Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
A narrativa de Machado de Assis           Manoel Neves
REALISMO NA EUROPA                                    crítica à hipocrisia da moral burguesa                              ...
REALISMO                                                         características                                          ...
REALISMO                                                        características                                           ...
REALISMO                                                                característicasNão	   bonita,	   nem	   simpá,ca	 ...
REALISMO                                                                 característicasE	   não	   faltará	   quem	   ach...
REALISMO                                                          características                                         ...
REALISMO                                                                   característicasA	  noite	  era	  clara;	  fiquei...
REALISMO                                                                   característicasO	  encontro	  de	  duas	  expan...
REALISMO                                                                     característicasEra	   uma	   vez	   uma	   ch...
REALISMO                                                                       característicasComeço	   a	   arrepender-­‐...
REALISMO                                                                     característicasLembrou-­‐me	  congregar	  os	...
REALISMO                                                                 característicasImagine	   a	   leitora	   que	   ...
MACHADO DE ASSIS                                   tensão entre o regional e o universal                                  ...
MACHADO DE ASSIS                           dissecando a “segunda natureza”                                             o c...
MACHADO DE ASSIS                                                        principais obras               obras românticas   ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

A narrativa de machado de assis

1,944 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A narrativa de machado de assis

  1. 1. A narrativa de Machado de Assis Manoel Neves
  2. 2. REALISMO NA EUROPA crítica à hipocrisia da moral burguesa Madame Bovary, a origemColocando   a   român,ca   Ema   Bovary   em   contato   com   a   realidade,   Flaubert   reflete   sobre   a  impossibilidade  de  concre,zação  das  fantasias  sen,mentais.  Ela  sonha  com  uma  vida  diferente  e   excitante,  ao  lado   de   alguém   que   seja   a   encarnação   de   um   príncipe  encantado.  A  decepção  com  o  marido  e  a  busca  do  mundo  de  beleza,  prazer  e  refinamento  que  os  textos  român,cos  lhe  haviam  mostrado,  carregam-­‐na  em  direção  ao  adultério.  Trai  duas  vezes  e  em  ambas  as  traições  experimenta  a  "grande  paixão"  e  em  seguida  o  abandono  do  amante.  Desiludida,  compreende  a  impotência   e   a   alienação   român,ca   de   seus   desejos,   mas   não   tem   forças   para   suportar   a  grosseria  e  o  u,litarismo  da  existência  pequeno-­‐burguesa,  preferindo  o  arsênico  à  lenta  asfixia  de  um  co,diano  vazio.    
  3. 3. REALISMO características análise psicológicaEstudam-­‐se   as   mo,vações   que   impulsionam   as   personagens.   Isso   é   feito,   normalmente,   através  do   discurso   indireto   livre.   Entretanto,   é   comum   a   observação   minuciosa   das   ações   das  personagens  com  o  intuito  de  lhes  analisar  o  comportamento.  
  4. 4. REALISMO características tipificação socialApesar  de  focalizar  mais  de,damente  as  classes  médias  urbanas,    o  romance  realista  se  detém  na  observação  dos  mecanismos  de  ascensão  social  e  na  análise  do  arrivismo  social.  
  5. 5. REALISMO característicasNão   bonita,   nem   simpá,ca   [...]   Dona   Evarista   reunia   condições   fisiológicas   e   anatômicas   de  primeira   ordem,   digeria   com   facilidade,   dormia   regularmente,   ,nha   bom   pulso,   e   excelente  vista;   estava   assim   apta   para   dar-­‐lhe   filhos   robustos,   sãos   e   inteligentes.   Se   além   dessas  prendas,  -­‐  únicas  dignas  da  preocupação  de  um  sábio,  D.  Evarista  era  mal  composta  de  feições,  longe  de  las,má-­‐lo,  agradecia-­‐o  a  Deus,  porquanto  não  corria  o  risco  de  preterir  os  interesses  da  ciência  na  contemplação  exclusiva,  miúda  e  vulgar  da  consorte.   ASSIS,  Machado  de.  Papeis  avulsos.  Belo  Horizonte:  Ita,aia,  2005.   desidealizaçãoAs   personagens   são   apresentadas   obje,vamente.   O   narrador   preza   pela   verossimilhança   e  apresenta  o  ser  humano  tal  qual  ele  é.  
