Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Educação profissional

2,534 views

Published on

Educação Profissional - Técnica de Nível Médio e Tecnológica

Published in: Education

Educação profissional

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE EDUCAÇÃO – CEDUC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DAFNE SOUSA DANIELE LIMA PRISCILA LEAL EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICA
  2. 2. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO
  3. 3. HISTÓRICO • Índios e escravos – Primeiros aprendizes; • Em meados de 1800, é adotado no Brasil um modelo de aprendizagem manufatureira; • 1808 – Criação do Colégio das Fábricas;
  4. 4. • 1906 – Consolidação do ensino Técnico Industrial no Brasil:  Criação de campos e oficinas escolares; Aumento da dotação orçamentária; “A criação e multiplicação de institutos de ensino técnico e profissional muito podem contribuir também para o progresso das indústrias, proporcionando-lhes mestres e operários instruídos e hábeis”.
  5. 5. • Decreto no 7.566 de 23 de Setembro de 1909 – Nilo Peçanha: Institui oficialmente a Educação Profissional Brasileira; Criação de 19 Escolas de Aprendizes Artífices (tornearia, mecânica, artes decorativas, etc.) ;
  6. 6. Constituição de 1937 art. 129 - A infância e à juventude, a que faltarem os recursos necessários à educação em instituições particulares, é dever da Nação, dos Estados e dos Municípios assegurar, pela fundação de instituições públicas de ensino em todos os seus graus, a possibilidade de receber uma educação adequada às suas faculdades, aptidões e tendências vocacionais. O ensino pré-vocacional profissional destinado às classes menos favorecidas é em matéria de educação o primeiro dever de Estado. Cumpre-lhe dar execução a esse dever, fundando institutos de ensino profissional e subsidiando os de iniciativa dos Estados, dos Municípios e dos indivíduos ou associações particulares e profissionais.
  7. 7. É dever das indústrias e dos sindicatos econômicos criar, na esfera da sua especialidade, escolas de aprendizes, destinadas aos filhos de seus operários ou de seus associados. A lei regulará o cumprimento desse dever e os poderes que caberão ao Estado, sobre essas escolas, bem como os auxílios, facilidades e subsídios a lhes serem concedidos pelo Poder Público. art. 132 - O Estado fundará instituições ou dará o seu auxílio e proteção às fundadas por associações civis, tendo umas; e outras por fim organizar para a juventude períodos de trabalho anual nos campos e oficinas, assim como promover-lhe a disciplina moral e o adestramento físico, de maneira a prepará-la ao cumprimento, dos seus deveres para com a economia e a defesa da Nação.
  8. 8. REFORMA CAPANEMA • Ensino Profissional passou a ser considerado de Nível Médio; • Exame de Admissão para ingressar nas escolas industriais; • Os cursos foram divididos em dois níveis.
  9. 9. GOVERNO JK • Grande crescimento das indústrias automobilísticas; • Investimento total de 3,4% no setor da Educação; • Surgimento das Escolas Técnicas Federais.
  10. 10. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei no 4.024 de 1961 art. 47. O ensino técnico de grau médio abrange os seguintes cursos: a) industrial; b) agrícola; c) comercial.
  11. 11. ‘’Os portadores de carta de ofício ou certificado de conclusão de curso de aprendizagem poderão matricular-se, mediante exame de habilitação, nos ginásios de ensino técnico, em série adequada ao grau de estudos a que hajam atingido no curso referido’’. (art. 51, § 2º)
  12. 12. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei no 5.692 de 1971 art. 1º. O ensino de 1º e 2º graus tem por objetivo geral proporcionar ao educando a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades como elemento de auto realização, qualificação para o trabalho e preparo para o exercício consciente da cidadania.
  13. 13. ‘’Para o ensino de 2º grau, o Conselho Federal de Educação fixará, além do núcleo comum, o mínimo a ser exigido em cada habilitação profissional ou conjunto de habilitações afins’’. (art. 4, § 3º)
  14. 14. ‘’Observadas as normas de cada sistema de ensino, o currículo pleno terá uma parte de educação geral e outra de formação especial [...]’’. (art. 5, § 1º) ‘’terá o objetivo de sondagem de aptidões e iniciarão para o trabalho, no ensino de 1o grau e de habilitação profissional, no ensino de 2º grau’’. (art. 5, § 2º - Alínea a)
  15. 15. • Em 1978, com a Lei nº 6.545, três Escolas Técnicas Federais são transformadas em Centros Federais de Educação Tecnológica – CEFET; • Nos anos 80, a Lei nº 7.044 faz alterações na LDB de 1971, no que se refere a profissionalização do 2o grau;
  16. 16. ‘’À preparação para o trabalho, no ensino de 2º grau, poderá ensejar habilitação profissional, a critério do estabelecimento de ensino’’. (art. 4, § 2º)
  17. 17. • Em 1994 com a Lei nº 8.948, as Escolas Técnicas Federais e as Escolas Agrotécnicas Federais são transformadas gradativamente em Centros Federais de Educação Tecnológica – CEFET.
  18. 18. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei no 9.394 de 1996 • O Decreto no 2.208 de 1997, separa-se novamente a etapa final da educação básica do ensino profissionalizante; art. 5º. A educação profissional de nível técnico terá organização curricular própria e independente do ensino médio, podendo ser oferecida de forma concomitante ou sequencial a este.
