Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Biblioteca básico

271 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Biblioteca básico

  1. 1. 2 1 3 4 5 6 7 Para ler qualquer um dos livros na biblioteca basta dar um click na estante. 8
  2. 2. Regressar “Toda substância é um veneno. Não há nenhuma que não seja. A dose certa diferencia um veneno de um remédio”. Paracelsus TOXICOLOGIA É a ciência que estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações de substâncias químicas com o organismo. É o estudo dos agentes tóxicos, que em determinadas condições de exposição, produzem um efeito nocivo. Áreas de atuação  Medicamentos  Alimentos  Social  Ocupacional  Ambiental FASES DA INTOXICAÇÃO Podemos dividir as fases em que ocorre a intoxicação em quatro níveis (ver anexo1) exposição - via de introdução, dose/concentração, propriedades físico-químicas, tempo e frequência toxicocinética - absorção, distribuição, biotransformação, armazenamento e eliminação toxicodinâmica - mecanismo de ação tóxica (dano biológico) clínica - sinais e sintomas. A partir daí são determinados os limites de tolerância no ambiente e limites de tolerância biológicos
  3. 3. Regressar dar, servir e ser solidário, cresce e enobrece teu ser interior, te convertendo em uma pessoa melhor, mais feliz e com maiores possibilidades de viver uma vida de melhor qualidade. Tua capacidade de servir aos demais está na direta proporção da grandeza do teu coração e a nobreza de teus sentimentos e a intensidade com que te esforças em compartir... Regressar PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIAM A TOXICIDADE DE UM AGENTE QUÍMICO 1.Vias de administração (temos que associar com a dose) 2. Duração da exposição (tempo) 3. Frequência da exposição Vias de administração Dependendo da via de introdução utilizada, a velocidade e intensidade do efeito nocivo serão alteradas. Um exemplo comum desta modificação pode ser ilustrado através da introdução da cocaína no organismo. Considerando-se uma mesma dose e diversas vias de administração da cocaína, verifica-se que a droga quando introduzida por via oral, demora cerca de 1 h para o início da manifestação dos efeitos, enquanto que por via injetável o intervalo de tempo para manifestação dos sintomas é de 30 seg aproximadamente. Assim como ocorre uma variação no tempo que é necessário para que a droga possa agir, também é importante frisar que a intensidade do efeito se altera de acordo com a via de administração escolhida, devido à maior rapidez de ação e à maior quantidade de substância absorvida.
  4. 4. Regressar Vias de administração Dependendo da via de introdução utilizada, a velocidade e intensidade do efeito nocivo serão alteradas. Um exemplo comum desta modificação pode ser ilustrado através da introdução da cocaína no organismo. Considerando-se uma mesma dose e diversas vias de administração da cocaína, verifica-se que a droga quando introduzida por via oral, demora cerca de 1 h para o início da manifestação dos efeitos, enquanto que por via injetável o intervalo de tempo para manifestação dos sintomas é de 30 seg aproximadamente. Assim como ocorre uma variação no tempo que é necessário para que a droga possa agir, também é importante frisar que a intensidade do efeito se altera de acordo com a via de administração escolhida, devido à maior rapidez de ação e à maior quantidade de substância absorvida.
  5. 5. Regressar Duração e frequência da exposição Exposição AGUDA - aquela em que o organismo sob estudo é exposto ao agente químico numa determinada concentração, num período igual ou menor que 24 h. Exposição SUB-AGUDA - exposição repetida durante um período de um mês ou menos. Exposição SUB-CRONICA - exposição repetida durante 1 a 3 meses. Exposição CRÔNICA - exposição repetida por mais de três meses. Essas divisões foram feitas por toxicólogos para estudos de toxicidade em animais de laboratório e é claro que para esses estudos a dose é necessariamente diferente. No homem podemos classificar a intoxicação em AGUDA e CRÔNICA. Frente a esta abordagem podemos perceber que qualquer substância química poderá exercer um efeito nocivo dependendo das condições de exposição e de outras variáveis já expostas. Esta análise é de fundamental importância no entendimento sobre o que é o uso abusivo de drogas, visto que o caráter forense e social restringem o enfoque sobre a finalidade do estudo.
