Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Planejamento de Coleção

18,628 views

Published on

Planejamento de Coleção

  1. 1. Produto Ana Puglia
  2. 2. Marketing • Primeira fase: – Análise do ambiente – Identificação das oportunidades de mercado – Comportamento do consumidor – Segmentação de mercados – Sistemas de informação www.anapuglia.com
  3. 3. Marketing • Segunda fase: – Oferta de produtos – Atribuição de preço – Distribuição – Comunicação • Programas de relacionamento – Monitoramento de resultados www.anapuglia.com
  4. 4. O que é produto? • “...segundo Semenick e Bamossy (1995:260), “ produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis que proporciona benefícios reais ou percebidos com a finalidade de satisfazer as necessidades e os desejos do consumidor.”” Gestão e desenvolvimento de produtos e marcas Hélio Arthur Igaray Ed. FGV, 2006 www.anapuglia.com
  5. 5. Produto • Os produtos não possuem valor em si mesmos, mas sim, na resposta a um conjunto de necessidades: – Materiais: atributos funcionais; – Imateriais: motivações psicológicas e sócio- culturais do consumidor. www.anapuglia.com
  6. 6. O que é produto? •Bem? • Serviço? »Ou ambos? www.anapuglia.com
  7. 7. Produto de Moda • Produto cultural de elevada intensidade simbólica e, como tal, consumido através de um ato de interpretação também simbólico; • Se converte em instrumento de comunicação de uma forma de ser e de viver, um estilo de vida. www.anapuglia.com
  8. 8. Classificação Geral • Básicos: – Satisfazem necessidades primárias; – Compra repetida; – Não estão sujeitos à Moda; – Produtos sem marca ou marcas próprias de varejistas populares com baixo conteúdo de moda e baixo preço; – Produtos não necessariamente de baixo preço, mas básicos e clássicos; – Gestão da variável preçoXvolume. www.anapuglia.com
  9. 9. Classificação Geral • Consumo: – Produtos de marca (industrial ou comercial); – Predominância de atributos emocionais; – Sujeitos à Moda; – Ainda que diferenciados, podem ser comparados entre si; – Fortemente voltado para o mercado e suas exigências. www.anapuglia.com
  10. 10. Classificação Geral • Exclusivos: – Percebidos como únicos; – A unicidade pode vir do produto ou do mundo evocado pela marca; – Assinatura; – Forte orientação para o produto e para a marca. www.anapuglia.com
  11. 11. Desenvolvimento de Produto • Exigência de conciliar a cultura do produto com a orientação ao mercado; • Limitações e oportunidades de produção; • Necessidade de uma contínua busca de equilíbrio entre os dois elementos fundamentais da oferta em moda: – O primeiro, de natureza permanente, ligado tanto às decisões estratégicas de posicionamento, como às decisões de estilo a médio e longo prazo; – O segundo, mais de cada estação, é necessário para garantir ao consumidor final uma contínua evolução das propostas. www.anapuglia.com
  12. 12. Desenvolvimento de Produto • É a integração de dois sub-processos distintos e complementares: – Primeiro: centrado nos componentes estéticos e está dominado pelos criativos; – Segundo: centrado nos componentes econômicos e competitivos e é dirigido pelos executivos. www.anapuglia.com
  13. 13. Desenvolvimento de Produto • Marketing e Visual Merchandising: – Análise de mercado (cliente final e intermediário); – Comparação com a concorrência; – Análise das vendas das temporadas anteriores; – Determinar a estrutura global e a configuração exata do sistema de oferta estacional, em termos de marcas, número de coleções, mercadorias, ocasiões de uso e modelos/variantes. www.anapuglia.com
  14. 14. Desenvolvimento de Produto • Estilo: – Análise estacional das tendências estéticas (formas, cores, materiais); – Definição, a cada estação, das modalidades e conteúdos de renovação dos códigos estilísticos empresariais, respeitando a identidade estilística permanente. www.anapuglia.com
