tornaria confuso com a qualidade extraordinária e inesperada de cada demonstração diferente, perdido entre a tentar imitar o, resposta idiossincrática intrincada e os princípios subjacentes que ele foi esclarecedor. Em Realidades hipnóticas e neste livro, Ernest Rossi leva alguns grandes passos no sentido de elucidar esses princípios
  5. 5. subjacentes. Ele faz isso mais diretamente através da organização e extraí-los a partir de material do caso de Erickson. Ainda mais útil, porém, ele incentiva Erickson para soletrar alguns desses princípios. Os alunos que estudam este volume com cuidado, como eu fiz, vai descobrir que os autores fizeram o melhor trabalho até o momento para esclarecer as idéias de Erickson sobre a natureza da hipnose e terapia hipnótica, em técnicas de indução hipnótica, sobre as formas de induzir a mudança terapêutica, e de validar esta mudança. No processo, eles também revelaram uma grande quantidade de dados úteis sobre a filosofia de vida e terapia de Erickson. Muitos terapeutas, tanto psicanalítica e outros, vai encontrar suas abordagens compatíveis com o seu próprio e distantes de seus preconceitos sobre a hipnose. Como os autores apontam, hipnose não muda a pessoa nem altera vida experiencial passado.Ele serve para autorizá-lo a aprender mais sobre si mesmo e de se expressar de forma mais adequada. . . . Transe terapêutico ajuda as pessoas lado a passo suas próprias limitações aprendidas, para que possam explorar mais plenamente e utilizar seus potenciais. Aqueles que lêem oferta generosa de Erickson de histórias de casos fascinantes e, em seguida, tentar imitá-lo, sem dúvida, encontrar que não alcançar os resultados que são de todo comparáveis com os dele. Eles podem, em seguida, dar-se, decidindo que a abordagem de Erickson é aquele que é único para ele. Podem notar que Erickson tem várias desvantagens que sempre colocá-lo para além de outros, e isso pode certamente permitir que ele tem uma maneira única de ver e responder. Ele nasceu com a cor visão deficiente, tom surdez, dislexia, e sem um senso de ritmo. Ele sofreu dois ataques graves de poliomielite paralisante. Ele foi de cadeira de rodas por muitos anos a partir dos efeitos do dano neurológico, suplementado por artrite e miosite. Alguns não vão se contentar com a racionalização que Erickson é um gênio terapêutico ou inimitável. E eles vão descobrir que com a ajuda dos clarificadores e facilitadores, como Ernest Rossi, há muito na sua forma de trabalhar que pode ser aprendida, ensinada e utilizada por outras pessoas. Erickson se aconselhou, em Realidades Hypnotic (página 258), ao trabalhar em um problema de dificuldade, você tenta fazer um projeto interessante no manuseio do mesmo. Dessa forma você terá uma resposta para o problema difícil. Torne-se interessado no projeto e não percebem o trabalho extenuante. Ao lidar com o difícil problema de análise e abordagens de ensino de Erickson, projetos de Rossi pode ser mais útil. Se cada leitor irá optar por aceitar a sugestão de Rossi que praticar os exercícios recomendados neste livro, é uma questão individual, na minha experiência, que tenha valido a pena para a prática de alguns deles. Na verdade, deliberadamente e planfully aplicação de algumas das abordagens de Erickson como sublinhado por Rossi, eu descobri que eu tenho sido capaz de ajudar os pacientes a experimentar estados mais profundos de transe e ser mais aberto à mudança como uma conseqüência evidente disso. Eu achei que a criação de duplos vínculos terapêuticos, dando sugestões pós- hipnóticas indiretas, usando perguntas para facilitar a capacidade de resposta terapêutica, e construir sugestões compostos têm sido particularmente útil. Erickson e Rossi ênfase repetida em que eles chamam de a abordagem utilização é certamente justificada. Neste livro, eles dão muitos vivas e úteis exemplos de aceitar e utilizando manifesto comportamento do paciente, utilizando realidades internas do paciente, utilizando as resistências do paciente, e utilizando negativo do paciente afectam e sintomas. Uso criativo de Erickson de piadas, trocadilhos, metáforas e símbolos tem sido analisado por outros, nomeadamente Haley e Bandler e Grinder, mas os exemplos e discussão neste livro acrescentar muito ao nosso entendimento.
  6. 6. Às vezes, Erickson vai trabalhar com um paciente em um transe leve, em que ele chama de um transe diário comum, ou não transe em tudo. Ele não se limita ao tratamento de curto prazo. Isto é ilustrado em seu trabalho árduo ao longo de um período de nove meses com Pietro, o flautista com o lábio inchado, descrito em um dos caso dramático descreve neste livro. Sua experiência, no entanto, no trabalho com pacientes nos transes mais profundos, muitas vezes com amnésia para o trabalho terapêutico, tem sempre os observadores interessados. A questão de haver ou não induzir transes mais profundos, e dar orientações ou sugestões indiretamente ao invés de diretamente, leva a resultados clínicos mais profundos ou duradouros é um researchable. Ele certamente tem sido minha experiência que, se alguém não acredita, ou valor, transes mais profundos e não se esforçam para eles, não é susceptível de vê-los com muita freqüência. Minha experiência tem sido também que a realização de transes mais profundos, incluindo muitas vezes fenômenos como a dissociação, distorção de tempo, amnésia, e regressão de idade, nãolevar a mudanças mais rápidas e, aparentemente, mais profundas em sintomas e atitudes dos pacientes. Erickson enfatiza o valor de ajudar os pacientes a trabalhar no modo do que ele chamaria o inconsciente. Ele valoriza a sabedoria do inconsciente. Na verdade, muitas vezes ele vai para grandes comprimentos para manter o trabalho terapêutico de ser examinada e potencialmente destruídos pela mente consciente do paciente e por conjuntos aprendidas e limitados do paciente. Seus métodos de se fazer isso são mais explicitamente descrito neste livro do que em quaisquer outros escritos disponíveis até o momento. É verdade que ele tende a não distinguir entre indução de transe ou técnicas de hipnose e técnicas ou manobras terapêuticas. Ele sente que é uma perda de tempo para o terapeuta utilizar, frases repetitivas sem sentido na indução do transe como este tempo pode ser mais útil empregada injetar sugestões terapêuticas ou na preparação do paciente para a mudança. Como Rossi apontou, tanto a terapia e trance, indução envolvem, nos estágios iniciais, uma depotentiation de conjuntos mentais habituais e limitados do paciente. Erickson nunca se contenta com apenas induzir um transe, mas está sempre preocupado com algum papel terapêutico. Ele ressalta a eficácia limitada da sugestão direta, embora seja certamente cientes de que técnicas de hipnose, usando sugestão direta, freqüentemente aumentar a eficácia das abordagens de modificação de comportamento, tais como dessensibilização e reciclagem cognitiva.Ele observa que a sugestão direta. . . não evocar a re-associação e reorganização de idéias, entendimentos e lembranças tão essenciais para uma cura real. . . Resultados efetivos na psicoterapia hipnótica. . . derivar apenas das atividades do paciente. O terapeuta apenas estimula o paciente em atividade, muitas vezes sem saber o que a atividade pode ser. E então, ele orienta o paciente e exerce o julgamento clínico para determinar a quantidade de trabalho a ser feito para alcançar os resultados desejados (Erickson, 1948). A partir desta observação, e da leitura das histórias de casos neste volume e em outras publicações, deve ser evidente que as demandas Erickson e evoca muito menos o cumprimento doutrinária do que a maioria dos terapeutas. É óbvio que o julgamento clínico só vem como resultado de muitos anos de estudo intensivo da dinâmica, patologia e saúde, e de realmente trabalhar com os pacientes. A decisão do terapeuta também será influenciada pela sua própria filosofia e objetivos na vida. Própria filosofia de Erickson se manifesta por sua ênfase em conceitos como crescimento e prazer e alegria. Para isso, ele acrescenta: A vida não é algo que você pode dar uma resposta até hoje. Você deve apreciar o processo de espera, o processo de se tornar o que você é. Não há nada mais delicioso do que o plantio de sementes de flores e não saber que tipos de flores vão vir para cima. A minha própria experiência
  7. 7. nesse sentido é ilustrada por eu ter o visitou em 1970, passando de uma sessão de quatro horas com ele, e deixando com a sensação de que eu tinha passado este tempo principalmente em ouvir histórias sobre sua família e pacientes. Eu não vê-lo novamente até o verão de 1977. Em seguida, às 5:00 da manhã em um motel Phoenix, enquanto eu estava revendo algumas fitas de Erickson no trabalho, alguns insights muito importantes tornou-se vividamente evidente para mim.Eles foram, obviamente, relacionada com o trabalho iniciado durante a nossa sessão, em 1970, e para a auto análise que eu tinha feito no intervalo de sete anos. Mais tarde, naquela manhã, quando eu animadamente mencionado esses insights para Erickson, ele, geralmente, simplesmente sorriu e não tentou elaborar sobre eles de qualquer maneira. Quando lemos alguns dos escritos sobre outras formas de terapia, como a terapia de família ou terapia Gestalt, estamos impressionados com o quanto eles foram influenciados por Erickson. Isso não é por acaso que muitos dos primeiros terapeutas nessas escolas começou a trabalhar com a hipnose ou até mesmo com o próprio Erickson. Espero que Rossi irá traçar algumas dessas influências em seus futuros escritos. Aludi a alguns deles no meu artigo, as experiências recentes com Gestalt Encounter e técnicas hipnóticas (Rosen, S. Am J. Psicanálise, vol. 32, No. 1, 1972, pp 90-105). Em conjunto com Erickson e primeiro volume Realidades Hypnotic da Rossi, Hipnoterapia: An Exploratory Casebook deve servir como uma base sólida para os cursos de terapia ou hipnose Ericksoniana Ericksoniana. Estes cursos podem ser complementados por outros livros, incluindo aqueles escritos por J. Haley e por Bandler e Grinder. Além disso, estamos agora a sorte de ter disponível uma bibliografia dos 147 artigos escritos por Erickson si mesmo (ver Gravitz, MA e