Curso Java Basico

33,731 views

Published on

Curso de Java Básico - Uniserpro

Published in: Technology
2 Comments
48 Likes
Statistics
Notes
  • Outro curso bom de Java é o da Trainning, bem legal a didática deles http://www.trainning.com.br/curso_java.asp
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Vejam os cursos da RL System, são muito bons. Recomendo. Achei que nunca aprenderia OO. www.rlsystem.com.br
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
33,731
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
79
Actions
Shares
0
Downloads
2,303
Comments
2
Likes
48
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso Java Basico

  1. 1. Curso Java Básico Instrutora: Katia Cristina Lage dos Santos Regional Belo Horizonte 19/11/2007 a 30/11/2007
  2. 2. Curso Java Básico Título da Apresentação Visão geral O nome Java é usado para referir-se à: uma linguagem de programação orientada a objetos; uma coleção de APIs (classes, componentes, frameworks) para o desenvolvimento de aplicações multiplataforma; um ambiente de execução presente em navegadores, mainframes, sistemas operacionais, celulares, palmtops, cartões inteligentes, eletrodomésticos Java foi lançada pela Sun Microsystems em 1995 write once, run everywhere; programe uma única vez, execute em qualquer lugar; o projeto é controlado pela Sun (http://java.sun.com/) e pela comunidade de usuários JPC (Java Community Process - http://jcp.org/en/home/index).
  3. 3. Curso Java Básico Título da Apresentação Visão geral Um programa escrito para a plataforma Java necessita de dois componentes para ser executado: a máquina virtual Java (Java Virtual Machine - JVM); um conjunto de bibliotecas de classe que disponibilizam um série de serviços para esse programa. O pacote de software que contém a máquina virtual e esta biblioteca de classes é conhecido como JRE (Java Runtime Environment). JRE JVM + Bibliotecas de Classe
  4. 4. Curso Java Básico Máquina Virtual A máquina virtual Java, ou simplesmente JVM: é um dos principais componentes da plataforma Java; permite que o mesmo código possa ser executado em várias plataformas sem a necessidade de recompilação. Mas COMO? a JVM emula uma máquina real possuindo um conjunto de instruções próprio e atua em áreas de gerenciamento de memória; a JVM possui uma especificação que pode ser implementada nas diversas arquiteturas. Essa especificação visa não atender a nenhum tipo de tecnologia em específico, seja de hardware ou de sistema operacional; os ambientes de execução e de desenvolvimento são fornecidos por fabricantes de hadware e software (MacOS, Linux, etc). Título da Apresentação
  5. 5. Curso Java Básico Máquina Virtual A máquina virtual não trabalha diretamente com a linguagem de programação Java, mas sim com o arquivo de formato class. Esse tipo de arquivo contém os bytecodes, que são as instruções para a máquina virtual e uma tabela de símbolos. CÓDIGO JAVA Ambiente de Desenvolvimento COMPILADOR Distribuição Byte Code Java VM Windows VM Linux VM Celular SO Windows SO Linux SO Celular Ambiente de Execução Título da Apresentação
  6. 6. Curso Java Básico Máquina Virtual O código Java é compilado, gerando o conjunto de instruções chamado de byte-code; Esse byte-code é aplicado à Máquina Virtual Java (JVM) que se encarrega de interpretar os comandos para o sistema operacional onde o programa está rodando. Ou seja, a máquina virtual traduz as instruções do código Java para instruções válidas no sistema operacional em que está rodando; Esse byte-code poderá então ser interpretado por qualquer máquina virtual Java, rodando em Linux, Windows, Palm OS, Solaris ou qualquer outro sistema operacional que possua uma máquina virtual Java implementada. Compile once, run anywhere. Título da Apresentação
  7. 7. Curso Java Básico Máquina Virtual Um programa Java só é executado caso o seu byte-code passe pela verificação de segurança da JVM, que consiste em: o programa foi escrito utilizando a sintaxe e semântica da linguagem; não existem violações de áreas restritas de memória no código; o código não gera Stack Overflow; os tipos de parâmetros dos métodos são corretos; não existe nenhuma conversão ilegal entre dados do programa o acesso a objetos está corretamente declarado. Caso alguma das condições acima não seja satisfeita, a máquina virtual Java causará um erro de execução (runtime error). A JVM não permite que um programa Java acesse recursos de hardware diretamente, protegendo o computador de operações perigosas. Título da Apresentação
  8. 8. Curso Java Básico Máquina Virtual Uma JVM possui definições concretas para a implementação dos seguintes itens: conjunto de instruções (equivalentes às instruções da CPU), conjunto de registradores, formato padrão de classes, pilha de memória, pilha de objetos coletados pelo garbage-collector e área de memória. Compilador JIT (just-in-time) desde a versão 1.2 da JRE, a implementação da Sun da JVM inclui um compilador just-in-time (JIT); com este compilador todo o bytecode de um programa é transformado em instruções nativas e carregado na máquina virtual em uma só operação, permitindo um ganho de desempenho muito grande em comparação com a implementação anterior, onde as instruções em bytecode eram interpretadas uma por vez. Título da Apresentação
  9. 9. Curso Java Básico Bibliotecas de Classes Na maioria dos sistemas operacionais modernos, um corpo formado por código reusável é organizado e disponibilizado para simplificar o trabalho do programador; Este código encontra-se, normalmente, na forma de bibliotecas dinâmicas que a aplicação utiliza durante a sua execução. Como a plataforma Java não é dependente de qualquer sistema operacional, as aplicações não podem depender das bibliotecas destes sistemas. Por isso, a plataforma Java disponibiliza um grande conjunto padronizado de bibliotecas de classe, que contém praticamente o mesmo número de funções encontradas nos sistemas operacionais modernos. Título da Apresentação
  10. 10. Curso Java Básico Bibliotecas de Classes Uma classe de biblioteca Java serve a três propósitos dentro da plataforma Java: disponibilizam ao programador um conjunto de funções bem conhecidas que realizam tarefas comuns, como a manutenção de listas de elementos ou manipulação de strings; contém uma interface para tarefas que dependem do hardware e do sistema operacional (exemplo, acesso a rede e manipulação de arquivos); se alguma plataforma não suportar alguma função que uma aplicação Java necessita, as bibliotecas implementam esta funcionalidade usando os recursos disponíveis, ou disponibilizam um meio consistente para que a aplicação verifique a presença de determinada funcionalidade. Título da Apresentação
  11. 11. Curso Java Básico Gerenciamento de Memória Durante a execução de um programa de computador, ocorre a alocação e liberação dinâmica de memória RAM. Dados são escritos e lidos da memória do computador satisfazendo os requisitos de cada programa. Em linguagens tradicionais como Pascal, Basic e C/C++, o programador é responsável por controlar essa alocação, impedindo o estouro de memória (stack overflow) e outros problemas, como o acesso indevido a áreas reservadas de memória. Para facilitar a vida dos programadores, e evitar os erros comuns associados à alocação de memória, a linguagem Java introduziu o conceito de garbage-collection. Título da Apresentação
  12. 12. Curso Java Básico Gerenciamento de Memória Garbage-collection é um mecanismo de controle automático de alocação e liberação de memória. Quando uma variável é declarada em um código de computador, a JVM cria um ponteiro para uma área de memória equivalente ao tamanho do tipo de dado utilizado por essa variável. public class Pessoa{ MEMÓRIA int intIdade; String strNome pessoa1 (...) public static void main(){ Pessoa Pessoa pessoa1 = new Pessoa(); } } Título da Apresentação
  13. 13. Curso Java Básico Gerenciamento de Memória Garbage-collection Quando essa variável é associada a outra região de memória, a JVM coloca o espaço alocado anteriormente em uma pilha de objetos em desuso. MEMÓRIA (...) pessoa1 public static void main(){ Pessoa pessoa1 = new Pessoa(); Pessoa pessoa2 = new Pessoa(); Pessoa pessoa1 = pessoa2; pessoa2 } Caso o computador fique com pouca memória disponível, a JVM remove objetos dessa pilha, permitindo que esse espaço de memória seja re-alocado. Título da Apresentação
  14. 14. Curso Java Básico Gerenciamento de Memória O processo de garbage-collection ocorre automaticamente durante a execução de um programa Java. é possível sugerir ao JVM que execute a coleta de lixo; no entanto não haverá garantias de que todos os objetos não utilizados serão realmente removidos da memória; chamadas possíveis:Runtime.getRuntime() ou System.gc(); O programador não precisa se preocupar com aritmética de ponteiros (grande dificuldade em linguagens como C e Pascal. Exemplo 1 Título da Apresentação
  15. 15. Curso Java Básico Plataforma Java A plataforma Java se divide em três grandes edições. http://www.javafree.org/wiki/Java Java Standard Edition (JavaSE); Java Mobile Edition (JavaME); Java Enterprise Edition (JavaEE).