  6. 6. Regressar “Toda substância é um veneno. Não há nenhuma que não seja. A dose certa diferencia um veneno de um remédio”. Paracelsus TOXICOLOGIA É a ciência que estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações de substâncias químicas com o organismo. É o estudo dos agentes tóxicos, que em determinadas condições de exposição, produzem um efeito nocivo. Áreas de atuação  Medicamentos  Alimentos  Social  Ocupacional  Ambiental FASES DA INTOXICAÇÃO Podemos dividir as fases em que ocorre a intoxicação em quatro níveis (ver anexo1) exposição - via de introdução, dose/concentração, propriedades físico-químicas, tempo e frequência toxicocinética - absorção, distribuição, biotransformação, armazenamento e eliminação toxicodinâmica - mecanismo de ação tóxica (dano biológico) clínica - sinais e sintomas. A partir daí são determinados os limites de tolerância no ambiente e limites de tolerância biológicos
  7. 7. Regressar Vias de administração Dependendo da via de introdução utilizada, a velocidade e intensidade do efeito nocivo serão alteradas. Um exemplo comum desta modificação pode ser ilustrado através da introdução da cocaína no organismo. Considerando-se uma mesma dose e diversas vias de administração da cocaína, verifica-se que a droga quando introduzida por via oral, demora cerca de 1 h para o início da manifestação dos efeitos, enquanto que por via injetável o intervalo de tempo para manifestação dos sintomas é de 30 seg aproximadamente. Assim como ocorre uma variação no tempo que é necessário para que a droga possa agir, também é importante frisar que a intensidade do efeito se altera de acordo com a via de administração escolhida, devido à maior rapidez de ação e à maior quantidade de substância absorvida.
  8. 8. Regressar Duração e frequência da exposição Exposição AGUDA - aquela em que o organismo sob estudo é exposto ao agente químico numa determinada concentração, num período igual ou menor que 24 h. Exposição SUB-AGUDA - exposição repetida durante um período de um mês ou menos. Exposição SUB-CRONICA - exposição repetida durante 1 a 3 meses. Exposição CRÔNICA - exposição repetida por mais de três meses. Essas divisões foram feitas por toxicólogos para estudos de toxicidade em animais de laboratório e é claro que para esses estudos a dose é necessariamente diferente. No homem podemos classificar a intoxicação em AGUDA e CRÔNICA. Frente a esta abordagem podemos perceber que qualquer substância química poderá exercer um efeito nocivo dependendo das condições de exposição e de outras variáveis já expostas. Esta análise é de fundamental importância no entendimento sobre o que é o uso abusivo de drogas, visto que o caráter forense e social restringem o enfoque sobre a finalidade do estudo.
  9. 9. Regressar “Toda substância é um veneno. Não há nenhuma que não seja. A dose certa diferencia um veneno de um remédio”. Paracelsus TOXICOLOGIA É a ciência que estuda os efeitos nocivos decorrentes das interações de substâncias químicas com o organismo. É o estudo dos agentes tóxicos, que em determinadas condições de exposição, produzem um efeito nocivo. Áreas de atuação  Medicamentos  Alimentos  Social  Ocupacional  Ambiental FASES DA INTOXICAÇÃO Podemos dividir as fases em que ocorre a intoxicação em quatro níveis (ver anexo1) exposição - via de introdução, dose/concentração, propriedades físico-químicas, tempo e frequência toxicocinética - absorção, distribuição, biotransformação, armazenamento e eliminação toxicodinâmica - mecanismo de ação tóxica (dano biológico) clínica - sinais e sintomas. A partir daí são determinados os limites de tolerância no ambiente e limites de tolerância biológicos

×