Gravitz, RF, bibliografia completa 1929-1977,'' American Journal of Clinical Hypnosis,1977, 20, 84 - 94). Rossi disse-me que no trabalho com Erickson, ele sempre foi impressionado com o fato de que Erickson parece ser atheoretical. Tenho observado que isso se aplica a abertura de Erickson, mas certamente não a sua ênfase no crescimento ou suas visões humanistas ou de orientação social. Rossi e outros estão constantemente redescobrindo o fato de que Erickson sempre trabalha no sentido de objetivos - aqueles de seus pacientes ", não a sua própria. Isso pode não parecer ser uma idéia tão revolucionária hoje, quando se é a intenção declarada de quase todos os terapeutas, mas talvez muitos de nós estamos limitados em nossa capacidade para realizar este intento. É significativo que tanto a intenção ea prática são coordenados e realizados no trabalho deste homem que é, provavelmente, o mestre do mundo em hipnose clínica mais sucesso, e ainda assim a hipnose ainda é associada por quase todos com a manipulação e sugestão - um paradoxo Ericksoniana típico. O mestre manipulador permite e estimula a maior liberdade! Sidney Rosen, MD Nova Iorque Prefácio O presente trabalho é o segundo de uma série de volumes pelos autores, que começou com a publicação de Realidades Hypnotic (Irvington, 1976). Como esse primeiro volume, o presente trabalho é, essencialmente, o registro dos esforços do autor sênior para treinar o autor júnior na área de hipnoterapia clínica. Como tal, o presente trabalho não é de natureza acadêmica ou erudita, mas sim um estudo prático de algumas das atitudes, orientações e competências exigidas do hipnoterapeuta moderna. No primeiro capítulo, destacamos a abordagem utilização de hipnoterapia como a orientação básica para o nosso trabalho. No segundo ensaio capítulo, uma apresentação mais sistemática das formas indiretas de sugestão, que foram originalmente
  8. 8. selecionados para fora das apresentações de caso de nosso primeiro volume. Agora acreditamos que a abordagem utilização e as formas indiretas de sugestão são a essência das inovações terapêuticas do autor sênior ao longo dos últimos 50 anos e são responsáveis por grande parte de sua habilidade única como um hipnoterapeuta. No Capítulo Três ilustramos como a abordagem de utilização e as formas indiretas de sugestão pode ser integrado para facilitar a indução de transe terapêutico de uma forma que orienta simultaneamente o paciente para a mudança terapêutica. No nosso quarto capítulo ilustram as abordagens para a sugestão pós-hipnótica de que o autor tem encontrado mais eficaz na prática clínica do dia-a-dia. Estes quatro primeiros capítulos descrevem alguns dos princípios básicos da abordagem do autor sênior. Esperamos que esta apresentação irá fornecer outros clínicos com uma perspectiva ampla e prática do trabalho do autor sênior e servir como fonte de hipóteses sobre a natureza do transe terapêutico que será testada com estudos experimentais mais controladas pelos pesquisadores. No final de cada um destes quatro primeiros capítulos, sugeriram uma série de exercícios para facilitar a aprendizagem da orientação, atitudes e habilidades necessárias de quem quer colocar algum deste material em prática. A simples leitura e compreensão do material não é suficiente.Um extenso esforço para adquirir novos hábitos de observação e interação interpessoal são necessários. Todos os exercícios sugeridos têm sido postas em prática, como temos procurado aprimorar nossas próprias habilidades e ensinar os outros. Cada um dos restantes seis capítulos apresenta estudos de caso que ilustram e explorar ainda mais o trabalho clínico do autor sênior com os pacientes. Seis desses casos (casos 1,5,8,10,11 e 12) são os principais estudos como aqueles em nosso primeiro volume, Realidades hipnóticas, onde transcrevemos gravações de palavras e padrões de interação com pacientes reais do autor sênior. O aparelho de controlo para estes estudos foi fornecido por uma bolsa de investigação da Sociedade Americana de Hipnose Clínica - Educação e Fundação de Pesquisa.Em nossos comentários sobre estas sessões que apresentamos nossa compreensão atual sobre a dinâmica do processo de hypnotherapeutic e discutiu uma série de questões, tais como a facilitação do processo criativo e as funções dos hemisférios esquerdo e direito. A maioria dos outros casos menores foram retirados de arquivo do autor sênior de registros inéditos de seu trabalho em consultório particular, alguns deles de longo pastas fechadas contendo páginas amareladas mais de um quarto de um século de idade. Esses casos foram todos revisados e re-editado com comentários frescas e fornecer uma perspectiva adequada sobre a criatividade espontânea e ousadia necessária do hipnoterapeuta na prática clínica. Além disso, temos desnatado através de muitas gravações de palestras e oficinas do autor sênior nas reuniões da Sociedade Americana de Hipnose Clínica. Algumas delas já foram digitados e parcialmente editado por Florence Afiado, Ph.D., e outros membros da sociedade. A maioria destes aparecem na rubrica Casos mais curtos selecionados: Exercícios para análise. Muitos deles têm sido repetidos e publicado tantas vezes (Haley, 1973) que aparecem anedótico, como parte do folclore da hipnose na metade do século passado. Eles podem servir como exercícios maravilhosos para análise, no entanto. No final de cada um destes casos temos colocado em itálico alguns dos princípios que sentem foram envolvidos. O leitor pode desfrutar de encontrar outros. É nossa impressão de que a prática clínica de hipnoterapia está saindo de um período de relativa quietude em um momento emocionante de novas descobertas e possibilidades fascinantes. Aqueles que conhecem a história da hipnose já estão familiarizados com o padrão cíclico de excitação e quietude que é tão característico do campo. Alguns
  9. 9. historiadores da ciência acreditam agora que este padrão cíclico é característica de todos os ramos da ciência e da arte: A emoção vem com períodos de nova descoberta, a quietude vem como estes são assimilados. Como o autor júnior gradualmente colocar este volume juntos, ele com frequência tinha um sentido subjetivo da nova descoberta. Mas era novo só para ele, ou seria nova para os outros também? Devemos confiar em você, nosso leitor, a fazer uma avaliação independente da questão e, talvez, levar o trabalho um pouco mais longe. Milton H. Erickson, MD Ernest L. Rossi, Ph.D. Agradecimentos Este trabalho pode ser reconhecido como um esforço verdadeiramente comunidade, com muitos mais indivíduos que contribuem para ele do que podemos reconhecer pelo nome. A primeira delas são os nossos pacientes, que freqüentemente reconhecidos e colaboraram com a natureza exploratória do nosso trabalho com eles. Sua criatividade espontânea é verdadeiramente a base de todo trabalho terapêutico inovador: Nós simplesmente relatar o que aprendeu a fazer com a esperança de que o seu sucesso pode ser um guia útil para os outros. Muitos dos professores e participantes dos seminários e workshops da Sociedade Americana de Hipnose Clínica forneceram uma série contínua de idéias, ilustrações e comentários que têm encontrado o seu caminho para este trabalho. Proeminente entre estes são Leo Alexander, Ester Bartlett, Franz Baumann, Neil D. Capua, David Cheek, Sheldon Cohen, Dia Jerry, TEA Von Dedenroth, Roxanne e Christie Erickson, Fredericka Freytag, Melvin Gravitz, Frederick Hanley, H. Clagett Harding, Maurice McDowell, Susan Mirow, Marion Moore, Robert Pearson, Bertha Rodger, Florence Afiado, Kay Thompson, Paul Van Dyke, M. Erik Wright. Para Robert Pearson devemos um agradecimento especial por ter sugeriu pela primeira vez o formato básico deste trabalho, pelo seu incentivo contínuo durante sua gestação, e por sua leitura crítica do nosso projecto final. Ruth Ingham e Margaret Ryan contribuíram habilidades de edição significativos que permitiram finalmente o nosso trabalho para alcançar a imprensa. Por fim, gostaríamos de agradecer as seguintes editoras que generosamente permitiram a reedição de cinco dos papéis neste volume: Sociedade Americana de Hipnose Clínica, Jornal Imprensa, WB Saunders Company, e Springer Verlag. CAPÍTULO 1 AAbordagem de Utilização Hipnoterapia Vemos hipnoterapia como um processo em que ajudamos as pessoas a utilizar as suas próprias associações mentais, memórias e potencial de vida para alcançar seus próprios objetivos terapêuticos. Sugestão hipnótica pode facilitar a utilização de habilidades e potenciais que já existem dentro de uma pessoa, mas que permanecem não utilizados ou subdesenvolvido por causa de uma falta de formação ou compreensão. O hipnoterapeuta explora cuidadosamente a individualidade do paciente para verificar o que aprendizados de vida, experiências e habilidades mentais estão disponíveis para lidar com o problema. O terapeuta, então facilita uma abordagem para a experiência de transe em que o paciente pode utilizar estas respostas internas exclusivamente pessoais para alcançar os objetivos terapêuticos. A nossa abordagem pode ser vista como um processo em três fases: (1) um período de preparação, durante o qual o terapeuta explora a pacientes repertório de experiências de vida e facilita quadros construtivas de referência para orientar o paciente para a mudança terapêutica, (2) uma ativação e utilização dos próprios habilidades mentais do
