Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação Rodrigo Paiva Fundação Procafé - Agrocafé 2012

4,337 views

Published on

Trabalhos de pesquisa realizados pela Fundação Procafé ao longo de 10 anos.

Rodrigo Naves Paiva

Published in: Education
  • Be the first to comment

Apresentação Rodrigo Paiva Fundação Procafé - Agrocafé 2012

  1. 1. 13º Simpósio do Agronegócio Café – Salvador /BATrabalhos de pesquisa realizados pela Fundação Procafé ao longo de 10 anos. José Edgard Pinto Paiva Rodrigo Naves Paiva
  2. 2. AVANÇOS DESTACADOSResultados em cinco setores de estudo: Genética: Novas variedades, produtivas e resistentes. Eco-fisiologia: adaptação de C. arabica em regiões quentes. Implantação de cafezais: novos sistemas de mudas e plantio Manejo: irrigação suplementar, nutrição, controle de ferrugem,combinação de cultivos e podas Colheita e preparo do café: Despolpa simplificada, melhoria dabebida com anti-fungico, colheita mecanica do conillon
  3. 3. Melhoramento genéticoVariedades produtivas, tolerantes à ferrugem.Variedades com tolerância a Phoma/Ascochyta.Variedades com tolerância ao nematóide M. exigua.Variedades com tolerância a stress hídrico.Variedades/clones com resistência múltipla (BM e F).Produção e testagem de clones, por embriogênese somática.
  4. 4. VARIEDADES RESISTENTES18 variedades registradas - MAPA
  5. 5. As novas variedadesCultivares que estão em fase de adaptação ou que já vêm sendo plantadas : Catucai Amarelo e Vermelho (6 cultivares) IBC - Palma, 1 e 2 Sabiá 398 Acauã (3 cultivares) Saira Azulão Arara Japi Maracatiá Siriema Icatu IAC/Procafé 618- Tuiuiu Katipó
  6. 6. Produção (scs/ha) média das 8 primeiras safras (ordenadas) em cafeeiros de novasvariedades com resistência à ferrugem – Martins Soares-MG, 2009. VARIEDADES PRODUÇÃO MÉDIA – 2002-09, 8 safras (scs/ha) Catucaí amarelo 24/137 101 Icatu 3696 sel Car. sel Varg. Tuiuiu 93 Palma 2 (cv 520 112 MG 3.13) 92 Catucaí 785 90 Tupi 89 HK 29/74 , Saira 88 Sarchimor amarelo/ Arara 87 Sabiá 398 86 Catucaí amarelo 20/15 cv 479 85 Topázio MG 1189 83 MN IAC 376-4 82 Oeiras 74 Catuai amarelo 74 68 Acaiá 474/19 65 Obatã 63 Iapar 59 49
