Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

2012 principios da APS UFOP

2,987 views

Published on

Savassi, LCM. Pereira, RPA. Princípios da Atenção Primária. Ouro Preto: UFOP, 2012. Internato de Atenção Primária, turma 01/2012. [aula ministrada em 08/05/2012][online][disponível em https://sites.google.com/site/leosavassi/aulas-ufop---internato-de-aps][acesso em ##/##/20##]

Published in: Health & Medicine

2012 principios da APS UFOP

  1. 1. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Atenção Primária, Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade Leonardo Cançado Monteiro Savassi savassi@medicina.ufop.br Nono período: Internato em Atenção Primária
  2. 2. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Objetivos de hoje: 3.Algumas definições 5.Evolução histórica da APS 7.Definição de APS 9.Os princípios da APS Nono período: Internato em Atenção Primária
  3. 3. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Definição de alguns termos (OU: vamos deixar claro do que estamos falando aqui…) Nono período: Internato em Atenção Primária
  4. 4. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiDefinição de alguns termosAPS: Atenção Primária a Saúde: “Atenção de primeiro contato.Continua, global e coordenada que se proporciona à populaçãosem distinção de gênero, ou enfermidade, ou sistema orgânico”(B. Starfield). “Cuidados que propiciam a manutenção básica desaúde, serviços terapêuticos e a coordenação das necessidadese serviços comunitários” (DeCS)Atenção Básica: “A Atenção Básica é um conjunto de ações, decaráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de atençãodos sistemas de saúde, voltadas para a promoção da saúde, aprevenção de agravos, o tratamento e a reabilitação.” (MS)“interpretação oficial (brasileira) da APS, baseada no ProgramaSaúde da Família” (Aguiar) Nono período: Internato em Atenção Primária
  5. 5. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiDefinição de alguns termosPSF: Estratégia que visa a reestruturação da APS do SUS.Equipes com no mínimo médico/ enfermeiro/ auxiliar deenfermagem/ 4 ACS que devem atender de forma integral a nomáximo 800 famílias ou 4.000 pessoas. (MS).“(...) reorganizar a prática da atenção à saúde e substituir omodelo tradicional.(...) ações de prevenção, promoção e recuperação da saúde, deforma integral e contínua.(...)atendimento na unidade básica de saúde ou no domicílio.(...) Assim, esses profissionais e a população acompanhada criamvínculos de co-responsabilidade(DeCS) Nono período: Internato em Atenção Primária
  6. 6. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiDefinição de alguns termosMédico de Família e Comunidade:“Especialista Clínico da Integralidade” (SBMFC).“Médico para a vida toda” (SBMFC).“Especialidade médica reconhecida pelo CNRM desde 2001(desde 1981 como MGC)” (CNRM)“Médicos pessoais, responsáveis pela prestação de cuidadosabrangentes e continuados a indivíduos independente da idade,sexo ou afecção. Prestam cuidados a indivíduos no contexto dasrespectivas famílias, comunidades e culturas, respeitando suaautonomia”. (WONCA). “Médico Chokito". Nono período: Internato em Atenção Primária
  7. 7. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiDefinição de alguns termosMédico Generalista: “O profissional médico que não seespecializa em nenhuma área particular da medicina, não ésujeito à certificação de especialista e geralmente provê cuidadosprimários” (Gusso)Clínico Geral: Especialidade médica reconhecida pelo CNRMque trata de adultos e ocupa a maior parte do tempo ematividades intrahospitalares. É também conhecida como medicinainterna” (CNRM)“Especialidade médica voltada para o diagnóstico e tratamentodas doenças dos sistemas de órgãos internos dos adultos”(sinônimo de clinica geral e medicina interna) (DeCS) Nono período: Internato em Atenção Primária
  8. 8. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiMédico de Família e Comunidade X APS X MFC APS = atenção primária à saúde - “LUGAR” MFC = Medicina de Família e Comunidade - Especialidade PSF = Programa Saúde da Família – Estratégia/política de Estado (Gusso 2005) Nono período: Internato em Atenção Primária
  9. 9. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Evolução e consolidação da APS Nono período: Internato em Atenção Primária
