Páris Theoeidés e a sua
Função Paidêutica Através
da Ilíada
Renata Cardoso de Sousa
Universidade Federal do Rio de Janeiro...
APRESENTAÇÃO GERAL DA
PESQUISA
 Propomos analisar em nossa pesquisa a
construção do herói homérico a partir de Páris,
um ...
RECORTE TEMPORAL
 As obras homéricas foram compostas entre os séculos IX e VII
a.C., período no qual a pólis começava a s...
LEITURA DAS OBRAS
HOMÉRICAS
Fundamenta-se na adaptação da
metodologia de leitura semiótica de
Algirdas Greimas para a His...
APRESENTAÇÃO DESSA
COMUNICAÇÃO
O objetivo desta comunicação é:
Mostrar como Páris pode ser considerado
um herói, embora ...
COMO PÁRIS É
REPRESENTADO NA ILÍADA
Fica claro, nessa obra, que ele não possui
grande areté guerreira a partir do modo
co...
 “divo” (theoeidés), (vários versos);
 “marido de Helena cacheada” (vários versos);
 “Páris funesto” (Dýsparis), (III, ...
COMPARANDO-O COM
OUTROS HERÓIS DA ILÍADA
Aquiles: “de rápidos pés”;
Heitor: “de penacho ondulante”,
“domador de cavalos”...
QUESTÃO DO ESTATUTO
HEROICO DE PÁRIS
 A partir da análise da Ilíada e da Odisseia, podemos
perceber que no modelo de cond...
FUNCIONALIDADE
EDUCACIONAL DA ILÍADA
 “Mas, para que a honra heroica permaneça viva no seio de
uma civilização, para que ...
FUNCIONALIDADE EDUCACIONAL
DA REPRESENTAÇÃO DE UM HERÓI
COMO PÁRIS
Páris é um modelo de como não se deve
agir no campo de...
QUESTÃO DA ALTERIDADE ENTRE
OS GREGOS DO PELOPONESO E OS
TROIANOS
 Na Ilíada, a alteridade que
se dá entre os helenos do
...
QUESTÃO DA ALTERIDADE ENTRE
OS GREGOS DO PELOPONESO E OS
TROIANOS
 Na Ilíada, a alteridade que
se dá entre os helenos do
...
 O que marca a alteridade entre gregos e troianos,
então, é o fato de estes serem inimigos daqueles,
uma vez que “(...) a...
CONCLUSÃO
 A Ilíada, por possuir uma função paidêutica, traz Páris
como um modelo de como não se deve agir.
 Isso se dá ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

"Páris theoeidés" e a sua função paidêutica através da "Ilíada " - SOUSA, Renata Cardoso de.

900 views

Published on

Slide da comunicação "'Páris theoeidés' e a sua função paidêutica através da 'Ilíada'", apresentada na XXXII Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica, Artística e Cultural (JICAC), na UFRJ. Esse trabalho passou para a segunda fase da Jornada.

Published in: Education, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
900
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

"Páris theoeidés" e a sua função paidêutica através da "Ilíada " - SOUSA, Renata Cardoso de.