  16. 16. Curso Java Básico Plataforma Java Java Standard Edition (JavaSE) É a tecnologia Java para computadores pessoais, notebooks e arquiteturas com poder de processamento e memória consideráveis. Várias APIs acompanham esta versão e tantas outras podem ser baixadas opcionalmente no site da Sun. É com elas que a maioria das aplicações são construídas e executadas. O J2SE possui duas divisões: Java Development Kit (JDK) ou Standard Development Kit (SDK): um conjunto para desenvolvimento em Java: compilador (javac), depurador, gerador de documentação (javadoc), empacotador de componentes (jar); Java Runtime Edition (JRE): uma versão mais leve da JDK pois é preparada para o ambiente de execução. Título da Apresentação
  17. 17. Curso Java Básico Plataforma Java Java Mobile Edition (JavaME) É a tecnologia Java para dispositivos móveis com limitações de memória ou processamento. Possui APIs bem simples e leves para economizar espaço, memória e processamento. São utilizadas para sistemas em celulares, palm tops, pocket pcs, smartphones, javacards e demais dispositivos. O J2ME se divide em dois grupos de bibliotecas. É dividida em dois grupos: Connected Limited Device Configuration (CLDC): para celulares e smartphones, que são mais limitados; Connected Device Configuration (CDC): para Palmtops e Pocket pcs e alguns dispositívos mais poderosos. Título da Apresentação
  18. 18. Curso Java Básico Plataforma Java Java Enterprise Edition (JavaEE) É a tecnologia Java para aplicações corporativas que podem estar na internet ou não. Possui um grande número de APIs onde a segurança é a principal preocupação. É ideal para a construção de servidores de aplicação, integração de sistemas ou distribuição de serviços para terceiros. A plataforma Java EE não é um produto, mas sim de uma especificação definida pela Sun. A Java EE simplifica as aplicações empresariais e multi-camadas, baseada em componentes padronizados, modulares e reusáveis, e oferece um conjunto completo de serviços para estes componentes. Título da Apresentação
  19. 19. Curso Java Básico O ambiente Eclipse O Eclipse é um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE – Integrated Development Environment) Contém um conjunto de funcionalidades embutidas, cuja finalidade é prover um modo mais fácil e interativo de construir e manipular seus programas. Dentre essas funcionalidades, destacam-se: um editor de texto com facilidades especialmente desenhadas para a linguagem; um compilador e um interpretador, para muitas linguagens interpretadas, dentre elas o Java; um editor gráfico, com facilidades para criação e edição da interface gráfica do programa a ser desenvolvido; Título da Apresentação
  20. 20. Curso Java Básico O ambiente Eclipse uma ferramenta, denominada debugger, que possibilita um monitoramento mais elegante do funcionamento do seu programa, facilitando a detecção e remoção dos erros de lógica do código. Além das funcionalidades inerentes ao conceito de IDE, é importante ressaltar que o Eclipse é tido como “meta-ambiente de desenvolvimento de software”, um “ambiente para construção de ambientes”. Em outras palavras, um framework para integração de diferentes tipos de aplicação. Título da Apresentação
  21. 21. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Funcionalidades do ambiente Eclipse ao iniciar o Eclipse pela primeira vez, será solicitada a indicação de um diretório onde será armazenado o código a ser desenvolvido workspace; é possível existir mais de um workspace na mesma mídia de armazenamento. Entretanto, cada workspace poderá ser utilizado por somente uma instância do Eclipse em execução no momento. na janela de definição do workspace é possível definí-lo como o diretório padrão (default) onde os projetos a serem desenvolvidos por aquela instância do Eclipse serão armazenados.
  22. 22. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Funcionalidades do ambiente Eclipse após a definição do workspace, será exibida uma janela de boas- vindas(welcome). após fechá-la, será exibido o layout do ambiente sob a denominada perspectiva Java Perspective; Título da Apresentação
  23. 23. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Título da Apresentação
  24. 24. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Funcionalidades do ambiente Eclipse o Eclipse destaca-se dentre as demais IDEs, pelo fato de possuir a funcionalidade de customização do ambiente de trabalho. trata-se de um programa open-source, originalmente escrito para ser uma IDE versátil e possível de ser adaptada para qualquer propósito relacionado ao desenvolvimento de software, desde a produção de plug-ins para ele mesmo e/ou outros programas, passando pela integração de ferramentas ao ambiente Eclipse e culminando no desenvolvimento do software final em si. Esta adaptabilidade já começa pela estética do ambiente. Título da Apresentação
  25. 25. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Package Explorer (1) é um visualizador simples e elegante dos seus projetos; um projeto representa toda a estrutura do seu programa, armazenando os arquivos-fonte (.java), os bytecodes (.class), as configurações gerais do ambiente para o projeto, eventuais arquivos de backup e outros arquivos inerentes ao escopo do programa (por exemplo, quaisquer possíveis imagens relacionadas ao projeto); a navegação é semelhante à do Windows Explorer, bastante intuitiva e respeitando a hierarquia do projeto, com a qual ficaremos mais familiarizados com a prática, ao longo do desenvolvimento do projeto. Título da Apresentação
  26. 26. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Editor de Textos (2) o editor de textos do Eclipse denota as palavras-chave de Java™ em letras destacadas para facilitar a leitura do código; esta é uma das funcionalidades mais utilizadas nesta ferramenta, possuindo um número expressivo de facilidades, ilustradas nas situações seguintes. Título da Apresentação
  27. 27. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Editor de Textos (2) Função Autocompletar Suponha que estejamos escrevendo o método “transferir” de uma classe Conta este método é composto de uma chamada ao método “debitar” e outra chamada ao método “creditar”, como podemos na definição abaixo: Título da Apresentação
  28. 28. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Editor de Textos (2) durante a implementação deste método, quando digitarmos o nome de alguma variável que denote um objeto e o ponto para chamada de método, o editor de textos do Eclipse nos mostrará uma janela com uma relação completa de todos os métodos e atributos que este objeto pode acessar em seu contexto, e a medida em que escrevermos as letras, ele filtrará tudo o que puder ir sendo descartado, como ilustra a imagem abaixo. Título da Apresentação
  29. 29. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Editor de Textos (2) Detecção de erros de sintaxe uma grande funcionalidade das principais IDEs atuais é a detecção de erros de compilação em tempo de implementação; o editor de textos do Eclipse, ao perceber um erro de sintaxe (e até alguns poucos erros de lógica), imediatamente destaca o trecho que ele supõe estar errado, além de indicar as possíveis causas do erro e sugerir algumas soluções; como podemos ver na figura seguinte, ele sublinha o trecho e errado e marca as linhas que apresentam problema de sintaxe no lado direito da janela:
  30. 30. Curso Java Básico O ambiente Eclipse
  31. 31. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Editor de Textos (2) Indicação de Escopo de Blocos de Código O editor também separa os trechos de código contido entre chaves, no lado esquerdo da janela, em azul. Podemos clicar nos triângulos azuis para exibir/esconder trechos entre chaves, facilitando a visualização do arquivo e sua navegação. Por último, o editor do eclipse nos poupa bastante tempo de pesquisa em documentação de classes nas APIs das mesmas com um recurso muito simples e interessante. Ao mantermos o mouse por cima de nomes de classe ou métodos, uma caixa de texto aparecerá na tela com toda a documentação da classe / método em questão. A figura seguinte exemplifica essa funcionalidade. Título da Apresentação
  32. 32. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Título da Apresentação
  33. 33. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Console (3) o Eclipse oferece um terminal de console para a entrada de dados do teclado pela stream de entrada padrão e a saída de dados que o programa escreve na stream de saída padrão. Outline (4) a janela Outline funciona semelhantemente ao Package Explorer, sendo que voltada para a estrutura interna do seu arquivo .java - frequentemente a sua classe; existem ícones diferentes para cada parte do arquivo. Título da Apresentação
