Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
 
Perda Auditiva  Audiometria Tonal <ul><li>Audição normal – de 0 a 25 db; </li></ul><ul><li>Perda leve  – de 26 a 40 db; </...
 
Reflexões sobre a Surdez
<ul><li>Quanto ao momento em que ocorre a surdez: </li></ul><ul><li>Surdez pré-lingual ou pré-linguística - ocorrida antes...
Legislação <ul><li>A regulamentação da LIBRAS a partir de 24 de abril de 2002- Lei nº 10.462 -reconhece oficialmente a Lín...
LIBRAS <ul><li>É uma língua de modalidade gestual-visual que utiliza, como canal ou meio de comunicação, movimentos gestua...
LIBRAS <ul><li>Apresenta estrutura linguística diferenciada da Língua Portuguesa, em seus níveis linguísticos: fonológico,...
 
Bilinguismo <ul><li>O decreto 5.626/2005 assinala que a educação de surdos no Brasil deve ser Bilíngue, garantindo assim a...
Como a criança surda aprende? <ul><li>A criança surda deve estar - desde bebê - inserida em um contexto sociolinguístico q...
Recursos de Comunicação <ul><li>Expressões faciais e corporais </li></ul><ul><li>Toque físico </li></ul><ul><li>Pistas vis...
A Pessoa surda <ul><li>Em geral o surdo mostra-se franco e objetivo. </li></ul><ul><li>Alguns apresentam um vocabulário  <...
<ul><li>Para o surdo, a expressão corporal é o veículo  </li></ul><ul><li>para  manifestar suas emoções. </li></ul><ul><li...
<ul><li>Fale de frente com o surdo. Uma boa articulação dos lábios pode facilitar a comunicação. </li></ul><ul><li>Ambient...
<ul><li>Se você não entender o  que uma pessoa surda está falando, não tenha vergonha, peça para  repetir e, se for precis...
<ul><li>As legendas nos programas de TV e filmes e os quadros com intérpretes de LIBRAS são importantes para a participaçã...
O aluno com surdez em turma comum <ul><li>Inserir o aluno com surdez em um contexto sociolinguístico, onde seja possível o...
Adequações pedagógicas <ul><li>Fichário Visual </li></ul><ul><li>Dicionário – Língua Portuguesa / LIBRAS </li></ul><ul><li...
<ul><li>Utilizar recursos visuais que facilitem a compreensão e a aprendizagem dos alunos, como desenhos, esquemas e diagr...
<ul><li>Para que o aluno aprenda a escrever é importante que participe de momentos de produção coletiva de textos, incenti...
<ul><li>Para que o aluno realize a atividade com roteiro de perguntas, é necessário anteriormente ter trabalhado situação ...
Produção coletiva de fato ocorrido na escola
Elaboração de final diferente
Língua Portuguesa no trabalho com alunos surdos <ul><li>Analisar e compreender todas as pistas que acompanhem o texto escr...
Língua Portuguesa no trabalho com alunos surdos <ul><li>Estabelecer correlações com outras leituras, outros conhecimentos ...
Sugestões para  sala de aula <ul><li>Quebra-cabeças </li></ul><ul><li>Jogo da memória </li></ul><ul><li>Cruzadinhas </li><...
Materiais e adequações pedagógicas Caixa com gravuras
Fichário de verbos Materiais e adequações pedagógicas
 
Quadro de verbos
Recursos didáticos para uma sala de aula
“ A construção de um trabalho, às vezes, parece lento, mas é neste pensar e repensar, ouvir e dizer, ir e vir que as idéia...
<ul><li>Grupo de Área Específica de Surdez </li></ul><ul><li>Laura Jane </li></ul><ul><li>Mônica Astuto </li></ul><ul><li>...
Sugestões Bibliográficas <ul><li>A Invenção da surdez: cultura, alteridade, identidades e diferença no campo da educação  ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo

