O vídeo digital como recurso multimídia
     integrado ao contexto escolar



       Autora: Maria Lúcia Serafim
         ...
1.   Conversa Inicial
2.   Objetivo do estudo
3.   Questões do estudo
4.   Referencial Literário
•    Método, Participante...
Conversa Inicial

        As    transformações     desencadeadas     no    mundo     pelo
desenvolvimento das tecnologias ...
Exigências da sociedade atual sobre a educação

 que       prepare o aluno para enfrentar novas situações a
cada dia;

q...
O professor neste contexto

O que ele faz em sua prática pedagógica do computador e
das ferramentas multimídia em sala de ...
Objetivos do estudo

                                    Intervir na prática
  Discutir e analisar no     escolar, tendo e...
Questões do estudo
Como será que educador está se apropriando e modificando sua prática
pedagógica, seu modo de ensinar a ...
Referencial literário

Autores que analisam
as  TDICs    como        Moran (1995) - “o vídeo é sensorial, visual,
potenc...
Referencial literário
                                Mayer (2005) que trata da
                                aprendiza...
MÉTODO, PARTICIPANTES E DESIGN DA PESQUISA



A pesquisa foi exploratória e            Realizada em campo
descritiva, com ...
Aplicação           de
         questionários com os
         alunos em etapas,
         sendo uma anterior a
         pro...
MATERIAL E APARATOS




         Na vivência das etapas do trabalho utilizou-se:


Recursos tecnológicos de mediação como ...
Para possibilitar esta interface, selecionou-se a ferramenta
                   Windows Movie Maker.
        É um simples mais bem potente         O programa pode ser usado para
software de edição de vídeo, sendo ainda   ...
PRODUÇÃO
 O grande grupo foi divido em quatro grupos de trabalho e produção para
exploração do aplicativo;

 Idealizar o ...
Resultados e Discussão
                              6%           6%
           16%                                       ...
Resultados e Discussão




                                                                          13%

                ...
6%
                                     16%                                                28%
Resultados e Discussão




...
Resultados e Discussão




                                                                           0%                  ...
25%
                                                                                                                      ...
Resultados e Discussão




                         50%
                                                                  ...
15%
Resultados e Discussão




                           31%



                                                         ...
0%        13%
Resultados e Discussão




                                                                               13...
16     16
                            20                                                                        Altamente ...
24
                                                   25
                                                                 ...
IMPLICAÇÕES E LIMITAÇÕES


A intervenção pedagógica foi para os implicados no estudo uma oportunidade de
vivenciarem uma r...
Os softwares, programas e os computadores desenvolvidos permitem que
sejam calculadas e simuladas cenas (imagens e sons) ...
– Para Moran (2007, p. 47) “ Há atividades que facilitam a organização
      e outras a superação”. Sobre a utilização de ...
Acredita-se que as mudanças necessárias devem ser conduzidas no
âmbito de um empreendimento pedagógico que:
... se conduz ...
Como afirma Freire (1996, p.38)

a tarefa coerente do educador que pensa certo é, exercendo como
   ser humano a irrecusáv...
Referências

 D’AVILA, Cristina M. Pedagogia cooperativa e EAD: uma aliança Possível. Revista da
  FAEBRA: Educação e con...
Referências


MAYER, Richard E. Multimédia Learning: Are you asking the right
questions.Educational Psychologis., Lawrenc...
Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social
e historicamente, nos tornamos capazes de aprender.
Por isso, somos o...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O Vídeo Digital Como Recurso Multimídia Integrado Ao Contexto Escolar

2,655 views

Published on

Comunicação realizada no dia 6 de julho de 2009 no 19º EPENN na UFPB em João Pessoa. Pesquisa que apresenta intervenção realizada na crença de que a inserção da multimídia na escola e com uso de vídeo digital, no caso o Movie Maker pode gerar motivação e colabroação para a aprendizagem dos estudantes.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,655
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
25
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Vídeo Digital Como Recurso Multimídia Integrado Ao Contexto Escolar