  7. 7. Produção (sacas benef./ha) nas 5 primeiras safras, em cafeeiros híbridos comresistência à ferrugem do ensaio em Marechal Floriano, ES, 2009. ProdutividadeCultivares / Linhagens Média 5 safras, 2005-09Catucaí Amarelo 2 SL 50,2Catucaí Amarelo 24/137 cv. 250 49,7Catucaí Vermelho 785-15 48,4Catucaí Vermelho 19/08 cv.380 44,8Catucaí Vermelho 24/137 44,5Catucaí-açu Amarelo 44,3Catuaí Amarelo IAC-39 43,7Sarchimor Amarelo-Arara 43,4Catuaí Vermelho IAC-81 42,0 Catuaí Vermelho IAC-99 41,9Topázio 38,1IAPAR-59 37,1Obatã 36,1Caturra Amarelo 33,4Paraíso 16,1
  8. 8. Sul de MinasProdução das 5 primeiras safras, das 8 progênies mais produtivase com resistência à ferrugem, avaliadas no ensaio 3-29, em Varginha, MG,durante os anos de 2005 a 2009. Produção média, Progenies em 5 safras, 2005-09 Sarchimor Amarelo Arara, cv 418 45,7 IBC-Palma 1, cv 324 38,2 Sabiá 398 cv 649 38,0 Catucai V. 24/137 cv 235 38,0 Catucai A.. 20/15 cv 479, cv 527 36,9 HK 29/74, Saira, cv 557 36,8 Catucai A. 24/137 cv 388 36,7 Catuai Amarelo IAC 66/69 36,0
  9. 9. Triângulo - MGProdução de café, na média das 4 primeiras safras, em 17 seleçõesmais produtivas de cafeeiros, no campo de observação, na Fda Sto Antonio,Coromandel-MG, 2009 Itens Produção Média 4 safras (2006-09) Scs/ha IBC-Palma 1 c. 460 88 Catucai Vermelho 20/15 cv 12 86 Catucai Vermelho 70 82 IBC 20 cv 20, Obatã 80 Sabiá 398 IBC 5, 27-16 79 Acauã 52 78 Sarchimor Amarelo-Arara 70 HK 29-74, c 336-677-11 Saira 68 Catucai Amarelo 30/2 62 Catucai Vermelho 36/6 c 366 59 Catucai Amarelo 20/15 c 479 cv 19 58 Acaiá 474-19-10 56 Catuai Vermelho IAC 144 50
  10. 10. Enfolhamento em cafeeiros após stress hídricoMartins Soares – MG, 2006 Enfolhamento Materiais em ensaio (nº médio de folhas/ramo) Catucai 36/6 cv. 366 9,1 Catucai amarelo 30/2 4,5 Acauã, novo 7,9
  11. 11. Incidência de Phoma em folhas de cafeeiros, obtida pelainoculação, em laboratório, na média de 3 isolados do fungo.Mal Floriano-ES, 2011. Incidência (percentagem de lesões Cultivares testados formadas a partir dos inóculos) Dados médios de inóculo de 3 origens Catucaí Amarelo 2SL CAK 20,8 b Catuai Vermelho IAC 81 62,5 a Catuaí Amarelo IAC-39 31,3 ab Acauã Vermelho 4,2 c Catucaí Amarelo 20/15 20,8 b Sarchimor Amarelo-Arara 66,7 a Apoatã IAC 2258 10,4 bc Catucaí Vermelho 19/8 (Japi) 2,1 c IBC-Palma II Vermelho 4,2 c Letras indicam diferenças na comparação das médias pelo teste de tukey a 5%.
  12. 12. BIOTECNOLOGIAEtapas do Processo de Propagação Vegetativa via Embriogênese Somática
  13. 13. Muda Clonal pronta para plantio
  14. 14. Siriema, 2 plantas da esquerda resistentes(BM e F) e a da direita susceptível,reprodução por clonagem.
