Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias

18,951 views

Published on

  • Be the first to comment

Análise de i juca-pirama, de gonçalves dias

  1. 1. I-Juca-Pirama, Gonçalves Dias Manoel Neves
  2. 2. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [primeiro canto]No meio das tabas de amenos verdores, São rudos, severos, sedentos de glória,Cercadas de troncos – cobertos de flores, Já prélios incitam, já cantam vitória,Alteiam-se os tetos d’altiva nação; Já meigos atendem à voz do cantor:São muitos seus filhos, nos ânimos fortes, São todos Timbiras, guerreiros valentes!Temíveis na guerra, que em densas coortes Seu nome lá voa na boca das gentes,Assombram das matas a imensa extensão. Condão de prodígios, de glória e terror!As tribos vizinhas, sem forças, sem brio, No centro da taba se estende um terreiro,As armas quebrando, lançando-as ao rio, Onde ora se aduna o concílio guerreiroO incenso aspiraram dos seus maracás: Da tribo senhora, das tribos servis:Medrosos das guerras qu’ os fortes acendem, Os velhos sentados praticam d’outrora,Custosos tributos ignavos lá rendem, E os moços inquietos, que a festa enamora,Aos duros guerreiros sujeitos na paz. Derramam-se em torno dum índio infeliz. forma: oito sextilhas de versos hendecassílabos [ritmo lento e marcado]conteúdo: descrição [natureza exuberante] + caracterização narrativo-descritiva dos Timbiras
  3. 3. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [primeiro canto] Quem é? – ninguém sabe: seu nome é ignoto, Por casos de guerra caiu prisioneiro Sua tribo não diz: – de um povo remoto Nas mãos dos Timbiras: – no extenso terreiro Descende por certo – dum povo gentil; Assola-se o teto, que o teve em prisão; Assim lá na Grécia ao escravo insulano Convidam-se as tribos dos seus arredores, Tornavam distinto do vil muçulmano Cuidosos se incubem do vaso das cores, As linhas corretas do nobre perfil. Dos vários aprestos da honrosa função. Acerva-se a lenha da vasta fogueira Em tanto as mulheres com leda trigança, Entesa-se a corda da embira ligeira, Afeitas ao rito da bárbara usança, Adorna-se a maça com penas gentis: índio já querem cativo acabar: A custo, entre as vagas do povo da aldeia A coma lhe cortam, os membros lhe tingem, Caminha o Timbira, que a turba rodeia, Brilhante enduape no corpo lhe cingem, Garboso nas plumas de vário matiz. Sombreia-lhe a fronte gentil canitar. conteúdo: apresentação do guerreiro tupi [cujo porte é elogiado] aprisionado pelos timbirasconteúdo: os Timbiras preparam o guerreiro tupi para o ritual antropofágico [adornos, adereços]
  4. 4. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [segundo canto] Em fundos vasos d’alvacenta argila O prisioneiro, cuja morte anseiam, Ferve o cauim; Sentado está, Enchem-se as copas, o prazer começa, O prisioneiro, que outro sol no ocaso Reina o festim. Jamais verá! A dura corda, que lhe enlaça o colo, Contudo os olhos d’ignóbil pranto Mostra-lhe o fim Secos estão; Da vida escura, que será mais breve Mudos os lábios não descerram queixas Do que o festim! Do coração. Mas um martírio, que encobrir não pode, Que tens, guerreiro? Que temor te assalta Em rugas faz No passo horrendo? A mentirosa placidez do rosto Honra das tabas que nascer te viram, Na fronte audaz! Folga morrendo. forma: dez quadras com esquema métrico variado [10-4-10-4]conteúdo: descrição do festim antropofágico; guerreiro tupi começa a se mostrar preocupado
  5. 5. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [segundo canto] Folga morrendo; porque além dos Andes Rasteira grama, exposta ao sol, à chuva, Revive o forte, Lá murcha e pende: Que soube ufano contrastar os medos Somente ao tronco, que devassa os ares, Da fria morte. O raio ofende! Que foi? Tupã mandou que ele caísse, Que temes, ó guerreiro? Além dos Andes Como viveu; Revive o forte, E o caçador que o avistou prostrado Que soube ufano contrastar os medos Esmoreceu! Da fria morte.conteúdo: notando que o guerreiro tupi está um pouco reticente e pensativo, os timbiras oconteúdo: encorajam a aceitar o sacrifício pq Tupã vive além dos Andes para cuidar dele