  1. 1. O vídeo digital como recurso multimídia integrado ao contexto escolar Autora: Maria Lúcia Serafim UEPB maluserafim@gmail.com http://luciaserafim.blogspot.com
  2. 2. 1. Conversa Inicial 2. Objetivo do estudo 3. Questões do estudo 4. Referencial Literário • Método, Participantes e Design da Pesquisa • Material e Aparatos • Produção • Resultados e Discussão • Implicações e Limitações • Referências
  3. 3. Conversa Inicial As transformações desencadeadas no mundo pelo desenvolvimento das tecnologias da informação e da comunicação . apontam necessidades que mexem e modificam a ação e o pensamento . da humanidade .O s sistemas e ferramentas informatizados são mais do que simples veículos de transmissão de informações. Oferecem poder de interação entre os participantes dos processos comunicativos, que se caracterizam como hipermídias, reúnem várias mídias num suporte computacional potencialmente capazes de ampliar os sentidos e as habilidades envolvidas em sua utilização - potencializando novas aprendizagens nas pessoas. Pesquisa realizada durante estudo Monográfico como aluna na Especialização em Educação e Novas Tecnologias na UEPB
  4. 4. Exigências da sociedade atual sobre a educação  que prepare o aluno para enfrentar novas situações a cada dia; que deixe de ser sinônimo de transferência de informações e adquira caráter de renovação constante, visto que o aprendizado não ocorre apenas em períodos pré- fixados, mas durante todo o processo de vida das pessoas.
  5. 5. O professor neste contexto O que ele faz em sua prática pedagógica do computador e das ferramentas multimídia em sala de aula depende:  em parte, de como ele entende esse processo de transformação da sociedade;  e de como ele se sente em relação a isso, se ele vê todo esse processo como algo benéfico, que pode ser favorável ao seu trabalho;  ou se ele se sente ameaçado e acuado por essas mudanças.
  6. 6. Objetivos do estudo Intervir na prática Discutir e analisar no escolar, tendo em vista, a contexto da sociedade crença de que a inserção da multimídia através do da informação e da vídeo digital integrado ao comunicação aspectos trabalho docente, nos da prática pedagógica conteúdos escolares gere do professor, frente a possibilidades de motivação e atitudes exigências de uma colaborativas no processo educação informacional de aprendizagem dos e multimídia. alunos.
  7. 7. Questões do estudo Como será que educador está se apropriando e modificando sua prática pedagógica, seu modo de ensinar a partir da presença das tecnologias da informação e da comunicação e multimídia ? Será que os alunos da escola investigada estão tendo informação, acesso e vivência com multimídia em seu processo de aprendizagem? Pode-se afirmar que o uso de vídeos digitais através de ferramentas tecnológicas de criação, autoria e edição, possa vir a contribuir para o processo de motivação e colaboração na aprendizagem dos alunos nas disciplinas escolares ?
  8. 8. Referencial literário Autores que analisam as TDICs como Moran (1995) - “o vídeo é sensorial, visual, potencializadoras de linguagem falada, linguagem musical e escrita. Linguagens que interagem novos textos, novas superpostas, interligadas, somadas, não formas de pensar, separadas.Daí a sua força.” novas práticas pedagógicas;  Silva (2000)- a sala de aula interativa e uma análise sobre as confusas formas de se utilizar o computador numa concepção de reprodução do ensino enciclopédico que dá lugar a centralidade do professor “Torno a repetir: a autoria do professor é mais do que nunca solicitada”.
  9. 9. Referencial literário Mayer (2005) que trata da aprendizagem multimídia “multimedia learning is defined as learrning from words (pictures  ...e ao uso do vídeo (illustrations, photos, maps, digital na educação na contextualização de graphs, na imation, or vídeo)” aprendizagem multimídia gerando projetos e investigações, exploração  Lévy (1993) ...a multimídia irá de aplicativos disponíveis exigir equipes de autores, um na rede virtual. verdadeiro trabalho coletivo”.