  10. 10. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi http://www.nndb.com/people/241/000115893Evolução Histórica da APS1910 “Relatório Flexner”,• Luta pelo ideário científico• Medicina como ciência embasada.• Define padrões de entrada, amplia para 4 anos Abraham Flexnera duração dos cursos de medicina; introduçãodo ensino laboratorial; estímulo à docência emtempo integral; expansão do ensino clínico, especialmente emhospitais; vinculação das escolas médicas às universidades;ênfase na pesquisa biológica; vinculação da pesquisa ao ensino;estímulo à especialização médica; controle do exercícioprofissional pela profissão organizada. (Aguiar 2005) Nono período: Internato em Atenção Primária
  11. 11. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi http://www.nndb.com/people/241/000115893Evolução Histórica da APS1910 “Relatório Flexner”,O paradigma flexneriano proporcionou todo oavanço científico e tecnológico da Medicina comevolução de métodos terapêuticos, propedêuticos, Abraham Flexnersomando pesquisa à prática.Importante valorizar o ambiente sociocultural e de trabalho noqual e para o qual as diretrizes flexnerianas foram elaboradas (Aguiar 2005) Nono período: Internato em Atenção Primária
  12. 12. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi http://clendening.kumc.edu/dc/pc/v.htmlAlma-Ata (1977) vem de movimentos de valori-zação da APS em vários países, dentre eles:Alemanha 1847“A medicina é uma ciência social e a política nadamais é do que a medicina em grande escala.”• Conceito da Medicina Social: Rudolf VirchowInvestigando epidemia de F. Tifóide em área rural da Prússia nãorecomendou soluções médicas, mas investimento na qualidadede vida através de “radical” reforma econômica, política e social;• Delineamento inicial do conceito ampliado de saúde, de umaseara médica para um objeto da esfera política Nono período: Internato em Atenção Primária
  13. 13. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSRússia 1864 - Projeto “Zemstvo” (distrito)• Assembléias distritais deliberativas compostas por nobres,donos de terra e trabalhadores rurais.• Rede de centros de saúde em áreas rurais, criação de cargos eorganizações sanitárias nas províncias• Em 1872, o Zemstvo de Perm criou o cargo de médico sanitário,responsável por estudos para evitar surtos em suas áreas.• Em 1885, o Zemstvo de Moscou criou o primeiro Instituto deMédicos Sanitários.• A experiência sanitária dos Zemstvo foi ainda aperfeiçoada elevada adiante pelos bolcheviques na revolução de 1917 Nono período: Internato em Atenção Primária
  14. 14. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi http://www.time.com/time/magazine/0,9263,7601300901,00.htmlEvolução Histórica da APSInglaterra 1920•Regionalização dos serviços desaúde com “Primary health centers” comserviços de medicina curativa e preventivaatravés de médicos generalistas. Bertrand Dawson•Hierarquização dos serviços: PHCs comoporta de entrada para o restante do sistema= centros de saúde secundários, unidades de serviçossuplementares e um hospital universitário (teaching hospital)A APS inglesa beneficia-se da relação simbiótica entre umaemergente camada de “general practitioners” e o NHS. Nono período: Internato em Atenção Primária
  15. 15. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSInglaterra 1920 Nono período: Internato em Atenção Primária
  16. 16. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSChina – 1965• Comitês Comunais Chineses promoviam campanhas de saúde,saúde ambiental, a realização de cuidados preventivos etratamento.• “Médicos de pés descalços”, treinados a participar dasatividades agrícolas, por proventos, e estreitar laços com acomunidade na qual viviam e trabalhavam.•OMS queria divulgar essa experiência, mas não teve autorizaçãodo governo chinês que não a considerou suficientemente madurapara ser divulgada. Isto não impediu a influência das idéiaschinesas no delineamento da proposta de APS em Alma-Ata. Nono período: Internato em Atenção Primária