  10. 10. paciente durante um período de transe terapêutico, (3) um reconhecimentocuidadoso, avaliação e ratificação da mudança terapêutica que ocorre. Neste primeiro capítulo vamos apresentar alguns dos fatores que contribuem para a experiência bem sucedida de cada uma dessas três fases. Nos capítulos que se seguem vamos ilustrar e discuti-los com mais detalhes. 1.Preparação A fase inicial do trabalho hypnotherapeutic consiste de um período de observação cuidadosa e preparação. Inicialmente, o fator mais importante em qualquer entrevista terapêutica é de estabelecer um relacionamento de som - ou seja, um sentimento positivo de compreensão e respeito mútuo entre terapeuta e paciente. Através deste relacionamento terapeuta e paciente, juntos, criar um novo quadro terapêutico de referência que servirá como meio de crescimento em que as respostas terapêuticas dos pacientes irão desenvolver. O relacionamento é o meio pelo qual o terapeuta eo paciente prendem a atenção uns dos outros. Ambos desenvolver um conjunto sim, ou a aceitação do outro. O terapeuta, presumivelmente, tem uma capacidade bem desenvolvida para observar e relacionar, o paciente é aprender a observar e alcançar um estado deatenção resposta, esse estado de extrema atenção na resposta às nuances de comunicação apresentados pelo terapeuta. Na entrevista inicial o terapeuta reúne os fatos relevantes sobre os problemas do paciente e do repertório de vivências e aprendizados que serão utilizados para fins terapêuticos. Pacientes têm problemas por causa das limitações aprendidas. Eles são capturados em conjuntos mentais, quadros de referência, e os sistemas de crenças que não permitem-lhes explorar e utilizar suas próprias habilidades para melhor proveito. Os seres humanos ainda estão em processo de aprender a usar suas potencialidades. A transação terapêutica idealmente cria um novo mundo fenomenal em que os pacientes podem explorar suas potencialidades, libertos, até certo ponto de suas limitações aprendidas.Como veremos adiante, trance terapêutico é um período durante o qual os pacientes são capazes de sair dos seus quadros limitados e sistemas de crenças para que possam experimentar outros padrões de funcionamento dentro de si. Estes outros padrões são geralmente potenciais de resposta que foram aprendido com a experiência de vida anterior, mas, por um motivo ou outro, continuam indisponíveis para o paciente. O terapeuta pode explorar as histórias dos pacientes pessoais, caráter e dinâmica emocional, seu campo de trabalho, interesses, hobbies, e assim por diante para avaliar a gama de experiências de vida e capacidades de resposta que podem estar disponíveis para alcançar os objetivos terapêuticos. A maioria dos casos neste livro irá ilustrar este processo. Como o terapeuta explora o mundo do paciente e facilita o rapport, é quase inevitável que os novos quadros de sistemas de referência e de crença são criados. Isso geralmente acontece quando as pessoas se encontram e interagem de perto. Em hipnoterapia esta abertura espontânea e deslocamento de estruturas mentais e sistemas de crenças é cuidadosamente estudado, facilitada, e utilizado. O terapeuta está em um processo constante de avaliar quais as limitações na fonte do problema do paciente e que novos horizontes podem ser abertos para ajudar o paciente a superar essas limitações. Na fase preparatória do trabalho hypnotherapeutic estruturas mentais são facilitados de uma maneira que vai permitir que o paciente para responder às sugestões que serão recebidas mais tarde durante o transe. Sugestões feitas durante o transe frequentemente funcionam como chaves transformando os copos de processos associativos de um paciente dentro dos bloqueios de certas estruturas mentais que já foram estabelecidos. Um número de trabalhadores (Weitzenhoffer, 1957, Schneck, 1970, 1975) descreveram como o que é dito antes de transe é formalmente induzida
  11. 11. pode melhorar a sugestão hipnótica. Estamos de acordo e enfatizam que o trabalho trance eficaz geralmente é precedido por uma fase preparatória em que ajudamos os pacientes criar uma atitude ótima e sistema de crenças para as respostas terapêuticas. Um aspecto singularmente importante desta atitude ideal é a expectativa. expectativas de mudança terapêutica dos pacientes lhes permite suspender as limitações aprendidas e experiências de vida negativas que estão na origem dos seus problemas. A suspensão da descrença e extraordinariamente alta expectativa de cura tem sido usada para explicar a cura milagrosa por vezes alcançado dentro de um sistema de crença religiosa. Como será visto em nossa análise geral da dinâmica do transe terapêutico na seção seguinte, tal cura aparentemente milagrosa pode ser entendido como uma manifestação especial do processo mais geral nós utilizamos para facilitar as respostas terapêuticas em hipnoterapia. 2.Trance Therapeutic Transe terapêutico é um período durante o qual as limitações de um dos quadros normais de referência e crenças são temporariamente alterado para que se possa ser receptivo a outros padrões de associação e modos de funcionamento mental que são favoráveis à resolução de problemas. Nós vemos a dinâmica de indução e utilização transe como uma experiência muito pessoal em que o terapeuta ajuda o paciente a encontrar os seus próprios caminhos individuais. Trance indução não é um processo padronizado que pode ser aplicado da mesma forma para todos. Não há nenhum método ou técnica que trabalha sempre com todos ou até mesmo com a mesma pessoa em diferentes ocasiões. Devido a isso, falamos de abordagens para a experiência de transe. Temos, assim, enfatizar que temos muitos meios de facilitar, orientar, ou ensinar como se poderia ser levado a experimentar o estado de receptividade que chamamos de transe terapêutico. No entanto, nós não temos nenhum método universal para efetuar o mesmo estado de transe uniforme em todos. A maioria das pessoas com problemas pode ser guiado para experimentar a sua própria variedade única de transe terapêutico quando eles entendem que pode ser útil. A arte do hipnoterapeuta é em ajudar os pacientes a alcançar um entendimento que vai ajudá-los a desistir de algumas das limitações de sua comum visão do mundo todos os dias para que eles possam conseguir um estado de receptividade ao novo e criativo dentro de si. Para fins didáticos, temos conceituada a dinâmica de indução de transe e sugestão como um processo de cinco estágios, descrito na Figura 1. Embora possamos usar este paradigma como uma estrutura conveniente para analisar muitas das abordagens hypnotherapeutic vamos ilustram neste volume, deve ser entendido que as manifestações individuais do processo será tão único e vários como são as naturezas das pessoas experimentam lo. Vamos esboçar nossa compreensão destas cinco etapas. Figura 1: Um paradigma de cinco estágios da dinâmica de indução de transe e sugestão (de Erickson e Rossi, 1976.) 1. Fixação de Atenção via Utilizando crenças e comportamentos do paciente para focar a atenção nas realidades internas. 2. Depotentiating Frameworks habitual e Sistemas de Crenças via Distração, choque, surpresa, dúvida, confusão, dissociação, ou qualquer outro processo que interrompe estruturas habituais do paciente. 3. Inconsciente Pesquisa via Implicações, perguntas, trocadilhos e outros FORMSOF indireta sugestão hipnótica.
  12. 12. 4. Processo inconsciente via A ativação de associações pessoais e mecanismos mentais por todos os acima. 5. Hypnotic Response via Uma expressão de potencialidades comportamentais que são experimentados como ocorrendo de forma autônoma. Fixação de Atenção A fixação da atenção tem sido a abordagem clássica para iniciar transe terapêutico, ou hipnose. O terapeuta iria pedir ao paciente para olhar para um ponto ou uma vela de chama, uma luz brilhante, um espelho rotativo, os olhos do terapeuta, gestos ou qualquer outra coisa. Como a experiência acumulada tornou-se evidente que o ponto de fixação poderia ser qualquer coisa que mantinha a atenção do paciente. Além disso, o ponto de fixação não precisam de ser externo, que é ainda mais eficaz a concentrar a atenção sobre o próprio corpo do paciente e experiência interior. Assim, foram desenvolvidas abordagens como levitação da mão e relaxamento corporal. Incentivar o paciente a se concentrar em sensações ou imagens interno levou atenção para o interior ainda mais eficaz. Muitas destas abordagens tornaram-se normalizados e estão bem descritas em obras de referência sobre a hipnose (Weitzenhoffer, 1957; Hartland, 1966; Haley, 1967). O novato em hipnoterapia pode muito bem estudar as abordagens padronizadas e seguem de perto, alguns deles para iniciar transe de uma maneira formalizada. Elas são muitas vezes altamente impressionante para o doente e muito eficazes na indução de transe. Terapeutas estudante estará em erro, no entanto, se tentar utilizar apenas uma abordagem como o método universal e, assim, cegar-se as motivações originais e manifestações de desenvolvimento transe em cada pessoa. O terapeuta que estuda cuidadosamente o processo de atenção no dia a dia, bem como na sala de consultoria em breve chegará a reconhecer que uma história interessante ou um fato fascinante ou fantasia pode fixar a atenção apenas de forma tão eficaz como uma indução formal. Qualquer coisa que fascina e prende ou absorve a atenção de uma pessoa poderia ser descrito como hipnótico. Temos o conceito de transe diário comum para esses períodos na vida cotidiana, quando estamos tão absorvidos ou preocupados com um assunto ou outro que momentaneamente perder o controle de nosso ambiente externo. O meio mais eficaz de se concentrar e fixar a atenção na prática clínica é reconhecer e reconhecer a experiência atual do paciente. Quando o terapeuta rotula corretamente em curso experiência hereand-agora do paciente, o paciente geralmente é imediatamente reconhecido e aberto a tudo aquilo que o terapeuta pode ter que dizer. Reconhecendo a realidade atual do paciente, assim, abre um conjunto sim para o que as sugestões do terapeuta pode querer apresentar. Esta é a base da abordagem de utilização de indução ao transe, no qual os terapeutas ganhar a atenção de seus pacientes, concentrando-se em seu comportamento e experiências (Erickson, 1958,1959) atual. Ilustrações de utilização desta abordagem para indução de transe será apresentado em nosso terceiro capítulo. Depotentiating Frameworks habitual e Sistemas de Crenças Em nossa opinião, um dos efeitos psicológicos mais úteis de fixar a atenção é que ele tende a depotentiate conjuntos mentais habituais dos pacientes e quadros de referência comuns do cotidiano. Seus sistemas de crenças são mais ou menos interrompida e suspensa por um momento ou dois. Consciência foi distraído. Durante essa suspensão momentânea padrões latentes de associação e experiência sensório-perceptual têm a oportunidade de afirmar-se de uma forma que possa iniciar o estado alterado de consciência que tem sido descrito como transe ou hipnose.