  15. 15. Arara – E. Mendes
  16. 16. Catucai 19/8 Japi,Marechal Floriano-ES
  17. 17. Catucai amarelo 2SL - Varginha
  18. 18. Acauã novo - Varginha
  19. 19. Catucai V 20/15 - Varginha
  20. 20. Acauã 65 - Coromandel
  21. 21. Catucai 785-15renovado sobre áreade cafezal velho comnematóide exigua
  22. 22. Super adensado com Catucai 785-15, na1ª safra, em Manhuaçu-MG
  23. 23. Sabiá 398 - Pirapora
  24. 24. Catucai Amarelo 3 SM cv 15 - Piraporora
  25. 25. Catucai Amarelo 3 SM cv 15 - Piraporora
  26. 26. Catuai Azulão
  27. 27. Catucai amarelo 24-137 na 1ª safra,Machado Mineiro, Norte MG
  28. 28. Catucai amarelo 24-137na 4ª safra, Pirapora- MG
  29. 29. Saira, na 2ª safra,Coromandel-MG
  30. 30. Adaptação de C. arábica em região quente:Pirapora - MG, 520 m altitude, temperatura média 24,6 Cº,6 pivôs, 480 ha, Catuai Vermelho IAC 144. 2003 – 1,5 ano = 12 scs/ha 2004 - 2,5 anos = 89 scs/ha 2005 – 3,5 anos = 78 scs/ha 2006 – 4,5 anos = 67,3 scs/ha 2007 – 5,5 anos = 68 scs/ha 2008 – 6,5 anos = 42 scs/ha 2009 - 7,5 anos = 70 scs/ha 2010 - 8,5 anos = 35 scs/ha 2011 - 9,5 anos = 87 scs/há MÉDIA 8 safras = 66,2 scs/ha
  31. 31. Produtividade inicial (4 primeiras safras) em cafeeiros de variedadesarábica e Robusta-Conillon, em região quente.Pirapora-MG, 2009. Esp. 3,6x0,7 m. PRODUTIVIDADE ( sacas/ha)VARIEDADES 2006 2007 2008 2009 2010 2011 MÉDIACatuaí V. IAC/144 76 82 18 64 72 68 63Catucaí Amarelo 3/5 83 68 36 72 80 75 69Catucaí Amarelo FG 78 91 48 64 80 68 71,5IBC - Palma 1 82 98 16 80 45 72 65,5IBC - Palma 2 62 92 18 80 48 78 63Acauã C. 363 64 95 50 58 108 56 71,8Topázio 80 80 56 56 97 64 70,5Conillon – 1 haste 62 85 56 60 82 78 71Conillon – 3 hastes 74 96 70 74 123 80 86Catuaí V./144 AD. 156 130 30 95 85 96 98Palma 2 - adensado 121 145 32 85 80 95 93
  32. 32. Imagem geral da cafeiculturaempresarial em Pirapora , vendo-se aofundo o RSF
  33. 33. Cafeeiro jovem em Pirapora, com 12meses, florido
  34. 34. Aos 18 meses, na época da colheita
  35. 35. Aos 2,5 anos, 89 scs por ha
  36. 36. Aos 2,5 anos, 23frutos por roseta
  37. 37. Stres hidricomoderado (45dias) parafloração cedo
  38. 38. Resultando emfloraçãoprecoce,uniforme, semabortamento
  39. 39. Manejo: novos sistemas de plantioSuper-adensamento, para ciclos curtosMudas de raiz nuaPlantio direto de sementesMudas de bandejaPlantio com recipientesNovo sistema de enxertiaCultivo de conillon uni-caule e esqueletado, para plenamecanização.
  40. 40. Zona da Mata - MG,acidentada, pequenosprodutores
  41. 41. Semelhante às melhoresregiões na COLOMBIA
  42. 42. Adensamento ou super adensado,em ciclos curtos de poda, paraaltas produtividades e colheitabarata
  43. 43. Produção média (scs/ha), de 7 safras, em 3 variedades e 3sistemas de plantio, em Martins Soares – MG, 2009. Sistemas de Espaçamento Variedades 2,0 x 0,5m 1,30 x 0,25m 1,0 x 0,5m Média 49,4 71,7 52,7Acaiá 58,1 52,3 75,3 72,9Catuaí 44 66,8 72,2 102,3 90,3Catucaí 785/15 89.9 Média 59,3 83,3 71,9
  44. 44. Produção das 5 primeiras safras, em sacas/ha, emcafeeiros sob diferentes espaçamentos adensados e efeito derecepas em ciclos curtos, Martins Soares – MG, 2009. Espaçamentos 2005 2006 2007 2008 2009 Média1,30 x 0,25 m 156,0 77,0 53,4 150,5 65,6 101,51,0 x 0,5 m 124,8 51,2 60,5 121,2 69,7 85,42,0 x 0,5 m 83,7 41,1 43,1 93,6 36,5 59,61,30 x 0,25 m (recepa após 1a safra) 156,0 0,0 23,8 108,2 42,8 66,21,30 x 0,25 m ( recepa após 3ª safra ) 156,0 77,0 53,4 0,0 66,6 70,6
