Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Personcgem Iigpe

Conversar com ela é mergulhar em um rico universo
de informações que ? em como : temas recorreu tes a
ec...
eu

. . 1-":  2 z: c». n.. c.. ' 3:'.  e.  51H71. : a

99 “A crise é uma oportunidade para que a
economia criativa possa s...
Personagem hype

99 “É muito interessante notar que se a gen-
te não mudar a nossa forma de gestão de
produção de riqueza ...
"ñ-n um:  ;lã-Jomar snulii',  ;uma : uma

¡mt-Jur- unñu ¡muy- : n: _Ilñêkinrü

m:  culinwanuc» nor-ft- -Lw-_pñtilttt guiar...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Uma mulher de futuro.

709 views

Published on

Entrevista para a Revista Hype, por Betty Feliz. Vitória: Preview, Ano 11, n.º 64. Novembro de 2014, p. 20-23.

  • Be the first to comment

Uma mulher de futuro.

  1. 1. Personcgem Iigpe Conversar com ela é mergulhar em um rico universo de informações que ? em como : temas recorreu tes a economía criaria: : e o de *oncolvímenfo susíentâcal. Ajiínal, Lala Deheínzelín é esp- ecíalísla mundial no assunto. fla criou e coordena o maximo-nâo internacional Crie Futuros, atuando no Brasil e no exieríor Por Betty Feliz [Fotoc- Cloves Louzada e divulgação q ã iretora premiada de espetáculos multimídia, produtora, palestran- _. _Z te, consultora, curadora, facilitado- ra de cursos e workshops para corporações, govemos e instituições internacionais multi- laterais na formulação de estratégias de ino- vação, desenvolvimento e cooperação, Lala também é membro do Conselho do Institu- to Nacional de Moda e Design e coordena- dora da primeira pós-graduação, no Brasil e América Latina. , em Economia Criativa e Co- laborativa pela ESPM, em Curitiba, Paraná. Aqui, a especialista, que esteve em Vitó- ria, no mês de junho, abrindo a temporada cultural do Vitória Moda 2014, fala de cri- se, processos colaborativos, ética e de ou- tros valores ligados ao futuro do país e da economia criativa. 20
  2. 2. eu . . 1-": 2 z: c». n.. c.. ' 3:'. e. 51H71. : a 99 “A crise é uma oportunidade para que a economia criativa possa ser o principal mo- tor de desenvolvimento do pais. Isso porque a crise deve-se ao fato de que toda a nos- sa sociedade e a economia se organizaram em torno do que era tangível, material. Só que o que é tangível e material se consome com o uso, gera um modelo de competição e uma economia da escassez. Não há como um governo centralizado, com uma equipe que não cria interação com a população e que tenta. , sozinho, resolver as coisas, e ain- da mais de forma fragmentada, separada por setores, dar conta da exponencialida- de dos problemas que a gente tem. Então, onde está a solução? Estaria em ser expo- nencial também. Mas como é possível ser exponencial? Se a gente trabalha com pro- cessos colaborativos, se o modelo de gestão deixa de ser centralizado e passa a ser dis- tribuido, onde todo mundo pode fazer uma cogestão, isso também tem uma interface com a economia criativa. " . _ . _ . . , _r V, .._, -,, m- . - . C- 'GJHH . .-. ,.. .. à* lia: ;a 99 “A economia colaborativa é uma das gran- des chaves do futuro para permitir a abun- dância. Mas uma coisa é a economia do compartilhar e outra é a economia colabo- rativa. Vemos o compartilhamento de ca. r- ros, de espaços. .. Na economia do compar- tilhar, eu uso as novas tecnologias para ma- pear estruturas que já existem e criar pro- cessos pa. ra usá-las de forma melhor. Já a economia colaborativa supõe outro mode- lo de gestão, que não é centralizado. um processo descentralizado, distribuído, onde cada um faz a sua parte. Na economia do compartilhar, a gente vê um monte de coi- sa e de exemplos, J á a economia colaborati- va é algo que está começando, mas que tem um potencial extraordinário pela frente, por- que vai juntar tudo aquilo que é conhecimen- to e criatividade através das novas tecnolo- gias e de processos distribuidos em rede. " O que nos pá? em sintonia e prermire a ccfafzrzração é saber que estamos todos trabalhando para o 62m comum o x5-. ., . , . .