Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A031 EAE DM - PARÁBOLAS II - DOMÉSTICAS E FAMILIARES 20180717

650 views

Published on

Sabendo que as palavras do Mestre não foram empregadas para serem interpretadas literalmente e que nenhuma parábola tem um único significado, vamos discutir e analisar algumas perspectivas sobre a sabedoria que nos foi deixada pelo Mestre.

Na segunda aula sobre as parábolas vamos estudar as falas de Jesus contendo os temas "familiares" segundo a organização proposta por Armond:

O filho pródigo − Lucas 15.11-32
Os dois filhos − Mateus 21.28-32
O credor incompassivo − Mateus 18.31-35
O bom e o mau servo − Mateus 24.45-51 / Lucas 12.35-48
Mordomo infiel − Lucas 16.1-13 (O administrador desonesto)
As dez virgens − Mateus 25.1-13
O homem previdente − Lucas 14.25-35
O reino dos céus − Mateus 13.44-52
A candeia − Marcos 4.21-25 / Lucas 8.16-18
A dracma perdida

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

A031 EAE DM - PARÁBOLAS II - DOMÉSTICAS E FAMILIARES 20180717

  1. 1. PARÁBOLAS II (DOMÉSTICAS E FAMILIARES) EAE A031 ESCOLADEAPRENDIZESDOEVANGELHO São José dos Campos, SP – 17 de julho de 2018 – Daniel de Melo
  2. 2. PARÁBOLAS II (DOMÉSTICAS E FAMILIARES) AULA 031 (O REDENTOR CAP. 34) O filho pródigo − Lucas 15.11-32 Os dois filhos − Mateus 21.28-32 O credor incompassivo − Mateus 18.31-35 O bom e o mau servo − Mateus 24.45-51 / Lucas 12.35-48 Mordomo infiel − Lucas 16.1-13 (O administrador desonesto) As dez virgens − Mateus 25.1-13 O homem previdente − Lucas 14.25-35 O reino dos céus − Mateus 13.44-52 A candeia − Marcos 4.21-25 / Lucas 8.16-18 A dracma perdida − Lucas 15.8-10
  3. 3. Entendendo as Parábolas
  4. 4. Jesus usava de um método para falar das coisas do mundo espiritual e das qualidades morais sem ter que explicar a filosofia e a ciência que só seriam conhecidas pelos encarnados quase dois milênios depois, através das revelações do Consolador Prometido
  5. 5. Ele fez o uso das Parábolas, também utilizadas por profetas e sacerdotes em outros momentos para criar o ambiente propício ao entendimento da Leis Universais.
  6. 6. PARÁBOLAS II (DOMÉSTICAS E FAMILIARES)
  7. 7. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 11E Jesus disse ainda: — Um homem tinha dois filhos. 12Certo dia o mais moço disse ao pai: “Pai, quero que o senhor me dê agora a minha parte da herança.” — E o pai repartiu os bens entre os dois. 13Poucos dias depois, o filho mais moço ajuntou tudo o que era seu e partiu para um país que ficava muito longe. Ali viveu uma vida cheia de pecado e desperdiçou tudo o que tinha.
  8. 8. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 14 — O rapaz já havia gastado tudo, quando houve uma grande fome naquele país, e ele começou a passar necessidade. 15Então procurou um dos moradores daquela terra e pediu ajuda. Este o mandou para a sua fazenda a fim de tratar dos porcos. 16Ali, com fome, ele tinha vontade de comer o que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. 17Caindo em si, ele pensou: “Quantos trabalhadores do meu pai têm comida de sobra, e eu estou aqui morrendo de fome! 18Vou voltar para a casa do meu pai e dizer: ‘Pai, pequei contra Deus e contra o senhor 19e não mereço mais ser chamado de seu filho. Me aceite como um dos seus trabalhadores.’”
  9. 9. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 20Então saiu dali e voltou para a casa do pai. — Quando o rapaz ainda estava longe de casa, o pai o avistou. E, com muita pena do filho, correu, e o abraçou, e beijou. 21E o filho disse: “Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado de seu filho!” 22 — Mas o pai ordenou aos empregados: “Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Ponham um anel no dedo dele e sandálias nos seus pés.
  10. 10. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 23Também tragam e matem o bezerro gordo. Vamos começar a festejar 24porque este meu filho estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado.” — E começaram a festa. 25 — Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando ele voltou e chegou perto da casa, ouviu a música e o barulho da dança. 26Então chamou um empregado e perguntou: “O que é que está acontecendo?”