  45. 45. Mudas de bandeja, para reduzir custos emplantios de alta densidade
  46. 46. Mudas emsacolas de TNTpara altorendimento noplantio
  47. 47. Transplante direto no campocom proteção de arroz
  48. 48. Proteção-combinaçãocom mamoeiros
  49. 49. Lavoura já formada após2 anos
  50. 50. Enxertia Arábica x ConillonArábica Conillon Arábica Conillon
  51. 51. Enxertia Arábica x ConillonArábica Conillon Arábica Conillon
  52. 52. Enxertia Arábica x ConillonArábica Conillon Arábica Conillon
  53. 53. Corte de ambos os caulesaproximadamente 1,0 cm
  54. 54. União dos caules com fita biodegradável
  55. 55. 30 dias após a enxertia.As mudas serão levadasPara o campo
  56. 56. Catuai enxertado, 2sistemas radiculares Catuai pé franco ConillonRe A
  57. 57. Conillonuni-caule, paramanejomecanizado
  58. 58. Irrigação suplementarResultados de aumento de produtividade (média de 40%, em4 safras)Em razão do suprimento de água, na diferenciação floral e napré-floradaCom uso de pouca água (média de 130 mm/ano).
  59. 59. DISPONIBILIDADE DE ÁGUA NO SOLO (mm) MÉTODO THORTHWAITE & MATHER - VARGINHA - MG 250 200 150 100 50 0mm -50 -100 -150 -200 -250 -300 Balanço hídrico típico para a região 2006 2007 2008 2009
  60. 60. Produtividade em cafeeiros submetidos ou não à irrigaçãosuplementar, no período de indução floral e outros períodos críticos, Varginha-MG, 2009. Produtividade nas safras/anos ( Scs/ha) Tratamentos 2006 2007 2008 2009 Média Testemunha, sem irrigação 60,3 a 8,6 b 68,0 a 47,7 b 46,1 Irrigação suplementar, 63,4 a 55,2 a 68,0 a 72,1 a 64,7 mai-jun e ago-set Irrigação só na granação, 60,7 a 24,1 b 77,0 a 49,9 b 52,9 30 mm veranico jan-fev
  61. 61. IRRIGAÇÃO SUPLEMENTAR Testemunha Irrigação Padrão 44,0 sc/ha 64,0 sc/haAumento de produção de 15,0 a 20,0 sacas/ha /ano
  62. 62. Sem irrigaçãoCom irrigação
  63. 63. Avaliação da produtividade dos anos de 2008, 2009, 2010, 2011 e média dasquatro colheitas. Varginha/2011. PRODUÇÃO PRODUÇÃO PRODUÇÃO PRODUÇÃO MÉDIATRATAMENTOS 2008 2009 2010 2011 2008 - 2011 SEQUEIRO 12,6 sc/ha 68,0 sc/ha 28,0 sc/ha 76,8 sc/ha 46,3 sc/ha 1 LINHA 47,7 sc/ha 70,9 sc/ha 62,1 sc/ha 69,5 sc/ha 62,0 sc/ha GOTEJO + 15,7 SALDO + 35,1 sc/ha + 2,9 sc/ha + 34,1 sc/ha - 7,3 sc/ha sc/ha/ano 46,3 sc/ha 34 % 62,0 sc/ha
  64. 64. Média das Produtividades 2008 - 2011 80 70 60 50sc/ha 40 30 20 10 00 2008 2009 2010 2011 SEQUEIRO 1 LINHA GOTEJO
  65. 65. Níveis de deficits hídricos críticos nos anos e incremento percentual de safraem cafeeiros, com irrigação em relação aos não irrigados. Varginha-MG, 2010 DÉFICIT PRODUTIVIDADE (SC/Ha) ANO INCREMENTO HÍDRICO NÃO IRRIGADO IRRIGADO 2000 98,1 xxx xxx xxx 2001 100 3,7 24,5 562 2002 125 68,8 102,1 48 2003 90 19,0 41,8 120 2004 45 84,7 99,5 17 2005 0 46,1 60,7 32 2006 125 63,4 80,4 27 2007 275 16,0 51,7 224 2008 40 42,6 56,7 33 2009 0 55,4 71,7 30 2010 155 40,7 49,3 21 MÉDIA 96,0 mm 44,0 63,8 45%
  66. 66. Adubação racionalDefinição de níveis mais adequados (menores) no uso dopotássio, nutriente caro, importado, 60-80 ppm no solo.Função do acumulo em profundidade.Exclusão da parcela de nutrientes para vegetação no cálculo daadubação em lavouras estabilizadas, função da reciclagem.Uso de cal dolomitica via pivô-lepa, para correção rápida.