  34. 34. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando um projeto primeiramente clique em File > New > Project; um wizard de criação de projetos aparecerá; Título da Apresentação
  35. 35. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando um projeto em seguida, selecione a opção Java > Java Project; clique em Next. A seguinte tela irá aparecer: Título da Apresentação
  36. 36. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando um projeto digite um nome para o seu projeto; se você quiser criar o projeto em um diretório diferente do workspace: marque a opção quot;Create project at external locationquot;; especifique o diretório onde o projeto será ser armazenado; marque também a opção “Create separate source and output folders” na caixa “Project Layout”. Essa opção permite que você não misture os arquivos que contém o código-fonte(source) com os arquivos gerados pelo compilador(output ou saída) , criando pastas diferentes para cada um desses tipos de arquivos; clique em Next. Título da Apresentação
  37. 37. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando um projeto agora você terá a oportunidade de escolher os diretórios do source e de saída; para deixar os valores default clique em Finish, ou então altere os valores de acordo com sua conveniência. possívelmente aparecerá uma janela pedindo para confirmar uma mudança de perspectiva. Se aparecer, clique em quot;Yesquot;. Título da Apresentação
  38. 38. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando uma classe agora, seu projeto já está criado, mas ainda não possui nenhuma classe; para criar uma classe, clique em File > New > Class a seguinte tela aparecerá: Título da Apresentação
  39. 39. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando uma classe a parte superior da janela dá algumas indicações sobre o preenchimento - como campos obrigatórios, a sugestão de usar inicial maiúscula para nomes de classes, etc; em quot;Source Folderquot;, determine de que projeto sua classe fará parte e a localização do arquivo .java; selecione o nome da sua classe no campo quot;Namequot;; opcionalmente você pode pré-determinar os modificadores de acesso da sua classe e deixar prontos os esqueletos de alguns métodos, no campo Modifiers e nos campos abaixo de “Which method stubs would you like to create?” escolha quot;public static void main(String[] args)quot; – o método principal já será defido na classe; Título da Apresentação
  40. 40. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Criando uma classe clique em Finish. sua classe será criada e aparecerá como a imagem seguinte. Título da Apresentação
  41. 41. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Utilização de bibliotecas para adicionar uma biblioteca externa ao projeto: clique com o botão direito sobre a pasta do projeto no Package Explorer; selecione a opção Properties. a seguinte janela surgirá: Título da Apresentação
  42. 42. Curso Java Básico O ambiente Eclipse Utilização de bibliotecas no menu da esquerda, selecione a opção Java Build Path (como está selecionado na figura). A parte da direita mudará para mostrar o que está na figura; selecione a aba Libraries para visualizar as bibliotecas utilizadas pelo seu projeto. Provavelmente você poderá ver a biblioteca JRE System Library, que é a biblioteca padrão que vem com o JDK instalado na sua máquina, e que praticamente todo projeto Java deve utilizar; para adicionar mais bibliotecas, clique no botão Add External JARs (Java ARchives ou, extra-oficialmente, Java Application Resources, o último menos usado); por último, selecione o caminho da biblioteca a ser adicionada e clique em Open. Exemplo 2 Título da Apresentação
  43. 43. Curso Java Básico Características da linguagem Todos os programas Java possuem quatro elementos básicos: Pacotes; Classes; Métodos; Variáveis. Título da Apresentação
  44. 44. Curso Java Básico Características da linguagem Pacotes as classes que compõem o núcleo de funcionalidades Java estão organizadas em pacotes; um package Java é um mecanismo para agrupar classes de finalidades afins ou de uma mesma aplicação; além de facilitar a organização conceitual das classes, o mecanismo de pacotes permite localizar cada classe necessária durante a execução da aplicação; no entanto, a principal funcionalidade de um pacote Java é evitar a explosão do espaço de nome, ou seja, classes com o mesmo nome em pacotes diferentes podem ser diferenciadas pelo nome completo, pacote.classe. Título da Apresentação
  45. 45. Curso Java Básico Características da linguagem Entre os principais pacotes oferecidos como parte do núcleo Java estão: java.lang; java.util; java.io; java.net. Pacotes contêm classes e duas outras entidades de Java que veremos posteriormente: exceções e interfaces; Um package é uma coleção de classes e interfaces relacionadas fornecendo proteção de acesso e gerenciamento de nomes de diretórios. Usamos a declaração import para acessar essas classes. Se a declaração import não for utilizada e desejarmos utilizar alguma classe externa, será necessário colocar o caminho da classe a cada acesso. Título da Apresentação
  46. 46. Curso Java Básico Características da linguagem Exemplo: import java.lang.*; O asterisco no final diz ao compilador para importar todas as classes do pacote java.lang. Esse é um dos vários pacotes incluídos na API. O compilador Java define implicitamente um pacote para as classes no diretório atual e o importa implicitamente. Esse é o motivo porque não precisamos colocar explicitamente as classes que escrevemos em um pacote. Para colocarmos uma classe em um pacote, deve-se inserir a diretiva package com o nome do pacote no início da classe. Título da Apresentação
  47. 47. Curso Java Básico Características da linguagem Estrutura de um código Java Como todas linguagem de programação, Java possui um formato básico para a escrita de códigos. Tal formato é demonstrado abaixo: 1 // Duas barras significam comentário 2 /* comentários também podem seguir o formato de C++ */ 3 4 public class NomeDoPrograma 5 { 6 // O método main indica que o código Java pode ser executado 7 static public void main(String[] args) 8 { 9 // aqui virão os comandos 10 } 11 } Título da Apresentação
  48. 48. Curso Java Básico Características da linguagem Compreendendo o código Java linhas 1 e 2: representam comentários. Um comentário pode conter qualquer informação relevante ao comportamento do programa, autor, versão, etc; linha 3: está em branco, pois Java permite linhas em branco entre os comandos; linha 4: é a declaração do quot;nome do programaquot;, que é case-sensitive (existe diferença entre maiúsculas e minúsculas). O arquivo que contém o código Java deve ser salvo com o mesmo nome que aparece após a declaração public class e mais a extensão .java (o exemplo acima deveria ser salvo como NomeDoPrograma.java). Título da Apresentação
  49. 49. Curso Java Básico Características da linguagem Compreendendo o código Java linhas 5 e 8: a abertura de chave { indica início de bloco; linha 8: essa linha indica à Java Virtual Machine que o programa será executado. Os demais programas não conterão o método main(); Quando um programa Java é executado, o interpretador da JVM executa os comandos que estiverem dentro do bloco indicado pelo método quot;static public void main(String)quot;. linha 9: aqui seria escrito o código propriamente dito; linhas 10 e 11: o fechamento de chave } indica fim de bloco. Título da Apresentação
  50. 50. Curso Java Básico Características da linguagem Compilando e Executando a seguir, apresentaremos um exemplo de criação, compilação e execução de um programa Java, sem o uso de uma IDE, utilizando apenas os programas da JSDK. 1- Crie o arquivo HelloWorld.java em um diretório qualquer com o seguinte conteúdo: public class HelloWorld { public static void main (String args[]) { System.out.println(quot;Hello World!quot;); } } Configurar variáveis de ambiente – referência artigo http://www.guj.com.br/java.tutorial.artigo.12.1.guj Título da Apresentação
  51. 51. Curso Java Básico Características da linguagem Compilando e Executando 2 - Chame o compilador Java para este arquivo: $ javac HelloWorld.Java 3- Seu diretório deve ter recebido um novo arquivo após essa compilação: HelloWorld.class Título da Apresentação
  52. 52. Curso Java Básico Características da linguagem Compilando e Executando 4 - Chame o interpretador Java para este arquivo (omita a extensão .class do arquivo): $ j ava HelloWorld 5- Observe o resultado na tela: Hello World! Título da Apresentação
