Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Exposição 02 redes de atenção a saúde

2,981 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Exposição 02 redes de atenção a saúde

  1. 1. REDES DEATENÇÃO À SAÚDECoordenação de Urgência e EmergênciaSecretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais
  2. 2. Exposição Dialogada IIAS CONDIÇÕES DE SAÚDE
  3. 3. A TIPOLOGIA TRADICIONAL DEDOENÇAS Doenças transmissíveis Doenças não transmissíveis(Mendes, 2009)
  4. 4. O CONCEITO DE CONDIÇÃO DESAÚDEAs condições de saúde são as circunstâncias nasaúde das pessoas que se apresentam deforma mais ou menos persistente e queexigem respostas sociais reativas ou proativas,eventuais ou contínuas e fragmentadas ouintegradas dos sistemas de atenção à saúde.FONTE: PORTER E TEISBERG (2007); MENDES(2009FONTE: PORTER E TEISBERG (2007); MENDES (2009)FONTE: PORTER E TEISBERG (2007); MENDES (2009)
  5. 5. UMA NOVA TIPOLOGIA PARA A ORGANIZAÇÃODOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE As condições agudas As condições crônicas Os eventos agudos
  6. 6. AS FUNDAMENTAÇÕES DA TIPOLOGIA DECONDIÇÕES DE SAÚDE O FOCO:Condições de saúde e doenças O TEMPO DE DURAÇÃO:Breve ou longo A FORMA DE RESPOSTA DO SISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE:Episódica e reativa ou contínua e proativa O CENTRO DA ATENÇÃO À SAÚDE:A queixa principal ou o plano de cuidado O GRAU DE PREVISIBILIDADE:Atenção não programada ou atenção programada O MODO DE ESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE:Fragmentação ou integraçãoFONTE: MENDES (2009)
  7. 7. AS DIFERENÇAS ENTRE AS CONDIÇÕESAGUDAS E CRÔNICASVARIÁVEL CONDIÇÃO AGUDA CONDIÇÃO CRÔNICAINÍCIO  Rápido  GradualCAUSA  Usualmente única  Usualmente múltiplas causasDURAÇÃO  Curta  IndefinidaDIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO  Comumente acurados  Usualmente incertosTESTES DIAGNÓSTICOS  Frequentemente decisivos Freqüentemente de valorlimitadoRESULTADO  Em geral, cura  Em geral, cuidado sem curaPAPEL DOS PROFISSIONAIS Selecionar e prescrever otratamento Educar e fazer parceria comas pessoas usuáriasNATUREZA DAS INTERVENÇÕES Centrada no cuidadoprofissional Centrada no cuidadomultiprofissional e noautocuidadoCONHECIMENTO E AÇÃOCLÍNICA Concetrados no profissionalmédico Compartilhados pela equipemultiprofissional e as pessoasusuáriasPAPEL DA PESSOA USUÁRIA  Seguir as prescrições Co-responsabilizar-se por suasaúde em parceria com aequipe de saúdeSISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE  Reativo e fragmentado  Proativo e integrado
  8. 8. AS CONDIÇÕES AGUDASAs condições agudas, em geral, são manifestaçõesde doenças transmissíveis de curso curto, comodengue e gripe, ou de doenças infecciosas,também de curso curto, como apendicite, ou decausas externas, como os traumas
  9. 9. AS CONDIÇÕES CRÔNICAS As doenças crônicas: doenças cardiovasculares, cânceres, diabetes,doenças respiratórias crônicas e outras As doenças transmissíveis de curso longo: hanseníase, tuberculose,hiv/aids As condições maternas e perinatais A manutenção da saúde por ciclos de vida : puericultura, herbicultura,acompanhamento das pessoas idosas Os distúrbios mentais de longo prazo As deficiências físicas e estruturais contínuas: amputações e deficiênciasmotoras persistentes As doenças bucais ( MENDES, 2009)
  10. 10. OS EVENTOS AGUDOS São manifestações exuberantes, de ordem objetiva ou subjetiva, de umacondição de saúde. As condições agudas manifestam-se, em geral, por eventos agudos. As condições crônicas, em certas circunstâncias, podem se manifestar soba forma de eventos agudos: as agudizações das condições crônicas.FONTE: MENDES (2009)( Mendes, 2009)
  11. 11. OS EVENTOS AGUDOS NO REINO UNIDO 30% decorrentes de condições agudas 70% decorrentes de agudizações de condiçõescrônicasFONTE: SINGH (2005