40,045 views

Published on

ráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo

Published in: Education

Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo

  1. 2. Perda Auditiva Audiometria Tonal <ul><li>Audição normal – de 0 a 25 db; </li></ul><ul><li>Perda leve – de 26 a 40 db; </li></ul><ul><li>Perda moderada – de 41 a 71 db; </li></ul><ul><li>Surdez severa – de 71 a 90 db; </li></ul><ul><li>Surdez profunda – mais de 91 db. </li></ul><ul><li>ANSI (American National Standards Institute)1969 </li></ul>
  2. 4. Reflexões sobre a Surdez
  3. 5. <ul><li>Quanto ao momento em que ocorre a surdez: </li></ul><ul><li>Surdez pré-lingual ou pré-linguística - ocorrida antes da aquisição da linguagem, caracterizada pela total ausência de memória auditiva ( 0 a 3 anos); </li></ul><ul><li>Surdez peri-lingual - surge quando o indivíduo está na fase inicial da aquisição de linguagem oral ( 3 a 6 anos); </li></ul><ul><li>Surdez pós-lingual - surge quando o indivíduo já fala e lê (A partir dos 7 anos). </li></ul>
  4. 6. Legislação <ul><li>A regulamentação da LIBRAS a partir de 24 de abril de 2002- Lei nº 10.462 -reconhece oficialmente a Língua Brasileira de Sinais como língua das comunidades surdas do Brasil. </li></ul><ul><li>A LIBRAS poderá ser aprendida por qualquer pessoa interessada pela comunicação com a comunidade surda. Possui todos os elementos classificatórios de uma língua e demanda de prática para seu aprendizado, como qualquer outra língua. </li></ul>
  5. 7. LIBRAS <ul><li>É uma língua de modalidade gestual-visual que utiliza, como canal ou meio de comunicação, movimentos gestuais e expressões faciais que são percebidos pela visão; portanto difere-se da língua portuguesa, uma modalidade oral-auditiva, que utiliza como canal ou meio de comunicação, sons articulados que são percebidos pelos ouvidos. </li></ul>
  6. 8. LIBRAS <ul><li>Apresenta estrutura linguística diferenciada da Língua Portuguesa, em seus níveis linguísticos: fonológico, morfológico, sintático, semântico e pragmático. </li></ul><ul><li>Sinais ≠ Gestos ≠ Mímica </li></ul><ul><li>Parâmetros gramaticais próprios: Configuração das mãos, ponto de articulação, movimento, orientação, expressão facial e corporal. </li></ul><ul><li>Não é universal. </li></ul><ul><li>LIBRAS ≠ Português Sinalizado </li></ul><ul><li>Datilologia (alfabeto manual) não é língua de sinais. É um empréstimo do alfabeto da língua oral porque a LIBRAS é ágrafa. </li></ul>
  7. 10. Bilinguismo <ul><li>O decreto 5.626/2005 assinala que a educação de surdos no Brasil deve ser Bilíngue, garantindo assim ao acesso à educação, por meio da língua de sinais como língua de instrução e o ensino da língua portuguesa, do grupo ouvinte majoritário, como segunda língua. </li></ul>
  8. 11. Como a criança surda aprende? <ul><li>A criança surda deve estar - desde bebê - inserida em um contexto sociolinguístico que privilegie o canal visual-gestual como meio de comunicação e nesse sentido, a Língua de Sinais torna-se fundamental para as primeiras trocas de significação com o outro. </li></ul>
  9. 12. Recursos de Comunicação <ul><li>Expressões faciais e corporais </li></ul><ul><li>Toque físico </li></ul><ul><li>Pistas visuais </li></ul><ul><li>Instrutor/Intérprete (como modelos linguísticos) </li></ul><ul><li>Aprendizagem da Língua Portuguesa escrita, como modo de inclusão escolar, social e exercício da cidadania. </li></ul>
  10. 13. A Pessoa surda <ul><li>Em geral o surdo mostra-se franco e objetivo. </li></ul><ul><li>Alguns apresentam um vocabulário </li></ul><ul><li>aparentemente reduzido. </li></ul><ul><li>Por viverem num meio onde a comunicação e a expressão geralmente é por via oral, tendem ao isolamento. </li></ul><ul><li>Modo diferente de falar e de se comunicar. </li></ul><ul><li>Grita para chamar a atenção e pela </li></ul><ul><li>dificuldade de controlar a altura da voz. </li></ul>