  53. 53. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comentários Qualquer informação especificada entre os caracteres de comentário será ignorada pelo compilador; Os comentários em Java podem ser por linha ou em bloco: por linha: // isto é um comentário e inicia com duas barras. int valor; // e pode estar no final da linha em bloco: /* Comentário em bloco Aceita múltiplas linhas Não utilize comentários aninhados */ Título da Apresentação
  54. 54. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comentários As regras que tratam dos comentários em Java são: comentários não podem ser aninhados; não podem ocorrer dentro de strings ou literais; as notações /* e */ não tem significado dentro dos comentários //; a notação // não tem significado dentro dos comentários /* e /**. Título da Apresentação
  55. 55. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comentários javadoc É tipo especial de comentário, utilizado para gerar documentação da API do código Java. /** isto é um comentário para geração de javadoc */ Título da Apresentação
  56. 56. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Identificadores Identificadores são usados para determinar nomes de variáveis, atributos de classe ou de instância, parâmetros e métodos; Os identificadores em Java iniciam com: uma letra; um sublinhado (_ ); ou um sinal de dólar quot;$quot;; Podem possuir números após o primeiro caractere da palavra; Pela premissa de ser case-sensitive existe uma diferenciação entre letras maiúsculas e minúsculas. Título da Apresentação
  57. 57. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Convenções para Identificadores na linguagem Java é utilizada a seguinte convenção para formação de identificadores: constantes com todas as letras em maiúsculo: CONSTANTE variáveis e métodos começam com letra minúscula: variável classes e interfaces começam com letra maiúscula: Classe se o identificador for um nome composto por mais de uma palavra, cada nova palavra começa com letra maiúscula: exemplo: variávelComNomeComposto
  58. 58. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Tipos Primitivos no Java, todos os objetos necessitam ter seu tipo especificado. existem 8 tipos primitivos em Java; seis deles são numéricos, um é o caractere e o outro é o booleano; os tipos Array e String não são tipos primitivos, são Classes e serão tratados a seguir. Título da Apresentação
  59. 59. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Tipos Numéricos Inteiros os tipos inteiros guardam valores numéricos sem parte fracionária. Tipo Tamanho Faixa de Valores int 4 bytes -2.147.483.648 até 2.147.483.647 short 2 bytes -32.768 até 32.767 byte 1 byte -128 até 127 long 8 bytes -9.223.372.036.854.775.808 até 9.223.373.036.854.775.807 na maioria das ocasiões, o tipo int é suficiente; não se pode esquecer que como Java é portável, esses valores são os mesmos para qualquer plataforma de hardware. Título da Apresentação
  60. 60. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Tipos Numéricos de Ponto Flutuante os tipos primitivos que representam valores numéricos com ponto flutuante: Tipo Tamanho Faixa de Valores float 4 bytes +/- 3.40282347E+38F (aproximandamente 7 dígitos significativos) double 8 bytes +/- 1.79769313486231570E+308 (15 dígitos significativos) normalmente utilizamos o double na maioria das situações onde é necessária a representação desse tipo de número, pois sua precisão é maior; números do tipo float aparecem com um sufixo F. (3.04F). se o número aparecer sem o F, ele é considerado double. da Apresentação Título
  61. 61. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Tipo caractere O tipo char serve para representar apenas uma letra ou número. Tipo Tamanho Faixa de Valores char 2 bytes 0 até 65536 Esse tipo serve para representar caracteres usando a tabela Unicode; Dessa tabela faz parte a tabela ASCII e mais alguns caracteres especiais. O tipo char é sempre representado por aspas simples (‘h’). Caracteres representados por aspas duplas (“h”) na verdade são Strings.
  62. 62. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Tipo booleano o tipo booleano pode assumir apenas dois valores, true ou false. Esse tipo é usado apenas para testes lógicos. Tipo Tamanho Faixa de Valores boolean 1 bit true ou false
  63. 63. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Valores Padrão abaixo segue uma lista com os valores padrões de todos os tipos primitivos, sendo que não é necessário inicializar as variáveis com esses valores, a máquina virtual cuidará desse trabalho. Tipo Valor byte 0 short 0 int 0 long 0 float 0.0 double 0.0 boolean false char u0000 Título da Apresentação
  64. 64. Curso Java Básico Estrutura da linguagem String String é uma classe que manipula cadeias de caracteres; incluída no pacote java.util; possui métodos para essas manipulações; a representação de um String é feita por um conjunto de caracteres entre aspas. Exemplo: String str = “Isto é uma String do Java”; String str = “”; //uma string vazia Concatenação de Strings String uniao = “use o sinal de + para ” + “concatenar Strings”; Exemplo 3 Título da Apresentação
  65. 65. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Métodos da Classe java.lang.String a classe java.lang.String possui muitos métodos; abaixo apresentamos os mais significativos: charAt(int indice) retorna o caractere na posição especificada int compareTo(String outraString) retorna um valor negativo se a string vier antes de outraString na ordem do dicionário, um valor positivo se outraString vier antes e 0 (zero) caso forem iguais boolean endsWith(String sufixo) retorna true se a string terminar com sufixo Título da Apresentação
  66. 66. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Métodos da Classe java.lang.String boolean equals(String outra) retorna true se a string for igual à outra boolean equalsIgnoreCase(String outra) retorna true se a string for igual à outra, ignorando maiúsculas e minúsculas String toLowerCase() retorna uma nova string convertendo maiúsculas para minúsculas
  67. 67. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Métodos da Classe java.lang.String String toUpperCase() retorna uma nova string convertendo minúsculas para maiúsculas String trim() elimina espaços iniciais e finais Exemplos 4 e 5 Título da Apresentação
  68. 68. Curso Java Básico Estrutura da linguagem StringTokenizer “Quando você lê uma frase, sua mente divide a frase em palavras individuais ou tokens...” Deitel&Deitel Tokens são separados entre si por delimitadores (espaços em branco, tabulação, nova linha e retorno de carro); Pertence ao pacote java.util; Título da Apresentação
  69. 69. Curso Java Básico Estrutura da linguagem StringTokenizer Há três construtores possíveis: o construtor que aceita um argumento String, utilizará o string delimitador padrão “ntr”; aquele que aceita dois argumentos String: o segundo String é o String delimitador; a versão que aceita três argumentos, o segundo String é o string delimitador e o terceiro argumento (um boolean) determina se os delimitadores também são retornados como tokens (somente se o argumento for true). Exemplo 6 Título da Apresentação
  70. 70. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Array um array tipo de dados utilizado para armazenar um grupo de informações semelhantes; arrays são tipos indexados de dados que permitem a representação de agrupamento de dados como vetores e matrizes; todos os itens de um array devem ser do mesmo tipo em tempo de compilação. o código para declarar o array é: int nums[10]; Título da Apresentação
  71. 71. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Array arrays são inicializados com o uso do operador new; pense em cada elemento do array como um objeto distinto; o tipo mais simples de array é um array de dimensão de um tipo primitivo, por exemplo, um int.; o código para criar e inicializar o array é: int nums[ ] = new int [5]; os colchetes depois do identificador nums, dizem ao compilador que nums é um array; o operador new instancia o array e chama o construtor para cada elemento; o construtor é do tipo int e pode conter cinco elementos. Título da Apresentação
  72. 72. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Array arrays podem ser multimensionais; durante a instanciação, um array multidimensional deve ter pelo menos uma de suas dimensões especificadas; a seguir, exemplos de como criar um array bidimensional: int [ ][ ] numlist = new int [2][]; int lista[ ][ ] = new int[5][5]; Título da Apresentação
