Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sistemas de arquivos

9,082 views

Published on

Material de apoio - Instalação e configuração de sistemas operacionais de redes Linux.
Sistemas de Arquivos
Tipos de Sistemas de Arquivos ext2, ext3, ext4, reiserfs, xfs

  • Be the first to comment

Sistemas de arquivos

  1. 1. Instalação e configuração de Sistemas Operacionais de Redes Sistemas de Arquivos Profª Ivani Nascimento
  2. 2. Apresentação O Sistema de Arquivos é criado durante a formatação do disco (HD)ou partição (um pedaço do HD), e seu propósito é criar uma estrutura paraleitura e gravação de arquivos e diretórios para o sistema operacional utilizar. Dentre as diversas opções se destacam: EXT2, EXT3, Reiserfs (Linux) -FAT, FAT16, FAT32, NTFS (Windows). Não conseguimos instalar o Sistema Operacional se antes nãoformatarmos o HD com o Sistema de Arquivos que ele saiba entender.
  3. 3. ext2 O ext2 é um sistema de arquivos antigo e considerado o filesystemoriginal do Linux. Como ele não possui o recurso de journaling*, as checagensnesse filesystem pode demorar bastante. Journaling* - técnica implementada no sistema de arquivos onde,caso haja queda de energia, a checagem de erros na partição é feita maisrapidamente.
  4. 4. ext3 O ext3 é a versão do ext2 com journaling, que proporciona umarecuperação muito mais rápida, fazendo com que o ext3 seja considerado umsistema de arquivos bom e confiável. O filesystem ext3 foi escrito pelo Dr Stephen C. Tweedie para okernel da série 2.2. Foi portado para o kernel da série 2.4 por Peter Braam, AndreasDilger e Andrew Morton, com o auxílio de Stephen Tweedie.
  5. 5. ext4 O sucessor do Ext3 foi criado como uma série de extensões retrocompatíveis para remover os limites de armazenamento em 64 bit, e adicionar outras melhorias de desempenho. Entre as características podemos citar:• Sistema de arquivos para grandes capacidades: suporte para volumes até 16 terabytes;• Retrocompatibilidade: o Ext4 é retrocompatível com o Ext3 e o Ext2, tornando possível a montagem de sistemas de arquivos Ext3 e Ext2 como Ext4. Isso melhorar ligeiramente o desempenho graças as características do Ext4 que podem ser usadas com o Ext3 e o Ext2;• Journal checksumming: utiliza checksums no journal para melhorar a confiabilidade, já que o journal é um dos arquivos mais utilizados no disco. Esta funcionalidade tem um benefício colateral: evita-se uma espera de I/O durante o processo de journaling, melhorando ligeiramente a desempenho.
  6. 6. reiserfs O reiserfs é um sistema de arquivos com uma performance muitoboa, que supera o ext2 e o ext3 em termos de desempenho (10-15 vezes)quando se trata de arquivos pequenos (abaixo de 4k); recomendado para usogeral e casos de sistemas de arquivos grandes, com utilização de arquivospequenos, ou ainda, diretórios com dezenas de milhares de arquivos. Uma desvantagem desse sistema de arquivos, é que ele não possuisuporte a quotas para limitar uso do espaço em disco.
  7. 7. xfsO xfs é um filesystem com journaling, que possui muitas funçõesinteressantes. Ele é recomendado para utilização em sistemas com hd scsie fibra óptica.Como o xfs faz cache dos dados na memória, se utilizado com programasque não sincronizam os dados da memória no disco, caso haja queda deenergia durante a escrita, os dados podem ser perdidos. Nesse caso, o xfs,é recomendado ser utilizado em sistemas que possuam no-breaks.
  8. 8. Qual melhor sistema de arquivos? De acordo com pesquisa realizada pela revista Linux Magazine(Edição de Setembro/2004), à exceção do ext3, os sistemas de arquivos comjournaling são tecnicamente bem semelhantes. Como um sistema dearquivos ext2 pode ser facilmente convertido em um ext3/ext4, e estes, sãocompatíveis com o ext2 deverá ser a primeira escolha para muitos. Quem precisa de confiabilidade e alta performance, deve optar peloxfs, sendo que a utilização do reseirfs está indicada para casos em que muitosarquivos pequenos devem ser manipulados pelo sistema.
  9. 9. ReferênciasMORIMOTO, Carlos E.. Linux, guia prático. Porto Alegre: Sul Editores, 2009.FERREIRA, Rubem E.. Linux: guia do administrador do sistema. São Paulo: Novatec, 2008.MOTA FILHO, João Eriberto. Descobrindo o Linux: entenda o sistema operacional GNU/linux. São Paulo: Novatec, 2007.
  10. 10. Referências• RIBEIRO, Uirá, Certificação Linux, 1ª Ed, Rio de Janeiro, Axcel Books, 2004.• Certificação Linux LPI- Nível 1 Exames 101 e 102. Vários, 1ª Ed, São Paulo, Alta Books.• NORTON, Peter; GRIFFITH, Arthur. Guia Completo do Linux. Tradução Sérgio Facchim – Complete Guide to Linux. São Paulo, Berkeley, 2000.

×