  13. 13. Existem muitos meios de depotentiating quadros habituais de referência. Qualquer experiência de choque ou surpresa se fixa momentaneamente a atenção e interrompe o padrão anterior de associação. Qualquer experiência do irreal, o incomum, ou o fantástico oferece uma oportunidade para os modos alterados de apreensão. Os autores descreveram como confusão, dúvida, dissociação e desequilíbrio são todos os meios de depotentiating limitações aprendidas dos pacientes, para que possam tornar-se aberto e disponível para novos meios de viver e de aprendizagem, que são a essência do trance terapêutica (Erickson, Rossi, e Rossi, 1976). A interrupção e suspensão do nosso sistema de crenças diário comum foi descrito pelo autor como um júnior momento criativo (Rossi, 1972a): Mas o que é um momento criativo? Esses momentos têm sido celebrado como o palpite emocionante por trabalhadores científicos e inspiração por pessoas nas artes (Barron, 1969). Um momento criativo ocorre quando um padrão habitual de associação é interrompida; pode haver um lapso espontânea ou relaxamento de sua associativo habitual processo, pode haver um choque psíquico, uma experiência sensorial ou emocional esmagadora, uma droga psicodélica, uma condição tóxica ou privação sensorial pode servir como catalisador; yoga, zen, exercícios espirituais e de meditação pode também interromper nossas associações habituais e introduzir uma momentânea anular na consciência.Naquela fração de segundo quando os conteúdos habituais de consciência são nocauteado há uma chance para a consciência pura, a luz pura do vazio (Evans-Wentz, 1960) através de brilhar. Esta fração de segundo pode ser experimentado como um estado místico, satori, uma experiência de pico ou um estado alterado de consciência (Tart, 1969). Ele pode ser experimentado como um momento de fascínio ou se apaixonar quando a lacuna em sua consciência é preenchida pelo novo que de repente se intromete-se. O momento criativo é, portanto, uma lacuna em sua padrão habitual de consciência. Bartlett (1958) descreveu como a gênese do pensamento original pode ser compreendido como o preenchimento de lacunas mentais. O novo que aparece em momentos criativos é, portanto, a unidade básica de . pensamento original e visão, bem como mudança de personalidade Experimentando um momento criativo pode ser o correlato fenomenológico de uma mudança fundamental na estrutura molecular de proteínas dentro do cérebro associadas com a aprendizagem (Gaito, 1972; Rossi, 1973b), ou a criação de novos conjuntos de células e seqüências de fase (Hebb, 1963). A relação entre o choque psicológico e momentos criativos é evidente: um choque psíquico interrompe associações habituais de uma pessoa para que algo novo pode aparecer. Idealmente choque psicológico cria as condições para um momento criativo quando uma nova visão, atitude ou comportamento mudança pode ocorrer no assunto. Erickson (1948) também descreveu-se o transe hipnótico como um estado psicológico especial que efetua uma pausa semelhante em associações conscientes e habituais do paciente para que a aprendizagem criativa pode ter lugar. Na vida cotidiana se está continuamente confrontados com situações difíceis e intrigantes que levemente choque e interromper o seu modo habitual de pensar. Idealmente estas situações problemáticas iniciará um momento criativo de reflexão que pode proporcionar uma oportunidade para algo novo a surgir. Os problemas psicológicos se desenvolvem quando as pessoas não permitem que as circunstâncias naturalmente mudança da vida para interromper seus padrões úteis antigos e não mais de associação e experiência para que novas soluções e atitudes podem surgir. Pesquisa Inconsciente e processo inconsciente
  14. 14. Na vida cotidiana, há muitas abordagens para a fixação de atenção, depotentiating associações habituais, e iniciando assim uma busca inconsciente para uma nova experiência ou solução para um problema. Em uma situação difícil, por exemplo, pode- se fazer uma piada ou usar um trocadilho para interromper e reorganizar a situação de um ponto de vista diferente. Pode-se usar alusões ou implicações para invadir uma outra maneira de compreender a mesma situação. Como metáfora e analogia (Jaynes, 1976) estes são todos os meios de momentaneamente prender a atenção e solicitando uma pesquisa - essencialmente uma busca em um nível inconsciente - para chegar a uma nova associação ou quadro de referência. Estas são todas as oportunidades para momentos criativos na vida cotidiana em que uma necessária reorganização da própria experiência ocorre. Em transe terapêutico nós utilizamos meios semelhantes de iniciar uma busca em um nível inconsciente. Estes são o que o autor descreveu como as formas indiretas de sugg estion (Erickson e Rossi, 1976; Erickson, Rossi e Rossi, 1976). Em essência, uma sugestão indireta inicia uma busca inconsciente e facilita processos inconscientes dentro de pacientes para que eles geralmente são um pouco surpreso com suas próprias respostas. As formas indiretas de pacientes ajuda sugestão ignorar suas limitações aprendidas para que eles sejam capazes de realizar muito mais do que eles geralmente são capazes de. As formas indiretas de sugestão são facilitadores de asso mentais ciações e processos inconscientes. No próximo capítulo vamos delinear a nossa compreensão atual de uma variedade destas formas indiretas de sugestão. O Hypnotic Response A resposta hipnótica é o resultado natural da busca e processos iniciados pelo terapeuta inconsciente. Porque é mediada principalmente por processos inconscientes dentro do paciente, a resposta hipnótica parece ocorrer de forma automática ou de forma autônoma, que parece ter lugar por si só de uma maneira que pode parecer estranho ou dissociado do modo habitual da pessoa de responder em um nível voluntário . A maioria dos pacientes geralmente experimentam uma sensação suave de agradável surpresa quando eles se encontram respondendo desta maneira automática e involuntária. Essa sensação de surpresa, de fato, geralmente pode ser tomado como uma indicação da natureza genuinamente autônoma de sua resposta. Respostas hipnóticas não precisa ser iniciado pelo terapeuta, no entanto. A maioria dos fenômenos hipnóticos clássicos, de fato, foram descobertos por acaso como manifestações naturais do comportamento humano que ocorreu espontaneamente em transe, sem qualquer sugestão de que seja. Fenômenos hipnóticos clássicos como catalepsia, anestesia, amnésia, alucinações, regressão de idade, e distorção de tempo são todos os fenômenos de transe espontâneas que eram uma fonte de espanto e perplexidade aos primeiros investigadores. Foi quando mais tarde tentou induzir o transe e estudar fenômenos de transe sistematicamente que estes pesquisadores descobriram que eles poderiam sugerir os vários fenômenos hipnóticos. Uma vez que eles descobriram que era possível fazer isso, eles começaram a usar o próprio sugestionabilidade como critério de validade e profundidade da experiência de transe. Quando o próximo passo foi dado para utilizar a experiência de transe, como uma forma de terapia, sugestionabilidade foi enfatizado ainda mais como o fator essencial para um trabalho bem sucedido. Um efeito colateral dessa ênfase na sugestionabilidade estava em o poder de suposta hipnotizadores para controlar o comportamento com a sugestão. Por esta altura, a nossa concepção de fenômenos hipnóticos havia se mudado muito longe de sua descoberta original como manifestações naturais e espontâneas da mente. Hipnose adquiriu as conotações de manipulação e controle. A exploração de ocorrência natural
  15. 15. fenômenos de transe como uma demonstração de poder, prestígio, influência e controle (como tem sido utilizado em fase de hipnose) foi uma vez mais infeliz na história da hipnose. Em um esforço para corrigir tais equívocos o autor sênior (Erickson, 1948) descreveu os méritos da sugestão direta e indireta na hipnoterapia como segue: A próxima consideração diz respeito ao papel geral da sugestão na hipnose. Muitas vezes, a suposição injustificada e doentio é feita de que, uma vez que um estado de transe é induzido e mantido por sugestão e, desde manifestações hipnóticas pode ser provocada por sugestão, o que quer que se desenvolve a partir da hipnose deve, necessariamente e completamente ser um resultado e expressão primária da sugestão.Contrariamente a esses equívocos, a pessoa hipnotizada permanece a mesma pessoa. Só o seu comportamento é alterada pelo estado de transe, mas, mesmo assim, que o comportamento alterado deriva da experiência de vida do paciente e não do terapeuta. No máximo, o terapeuta pode influenciar apenas a forma de auto- expressão. A indução e manutenção de um transe servem para fornecer um estado especial psicológico em que o paciente pode associar novamente e reorganizar suas complexidades psicológicas internas e utilizar suas próprias capacidades, de forma concordante com a sua própria vida experiencial. A hipnose não muda a pessoa, nem altera sua vida experiencial passado. Ele serve para autorizá-lo a aprender mais sobre si mesmo e de se expressar de forma mais adequada. Sugestão direta baseia-se principalmente, se involuntariamente, na suposição de que tudo o que se desenvolve em hipnose deriva das sugestões dadas. Isso implica que o terapeuta tem o poder miraculoso de efetuar mudanças terapêuticas no paciente, e desconsidera o fato de que os resultados de terapia de uma ressíntese interior do comportamento do paciente alcançado pelo próprio paciente. É verdade que a sugestão directa pode efectuar uma alteração no comportamento do paciente e como resultado a cura sintomática, pelo menos temporariamente. No entanto, tal cura é simplesmente uma resposta à sugestão e não implica que reassociação e reorganização de idéias, entendimentos e lembranças tão essenciais para uma cura real. É esta experiência de reassociação e reorganizar sua própria vida experiencial que desemboca em uma cura, não a manifestação de comportamento ágil, que pode, na melhor das hipóteses, satisfazer apenas o observador. Por exemplo, a anestesia da mão pode ser sugerido diretamente e uma resposta aparentemente adequada pode ser obtida. No entanto, se o paciente não tenha interpretado espontaneamente o comando para incluir uma percepção da necessidade de reorganização interna, que a anestesia não vai conseguir cumprir os testes clínicos e será um pseudo-anestesia. Uma anestesia eficaz é melhor induzida, por exemplo, iniciando um trem de actividade mental no próprio paciente, sugerindo que ele recordar a sensação de dormência experimentada depois de um anestésico local, ou depois de uma perna ou um braço de dormir, e sugerindo que, em seguida, ele agora pode experimentar uma sensação semelhante em sua mão. Por sugestão tão indireta o paciente está habilitado a passar por essas difíceis processos internos de desorganizando, reorganizando, reassociação e projetando experiência interior real para satisfazer os requisitos da sugestão. Assim, a anestesia induzida torna-se uma parte de sua vida experiencial, em vez de uma resposta simples, superficial. Os mesmos princípios são verdadeiras em psicoterapia. O alcoólatra crônico pode ser induzida por sugestão direta para corrigir seus hábitos temporariamente, mas não até que ele passa pelo processo interno de reassociação e reorganizar sua vida experiencial pode ocorrer resultados eficazes.