  1. 1. Páris Theoeidés e a sua Função Paidêutica Através da Ilíada Renata Cardoso de Sousa Universidade Federal do Rio de Janeiro História - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais Laboratório de História Antiga (LHIA) Bolsista de Iniciação Científica do CNPq/PIBIC Orientador: Fábio de Souza Lessa
  2. 2. APRESENTAÇÃO GERAL DA PESQUISA  Propomos analisar em nossa pesquisa a construção do herói homérico a partir de Páris, um herói controverso.  Faremos isso a partir da leitura das epopeias de Homero, sobretudo a Ilíada.
  3. 3. RECORTE TEMPORAL  As obras homéricas foram compostas entre os séculos IX e VII a.C., período no qual a pólis começava a se formar.  Entretanto, os acontecimentos descritos pelo poeta situam-se no Período Palaciano (XVII-XII a.C.), uma vez que a guerra de Troia aconteceu por volta de 1250-1240 a.C. “É possível que o período descrito na obra [de Homero] abarque um milênio completo, do ano 1600 ao 600 a.C. Os especialistas situam a composição da dita descrição [da guerra de Troia] em uma época entre fins do século IX e começos do século VII, quando se constitui e se consolida na Grécia europeia, insular e asiática essa forma extraordinária de vida social, cultural, econômica e política que foi a pólis” (COLOMBANI, 2005, p. 8). COLOMBANI, María Cecilia. Homero. Ilíada: Una introducción crítica. Buenos Aires: Santiago Arcos, 2005.
  4. 4. LEITURA DAS OBRAS HOMÉRICAS Fundamenta-se na adaptação da metodologia de leitura semiótica de Algirdas Greimas para a História Antiga, realizada por Ciro Flamarion Cardoso, que consiste na análise dos elementos que se repetem ao longo das epopeias. Desse modo, pois, observaremos aqueles que forem euforizados, disforizados ou aforizados. CARDOSO, Ciro Flamarion. Narrativa, Sentido, História. Campinas: Papirus, 1997.
  5. 5. APRESENTAÇÃO DESSA COMUNICAÇÃO O objetivo desta comunicação é: Mostrar como Páris pode ser considerado um herói, embora ele não possua tanta areté (virtude) guerreira quanto outros heróis da Ilíada. Explicitar o caráter educativo das obras homéricas para aqueles aristocratas, os kaloì kagathoí (belos e bons), que viriam a dominar o cenário político da pólis.
  6. 6. COMO PÁRIS É REPRESENTADO NA ILÍADA Fica claro, nessa obra, que ele não possui grande areté guerreira a partir do modo como ele é caracterizado pelo poeta, seja na atribuição de adjetivos e/ou epítetos, seja pelas palavras de outras personagens, isto é, os comentários que elas fazem acerca de Páris.
  7. 7.  “divo” (theoeidés), (vários versos);  “marido de Helena cacheada” (vários versos);  “Páris funesto” (Dýsparis), (III, v. 39);  “fautor desta guerra” (III, v. 87; VII, v. 374);  “fautor de desgraças” (VI, v. 282);  “de belas feições” (III, v. 39);  “sedutor de mulheres” (III, v. 39);  “careces de força e coragem” (III, v. 45);  “Esses cabelos, a cítara, os dons de Afrodite, a beleza” (III, v. 54);  “Mas, voluntário, te escusas; não queres lutar” (VI, v. 523);  “Este, porém, nunca teve firmeza, nem nunca há de tê-la” (VI, v. 352).
  8. 8. COMPARANDO-O COM OUTROS HERÓIS DA ILÍADA Aquiles: “de rápidos pés”; Heitor: “de penacho ondulante”, “domador de cavalos”; Menelau: “de Ares forte discípulo”; Odisseu: “astucioso”.
  9. 9. QUESTÃO DO ESTATUTO HEROICO DE PÁRIS  A partir da análise da Ilíada e da Odisseia, podemos perceber que no modelo de conduta homérico preza-se a coragem e a honra.  Embora ele seja da maneira como vimos, a Páris não lhe faltam tais características, pois ele participa das batalhas, matando, inclusive, alguns guerreiros e procura reaver a sua honra quando a vergonha pelos seus atos lhe atinge. No Canto III, por exemplo, Páris irá retornar à luta que ele mesmo propôs travar contra Menelau, o rei de Esparta de quem ele arrebatou a esposa, após recuar da refrega e ser alvo de risos por parte dos aqueus.
  10. 10. FUNCIONALIDADE EDUCACIONAL DA ILÍADA  “Mas, para que a honra heroica permaneça viva no seio de uma civilização, para que todo o sistema de valores permaneça marcado pelo seu selo [do herói], é preciso que a função poética, mais do que objeto de divertimento, tenha conservado um papel de educação e formação, que por ela e nela se transmita, se ensine, se atualize na alma de cada um este conjunto de saberes, crenças, atitudes, valores de que é feita uma cultura. (...) a epopeia desempenha o papel de paideía [educação helênica], exaltando os heróis exemplares, assim como os gêneros literários ‘puros’ como o romance, a autobiografia, o diário íntimo o fazem hoje” (VERNANT, 1978, p. 42). VERNANT, Jean-Pierre. A bela morte e o cadáver ultrajado. Tradução, Elisa A. Kossovitch e João. A. Hansen. Discurso, São Paulo, Editora Ciências Humanas, n. 9, 1978, p. 31-62.
  11. 11. FUNCIONALIDADE EDUCACIONAL DA REPRESENTAÇÃO DE UM HERÓI COMO PÁRIS Páris é um modelo de como não se deve agir no campo de batalha. Ele é mostrado assim porque ele é o Outro.
  12. 12. QUESTÃO DA ALTERIDADE ENTRE OS GREGOS DO PELOPONESO E OS TROIANOS  Na Ilíada, a alteridade que se dá entre os helenos do Peloponeso e os troianos não tem a ver com estes serem o estrangeiro, ou o não-grego, uma vez que os habitantes de Troia pertencem à faixa asiática de território heleno, sendo, portanto, também helenos.
  13. 13. QUESTÃO DA ALTERIDADE ENTRE OS GREGOS DO PELOPONESO E OS TROIANOS  Na Ilíada, a alteridade que se dá entre os helenos do Peloponeso e os troianos não tem a ver com estes serem o estrangeiro, ou o não-grego, uma vez que os habitantes de Troia pertencem à faixa asiática de território heleno, sendo, portanto, também helenos. Fonte: HUGHES, Bettany. Mapa 1. O mundo micenese. In: Helena de Troia: Deusa, Princesa e Prostituta. Tradução, S. Duarte. Rio de Janeiro: Record, 2009, p. 19.
  14. 14.  O que marca a alteridade entre gregos e troianos, então, é o fato de estes serem inimigos daqueles, uma vez que “(...) a identidade helênica conhece tensões, fissuras e oposições de alteridades internas no seu seio – o Outro pode, também, ser o Grego, como rival, inimigo, invasor, infrator de códigos de comportamento” (FIALHO, 2010, p. 114). FIALHO, Maria do Céu. Rituais de cidadania na Grécia Antiga. In: FERREIRA, José Ribeiro; FIALHO, Maria do Céu; LEÃO, Delfim Ferreira (Orgs.). Cidadania e Paideía na Grécia Antiga. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, 2010, p. 112-144.
  15. 15. CONCLUSÃO  A Ilíada, por possuir uma função paidêutica, traz Páris como um modelo de como não se deve agir.  Isso se dá porque ele é um representante da alteridade helênica.  Entretanto, seu estatuto heroico não pode ser questionado, pois ele, de certa forma, tenta reaver sua honra através de atos corajosos, mesmo tendo que ser exortado sempre pelo irmão ou pela própria Helena.

×