  6. 6. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [terceiro canto]Em larga roda de novéis guerreiros Como que por feitiço não sabidoLedo caminha o festival Timbira, Encantadas ali as almas grandesA quem do sacrifício cabe as honras, Dos vencidos Tapuias, inda choremNa fronte o canitar sacode em ondas, Serem glória e brasão d’imigos feros.O enduape na cinta se embalança,Na destra mão sopesa a iverapeme, “Eis-me aqui”, diz ao índio prisioneiro;Orgulhoso e pujante. – Ao menor passo “Pois que fraco, e sem tribo, e sem família,Colar d’alvo marfim, insígnia d’honra, “As nossas matas devassaste ousado,Que lhe orna o colo e o peito, ruge e freme, “Morrerás morte vil da mão de um forte.” forma: estrofação irregular com versos decassílabos conteúdo: o festival encaminha-se para o seu apogeu [sacrifício]; o índio tupi se apresenta conteúdo: e pergunta se será covardemente morto
  7. 7. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [terceiro canto] Vem a terreiro o mísero contrário; Do colo à cinta a muçurana desce: “Dize-nos quem és, teus feitos canta, “Ou se mais te apraz, defende-te.” Começa O índio, que ao redor derrama os olhos, Com triste voz que os ânimos comove. forma: estrofação irregular com versos decassílabos conteúdo: apesar da incredulidade dos guerreiros timbiras, o guerreiro tupi é convidado a seconteúdo: defender, através de um discurso; o índio começa a chorar e usa uma voz comovente.
  8. 8. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [quarto canto] Da tribo pujante, Já vi cruas brigas, Andei longes terrasMeu canto de morte, Que agora anda errante De tribos imigas, Lidei cruas guerras, Guerreiros, ouvi: Por fado inconstante, E as duras fadigas Vaguei pelas serrasSou filho das selvas, Guerreiros, nasci; Da guerra provei; Dos vis Aimoréis; Nas selvas cresci; Sou bravo, sou forte, Nas ondas mendaces Vi lutas de bravos,Guerreiros, descendo Sou filho do Norte; Senti pelas faces Vi fortes – escravos! Da tribo tupi. Meu canto de morte, Os silvos fugaces De estranhos ignavos Guerreiros, ouvi. Dos ventos que amei. Calcados aos pés.E os campos talados, Aos golpes do imigo, Meu pai a meu lado O velho no entantoE os arcos quebrados, Meu último amigo, Já cego e quebrado, Sofrendo já tanto E os piagas coitados Sem lar, sem abrigo De penas ralado, De fome e quebranto, Já sem maracás; Caiu junto a mi! Firmava-se em mi: Só qu’ria morrer!E os meigos cantores, Com plácido rosto, Nós ambos, mesquinhos, Não mais me contenho,Servindo a senhores, Sereno e composto, Por ínvios caminhos, Nas matas me embrenhoQue vinham traidores, O acerbo desgosto Cobertos d’espinhos Das frechas que tenhoCom mostras de paz. Comigo sofri. Chegamos aqui! Me quero valer.
  9. 9. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [quarto canto] Então, forasteiro, Eu era o seu guia Ao velho coitado Não vil, não ignavo, Caí prisioneiro Na noite sombria, De penas ralado, Mas forte, mas bravo,De um troço guerreiro A só alegria Já cego e quebrado, Serei vosso escravo:Com que me encontrei: Que Deus lhe deixou: Que resta? – Morrer. Aqui virei ter. O cru dessossêgo Em mim se apoiava, Enquanto descreve Guerreiros, não coro Do pai fraco e cego, Em mim se firmava, O giro tão breve Do pranto que choro: Enquanto não chego Em mim descansava, Da vida que teve, Se a vida deploro, Qual seja, – dizei! Que filho lhe sou. Deixai-me viver! Também sei morrer. história do tupi: depois de ver seu último companheiro de guerra cair junto de si, o guerreiro história do tupi: foge com seu pai; então, embrenha-se na floresta e acaba por cair prisioneirohistória do tupi: dos timbiras; após tal constatação, pede para ser solto a fim de que cuide do pai história do tupi: até o fim dos dias deste; assim que o velho morresse, ele voltará história do tupi: para ser sacrificado pelos guerreiros timbiras.
  10. 10. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [quinto canto] forma: estrofação irregular com versos heterométricos tema: o chefe timbira pede para que soltem o tupi; todos ficam assustados, pois isso nuncatema: ocorrera antes; solto, o tupi agradece o timbira, que o manda partir; o tupi diz que voltará tema: então, o chefe timbira diz que será em vão, pq um tupi nunca chora; o tupi parte.