  16. 16. Em outras palavras, a psicoterapia hipnótica é um processo de aprendizagem para o paciente, um procedimento de reeducação. Resultados efetivos na psicoterapia hipnótica, ou hipnoterapia, derivam apenas das atividades do paciente. O terapeuta apenas estimula o paciente em atividade, muitas vezes sem saber o que a atividade pode ser, e, em seguida, ele orienta o paciente e exerce o julgamento clínico para determinar a quantidade de trabalho a ser feito para alcançar os resultados desejados. Como orientar e julgar constituem problema do terapeuta enquanto a tarefa do paciente é o de aprender através de seus próprios esforços para compreender sua vida experiencial de uma nova maneira.Tal reeducação, é claro, necessariamente, em termos de experiências de vida do paciente, seus entendimentos, memórias, atitudes e idéias, e não pode ser em termos de idéias e opiniões do terapeuta. Em nosso trabalho, portanto, preferimos enfatizar como transe terapêutico ajuda as pessoas a contornar suas próprias limitações aprendidas, para que possam explorar mais plenamente e utilizar seus potenciais. O hipnoterapeuta faz muitas abordagens para estados alterados de funcionamento disponível para o paciente. A maioria dos pacientes realmente não pode dirigir-se conscientemente na experiência de transe porque tal sentido só pode vir de seus hábitos aprendidos anteriormente de funcionamento que estão inibindo a plena utilização de suas potencialidades. Os pacientes devem, portanto, aprender a permitir que os seus próprios potenciais de resposta inconsciente a se manifestar durante o transe. O terapeuta também deve depender de o paciente está inconsciente como fonte de criatividade para a resolução de problemas. O terapeuta ajuda o paciente a acesso achado essa criatividade através desse estado alterado que chamamos de transe terapêutico. Transe terapêutico pode, portanto, ser entendido como um período livre de exploração psicológica em que o terapeuta eo paciente cooperar na busca por essas respostas hipnóticas que levarão a mudança terapêutica. Vamos agora voltar nossa atenção para a avaliação e facilitação dessa mudança. 3.Ratificação da mudança terapêutica O reconhecimento e a avaliação de padrões alterados de funcionamento facilitada por transe terapêutico é uma das tarefas mais subtis e importantes do terapeuta. Muitos pacientes prontamente reconhecer e admitir mudanças que eles experimentaram. Outros com capacidade menos introspectivo precisa de ajuda do terapeuta para avaliar as mudanças que têm ocorrido. Um reconhecimento e valorização do trabalho transe é necessário, para que velhas atitudes negativas do paciente perturbar e destruir as novas respostas terapêuticas que ainda estão em um estado frágil de desenvolvimento. O Reconhecimento e Ratificação do Trance Diferentes indivíduos experimentam transe de diferentes maneiras. A tarefa do terapeuta é reconhecer esses padrões individuais e quando necessário apontá-los aos pacientes para ajudar a verificar ou ratificar seu estado alterado de transe. Consciência nem sempre reconhece os seus próprios estados alterados. Quantas vezes nós não reconhecemos que estamos realmente sonhando? Normalmente, é só após o fato que nós reconhecemos que estávamos num estado de devaneio ou sonhar acordado. O usuário inexperiente de álcool e drogas psicodélicas também deve aprender a reconhecer e, em seguida, ir com o estado alterado de modo a aumentar e totalmente experimentar seus efeitos. Desde transe terapêutico é na verdade apenas uma variação do transe diário comum ou devaneio que todos estão familiarizados com, mas não necessariamente reconhecer como um estado alterado, alguns pacientes não vão acreditar que eles foram afetados de alguma forma. Para estes pacientes, em particular, é importante para homologar transe como um estado alterado. Sem essa prova atitudes e crenças negativas do paciente
  17. 17. podem freqüentemente desfazer o valor da sugestão hipnótica e abortar o processo terapêutico que foi iniciada. Devido a isso vamos listar na Tabela 1 alguns dos indicadores comuns de experiência de transe que temos previamente discutidas e ilustradas com algum detalhe (Erickson, Rossi e Rossi, 1976). Porque a experiência de transe é altamente individualizada, os pacientes se manifestará esses indicadores em combinações variadas, bem como em diferentes graus. TABELA 1 ALGUNS INDICADORES COMUNS DE TRANCE EXPERIENCE Ideação Autónoma e Inner Respiração Experiência Engolir Sobressalto reflex Tonicity Balanced (catalepsia) Imobilidade corpo Ideação objetiva e impessoal Reorientação Corpo Depois de Trance Respostas psicossomáticos Mudou qualidade de voz Alterações pupilares Conforto, relaxamento Atenção Response Economia de Movimento Sensorial, Muscular corpo muda (Parestesias) Expectativa Retardar Pulso Alterações oculares e Encerramento Espontâneo Hypnotic Fenômenos Características faciais suave Descontraído Amnésia Anestesia Sentindo Distanciado ou Dissociated Corpo Illusions Catalepsia Feeling Good Após Trance Regressão Tempo Distortion Literalismo etc Perda ou Retardo de Reflexos Lag Tempo em Motor e conceitual Piscando Comportamento A maioria destes indicadores será ilustrado como eles aparecem nos casos deste livro. Olhamos para o desenvolvimento espontâneo de fenômenos hipnóticos tais como regressão de idade, anestesia, catalepsia, e assim por diante como mais genuínas indicadores de trance do que quando estes mesmos fenômenos são sugeridas. Quando eles estão diretamente sugerido, nos deparamos com as dificuldades impostas por atitudes conscientes do paciente e sistema de crenças. Quando eles surgem espontaneamente, eles são o resultado natural da dissociação ou reorganização de quadros habituais de referência e orientação geral realidade que é característico de trance do paciente.
  18. 18. Alguns pesquisadores selecionou alguns desses fenômenos espontâneos como características definidoras da natureza fundamental de transe.Meares (1957) e Shor (1959), por exemplo, tiveram regressão como um aspecto fundamental de transe. Do nosso ponto de vista, no entanto, a regressão por si só não é uma característica fundamental de transe, embora seja muitas vezes presente como um epifenômeno do estágio inicial de desenvolvimento transe, quando os pacientes estão aprendendo a desistir de seus quadros habituais de referência e modos de funcionamento. Nesta primeira fase de aprender a experimentar um estado alterado, muitas coisas acontecem sem controle, incluindo regressão espontânea idade, parestesias, anestesias, ilusões de distorção do corpo, as respostas psicossomáticas, distorção do tempo, e assim por diante. Uma vez que os pacientes aprendem a estabilizar essas reações colaterais indesejados, eles podem permitir que as suas mentes inconscientes para funcionar livremente em interagir com as sugestões do terapeuta, sem algumas das limitações de seus quadros habituais de referência. Ideomotor e Ideosensory Sinalização Desde muito trabalho hypnotherapeutic não exige uma experiência dramática de fenômenos hipnóticos clássicos, é ainda mais importante que o terapeuta aprende a reconhecer as manifestações mínimas de transe como alterações em um paciente sensório-perceptivo, emocional ecognitivo funcionamento. Um valioso meio de avaliação destas alterações é o uso de ideomotora e sinalização ideosensory (Erickson, 1961; mordente e Le cron, 1968). Uma experiência de transe como um estado alterado pode ser ratificado por solicitação de qualquer um de uma variedade de respostas ideomotor da seguinte forma: Se você tem experimentado alguns momentos de transe em nosso trabalho de hoje, a sua mão direita (ou um de seus dedos) pode levantar por si só. Se você tem sido em transe hoje, mesmo sem perceber, sua cabeça vai acenar sim (ou seus olhos vão fechar) por si só. A existência de uma alteração terapêutica pode ser assinalada de uma maneira semelhante. Se o seu inconsciente não precisa ter experiência você (seja lá o sintoma), sua cabeça vai acenar com a cabeça. Seu inconsciente pode rever as razões para esse problema, e quando ele deu a sua mente consciente a sua fonte de uma forma que seja confortável para você discutir, seu dedo indicador direito pode levantar por si só. Alguns assuntos experimentar respostas ideosensory mais facilmente do que outros assuntos. Poderão, assim, experimentar uma sensação de leveza, peso, frieza, ou prickliness na parte designada do corpo. Ao solicitar tais respostas estamos presumivelmente permitindo que o paciente está inconsciente para responder de uma forma que é experimentada como involuntário pelo paciente. Este aspecto involuntário ou autônoma do movimento ou sentimento é uma indicação de que se trata de um sistema de resposta que é um pouco dissociada do padrão habitual de resposta voluntária ou intencional do paciente. O paciente eo terapeuta têm, assim, indicação de que algo aconteceu independentemente da vontade consciente do paciente. Esse algo pode ser transe ou qualquer que seja a resposta terapêutica foi desejado. Uma visão acrítica do ideomotora e sinalização ideosensory leva essas respostas é a verdadeira voz do inconsciente. Nesta fase do nosso entendimento preferimos vê-los como apenas mais um sistema de resposta que deve ser verificado e validado cruzado, assim como qualquer outro sistema de resposta verbal ou não-verbal. Nós preferimos a evocar respostas ideomotor de tal maneira que a mente consciente do paciente não pode
  19. 19. testemunhá-los (por exemplo, com os olhos fechados ou evitado quando um dedo ou sinal de mão é dado). É muito difícil, no entanto, para provar que a mente consciente não tem conhecimento de que a resposta é dada e que a resposta é, de facto, dado independentemente da intenção consciente. Alguns pacientes sentem que a ideomotora ou ideosensory resposta é inteiramente em um nível involuntário. Outros sentem que devem ajudá-la ou pelo menos saber de antemão o que é para ser. A segunda maior uso de ideomotora e sinalização ideosensory é ajudar os pacientes reestruturar seu sistema de crenças. As dúvidas sobre a mudança terapêutica pode persistir mesmo após um longo período de explorar e lidar com um problema em transe. Essas dúvidas muitas vezes pode ser aliviada quando o paciente acredita em ideomotora ou respostas ideosensory como um índice independente da validade do trabalho terapêutico. O terapeuta pode prosseguir, por exemplo, com as sugestões do seguinte modo: Se o seu inconsciente reconhece que um processo de mudança terapêutica foi iniciada, sua cabeça pode assentir. Quando você sabe que não precisa mais ser incomodado por esse problema, o dedo indicador pode levantar ou ficar quente [ou qualquer que seja]. Em tal uso não é valor, é claro, de ter mente consciente do paciente reconhecer a resposta positiva. O mais autónoma ou involuntária do ideomotora ou resposta ideosensory, o mais convincente é para o paciente. No momento não temos nenhuma maneira de distinguir quando uma resposta ideomotora ou ideosensory é (1) um índice confiável e válido de algo acontecer no inconsciente (fora do alcance imediato do paciente de consciência), ou (2) simplesmente um meio de reestruturação de um sistema de crença consciente. Uma grande quantidade de trabalhos experimentais cuidadosamente controladas deve ser feito nesta área. Ainda é uma questão de clínica julgamento para determinar qual o processo, ou o grau para o qual ambos os processos, estão a funcionar em qualquer situação individual. Resumo Nossa abordagem para utilização hipnoterapia enfatiza que transe terapêutico é um meio pelo qual podemos ajudar os pacientes aprendem a usar suas habilidades mentais e potencialidades para alcançar seus próprios objetivos terapêuticos. Enquanto a nossa abordagem é centrada no paciente e altamente dependente das necessidades momentâneas do indivíduo, há três fases básicas que podem ser descritas e discutidas para fins didáticos: Preparação, Therapeutic Trance, e ratificação da Therapeutic Alterar. O objetivo do período preparatório inicial é estabelecer um quadro ideal de referência para orientar o paciente para a mudança terapêutica. Isto é facilitado pelos seguintes fatores, que foram discutidos neste capítulo e que serão ilustradas nos casos deste livro. Harmonia Atenção Response Habilidades Avaliando a ser utilizado Facilitar Therapeutic quadros de referência Criando Esperança Transe terapêutico é um período durante o qual as limitações de um dos quadros habituais de referência são temporariamente alterado para que se possa ser receptivo a modos mais adequados de funcionamento. Embora a experiência de transe é altamente variável, a dinâmica global do transe terapêutico e sugestão poderia ser descrito como um processo de cinco etapas: (1) A fixação da atenção, (2) depotentiating estruturas habituais, (3) busca inconsciente; (4) processos inconscientes; (5) resposta terapêutica.
