Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE

3,177 views

Published on

Palestra para o Curso de Verão 2015 da EEFE-USP

Published in: Education, Business
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,177
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
908
Actions
Shares
0
Downloads
161
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Palestra sobre redação científica - Biblioteca EEFE

  1. 1. REDAÇÃOREDAÇÃO CIENTÍFICACIENTÍFICA São Paulo 2015 Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Biblioteca Cyro de Andrade
  2. 2. Fonte: Sousa-Muñoz, Rilva. 2013
  3. 3.  Trabalho científico / estrutura  Redação e Escrita científica  Dicas práticas  Normalização  Plágio  Ferramentas úteis  Dicas de sites TópicosTópicos
  4. 4. O objetivo de um trabalho científico é comunicar uma observação ou uma ideia a um grupo de indivíduos potencialmente interessados. Trabalho científicoTrabalho científico A PALAVRA-CHAVE É: COMUNICARCOMUNICAR
  5. 5. O trabalho científico consiste de informação científica organizada segundo padrões específicos, com o objetivo de facilitar a sua compreensão. Podemos comparar um trabalho científico a um filme em que devem coexistir três partes harmônicas: princípio, meio e fim. Deve existir também uma nítida ligação entre essas três partes - o "enredo" do filme. Trabalho científicoTrabalho científico
  6. 6. Como escrever e como não escrever? O que deve ser comunicado? Quais as melhores maneiras de apresentar uma ideia? Trabalho científicoTrabalho científico
  7. 7. Trabalho científicoTrabalho científico Pense Planeje Escreva Revise
  8. 8. • Anotar ideias • Planejar estrutura • Preparar texto • Revisar texto (conteúdo) • Revisar apresentação do texto (forma) Trabalho científicoTrabalho científico
  9. 9. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico
  10. 10. Título Resumo / Palavras-chave Introdução Método Resultados Discussão Conclusões Referências Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico
  11. 11. O quê? Título / Introdução Por quê? Objetivos Para quem? Leitor / Público-alvo Onde? Métodos Quando? Métodos Como? Métodos Quanto? Resultados O que significa? Discussão E então? Conclusões Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico
  12. 12. TÍTULO Um bom título deve ser curto, informativo (não engana o leitor) e compreensível. Deve cativar também leitores de áreas correlatas. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  13. 13. RESUMO Seja breve. Resumos longos nem sempre são lidos. Inicie preferencialmente com o objetivo teórico do estudo. Inclua resultados substanciais, embora não sejam necessários pela lógica científica. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  14. 14. PALAVRAS-CHAVE Sempre que possível, inclua uma ou mais palavras-chave que não estejam presentes no texto. Isso aumenta a chance de seu artigo ser encontrado. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2008 15
  15. 15. INTRODUÇÃO Escreva claramente a “questão” que você pretende responder. Apresente o problema que originou a pesquisa, as justificativas que o levaram a estabelecer o objetivo e, obviamente, o objetivo do estudo. Identifique claramente o objetivo do estudo. Na Introdução, devemos convencer (justificativa) o leitor sobre a importância de nosso estudo. Se necessário, use a literatura para identificar a originalidade e a relevância de sua “questão”. Fonte: Volpato, 2010 Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico
  16. 16. MÉTODO(S) Apresente-o do geral para o particular. No caso, na seguinte sequência: a)objeto de estudo; b) delineamento do estudo; c) procedimentos específicos; e d) análise dos dados (cálculos e os testes estatísticos) Forneça informação suficiente para: Repetição do experimento. Avaliação da adequação da abordagem experimental. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  17. 17. RESULTADOS Os principais devem vir, geralmente, na forma de gráficos e/ou tabelas. Faça figuras autoexplicativas e não repita dados de figuras e tabelas no texto. Indique claramente as diferenças estatísticas. Nos gráficos, qualquer sinal tem uma função: ou ajuda, ou atrapalha; mas nunca é inerte. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  18. 