  12. 12. OS EVENTOS AGUDOS DECORRENTES DECONDIÇÕES CRÔNICAS NA KAISER PERMANENTE As agudizações de condições crônicas, em geral, sãoconsideradas como eventos sentinelas que apontam parafalhas sistêmicas da atenção à saúde Como tal, devem ser analisadas e devem gerar medidas decorreção no sistema de atenção à saúde, especialmente naatenção primária à saúde As taxas de internações por agudizações de condiçõescrônicas são 1/3 na Kaiser Permanente em relação ao ServiçoNacional de Saúde do Reino UnidoFONTE: HAM(2007); PORTER & KELLOGG (2008)
  13. 13. AS CONDIÇÕES CRÔNICAS NA ATENÇÃOPRIMÁRIA À SAÚDE NO REINO UNIDO• 80% dos atendimentos na Atenção Primária àSaúde são por condições crônicasFONTE: SINGH (2005); SINGH 7 HAM (2006)
  14. 14. AS FORMAS DE RESPOSTAS DOS SISTEMAS DEATENÇÃO À SAÚDE ÀS CONDIÇÕES DE SAÚDE As condições e eventos agudos:• A REDE DE ATENÇÃO EM URGÊNCIA EEMERGÊNCIA As condições crônicas:• As REDES DE ATENÇÃO às CONDIÇÕESCRÔNICASFONTE: MENDES (2009)
  15. 15. A SITUAÇÃO DE SAÚDE NO BRASIL
  16. 16. A ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDENO BRASIL A transição demográfica A mortalidade A morbidade Os fatores de risco A carga de doenças
  17. 17. FONTE: IBGE (2004)A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA9% da população idosa BRASIL2005 a 203015% da população idosa20 MILHÕES MAIS DE 40 MILHÕES1980 1990 20002005 2010 2020 2030
  18. 18. 10,020,030,040,050,060,070,080,090,0Minas Gerais - Proporção de pessoas que declararamter doença crônica por sexo e grupo de idade, 200328,9414,94 14,1910,7822,0341,2062, 1112,40 11,3613,1530,0354,4875,0583,8274,7937,070,0Total 0 a 4 5 a 13 14 a 19 20 a 39 40 a 49 50 a 64 65 ou maisGRUPO DE IDADE (em anos)HomensMulheres%FONTE: PNAD/IBGE (2003)
  19. 19. CAUSA DE INTERNAÇÃO %Parto Normal 13,5Pneumonia 6,9Parto Cesáreo 4,9Enteroinfecção 3,1Insuficiência cardíaca 2,9Curetagem pós-aborto 2,1Doença pulmonar obstrutiva crônica 1,5Acidente vascular-cerebral 1,5Crise asmática 1,5Hernorrafia inguinal 1,3Crise hipertensiva 1,3Pielonefrite 1,2Diabetes 1,0AS PRINCIPAIS CAUSAS DE INTERNAÇÕES NO SUS EMVALORES PORCENTUAIS, BRASIL, 2005.FONTE: MENDES (2009)
  20. 20. FATOR DE RISCO %Tabagismo 18,8Excesso de peso 44,3Consumo inadequado de frutas e hortaliças 56,9Atividade física insuficiente 89,5Consumo abusivo de álcool 12,0Hipertensão arterial 21,4PORCENTUAL DE ADULTOS COM FATORES DE RISCO NOMUNICÍPIO DE SÃO PAULOVIGITEL - 2006FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2007)
  21. 21. CARGA DE DOENÇAS EM ANOS DE VIDA PERDIDOSAJUSTADOS POR INCAPACIDADE (AVAI´S),BRASIL, 1998DOENÇA OU CONDIÇÃOAVAI´s POR MILHABITANTES%Infecciosas, parasitárias e desnutrição 34 14,8Causas externas 19 10,2Condições maternas e perinatais 21 8,8Doenças não transmissíveis 124 66,2TOTAL 232 100FONTE: SCHRAMM et alii (2004)
  22. 22. TAXA DE YLL POR MACRORREGIÃO DESAÚDE E POR GRUPO DE CAUSAMINAS GERAIS, 2004 - 2006
  23. 23. A TRIPLA CARGA DE DOENÇAS Uma agenda não concluída de infecções, desnutrição eproblemas de saúde reprodutiva O desafio das doenças crônicas e de seus fatores de risco,como tabagismo, sobrepeso, inatividade física, uso excessivode álcool e outras drogas e alimentação inadequada O forte crescimento da violência e das causas externasFONTE: FRENK (2006)
  24. 24. TIPO DE GASTO VALOR EM R$ %Gasto ambulatorial 3.824.175.399 35,0Gasto hospitalar 3.738.515.448 34,2Gasto total com doenças crônicas 7.562.690.848 69,2Gasto total hospitalar e ambulatorial 10.938.741.553 100,0ESTIMATIVA DE GASTOS HOSPITALARES EAMBULATORIAIS DO SUS COM DOENÇAS CRÔNICAS ,2002FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2005)
  25. 25. A EPIDEMIA OCULTA:POR QUÊ?