  67. 67. Demanda de nutrientes NPK para a produção e vegetação de cafeeiros, correspondentes a uma saca de café por hectare Demanda, em kgNutrientes Vegetação Produção TotalN 3,60 2,60 6,20P2O5 0,38 0,23 0,61K2O 2,90 3,00 5,90
  68. 68. Trincheira em lavoura de catuai aos 11 anos deidade
  69. 69. 2,0 X 0,5
  70. 70. Resultados de correção de solo em áreas cafeeiras irrigadas e fertilizadas sob pivô-lepa, antes e após o uso de cal dolomitica via pivô. Pirapora-MG, 2011. Parâmetros analisados Amostras de ago/10(antes Amostras de nov/10(depois solo-folhas da apl. da cal via pivô-lepa) da apl. da cal via pivô-lepa) Dados no solo pH 4,2 5,2 Ca (% da CTC) 22 44 Mg (% da CTC) 9,6 15,6 K (% da CTC) 2,8 5,6 V (%) 32 64 Dados nas folhas N(%) - 3,30 K(%) - 2,30 Ca (%) - 1,20 Mg (%) - 0, 41
  71. 71. Novos sistemas de controle da ferrugem Via pivô ou gotejo Via canhão
  72. 72. Infecção e desfolha em cafeeiros sob tratamentos com fungicida Flutriafol, via pivô-Lepa, Pirapora-MG,2009. % fls. infectadas por Desfolha - % ferrugemTratamentos testados (julho/09) (junho/09)1- Flutriafol, 5 l/ha, aplicado Pivô- 14 39Lepa2- Epoxiconazole, 2 apl. foliares, 32 620,6 l/ha/aplic.3- Testemunha 87 93
  73. 73. Esquerda com Flutriafol via pivo-lepae á direita sem o produto
  74. 74. Efeito da aplicação com canhão-atomizador na infeção e desfolha pelaferrugem do cafeeiro – Realeza – MG. Tratamentos % de infecção (jun) % de desfolha (jul) a) Com canhão-atomizador 1) Sphere – 0,9 l/ha, 2 apl (fev-mar) 20,9 33,0 2) Impact – 1,5 l/ha, 2 apl. 20,5 35,2 3) Ópera – 1,5 l/ha , 2 apl. 22,6 38,1 4) Garant – 3 kg/ha , 2 apl. 79,4 86,5 b) Com costal manual 1) Sphere, idem 4,3 15,3 2) Impact, idem 3,7 19,0 3) Ópera, idem 5,2 23,4 4) Garant, idem 54,0 58,4 Testemunha 95,6 92,0 Fonte: Matiello, Freitas e Gouvêa, Anais 30º CBPC, Mapa/Procafé, 2004, p. 9-10.
  75. 75. Podas no manejo de CafezaisDefinição de tecnologias para o sistema safra zero ( época,ciclos, variedades, nutrição, controle fito-sanitário).Reequilíbrio entre a parte aérea e o sistema radicular, emregiões com déficit hídrico.