18. DISCUSSÃO •Identifique os principais resultados relacionando-os com a literatura. •Não repita todos os resultados em detalhes. •Identifique novas informações derivadas de seus resultados e as discuta nos termos de literatura da área. •Estabeleça conexão entre seus resultados e conceitos da literatura. •Apresente argumentos que pautem as conclusões. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  19. 19. CONCLUSÃO É escrita no presente e deve ultrapassar os resultados. Aparecem necessariamente na discussão. Caso haja um item “Conclusões”, nele apenas repetimos de forma sintética e pontual as principais conclusões obtidas. As conclusões devem ser teóricas. Convergem para o objetivo do estudo, mas podem ultrapassá-lo (sem exceder a base empírica). Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  20. 20. REFERÊNCIAS São as provas para as informações que usou na sustentação ao seu trabalho. Portanto, o leitor deve ter acesso a essas provas. Reduza ao número necessário. Excesso de referências não deixa seu trabalho melhor. Atente para a norma exigida (ABNT, Vancouver, APA, etc.) Apresente todas as informações corretamente. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico Fonte: Volpato, 2010
  21. 21. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico  Que percurso seguir? • Resumo • Conclusão • Resultados • Métodos • Discussão • Introdução • Título Fonte: Volpato, 2010
  22. 22. Estrutura do Trabalho científicoEstrutura do Trabalho científico  Inicie com um esquema.  Elabore uma lista dos principais tópicos a serem incluídos em cada seção.  A DISCUSSÃO e a INTRODUÇÃO complementam uma à outra.  Volte para seu esquema original e reconsidere estas seções em termos de:  Nova informação oferecida pelos seus resultados.  Inter-relação com a literatura em termos de: - Originalidade - Relevância - Importância Fonte: Volpato, 2010
  23. 23. Redação científicaRedação científica
  24. 24.  É um tipo especializado de escrita.  Presume uma prática anterior – a pesquisa científica – e os conceitos que se tem do processo de construção do conhecimento e dinâmica da comunidade científica. Redação científicaRedação científica
  25. 25.  Implica organização e planejamento da tarefa de redigir.  Implica uso de linguagem científica. Redação científicaRedação científica 25
  26. 26. A ausência de rigor metodológico, tanto no conteúdo quanto na forma do texto, pode comprometer a validade do trabalho. Redação científicaRedação científica
  27. 27. A linguagem científica é denotativa. Clara Concisa Precisa Redação científicaRedação científica
  28. 28. Qualidades essenciais da redação científica: • correção • harmonia • adequação da linguagem Redação científicaRedação científica
  29. 29. Atenção: • grafia • significado (sentido) • pontuação • acentuação • crase • concordância • regência • colocação dos termos na oração • emprego de maiúsculas • abreviaturas Redação científicaRedação científica 30
  30. 30. • Correção: uso correto do idioma • Concisão: síntese, brevidade • Clareza: transparência • Objetividade: direto, sem considerações • Imparcialidade: justo, sem motivações • Precisão: exatidão, rigor • Harmonia: ordem, consonância • Originalidade: singular, único • Vigor: força • Simplicidade: natural, compreensível Redação científicacientífica
  31. 31. escrita científica
  32. 32. Regras práticas • Adotar um padrão de escrita. • Usar voz ativa. • Dividir parágrafos em sentenças curtas. • Eliminar palavras desnecessárias. • Utilizar sinônimos, para evitar repetição de palavras. • Evitar uso de adjetivos e advérbios. • Evitar expressões longas. • Padronizar, quando houver diferentes opções de grafia. • Evitar o uso de expressões pouco comuns. • Evitar o uso de termo estrangeiro, quando houver o correspondente em português. • Evitar cacofonia. • Evitar rimas. Escrita científicaEscrita científica
  33. 33. EVITAR • Dizer o mesmo duas vezes, com palavras diferentes. • Várias palavras que podem ser substituídas, sem perder o significado, por uma única palavra. • Adjetivos e advérbios desnecessários. • Linguagem pessoal. Escrita científicaEscrita científica
  34. 34.  dizer o mesmo duas vezes, com palavras diferentes Exemplos: •Cada indivíduo, isoladamente •Agrupados conjuntamente •Superpostos uns sobre os outros •Um após outro, em sucessão •A amostra foi dividida em metades iguais Escrita científica 35