  20. 20. A abordagem de utilização e as formas indiretas de sugestão são os dois principais meios de facilitar estas dinâmicas globais de transe terapêutico e sugestão. A abordagem utilização enfatiza o envolvimento contínuo de repertório exclusivo de cada paciente de habilidades e potenciais, enquanto as formas indiretas de sugestão são os meios pelos quais o terapeuta facilita esses envolvimentos. Acreditamos que a indução e manutenção de transe terapêutico proporciona um estado especial psicológico em que os pacientes podem associar novamente e reorganizar a sua experiência interior, de modo que os resultados da terapia de uma ressíntese interior de seu próprio comportamento. Ratificando o processo de mudança terapêutica é uma parte integrante da nossa abordagem de hipnoterapia. Isto freqüentemente envolve um esforço especial para ajudar os pacientes a reconhecer e validar seu estado alterado. O terapeuta deve desenvolver habilidades especiais para aprender a reconhecer as manifestações mínimas de funcionamento alterado nos processos sensório-perceptuais, emocionais e cognitivas.Ideomotor e de sinalização são de ideosensory utilização especial, como um índice de variação terapêutica, bem como um meio para facilitar a alteração do sistema de crença do paciente. Exercícios 1. Novas habilidades de observação são o primeiro estágio na formação do hipnoterapeuta. É preciso aprender a reconhecer as variações momentâneas de outra atividade mental. Essas habilidades podem ser desenvolvidas através da formação de si mesmo para observar cuidadosamente os estados mentais de pessoas na vida cotidiana, bem como na sala de consulta. Há pelo menos quatro níveis, que vão desde o mais óbvio ao mais sutil. 1. Relações de função 2. Quadros de referência 3. Comportamentos de transe diário comum 4. Atenção Response 1 . relações de função: Observe atentamente o grau em que os indivíduos em todas as esferas da vida são capturados dentro de funções e os graus de flexibilidade que têm em sair de suas funções para se relacionar com você como uma pessoa única. Por exemplo, até que ponto são os funcionários do supermercado identificado com os seus papéis? Observe as nuances de voz e postura corporal que indicam o seu comportamento papel. Será que o seu tom e maneira implica que eles pensam de si mesmos como uma autoridade para manipular você, ou eles estão a tentar descobrir algo sobre você e que você realmente precisa? Explore as mesmas questões com a polícia, os funcionários de todos os tipos, enfermeiros, motoristas de ônibus, professores, etc 2. Quadros de referência: ao estudo acima das "relações de papéis adicionar um inquérito sobre os quadros de referência dominantes que estão guiando o comportamento do seu assunto. É o motorista de ônibus ou de táxi mais dominado por uma fama de segurança de referência?Qual dos balconistas está mais preocupado com a segurança o seu trabalho presente e que é, obviamente, resistindo para uma promoção? É o médico mais obviamente operando dentro de um quadro financeiro ou terapêutico de referência? 3. Comportamento comum transe todos os dias: Tabela 1 pode ser um guia sobre o que procurar em avaliar o comportamento de uma pessoa transe todos os dias. Mesmo em uma conversa normal pode-se tomar nota cuidadosa dessas pausas momentâneas quando a outra pessoa está em silêncio olhando para longe ou olhando para alguma coisa, como ele ou ela aparentemente reflete dentro. Pode-se ignorar e realmente estragar esses momentos preciosos quando a outra está envolvida na busca interior e processos
  21. 21. inconscientes por falar demais e distraindo assim a pessoa. Quanto melhor simplesmente permanecer em silêncio a si mesmo e observar atentamente as manifestações individuais de comportamento do outro transe todos os dias. Observe especialmente se piscar o olho da pessoa diminui ou para completamente. Será que os olhos realmente fechar por um momento? Será que o corpo não permanecer perfeitamente imóvel, talvez até mesmo com membros aparentemente catalépticas, fixados em meados de gesto? Assistindo a esses momentos e pausas é especialmente importante na psicoterapia. Os próprios autores, às vezes, congelar no meio da frase quando observam o paciente a sair em tal interior foco. Nós sentimos que estamos dizendo é provavelmente menos importante do que permitindo que o paciente tem esse momento para dentro. Às vezes, podemos facilitar a busca interior, simplesmente dizendo coisas como: É isso mesmo, continue assim como você é. Siga isso agora. Interessante, não é? Talvez você pode me dizer um pouco disso mais tarde. Depois de pacientes enquanto se acostumar com esta tolerância incomum e reforço de seus momentos interiores; as pausas crescer mais e tornar-se o que poderíamos chamar de transe terapêutico. Os pacientes, em seguida, experimentar aumentar o relaxamento e conforto e pode preferir responder com sinais ideomotor como eles dão crescente reconhecimento ao seu estado de transe. 4. Atenção Resposta: Este é o mais interessante e útil dos indicadores de transe. O autor júnior lembro que dia de sorte quando uma série de três pacientes atendidos individualmente em sucessivas horas só passou a manifestar uma aparência semelhante com os olhos arregalados de expectativa, olhando fixamente em seus olhos. Eles também tinham um pequeno sorriso semelhante engraçado (ou um riso) de melancolia e confusão suave. Era isso! De repente, ele reconheceu que o autor sênior estava tentando ensiná-lo para os últimos cinco anos: atenção Resposta! Os pacientes não podem ter se percebeu o quanto eles estavam olhando para o autor júnior para direção naquele momento. Esse foi o momento de apresentar uma sugestão terapêutica ou quadro de referência! Esse foi o momento de introduzir transe, direta ou indiretamente! O autor júnior lembro mesmo ligeira sensação de desconforto com cada paciente naquele momento. Olhar nu do paciente de expectativa revelava uma espécie de abertura e vulnerabilidade que é surpreendente e um pouco desconcertante quando é de repente encontrou. Em situações cotidianas que tendem a desviar o olhar e nos distrair de tais momentos delicados. No máximo, nos permitimos apreciá-los brevemente com as crianças ou durante os encontros amorosos. Na terapia de tais momentos criativos são os abridores preciosas do jogo sim e transferência positiva. Hypnotherapists permitir-se estar aberto a esses momentos e, talvez, a ser igualmente vulneráveis como eles oferecem algumas sugestões terapêuticas experimentais. Exercícios mais detalhadas sobre o reconhecimento e utilização de atenção resposta será apresentado no final do capítulo três. CAPÍTULO 2 As formas indiretas de sugestão 1.Sugestão Direta e Indireta A sugestão direta faz um apelo para a mente consciente e consegue iniciar comportamento quando estamos de acordo com a sugestão e ter a capacidade de fato para realizá-lo de forma voluntária. Se alguém sugere, por favor, feche a janela, vou
  22. 22. fechá-lo se eu tiver a capacidade física para fazê-lo, e se eu concordo que é uma boa sugestão. Se a mente consciente tinha uma capacidade semelhante para realizar todo o tipo de sugestões psicológicas de uma forma agradável e voluntária, então a psicoterapia seria uma simples questão de fato. O terapeuta precisa apenas sugerir que o paciente desistir tal e tal fobia ou infelicidade e isso seria o fim da questão a. Obviamente, isso não acontece. Existem problemas psicológicos, precisamente porque a mente consciente não sabe como iniciar experiência psicológica e mudança de comportamento na medida em que a gente gostaria. Em muitas destas situações existe alguma capacidade de padrões desejados de comportamento, mas que só pode ser realizada com a ajuda de um processo inconsciente que ocorre a um nível involuntário. Nós podemos fazer um esforço consciente para se lembrar de um nome esquecido, por exemplo, mas se não podemos fazê-lo, deixamos de tentar, depois de alguns momentos de esforço fútil. Cinco minutos depois, o nome pode aparecer espontaneamente dentro de nossas mentes. O que aconteceu? Obviamente, uma pesquisa foi iniciada em um nível consciente, mas só pôde ser concluída por um processo inconsciente que continuou por conta própria, mesmo depois de consciência abandonou seu esforço. Sternberg (1975) revisou os dados experimentais que apoiam a visão de que uma busca inconsciente continua a uma taxa de cerca de trinta itens por segundo, mesmo depois de a mente consciente tem ido a outros assuntos. As formas indiretas de sugestão são abordagens para iniciar e facilitar essas pesquisas em um nível inconsciente. Quando se verificar que a consciência é incapaz de realizar uma sugestão direta, podemos então fazer um esforço terapêutico para iniciar uma busca inconsciente por uma solução por sugestão indireta. A visão ingênua da sugestão direta, que enfatiza o controle sustenta que o paciente passivamente faz tudo o que o terapeuta pede. Em nosso uso da sugestão indireta, no entanto, percebemos que o comportamento sugerido é realmente uma resposta subjetiva sintetizada dentro do paciente. É uma resposta subjetiva, que utiliza repertório exclusivo do paciente de experiências de vida e de aprendizagem. Não é o que o terapeuta diz, mas o que o paciente faz com o que é dito que é a essência da sugestão. Em hipnose as palavras do terapeuta evocar uma série complexa de respostas internas dentro do paciente e estas respostas internas são a base de sugestão. Sugestão indireta não dizer ao paciente o que fazer, mas sim, explora e facilita o sistema de resposta do paciente pode fazer em um nível autônomo, sem realmente fazer um esforço consciente para si dirigir. As formas indiretas de sugestão são ambientes semânticos que facilitam a experiência de novas possibilidades de resposta. Eles evocam automaticamente pesquisas inconscientes e processos dentro de nós independentes de nossa vontade consciente. Neste capítulo vamos discutir uma série de formas indiretas de sugestão que foram encontrados para ser de valor prático para facilitar a capacidade de resposta hipnótica. A maior parte destas formas indiretas são de uso comum na vida cotidiana. Na verdade, este é o lugar onde o autor sênior geralmente reconhecido o seu valor como ele buscou meios mais eficazes de facilitar o trabalho hipnótico. Porque nós já discutimos a maioria destas formas indiretas de um ponto de vista teórico (Erickson e Rossi, 1976; Erickson, Rossi e Rossi, 1976), a nossa ênfase neste capítulo será sobre suas aplicações terapêuticas. Será visto que muitas destas formas indirectas estão estreitamente relacionadas umas com as outras, que vários podem ser utilizados na mesma frase ou frase, e que é, por vezes, difícil distinguir uma da outra. Devido a isso, pode ser de grande valor para o leitor a reconhecer que uma atitude ou abordagem está sendo apresentado com este material, em vez de uma técnica de'''' que é projetado para alcançar definitiva e previsível (embora limitados) resultados. As formas indiretas da