  17. 17. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSEEUU 1961NEJM, “The Ecology of Medical Care” estudou a procura dosserviços de saúde por usuários americanos (White et al., 1961).• O artigo alertou para o pouco conhecimento do processo detomada de decisão pelo paciente – que decide procura o serviçode saúde, trata seu problema por vias alternativas ou ignora-o.• Também chamou a atenção para a real distribuição ecológica douso dos serviços e das necessidades de saúde, argumentandoque ela não era levada em conta na organização dos serviços desaúde ou no treinamento de profissionais Nono período: Internato em Atenção Primária
  18. 18. Atenção Primária: evolução história e contexto mundial 1961UFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Nono período: Internato em Atenção Primária
  19. 19. Atenção Primária: evolução história e contexto mundial 2001UFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Nono período: Internato em Atenção Primária
  20. 20. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiFonte: Revista Radis (Fiocruz) nº 96 – Agosto de 2010. Nono período: Internato em Atenção Primária
  21. 21. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSCanadá 1974 - Relatório Lalonde (1974):Conceito de Campo da Saúde (Health Field): ampliar a visãocorrente de saúde, até então reduzida à existência de “bonsserviços de atendimento médico”.Visão de saúde como conseqüência de características presentesem quatro categorias: estilo de vida, condições biológicas,ambiente e serviços de saúde.Reconhece fatores sociais, ambientais e estilos de vida comodeterminantes da saúde, lançando assim as bases do conceito depromoção de saúde como “uma estratégia eficaz para melhorar asaúde e a qualidade de vida” Nono período: Internato em Atenção Primária
  22. 22. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiALMA ATA 1977 Nono período: Internato em Atenção Primária FONTE: OPAS http://www.paho.org/english/dd/pin/almaata25.htm
  23. 23. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSAlma Ata (Cazaquistão)“Saúde para todos até o ano 2000”.“Atenção Primária à Saúde é a assistência sanitáriaessencial baseada em métodos e tecnologias práticos,cientificamente fundados e socialmente aceitáveis,acessível a todos os indivíduos e famílias dacomunidade, mediante sua plena participação e a umcusto que a comunidade e o país possam suportar emtodas e em cada uma das etapas de seudesenvolvimento, em um espírito de auto-responsabilidade e autodeterminação.” (OMS, 1978) Nono período: Internato em Atenção Primária …
  24. 24. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSAlma Ata (Cazaquistão)“Saúde para todos até o ano 2000”.“A Atenção Primária é parte integrante tanto dosistema nacional de saúde, do qual constitui a funçãocentral e o núcleo principal, como do desenvolvimentosocial e econômico global da comunidade. Representao primeiro nível de contato dos indivíduos, da famíliae da comunidade com o sistema nacional de saúde eleva, na medida do possível, a atenção da saúde aoslugares onde as pessoas vivem e trabalham. Constituio primeiro elemento de um processo permanente deassistência sanitária” (OMS, 1978) Nono período: Internato em Atenção Primária
  25. 25. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSAlma Ata: “personalização” da APS em cada paísApesar do caráter flexível da proposta, destacam-se ao menos oito ações elementares, cujas execuções seriam desejáveis:• educação sobre os principais problemas de saúde e métodos para sua prevenção e controle;• promoção da distribuição de alimentos e nutrição apropriada;• abastecimento adequado de água potável e saneamento básico;• assistência materno-infantil e planejamento familiar;• imunização contra as principais doenças infecciosas;• prevenção e controle das doenças endêmicas locais;• tratamento adequado de doenças e traumatismos comuns;• distribuição de medicamentos essenciais. Nono período: Internato em Atenção Primária
  26. 26. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiEvolução Histórica da APSPara isto, sugeriram-se quatro tipos de intervenções em saúde:- Promoção- Prevenção- Tratamento- Reabilitaçãosuportadas por um sistema de referência e contra-referência integradoeficiente, de forma a melhorar progressivamente a assistênciasanitária completa, e dar prioridade aos mais necessitados Nono período: Internato em Atenção Primária
  27. 27. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi A APS no Mundo Nono período: Internato em Atenção Primária
