Arte medieval, linha de tempo-religiões

1,105 views

Published on

História da Arte medieval; parte 1
Linha de tempo e tradições da imagem

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,105
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arte medieval, linha de tempo-religiões

  1. 1. 1. CONTEXTO HISTÓRICO 1.1. Paradigma teocêntrico, as religiões e a arte
  2. 13. As tradições da imagem É necessários falar de uma cultura visual como de uma visualidade cultural (Catalá Domenech, 2011) O presente é tecido por múltiplos passados (Taylor apud Didi-Huberman, 2010) “ Arqueologia do presente” (Walter Benjamin apud Didi-Huberman, 2010) “relação dialética com o passado, onde estes restos atuais floresceram no passado como sintomas do provir, imagens que reúnem passado e futuro, imagens dialéticas nas quais as temporalidades se cruzam” Cristo Pantokrator, Monastério Chilandar, S. XIII Grécia
  3. 14. Joseph Benoît Suveé “A Invenção da Arte do Desenho"  1791 Na tradição greco-romana a imagem substitui a realidade ausente. Praxiteles Hermes e Dionísio, 350 a.C. Museu Nacional Olympia, Grécia
  4. 15. Buda de Bamiyán, Afeganistão 1967 2001 Para a tradição judeu-cristã a imagem pode ser confundida com a realidade.
  5. 16. Koran: Prazer e contemplação no mundo criado Mesquita Mohammed Ali, Cairo 1830-48
  6. 17. A palavra escrita, o texto que se imprime na vida – a arte de escrever a palavra divina
  7. 18. Doumo, mesquista de Lutf Allah em Isfahan Catedral de Chartres, 1145
  8. 19. O padrão do nó aparece em diversas culturas. Tibet: o nó eterno é o símbolo do interminável ciclo da existência. A mais antiga escritura musical, Ugarit, 3,400 a.C .
  9. 20. “ Pode o principio divino ser representado em uma forma sensível (visível)? Não dirão uns (os iconoclastas), porque essa forma material trai a essência do divino e, ao propor uma ilusão de similitude, faz o signo ser tomado pela coisa e conduz os cristãos á idolatria. Sim dirão os outros (os iconódulos) porque nem toda imagem é necessariamente similitude ou visa a identificação do signo com a coisa. Toda discussão se da entorno da distinção entre uma imagem “semelhante a” e uma imagem “produzida para” . Em resumo em redor da discussão entre imagem natural e imagem artificial, entre eídolon (ídolo, aparição, duplo) e eikon (ícone), simulacro e retórica” (Cauquelin, Teorias da Arte, 2007, p. 69, grifos meus) Maria e menino, Hagia Sophia Paionios, Vitória, 425-420, Museu Nacional Olympia,, Grécia
  10. 21. Bibliografia CATALÁ, DOMENECH, Josep M. A forma do Real: Introdução aos estudos visuais . São Paulo: Summus, 2011. CAUQUELIN, Anne. Teorias da arte . São Paulo: Martins Fontes, 2005. DIDI-HUBERMAN, George. O que vemos, o que nos olha . São paulo: Editora 34, 2010. GOMBRICH, E. H. A História da Arte . Rio de Janeiro: Editora LTC, 1999. 16ª ed.

×