Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

10

Share

Download to read offline

2 políticas públicas

Download to read offline

Aula da disciplina de Saúde Coletiva VI, curso de Odontologia, Universidade Federal do Pará.

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

2 políticas públicas

  1. 1. Saúde Coletiva VI Políticas de Saúde no Brasil LIZA BARRETO VIEIRA SAÚDE COLETIVA, 2007 Profª Msc Ana Daniela Silva da SilveiraADSS
  2. 2. A Saúde no Brasil Fase imperial: Atribuía-se as principais epidemias aos miasmas - corrompidos, vindos do mar, que pairavam sobre as cidades. República Velha: - Política agroexportadora cafeeira. - Definiu-se políticas para manter a exportação de grãos e a imigração de mão-de-obraADSS
  3. 3. A Saúde no Brasil República velha: Modelo sanitarista campanhista - foco nos “espaços de circulação de mercadorias”, principalmente nas estradas e portos do Rio de Janeiro e Santos/SP. - -1890: Conselho de saúde pública; - 1892: Laboratório de bacteriologia; - 1894: Instituto Sanitário Federal; - 1897: Diretoria de Saúde Pública; - 1900: Instituto soroterápico; - 1902: Rodrigues Alves lança programa de saneamento no RJ e combate à febre amarela urbana em SP. - 1923: Lei Elói Chaves O Estado Brasileiro atue pela primeira vez na assistência médica da populaçãoADSS
  4. 4. A Saúde no BrasilCAPs (Caixas de Aposentadorias e Pensões):1923 Organizadas por empresas e empregados Seguro Social Assistência médica e aposentadoria Caráter Privado Pouca Participação do EstadoADSS
  5. 5. A Saúde no Brasil Era Vargas (1930-1964): Centralização da saúde - - Ação dos serviços de saúde não era mais caso de polícia - 1941: Serviço de combate de endemias; Serviço especial de saúde pública; - 1956: Departamento nacional de endemias rurais -IAPS O Estado Brasileiro atuava basicamente em campanhas sanitárias e programas especiais (materno-infantil; tuberculose; endemias rurais; mal de Hansen) e manutenção de prontos-socorros, maternidades, etc.ADSS
  6. 6. A Saúde no Brasil IAPs (Institutos de Aposentadorias e Pensões)  Participação do Estado  Organizados por categorias profissionais (marítimos, comerciários, bancários)  Seguro Social  Assistência médica e aposentadoriasADSS
  7. 7. A Saúde no Brasil  INPS (Instituto Nacional de Previdência Social):  1960  Unificou IAPs no INPS  Consolidou modelo Brasileiro de Seguro Social  Assistência à Saúde não era condição de Cidadania, mas somente dos trabalhadores com carteira assinada que contribuíam com a previdência Modelo Assistencial Médico-PrivatistaADSS
  8. 8. A Saúde no Brasil Autoritarismo (64-84): - - IAPS INPS - 1973: Funrural - 1974: MPAS: Plano de pronta-ação, onde os hospitais contratados poderiam atender qualquer pessoa, independente de ser contribuinte; - Planejamento da reforma sanitária Políticas através de vários programas verticais como Materno-infantil; imunizações; interiorização de das ações de saúde; esquistossomose, nutrição, etc.ADSS
  9. 9. A Saúde no Brasil SINPAS (Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social) 1977 IAPAS INAMPS (Instituto de Administração financeira da (Instituto Nacional de Assistência Previdência Social) Médica da Previdência Social) Parte financeira da Assistência Médica PrevidênciaADSS
  10. 10. A Saúde no Brasil INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) - Privatização do Setor Saúde - Sem participação popular - Modelo Assistencial Médico-curativista, excludente, tecnicista - AIH e AIS Problemas: corrupção, procedimento e pacientes fantasmas, primeirasADSS aposentadorias...
  11. 11. A Saúde no Brasil Nova-república (85-88): - - VIII Conferência Nacional de Saúde - Conceito ampliado de saúde - Saúde direito de todos e dever do Estado - SUS - Participação popular - Orçamento socialADSS