  28. 28. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiOrganização dos sistemas de saúdeSistemas de saúde: 2 modelos de proteção: saúdeBismarckiano: seguros sociais de saúde (“Social Health Insurance”– SHI) de contratação compulsória financiados por contribuiçõesvinculadas ao trabalho assalariadoBeveridgiano: serviços nacionais de saúde (“National HealthServices” – NHS) ordenados por autoridades estatais e financiadoscom recursos fiscais.- 15 países da UE (maio/2004): - 8 NHS, APS financiada por impostos gerais - 7 SHI Atenção ambulatorial financiada por contribuições deempregadores/trabalhadores proporcionais a salários. Giovanella 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  29. 29. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiOrganização dos sistemas de saúdeSistemas de saúde: 2 modelos de proteção: saúdeEm sete (5 com NHS) dos 15 países da EU o generalista é“gatekeeper”, Unidade de Saúde é porta de entrada obrigatóriado sistema de saúde, e filtro para serviços prestados porespecialistasNa maior parte dos países com esquemas de SHI (5 em 7países) não há separação da atenção ambulatorial em níveis –entre a atenção prestada por clínicos gerais e aquela prestadapor especialistas –, sendo livre aos segurados a escolha entre aprocura direta ao clínico geral ou ao especialista. Giovanella 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  30. 30. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiOrganização dos sistemas de saúdeResponsabilidade pelo primeiro contato:- compartilhada com outros profissionais em alguns países.• Itália e Espanha: generalistas e pediatras responsáveis peloprimeiro nível de atenção,• Suécia: enfermeiras e ginecologistas, parte das crianças porpediatra.• Inglaterra e Holanda: dentistas, enfermeiras, visitadorasdomiciliares, educadores de saúde, fisioterapeutas, parteiras,etc. Giovanella 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  31. 31. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoA prática dos GPs na Europa:- varia muito em relação ao número de consultas realizadas por um clínico ao dia (16 a 50)- também em relação ao tempo/ intervalo destinado na agenda à marcação de cada consulta de rotina (10 a 20 minutos)- e ao tempo médio de cada contato com cada paciente (5 a 15 minutos). Giovanella 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  32. 32. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoA prática dos generalistas na Europa: European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  33. 33. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoA prática dos generalistas na Europa: Jepson 2001 Nono período: Internato em Atenção Primária
  34. 34. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoPaíses com “gatekeeper” também dispõem de sistema deinscrição de pacientes.A inscrição nos serviços é realizada por iniciativa docidadão/ segurado com alguma liberdade de escolha – epossibilidade posterior de troca –, entre profissionais desaúde ou serviços atuantes em determinado espaçogeográfico. Giovanella 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  35. 35. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoReino Unido- NHS: década de 40/50.• Equipe: GPs, enfermeiras, gestores e pessoal administrativo.• Enfermeiras Comunitárias, visitadores de saúde, parteiras eoutros trabalhadores da APS usualmente empregados pelaorganização local da APS mas ligados a uma unidade ou auma área geográfica que contenha menor número de unidades.• Serviços Comunitários, como de Saúde Mental, ou deescolas de saúde, que trabalham em uma área geográfica maiore usualmente cooperam com a equipe. RCGP 2007 Nono período: Internato em Atenção Primária
  36. 36. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoReino Unido• 99% da população registrada com GPs• Aproximadamente 90% do contato de pacientes com o NHS.• Usuários por GP: 1.850• Média de consulta/habitante/ano:• para GPs especificamente = ? mas em média há 5.9 consultas/pessoa/ano (1996)• Média de tempo/consulta GPs = 9.4 minutos. European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  37. 37. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi RCGP 2003 Nono período: Internato em Atenção Primária