  6. 6. REALISMO característicasE   não   faltará   quem   ache   que   a   alma   deste   homem   é   uma   colcha   de   retalhos.   Pode   ser;  moralmente  as  colchas  inteiriças  são  raras!  O  principal  é  que  as  cores  se  não  desmintam  umas  às  outras  –  quando  não  podem  obedecer  à  simetria  e  regularidade.  Era  o  caso  do  nosso  homem.  Tinha  o  aspecto  baralhado  à  primeira  vista;  mas  atentando  bem,  por  mais  opostos  que  fossem  os  ma,zes,  lá  se  achava  a  unidade  moral  da  pessoa.   ASSIS,  Machado  de.  Quincas  Borba.  São  Paulo:  Á,ca,  2001.   amargura e ironia na observação do ser humano
  7. 7. REALISMO características descrições detalhadasAs   descrições   detalhadas   deixam   a   narra,va   mais   lenta   e   visam   a   aumentar   o   grau   de  verossimilhança  e  garan,r  um  efeito  de  real  às  obras.  
  8. 8. REALISMO característicasA  noite  era  clara;  fiquei  cerca  de  meia  hora,  entre  o  mar  e  a  sua  casa.  A  senhora  aposto  que  nem  sonhava   comigo?   Entretanto   eu   quase   que   ouvia   a   sua   respiração.   O   mar   ba,a   com   força,   é  verdade,  com  esta  diferença  que  o  mar  é  estúpido,  sem  saber  por  quê,  e  o  meu  coração  sabe  que  ba,a  pela  senhora.   ASSIS,  Machado  de.  Quincas  Borba.  São  Paulo:  Á,ca,  2001.   antirromantismoCrí,ca  ao  sen,mentalismo  român,co.  
  9. 9. REALISMO característicasO  encontro  de  duas  expansões,  ou  a  expansão  de  duas  formas,  pode  determinar  a  supressão  de  uma  delas;  mas,  rigorosamente,  não  há  morte,  há  vida,  porque  a  supressão  de  uma  é  a  condição  da   sobrevivência   da   outra,   e   a   destruição   não   a,nge   o   princípio   universal   e   comum.   Daí   o  caráter   conservador   e   benéfico   da   guerra.   Supõe   tu   um   campo   de   batatas   e   duas   tribos  famintas.   As   batatas   apenas   chegam   para   alimentar   uma   das   tribos,   que   assim   adquire   forças  para   transpor   a   montanha   e   ir   à   outra   vertente,   onde   há   batatas   em   abundância;   mas,   se   as  duas   tribos   dividirem   em   paz   as   batatas   do   campo,   não   chegam   a   nutrir-­‐se   suficientemente   e  morrem  de  inanição.  A  paz,  nesse  caso,  é  a  destruição;  a  guerra  é  a  conservação.  Uma  das  tribos  extermina   a   outra   e   recolhe   os   despojos.   Daí   a   alegria   da   vitória,   os   hinos,   aclamações,  recompensas  públicas  e  todos  os  demais  efeitos  das  ações  bélicas.  Se  a  guerra  não  fosse  isso,  tais  demonstrações  não  chegariam  a  dar-­‐se,  pelo  mo,vo  real  de  que  o  homem  só  comemora  e  ama   o   que   lhe   é   aprazível   ou   vantajoso,   e   pelo   mo,vo   racional   de   que   nenhuma   pessoa  canoniza  uma  ação  que  virtualmente  a  destrói.  Ao  vencido,  ódio  ou  compaixão;  ao  vencedor,  as  batatas.   ASSIS,  Machado  de.  Quincas  Borba.  São  Paulo:  Á,ca,  2001.   ceticismo e niilismoDa  descrença  em  alguns  ideais  [ce,cismo],  as  obras  realistas  evoluem,  em  alguns  casos  para  a  descrença  absoluta  [niilismo].  É  o  que  se  vê  na  metáfora  das  batatas.  