  26. 26. UMA QUESTÃOA forma vigente de organização dos SUS dá conta deresponder com efetividade, eficiência e equidade à situaçãode saúde brasileira de tripla carga de doença?
  27. 27. OS SISTEMAS DEATENÇÃO À SAÚDE
  28. 28. AS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DOS SISTEMAS DEATENÇÃO À SAÚDE Os sistemas fragmentados de atenção à saúde As redes de atenção à saúdeFONTE: MENDES (2009)
  29. 29. O PRINCIPAL PROBLEMA DO SUSFONTE: MENDES (2009) A incoerência entre uma situação de saúde de tripla carga dedoenças, com predominância relativa das condições crônicas,e um sistema fragmentado de saúde, voltado principalmentepara as condições agudas.
  30. 30. O CONCEITO DESISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDEFONTE: WORLD HEALTH ORGANIZATION (2000); MENDES (2002)Os Sistemas de Atenção à Saúde são respostas sociais,organizadas deliberadamente, para responder às necessidadesde saúde das populações, em determinada sociedade e em certotempo.
  31. 31. OS OBJETIVOS DOSSISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDEFONTES: WORLD HEALTH ORGANIZATION (2000); INSTITUTE OF MEDICINE (2001) O alcance de um nível ótimo de saúde, distribuído de formaequitativa. A garantia de uma proteção adequada dos riscos para todosos cidadãos. O acolhimento humanizado de todos os cidadãos. A garantia da provisão de serviços efetivos, oportunos e dequalidade. A garantia da prestação de serviços com eficiência.
  32. 32. SEPARAÇÃO DE FUNÇÕESPRIVATIZAÇÃONOVOS ARRANJOS ORGANIZATIVOSDESCENTRALIZAÇÃONOVOS MODELOS DE FINANCIAMENTOAS REFORMAS DO SETOR SAÚDE NOS ANOS 90FONTE: CERCONE (2007)
  33. 33. POR QUE O FRACASSO?FONTES: CERCONE (2008); MENDES (2009)Porque essas reformas não geraram valor para as pessoasque utilizam os sistemas de atenção à saúde.
  34. 34. SISTEMA FRAGMENTADO DE ATENÇÃOÀ SAÚDE Organizado por componentes isolados Organizado por níveis hierárquicos Orientado para a atenção a condições agudas Voltado para indivíduos O sujeito é o paciente Reativo Ênfase nas ações curativas Cuidado profissional Planejamento da oferta Financiamento por procedimentos
  35. 35. A FRAGMENTAÇÃO NO SUS A pequena diversidade dos pontos de atençãoà saúde. A precariedade da função de coordenação daAtenção Primária à Saúde comunicando osdiferentes pontos de atenção à saúde. A atenção isolada nos pontos de atenção semvisão sistêmica, gerando pouco valor para osusuários em termos de uma condição desaúde.
  36. 36. A CONCEPÇÃOHIERÁRQUICA DO SUSALTACOMPLEXIDADEMÉDIACOMPLEXIDADEATENÇÃOBÁSICA
  37. 37. O SISTEMA FRAGMENTADO DEATENÇÃO À SAÚDE A lógica da atenção às condições agudas Sistema hospitalocêntrico ou agudocêntrico?