  38. 38. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoEspanha- SNS• Equipe: médicos de família ou de atenção primária, pediatras, enfermeiras, assistentes sociais e suporte administrativo.• População coberta por CAPs variável, até 9.581 pessoas/PHC, mas Madrid, por exemplo, tem a “equipe de APS” da manhã e da tarde. European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  39. 39. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoEspanha• 99.1% cobertos pela Saúde Pública.• Usuários por Médico: 2.500 (equipe “fechada”)• Média de consulta/habitante/ano = 5,5• Média de tempo/consulta = 7,8 minutos.• # consultas por dia: PHC (média nacional): 25.4 consultas European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  40. 40. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoPortugal - SNS, subsistemas de seguro privado por profissão eindividual/ voluntário.•Centros de Atenção Primária (Setor Público) controlados pelagestão (Centros Administrativos).•Em média 28 000 pessoas cobertas por CAPs (de >100 000 ~< 5000 pessoas)•Em média 80 profissionais/CAP (01 MGF~200 profissionais)• > porcentagem dos EU15 de pessoas vivendo em pobrezaabsoluta. European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  41. 41. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoPortugal• Pacientes se registram com MGF escolhido dentro da área geográfica.• MGF trabalham com listas de pacientes, em média 1500.• Há listas de MGF. Algumas > 2000, outras <1000.• Pessoas podem trocar de MGF via relatórios para os CAs.• Aproximadamente 750 000 cidadãos não tem um MGF. Muitos preferem visitar serviços de emergência.• Média de tempo/consulta = 8,2 minutos. European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  42. 42. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoPortugal European Observatory on Health Care Systems 2006 Nono período: Internato em Atenção Primária
  43. 43. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoCanadá- 3 formas: MF privada, Unidades de MF, CLSCs (centres locaux des services communautaires).• Equipe dos CLSCs: Médico e enfermeira• Para a macroárea (território de vários médicos): psicólogo, assistente social, fisioterapeuta , nutricionista e TO.• Necessidades de RH decididos regionalmente pelo perfil demográfico e epidemiológico, disponibilidade de profissionais e recursos.• Essa equipe em média serve de 4 a 7 territórios. Turcotte 2008 e CFPC Nono período: Internato em Atenção Primária
  44. 44. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoCanadá• Nos CLSCs (Quebec): aproximadamente são 2000 habitantes/1MF + 2 ou 3 enfermeiras (que cumprem o papel de enfermeira e técnica ao mesmo tempo)• Não há adscrição oficial, exceto para Serviços de Saúde Mental.• Territorialização pelo órgão gerenciador regional. Turcotte 2008 e CFPC Nono período: Internato em Atenção Primária
  45. 45. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoCuba- SNS• Equipe: Médicos de Família e Enfermeiras.• 99.7% da população atendida por médicos familiares• Usuários por Médico: cerca de 1.000• Uma equipe/ unidade (profissionais moram no 2o/3o andares).• Consultas “noturnas”, mediante prévio acordo.• MF ou enfermeira acompanham paciente nas interconsultas sempre que necessário e apresentam o caso ao especialista.• População geograficamente determinada MinSap -anuario 2006 (BVS) Nono período: Internato em Atenção Primária
  46. 46. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiCenário Atual da APS no MundoChile• SNSS• Configuração de equipe: Médico Familiar, enfermeira, parteira, nutricionista e paramédicos treinados.• Centros de APS municipais cobrem 47% da população• Média de consulta/habitante/ano = 1,22• Usuários por Médico: ?• Saúde Pública funciona a base de “programas” Profile OMS Nono período: Internato em Atenção Primária
  47. 47. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APSCaracterísticas FundamentaisAcessibilidade; Longitudinalidade; Integralidade; CoordenaçãoAspectos Derivativos Centrado na Família Competência Cultural Orientado para a Comunidade Nono período: Internato em Atenção Primária
