Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Crítica literária

3,245 views

Published on

Published in: Education, Business, Technology

Crítica literária

  1. 1. Crítica literária: origens Profa. Maria Eneida Matos da Rosa
  2. 2. Termo e conceito de crítica literária <ul><li>A palavra “crítica” é tão largamente usada em tantos contextos – desde o mais familiar até o mais abstrato, desde a crítica de uma palavra ou de uma ação até a crítica política, social, histórica, musical, artística, filosófica, bíblica – que devemos limitar-nos à crítica literária (WELLECK, 1073: 29); </li></ul>
  3. 3. Segundo Massaud Moisés, <ul><li>“ Sendo posterior às obras criadas a crítica surgiu tempos depois que se elaboraram, na Grécia, os primeiros poemas e peças de teatro. Inicialmente, o termo se vinculava à Lógica, mas já no século IV a.C a crítica estética era pratica entre os gregos, mas sem a menção do nome, porquanto a palavra “crítico” apenas se usava na acepção de “censor literário”, vizinha de “gramático” (p. 113). </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Em grego, krités, significa “juiz”, krinein , “julgar”. O termo kritikós , como “juiz de literatura”, já aparece em fins do século quarto antes de Cristo (WELLECK, 1973: 30). </li></ul><ul><li>Galeno no segundo século depois de Cristo, escreveu um tratado, hoje perdido, a respeito da questão de poder alguém ser kritikós e, ao mesmo tempo, gramatikós. </li></ul><ul><li>Retóricos como Quintiliano e filósofos como Aristóteles cultivavam o que em vernáculo seria hoje chamado de crítica literária. </li></ul>
  5. 5. Na Idade Média e no Renascimento <ul><li>A palavra aparece muitas vezes ligada como termo de Medicina, no sentido de “crise” e doença “crítica”; </li></ul><ul><li>Já no Renascimento, a palavra foi novamente usada no seu antigo significado; </li></ul>
  6. 6. Renascimento <ul><li>Julius Cesar Scaliger (1484-1558) parece ser a principal fonte da nova concepção de crítica naquela época. Na sua obra póstuma Poética (1561), todo o sexto livro, intitulado “Crítico”, é dedicado a uma vista geral de poetas gregos e romanos, comparando-os, aferindo-lhes valor, classificando-os”(WELLECK, 1973: 31). </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Importante chamar atenção para o fato de que a penetração do termo neolatino nas línguas vernáculas foi bem mais lenta do que se supõe; </li></ul><ul><li>Welleck (1973) assevera que a expansão do termo, com o sentido tanto de sistema total da teoria literária como do que chamaríamos crítica prática, só ocorreu no século XVII; </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Livros modernos que têm como título “Crítica literária na Renascença” estão intitulados erroneamente uma vez que o século XVI discutiu essas questões sob o nome de poética e retórica. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>“ O termo “kritik”, “kritisch” surgiu na Alemanha vindo da França nos começos do século XVIII. Destacam-se nomes como August W. Schlegel e Adam Müller; </li></ul><ul><li>Mas na Alemanha algo aconteceu que baniu o termo e o conceito e restringiu tanto seu sentido a ponto de ele vir a significar apenas a resenha cotidiana, a opinião literária arbitrária (WELLECK, 1973: 36). </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Nos países de língua inglesa, o predomínio da palavra “crítica” foi reconfirmado por livros como Principles et Literary Criticism (1924) de I.A.Richards, pela voga da expressão “A Nova Crítica”; </li></ul><ul><li>A crítica tornou-se algo como uma visão total do mundo ou mesmo um sistema de filosofia. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Welleck fala acerca da confusão estabelecida em relação ao uso do termo “crítica” ao longo do tempo, bem como a diferença metodológica estabelecida em vários países. Mas, para ele, “crítica literária”, trata-se do estudo de obras concretas de literatura com ênfase na avaliação das mesmas. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Ele acredita ainda que se deve conservar a distinção entre teoria, relativa aos princípios, categorias, modelos, etc,, e crítica, como discussão de obras concretas de literatura. </li></ul>
  13. 13. Referências bibliográficas <ul><li>MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários . São Paulo: Cultrix, 1984. </li></ul><ul><li>WELLECK, René. Conceitos de crítica. São Paulo: Cultrix, 1973. </li></ul>

×