  76. 76. Produtividade em cafeeiros, nas 2 primeiras safras pós-poda,sob efeito de diferentes épocas de esqueletamento. Varginha-MG, 2008 Produtividade (scs/há) Épocas de esqueletamento 2007 2008 Média Julho 91 a 21 d 56 Agosto 87 a 19 d 53 Setembro 62 b 41 c 52 Outubro 33 c 64 b 49 Novembro 22 c 88 a 55 Dezembro 16 c 96 a 56 Testemunha, sem esq. 103 a 7e 55 Fonte: Fagundes, A.V., Garcia, A.W. e Matielo, J B., Anais do 34º CBPC, Mapa/Procafé, 2008, p.71.
  77. 77. Brotação na ramagem, variando Épocas de esqueletamento Dez Nov Out Set Ago Jul
  78. 78. SAFRA ZERO80 a 100 sacas/ha
  79. 79. Esqueletamento em Julho - mais de 90 sc/ha ÉPOCAS DE PODAS Esqueletamentoem Dezembro - 16 sacas/ha
  80. 80. Colheita e preparoColheita mecanizada do ConillonDespolpamento simplificadoMelhoria da bebida com tratamento dos frutos anti-fungos
  81. 81. Percentagem de frutos de café conilon colhidos pela KTR, derrubados no chão eremanescentes nos cafeeiros, em 2 situações de condução de cafeeiros, Pirapora-MG,2010. % de frutos colhidos Tipo de Derriçados Total Remanescentes condução da Pela máquina no chão derriçado nos pés lavoura1 haste/pl 75,2 13,4 88,6 11,43-4 hastes/pl 72,0 25,5 97,5 2,5
  82. 82. Conillon uni-caule
  83. 83. Tempo médio de secagem, em dias para atingir a umidade de 12%, e bebida em amostras de café em 6 tipos de preparação no pós colheita, Reduto-MG, 2009. TEMPO DE SECA BEBIDA (Dias para atingir (Numero de Xícaras)TRATAMENTOS a umidade final Dura de 12%) Dura Rio fermentada1- Café da roça, sem 18 6 - 2lavar/separar2- Idem 1, debulhado no 16 5 3terreiro3- Café cereja natural 17 5 1 24- Café cereja debulhado no 13 6 2 -terreiro5- Café cereja despolpado 13 8 - -6- Café bóia debulhado 12 5 - 3
  84. 84. Bebida do café, presença de fungos e níveis de okratoxina A em grãos , em tratamentoscom e sem Comet, aplicados sobre os frutos de cafeeiros, Imbé de Minas-MG, 2011 Presença de fungos Níveis de Padrões deTratamentos sobre os frutos no okratoxina A bebida processo de seca (ppb) Poucos fungos, frutos1- Pulverização com Dura ficando com casca marron- 0,30Comet clara Muitos fungos, de cor2- Testemunha, sem Rio esbranquiçada. Frutos 3,94Comet ficando com casca preta
  85. 85. CONVÊNIOS E PARCERIAS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SPU / GRU Embrapa Café CBP&D – Café Cooperativas Sindicatos Prefeitura Municipal de Varginha Escolas e Universidades Institutos Federais Pólo de Excelência do Café Centro de Excelência do Café Sebrae MG OCEMG FAEMG outros
  86. 86. DESAFIOS PARA A PESQUISA
  87. 87. Para dar continuidade ao trabalho realizado, a Fundação Procafé busca: Aumentar o número de pesquisadores.  Parceria com outros órgãos de pesquisa.  Aumentar a captação de recursos – setor público e privado. - Convênio com o MAPA - Elaboração de Projetos de Pesquisa Financiados (FAPEMIG, CBP&D, FINEP e outros) - OCB - OCEMG - Sebrae - MG - Parceria com Cooperativas e Sindicatos - Convênios com Empresas Privadas - Outros
  88. 88. Contato:Alameda do Café, 1000 - Jardim Andere Varginha-MG 35. 3214-1411 rodrigo@fundacaoprocafe.com.br

×