  10. 10. REALISMO característicasEra   uma   vez   uma   choupana   que   ardia   na   estrada;   a   dona   –   um   triste   molambo   de   mulher   –,  chorava   o   seu   desastre,   a   poucos   passos,   sentada   no   chão.   Senão   quando,   indo   a   passear   um  homem   ébrio,   viu   o   incêndio,   viu   a   mulher,   perguntou-­‐lhe   se   a   casa   era   dela.   –   É   minha,   sim,  meu  senhor;  é  tudo  o  que  eu  possuía  neste  mundo.  –  Dá-­‐me  então  licença  que  acenda  ali  o  meu  charuto?   ASSIS,  Machado  de.  Quincas  Borba.  São  Paulo:  Á,ca,  2001.   humor negro
  11. 11. REALISMO característicasComeço   a   arrepender-­‐me   deste   livro.   Não   que   ele   me   canse;   eu   não   tenho   que   fazer;   e,  realmente,   expedir   alguns   magros   capítulos   para   esse   mundo   sempre   é   tarefa   que   distrai   um  pouco   da   eternidade.   Mas   o   livro   é   enfadonho,   cheira   a   sepulcro,   traz   certa   contração  cadavérica;  vício  grave,  e  aliás  ínfimo,  porque  o  maior  defeito  deste  livro  és  tu,  leitor.  Tu  tens  pressa   de   envelhecer,   e   o   livro   anda   devagar;   tu   amas   a   narração   direita   e   nutrida,   o   es,lo  regular   e   fluente,   e   este   livro   e   o   meu   es,lo   são   como   os   ébrios,   guinam   à   direita   e   à   esquerda,  andam  e  param,  resmungam,  urram,  gargalham,  ameaçam  o  céu,  escorregam  e  caem...     ASSIS,  Machado  de.  Memórias  póstumas  de  Brás  Cubas.  São  Paulo:  Á,ca,  2005.   conversa com o leitor
  12. 12. REALISMO característicasLembrou-­‐me  congregar  os  principais  de  Fuchéu  para  que  me  ouvissem  tanger  o  instrumento,  os  quais   vieram,   escutaram   e   foram-­‐se   repe,ndo   que   nunca   antes   ,nham   ouvido   coisa   tão  extraordinária.   E   confesso   que   alcancei   um   tal   resultado   com   o   só   recurso   de   ademanes,   da  graça   em   arquear   os   braços   para   tomar   a   charamela,   que   me   foi   trazida   em   uma   bandeja   de  prata,  da  rigidez  do  busto,  da  unção  com  que  alcei  os  olhos  ao  ar,  e  do  desdém  e  ufania  com  que  os  baixei  à  mesma  assembleia.   ASSIS,  Machado  de.  O  segredo  do  bonzo.  Papeis  avulsos.  Belo  Horizonte:  Ita,aia,  2005.   conflito aparência x essência
  13. 13. REALISMO característicasImagine   a   leitora   que   está   em   1813,   na   Igreja   do   Carmo,   ouvindo   uma   daquelas   boas   festas  amigas,   que   eram   todo   o   recreio   público   e   toda   a   arte   musical.   Sabem   o   que   é   uma   missa  cantada;   podem   imaginar   o   que   seria   uma   missa   cantada   daqueles   tempos   remotos.   Não   lhe  chamo   a   atenção   para   os   padres   e   os   sacristãos,   nem   para   o   sermão,   nem   para   os   olhos   das  moças   cariocas,   que   já   eram   bonitos   nesse   tempo,   nem   para   as   man,lhas,   das   senhoras   graves,  os  calções,  as  cabeleiras,  as  sanefas,  as  luzes,  os  incensos,  nada.  Não  falo  sequer  da  orquestra,  que   é   excelente;   limito-­‐me   a   mostrar-­‐lhes   uma   cabeça   branca,   a   cabeça   desse   velho   que   rege   a  orquestra,  com  alma  e  devoção.   ASSIS,  Machado  de.  Can,ga  de  esponsais.  Disponível  em:  hlp://www.releituras.com/machadodeassis_can,ga.asp   metalinguagem digressão
  14. 14. MACHADO DE ASSIS tensão entre o regional e o universal INSTINTO DE NACIONALIDADE e a crítica literária de fins do século XIX no  final  do  século  XIX,  o  crí,co  Sílvio  Romero  acusou  Machado  de  Assis  de  ter  um     es>lo  des>tuído  de  compromisso  com  o  projeto  de  nacionalidade;  na  verdade,  na  obra  de  Assis,     a  paisagem    plano  de  fundo  para  a  discussão  de  temas  de  caráter  universal   “Pai contra mãe”Num   de   seus   contos   mais   geniais,   Machado   põe   um   caçador   de   escravos,   por   nome   Cândido  Neves,   num   dilema   moral   –   entrega   seu   filho   para   adoção   ou   uma   escrava   grávida   para   seu  senhor.   A   branquíssima   personagem   nem   pensa   duas   vezes,   res,tui   a   escrava   ao   seu   an,go  senhor  e,  com  o  dinheiro  que  ganhou,  salda  as  contas  e  leva  comida  para  casa.  
  15. 15. MACHADO DE ASSIS dissecando a “segunda natureza” o corpus burguesia  fluminense   final  do  século  XIX   doenças da alma adultério   falsas  amizades   dissimulação   interesse  financeiro   arrivismo  social   ostentação  de  aparências   arrivismo socialpersonagens  menos  favorecidas  economicamente  executam  projeto  de  ascensão  social  
  16. 16. MACHADO DE ASSIS principais obras obras românticas obras realistas a formação do autor maturidade e análise psicológica Helena   Memórias  póstumas  de  Brás  Cubas   Iaiá  Garcia   Quincas  Borba   A  mão  e  a  luva   Dom  Casmurro   Ressurreição   Casa  velha  [caráter  sen,mental  e  adesão  à  moral  burguesa]   Esaú  e  Jacó    [caráter  melodramá,co:  valorização  do  enredo]   Memorial  de  Aires   [suspenses,  antecipações,  função  moralizante]   Papéis  avulsos  

×