  11. 11. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 27 — O empregado respondeu: “O seu irmão voltou para casa vivo e com saúde. Por isso o seu pai mandou matar o bezerro gordo.” 28 — O filho mais velho ficou zangado e não quis entrar. Então o pai veio para fora e insistiu com ele para que entrasse. 29Mas ele respondeu: “Faz tantos anos que trabalho como um escravo para o senhor e nunca desobedeci a uma ordem sua. Mesmo assim o senhor nunca me deu nem ao menos um cabrito para eu fazer uma festa com os meus amigos.
  12. 12. “ ” O filho pródigo (Lc 15.11-32) 30Porém esse seu filho desperdiçou tudo o que era do senhor, gastando dinheiro com prostitutas. E agora ele volta, e o senhor manda matar o bezerro gordo!” 31 — Então o pai respondeu: “Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que é meu é seu. 32Mas era preciso fazer esta festa para mostrar a nossa alegria. Pois este seu irmão estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado.”
  13. 13. “ ” Os dois filhos (Mt 21.28-32) 28Jesus continuou: — E o que é que vocês acham disto? Certo homem tinha dois filhos. Ele foi falar com o mais velho e disse: “Filho, hoje você vai trabalhar na minha plantação de uvas.” 29 — Ele respondeu: “Eu não quero ir.” Mas depois mudou de ideia e foi. 30 — O pai foi e deu ao outro filho a mesma ordem. E este disse: “Sim, senhor.” Mas depois não foi.
  14. 14. “ ” Os dois filhos (Mt 21.28-32) 31 — Qual deles fez o que o pai queria? — perguntou Jesus. E eles responderam: — O filho mais velho. Então Jesus disse a eles: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: os cobradores de impostos e as prostitutas estão entrando no Reino de Deus antes de vocês. 32Pois João Batista veio para mostrar a vocês o caminho certo, e vocês não creram nele; mas os cobradores de impostos e as prostitutas creram. Porém, mesmo tendo visto isso, vocês não se arrependeram e não creram nele.
  15. 15. “ ” O credor incompassivo (Mt 18.21-35) 21Então Pedro chegou perto de Jesus e perguntou: — Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes? 22 — Não! — respondeu Jesus. — Você não deve perdoar sete vezes, mas setenta e sete vezes. 23Porque o Reino do Céu é como um rei que resolveu fazer um acerto de contas com os seus empregados. 24Logo no começo trouxeram um que lhe devia milhões de moedas de prata.
  16. 16. “ ” O credor incompassivo (Mt 18.21-35) 25Mas o empregado não tinha dinheiro para pagar. Então, para pagar a dívida, o seu patrão, o rei, ordenou que fossem vendidos como escravos o empregado, a sua esposa e os seus filhos e que fosse vendido também tudo o que ele possuía. 26Mas o empregado se ajoelhou diante do patrão e pediu: “Tenha paciência comigo, e eu pagarei tudo ao senhor.” 27 — O patrão teve pena dele, perdoou a dívida e deixou que ele fosse embora. 28O empregado saiu e encontrou um dos seus companheiros de trabalho que lhe devia cem moedas de prata. Ele pegou esse companheiro pelo pescoço e começou a sacudi- lo, dizendo: “Pague o que me deve!”
  17. 17. “ ” O credor incompassivo (Mt 18.21-35) 29 — Então o seu companheiro se ajoelhou e pediu: “Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei tudo.” 30 — Mas ele não concordou. Pelo contrário, mandou pôr o outro na cadeia até que pagasse a dívida. 31Quando os outros empregados viram o que havia acontecido, ficaram revoltados e foram contar tudo ao patrão. 32Aí o patrão chamou aquele empregado e disse: “Empregado miserável! Você me pediu, e por isso eu perdoei tudo o que você me devia. 33Portanto, você deveria ter pena do seu companheiro, como eu tive pena de você.”
  18. 18. “ ” O credor incompassivo (Mt 18.21-35) 34 — O patrão ficou com muita raiva e mandou o empregado para a cadeia a fim de ser castigado até que pagasse toda a dívida. 35E Jesus terminou, dizendo: — É isso o que o meu Pai, que está no céu, vai fazer com vocês se cada um não perdoar sinceramente o seu irmão.
  19. 19. “ ” O bom e o mau servo (Mt 24.45-51; Lc 12.35-48) 45Jesus disse ainda: — Sabemos que é o empregado fiel e inteligente que o patrão encarrega de tomar conta dos outros empregados, para dar a eles os mantimentos no tempo certo. 46Feliz aquele empregado que estiver fazendo isso quando o patrão chegar! 47Eu afirmo a vocês que isto é verdade: o patrão vai colocá-lo como encarregado de toda a sua propriedade. 48Mas, se o empregado for mau, pensará assim: “O meu patrão está demorando muito para voltar.”