  15. 15. Desenvolvimento de Produto • A comparação dos dois sub-processos define uma área de grande riqueza potencial, de onde emerge a essência do sistema da moda e a exigência de uma gestão da criatividade, baseada na capacidade de criar um sistema de coerências em vários níveis: curto e longo prazo, variáveis estéticas e variáveis competitivas. www.anapuglia.com
  16. 16. Desenvolvimento de Produto www.anapuglia.com
  17. 17. Desenvolvimento de Produto • Investigação de Marketing: – Análise das tendências sócio-culturais; – Conhecimento sistemático dos perfis psicográficos, do grau de satisfação e das exigências dos consumidores finais reais da marca; – Feiras; – Visitas a clientes e fornecedores; – Análise sistemática da concorrência. www.anapuglia.com
  18. 18. Desenvolvimento de Produto • Investigação Estilo: – Dados recolhidos por Mkt; – Tecnologia: máquinas, feiras especializadas, revistas técnicas, representantes do setor; – Mercado: clientes, feiras, consultorias de estilo, revistas; – Matéria-prima: corantes, produtos acabados, fios e tecidos. www.anapuglia.com
  19. 19. Desenvolvimento de Produto www.anapuglia.com
  20. 20. A Lógica da Coleção • A lógica da coleção tem origem na haute couture francesa, onde, a cada seis meses o couturier apresentava uma série limitada de modelos completamente novos. • A inovação afetava todos os modelos. www.anapuglia.com
  21. 21. A Lógica da Coleção • Linha: identifica conjuntos coordenados de produtos, homogêneos em termos de tecnologias, materiais, tipologias, mercados e ocasiões de uso; • Coleção: o conceito se baseia no princípio da sazonalidade e também pode definir- se como um conjunto de produtos agrupáveis segundo diversos critérios. www.anapuglia.com
  22. 22. A Lógica da Coleção • É fruto da convivência de produtos renovados temporada após temporada e produtos continuativos que se repetem com pequenas modificações de uma temporada a outra. • Esta mistura se comporta de acordo com o posicionamento da marca. www.anapuglia.com
  23. 23. A Lógica da Coleção • Uma empresa que fabrica moda, geralmente trabalha com três estações ao mesmo tempo (varia muito em função do seu tamanho): analisa os resultados das vendas da temporada anterior, controla a marcha da temporada em curso e a coleção da temporada seguinte. www.anapuglia.com
  24. 24. A Lógica da Coleção www.anapuglia.com
  25. 25. A Lógica da Coleção • Produtores: duas coleções por ano – Pré-coleções – Flashes – Mini-coleções: cruzeiro de inverno, praia • Varejistas: produzem até 24 mini- coleções por ano – flow delivery www.anapuglia.com
  26. 26. Variedade e Variabilidade • Variedade: quantidade de códigos de artigo, tanto em termos de produto quanto de componentes individuais (modelos, tecidos, tamanhos, cores), presentes em uma coleção. • Variabilidade: designa o grau de inovação, entre temporadas homólogas, de distintos componentes de oferta. www.anapuglia.com
  27. 27. Processo de Desenvolvimento • Definição das linhas mestras; • Definição da estrutura e do plano de coleção; • Desenvolvimento executivo da coleção. www.anapuglia.com
  28. 28. Linhas Mestras • Inventário das coleções homólogas precedentes: sell in e sell out; qualitativo e quantitativo; • Mkt e Merchandiser: contribuem para a definição das linhas mestras, assim como dos aspectos mais próximos das atitudes de consumo do cliente final, através da análise do seu mercado e da concorrência, além das perspectivas de distribuição: – Segmentos de clientes pré-selecionados; – Canais e mercados geográficos; – Posicionamento em relação aos concorrentes. www.anapuglia.com
