Aula 02 alvenaria

3,877 views

Published on

Alvenaria

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,877
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
403
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 02 alvenaria

  1. 1. Infinite Cursos.
  2. 2.  Alvenaria é a construção de estruturas e de paredes utilizando unidades unidas entre si por argamassa. Estas unidades podem ser blocos (de cerâmica, de vidro ou de concreto e pedras. O termo alvenaria vem de alvenel ou alvanel - pedreiro de alvenaria -, do árabe al-banná.
  3. 3.  A importância histórica da alvenaria deve se, sobretudo ao fato de ser o principal material estrutural ou de vedação responsável pela habitabilidade dos abrigos construídos pelo homem e de ser a principal estruturas dos edifícios ao longo de 4000 anos de civilização.
  4. 4.  Desde o passado que a construção de abrigos permanentes para os humanos, evoluindo progressivamente até aos edifícios de hoje em dia, anda na maior parte das civilizações interligada sobretudo á alvenaria sobretudo á alvenaria.
  5. 5.  As exigências dos utilizadores para as construções são variáveis com enumeras características, no entanto, as realizações construtivas humanas são a síntese de três critérios (engenharia, economia e estética), com importância relativa variável em diferentes obras, sendo no entanto a estética o elemento distintivo dos abrigos humanos do dos animais.
  6. 6.       Naturais Ex: pedregulhos rolados, areias. Artificiais ( processados) Ex: obtidos por britagem de rocha ou seixos rolados Materiais Naturais Ex: Pedra, Bambu, Terra socada, Sacos de Terra, Tocos de madeira, Fardos de palha etc.
  7. 7.   Origem: São obtidos por processos de Transformação. Ex: Plásticos, Ligas metálicas, Papel, Vidro, etc.
  8. 8.      Divisão, vedações e proteção: Estrutural: paredes que recebem esforços verticais (lajes e coberturas em construções não estruturadas) e horizontais (empuxo de terra): Resistência Mecânica; Isolamento Térmico; Proteger contra ações do meio externo;
  9. 9.        Segurança ao fogo; Segurança ao contato; Economia de facilidade construção; Estética; Estanqueidade á água e ao ar; Estabilidade; Durabilidade e facilidade de manutenção.
  10. 10.   Alvenarias Exteriores A espessura das paredes exteriores deve ser definida com muito rigor tendo em conta diversos condicionantes, nomeadamente no que diz respeito, á estrutura, isolamento térmico e as caixas de estore, cujas dimensões variam de caso para caso.
  11. 11.  Devido á necessidade de embeber as redes nas paredes interiores, a espessura das paredes separadoras e confinantes dos compartimentos que possuam tubagens de instalações especiais tais como as cozinhas e as instalações sanitárias, deverão ser estudadas com muito rigor, uma vez que as espessuras habitualmente apresentadas são insuficientes.
  12. 12.  A quantidade de roços é em número tão elevado que obriga á quase total construção das paredes já executadas.
  13. 13.  Deverá ser estudada a compatibilização sistemática entre os projetos de arquitetura e das redes de esgotos, de águas e elétricas, tendo como objetivo garantir uma adequada espessura das paredes para comportarem as diferentes tubagens. ( Uma saída poderá ser a criação de shafites).
  14. 14.          Características Regularidade na forma e dimensões Arestas Vivas e cantos resistentes. Som “claro” quando percutido. Resistência suficiente para resistir esforços de compressão Ausência de fendas e cavidades. Facilidade no corte. Homogeneidade da massa e cor uniforme. Pouca porosidade ( baixa absorção).
  15. 15.       Menor peso por unidade de volume. Aspectos mais uniformes, arestas e cantos mais fortes. Diminuem a propagação de umidade. Economia de mão de obra. Economia de argamassa. Melhores isolantes térmicos e acústicos.
  16. 16.   Bloco de Betão Estrutural Aplicação em alvenaria estrutural armada e parcialmente armada. Permite que as instalações elétricas e hidráulicas fiquem distribuídas já na fase de levantamento da alvenaria.
  17. 17.  Para fechamento de vãos em prédios estruturados. Devem ser observados os vãos entre vigas e pilares, de modo a propor vãos modulados em função das dimensões dos blocos.
  18. 18.   Deve se procurar a modulação dos vãos, apesar de ser mais fácil o corte neste tipo de bloco. Dimensões mais encontradas (cm): 9x19x19 e 9x19x29.
  19. 19.   Empregado geralmente para alvenaria de vedação ou como estrutural para casas térreas. Devido as suas dimensões a produtividade da mão de obra na execução dos serviços é mais baixa. Os tijolos maciços também são usados em alvenaria aparente. Dimensões (cm); 5x10x20 aproximadamente.
  20. 20.  Empregado como bloco estrutural ou de vedação. Mistura de cal areia silicosa, curadas em autoclaves, com vapor e alta pressão e temperatura. Também conhecidos como blocos de betão celular autoclavados
