Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Engenharia Web

660 views

Published on

Notas de aula da disciplina Web e Internet do curso de Midialogia da UNICAMP.

  • Be the first to comment

Engenharia Web

  1. 1. Comunicação Social - Midialogia Web e Internet Engenharia Web Daniel Paz de Araújo professor@danielpaz.net
  2. 2. Atributos ● Concentração em Redes: reside em uma rede e precisa servir às necessidades de uma comunidade diversificada de clientes. ● Concorrência: um grande número de usuários pode ter acesso à WebApp ao mesmo tempo, e os padrões de utilização entre os usuários finais vão variar muito. ● Carga imprevisível: o número de usuários pode variar por ordens de magnitude de um dia para o outro. ● Desempenho: se um usuário tem de esperar muito, ele pode decidir ir para outro lugar. ● Disponibilidade: usuários de diferentes partes do mundo podem requerer acesso durante horários em que as aplicações domésticas de software tradicional poderiam estar fora do ar para manutenção.
  3. 3. Atributos ● Voltada a dados: a função principal de muitas WebApps é usar hipermídia para apresentar conteúdos ao usuário final. Elas são comumente usadas para dar acesso a informação que existe em bancos de dados que não eram originalmente parte integral de um ambiente baseado na Web. ● Sensível ao conteúdo: a qualidade e natureza estética do conteúdo permanecem como um considerável determinante na qualidade de uma WebApp. ● Evolução continuada: diferentemente do software de aplicação convencional, que evolui ao longo de uma série de versões planejadas e cronologicamente espaçadas, as aplicações Web evoluem continuamente.
  4. 4. Atributos ● Imediatismo: os engenheiros Web precisam usar métodos de planejamento, análise, projeto, implementação e teste que tenham sido adaptados aos cronogramas de tempo reduzido, requeiridos para o desenvolvimento de WebApp. ● Segurança: a fim de proteger conteúdo reservado e fornecer modos seguros de transmissão de dados, fortes medidas de segurança precisam ser implementadas em toda a infra-estrutura que apoia uma WebApp. ● Estética: quando uma aplicação é projetada para o mercado ou para vender produtos ou idéias, a estética pode ter tanto a ver com o sucesso quanto o projeto técnico.
  5. 5. Categorias ● Informacional: conteúdo somente de leitura é fornecido com navegação e links simples. ● Para baixar: um usuário baixa informação de um servidor adequado. ● Adaptável: o usuário adapta o conteúdo a necessidades específicas. ● Interação: a comunicação entre uma comunidade de usuários ocorre por intermédio de salas de bate-papo, quadros de avisos ou mensagens instantâneas. ● Estrada do usuário: entrada baseada em formulários é o principal mecanismo para comunicar a necessidade.
  6. 6. Categorias ● Orientada a transação: o usuário faz uma solicitação (por exemplo, um pedido) que é atendida pela WebApp. ● Orientada a serviços: a aplicação fornece um serviço ao usuário (por exemplo, ajuda o usuário a calcular um pagamento). ● Portal: a aplicação orienta o usuário para outros conteúdos ou serviços da Web fora do domínio de aplicação do portal. ● De acesso a banco de dados: o usuário consulta uma grande base de dados e extrai a informação. ● Armazém de dados: o usuário consulta uma coleção de grandes bancos de dados e extrai informação.
  7. 7. Processos webE Fonte: Pressman (2009)
  8. 8. Formulação Questões de formulação: ● Qual é a principal motivação (necessidade de negócio) da WebApp? ● Quais são os objetivos que a WebApp deve preencher? ● Quem vai usar a WebApp? Coleta de requisitos para WebApps: ● Identificar os requisitos de conteúdo. ● Identificar os requisitos funcionais. ● Definir os cenários de interação para as diferentes classes de usuários.
  9. 9. Passos ● Começa pela formulação do problema a ser resolvido pela WebAp ● O projeto WebE é planejado e os requisitos e o projeto da WebApp são modelados. ● O sistema é construído usando tecnologia e ferramentas especializadas associadas com a Web. ● É entregue aos usuários finais e avaliado usando tanto critérios técnicos quanto de negócio. ● Como as WebApps evoluem continuamente, devem ser estabelecidos mecanismos para controle de configuração, garantia de qualidade e suporte continuado.
  10. 10. Projeto de webApp Fonte: Pressman (2010)
  11. 11. Equipes webE ● Desenvolvedores/provedores de conteúdo: geração ou coleta de conteúdo. ● Editor da Web: organiza o conteúdo gerado pelos desenvolvedores e provedores. ● Engenheiro da Web: elicitação de requisitos, modelagem de análise, projeto arquitetural, navegacional e de interface; implementação da WebApp e teste. ● Especialistas no domínio do negócio: responde às questões relativas às metas, objetivos e requisitos do negócio associados a WebApp. ● Especialista de suporte: responsável pela continuidade da WebApp ● Administrador: responsável pela operação do dia-a-dia da WebApp.
  12. 12. Qualidade Fonte: Pressman (2010)
  13. 13. Melhores Práticas ● Empregue tempo para entender as necessidades do negócio e os objetivos do produto, mesmo se os detalhes da WebApp forem vagos. ● Descreva como os usuários irão interagir com a WebApp usando uma abordagem baseada em cenário. ● Desenvolva um plano de projeto, mesmo que ele seja muito abreviado. ● Empregue algum tempo modelando o que você está querendo construir. ● Revise os modelos quanto à consistência e qualidade. ● Use ferramentas e tecnologia que lhe possibilitem construir o sistema com tantos componentes reusáveis quanto possíveis. ● Não confie nos primeiros usuários para depurar a WebApp.
  14. 14. Referências PRESSMAN, R.S. LOWE, D. Engenharia Web. São Paulo: LTC, 2009. PRESSMAN, R.S. Engenharia de Software. São Paulo: Bookman, 2010.

×