  73. 73. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Array arrays podem ser inicializados na hora da criação, colocando-se os valores inicias desejados entre chaves {}; não é necessário especificar o tamanho – Java irá inicializar o array com o número de elementos especificados. Exemplo: int nums[ ] = {1, 2, 3, 4, 5}; int nums[ ][ ] = {(1,1), (2,2), (3,3), (4,4), (5,5)}; Título da Apresentação
  74. 74. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Array os arrays podem ser indexados por um valor byte, short, int ou char; não se pode indexar arrays com um valor long, ponto flutuante ou booleano; se precisar usar um desses tipos deve-se fazer uma conversão explícita; os arrays são indexados de zero até o comprimento do array menos um. Exemplo 7 Título da Apresentação
  75. 75. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Operador de Atribuição a atribuição é feita através do operador “=”: <identificador> = <valor>; Exemplos: (na declaração da variável) float umFloat = 0.5; char caracter = ‘i’; Exemplos: (após declaração da variável) idade = 18; existe = true; Título da Apresentação
  76. 76. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Operadores Aritméticos operadores aritméticos são aqueles que efetuam operações aritméticas em um ou mais tipos primitivos. Operador Nome Exemplo + Adição 23+29 - Subtração 29-23 * Multiplicação 0.5 * salario / Divisão 100/42 % Módulo 57%5 Exemplo 8
  77. 77. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Operadores Relacionais os operadores relacionais utilizados para formar expressões condicionais, utilizados em testes e condições de entrada em um fluxo do programa. Operador Nome Exemplo == Igual 10 == 10 != Diferente 3 != 2 < Menor 4 < 10 > Maior 10 > 6 >= Maior ou igual 3 >= 3 <= Menor ou igual 5 <= 6 Exemplo 9 Título da Apresentação
  78. 78. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Operadores Lógicos os operadores lógicos, assim como os relacionais, são utilizados para formar expressões condicionais, utilizados em testes e condições de entrada em um fluxo do programa. Operador Nome Exemplo && AND (0 < 2) && ( 10 > 5) || OR ( 10 >11 ) || (10 < 12 ) ! NOT !( 1= = 4 ) ^ XOR ( 1!= 0) ^ ( 3< 2 ) ?: Condicional 3>2? (comando): (comando) Exemplo 10 Título da Apresentação
  79. 79. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Atribuição Composta para facilitar a programação, Java oferece um tipo de atribuição chamada atribuição composta, que pode ser formada com operadores aritméticos ou lógicos; Exemplos: a += b; // Equivalente a: a = a + b; a *= 3; // Equivalente a: a = a * 3; Título da Apresentação
  80. 80. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Incremento e Decremento o incremento é dado pelo operador ++ e o decremento pelo operador --.; este decremento ou incremento pode ser feito antes ou depois da utilização da variável; colocando–se antes (++var), será realizado o incremento ou decremento e depois o valor da variável será utilizado; ao contrário (var++), o operador após a variável, faz com que o valor da variável seja utilizado primeiro e o incremento ou decremento seja feito depois. Exemplos: i++; //Equivalente a: i = i +1; --i; //Equivalente a: i = i -1; Exemplo 11 Título da Apresentação
  81. 81. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Precedência dos Operadores a tabela abaixo apresenta os operadores em ordem decrescente de precedência, isto é, o que está mais acima ocorre antes: ++ -- ! * / % + - <> <= >= == != ^ && || = *= /= %= += -= Título da Apresentação
  82. 82. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo a maioria dos programas tomam decisões que afetam seu fluxo; as declarações que tomam essas decisões são chamadas de comandos de controle de fluxo. Título da Apresentação
  83. 83. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão if...else executa, condicionalmente, um bloco de comandos, dependendo do valor de uma expressão; Sintaxe: if (condição) {bloco de comandos} [else {bloco de comandos} ] Exemplo: if ( fim == true ) System.out.println(“Término!”); else System.out.println(“Continuando...”); Título da Apresentação
  84. 84. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão if...else para mais de um comando ser executado depois da declaração, utiliza-se o conceito de blocos, delimitados por { }; Exemplo: if ( fim == true ){ cont = 0; System.out.println(“Término!”); } else { cont = cont +1; System.out.println(“Continuando...”); } Exemplo 12 Título da Apresentação
  85. 85. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão Operador Condicional ?: uma alternativa para o comando if...else é a utilização do operador condicional “?:”; ele é o único operador ternário do Java; sintaxe: (expressão lógica) ? expressão 1 : expressão 2; caso a expressão booleana retorne um valor verdadeiro (true), a expressão 1 é executada; caso retorne um valor falso (false), a expressão 2 é executada. Título da Apresentação
  86. 86. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão Operador Condicional ?: Exemplo: int total = (salario < 1000) ? salario : salario – desconto; no exemplo acima, se a variável salario for menor que 1000, é atribuído o valor de salario a variável total, mas se a variável salário for maior ou igual a que 1000, a variável total recebera o valor da variável salário menos a variável desconto. Título da Apresentação
  87. 87. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão switch a instrução switch é utilizada quando precisamos selecionar uma ação dentro de um número de possibilidades; switch executa um, de vários grupos de comandos, dependendo de uma expressão inteira; a expressão de comparação do switch deve ser um char, um byte, um short ou um int; não é permitido outro tipo primitivo ou objeto; o valor resultante da expressão inteira é comparado com cada um dos itens constantes nas cláusulas case; a ordem em que as cláusulas aparecem é importante, visto que a comparação é feita seqüencialmente; uma cláusula opcional default pode aparecer no final do comando. Título da Apresentação
  88. 88. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão switch sintaxe: switch ( expressão_teste ) { [case expressão constante 1: comandos] ... [default: comandos;] } Título da Apresentação
  89. 89. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão switch Exemplo: switch ( diaSemana ){ case 1: System.out.println(“Hoje é segunda-feira”); break; case 2: System.out.println(“Hoje é terça-feira ”); break; ... case 7: System.out.println(“Hoje é domingo”); break; default: System.out.println(“Opção inválida!”); } Exemplo 13 Título da Apresentação
  90. 90. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão while executa um bloco de comandos enquanto uma condição for verdadeira; é a mais simples das estruturas de repetição (ou loop), onde a expressão de comparação é avaliada antes que o laço seja executado; utilizada quando não se quer que o corpo do laço seja necessariamente executado; Sintaxe: while (expressão booleana) { bloco de comandos; } Exemplo: while ( i != 0 ){ salario = salario * 0.5; i--; } Exemplo 14
  91. 91. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão do...while executa um bloco de comandos enquanto uma condição for verdadeira; a expressão de comparação é avaliada depois que o laço for executado; utilizada quando se quer que o corpo do laço seja necessariamente executado;
  92. 92. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão do...while Sintaxe: do { bloco de comandos; } while (expressão booleana); Exemplo: do { salario = salario * 0.5; i--; } while ( i != 0 ); Exemplo 15 Título da Apresentação
  93. 93. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão for repete um grupo de comandos em um número específico de vezes; fornece uma expressão para inicializar as variáveis, seguida por uma expressão de comparação e depois um lugar para incrementar ou decrementar as variáveis de laço; a declaração pode ser um comando simples ou um bloco de comandos; Sintaxe: for (inicialização; terminação; incremento) { bloco de comandos; } Exemplo: for (i = 0; i < 20; i ++) salario = salario * 0.5; Título da Apresentação
  94. 94. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão for a seção de inicialização é executada uma única vez, quando se entra no laço; a inicialização pode ser vazia se a variável da condição já tiver sido inicializada antes do laço; a seção de terminação é uma expressão lógica que é verificada no início de cada uma das iterações do laço; a terminação também pode ser vazio, caso onde precisaríamos de uma instrução break para sair do laço; a seção de incremento é uma expressão (ou expressões separadas por vírgula) que é executada em cada iteração do laço; não é obrigatório que essa expressão esteja relacionada com o controle do laço; o incremento também pode ser vazio. Título da Apresentação
