Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Luiz boschirolli 2008 gravura em metal, calcografia e calcogravura

3,924 views

Published on

engrave and technics

Published in: Design
  • Be the first to comment

Luiz boschirolli 2008 gravura em metal, calcografia e calcogravura

  1. 1. GRAVURA EM METAL CALCOGRAFIA CALCOGRAVURA
  2. 2. Técnicas• Talho-doce – feito com buril• Ponta-seca• Água-forte• Água-tinta• Maneira negra ou mezzotinta• Verniz mole
  3. 3. • Surge na metade do século XV (aproximadamente em 1446) – bastante ligada à atividade do ourives• Século XVI consolida-se como forma de expressão em toda a Europa
  4. 4. Preparação da matriz• Realização do bisel• Chanfradura feita nas bordas de placa de metal, para evitar que na ocasião da tiragem as arestas rompam o papel.• Marca deixada no papel por essa chanfradura; testemunha, vinco.
  5. 5. Desoxidação com vinagre e sal numa chapa de cobre
  6. 6. Ponta seca
  7. 7. Pontas secasBuris
  8. 8. Albrecht Durer• 1471 – 1528• Alemão
  9. 9. Marcantonio Raimondi c.1480 – c.1527• Gravura de reprodução e documental• ItalianoCristo, Salvador do mundo 41 X 27,2 cm
  10. 10. Duas ninfas
  11. 11. Laocoonte c.1525
  12. 12. Parmigianino(Francesco Mazzola) 1503 - 1540
  13. 13. Hendrick Goltzius• Holandês• 1558 - 1617 Hércules - 1591
  14. 14. O massacre dos inocentes (detalhe)
  15. 15. Claude Mellan• Francês• 1598 - 1688 Retrato de Michel de Marolles
  16. 16. Osudáriode SantaVerônica
  17. 17. Lua - 1636
  18. 18. Água-forte
  19. 19. • Termo usado até o século XVII para designar o ácido, chamado atualmente de nítrico, quando diluído em água. Por ser usado num dos processos da calcografia, em que a imagem obtida na impressão é fixada sobre uma chapa metálica após a corrosão dos traços do artista, pelo ácido nítrico, passou a designar, além do processo, a matriz usada para a impressão da gravura e a própria gravura, já concluída. O processo se dá a partir do revestimento da chapa - que pode ser de ferro, cobre, latão ou zinco - com um verniz de proteção, seguido da incisão do desenho que se deseja obter, com estilete ou outra ferramenta de ponta metálica. Dessa forma, o desenho aparece onde o verniz foi retirado, sem arranhar o metal, permitindo a ação do ácido, que forma os sulcos em que a tinta será colocada. O tempo do mergulho no ácido pode definir tonalidades diferentes e o processo pode ser repetido inúmeras vezes. O método da água-forte pode ser combinado com outros processos de gravura, em particular a ponta seca, mas difere de todos os outros por ser o único em que a gravação é feita totalmente pela ação dos ácidos.
  20. 20. • Surge em 1513• Atribuída a Urs Graf
  21. 21. Aplicação do verniz
  22. 22. Retirando o verniz – criação do desenho
  23. 23. Protegendo o verso da placa comgoma-laca – também pode ser utilizado o verniz
  24. 24. Colocação no ácido
  25. 25. Chapa no ácido – agitar a bacia para retirar acúmulos sobre a placa
  26. 26. Enxágüe da placa para retirada do ácido
  27. 27. Retirada do verniz com querosene
  28. 28. Lavagem da placa – em seguidadeve-se desengordurar a placa com álcool e talco para iniciar impressão
  29. 29. Urs Graf• 1485 – 1529• Suiço
  30. 30. Água-tinta
  31. 31. • Gênero da calcografia no qual o processo de produção das matrizes é químico, como o da água-forte, e se dá através da utilização de alguns líquidos corrosivos. A placa utilizada pelo gravador é pulverizada ou pintada com algum tipo de resina - damar, breu, copal, sandácara - ou por uma mistura de resina e outro componente - açucar, sal, areia - e aquecida, de forma que a mistura se funda na placa, exercendo a mesma função protetora do verniz. Assim, quando a placa entra em contato com o ácido, os grãos de açucar ou areia, por exemplo, produzem uma textura que é responsável pelo tom acinzentado da obra. Esse tipo de gravura oferece, como resultado, um desenho composto de áreas tonais e não linhas, como a gravação a entalhe.