  21. 21.  Também conhecido como adobe ou adobo, já foi muito utilizado na antiguidade, mas hoje praticamente caiu em desuso, pois precisa de cuidados especiais para resistir as intempéries.
  22. 22.   Também conhecido como tijolo furado, é o mais barato, porém tem maior índice de quebras. Não suporta cargas estruturais, porém possui desempenho superior ao tijolo comum.
  23. 23.     1. Cite uma solução viável para o embutimento das instalações elétricas e Hidráulicas que deem menor ou nenhum impacto a alvenaria. 2. Sabendo se que com tijolos comuns, utilizamos 25/m2, quantos tijolos seriam necessários para construirmos 3 cômodos com 3m x 4,5 m cada e um pé direito de 2,80m.? ( acrescentar uma janela e uma porta para cada cômodo.) Janelas de 1 m x 1,50 m Portas de 0,70 m x 2,10 m
  24. 24.   A construção em alvenaria nada mais é que uma montagem de blocos interligados por massa de cimento. Para levantar uma parede temos duas coordenadas básicas, uma linha horizontal (nivela no comprimento) e outra vertical que nivela a inclinação (em relação á base “prumo”).
  25. 25.  O assentamento dos tijolos guia (das pontas) tem de ser feito com cuidado, deve-se tirar o prumo encostando a parte de cima na parede ( a distancia da parte de baixo do prumo em relação á parede deve ser sempre a mesma, se não for a parede estará tombando para dentro ou para fora) .
  26. 26.   Colocar a linha, é estica-la entre os dois primeiros tijolos. Amarre um prego numa ponta da linha de nylon, enfie na massa fresca embaixo do primeiro tijolo, estique com cuidado e passe pela quina de trás e de cima deste mesmo tijolo.
  27. 27.   Estique até o outro tijolo, passe pela quina atrás e encima deste segundo tijolo, amarre um outro prego e enfie na massa mole deste mesmo tijolo. A linha deve ficar suficientemente esticada para que não faça barriga.
  28. 28.   Os tijolos (depois de levarem massa nas laterais) devem ser colocados um a após o outro encima da massa já colocada para recebê-los. Assim como os dois primeiros tijolos, os outros devem quase encostar a quina traseira superior na linha.
  29. 29.   O “prumo” deve ser sempre checado nos dois tijolos guia e no centro da fiada. Como construir uma parede .
  30. 30.   Não é fácil, depende de prática, mas também não é um bicho de sete cabeças. As paredes internas e externas podem ser levantadas com blocos de concreto ou tijolos. Você mesmo pode calcular quantos milheiros vai precisar. Faça as contas e veja como os blocos de concreto rendem mais
  31. 31.  ATENÇÃO : 1. A lata de medida deve ter 18 litros. Evite latas amassadas. 2. As lojas e depósitos de material de construção têm argamassas prontas para assentamento. Quando usá-las, siga as instruções do fabricante
  32. 32.   A alvenaria na pratica Comece cada parede pelos cantos, assentando os blocos em amarração (fazendo junta amarrada). Não esqueça de verificar o nível e o prumo de cada fiada.
  33. 33.  Use a “prumada-guia” para o nivelamento. Outra opção é usar uma régua marcada com a altura de cada fiada (escantilhão).
  34. 34.   Use a colher de pedreiro para posicionar os blocos. Raspe a argamassa que sobrar, para ser reaproveitada.
  35. 35.  Qualquer um dos tipos de fundação deve ficar nivelado. Caso necessário, faça uma camada de argamassa para nivelamento (regularização) sobre a fundação pronta.
  36. 36.  Para evitar que a umidade do solo suba pelas paredes, aplique uma camada de argamassa com impermeabilizante sobre a fundação ou sobre a camada de nivelamento. Esta argamassa deve ser desempenada sem alisar. Quando ela estiver seca, aplique uma pintura impermeabilizante
  37. 37.  Use uma verga na primeira fiada de blocos acima do vão. Essa verga pode ser prémoldada ou feita no local. Ela deve ter, no mínimo, 20 cm a mais para cada lado do vão. Não se esqueça também de escorar as fôrmas das vergas concretadas no próprio local.
  38. 38.  Lembre-se de chumbar tarugos de madeira nas bordas dos vãos. Os batentes de portas e janelas, que serão instalados depois, vão ser pregados nesses tarugos. Use uma argamassa bem forte de cimento e areia (1 parte de cimento e 3 partes de areia) para chumbar os tarugos.
  39. 39.  Evite desperdício. Assim que terminar a alvenaria, converse com um encanador e com um eletricista para saber quando você deverá rasgar as paredes para colocar canos e conduítes (eletrodutos).
  40. 40.   1. Com base nas Tabelas na pagina 40 da apostila calcule a quantidade de tijolos maciços necessárias para fazer o revestimento de uma cisterna com 1,5 de diâmetro por 20 m de profundidade. 2 Explique sucintamente quais os principais procedimentos para o levantamento das primeiras fiadas.
  41. 41.    http://pt.wikipedia.org/wiki/Alvenaria http://www.ebah.com.br/content/ABAAAez1I AF/trabalho-sobre-tipos-alvenaria http://tamoios.wordpress.com/lojas/aconstrucao-em-alvenaria-aprenda-alevantar-peredes/

×