  23. 23. sugestão são mais úteis para explorar as potencialidades e facilitando tendências resposta natural de um paciente em vez de impor controle sobre o comportamento. 2.AAbordagem interspersal O autor descreveu o interspersal abordagem (Erickson, 1966; Erickson e Rossi, 1976), juntamente com não repetição como suas mais importantes contribuições para a prática de sugestão [ Em uma conversa com Anisley Mears, Gordon Ambrose, e outros, na noite em que a autor sênior, com a idade de setenta e quatro, foi condecorado com a medalha de ouro Benjamin Franklin por suas contribuições inovadoras para a hipnose no 7 º Congresso Internacional de Hipnose no dia 2 de julho de 1976. ]. Nas formas mais antigas, mais tradicionais de sugestão direta o hipnoterapeuta normalmente zumbia sem parar, repetindo a mesma sugestão mais e mais. O esforço foi aparentemente direcionado para programação ou imprimindo profundamente a mente com uma idéia fixa. Com o advento da psicologia psicodinâmica moderna, no entanto, reconhecemos que a mente está em um estado contínuo de crescimento e mudança, o comportamento criativo é um processo contínuo de desenvolvimento. Durante a programação direta pode, obviamente, influenciar o comportamento (por exemplo, Coueism, publicidade), não nos ajudar a explorar e facilitar potencialidades únicas de um paciente. A abordagem interspersal, por outro lado, é um meio adequado para apresentar sugestões de uma forma que permite que o paciente do próprio inconsciente para utilizá-los em sua própria maneira original. A abordagem interspersal pode operar em vários níveis. Podemos dentro de uma única frase intercalar uma única palavra que facilita as associações do paciente: Você pode descrever esses sentimentos tão livremente quanto você desejar. A palavra intercaladas livremente associa automaticamente uma valência positiva de liberdade com sentimentos pacientes podem ter suprimido. Assim, pode ajudar os pacientes a libertar sentimentos que eles realmente querem revelar. A individualidade de cada paciente ainda é respeitada, no entanto, porque o livre arbítrio é admitido. O autor sênior (Erickson, 1966) ilustrou como toda uma sessão terapêutica pode ser conduzida por intercalando palavras e conceitos sugestivos de conforto, utilizando próprios quadros de referência do paciente, de modo que o alívio da dor é conseguido sem a indução formal do transe. Caso 1 deste volume vai dar outro exemplo claro dessa abordagem. Nas seções seguintes, vamos discutir e ilustrar associativa indireta com foco e ideodinâmica indireta focando como dois aspectos da abordagem interspersal. 2a. Indireta Associativo Focando A forma básica de sugestão indireta é levantar um tema relevante, sem direcioná-la de qualquer maneira óbvia para o paciente. O autor gosta de destacar que a maneira mais fácil de ajudar os pacientes falam sobre suas mães é falar sobre a sua própria mãe ou mães em geral. Um processo associativo indireta natural é, assim, posto em movimento dentro de pacientes que traz de associações aparentemente espontâneas sobre suas mães. Uma vez que não perguntar diretamente sobre a mãe de um paciente, as limitações habituais de conjuntos conscientes e estruturas mentais habituais (incluindo defesas psicológicas) que uma pergunta tão direta pode evocar são ignorados. Bandler e Grinder (1975) descreveram este processo como um fenômeno transderivacional - um processo lingüístico básico pelo qual o sujeito eo objeto são automaticamente trocadas em um profundo (inconsciente), o nível estrutural. Na terapia, podemos usar um processo de associativo indireto com foco para ajudar um paciente a reconhecer um problema. O autor, por exemplo, freqüentemente irá intercalar observações ou contar uma série de histórias e anedotas em conversa aparentemente casual. Mesmo quando suas histórias parecem não relacionados, no entanto, todos eles têm um denominador comum ou associação focada comum que a hipótese de ser um aspecto relevante do problema do paciente. Os pacientes podem se perguntar por que o
  24. 24. terapeuta está fazendo essa conversa interessante, mas aparentemente não relevantes durante a hora de terapia. Se o comum, associação focado é na verdade um aspecto relevante de seu problema, no entanto, os pacientes frequentemente encontram-se a falar sobre isso de uma forma surpreendentemente reveladora. Se o terapeuta adivinhou errado, nada está perdido. O paciente simplesmente não vai falar sobre a associação focada, porque não há reconhecimento especial e contribuição dentro próprios processos associativos do paciente para elevá-la ao nível verbal. Um grande valor desta abordagem interspersal é que os terapeutas podem para evitar algum grau impor seus próprios pontos de vista teóricos e preocupações sobre seus pacientes. Se a associação focada é de valor para os pacientes, os seus próprios processos inconscientes de pesquisa e avaliação lhes permita reconhecê-la como um aspecto do seu problema e utilizá-lo em sua própria maneira de encontrar suas próprias soluções. Exemplos deste processo de associativo indireto com foco para ajudar os pacientes a reconhecer e resolver problemas psicodinâmicos serão apresentados em uma série de ilustrações de casos deste volume (por exemplo, particularmente Caso 5, uma abordagem geral para o comportamento sintomático). 2b.Indireta ideodinâmica Focando Uma das primeiras teorias de resposta hipnótica foi formulada por Bernheim (1895), que a descreveu como uma aptidão peculiar para transformar a idéia recebeu em um ato. Ele acreditava, por exemplo, que na experiência hipnótica de catalepsia houve ' 'um exaltação da excitabilidade reflexa idéia-motor, que efetua a transformação inconsciente do pensamento em movimento, sem que a vontade. Na experiência hipnótica de alucinações sensoriais ele teorizou que a memória da sensação [é] ressuscitou juntamente com exultação da ideo- excitabilidade reflexo sensorial, que efetua a transformação inconsciente do pensamento em sensação, ou em uma imagem sensorial.'' Essa visão da capacidade de resposta ideodinâmica (que as ideias podem ser transformadas em uma experiência real de movimentos, sensações, percepções, emoções, e assim por diante , independentemente da intencionalidade consciente) ainda é sustentável hoje. Nossa teoria utilização da sugestão hipnótica enfatiza que a sugestão é um processo de evocar e utilizar próprios processos mentais de um paciente de forma que sejam fora de sua faixa usual de controle do ego (Erickson e Rossi, 1976). Processos ideodinâmica pode ser evocado com uma abordagem interspersal utilizando associativa indireta focando como descrito na seção anterior. Quando o autor abordou grupos profissionais sobre fenômenos hipnóticos, por exemplo, ele frequentemente intercaladas histórias de casos interessantes e contou histórias sobre levitação da mão ou sensações alucinatórias. Estas ilustrações vivas iniciou um processo natural de ideomotora e capacidade de resposta ideosensory dentro dos ouvintes, sem terem consciência disso. Quando ele então pediu voluntários do público para uma demonstração do comportamento hipnótico, eles estavam preparados para a capacidade de resposta por processos ideodinâmica que já estavam ocorrendo dentro deles de forma involuntária em um nível inconsciente. Estas respostas ideodinâmica não reconhecidos podem freqüentemente ser medido pela instrumentação eletrônica (Prokasy e Raskin, 1973). De maneira similar, quando confrontado com um sujeito resistente podemos rodeá-lo com um ou mais bons assuntos hipnóticos a quem dirigimos nossas sugestões hipnóticas. Um processo de resposta ideodinâmica indireta ocorre automaticamente dentro do assunto resistente enquanto escuta as sugestões e observa as respostas dos outros. Ele logo é surpreendido com a forma como a atmosfera hipnótica efetua-lo para que ele se torna muito mais ágil do que antes.
  25. 25. Muitas ilustrações claras desse processo de intercalando sugestão ideodinâmica indireta será encontrado nos casos deste livro. Em nosso primeiro caso, por exemplo, o autor sênior fala sobre seu amigo John, que tinha dor do membro fantasma em seu pé assim como o paciente de: João era maravilhoso. E eu discuti com ele a importância de ter sentimentos agradáveis em seu pé de madeira, o seu joelho madeira. . . . A importância de ter bons sentimentos no pé de madeira, de madeira, o joelho da perna de pau. Sentindo-se que ele seja quente. Legal.Descansou. . . você pode ter fantasma prazer. No contexto de uma série de anedotas e histórias sobre como os outros aprenderam a sentir prazer fantasma em vez de dor, intercalados sugestões ideodinâmica indiretos, tais como o acima automaticamente começar a iniciar buscas inconscientes e processos que conduzam à melhoria da dor fantasma, mesmo sem a indução formal do transe. 3.Obviedades Utilizando Processos ideodinâmica A unidade básica de focar ideodinâmica é o truísmo: a simples constatação de um fato sobre o comportamento que o paciente passou por tantas vezes que não pode ser negado. Na maioria dos nossos ilustrações de casos será encontrado que o autor sênior freqüentemente fala sobre certos processos psicofisiológicos ou mecanismos mentais, como se estivesse simplesmente descrever fatos objetivos para o paciente.Na verdade, essas descrições verbais podem funcionar como sugestões indiretas quando tropeçar fora respostas ideodinâmica de associações e padrões aprendidos que já existem dentro de pacientes como um repositório de sua experiência de vida. A orientação da realidade generalizada (Shor, 1959) geralmente mantém essas respostas subjetivas em cheque apropriado quando estamos envolvidos em conversa normal. Quando a atenção é fixo e focado em transe, de modo que algumas das limitações de conjuntos mentais habituais do paciente são depotentiated, no entanto, os seguintes truísmos pode realmente tropeçar fora de uma experiência literal e concreta do comportamento sugerido, que é impresso em itálico. 3-A. Ideomotora Processos A maioria das pessoas pode experimentar um lado de ser mais leve que o outro. Todo mundo já teve a experiência de balançando a cabeça sim ou sacudi-la sem mesmo sem perceber. Quando estamos cansados, os nossos olhos começam a piscar lentamente e às vezes perto sem o nosso muito perceber. Às vezes, como relaxar ou dormir, um músculo irá se contrair para que o nosso braço ou perna faz um leve movimento involuntário(Overlade, 1976). 3b. Processos Ideosensory Você já sabe como a experimentar sensações agradáveis, como o calor do sol em sua pele. A maioria das pessoas desfrutar da frescura de uma brisa leve. Algumas pessoas podem imaginar sua comida favorita tão bem que eles realmente podem provar isso. O sal e cheiro de uma leve brisa do mar é agradável para a maioria das pessoas. 3c. Processos Ideoaffective Algumas pessoas corar facilmente quando reconhecem certos sentimentos sobre si mesmos. É fácil sentir raiva e ressentimento quando somos feitos para se sentir estúpido. Costumamos carranca quando temos memórias que são todos muito doloroso lembre-se.