  95. 95. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão for na versão 5, o java ampliou a utilização do comando for, agora com sintaxe simplifica e normalmente chamado de quot;for estendidoquot; Exemplo: ... int[] mat = { 3, 4, 5, 6 }; for( int x:mat ) { System.out.println( x ); } o laço estendido cria a variável de controle interna para percorrer um conjunto (vetor ou Coleções, que veremos adiante) a cada iteração um valor do conjunto é passado para a variável x e executado o bloco de instruções. Exemplo 16 Título da Apresentação
  96. 96. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão break o comando break desvia o fluxo de execução de um programa para o fim de um laço ou de uma instrução switch; utilizada para sair de um laço antes do normal; o laço irá encerrar independentemente de seu valor de comparação e a declaração após o laço será executada. Exemplo: int i = 0; while (true) { System.out.println(i); i++; if ( i > 10 ) break; } Exemplo 17 Título da Apresentação
  97. 97. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão continue o comando continue desvia o fluxo de execução de um laço para o próxima iteração, abandonando a iteração em que se encontra; Exemplo: for (int i = -10; i<10; i++) { if ( i == 0 ) continue; System.out.println(1/i); } Exemplo 18 Título da Apresentação
  98. 98. Curso Java Básico Estrutura da linguagem Comandos de Fluxo: Comandos de Decisão return comando utilizado para transferir controle entre métodos; retorna informações de métodos, encerrando a execução e retornando para o local de onde o método foi chamado; Sintaxe: return valor; exemplo: class Teste{ public int Potencia ( int base, int n){ int result = base; for ( int i = 0; i < n-1; i ++ ) result = result * base; return result; } } Exemplo 19 Título da Apresentação
  99. 99. Curso Java Básico Classes em Java O desenvolvimento de aplicações Java sempre é feito através de classes. Uma aplicação Java sempre terá a seguinte estrutura: class NomedaClasse { // Atributos // Métodos public static void main( String args[] ) { //corpo principal do programa } } Título da Apresentação
  100. 100. Curso Java Básico Classes em Java Uma aplicação em Java é caracterizada por possuir o método main(); O método main é o método chamado pelo interpretador Java quando executado; A declaração do método main deve ser: public static void main( String args[] ) ou public static void main(String... args) (desde 1.5) define um método de acesso público (public), sem retorno (void), que recebe como parâmetro um array de strings de tamanho indefinido representado pela variável args (onde são passados os argumentos da linha de comando para a aplicação) a única alteração que pode ser feita é no nome do array (args). Título da Apresentação
  101. 101. Curso Java Básico Classes em Java Classes e Objetos classe é uma descrição de algo existente no domínio do problema (aplicação); é usada na criação de múltiplos objetos; é a descrição dos dados (atributos) e do comportamento (métodos) de um objeto; um objeto é uma instância particular de um tipo de dado específico (classe); objeto é uma instância de uma classe; instanciar um objeto é criar seu espaço de memória e repassar um ponteiro para ele; Título da Apresentação
  102. 102. Curso Java Básico Classes em Java Classes e Objetos quando um objeto é criado ele precisa ser inicializado, precisa ser carregado com a referência (o endereço) de um espaço de memória alocado para o seu armazenamento para uma única classe podemos ter vários objetos durante a execução de um programa. em um programa orientado a objetos temos muitos objetos se relacionando entre si; a interação entre objetos é feita através de mensagens; um objeto “chama” os métodos de outro, passando parâmetros quando necessário; a esta interação entre objetos chama-se troca de mensagens. Exemplo 20 Título da Apresentação
  103. 103. Curso Java Básico Classes em Java Classes e Objetos – Exercício 1 Implemente o relacionamento quot;uma empresa possui vários endereçosquot; (um de cada filial). Os dados da empresa são: Nome, CNPJ e nome do dono. Os dados de cada um de seus endereços são: tipo de logradouro (AVENIDA, RUA, BECO), NÚMERO e CEP. Título da Apresentação
  104. 104. Curso Java Básico Classes em Java Métodos Um método descreve o comportamento de uma classe; Um método de uma classe tem a seguinte estrutura genérica: <visibilidade> <static> <tipo_retorno> <nome_método> (<parâmetros>) { // corpo ou escopo do método }
  105. 105. Curso Java Básico Classes em Java Métodos <visibilidade> - é o modificador de acesso para o método, podendo ser: public – o método poderá ser acessado por qualquer classe. private - o método só poderá ser acessado dentro da mesma classe. default (package) – o método só poderá ser acessado dentro da própria classe ou por classes do mesmo pacote. Modificador utilizado por default, caso não seja especificado. protected – o método só poderá ser acessado por classes do mesmo pacote ou por subclasses (veremos isto em herança). <static> - modificador que define se o método é de classe (com static) ou de instância (sem static). Métodos de classe podem ser chamado sem a especificação de um objeto. Título da Apresentação
  106. 106. Curso Java Básico Classes em Java Métodos <tipo_retorno> - declaração do tipo de retorno do método, que pode ser qualquer um dos tipos primitivos, qualquer objeto ou o tipo void, que significa que o método não retorna valor algum. (<parâmetros>) um método pode ter zero ou mais argumentos, também chamados parâmetros; cada argumento indicará um pedaço da informação que deve ser passada ao método no momento de sua chamada; quando houver mais de um argumento, eles devem ser separados por vírgulas; caso o método não receba argumentos, os parênteses devem ser deixados vazios. Título da Apresentação
  107. 107. Curso Java Básico Classes em Java Métodos Em Java todos os argumentos são passados por valor; Não existe passagem por referência; Se o parâmetro for uma variável de tipo primitivo o valor da variável é passada no parâmetro e pode ser alterada dentro do método que não será refletido na variável externa; Com objetos o efeito é diferente, já que o valor passado no parâmetro do método é a referência para o objeto, ou seja, se um objeto for alterado dentro do método, o objeto externo também será alterado; Exemplo 21
  108. 108. Curso Java Básico Classes em Java Métodos No Java 5 foi introduzido o conceito de varargs, que permite a passagem de um número variável de argumentos a um método; Dentro do método os argumentos variáveis são tratados como arrays do tipo que foi definido; No caso dos exemplos abaixo, um array de int (int[ ]) ou de String. Exemplo: ... void metodo( int... args ) { for( int i : args ) { System.out.println( i ); } } ... metodo( 1 ); metodo( 1, 2, 3 );
  109. 109. Curso Java Básico Classes em Java Métodos Esta funcionalidade alivia o trabalho de o desenvolvedor ter que criar arrays com valores e passar aos métodos. Algumas regras aplicadas aos métodos: Exemplo 22 métodos retornam, no máximo, um valor, podendo ser uma variável ou um objeto; se o tipo de retorno do método não for void, o corpo do método tem de ter um comando return; a passagem de parâmetros com tipo diferente dos parâmetros recebidos (assinatura do método) gera erro de sintaxe; um método não pode ser definido dentro de outro método; métodos devem ter sua função bem definida, para promover a reutilização de código. Título da Apresentação
  110. 110. Curso Java Básico Classes em Java Métodos – Exercício 2 A partir das classes criadas no Exercício 1, declare dois método para impressão dos dados de um objeto empresa, sendo este passado como parâmetro para o método. Cada um dos métodos realiza a impressão em uma forma distinta de saída: pelo console e por meio de uma caixa de mensagem.
  111. 111. Curso Java Básico Classes em Java Sobrecarga Métodos Exemplo: public class Empregado { ... public void defineCampo(int valor) { idade = valor; } public void defineCampo(String valor) { nome = valor; } public void defineCampo(int valor1, String valor2) { idade = valor1; nome = valo2; } ... }
  112. 112. Curso Java Básico Classes em Java Sobrecarga Métodos Na hora da chamada de um dos métodos, o compilador Java escolhe o método correto baseado nos parâmetros fornecidos. Exemplo: ... Empregado emp = new Empregado(); emp.defineCampo(20); emp.defineCampo(“Maria”); ... Exemplo 23
  113. 113. Curso Java Básico Classes em Java Sobrecarga Métodos – Exercício 3 Crie uma classe que sobrecarregue um método que retorna o triplo de um número, sendo este um inteiro(int) ou um número fracionário (double ou float).