  48. 48. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios do SUS:Os Princípios Doutrinários do SUSUniversalidade de acesso; Eqüidade na assistência à saúde; Integralidade da assistência.Os Princípios Organizativos do SUS Controle Social (participação da comunidade); Descentralização político-administrativa; Regionalização/Hierarquização Nono período: Internato em Atenção Primária
  49. 49. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS:1) Atenção ao primeiro contato / Acessibilidade :• A idéia de uma “porta” traduz o fato da pessoa não conhecersuficientemente os detalhes técnicos da atenção a saúde paraavaliar de maneira informada a fonte e a época apropriadaspara atenção a seus problemas.• A falta da porta de entrada acessível leva a não obtenção ouadiamento da atenção adequada, ou a gastos adicionais.• Reconhecendo a multicausalidade e os determinantes sócio-culturais do processo saúde-doença, a APS adequa o cuidadoàs necessidades das pessoas e comunidades. Nono período: Internato em Atenção Primária
  50. 50. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS:1) Atenção ao primeiro contato / Acessibilidade :• O acesso é o elemento estrutural mais necessário para o usoda atenção ao primeiro contato, já que o indivíduo irá utilizarou não o serviço de saúde dependendo do seu grau deacessibilidade.• Se a acessibilidade é a adequação entre a oferta e demandade serviços podemos definir alguns fatores de acesso:disponibilidade de serviços, acessibilidade geográfica,comodidade ou acesso sócio-organizacional, possibilidade depagamento ou acessibilidade financeira e aceitabilidade. Nono período: Internato em Atenção Primária
  51. 51. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS:2) Longitudinalidade:“capacidade de lidar com o crescimento e as mudanças deindivíduos ou grupos no decorrer de um período de anos”• Implica em um local , indivíduo ou equipe que sirva comofonte continuada de atenção independente do problema.• Atenção longitudinal significa que indivíduos identificamuma fonte de atenção como ‘sua’; que prestadores reconhecema existência dessa fonte habitual de atenção, orientada para apessoa; e que a relação existe por um tempo definido ouindefinido, até que seja explicitamente alterada. Nono período: Internato em Atenção Primária
  52. 52. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS:3) Integralidade:• O conceito de integralidade exige que se reconheça avariedade completa de necessidades relacionadas à saúde dopaciente e se disponibilize os recursos para abordá-la.• O recurso identificado como necessário nem sempre édisponível ou capaz de ser prestado por esse nível de atenção,porém é o reconhecimento das necessidades e a relação entreindivíduo/ coletividade/ equipe, para alcançá-lo, que melhordescreve o conceito de integralidade. Nono período: Internato em Atenção Primária
  53. 53. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS:4) Coordenação da atenção:“estado de harmonia numa ação ou esforço em comum”.• A coordenação é a disponibilidade de informações sobreproblemas e serviços anteriores e o reconhecimento daquelainformação, na medida em que se relacionada às necessidadesdo presente atendimento.• Diz respeito também ao exercício da referência e da contra-referência entre os serviços de saúde, com foco na pessoa e“advogando” para a mesma dentro do sistema de saúde. Nono período: Internato em Atenção Primária
  54. 54. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiPrincípios da APS: (aspectos derivativos).• centrado na família: conhecimento dos membros da famíliae dos problemas de saúde dos membros da família;• competência cultural: providências para atender anecessidades especiais associadas às características culturais eprestação de serviços especiais para atender às necessidadesculturais;• orientado para a comunidade: mecanismos para alcance doconhecimento das necessidades de saúde da comunidade,participação nas atividades comunitárias e envolvimentocomunitário na unidade WONCA Nono período: Internato em Atenção Primária