  12. 12. A Saúde no Brasil O Movimento pela Reforma Sanitária Brasileira  Início dos anos 80  Crise do Sistema Previdenciário  Críticas ao modelo médico-curativista  Proposta de Reorganização do Sistema de Saúde  “Luta pela garantia do direito universal à saúde e construção de um sistema único e estatal de serviços.” VIII Conferência Nacional de Saúde 1986ADSS
  13. 13. A Saúde no Brasil VIII Conferência Nacional de Saúde  Constituição Brasileira de 1988, capítulo da seguridade social: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.” Artigo 196ADSS
  14. 14. Conceitos de Saúde Coletiva Constituição cidadã: 1988 Conceito ampliado de saúde: “Saúde é resultante das condições de vida, alimentação, lazer, acesso e posse da terra, transporte, emprego, moradia. A saúde define-se no contexto histórico de determinada sociedade e num dado momento de seu desenvolvimento, devendo ser conquistada pela população em suas lutas cotidianas.” Coloca a saúde como “direito de todos e dever do Estado’ e portanto como direito de cidadania.ADSS
  15. 15. Art. 196- A SAÚDE Direito de todos e dever do estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução de riscos de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação Art. 198- AÇÕES E SERVIÇOS As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um Sistema Único organizado.ADSS
  16. 16. O Sistema Único de Saúde “É o conjunto de ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais e das fundações mantidas pelo poder público, além da participação da iniciativa privada em caráter complementar.” Lei Orgânica de saúde nº 8.080, art 4 É uma nova formulação política e organizacional para o reordenamento dos serviços e ações de saúde estabelecidas por princípios da Constituição de 1988ADSS
  17. 17. O Sistema Único de Saúde O SUS é garantido pela constituição e regulado pela lei orgânica de saúde (leis 8.080 e 8.142), determinado por princípios DOUTRINÁRIOS e ORGANIZATIVOS.ADSS
  18. 18. O Sistema Único de Saúde Lei Orgânica da Saúde (LOS) # Lei 8.080/90:  Condições de promoção, proteção e recuperação da saúde,  Organização  Funcionamento dos serviçosADSS
  19. 19. O Sistema Único de Saúde Lei Orgânica da Saúde (LOS) # Lei 8.142/90:  Controle social  Financiamento: (recursos para a saúde)  Recurso Federal: de acordo com a variação do PIB  Recurso Estadual: 12%  Recurso Municipal: 15%ADSS
  20. 20. O Sistema Único de Saúde  Princípios Doutrinários:  São idéias filosóficas que permeiam a implantação do SUS e personificam o conceito ampliado de saúde UNIVERSALIDADE INTEGRALIDADE EQUIDADEADSS
  21. 21. Princípios Éticos doutrinários Universalidade – deve atender todo e qualquer cidadão, indistintamente. Integralidade – planeja e realiza tanto ações amplas, de interesse coletivo, como atende às necessidades individuais de saúde dos indivíduos ao longo de sua vida Eqüidade – assegura, a todas as pessoas, sem privilégios ou barreiras, ações e serviços dos vários níveis de complexidade, conforme a necessidade requerida para cada caso.ADSS
  22. 22. UNIVERSALIDADE  Saúde como direito de cidadania e dever do Governo: municipal, estadual e federal  Garantia de acesso de toda e qualquer pessoa aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência, sejam eles públicos ou contratados pelo Poder Público  Saúde como direito de cidadania.  A saúde é responsabilidade dos Municípios, Estados e União.ADSS
  23. 23. EQÜIDADE  Assegurar ações e serviços de todos os níveis de acordo com a complexidade que cada caso requeira, more o cidadão onde morar, sem privilégios e sem barreiras (Brasil, 1990)  Tratar desigualmente os desiguais  Eqüidade  IgualdadeADSS
  24. 24. INTEGRALIDADE Cada pessoa é um todo indivisível e integrante de uma comunidade; As ações de promoção, proteção e recuperação da saúde formam também um todo indivisível e não podem ser compartimentalizadas; As unidades prestadoras de serviço, com seus diversos graus de complexidade, formam também um todo indivisível configurando um sistema para prestar assistência integralADSS