  10. 10. MÉTODO, PARTICIPANTES E DESIGN DA PESQUISA A pesquisa foi exploratória e Realizada em campo descritiva, com apoio da estatística escolar na cidade de descritiva, utilizando para avaliação Campina Grande, nos variável do tipo qualitativa e tabelas meses de maio e junho de distribuição de freqüências; de 2008. Aliou figuras e tabelas feitas com o aspectos quantitativos, software Excel. mediante observação e intervenção direta do pesquisador.
  11. 11. Aplicação de questionários com os alunos em etapas, sendo uma anterior a produção digital, e outra após a produção do vídeo digital, num período de 15 dias letivos e verificou o nível de satisfação e motivação do aluno diante desta prática interventiva. DESIGN DA PESQUISA
  12. 12. MATERIAL E APARATOS Na vivência das etapas do trabalho utilizou-se: Recursos tecnológicos de mediação como laboratório da escola, sala de aula dos alunos, data show, Cds, câmeras digitais, computador com sistema operacional Windows 2003 e o aplicativo Windows Movie Maker.
  13. 13. Para possibilitar esta interface, selecionou-se a ferramenta Windows Movie Maker.
  14. 14.  É um simples mais bem potente  O programa pode ser usado para software de edição de vídeo, sendo ainda organizar vídeos produzidos por em parte desconhecido como ferramenta filmadoras e câmeras fotográficas ou gratuita do sistema operacional Windows. mesmo para montar apresentações com imagens estáticas. Só é preciso ter os  O programa evoluiu imensamente clipes de vídeo e as fotos no desde sua versão inicial em 2000, computador. incluída no Windows Millennium até a atual versão (2.1) no Windows XP e  Após salvo, pode ser visto pelo Windows Vista, hoje se pode dizer que Windows media player, ou pode ser cobre um alto percentual de uso para as copiado em CD, pois o Movie Maker necessidades do chamado cineasta salva os vídeos em formato WMV e AVI. caseiro, permitindo basicamente só com  Envolve algumas etapas simples o mouse realizar funções complexas ao como: Transferência de conteúdo para criar filmes com trilha sonora, letreiros e o Windows Movie Maker, editar o efeitos especiais. projeto, visualizar o projeto, enviar o filme terminado.
  15. 15. PRODUÇÃO O grande grupo foi divido em quatro grupos de trabalho e produção para exploração do aplicativo;  Idealizar o projeto, tendo à mão, no micro, todos os itens para incluir no filmes: clipes de vídeo em arquivos MPG, fotos e músicas MP3 para a trilha sonora;  Para narrações de voz, um microfone conectado ao computador, pesquisas de aprofundamento do assunto em estudo “Organelas citoplasmáticas”, escolhas de cenas, sons e imagens e estruturação de papeis dos alunos; A professora vivenciou os processos de criação de vídeo, com o aplicativo assunto “organelas citoplasmática” – construção de vídeo aula; A etapa de produção suscitou o uso do aparato tecnológico para edição do vídeo e finalização do produto que foi gravado em Cds, resultando em quatro apresentações multimídias para socialização do conhecimento e das experiências colaborativas e motivacionais vivenciadas.
  16. 16. Resultados e Discussão 6% 6% 16% 19% 9% 19% 25% ►concentração na aula ►estudar regularmente ►gostar de biologia ►explicação e roteiro da professora ►interesse pela biologia ►prestar atenção e estudar em casa ►ter facilidade com as disciplinas que exigem leitura Figura 1– Fatores que fazem o aluno obter resultados satisfatórios em Biologia
  17. 17. Resultados e Discussão 13% 0% 49% 16% Sim Não Casa Escola 100% 13% Lan house 9% 0% Outros Escola e lan Em casa e lan Figura 2- Usam o computador Figura 3- Local onde o aluno usa o computador