-gp u» -vw - b , vu¡ -3 -wi, .-'§Q . .C. ..u-. ,a~'! --' 99 “É interessante notar que estamos viven- do, além dessa passagem do tangível para o intangível, uma passagem de toda a. vida sendo regida pelo mercado para uma vida (sociedade, economia, política) organizada em tomo do bem comum. Isso não quer di- zer que não temos mais mercado, mas sim que esse mercado se norteia a partir das coisas que estão a serviço do bem comum. Vamos ver uma passagem da centralidade do consumo como forma de gerar riqueza para a centralidade de cuidar como forma de gerar riqueza E aí a ética passa a ser o principal valor econômico. Trabalhar para o bem comum depende de colaboração, co- laboração só existe quando há relações de confiança, e relações de confiança depen- dem da ética. Então, a gente tem a possibi- lidade de um futuro de abundância, só que ele só será possível se existir coniiança, e confiança só existe se existir ética. ” Liz. " 'e E: cera' 99 “Tudo se organiza em tomo do bem co- mum. O que nos põe em sintonia e permite a colaboração é saber que estamos todos trabalhando para o bem comum. Eu pos- so colaborar com alguém que eu nunca vi na vida, que está. do outro lado do mundo, se o propósito dele está em sintonia com o meu, se estamos ambos trabalhando para o bem comum e se estamos ambos basea- dos em ética. A gente vai ter que passar, sem dúvida, por essa mudança. Por isso, a mudança passa também por uma mudança de modelo político. O modelo de gestão por partidos, por representatividade, não serve mais, porque ele é toda uma lógica de orga- nização por controle, e não por confiança. Vamos ter que passar para um novo mode- lo de gestão que tenha normas muito mais simples e baseadas na confiança. , e não no controle, porque aí conseguimos a agilida- de e a articulação suficientes para atingir essa abundância. " / yçoevn/ thcwnzbr 21
  3. 3. Personagem hype 99 “É muito interessante notar que se a gen- te não mudar a nossa forma de gestão de produção de riqueza e de organização so- cial para uma sociedade que prioriza os in- tangíveis como forma de gerar riqueza (já que eles são infinitos), a gente não terá fu- turo. Estamos no momento do fazer. E esse fazer vai criando ambiente favorável para que essas coisas sejam possíveis. Conñar, por exemplo: ou se confia ou não conña. E não dá para pensar sobre o confiar. algo que se pratica. Em geral, nos processos cola- borativos, as relações de conñança acabam se instaurando porque, na prática, a gente percebe que toda ideia de que o ser hurna- no não presta, de que a natureza do ser hu- mano é agressiva, de que o principal motor da gente é o lucro, tudo isso é uma cultura. Estamos imersos nessa cultura. Mas não é assim. A natureza tem momentos de com- petição, mas é essencialmente colaborativa, senão não existiria. E aí aprática é o que nos ajuda a mudar a mentalidade, e se a gente muda a mentalidade, todo o resto entra no lugar. Eu diria que o futuro depende, sobretu- do, de a gente se dedicar como se fosse uma mudança de sistema operacional, porque se não mudar é como se os programas de fu- turo e todas essas coisas ligadas à criativi- dade e à colaboração, às novas tecnologias não conseguissem rodar no sistema opera- cional tradicional, baseado em medo, des- confiança, competição. ” ' "Ti-x. ç l ñT-_íarf--fípãl . u_ ~. ..