  38. 38. A LÓGICA DA ATENÇÃO ÀSCONDIÇÕES AGUDASTEMPOFONTE: ADAPTADO DE EDWARDS,HENSHER & WERNEKE ( 1999)ATENÇÃOHOSPITALARATENÇÃOAMBULATORIALDE PRONTOATENDIMENTOATENÇÃOPRIMÁRIAABINTERNAÇÃO HOSPITALARSEVERIDADE DADOENÇAUPA AMBULATORIAL
  39. 39. OS RESULTADOS DO SISTEMAFRAGMENTADO DE ATENÇÃO À SAÚDENO DIABETES NOS ESTADOS UNIDOS O gasto com diabetes supera 100 bilhões de dólares por ano. O manejo inadequado do diabetes leva a 145 mil mortesprematuras por ano e a 1 milhão de incapacitados totais. 58% dos portadores de diabetes desenvolvem doençascardiovasculares. 35% dos portadores de diabetes desenvolvem nefropatias O diabetes é a 1ª causa de amputação
  40. 40. • O restabelecimento da coerência entre asituação de saúde e um sistema integrado desaúde, voltado equilibradamente, para aatenção às condições agudas e crônicas, o queexige a implantação das Redes de Atenção àSaúde.A SOLUÇÃO DO PRINCIPAL PROBLEMA DO SUS
  41. 41. DOS SISTEMAS FRAGMENTADOS PARA ASREDES DE ATENÇÃO À SAÚDESISTEMA FRAGMENTADOE HIERARQUIZADOREDES POLIÁRQUICASDE ATENÇÃO À SAÚDEAPSACAPSMC
  42. 42. O CONCEITO DE REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE• As Redes de Atenção à Saúde são organizaçõespoliárquicas de conjuntos de serviços de saúde,vinculados entre si por uma missão única, por objetivoscomuns e por uma ação cooperativa e interdependente,que permite ofertar uma atenção contínua e integral adeterminada população, coordenada pela atençãoprimária à saúde - prestada no tempo certo, no lugarcerto, com o custo certo, com a qualidade certa e deforma humanizada -, e com responsabilidades sanitária eeconômica por esta população.
  43. 43.  Missão e objetivos comuns Ação cooperativa e interdependente Responsável por uma população definida Articulada em territórios sanitários Organizada de forma poliárquica Organizada por um contínuo de atenção: primária, secundária e terciária Organizada de forma integral: ações de promoção da saúde e deprevenção, cura, cuidado, reabilitação ou paliação das doenças Coordenada pela Atenção Primária à Saúde Orientada para a atenção às condições agudas e crônicas Focada no ciclo completo da atenção a uma condição de saúdeAS CARACTERÍSTICAS DAS REDES DEATENÇÃO À SAÚDE
  44. 44. AS DIFERENÇAS ENTRE OS SISTEMASFRAGMENTADOS E AS REDES DE ATENÇÃO ÀSAÚDESISTEMA FRAGMENTADO REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE Organizado por componentes isolados  Organizado por um contínuo de atenção Organizado por níveis hierárquicos  Organizado por uma rede poliárquica Orientado para a atenção a condiçõesagudas Orientado para a atenção a condiçõescrônicas e agudas Voltado para indivíduos  Voltado para uma população O sujeito é o paciente  O sujeito é agente de saúde Reativo  Proativo Ênfase nas ações curativas  Atenção Integral Cuidado profissional  Cuidado multiprofissional Planejamento da oferta  Planejamento da demanda Financiamento por procedimentos  Financiamento por capitação
  45. 45. OS ELEMENTOS DASREDE DE ATENÇÃO À SAÚDE UMA POPULAÇÃO:A população adscrita à rede de atenção à saúde UMA ESTRUTURA OPERACIONAL:Os componentes da rede de atenção à saúde UM MODELO LÓGICO:O modelo de atenção à saúde
  46. 46. A ESTRUTURA OPERACIONAL DASREDES DE ATENÇÃO À SAÚDE A Atenção Primária à Saúde Os Pontos de Atenção Secundária e Terciária Os Sistemas de Apoio Os Sistemas Logísticos O Sistema de Governança
  47. 47. A ESTRUTURA OPERACIONAL DASREDES DE ATENÇÃO À SAÚDETRANSPORTE EMSAÚDEINFORMAÇÃO EMSAÚDEASSISTÊNCIAFARMACÊUTICAAPOIODIAGNÓSTICOCARTÃO DEIDENTIFICAÇÃODO USUÁRIOPRONTUÁRIOCLÍNICOACESSOREGULADORT 2RT 1 RT nRT 3ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDEPONTOSDEATENÇÃOÀSAÚDESECUNDÁRIOSETERCIÁRIOSPONTOSDEATENÇÃOÀSAÚDESECUNDÁRIOSETERCIÁRIOSPONTOSDEATENÇÃOÀSAÚDESECUNDÁRIOSETERCIÁRIOSPONTOSDEATENÇÃOÀSAÚDESECUNDÁRIOSETERCIÁRIOSSISTEMASDEAPOIOSISTEMASLOGÍSTICOS
  48. 48. GOVERNANÇACIB Micro eMacrorregional
  49. 49. O CONCEITO DE MODELO DEATENÇÃO À SAÚDE• O modelo de atenção à saúde é um sistema lógico queorganiza o funcionamento das Redes de Atenção à Saúde,articulando, de forma singular, as relações entre oscomponentes da rede e as intervenções sanitárias, definidoem função da visão prevalecente da saúde, das situaçõesdemográfica e epidemiológica e dos determinantes sociais dasaúde, vigentes em determinado tempo e em determinadasociedade.