  20. 20. “ ” O bom e o mau servo (Mt 24.45-51; Lc 12.35-48) 49Então começará a bater nos seus companheiros, e a comer, e a beber com os bêbados. 50E o patrão voltará no dia em que o empregado menos espera e na hora que ele não sabe. 51Aí o patrão mandará cortar o empregado em pedaços e o condenará a ir para o lugar aonde os hipócritas vão. Ali ele vai chorar e ranger os dentes de desespero.
  21. 21. “ ” O administrador desonesto (Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Lc 16.1-13) Parábola do feitor desonesto - Continuou Jesus a dizer aos seus discípulos: “Havia um homem rico, que tinha um feitor. Este foi acusado perante ele de lhe defraudar os haveres. Mandou-o, pois, chamar e lhe disse: Que é isto que ouço dizer de ti? Dá conta da tua administração, porque já não poderás ser meu feitor. Disse então consigo o feitor: Que farei? Pois que meu amo me tira a administração? Cavar a terra não posso, e de mendigar tenho vergonha. Sei o que vou fazer para que, quando for removido da administração, haja quem me receba em sua casa.
  22. 22. “ ” O administrador desonesto (Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Lc 16.1-13) Mandou, pois, chamar, um após o outro, os devedores de seu amo. E perguntou ao primeiro: Quanto deves a meu senhor? Cem jarros de azeite – respondeu ele. Toma os teus papéis – disse-lhe – senta-te aí depressa e escreve cinquenta. Perguntou a outro: E tu, quanto deves? Cem alqueires de trigo – respondeu ele. Toma os teus papéis – disse-lhe – e escreva oitenta.
  23. 23. “ ” O administrador desonesto (Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Lc 16.1-13) E o senhor reconheceu que o feitor desonesto procedera com tino. É que os filhos deste mundo são mais atilados, em sua própria geração, do que os filhos da luz. Também eu vos digo: granjeai-vos amigos com as riquezas vãs, para que, quando vierdes a falecer, vos recebam nos tabernáculos eternos.
  24. 24. “ ” O administrador desonesto (Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Lc 16.1-13) Quem é honesto nas coisas mínimas é honesto também no muito; e quem é desonesto em coisas mínimas é desonesto também no muito. Se não administrardes fielmente as riquezas vãs, quem vos confiará os bens verdadeiros? E, se não administrardes os bens alheios, quem vos entregará o que é vosso? Nenhum servo pode servir a dois senhores; ou terá ódio a um e amor a outro, ou aderirá a um e não fará caso do outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas”.
  25. 25. “ ” As dez virgens (Mt 25.1-13) 1Jesus disse: — Naquele dia o Reino do Céu será como dez moças que pegaram as suas lamparinas e saíram para se encontrar com o noivo . 2Cinco eram sem juízo, e cinco eram ajuizadas. 3As moças sem juízo pegaram as suas lamparinas, mas não levaram óleo de reserva. 4As ajuizadas levaram vasilhas com óleo para as suas lamparinas. 5Como o noivo estava demorando, as dez moças começaram a cochilar e pegaram no sono. 6 — À meia-noite se ouviu este grito: “O noivo está chegando! Venham se encontrar com ele!”
  26. 26. “ ” As dez virgens (Mt 25.1-13) 7 — Então as dez moças acordaram e acenderam as suas lamparinas. 8Aí as moças sem juízo disseram às outras: “Deem um pouco de óleo para nós, pois as nossas lamparinas estão se apagando.” 9 — “De jeito nenhum”, responderam as moças ajuizadas. “O óleo que nós temos não dá para nós e para vocês. Se vocês querem óleo, vão comprar!” 10 — Então as moças sem juízo saíram para comprar óleo, e, enquanto estavam fora, o noivo chegou. As cinco moças que estavam com as lamparinas prontas entraram com ele para a festa do casamento, e a porta foi trancada.
  27. 27. “ ” As dez virgens (Mt 25.1-13) 11 — Mais tarde as outras chegaram e começaram a gritar: “Senhor, senhor, nos deixe entrar!” 12 — O noivo respondeu: “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: eu não sei quem são vocês!” 13E Jesus terminou, dizendo: — Portanto, fiquem vigiando porque vocês não sabem qual será o dia e a hora.
  28. 28. “ ” O homem previdente (Lc 14.25-35) 25Certa vez uma grande multidão estava acompanhando Jesus. Ele virou-se para eles e disse: 26 — Quem quiser me acompanhar não pode ser meu seguidor se não me amar mais do que ama o seu pai, a sua mãe, a sua esposa, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a si mesmo. 27Não pode ser meu seguidor quem não estiver pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhar. 28Se um de vocês quer construir uma torre , primeiro senta e calcula quanto vai custar, para ver se o dinheiro dá.
