Sessao3parte1

157 views

Published on

Published in: Travel, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
157
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sessao3parte1

  1. 1. Tarefa 2<br />(1ª parte)<br />Análise Crítica ao Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares<br />O presente Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, enquanto instrumento pedagógico e regulador e de melhoria contínua do trabalho da BE, vai permitir ao PB e equipa envolvida e aos órgãos directivos proceder a uma avaliação do trabalho da biblioteca escolar bem como orientar esse mesmo trabalho da BE, definindo factores críticos de sucesso e identificando pontos fracos e fortes. A avaliação constitui um processo e não um fim em si mesmo, completando-se o seu ciclo ao fim de quatro anos. <br />Surge esse modelo num contexto global de mudança, no qual as bibliotecas escolares devem evoluir, e em que são exigidos novos contextos e conceitos de aprendizagem, como por exemplo o aluno ser encarado como actor activo, como construtor do próprio conhecimento, numa perspectiva construtivista da realização das suas aprendizagens, também, como exemplo, a introdução das TIC obrigarem ao desenvolvimento de novas literacias e ao domínio de novos ambientes digitais. <br />Com este novo modelo de auto-avaliação há necessidade de proceder à recolha de evidências sobre o impacto que a biblioteca escolar tem na escola, como centro de formação, informação e de lazer, em medir esse impacto que se requer qualitativo. Segundo Ross Todd, que cause um impacto positivo no processo de ensino - aprendizagem e no sucesso educativo dos alunos. <br />Este modelo exerce um papel determinante, no sentido em que vai permitir dotar as bibliotecas escolares de um quadro de referência/ instrumento que lhes garanta a melhoria contínua da prestação de serviços e da qualidade da biblioteca escolar, através de uma auto-avaliação sistemática, que se traduz no desenvolvimento de práticas sistemáticas de recolha de evidências, associadas ao trabalho do dia-a-dia. Há que ter em conta que a realidade das escolas é diferente e ter em atenção as especificidades de cada uma. <br />O referido modelo surge organizado sob quatro domínios, quatro áreas de funcionamento da BE, entendidas como fundamentais ao desenvolvimento e qualidade das BE. Como tal, considera-se que a biblioteca escolar deve ser um espaço apetrechado de múltiplos recursos e equipamentos, entendida como um espaço de aprendizagem, intrinsecamente relacionado com o processo de ensino-aprendizagem, de acordo com os objectivos educacionais e programáticos da escola; com a leitura, desenvolvendo-se as competências de leitura; e demais literacias, através de um programa de Literacia da Informação. <br />A qualidade da colecção, disponibilizando-se um conjunto de recursos de informação em diferentes suportes que sejam adequados às necessidades dos utilizadores e as condições de acesso à BE, que permitam o desenvolvimento do trabalho individual e de grupo, a afectação de um professor bibliotecário, visto como um líder forte, um estratega, responsável qualificado que tenha a capacidade de fazer articular o trabalho com as diversas estruturas da escola e que promova estratégias de gestão e integração da BE na escola e no desenvolvimento curricular constituem áreas-chave integradoras daqueles domínios de funcionamento da BE. <br />Em suma, o envolvimento de uma equipa motivada e interventiva, cujo trabalho esteja de acordo com a missão e objectivos da escola na construção dos saberes e a BE ser encarada como o núcleo central coadjuvante das aprendizagens parece-me por demais importante. <br />Helena Caroça <br />

×