  11. 14. <ul><li>Para o surdo, a expressão corporal é o veículo </li></ul><ul><li>para manifestar suas emoções. </li></ul><ul><li>A impulsividade e agressividade de muitos surdos </li></ul><ul><li>estão relacionadas a incompreensão por parte das </li></ul><ul><li>pessoas de seu convívio, pouco habituadas a </li></ul><ul><li>responderem aos pedidos por uma via não verbal. </li></ul><ul><li>A timidez, a inibição e a desconfiança do surdo </li></ul><ul><li>provém do fato de ele não compreender </li></ul><ul><li>perfeitamente as conversações, os códigos, às </li></ul><ul><li>vezes acompanhados de risos, e pela linguagem </li></ul><ul><li>oral. </li></ul><ul><li>Qualquer pessoa se sente assim, quando </li></ul><ul><li>está ao lado de uma pessoa ou de um grupo de </li></ul><ul><li>estrangeiros, cuja língua não domina. </li></ul>A Pessoa Surda
  12. 15. <ul><li>Fale de frente com o surdo. Uma boa articulação dos lábios pode facilitar a comunicação. </li></ul><ul><li>Ambiente claro e boa visibilidade são importantes para um bom entendimento e compreensão. </li></ul><ul><li>É preciso ser expressivo para mostrar seus sentimentos. São importantes as expressões faciais e corporais para facilitar a compreensão. </li></ul>
  13. 16. <ul><li>Se você não entender o que uma pessoa surda está falando, não tenha vergonha, peça para repetir e, se for preciso, escrever ou desenhar. O mais importante é que exista comunicação. </li></ul><ul><li>Se precisar falar com uma pessoa surda chame a atenção dela tocando em seu braço ou acenando na sua frente. Não adianta chamar de longe. </li></ul>
  14. 17. <ul><li>As legendas nos programas de TV e filmes e os quadros com intérpretes de LIBRAS são importantes para a participação do surdo no contexto escolar e social. </li></ul><ul><li>Os avisos visuais são muito importantes para a independência do surdo. </li></ul>
  15. 18. O aluno com surdez em turma comum <ul><li>Inserir o aluno com surdez em um contexto sociolinguístico, onde seja possível ocorrer trocas com seus pares. </li></ul><ul><li>Oferecer modelo linguístico (contato com a comunidade surda ou outros surdos fluentes) que propiciem a aquisição da Língua Brasileira de Sinais </li></ul><ul><li>(LIBRAS). </li></ul><ul><li>Atendimento Educacional Especializado (AEE) - Sala de Recursos e Professor Itinerante. </li></ul><ul><li>Instrutores de LIBRAS. </li></ul><ul><li>Intérpretes de LIBRAS. </li></ul>
  16. 19. Adequações pedagógicas <ul><li>Fichário Visual </li></ul><ul><li>Dicionário – Língua Portuguesa / LIBRAS </li></ul><ul><li>Caixas Classificadoras </li></ul><ul><li>Mural LIBRAS/Língua Portuguesa </li></ul><ul><li>Caixas com histórias em sequências lógicas </li></ul><ul><li>Calendário </li></ul><ul><li>Diário Coletivo </li></ul><ul><li>Histórias em quadrinhos </li></ul><ul><li>Alfabeto datilológico </li></ul>
  17. 20. <ul><li>Utilizar recursos visuais que facilitem a compreensão e a aprendizagem dos alunos, como desenhos, esquemas e diagramas. </li></ul><ul><li>Perspectiva de letramento, onde a leitura e escrita tenham sentido e façam parte de suas vidas cotidianas. Leitura e escrita contextualizadas. </li></ul><ul><li>Utilizar-se de práticas de relatos diários de histórias incluindo relatos espontâneos das crianças e do professor. </li></ul><ul><li>Explorar os vários tipos de gêneros textuais e suportes visuais que possibilitarão a criança ou jovem surdo ampliar sua leitura de mundo e a compreensão de significados. </li></ul>Prática pedagógica
  18. 21. <ul><li>Para que o aluno aprenda a escrever é importante que participe de momentos de produção coletiva de textos, incentivando a reescrita de histórias, elaborações de finais diferentes. </li></ul><ul><li>Antes de qualquer atividade sequencial de perguntas ou de exercício de ampliação de vocabulário como os mostrados nas imagens, é necessário vivenciar a criação e a expressão de ideias em LIBRAS . </li></ul>Prática pedagógica
