Letramento e surdez um novo olhar sobre as práticas educacionais baseadas no bilinguismo

1,677 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,677
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
25
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Letramento e surdez um novo olhar sobre as práticas educacionais baseadas no bilinguismo

  1. 1. Letramento e Surdez: Um novo olhar sobre as práticas educacionais baseadas no bilinguismo1 Valeria de Oliveira Silva2 Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ Mestranda Prof.valeria_libras-braille@hotmail.comEixo Temático: Práticas de Educação Inclusiva com surdosResumoA acessibilidade que antecede os conceitos de inclusão não é identificada pelo surdo seele não tem seus direitos lingüísticos respeitados. Tendo em vista que a LínguaPortuguesa é a língua de instrução privilegiada nas escolas, embora muitas instituiçõesde ensino regular ofereçam educação com bilinguismo para surdos e atendimentoeducacional especializado, em geral, acabam levando este indivíduo ao analfabetismofuncional. Partindo dos instrumentos legais que garantem o uso da Língua Brasileira deSinais - LIBRAS3 como língua de instrução para o surdo, esta pesquisa buscouevidências teóricas que contribuam para a mudança do cenário de exclusão aindapresente na educação de surdos. Apesar de alguns autores sinalizarem que a educaçãodo surdo deve priorizar a Língua Portuguesa e que a LIBRAS é um detalhe no seucotidiano social, Lacerda (2006), Goldfeld (2002), Quadro (1997), ratificam aimportância da LIBRAS para o desenvolvimento dos processos cognitivos e deformação de conceitos do surdo. Neste contexto em que, ainda, prevalecem ideiasdivergentes entre profissionais que tentam fazer do surdo um quase ouvinte e quemrespeita sua identidade linguística, destacamos o conceito de letramento que corrobora aimportância da LIBRAS como língua de instrução para o aprendizado, inclusive, doPortuguês instrumental.Palavras-chaves: Educação de Surdos; Letramento e Surdez; Minoria Lingüística.1 Este trabalho é resultante da pesquisa realizada no curso de Pós-Graduação “Surdez e Letramento emAnos Iniciais para Crianças e EJA” – MEC-I_ES / FAETEC-ISERJ2 Mestranda em Educação – ProPEd/UERJ, Espec. Linguística Aplicada à Surdez - UERJ e em Surdez eLetramento - INES/MEC, Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura – UERJ. ProfessorAuxiliar - UNIMSB. Coordenadora Pedagógica do Programa Rompendo Barreiras: Luta pela InclusãoFACEDU/UERJ, http://uerjrompendobarreiras.blogspot.com/ - http://lattes.cnpq.br/50350487695493863 Língua Nacional do Brasil, lei 10.436/2002.
  2. 2. ReferênciasBRASIL. Decreto legislativo n° 186/2.008 - Convenção sobre os Direitos das Pessoascom Deficiência e o seu Protocolo Facultativo - de nove julho de 2008.______. MEC. Pró Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dosAnos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Alfabetização e Linguagem. Ed. ver. eampl. Incluindo SAEB/Prova Brasil matriz de referência / Secretaria de EducaçãoBásica - Brasília: MEC/SEB, 2007.______. Decreto 5626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 daLei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.GOLDFELD, M. A criança Surda: Linguagem e cognição – numa perspectivasóciointeracionista. 2ª ed. São Paulo: Plexus, 2002.LACERDA, Cristina B. F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educaçãodos surdos. Disponível em e acessado em 14/08/210http://www.sj.cefetsc.edu.br/~nepes/docs/midiateca_artigos/historia_educacao_surdos/texto29.pdf.QUADROS, R. M. de. Políticas lingüísticas e educação de surdos In: V CongressoInternacional e XI Seminário Nacional do INES, 2006, Rio de Janeiro. Anais doCongresso: Surdez, família, linguagem e educação. Rio de Janeiro: INES, 2007.v.1.p.94 – 102.

×