  35. 35.  conjunto de palavras que pode ser substituído, com vantagem, por uma só palavra Exemplos: Em vista do fato de porque com a exceção de exceto conhecido por chamado, denominado durante o tempo em que enquanto Escrita científicaEscrita científica
  36. 36. “Uma bela palavra posta fora do lugar estraga o pensamento mais bonito”. (Voltaire)
  37. 37. Dicas práticas
  38. 38. No início da frase: por extenso Exemplo: Quinze amostras foram analisadas para avaliar o grau de contaminação. No meio da frase: – De um a dez: por extenso. Exemplo: Foram utilizados nove equipamentos. – De 11 em diante: algarismos. Exemplo: Foram analisadas 15 amostras do produto. Valores indicados na sequência: algarismos. Exemplo: Participaram do estudo 3 homens e 15 mulheres. Lidando com números - I
  39. 39. - Utilizar ponto para separar o milhar: 1.567 Exceção: anos (2005) - Números acima de mil: usar forma mista Exemplos: a) Foram examinadas 3 milhões de pessoas que consumiram o medicamento. b) Foram incineradas 2,4 mil toneladas de alimentos estragados. Lidando com números - II 40
  40. 40. Exemplo 1: Ordem indireta: A municipalização das ações da vigilância sanitária foi descrita neste estudo. Ordem direta: O estudo descreve a municipalização das ações de vigilância sanitária. Exemplo 2: Ordem indireta: Analisando os dados apresentados na tabela 1, verifica-se que houve diferença quanto à produção de alimentos nos estados brasileiros. Ordem direta: Houve diferença na produção de alimentos nos estados brasileiros (Tabela 1). Ordem direta
  41. 41. Exemplo: Na execução do projeto, foram seguidas as seguintes etapas: coleta de informações sobre a situação mundial da água, tratamento da água para consumo humano e escolha dos procedimentos adequados no transporte de amostras. Ou Os principais objetivos e linhas de ação são: - Ofertar na Internet todos os serviços e informações prestados ao cidadão; - Estimular e ampliar o acesso à Internet; - Promover a convergência entre sistemas; - Implantar infraestrutura avançada de telecomunicações. Adotar um padrão
  42. 42. Fique atento: • Grafia das palavras e acentuação • Significado das palavras: verificar conceitos com duplo significado • Abreviaturas e nomes de instituições • Revisão gramatical: - Pontuação - Concordância verbo-nominal - Regência verbal - Ordem das palavras - Emprego de maiúsculas Uso correto do idioma
  43. 43. Seção Tempo verbal Tempo verbal predominante Resumo Presente / Pretérito - Introdução Presente / Pretérito / Futuro - Material e métodos Presente / Pretérito Pretérito Resultados Pretérito (Ilustrações: presente) Pretérito Discussão Presente / Pretérito - Conclusão / Considerações finais Presente / Pretérito / Futuro Presente Tempos verbais O tempo verbal poderá variar de acordo com a natureza do trabalho ou seção do texto.
  44. 44. Estratégias para melhorar a redação • Utilizar recursos de correção ortográfica e gramatical dos processadores de texto (embora nem sempre se possa confiar!). • Reler o texto várias vezes, se possível em voz alta, para identificar a sonoridade e a repetição de palavras, forma e estilo. • Ler o texto pensando nos leitores, no conteúdo e na clareza. • Pedir a uma outra pessoa para revisar o texto (tanto sob o ponto de vista de conteúdo como de forma). • Exercitar a redução do número de palavras, sem prejudicar a compreensão do texto. Estratégias 45
  45. 45. Exemplo 1 Antes: Analisando os dados contidos na tabela 1, verifica-se que não houve diferença quanto à produção... Depois: Não houve diferença na produção (Tabela 1)... Exemplo 2 Com a fita métrica mantida na coluna, verificou-se a nova distância alcançada pelo alongamento (Figuras 1 e 2). As figuras 1 e 2 apresentam a nova distância alcançada pelo alongamento. Exemplo
  46. 46. normalização
  47. 47. NormalizaçãoNormalização A normalização de documentos consiste na padronização bibliográfica com vistas a estabelecer convenções para transcrição e apresentação da informação originada de documentos e/ou outras fontes de informação. Para a elaboração de trabalhos acadêmicos e/ou científicos são adotadas normas nacionais ou internacionais, como ABNT, Vancouver, APA, etc. No Brasil, para trabalhos acadêmicos, via de regra, são adotadas as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
