Inflamação crônica (reparo)

2,254 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,254
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
77
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Inflamação crônica (reparo)

  1. 1. INFLAMAÇÃO CRÔNICA
  2. 2. Infl. Crônica - Características     Duração prolongada Infiltrado de macrófagos, linfocitos e plasmocitos Destruiçao tecidual Reparo (cicatrização)
  3. 3. Situações nas quais há inflamação crônica:   partículas não digeríveis: asbestos, silica, berílio, cristais de urato (gota), queratina (cisto epidérmico roto), fios de sutura. irritação crônica: hiperplasia fibrosa inflamatória, úlcera péptica
  4. 4. Situações nas quais há inflamação crônica:    resposta deficiente do organismo: úlcera do membro inferior, associada a diabete ou veias varicosas (varizes) causas desconhecidas: sarcoidose, doença de Crohn doenças autoimunes: LES, tireioidite de Hashimoto
  5. 5. Situações nas quais há inflamação crônica:  equilíbrio entre irritante hospedeiro: tuberculose, paracoccidioidomicose, leishmaniose, hanseníase, brucelose, goma sifilítica, doença da arranhadura do gato (bacilos Gram -), esquistossomose, lesão periapical, doença periodontal, linfogranuloma inguinal . Muitas vezes são patógenos intracelulares.
  6. 6. Comunicação Intercelular    3 vias Autócrina : • células tem receptores para seus próprios fatores secretados (fígado). Parácrina : células respondem a secreção de células vizinhas (feridas em cicatrização Endócrina : células respondem a fatores (hormônios) produzidos por células distantes
  7. 7. Granulomas Tipo especial de reação inflamatória em que os macrófagos sofrem modificações estruturais e funcionais para aumentar a eficiência da fagocitose. Há basicamente dois tipos: os imunogranulomas e os granulomas de corpo estranho.
  8. 8. A célula epitelióide é o principal constituinte dos granulomas . Trata-se de um macrófago aumentado de volume, aglomerados uns aos outros no granuloma. O conjunto lembra vagamente um epitélio (onde as células também estão aderidas entre si), daí o nome. 
  9. 9. Outro componente muito comum, embora não obrigatório, dos granulomas é a célula gigante ou gigantócito. Trata-se de um macrófago volumoso com dezenas de núcleos. Nos imunogranulomas, especialmente nos de origem tuberculosa, os gigantócitos tendem a ter seus núcleos arranjados em ferradura na periferia da célula. Este tipo de gigantócito é chamado de célula gigante de Langhans.
  10. 10. Granulomas – classificacões         Imunogranulomas Tipo corpo estranho Infeccioso Não infeccioso Imunológico Não imunologico Alta rotatividade Baixa rotatividade
  11. 11. Imunogranulomas
  12. 12. Granuloma tipo corpo estranho Paniculite crônica, com reação granulomatosa tipo corpo estranho. As lâminas que se seguem representam um fragmento de tecido celular subcutâneo (fica abaixo da derme) e é constituido basicamente por tecido adiposo. É também chamado de panículo adiposo. Ex:
  13. 13. Patogênese “ Houve necrose de adipócitos (a causa não está clara), com liberação de lípides (triglicérides)”. Estes funcionam como um corpo estranho , induzindo a fagocitose por macrófagos. É um fenômeno corriqueiro no organismo, e pode ocorrer frente a uma variedade de materiais, como fio cirúrgico, talco, etc.  
  14. 14. Reparação Tecidual
  15. 15. Reparação           􀂄 Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas pelo mesmo tipo (requer membrana basal). 􀂄 Substituição: tecido original é susbtituído por tecido fibroso (fibroplasia, cicatrização). 􀂄 Ambos requerem crescimento celular, diferenciação e interação entre célula e matriz.
  16. 16. Regeneração Tecidual         Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico Como exerce seu controle? 􀂄 Induz células em repouso a entrar em seu ciclo celular; 􀂄 Equilibra fatores estimulatórios ou inibitórios 􀂄 Encurta o ciclo celular 􀂄 Diminui a perda celular
  17. 17. Características da Proliferação Celular   Células Lábeis (renovam-se sempre): – Substituição de células mortas – Epitélio: pele, cavidade oral, ductos exócrinos, trato GI, hematopoiese Células estáveis (quiescentes): – Comumente em G0 , taxa de divisão e proliferação rápida – Fígado, rim, pâncreas, endotélio, fibroblastos.
  18. 18. Características da Proliferação Celular  Células Permanentes (não se dividem): – Permanentemente removidas do ciclo celular – Lesão irreversível induz uma cicatriz – Células nervosas, miocárdo
  19. 19. Fatores de Crescimento e Eventos em Nível Molecular       Fatores de Crescimento Polipeptídeos (PDGF, FGF, TGF- β) com muitos efeitos pleiotrópicos Proliferação, migração, diferenciação, remodelação Expressão de Genes (proto-oncogenes) 􀂄 Seqüência de eventos na comunicação do fator Ligação a um receptor
  20. 20. Fatores de Crescimento           Fator de Crescimento Epidermal (EGF) Ceratinócitos, fibroblastos 􀂄 Fator de Crescimento Vascular Endotelial (VEGF) Angiogênese 􀂄 Fator de Crescimento Transformante- β (TGFβ) Fibrogênese 􀂄 Fator de Crescimento Derivado de Plaquetas (PDGF) Migração e proliferação de fibroblastos, musculatura lisa e monócitos.
  21. 21. Fases da cicatrização     Angiogênese Proliferação e migração de fibroblastos Deposição de MEC Remodelagem
  22. 22. TECIDO DE GRANULAÇÃO Estabelecido entre o 3º e 5º dia quando não ocorre resolução do processo inflamatório. È fundamental para que se processe a cicatrização.
  23. 23. Cicatrização: Primeira Intenção       Incisão limpa. 􀂄 Linha de fechamento precisa de hemostasia. 􀂄 Desidratação na superfície cria crosta. 􀂄 24 h: neutrófilos, mitoses do epitélio basal.
  24. 24. Cicatrização: Primeira Intenção           1 - 2 dias: céls epiteliais basais crescem ao longo da derme. 􀂄 3 dias: neutrófilos saem, macrófagos entram, tecido de granulação se forma. 􀂄 5 dias: espaço preenchido com tecido de granulação e por pontes de união de fibrilas colágenas. 􀂄 Espessamento da epiderme permanece normal.
  25. 25. Cicatrização: Primeira Intenção        2a Semana: acúmulo de colágeno, fibroblastos (edema and inflamação reduzidos) 􀂄 Fim do 1o mês: tecido conjuntivo sem inflamação; epiderme intacta 􀂄 Força de tensão aumenta de 70 - 80% em relação à pele normal em 3 meses
  26. 26. Cicatrização: Segunda Intenção     Lesão tecidual maior 􀂄 Atividade inflamatória maior 􀂄 Mais tecido de granulação 􀂄 Contração cicatricial - miofibroblastos
  27. 27. Fatores Individuais que Influenciam na Inflamação e no Reparo      􀂄 Nutrição 􀂄 Esteróides 􀂄 Infecções 􀂄 Fatores mecânicos 􀂄 Suprimento sangüíneo

×