  50. 50. OS MODELOS DE ATENÇÃO À SAUDE Os modelos de atenção às condições agudas Os modelos de atenção às condições crônica
  51. 51. RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DE REDESDE ATENÇÃO AO DIABETES NOS ESTADOSUNIDOS Redução de 50% nas amputações deextremidades Redução de 50% nas doenças renais graves Redução de 60% nas cegueiras porretinopatias Redução de 40% nos dias perdidos de trabalho
  52. 52. AS EVIDÊNCIAS SOBRE ASREDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Melhoram a qualidade dos serviços Produzem melhores resultados sanitários Reduzem os custos dos sistemas de atenção àsaúde Aumentam a satisfação das pessoas usuáriasFONTES: WEINGARTEN ET AL. (1985); OSMAN et al (1996); McCULLOCH et al (1998); BING et al (1998);REUBEN et al (1999); WAGNER et al (1999); MALCOM et al (2000); SIMON et al (2001); WAGNER et al(2001); DOUGHTY et al (2002); FEACHAM et al (2002); UNUTZER et al (2002); GILBODY et al (2003); HAMet al (2003); POLONSKY et al (2003); KATON et al (2004); SMITH et al (2004); VETTER et al (2004); SING(2005); SING & HAM (2006).
  53. 53. AS FORMAS DE RESPOSTAS DOS SISTEMASDE ATENÇÃO À SAÚDE ÀS CONDIÇÕES DESAÚDE Respostas sociais às condições e eventos agudos:• A Rede de Urgência e Emergência com foco na atençãonão programada Respostas sociais às condições crônicas:• As Redes de Atenção às Condições Crônicas com focorelativo na atenção programada
  54. 54. A ATENÇÃO NÃO PROGRAMADA• A atenção não programada centra-se naqueixa principal e caracteriza-se pela falta deinformações estruturadas sobre asnecessidades das pessoas usuárias, pelasdiferentes expectativas de profissionais desaúde e pessoas usuárias e pelaimpossibilidade da equipe de saúde planejartotalmente o atendimento.FONTE: IMPROVING CHRONIC ILLNESS CARE (2008)
  55. 55. A ATENÇÃO PROGRAMADAA atenção programada é agendada previamente,faz-se com o foco na elaboração emonitoramento do plano de cuidado realizadocolaborativamente pela pessoa usuária e aequipe de saúde e desenvolve-se sem o“barulho” do evento agudo.FONTE: BODENHEIMER & GRUMBACH (2007)
  56. 56. APSESTRUTURAOPERACIONAL DASREDES DE ATENÇÃO ÀSCONDIÇÕES CRÔNICASESTRUTURA OPERACIONAL DAREDE DE ATENÇÃO ÀSCONDIÇÕES AGUDASFONTE: MENDES (2009)
  57. 57. AS RELAÇÕES ENTRE ATENÇÃO PROGRAMADAE NÃO PROGRAMADA Sempre haverá os dois tipos de atenção No Reino Unido 70% das atenções não programadas são agudizações decondições crônicas Na Kaiser Permanente um único caso de atenção não programada poragudização de condição crônica é tratado como evento sentinela As taxas de internações por agudizações de condições crônicas são 1/3 naKaiser Permanente em relação ao Serviço Nacional de Saúde do ReinoUnido A introdução do modelo de atenção às condições crônicas reduzsignificamente as atenções não programadas Em casos de insuficiência cardíaca o modelo de atenção às condiçõescrônicas reduz as internações não programadas em 50 a 85% A forma mais efetiva de reduzir a atenção não programada é por meio deuma atenção primária de qualidade
  58. 58. DUAS REFLEXÕES• “O paradigma da condição aguda predominante é umanacronismo. Ele foi elaborado na noção do século XIX dadoença como uma ruptura no estado normal, produzida porum agente externo ou trauma. Neste modelo, a atenção àscondições agudas é o que importa. O problema é que aepidemiologia contemporânea mostra que a situaçãoprevalecente é dominada pelas condições crônicas, tanto emtemos de custos, quanto dos impactos na saúde”.FONTE: KANE (2003)“Agora mais que nunca”.WORLD HEALTH ORGANIZATION (2008)
  59. 59. OBRIGADO!urgencia@saude.mg.gov.br

×