  32. 32. Maneira negra
  33. 33. Maneira negra pode ser consideradacomo uma técnica derivada da ponta-seca, pois é um processo de ataque diretodo gravador sobre a matriz. A técnicaconsiste em aplicar pequenos furos naplaca formando uma rede fina ecompacta.Algumas áreas da placa depois sãoraspadas e alisadas. O resultado é umaestampa com fundo escuro e as figurasem vários tons.
  34. 34. Utilização do berceau
  35. 35. Raspagem
  36. 36. Colocação de óleo comum
  37. 37. Alisando a placa com o brunidor
  38. 38. • Yozo Hamaguchi Peixe e Frutas, 1954 maneira negra s/ papel 48,3 x 57,8 cm
  39. 39. Verniz mole
  40. 40. • verniz não secante usado para pressionar e imprimir texturas sobre a chapa de metal .
  41. 41. Receitas de vernizes VERNIZ DURO• 2 partes de betume em pó;• 2 partes de cera de abelha;• 1 parte de breu em pó.• (Obs. medidas em gramas)• O preparo é feito em banho-maria em um vidro do tipo para maionese. Após derreter o betume, cera de abelha e breu, deixe a mistura aproximadamente no fogo por 20 minutos. Com o verniz ainda quente, coloque em copinhos descartáveis (para café); deixe esfriar.
  42. 42. VERNIZ A PINCEL• 200 gr. de aguarrás• 25 gr. de cera de abelha ou cera de carnaúba• 25 gr. de betume em pó.• Coloque 200 gr. de aguarrás em um vidro vazio (maionese) e adicione as 25 gr. de betume em pó. Misture a aguarrás e o betume com uma espátula de madeira e deixe em repouso por 12 horas.• Depois, coloque o vidro em banho-maria.• Em outro vidro vazio, coloque as 25 gr. de cera de abelha em banho-maria até derreter a cera. Depois, pegue o vidro com a aguarrás e o betume, que já estava em banho-maria e despeje no vidro que está a cera derretida. Misture e deixe no fogo por 20 minutos. Deixe esfriar e depois tampe o vidro. Esse verniz deve ser passado com um pincel macio.
  43. 43. GOMA-LACA• 1 parte de goma laca• 3 partes de álcool• Coloque três partes de álcool em um vidro vazio (maionese) e adicione uma parte de goma-laca (em pó). Tape o vidro e agite. A goma-laca deve ser passada com um pincel macio.
  44. 44. VERNIZ MOLE• 2 partes de verniz duro;• 1 parte de graxa de automóvel.• (Obs. medidas em gramas)• O preparo é feito também em banho-maria. Pegue um vidro vazio (maionese), coloque as duas partes de verniz duro e deixe derreter. Depois, coloque a parte de graxa de automóvel. Misture e deixe no fogo por 20 minutos.• Com o verniz ainda quente, coloque em copinhos descartáveis (para café); deixe esfriar.• Depois, corte o copinho descartável e retire o verniz (ele fica grudento). Envolva o verniz em um tecido de algodão, amarre e faça uma boneca.
  45. 45. Ácidos• Ácido nítrico ou azótico. Ataca todos os metais com exceção do ouro e platina. Tem um cheiro forte e é necessário muito cuidado em sua manipulação. Deve ser trabalhado com proteção de óculos, com exaustor ou ao ar livre.• Para corrosão em água-forte e usando-se o cobre, a sua diluição é a seguinte:• Três partes de água para uma parte de ácido.• O neutralizante da solução de ácido nítrico é o amoníaco.
  46. 46. • Percloreto de ferro: é um sal que se utiliza para corrosão de chapas para circuito impresso (uso em eletrônica). Não tem aquele odor forte do ácido nítrico e seu ataque é bastante rápido. É comercializado em pacotes que trazem a informação da diluição em água• Mordente holandês: é a mistura de três produtos: clorato de potássio, ácido clórico puro e água.• Uma das fórmulas utilizadas é a seguinte:• 20 gr. de clorato de potássio• 100 gr. de ácido clorídrico puro• 880 gr. de água
  47. 47. Rembrandt• Holandês• 1606 - 1669
  48. 48. Goya• Espanhol• 1746 - 1828

×