-_. a u' , '._ e ; mais , *seu , ,. a 99 "A questão da sustentabilidade é cha- ve, agora o problema é: como vamos mu- dar a cultura em relação à sustentabilida- de? Como a discussão da sustentabilidade veio na sequência da discussão ambiental, ela acabou ficando muito reduzida à ques- tão ambiental. Todo mundo acha que é sus- tentável porque faz gestão de lixo ou porque controla um pouco seu consumo de eletri- cidade ou água. Isso é reduzir toda a ques- tão da sustentabilidade à sua parte tangí- vel. Agora, toda parte importante e chave para que a gente chegue a alguma coisa é a parte ligada à dimensão cultural da sus- tentabilidade, antes de mais nada, mudar a mentalidade. " _. _.. :' . a m. . L . . , ):ÍÃ-ñ. ›|LW 99 "Na dimensão cultural, isso signiñca mu- dar o próprio significado do que quer dizer sustentabilidade, percebendo que ela é flu- xo harmônico nas quatro dimensões, não só na ambiental, mas na cultural, social e financeira. Isso supõe perceber que a eco- nomia não é a dimensão financeira. Econo- mía são estas quatro dimensões: social, cul- tural, ambiental e financeira. A outra coisa que precisa mudar muito na dimensão cul- tural em relação à sustentabilidade, para permitir que o processo aconte- ça, é essa passagem de gerar riqueza por consumo para ge- rar riqueza por cuidar. Isso tudo necessita uma linguagem, en- tão todos os criativos são fun- damentais na questão da sus- tentabilidade para a gente ter uma forma mais atraente de falar disso tudo, porque hoje o discurso é todo pelo medo, e não por atração. Então, tomara , ç J que os criativos possam par- ticipar dessa ressigniñcação do que é sustentabilidade". I r |
  4. 4. "ñ-n um: ;lã-Jomar snulii', ;uma : uma ¡mt-Jur- unñu ¡muy- : n: _Ilñêkinrü m: culinwanuc» nor-ft- -Lw-_pñtilttt guiar-pu _ulaueevktut court. , : Inox-Í ¡l-w «num-z o que sit: í-. vz, o a site â' l unit*- : m ih'- Hm Tí ¡El- í until# wwqillkiíxo, um: é no-. Iom-'Melglhonlu 3h íkua - _nufvilfãrgúo na Iramanxmm pm . ra- cer cunha: am. -. _naum-lar ¡nuualnw il; _unmmensuannun àuíifk- íla tulmoflo. _II-HM qu: nal-tha: Numa: o 'Iuqgnowwqtrtá 5 _ulokiüihüsll tcp" : naun-aum u: .. num 'll-lina' 'IJMIJIIKHHQ' a| IIu| IIIl(v›: ..i'! ;-t= |i“-R. 'Elma/ z rui(- o ; um nmhnlhu. e , nur ¡zm- i Itw nelbnlluu- sxsaasxattllcorauux- inunalwn_ à uujtiltfl' qu; sin, “na à , rum-atua ¡zvxa ¡unh- umk ¡t- gpr- c 3mm hurt-l k. 'hzitt : .. aum i'll-suíte» ils 'úie gm- «a ¡ailaua u- urelintlino. é : :mentir @pla 2 genit- _cliamluc tlnú' : ?naun ils _nnmwu_ ils 'Amar a its : r- r-¡kroaturueu . mma. u. .pump. at. _nuvníuall_ agir-»akksaougglu-¡passem-nuc-gzanwlculmltn-íl- ; :Iuuglfkc ; nua-wik- s? u-Juiiraratilm_ T2' azul-ar- u-nsw-xv granitos-ír- 01:10h_ftq-içlãlüôluhlclôñrtlüílô : ter a &ma; _mas - _IIn-“iêthüíá, -m-la o miau": - ir- gx-›s. ~q1-›1f¡ii= nílaa: à nllñl- sunt-i 6!- que n mnugl- ih: _unlinf-HÍI-'kl-'taw a musika) : Úllüh _new_ c âlasxaíriua-I. “mibnilom «um -. ~=+= +:. -_¡Ir-›:1Eo-6l---'ka›u: . L n › n. our-v: .3HUIlWEPV-I' a-HININII : 'níkeílaallllk tumor-uh: omlkxg. .. «tuuumaruu tem. Iaumu-(uêvaar “qulullííi vúik _uxsçemcnl § _nnñkieíkciçnl santana . muto m¡ : atmmúc â um: at» vexame. 4 »jar-namo m» intaum dlasaaústviak, gw. w 'rat-hits : rar-xau- _nun aún _Uliêktàidllífã i(a›-«a”r= 'ta'l: ._ i Manuel. , -x-; iqpr- em» gave¡ gaultugzmk~e› l-qlllü' mrdctugjnxsnn em' u'. 34:9: Iúíãtn-¡r-. gpia. nuumuôln 'sima 3 m'. J i v_ _ m _, -~ . h- - 3690113160!! ! -mar-«I--t-¡uaf-Jcoicr 'Ál'-k“*°*'_| '('-- sn ; orais-uk gpr- o actuam- fama-I' B** 'neit- i ain't-atlas. : 35v'til-KikiN33'! jllôilíloot-»WIllwculllolílr l-i-¡shugz-r gprs-r . gàlltlàacÊl-'ÊV/ "l/ o): guiar-m gpr- : m- : lgpúl- que : gravur- ¡El- ílamqltl¡ A ANQUMÍ: ôlo meu -nl-nllít- à aum-Jana fawmr-iunnne. “trauma-un, ccmcmairm âka : w amem: : -r 6mm¡ '-›:5:1'-~í(-›:1a'(--í('- gnt-Yeti' ¡l- _ou-unha : no , zum-ra a. nar-Hinor 39H59!, eu-akatxañ-za. ;muro-ítauqgxnn nau n15'-&Dlgglhqollucutolltqu _IIôÍlo-lmfndiill. _glohqplô'díêtÍlulõlíll-; nwlttürtÍlill _mw ncmu-í-Inm: Maiko: nkaagrslríuatuik vúík. ñtug-xet--cnuñtc-¡l--o na ? mim auúolin 'At-teus --nrzlànllin-wfãt--n-Jlwwruntime, :íI--Inoonun-; l-e: fruit-n. . um--tauu--uz : usam---n-a-n-uur-uaxsuut- lnhkllun, mu¡e-u-uzlanlluro-: q-; ucrap . nur-u uol* ai. É. . lllôiiittl' apta-atrito, anusmuuíl--ik “lr, “na ã Ê-. Í'c1II(»: ç-. ._' / ypeon/ íne. comb¡ 23 u a

×