  18. 18. 6% 16% 28% Resultados e Discussão 28% 9% 13% Interessante, pois a aula será interativa e proveitosa e facilita o aprendizado é uma renovação contemporanea servirá como reforço para a aprendizagem ajudará na aprendizagem criando meio alternativo de aprender ajuda no conteúdo e na aprendizagem do aplicativo tecnológico maneira divertida de aprender Figura 4-Sobre o uso de aplicativo multimídia para produzir vídeo em Biologia
  19. 19. Resultados e Discussão 0% 13% 0% 0% 0% Fácil 13% 74% Acessivel Dificil 100% Sintetizar idéias Pesquisar e selecionar com crítica Selecionar imagens válidas Selecionar texto e imagem relacionadas Compreender o detalhamento do conteúdo Figura 5-Opinião sobre o uso do Figura 6– Em que ajudou a produção do vídeo sobre Movie Maker citoplasma celular
  20. 20. 25% 100% Resultados e Discussão 25% 0% 0% 0% 0% 0% 50% Desenvolvimento o pensamento crítico Encontrar imagens adequadas ao conteúdo Melhora do discurso Problemas técnicos Pesquisar e organizar as informações Favorecimento de visão mais prática da disciplina Informações na internet contendo contradições Outros Mobilizou habilidade musical e relacionamento com as pessoas Figura 8- Em que favoreceu produzir vídeo Figura 7- Dificuldades para desenvolver o em Biologia vídeo
  21. 21. Resultados e Discussão 50% 0% Sim Sim Não Não Em parte 50% 50% Outros 0% 50% Figura 9- Preocupação em elaborar Figura 10 - Realização do vídeo aumentou roteiro do filme interesse por Biologia
  22. 22. 15% Resultados e Discussão 31% 31% 23% Trabalhar em equipe é importante para a interação social Trabalhos com produção de vídeo trazem iniciativa e boa convivência Promove a co-responsabilidade entre os membros da equipe Propicia trabalho colaborativo Figura 11– Opiniões dos alunos quanto ao trabalho em grupos
  23. 23. 0% 13% Resultados e Discussão 13% 49% 25% 0% Trouxe maior gosto pelo tema Forma dinamica de aprender Bom metodo para aprender Oportunidade do aluno se auto-desafiar na busca de imagem e texto relativo ao tema O aluno é produtor de um filme Exigiu o empenho do aluno em produzir filme em biologia Figura 12 –A metodologia com a mediação do aplicativo Movie Maker foi Desafiante por quê
  24. 24. 16 16 20 Altamente Insatisfeito Resultados e Discussão 15 Insatisfeito 10 Nem Satisfeito nem Insatisfeito 5 0 0 0 Satisfeito 0 Altamente Satisfeito Figura 13 -Nível de satisfação do aluno com a produção de vídeo , conferindo-lhe autoria. Número Mínimo Máximo Média Desvio Altamente Insatisfeito 1 0 1 5 0 0 Insatisfeito 2 0 1 5 0 0 Nem Satisfito Nem insatisfeito 3 0 1 5 0 0 Satisfeito 4 16 1 5 2,50 0,5 Altmente Satisfeito 5 16 1 5 2,50 0,5 Tabela 1- Descrição estatística por Score da média do nível de satisfação dos alunos
  25. 25. 24 25 AI Resultados e Discussão 20 I 15 NS I 8 S 10 AS 5 0 0 0 0 Figura 14 - Nível de satisfação com a aprendizagem em Biologia Nº Minino Máximo Média Desvio Altamente Insatisfeito 1 0 1 5 0 0 Insatisfeito 2 0 1 5 0 0 Nem Satisfito Nem insatisfeito 3 0 1 5 0 0 Satisfeito 4 8 1 5 1,00 0,25 Altmente Satisfeito 5 24 1 5 3,75 1,25 Tabela 02- Descrição Estatística por Score- satisfação com a aprendizagem em Bologia
  26. 26. IMPLICAÇÕES E LIMITAÇÕES A intervenção pedagógica foi para os implicados no estudo uma oportunidade de vivenciarem uma relação de aprendizagem ativa, que gerou aprendizado tanto do aplicativo, da disciplina como aprendizagem de situações didáticas que envolveram alunos e professora em trabalho colaborativo e motivacional na apresentação, revisão e aprofundamento dos conteúdos de Biologia. A contribuição desta pesquisa pode sinalizar à formação docente, desafios reais que os avanços tecnológicos recentes projetam na prática pedagógica e na educação, como também apresenta a sala de aula como um lugar à multimídia e ao vídeo digital, podendo ser ação motivadora favorável ao processo de aprendizagem dos alunos em disciplinas escolares.