  29. 29. “ ” O homem previdente (Lc 14.25-35) 29Se não fizer isso, ele consegue colocar os alicerces, mas não pode terminar a construção. Aí todos os que virem o que aconteceu vão caçoar dele, dizendo: 30“Este homem começou a construir, mas não pôde terminar!” 31 — Se um rei que tem dez mil soldados vai partir para combater outro que vem contra ele com vinte mil, ele senta primeiro e vê se está bastante forte para enfrentar o outro. 32Se não fizer isso, acabará precisando mandar mensageiros ao outro rei, enquanto este ainda estiver longe, para combinar condições de paz.
  30. 30. “ ” O homem previdente (Lc 14.25-35) Jesus terminou, dizendo: 33 — Assim nenhum de vocês pode ser meu discípulo se não deixar tudo o que tem. Sal sem gosto Mateus 5.13; Marcos 9.50 34 — O sal é uma coisa útil; mas, se perde o gosto, deixa de ser sal. 35É jogado fora, pois não serve mais nem para a terra nem para o monte de esterco. Se vocês têm ouvidos para ouvirem, então ouçam.
  31. 31. “ ” O reino dos céus (Mt 13.44-53) O tesouro escondido 44 — O Reino do Céu é como um tesouro escondido num campo, que certo homem acha e esconde de novo. Fica tão feliz, que vende tudo o que tem, e depois volta, e compra o campo. 45 — O Reino do Céu é também como um comerciante que anda procurando pérolas finas. 46Quando encontra uma pérola que é mesmo de grande valor, ele vai, vende tudo o que tem e compra a pérola.
  32. 32. “ ” O reino dos céus (Mt 13.44-53) A rede 47 — O Reino do Céu é ainda como uma rede que é jogada no lago. Ela apanha peixes de todos os tipos. 48E, quando está cheia, os pescadores a arrastam para a praia e sentam para separar os peixes: os que prestam são postos dentro dos cestos, e os que não prestam são jogados fora. 49No fim dos tempos também será assim: os anjos sairão, e separarão as pessoas más das boas, 50e jogarão as pessoas más na fornalha de fogo. E ali elas vão chorar e ranger os dentes de desespero.
  33. 33. “ ” O reino dos céus (Mt 13.44-52) Verdades novas e verdades velhas 51Então Jesus perguntou aos discípulos: — Vocês entenderam essas coisas? — Sim! — responderam eles. 52Jesus disse: — Pois isso quer dizer que todo mestre da Lei que se torna discípulo no Reino do Céu é como um pai de família que tira do seu depósito coisas novas e coisas velhas.
  34. 34. “ ” A candeia (Mc 4.21-25; Lc 8.16-18) 21 Jesus continuou: — Por acaso alguém acende uma lamparina para colocá-la debaixo de um cesto ou de uma cama? Claro que não! Para iluminar bem, ela deve ser colocada no lugar próprio. 22Pois tudo o que está escondido será descoberto, e tudo o que está em segredo será conhecido. 23Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam.
  35. 35. “ ” A candeia (Mc 4.21-25; Lc 8.16-18) 24Disse também: — Cuidado com o que vocês ouvem! Deus usará para julgar vocês a mesma regra que vocês usarem para julgar os outros. E com mais dureza ainda! 25Quem tem receberá mais; mas quem não tem, até o pouco que tem será tirado dele.
  36. 36. “ ” A dracma perdida (Lc 15.8-10) 8 Jesus continuou: — Se uma mulher que tem dez moedas de prata perder uma, vai procurá-la, não é? Ela acende uma lamparina, varre a casa e procura com muito cuidado até achá-la. 9E, quando a encontra, convida as amigas e vizinhas e diz: “Alegrem-se comigo porque achei a minha moeda perdida.” 10 — Pois eu digo a vocês que assim também os anjos de Deus se alegrarão por causa de um pecador que se arrepende dos seus pecados.
  37. 37. Reflexão...
  38. 38. Cabe a cada Ser estudar, interpretar e divulgar as palavras do Cristo, mas principalmente, aprender como vivenciá-las.
  39. 39. Obrigado! Daniel de Melo www.espirito.online/avaliar
  40. 40. Bibliografia • O Redentor, Edgard Armond - Aliança, 2010. • Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Martin Claret, 2016. • Obra Completa, Allan Kardec - eBook Kindle - dC, 2015. • Parábolas Evangélicas, Rodolfo Calligaris - FEB, 2014. • O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Mateus - FEB, 2015. • O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Lucas - FEB, 2015. • Bíblia Sagrada (NTLH), acessível em: https://www.bible.com/pt/bible/. Ilustrações diversas do Google Imagens, acessível em: http://www.google.com/imghp?hl=pt-BR / Agradecimentos: Amigos de Chico

×