  19. 22. <ul><li>Para que o aluno realize a atividade com roteiro de perguntas, é necessário anteriormente ter trabalhado situação vivida pelo aluno por meio de dramatização, da expressão em LIBRAS, do texto mostrado em imagens. </li></ul>
  20. 23. Produção coletiva de fato ocorrido na escola
  21. 24. Elaboração de final diferente
  22. 25. Língua Portuguesa no trabalho com alunos surdos <ul><li>Analisar e compreender todas as pistas que acompanhem o texto escrito: figuras, desenhos, pinturas, enfim, todas as ilustrações. </li></ul><ul><li>Identificar, sempre que possível, nome do autor, título, lugares, referências temporais e espaciais do texto. </li></ul><ul><li>Explorar, por exemplo, a capa de um livro, as personagens, antes mesmo da leitura. </li></ul><ul><li>Elaborar, sempre que possível, uma sinopse antes da leitura do texto. </li></ul><ul><li>Reconhecer elementos paratextuais importantes, tais como: parágrafos, negritos, sublinhados, travessões, legendas, letras maiúsculas e minúsculas. </li></ul>
  23. 26. Língua Portuguesa no trabalho com alunos surdos <ul><li>Estabelecer correlações com outras leituras, outros conhecimentos que venham auxiliar na compreensão. </li></ul><ul><li>Identificar o gênero textual. </li></ul><ul><li>Reconhecer e/ou sublinhar palavras-chave. </li></ul><ul><li>Correlacionar, se for o caso, cada parte do texto, entre si por meio de: expressões, frases, períodos, parágrafos, versos, estrofes. </li></ul><ul><li>Observar a importância do uso do dicionário. </li></ul><ul><li>Recuperar a idéia geral de forma resumida. </li></ul>
  24. 27. Sugestões para sala de aula <ul><li>Quebra-cabeças </li></ul><ul><li>Jogo da memória </li></ul><ul><li>Cruzadinhas </li></ul><ul><li>Caça-palavras </li></ul><ul><li>Figuras em sequência </li></ul><ul><li>lógica </li></ul><ul><li>Balõezinhos apagados </li></ul>
  25. 28. Materiais e adequações pedagógicas Caixa com gravuras
  26. 29. Fichário de verbos Materiais e adequações pedagógicas
  27. 31. Quadro de verbos
  28. 32. Recursos didáticos para uma sala de aula
  29. 33. “ A construção de um trabalho, às vezes, parece lento, mas é neste pensar e repensar, ouvir e dizer, ir e vir que as idéias são semeadas, germinadas, brotam e florescem.” Sonia Fernandez
  30. 34. <ul><li>Grupo de Área Específica de Surdez </li></ul><ul><li>Laura Jane </li></ul><ul><li>Mônica Astuto </li></ul><ul><li>Cristiane Taveira </li></ul><ul><li>Micheli Aciolly </li></ul><ul><li>Sonia Cristina Medeiros </li></ul><ul><li>Vania Azevedo </li></ul><ul><li>Paula Fragoso </li></ul>
  31. 35. Sugestões Bibliográficas <ul><li>A Invenção da surdez: cultura, alteridade, identidades e diferença no campo da educação (Org.) – THOMA, Adriana da Silva e LOPES, Maura Corcini - Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004. </li></ul><ul><li>A Invenção da surdez II: Espaços e tempos de aprendizagem na educação de surdos (Org.) - THOMA, Adriana da Silva e LOPES, Maura Corcini - Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. </li></ul><ul><li>A surdez: um olhar sobre as diferenças – SKLIAR, Carlos (Org.) – Porto Alegre: Mediação,1997. </li></ul><ul><li>Feneis, LIBRAS em Contexto – Felipe, Tanya A. – Livro do Estudante. 5ª Edição. Rio de Janeiro: Ed. Gráfica, 2005. </li></ul><ul><li>Pensamento e Linguagem – VYGOTSKY, L.S.- São Paulo : Martins Fontes, 1987. </li></ul><ul><li>Preconceito linguístico, o que é como se faz - BAGNO, Marcos – São Paulo: Edições Loyola, 2003. </li></ul><ul><li>Surdez e Bilinguismo - FERNANDES, Eulália (Org.) – Porto Alegre: Editora Mediação, 2005. </li></ul><ul><li>Surdez – Processos educativos e subjetividade – LACERDA, Cristina B.F.de; GÓES, M.C.R. de - SP: Lovise, 2000. </li></ul><ul><li>Vendo Vozes – Uma viagem ao mundo dos surdos - SACKS,Oliver - São Paulo: Companhia das Letras,1998 </li></ul>

×