  55. 55. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi As evidências em Saúde da Família MACINKO, 2009 ESF está associada com menor número de internações por CSAP : De 2000 a 2006, as internações por CSAP caíram 15,8% no país, e o declínio foi maior do que as internações por condições não sensíveis à atenção primária. MACINKO, 2009 ESF está associada com padrões de boa qualidade técnica do cuidado e melhoria da saúde materno-infantil: (a) 40% menos relatos de uso inapropriado de antibióticos em crianças com diarréia; (b) 14% mais gestantes vacinadas contra tétano; (c) 200% mais gestantes com suplementação de vitamina A; (d) 34% menos crianças com baixo peso (até 5 anos). MACINKO, 2006 a cada 10% de aumento da cobertura da Saúde da Família nos estados, corresponde uma redução de 4,6% na mortalidade infantil, impacto mais significativo do que ampliação do acesso à água (2,9%) ou ampliação de leitos hospitalares (1,3%). Nono período: Internato em Atenção Primária
  56. 56. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi As evidências em Saúde da Família AQUINO, 2008 Demonstra que o impacto da Saúde da Família sobre a mortalidade infantil tem efeito mais forte nos municípios com mais baixos índices de desenvolvimento humano e maior cobertura da ESF, ratificando o potencial dessa estratégia para a redução das iniqüidades sociais em saúde no Brasil; Redução da mortalidade infantil em municípios com altas coberturas da ESF foi quase duas vezes maior do que nos municípios sem ESF ou com coberturas incipientes. MONTEIRO, 2009 Demonstra o papel da Estratégia Saúde da Família entre os fatores relacionados à redução de 50% na prevalência da desnutrição infantil crônica no Brasil, no período de 1996 a 2006/07. HARZHEIM, 2006 Numa análise comparada do desempenho na atenção à criança, as equipes da ESF apresentaram adequação maior às dimensões da Atenção Primária (52%) do que as equipes do modelo tradicional (27%) e, quanto à equidade no acesso, crianças negras apresentaram maiores chances de receber cuidados adequados e similares às brancas nas unidades da ESF. Nono período: Internato em Atenção Primária
  57. 57. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi As evidências em Saúde da Família Nono período: Internato em Atenção Primária
  58. 58. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M Savassi Onde buscar maiores informações: Associação Mineira de MFC www.smmfc.org.br Sociedade Brasileira de MFC www.sbmfc.org.br Grupo de Estudos em Saúde da Família www.smmfc.org.br/gesf Ministério da Saúde www.saude.gov.br SES/MG www.saude.mg.gov.br ESTA AULA: sites.google.com/site/leosavassi Nono período: Internato em Atenção Primária
  59. 59. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiReferencias bibliográficasAguiar; Raphael A construção internacional do conceito de atenção primária asaúde (APS) e sua influência na emergência e consolidação do sistema único desaúde no Brasil. UFMG: Dissertação, 2005.Alves, Cláudia R.L. & cols. Avaliação do conhecimento de alunos do Curso deEspecialização em Saúde da Família da UFMG sobre a saúde da criança e doadolescente – 2002-2003. Rev. Méd. Minas Gerais 2005. 15(4): 214-19AMMFC, Fonohosp. Curso Preparatório para Concurso Público de Betim. AMMFC,Fonohosp: Belo Horizonte, 2007.Barbosa, JMR. 1o Censo de Recursos Humanos da Atenção Primária do Estado deMinas Gerais. Observatório de RH em Saúde. Belo Horizonte: UFMG, 2006. 144p.Gusso; Gustavo F.D. Panorama da Atenção Primária à Saúde no Brasil e nomundo: informações e conceitos. USP: São Paulo, 2005. Palestra.Machado, Maria H. Perfil dos Médicos e Enfermeiros de Saúde da Família noBrasil: Rio de Janeiro: FIOCRUZ/DAB-MS, 2000. Nono período: Internato em Atenção Primária
  60. 60. Atenção Primária: evolução história e contexto mundialUFOP 08/05/2012 Leonardo C M SavassiReferencias bibliográficasOliveira, Vinícius A. Medicina de Família e Comunidade: Discussões sobre umaEspecialidade Médica. UFMG: Dissertação, 2007.Pereira; Rodrigo P.A. Acolhimento. AMMFC: Grupo de Estudos em Saúde da Família,2006.Savassi, Leonardo C M. Formação do Profissional Médico para a ESF. COSEMS-MG: Belo Horizonte, 2006. Palestra.Savassi, Leonardo C M. Princípios da APS. RMMFC HPRB: Betim, 2008. Palestra.SBMFC. Formação e qualificação do Médico de Família e Comunidade através deProgramas de Residência Médica no Brasil, hoje: Considerações, Princípios eEstratégias. SBMFC: Rio de Janeiro, 2005.SBMFC. Projeto de Expansão da Residência em Medicina de Família eComunidade. SBMFC: Rio de Janeiro, 2005. Nono período: Internato em Atenção Primária

×