  27. 27. Os softwares, programas e os computadores desenvolvidos permitem que sejam calculadas e simuladas cenas (imagens e sons) sintéticas cada vez mais realistas. Sem dúvida estes avanços interessam à pesquisa educacional e propõem um quadro pedagógico para as novas tecnologias. O desafio está em que a mudança de concepção, diz respeito às aprendizagens não somente as tecnologias. Mas do que ensinar trata-se de fazer aprender. A construção de vídeo digital com os conteúdos de Biologia, deram suporte a aprendizagem na opinião dos alunos, ao ser empregado para tratar da revisão de conceitos, solução de problemas e o desenvolvimento do projeto do vídeo em grupos.
  28. 28. – Para Moran (2007, p. 47) “ Há atividades que facilitam a organização e outras a superação”. Sobre a utilização de vídeo na escola, apresenta dois focos:  Quando o vídeo provoca, sacode, causa inquietação e serve como abertura para um tema, é um estímulo em nossa inércia (...).  Quando o vídeo serve para confirmar uma teoria, uma síntese, um olhar específico com o qual já estamos trabalhando, é ele que ilustra, amplia, exemplifica. • O estudo realizado desejou atingir o segundo foco, pela relevância de superação de modelo estabelecido para um mais inovador e pela busca de sistematizar organizações em grupo para favorecer maior aprendizagem, conhecimento e uso do aplicativo multimídia.
  29. 29. Acredita-se que as mudanças necessárias devem ser conduzidas no âmbito de um empreendimento pedagógico que: ... se conduz no referencial das teorias de aprendizagem que tornam este processo uma rede colaborativa, onde a interação educação e tecnologias digitais favorecem a ação pedagógica colaborativa, podendo ser o uso e aplicação do vídeo digital uma possibilidade possível.
  30. 30. Como afirma Freire (1996, p.38) a tarefa coerente do educador que pensa certo é, exercendo como ser humano a irrecusável prática de interligar, desafiar o educando com quem se comunica e a quem se comunica, produzir sua compreensão do que vem sendo comunicado. Não há inteligibilidade que não seja comunicação e intercomunicação e que não se funde na dialogicidade. O pensar certo por isso é dialógico e não polêmico.
  31. 31. Referências  D’AVILA, Cristina M. Pedagogia cooperativa e EAD: uma aliança Possível. Revista da FAEBRA: Educação e contemporaneidade, Salvador, v. 12, n. 20, p.273-285, jul./dez., 2003.  FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991  _____________. Pedagogia da autonomia :saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996  LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo. EPU, 1986.  LÉVY, Pierre. As tecnologias inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro, 34, 1993.  MAYER, Richard E.The Cambridge Handbook of Multimedia Learning. 3rd ed. Edited by Richard E. Mayer. Universty of Califórnia, Santa Bárbara, 2005.
  32. 32. Referências MAYER, Richard E. Multimédia Learning: Are you asking the right questions.Educational Psychologis., Lawrence ErlbaumAssociates, v. 32, n. 1, p. 1-19, 2001. MORAN, José M. O vídeo na sala de aula- Comunicação e educação. São Paulo. São Paulo (2): Jan./abr. 1995 ______________ A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus, 2007. SILVA, Marco. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2000. VEIGA NETO, A. Olhares. In: M. V. Costa. Caminhos investigativos. Novos olhares na pesquisa em educação. (pp. 19-35). Porto Alegre: Mediação. WALKER, R. (2004). Editorial Cambridge Journal of Education, 34(2), 139-142.
  33. 33. Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender. Por isso, somos os únicos em quem aprender é uma ventura criadora, algo, por isso mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender para nós é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito. (Paulo Freire, p. 68) Freire Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo, Paz e Terra 1996. OBRIGADO!!! Prof. Ms. Lúcia Serafim – http://luciaserafim.blogspot.com maluserafim@gmail.com

×