  114. 114. Curso Java Básico Classes em Java Variáveis Variáveis são usadas em linguagens em geral para armazenar valores; Valores são passados para variáveis através de operações de atribuição atribuição de valores é feita através de literais Ex: int intQuantidadeAlunos = 14; atribuição de referências (endereços para valores) é feita através de operações de construção de objetos e, em dois casos, pode ser feita através de literais Ex: Conta contaClientePreferencial = new Conta(); String s = quot;abcdequot;; Não são tipos primitivos, int[] v = {1, 2, 3}; s e v são referências.
  115. 115. Curso Java Básico Classes em Java Escopo de Variáveis Atributos de dados (declarados no bloco da classe): podem ser usados em qualquer lugar (qualquer bloco) da classe uso em outras classes depende de modificadores de acesso (public, private, etc); existem enquanto o objeto existir( ou enquanto a classe existir, se declarados static). Variáveis locais (declaradas dentro de blocos de procedimentos) existem enquanto o procedimento (método, bloco de controle de execução) estiver sendo executado; não pode ser usado fora do bloco; não pode ter modificadores de acesso (private, public, etc).
  116. 116. Curso Java Básico Classes em Java
  117. 117. Curso Java Básico Classes em Java Atributos modificadores tipo nome private static String numero; private static final double LIMMITE_MAXIMO; double saldo; Private int numEstoque = 8;
  118. 118. Curso Java Básico Classes em Java Atributos – Modificadores de Acesso Atributos public podem ser acessados (lidos, alterados) por objetos de qualquer classe. Atributos private só podem ser acessados (lidos, alterados) dentro da própria classe onde foi declarado. Atributos protected podem ser acessados (lidos ou alterados) de qualquer classe dentro do mesmo pacote ou qualquer sub-classe. Se um atributo não tem modificador de acesso associado então ele é considerado “friendly”. Só é visível para objetos de classes dentro do mesmo pacote. Atributos final, torna o atributo constante; Atributo não pode ser alterado depois de inicializado; Atributo static: variáveis de classe vs variáveis de objeto Título da Apresentação
  119. 119. Curso Java Básico Classes em Java Atributos de Objeto class Conta { String strNome; String strCpf; double dblSaldo; double dblSaldoMinimo; public Conta(double dblValorSaldoMinimo){ dblSaldoMinimo = dblValorSaldoMinimo; } public static void main(){ Conta a = new Conta(100.00); Conta b = new Conta(200.00); } Não utiliza o modificador static }
  120. 120. Curso Java Básico Classes em Java Atributos de Classe class Conta{ String strNome; String strCpf; double dblSaldo; static double dblSaldoMinimo; } class Banco { public Banco(){ Conta c = new Conta(); Conta d = new Conta();} } Uso do modificador static … new Banco(); …
  121. 121. Curso Java Básico Classes em Java Métodos construtores Métodos construtores são métodos especiais definidos com o mesmo nome da classe; Construtores são chamados automaticamente toda vez que um objeto da classe é criado; Os métodos construtores servem para inicializar as variáveis de instância de seus objetos e não possuem nenhum valor de retorno. Título da Apresentação
  122. 122. Curso Java Básico Classes em Java Métodos construtores Exemplo: // Classe com dois construtores public class Enmpregado{ // Construtor padrão, sem parâmetros public Empregado() { } // Construtor para classe receber um inteiro e um String public Empregado(int valor1, String valor2) { int idade = valor1; String nome = new String; nome = valor2; } ... } Título da Apresentação
  123. 123. Curso Java Básico Classes em Java Métodos construtores Toda e qualquer classe do Java possui um construtor padrão, que não faz nada nem recebe parâmetros, e que só será chamado se nenhum construtor for definido. Quando uma classe possui mais de um método com o mesmo, mas com parâmetros diferentes diz-se que houve um sobrecarga de métodos. Exemplo 24 Título da Apresentação
  124. 124. Curso Java Básico Classes em Java Métodos construtores – Exercício 4 Altere o Exercício 2, de forma que: Seja possível criar um objeto do tipo Empresa, já inicializando os atributos de um objeto desse tipo ou sem inicializar qualquer um desses atributos com valores especificados. Neste último caso, faça as modificações necessárias para que os atributos sejam inicializados de forma que as strings sejam inicializadas com a senteça “Campo não informadoquot;.
  125. 125. Curso Java Básico Classes em Java Referência this Os métodos de instância de uma classe Java possuem um parâmetro implícito que se refere ao objeto atual sobre o qual o método foi chamado; Este parâmetro é referenciado pela palavra chave this, e é utilizado quando é necessário enviar a própria referência do objeto para uma rotina. Exemplo 25 Título da Apresentação
  126. 126. Curso Java Básico Classes em Java Modificadores de Classe Modificadores de acesso public Classes public podem ser instanciadas por qualquer objeto livremente. public class NomeClasse default (pacote) Classes sem modificador de acesso explícito, denomiado default, só podem ser instanciadas dentro da própria classe ou por classes do mesmo pacote. class NomeClasse
  127. 127. Curso Java Básico Classes em Java Modificadores de classe Outros Modificadores final Classes final são classes que não permitem que você crie subclasses por herança delas. public final class NomeClasse abstract Classes abstract são classes que não permitem que um objeto as instancie, ou seja, serve para definir superclasses genéricas. public abstract class NomeClasse Título da Apresentação
  128. 128. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança Herança é a possibilidade de criar objetos a partir de outros já existentes. Herança é uma característica da programação orientada a objetos que permite que classes herdem e estendam as funcionalidades e as características de outras classes. Uma subclasse é uma especialização da sua superclasse. Subclasse é também chamada de classe derivada, classe descendente ou classe filha; superclasse é também chamada de classe pai. Título da Apresentação
  129. 129. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança Em Java, a herança é obtida através da palavra reservada extends seguida do nome da classe que está sendo estendida; Através da herança cria-se uma hierarquia de classes; Toda classe, por padrão, estende a classe java.lang.Object; Todos os métodos e atributos (public e protected) são herdados pela subclasse; Os construtores não são herdados; A palavra reservada super identifica métodos e atributos da superclasse; Em Java não é permitida herança múltipla, isto é, uma classe só pode estender uma e somente uma outra classe. Título da Apresentação
  130. 130. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança public class Primata { public Primata() { // método construtor } String nomeCientifico; public void setNomeCientifico(String nomeCientifico) { ... } } Título da Apresentação
  131. 131. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança public class Humano extends Primata{ public Humano() { // método construtor } String nome; int idade; int numeroIdentidade; public void setNome(String nome) { ... } public void setIdade(int idade) { ... } Título da Apresentação
  132. 132. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança public void setNumeroIdentidade(int numeroIdentidade) { ... } ... } public class Homem extends Humano { public Homem() { // método construtor } String certMilitar; public void setCertMilitar(String certMilitar) { ... } ... } Título da Apresentação
  133. 133. Curso Java Básico Classes em Java Herança e Polimorfismo Conceitos Básicos de Herança public class Mulher extends Humano { public Mulher() {// método construtor } ... } No exemplo acima, a classe Homem (subclasse de Humano) possui todos os atributos e métodos da classe Humano (sua superclasse) e os atributos da classe Primata, superclasse da classe Homem. Exemplo 26 Título da Apresentação
  134. 134. Curso Java Básico Classes em Java Sobrescrita de Métodos Uma classe derivada (subclasse) recebe, através do mecanismo de herança, todos os métodos definidos na classe pai; Sobrescrever um método consiste em definir, na classe derivada, um método com a mesma assinatura (mesmos argumentos e tipo de retorno) de uma classe ascendente (classe pai em qualquer nível de herança); Esta funcionalidade permite que uma classe derivada altere um comportamento de um método herdado, sobrescrevendo-o; Com o sobrescrita, o método da superclasse fica escondido da subclasse podendo ser executado com a referência super; Título da Apresentação