  29. 29. Linhas Mestras • Estilo e Produto: contribuem com a definição dos objetivos da coleção, desde o ponto de vista dos códigos de estilo, que englobam as formas, os materiais utilizados, cores, detalhes e também tipos de produto. – Códigos e identidade estilística são particularmente importantes em segmentos de mercado aonde a criatividade do produto é fundamental. www.anapuglia.com
  30. 30. Estrutura e Plano de Coleção • Organização por linhas de produto diferenciadas em termos de tempos de saída (apresentação para campanha de vendas) e de entrega (para o início da temporada de vendas ao consumidor final): – Pré-coleções; – Coleção principal; – Desfiles; – Flash; – Peças clássicas que serão repostas durante a temporada. www.anapuglia.com
  31. 31. Estrutura e Plano de Coleção • A exigência de serviço tem levado à segmentação de prazos e conteúdos das coleções em função das suas distintas exigências: – Pré-Coleções: primeira proposta capaz de satisfazer as vendas do princípio de temporada; • Preço médio: as peças das pré-coleções são competitivas e cumprem uma função de serviço ao varejista, mais que impacto de imagem; • Montada com os bestsellers da marca, permite um melhor planejamento de produção e investimento, facilitando a produção em países com mão-de-obra mais barata. www.anapuglia.com
  32. 32. Estrutura e Plano de Coleção – Flash: tem duplo objetivo: • Satisfazer exigências do mercado; • Permite à produção um prolongamento do ciclo operacional; • Reforça o impacto da coleção principal, voltando a propor ao final da campanha os produtos mais vendidos ou propondo produtos ausentes (reajuste e integração à principal). www.anapuglia.com
  33. 33. Estrutura e Plano de Coleção • Merchandising Plan – Define de forma qualitativa e quantitativa a estrutura do repertório, em especial a estrutura e a articulação da oferta em função dos critérios de segmentação (ocasiões de uso, tipos de produto, preço). – É importante que o plano explicite o grau de inovação a ser dado para a coleção. www.anapuglia.com
  34. 34. Desenvolvimento Executivo • Uma vez definida a coleção e realizados os primeiros protótipos, sua apresentação à área Comercial e à rede tem o objetivo de afinar o grau de acerto; • Aqui é onde se decide ampliações ou reduções da coleção. www.anapuglia.com
  35. 35. Desenvolvimento Executivo • As modalidades em que se desenvolve a proposta estilística diferem em função da empresa optar por um conteúdo muito inovador ou por uma maior credibilidade qualitativa e de serviço. www.anapuglia.com
  36. 36. Conclusão • As decisões em termos de amplitude e inovação da gama de produtos representam um problema crucial para diversos setores. • Para as empresas do sistema da moda, que desenvolvem pelo menos duas coleções ao ano, este aspecto adquire importância particular. www.anapuglia.com
  37. 37. Conclusão • O sistema de oferta é complexo por ser o resultado de: – Aspectos físico-técnicos: tecidos, modelos, acessórios; – Destinos de uso: funções e ocasiões; – Estilo de vestir: clássico, moderno e vanguardista. • O sistema está condicionado pelo nível de inovação do serviço de distribuição de todo o sistema da oferta. www.anapuglia.com
  38. 38. Conclusão • A racionalização do desenvolvimento das coleções consiste em atribuir responsabilidades aos distintos órgãos da empresa implicados em todo o processo. • O processo se inicia com os primeiros estímulos criativos e termina com a apresentação da coleção/mostruários. www.anapuglia.com
  39. 39. Conclusão • O objetivo final é criar coleções em consonância com as expectativas do mercado, alinhadas com as exigências tanto produtivas quanto da própria empresa. www.anapuglia.com
  40. 40. Bibliografia • As Espirais de Moda-Françoise Vincent- Ricard. • La Gestión de las Empresas de Moda - Stefania Saviolo e Salvo Testa. • Marcas de Moda - Mark Tungate. www.anapuglia.com

×