  26. 26. A maioria de nós tentar evitar pensamentos e memórias que trazem lágrimas, mas eles freqüentemente lidar com as coisas mais importantes. Nós todos tenham gostado de notar alguém sorrir para um pensamento particular e nós encontramo-nos com frequência sorrindo o seu sorriso. Ao formular tais sugestões ideoaffective é útil para incluir um marcador comportamental (rubor, franzir a testa, lágrimas, sorriso) sempre que possível, para fornecer alguma possível feedback para o terapeuta sobre o que o paciente está recebendo e agir em cima. 3d. Processos Ideocognitive Sabemos que, quando você está dormindo o seu inconsciente pode sonhar. Você pode facilmente esquecer esse sonho quando você acordar. Às vezes você pode lembrar-se de uma parte importante do que o sonho que lhe interessa. Às vezes, pode saber um nome e tê-lo na ponta da nossa língua e ainda assim não ser capaz de dizer o nome. 4.Obviedades Tempo Utilizando Em hypnotherapeutic truísmos trabalho vez que utilizam são muito importantes porque há freqüentemente uma defasagem de tempo na execução das respostas hipnóticas. Os estágios de pesquisa e os processos inconscientes que levam a respostas hipnóticas requerem diferentes períodos de tempo em pacientes diferentes. É geralmente melhor para permitir que o paciente do próprio inconsciente para determinar a quantidade adequada de tempo requerida para qualquer resposta. Mais cedo ou mais tarde a sua mão vai levantar ( fechar os olhos, ou o que for). Sua dor de cabeça (ou qualquer outro) pode agora deixar assim que seu sistema está pronto para ele ir embora. Seu sintoma pode agora desaparecer assim que o seu inconsciente sabe que você pode lidar com o problema (tal e tal) de uma forma mais construtiva. 5.Não sabendo, sem fazer Enquanto truísmos são um excelente meio de introdução de sugestões de uma forma positiva que a mente consciente pode aceitar, a experiência hipnótica válido envolve a utilização de processos inconscientes. Um aspecto básico de transe terapêutico é organizar as circunstâncias assim que os processos mentais construtivas são experientes em ocorrendo por si sem que o paciente fazer qualquer esforço para conduzir ou encaminhá-los. Quando a pessoa está relaxada, como é típico da maioria das experiências de transe, o sistema parassimpático fisiologicamente predispõe a não fazer , em vez de fazer qualquer esforço ativo de fazer. Da mesma forma, quando estamos relaxados eo inconsciente assume o controle, que normalmente se sentir confortável e não sei como carrega o inconsciente de suas atividades.Sem saber e não fazer é sinônimo de capacidade de resposta inconsciente ou autônomo que é a essência da experiência de transe. Uma atitude de não saber e não fazer é, portanto, de grande valor para facilitar a capacidade de resposta hipnótica. Isto é particularmente verdadeiro durante as fases iniciais de indução de transe, onde os seguintes sugestões podem ser apropriadas. Você não tem que falar ou se mover ou fazer qualquer tipo de esforço. Você não tem sequer para manter os olhos abertos. Você não tem que se preocupar tentando me ouvir, porque o seu inconsciente pode fazer isso e responder por si só. As pessoas podem dormir e não sabe que eles estão dormindo. Eles podem sonhar e não me lembro desse sonho.
  27. 27. Você não sabe exatamente quando essas pálpebras irá fechar tudo por si. Você pode não saber exatamente qual mão vai levantar primeiro. Estes exemplos ilustram claramente o quão diferente as nossas formas hipnóticas indiretas são da abordagem direta, que normalmente começa, Agora preste muita atenção à minha voz e fazer exatamente o que eu digo. A abordagem direta concentra a atenção consciente e tende a ativar a cooperação consciente por parte do paciente. Isto pode ser de grande valor em iniciar alguns tipos de comportamento responsivo em boas sujeitos hipnóticos, mas para o paciente médio que pode activar processos conscientes para o ponto onde os processos inconscientes são inibidos em vez aumentada. Sem saber e não fazer são de particular valor no trabalho de transe quando queremos evocar própria individualidade do paciente em buscar a melhor modalidade de resposta terapêutica. Você realmente não sabe o quão seu inconsciente vai ajudar você a resolver esse problema. Mas sua mente consciente pode ser receptivo à resposta quando ela vier. Sua mente consciente certamente tem muitas perguntas, mas ele realmente não se sabe exatamente quando o inconsciente vai deixar você desistir desse hábito indesejável. Você não sabe se ele vai ser mais cedo ou mais tarde. Você não sabe se ele vai ser tudo de uma vez ou lentamente, por graus. No entanto, você pode aprender a respeitar a sua própria maneira natural de fazer as coisas. 6.Sugestões em aberto Os terapeutas, bem como os pacientes nem sempre sabem o que é o melhor caminho para processos construtivos de se expressar.Predisposições Humanos e potencialidades são tão complexos que podemos até considerá-lo presunçoso supor que alguém poderia saber de antemão exatamente o que é a abordagem mais criativa para o novo que nos surpreende continuamente. De fato, uma visão de desajuste é que nós fazemos na verdade tentativa de impor pontos de vista e soluções antigas em circunstâncias de vida mudaram, onde eles já não são apropriados (Rossi, 1972). A sugestão em aberto é uma forma de lidar com este problema. Sugestões em aberto nos permite explorar e utilizar o que resposta possibilidades são mais disponíveis para o paciente. É de valor sobre o nível de escolha consciente, bem como determinismo inconsciente. Quando os pacientes estão acordados e conscientemente dirigir seu próprio comportamento, a sugestão em aberto permite auto-determinação. Quando os pacientes estão em transe, a sugestão em aberto permite que o inconsciente para selecionar os meios mais adequados para a realização de uma resposta terapêutica. Como já vimos, não saber e não fazer chumbo naturalmente aberto sugestões. A seguir, são outras ilustrações. Todos nós temos potenciais que desconhecem, e nós geralmente não sabem como vão ser expressa. Sua mente pode rever mais sentimentos, memórias e pensamentos relacionados a esse problema, mas você ainda não sabe que será mais útil para resolver o problema que você está lidando com. Você pode encontrar-se que vão para o passado, o presente, ou o futuro como seus inconscientes seleciona os meios mais adequados de lidar com isso. Ele não sabe o que ele está aprendendo, mas ele está aprendendo. E não é certo para mim para dizer-lhe, você aprende isso ou você aprende que! Deixe-o saber o que quiser, em qualquer ordem que desejar. Ao dar uma grande quantidade de aparente liberdade para explorar e expressar sua individualidade do paciente, tais sugestões abertas levar uma implicação forte de que uma resposta terapêutica será próxima.
  28. 28. 7.Abrangendo todas as possibilidades de uma classe de respostas Enquanto sugestões de duração indeterminada permitir a mais ampla latitude possível para a expressão de uma resposta terapêutica, sugestões que abrangem todas as possibilidades de uma classe de respostas são de mais valor quando o terapeuta deseja concentrar a capacidade de resposta do paciente em uma determinada direção. No início de transe, por exemplo, o seguinte pode ser apropriada. Logo você vai encontrar um dedo ou um polegar se movendo um pouco, talvez por si só. Ele pode se mover para cima ou para baixo, para o lado ou pressionar para baixo. Ele pode ser lenta ou rápida, ou talvez não se mover. A coisa realmente importante é sentir totalmente quaisquer sentimentos desenvolver. Todas as possibilidades de movimento do dedo foram cobertos, incluindo a possibilidade de não se mover em tudo. A sugestão é, assim, à prova de falhas. O paciente é bem sucedido, não importa qual a resposta se desenvolve. O terapeuta é simplesmente explorar a capacidade de resposta inicial do paciente ao iniciar transe, concentrando-se a atenção. Exactamente da mesma abordagem pode ser utilizada quando o paciente experimentou transe terapêutico e está preparado para lidar com um problema. Logo você vai encontrar o problema de peso sendo tratada por comer mais ou menos o direito de alimentos que você pode desfrutar. Você pode primeiro ganhar peso ou perdê-lo ou permanecer o mesmo por um tempo enquanto você aprende as coisas realmente importantes sobre si mesmo. Em ambas estas figuras pode-se observar a forma como são distraindo consciência do paciente a partir da área importante da capacidade de resposta com uma ideia interessante no final (em itálico), de modo que o inconsciente pode ter mais oportunidade para determinar qual das possibilidades de resposta (não em itálico) vai ser expressa. Isto está de acordo com a noção clássica da hipnose como a simultânea com foco e distração de atenção. 8.Perguntas que Facilitam novas possibilidades de resposta Uma pesquisa recente (Steinberg, 1975) indica que o cérebro humano, quando questionado, continua uma busca exaustiva ao longo de todo o seu sistema de memória em um nível inconsciente, mesmo depois de ter encontrado uma resposta que é, aparentemente, satisfazendo em um nível consciente. Essa busca inconsciente e ativação de processos mentais em um nível autônomo é a essência de nossa abordagem indireta, na qual buscamos utilizar potenciais não reconhecidos de um paciente para evocar fenômenos hipnóticos e respostas terapêuticas. Este processo de uma busca inconsciente e um processamento automático de informações é evidente em muitos fenômenos da vida cotidiana.De acordo com um ditado popular, A manhã é mais sábio do que à noite. Depois de ter dormido em um problema, encontramos a solução vem mais facilmente pela manhã. Evidentemente, um processo de pesquisa e resolução de problemas inconsciente vem ocorrendo enquanto a consciência estava em repouso. Há evidências de que o sonho pode ser um teatro experimental da mente, onde as perguntas podem ser respondidas e novas possibilidades de vida sintetizados (Ross, 1971-1973). O método socrático de educação, em que um professor pede ao aluno uma série de questões pontuais, é uma ilustração clássica de usar perguntas como iniciadores de processos mentais. Podemos perguntar, na verdade, se a consciência poderia ter

×