  135. 135. Curso Java Básico Classes em Java Sobrescrita de Métodos Atenção para não confundir os conceitos de sobrescrita de métodos e sobrecarga de métodos; na sobrecarga tem-se métodos dentro da mesma classe que possuem o mesmo nome, mas com parâmetros diferentes; na sobrescrita tem-se métodos de classes da mesma hierarquia de derivação com o mesmo nome, mesmos parâmetros e mesmo tipo de retorno. Exemplo 27 Título da Apresentação
  136. 136. Curso Java Básico Classes em Java Sobrescrita de Métodos – Exercício 5 Implemente a seguinte hierarquia: As Classes Forma, FormaBidimensional e as classes que herdam desta, têm um método sobrescrito para obter a área da forma correspondente. Inclua na definição de cada método a impressão da senteça “Calculando a área da forma X”, onde X é o nome da classe; De forma similar, cada FormaTridimensional deve ter métodos sobrescritos obterArea e obterVolume para calcular a área da base e a superfície, respectivamente, da forma tridimensional. Inclua na definição de cada método a impressão da senteça “Calculando a área/volume da forma X”, onde X é o nome da classe; Título da Apresentação
  137. 137. Curso Java Básico Classes em Java Polimorfismo Um objeto polimórfico é um objeto que pode ter formas diferentes, funcionalidades diferentes mas continua a pertencer a uma única classe; Java, permite que um objeto seja referido com uma variável que é do tipo de uma classe ascendeste (superclasses) , e a deteminação do comportamento do objeto (métodos a serem executados) será determinada em tempo de execução, dependendo do tipo de objeto instanciado; Isto é possível porque quando criamos uma referência a um tipo abstrato de dados, uma classe, o compilador Java considera que o objeto atribuído a essa referência será do tipo declarado e não do tipo usado para criar o objeto. Título da Apresentação
  138. 138. Curso Java Básico Classes em Java Polimorfismo Exemplo: class Forma { public void desenhar() { System.out.println(quot;Formaquot;); } } class Circulo extends Forma { public void desenhar() { System.out.println(quot;Círculoquot;); } } Título da Apresentação
  139. 139. Curso Java Básico Classes em Java Polimorfismo public class ExemploPolimorfismo { private static void desenha(Forma[] fs) { for (int i = 0; i < fs.length; i++) fs[i].desenhar(); } public static void main(String[] args) { Forma[] formas = new Forma[] { new Circulo(), new Forma(), new Quadrado(), new Triangulo() }; desenha(formas); } } Título da Apresentação
  140. 140. Curso Java Básico Classes em Java O operador instanceof O operador instanceof é um mecanismo para determinar, em tempo de execução, se a classe de um objeto referenciado por uma variável é compatível com um determinado tipo de referência conhecido. a sintaxe do operador instanceof é a seguinte: variávelDoTipoReferencia instanceof NomeDaClasseConhecida; Exemplo 28 Título da Apresentação
  141. 141. Curso Java Básico Classes em Java O operador instanceof Ao executar o código do Exemplo 28, a saída será: objForma é compatível com o tipo Forma objCirculo é compatível com o tipo Forma objCirculo é compatível com o tipo Circulo objQuadrado é compatível com o tipo Forma objQuadrado é compatível com o tipo Quadrado Observe que o operador instanceof identifica a compatibilidade de tipos no que se refere ao mesmo tipo do objeto referenciado (compatibilidade identificada quando comparado o objCirculo com a classe Circulo, por exemplo) e na herança de classes e interfaces (compatibilidade identificada quando comparado o objCirculo com a classe Forma, supertipo de Circulo, por exemplo). Título da Apresentação
  142. 142. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces Interfaces foram concebidas para criar um modelo de implementação de baixo acoplamento entre determinadas partes de um software; Uma interface é semelhante a uma classe, e descreve um aspecto de comportamento que várias classes podem possuir; Uma interface não possui atributos de instância nem métodos com implementação, mas pode possuir atributos de estáticos (finais de classe) e cabeçalhos de métodos (métodos abstratos) que deverão ser desenvolvidos nas classes que implementarão a interface; Para criar uma interface utilizamos a palavra reservada interface. Seus métodos não precisam ser declarados public abstratct, já que assim serão considerados por estar em uma interface.
  143. 143. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces public class Pessoa { String nome; String end; char sexo; int idade; public Pessoa ( String nm, String ed, char sx, int id ){ nome = nm; end = ed; sexo = sx; idade = id; } Título da Apresentação
  144. 144. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces public String AlterarCadastro ( ) { .... } public interface Aluno { boolean CadastrarAluno( int num_matricula, int cod_curso ); void InserirNotas( int num_matricula ); } class Universitario extends Pessoa implements Aluno { public boolean CadastrarAluno( int num_matricula, int cod_curso ) { ... } Título da Apresentação
  145. 145. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces public void InserirNotas( int num_matricula ){ ... } } Para implementar uma interface, usa-se a palavra-chave implements seguida do nome da interface, ou interfaces, visto que não há limite para quantidade de classes em implementação. Exemplo 29
  146. 146. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces – Exercício 6 Crie uma interface Conta e declare nesta os métodos necessários para realizar as seguintes operações comuns a um tipo qualquer de conta: Obter o saldo atual da conta; Atualizar o saldo atual da conta; Obter a data da última alteração (não se preocupe com formatação dessa informação); Definir a data da atualização realizada; Obter nome do proprietário da conta; Definir o nome do proprietario da conta; Obter CPF do proprietário da conta; Definir CPF do proprietário da conta; Verificar validação do número de algarismos do CPF do proprietário da conta (se tem 11 algarismos);
  147. 147. Curso Java Básico Classes em Java Interfaces – Exercício 6 (continuação) Crie ainda duas classes (concretas) para representa uma Conta Corrente e uma Conta Poupança, de forma que ambas as classes implementem a interface Conta, criada anteriormente; Acrescente na classe conta corrente um atributo e dois métodos para obtenção e atualização da informação sobre o número de cheques emitidos; Na classe que representa a conta poupança acrescente um atributo e dois métodos para obtenção e atualização da taxa de reajuste (valor fracionário); Crie uma classe Banco de forma que sejam possam ser armazenados e recuperados os seguintes dados: Nome do Banco, CNPJ e dois arranjos, com 100 posições cada, para incluir dados de contas correntes e contas poupança dos clientes com conta no banco; Acrescente um método para listagem de todos os dados do banco.
  148. 148. Curso Java Básico Exercício Completo 1 Utilize os conceitos de herança, modificadores de acesso e as demais classes da API apresentadas para representar o seguinte diagrama de classes:
  149. 149. Curso Java Básico Exercício Completo 1 - continuação Adicione à sua solução uma classe de Validação e declare nesta os seguintes métodos: a chave de acesso deve conter 14 caracteres; UF deve corresponder a um dos seguintes valores: BA, SP, MG, GO ou RJ; o campo Situação deve conter um dos seguintes valores: Autorizada, Cancelada, Denegada ou Inutilizada; o código do medicamento deve atender a seguinte expressão regular {001, 002, 003}01. Imprima na tela um objeto do tipo NFeMedicamento e outro NFeArmamento em formato XML .Veja o exemplo 2 com o uso da biblioteca Xstream. Em caso de dúvida, consulte a API.
  150. 150. Curso Java Básico Conversão e Cast Conversões entre Tipos Primitivos de Dados A linguagem Java não suporta atribuições arbitrárias entre variáveis de tipos diferentes. Existem duas maneiras de fazer conversões de tipos: conversão implícita: quando o tamanho de uma variável é maior que o tamanho da variável ou o valor que está sendo atribuído. Exemplo: int y = 10; long x = y; Título da Apresentação
  151. 151. Curso Java Básico Conversão e Cast Conversões entre Tipos Primitivos de Dados conversão explícita: é necessária quando o tamanho de uma variável é menor que o tamanho da variável ou o valor que está sendo atribuído. Exemplo: long y = 10L; int x = (int) y; o tamanho de long é maior que o de int, portanto necessita indicar uma conversão. esta indicativa é feita pelo tipo da variável, que irá receber o valor, entre parênteses: (int). Se esta informação não for colocada, ocorreria um erro de compilação indicando tipos incompatíveis. Outra forma é usar as constantes de identificação de tipos para fazer uma conversão explícita, como em: long y = 10L; Para um processo de conversão explícito, utilizamos um mecanismo chamado de casting. Para sinalizar um casting coloca-se o nome do tipo para o qual se quer converter entre parênteses. Título da Apresentação

×