  48. 48. Entre as principais normas da ABNT, no que tange à normalização de documentos, temos: NormalizaçãoNormalização Norma Trabalhos acadêmicos NBR 14724/2011 Referências NBR 6023/2002 Citação NBR 10520/2002 Numeração progressiva NBR 6024/2003 Sumário NBR 6027/2000 Resumo NBR 6028//2003
  49. 49. NormalizaçãoNormalização
  50. 50. NormalizaçãoNormalização Gerenciadores de referências Para facilitar a vida dos pesquisadores na tarefa de normalizar seus textos, há no mercado os gerenciadores de referências. Eles permitem armazenar, gerenciar e citar as referências bibliográficas, de acordo com as normas nacionais e internacionais. Os aplicativos mais conhecidos para consulta às bases de dados, organização das referências e citações são: Mendeley, RefWorks e Zotero (softwares gratuitos) e EndNote (disponível para assinantes) e versão online gratuita EndNote Web (Endnote Basic). Para saber mais, consulte os tutoriais Mendeley (dividido em quatro partes) e Endnote Web, disponíveis em: http://rbefe.blogspot.com.br/p/blog-page_24.html
  51. 51. Plágio
  52. 52. O plágio é o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (texto, música, obra pictórica, fotografia, obra audiovisual, etc) contendo partes de uma obra que pertença a outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. No ato de plágio, o plagiador apropria-se indevidamente da obra intelectual de outra pessoa, assumindo a autoria da mesma. Fonte: Wikipedia, 2014 Plágio
  53. 53. 1. Direto ou Integral: copiar uma fonte palavra por palavra sem indicar que é uma citação e sem fazer referência ao autor. 2. Parcial: colagem resultante da seleção de parágrafos ou frases de um ou diversos autores, sem menção às obras. 3. Conceitual: utilização da essência da obra do autor expressa de forma distinta da original. 4. Plágio Mosaico: é o tipo de plágio mais comum. Este plágio acontece quando o "plagiador" não faz uma cópia da fonte diretamente, mas muda umas poucas palavras em cada frase ou levemente reformula um parágrafo, sem dar crédito ao autor original. 5. Autoplágio: consiste na apresentação total ou parcial de textos já publicados pelo mesmo autor, sem as devidas referências aos trabalhos anteriores. Plágio
  54. 54. No Brasil o plágio é considerado crime e sua principal referência é a Lei 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais). O correto é atribuir o crédito, seguindo, por exemplo, as normas da ABNT, para citação. Atualmente, há serviços online e softwares sofisticados para detecção de plágio, como Turnitin, Plagiarism Detect, Farejador de Plágio, etc. Plágio 55
  55. 55. Google Drive - http://drive.google.com Serviço de armazenamento de arquivos na nuvem do Google. Capacidade: 15 Gb (Gmail, Drive, Google+) Dropbox - www.dropbox.com Serviço de armazenamento de arquivos na nuvem. Capacidade: 2 Gb Ferramentas úteis
  56. 56. Portal da Escrita Científica www.escritacientifica.sc.usp.br Escrita Científica www.escritacientifica.com Redação científica - Prof. Gilson Volpato www.gilsonvolpato.com.br ABL Responde http://www.academia.org.br Dicas de Sites
  57. 57. BARRASS, Robert. Os cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros e estudantes. São Paulo: Edusp, 1979. 218 p. REIZ, Pedro. Redação científica moderna. São Paulo: Hyria, 2013. 157 p. VOLPATO, Gilson Luiz. Dicas para redação científica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 152 p. ____. Pérolas da redação científica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 189 p. ____. Dicionário crítico para redação científica. Botucatu : Best Writing, 2013. 216 p. ReferênciasReferências
  58. 58. Acompanhe a Biblioteca da EEFEUSP nas redes sociais Blog: bibliotecaeefe.blogspot.com.br Facebook: facebook.com/bibeefe Twitter: twitter.com/bibeefe Pinterest: pinterest.com/bibeefe
  59. 59. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - RBEFE rbefe.blogspot.com.br facebook.com/reveefe
  60. 60. Solange A. Santana Biblioteca Cyro de Andrade Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Blog bibliotecaeefe.blogspot.com.br 11 3091-3092
  61. 61. REDAÇÃOREDAÇÃO CIENTÍFICACIENTÍFICA Solange A. Santana São Paulo 2015 Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Biblioteca Cyro de Andrade

×