  19. 19. • E em 2004, o Decreto no 5.154, permite a integração do ensino técnico de nível médio ao ensino médio.
  20. 20. Alterações da Lei nº 11.741 de 2008 ‘’[...] atendida à formação geral do educando, poderá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas’’. (art. 36 – A) ‘’A preparação geral para o trabalho e, facultativamente, a habilitação profissional poderão ser desenvolvidas nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em cooperação com instituições especializadas [...]’’. (art. 36 – A, Parágrafo único)
  21. 21. • Será desenvolvida nas seguintes formas: (art. 36 – B, incisos I e II) Articulada com o ensino médio; Subsequente, para quem já concluiu o ensino médio.
  22. 22. • Se articulada será desenvolvida na forma: (art. 36 – C, incisos I e II) Integrada, curso planejado de modo a conduzir o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio, na mesma instituição; Concomitante, oferecida a quem já está cursando o ensino médio.
  23. 23. • Na forma Articulada Concomitante pode ocorrer: (art. 36 – C, II, a, b e c)  Na mesma instituição de ensino; Em instituições de ensino distintas; Em instituições de ensino distintas mediante convênio.
  24. 24. • Os diplomas de curso de educação técnica de nível médio, terão validade nacional e habilitarão ao prosseguimento de estudos na educação superior. (art. 36 – D)
  25. 25. RORAIMA • Ensino Médio Integrado, a partir de 2008 por meio do Decreto no 5.154/04: Escola Estadual Ayrton Senna (Curso Técnico em Hospedagem); Escola Estadual Gonçalves Dias (Curso Técnico em Informática);
  26. 26. Escola Estadual Maria das Dores Brasil (Curso Técnico em Administração); Escola Estadual Major Alcides (Curso Técnico de Manutenção e Suporte em Informática); Escola Estadual Ana Libória (Curso Técnico em Informática para Internet); Padre José Monticone – Mucajaí (Curso Técnico de Manutenção em Informática);
  27. 27. Escola Estadual Albino Tavares/EAGRO – Projeto de Assentamento Nova Amazônia (Agrotécnica); Instituto Federal de Ciência e Tecnologia: I. Subsequente; II. Integrado; III. Proeja;
  28. 28. IV. Superior Tecnólogo; V. Licenciatura; VI. Pós Graduação;
  29. 29. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA
  30. 30. ‘’a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social’’ (LDB, art. 1, § 2o)
  31. 31. • Em 1997 com o Decreto no 2.208 vai ficar dividida em três níveis: Básico – direcionado para indivíduos que possuam qualquer nível de instrução; Técnico – direcionado para discentes que estão cursando o ensino médio ou para as pessoas que já possuem o ensino médio; Tecnológico – voltado somente para as pessoas que já concluíram o ensino médio.
  32. 32. • A Educação Profissional de nível básico era uma modalidade não formal e de duração variável e que seguia o grau de conhecimento técnico e nível de escolaridade do aluno e dava direito ao certificado de qualificação profissional.
  33. 33. • A Educação Profissional de nível técnico tinha organização curricular própria e independente, mas que seguia as diretrizes do Conselho Nacional de Educação, era independente do nível médio, oferecida concomitante ou sequencialmente.
  34. 34. • A Educação Profissional de nível tecnológico era estruturada de forma a atender os diversos setores da economia e conferia diploma de tecnólogo.
  35. 35. • Em 2004, o Decreto no 5.154, regulamentando a Educação Profissional, vai destacar que PREFERENCIALMENTE a Educação Profissional deverá articular-se com a EJA, objetivando qualificação para o trabalho e elevando o nível de escolaridade do trabalhador, fazendo jus ao certificado de formação inicial ou continuada.
  36. 36. ‘’Os cursos mencionados no caput articular-se- ão, preferencialmente, com os cursos de educação de jovens e adultos, objetivando a qualificação para o trabalho e a elevação do nível de escolaridade do trabalhador, o qual, após a conclusão com aproveitamento dos referidos cursos, fará jus a certificados de formação inicial ou continuada para o trabalho’’. (art. 3, § 2o)
  37. 37. Alterações da Lei nº 11.741 de 2008
  38. 38. • A Educação Profissional Tecnológica vai atingir os seguintes cursos: (art. 39, § 2º, incisos I, II e III) Formação inicial e continuada ou qualificação profissional; Educação profissional técnica de nível médio; Educação profissional tecnológica de graduação e pós graduação.
  39. 39. ‘’A educação profissional será desenvolvida em articulação com o ensino regular [...]’’. (art.40) ‘’O conhecimento adquirido na educação profissional [...], poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para prosseguimento ou conclusão dos estudos’’. (art. 41)
  40. 40. ‘’As instituições de educação profissional e tecnológica, além dos seus cursos regulares, oferecerão cursos especiais, abertos à comunidade, condicionada a matrícula à capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível de escolaridade’’. (art. 42)
  41. 41. • Em 2005, surge a primeira Universidade especializada no ramo – Universidade Tecnológica Federal do Paraná; • Em 2006, foi lançado o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia; Até a versão de 2012, contava com 220 cursos, distribuídos em 13 eixos tecnológicos.
  42. 42. OS PROGRAMAS • Brasil Profissionalizado; • E – TEC; • PROEJA; • Sistema S; • Pronatec.
  43. 43. Censo Escolar 2010 – INEP

×