  11. 11. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [sexto canto] forma: estrofação irregular com versos heterométricos [predomínio de decassílabos] tema: o índio tupi reencontra seu pai, que estranha a falta dos adornos da tribo tupi e ainda tema: o cheiro das tintas utilizadas no ritual antropofágico;tema: o índio tupi diz que foi preso pelos timbiras e que estes o soltaram quando souberam qtema: da existência do velho pai fraco e cego; o velho tupi pergunta onde fica a tribo timbira e tema: para ser levado para lá.
  12. 12. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [sétimo canto] forma: estrofação irregular com versos heptassílabos [rimas irregulares]tema: o velho tupi agradece a gentileza dos timbiras, mas diz que nunca foi vencido nem tema: na guerra, nem em gentileza, por isso, solicita que o ritual se realizetema: o chefe timbira humilha o velho tupi, ao falar que o filho dele é indigno do sacrifício.
  13. 13. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [oitavo canto]“Tu choraste em presença da morte? “Possas tu, isolado na terra,Na presença de estranhos choraste? Sem arrimo e sem pátria vagando,Não descende o cobarde do forte; Rejeitado da morte na guerra,Pois choraste, meu filho não és! Rejeitado dos homens na paz,Possas tu, descendente maldito Ser das gentes o espectro execrado;De uma tribo de nobres guerreiros, Não encontres amor nas mulheres,Implorando cruéis forasteiros, Teus amigos, se amigos tiveres,Seres presa de via Aimorés. Tenham alma inconstante e falaz!“Não encontres doçura no dia, “Que a teus passos a relva se torre;Nem as cores da aurora te ameiguem, Murchem prados, a flor desfaleça,E entre as larvas da noite sombria E o regato que límpido corre,Nunca possas descanso gozar: Mais te acenda o vesano furor;Não encontres um tronco, uma pedra, Suas águas depressa se tornem,Posta ao sol, posta às chuvas e aos ventos, Ao contacto dos lábios sedentos,Padecendo os maiores tormentos, Lago impuro de vermes nojentos,Onde possas a fronte pousar. Donde fujas com asco e terror!
  14. 14. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [oitavo canto]“Sempre o céu, como um teto incendido, “Um amigo não tenhas piedosoCreste e punja teus membros malditos Que o teu corpo na terra embalsame,E oceano de pó denegrido Pondo em vaso d’argila cuidosoSeja a terra ao ignavo tupi! Arco e frecha e tacape a teus pés!Miserável, faminto, sedento, Sê maldito, e sozinho na terra;Manitôs lhe não falem nos sonhos, Pois que a tanta vileza chegaste,E do horror os espectros medonhos Que em presença da morte choraste,Traga sempre o cobarde após si. Tu, cobarde, meu filho não és.”
  15. 15. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [nono canto] forma: estrofação irregular com versos decassílabostema: o guerreiro tupi, ao ouvir as palavras do velho, lança seu grito de guerra e começa a lutartema: a esmo; há, então, um alarido terrível na tribo; correria; combates; então o velho timbira tema: reconhece a bravura do guerreiro tupi e diz que ele está apto para o sacrifício; tema: o pai e o filho tupis choram de emoção.
  16. 16. A POESIA DO ROMANTISMO primeira geração INDIANISMO [índio: ideal da identidade nacional] I-JUCA-PIRAMA, Gonçalves Dias [décimo canto] Um velho Timbira, coberto de glória, “Eu vi o brioso no largo terreiro Guardou a memória Cantar prisioneiro Do moço guerreiro, do velho Tupi! Seu canto de morte, que nunca esqueci:E à noite, nas tabas, se alguém duvidava Valente, como era, chorou sem ter pejo; Do que ele contava, Parece que o vejo, Dizia prudente: – “Meninos, eu vi! Que o tenho nest’hora diante de mi.“Eu disse comigo: Que infâmia d’escravo! Assim o Timbira, coberto de glória, Pois não, era um bravo; Guardava a memória Valente e brioso, como ele, não vi! Do moço guerreiro, do velho Tupi. E à fé que vos digo: parece-me encanto E à noite nas tabas, se alguém duvidava Que quem chorou tanto, Do que ele contava, Tivesse a coragem que tinha o Tupi!” Tornava prudente: “Meninos, eu vi!”. forma: quatro sextilhas de metro alternado 11 e 5 conteúdo: velho timbira é o guardião da memória do célebre guerreiro tupi.

×