  25. 25. O Sistema Único de Saúde  Princípios Organizativos:  Orientam o funcionamento do sistemaADSS
  26. 26. REGIONALIZAÇÃO HIERARQUIZAÇÃO UNIVERSALIDADE EQUIDADE INTEGRALIDADEDESCENTRALIZAÇÃO PARTICIPAÇÃO E COMANDO ÚNICO POPULAR
  27. 27. O Sistema Único de Saúde  Princípios Organizativos (Diretrizes):  Orientam o funcionamento do sistema:  Regionalização e hierarquização  Descentralização e comando único  Participação PopularADSS
  28. 28. DESCENTRALIZAÇÃO  Redistribuição das responsabilidades quanto às ações e serviços de saúde entre os níveis de governo (Cordeiro, 2001)  Municipalização da assistência à saúdeADSS
  29. 29. REGIONALIZAÇÃO E HIERARQUIZAÇÃO  Serviços organizados em uma área geográfica delimitada e com população adscrita  Estruturação de diferentes níveis de complexidade  Referência e contra-referênciaADSS
  30. 30. HOSPITAIS UNIDADES MISTAS UNIDADES BÁSICASRegionalização e Hierarquização
  31. 31. HIERARQUIZAÇÃO  Atenção 1°:  Unidades básicas de saúde  Profissionais generalistas  Menos aparato tecnológico  Atenção 2°:  Unidades mistas de saúde (Centros de saúde, policlínicas, pequenos hospitais)  Profissionais especializados  Equipamentos mais especializados  Atenção 3°:  Hospitais  Profissionais bastantes especializados  Equipamentos de alta complexidade  RESOLUTIVIDADE: capacidade de resolução dos serviços em todos os níveis de assistênciaADSS
  32. 32. NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DA ASSISTÊNCiAESF - Neste nível resolve-se 75%do problemas - é a Unidade ATENÇÃO BÁSICABásica de SaúdeResolve 20% dos problemasde saúde - são os Serviços de MÉDIA COMPLEXIDADEEspecialidadesNeste nível estão os serviços demaior complexidade, hospitais ALTA COMPLEXIDADEde referencia que resolvem os5% restante dos problemas desaúde
  33. 33. CONTROLE SOCIAL Participação Popular “É a garantia constitucional de que a população, através de suas entidades representativas, participará do processo de formulação das políticas de saúde e do controle de sua execução, em todos os níveis, desde o federal até o local.”  Conselhos de Saúde  Conferências de SaúdeADSS
  34. 34. CONTROLE SOCIAL  Conselhos de Saúde:  Federal, estadual e municipal  Caráter permanente  Caráter Deliberativo  Caráter Consultivo  Caráter Fiscalizatório  Representatividade e legitimidade 50% 50%  Governo  Usuários  Trabalhadores de saúde  Prestadores de serviçoADSS
  35. 35. CONTROLE SOCIAL  Conferências de Saúde:  Fóruns com representação de vários segmentos  Realizados de 4/4 anos  Avalia a situação de saúde da população e propõe diretrizes para a formulação das políticas de saúdeADSS
  36. 36. O Sistema Único de Saúde Princípios constitucionais do SUS 1. Universalidade da cobertura; 2. Atendimento integral; 3. Equidade; 4. Descentralização dos serviços para os estados e municípios, participantes também do financiamento; 5. Unidade entre as ações de saúde da União, dos Estados e dos Municípios; 6. Participação complementar do setor privado na oferta de serviços; 7. Equilíbrio entre as ações de promoção, proteção e recuperação de saúde; 8. Participação comunitária e controle socialADSS
  • jhacyrios

    Aug. 9, 2015
  • okf2207

    Apr. 15, 2015
  • Kamilla-JL

    Mar. 19, 2015
  • hannacarolina1

    Mar. 17, 2015
  • anahelenabbarros

    Dec. 19, 2014
  • ireneporfirosilva

    Apr. 16, 2014
  • ledafisio

    Apr. 3, 2014
  • enriquegadelha

    Mar. 21, 2014
  • yeddadafny

    Nov. 10, 2013
  • leba10

    Mar. 14, 2013

Aula da disciplina de Saúde Coletiva VI, curso de Odontologia, Universidade Federal do Pará.

Views

Total views

13,094

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

7

Actions

Downloads

624

Shares

0

Comments

0

Likes

10

×