Successfully reported this slideshow.
COMPLEXO TENÍASE -CISTICERCO    SE   Monique Máximo da Fonseca e Silva
COMPLEXO TENÍASE -  CISTICERCOSE São duas doenças distintas, com sintomas e  epidemiologia totalmente diferentes. São ca...
TENÍAS          ESILVA, M. M. da F. e (2011)   FONTE: GRUBER, 2011.
O QUE É?•Infecção do homem pelo verme na faseadulta.•Pode ser causada pelas Taenia sollium ouTaenia saginata.•Nome popular...
ESPÉCIES ACOMETIDAS                                 O homem é o único                                 animal que se infect...
•Taenia sollium       ingestão docisticerco presente na musculatura dosuíno.•Taenia saginata         ingestão docisticerco...
TAENIA SOLIUM SILVA, M. M. da F. e (2011)   FONTE: GRUBER, 2011.
TAENIA SAGINATAFONTE: CDC - Centers for Disease Control and Prevention.                                                   ...
Fonte: http://euamoanatureza.wordpress.com/2010/11/22/platelmintos/SILVA, M. M. da F. e (2011)
Ciclo de                                                     vida da                                                     T...
SINTOMAS - Teníase• Perda de peso;• Apetite excessivo;• Náuseas;• Dores;• Prurido anal;• Diarréia;• Vômito;• Alargamento a...
DIAGNÓSTICO Sinais clínicos Presença de proglotes junto às fezes ou nas roupas  intimas; Exames laboratoriais. ATENÇÃO:...
TRATAMENTOProcurar o médico ou um posto de saúde.Somente o médico pode diagnosticarcorretamente a doença e indicar otratam...
CISTICERCO           SESILVA, M. M. da F. e (2011)   FONTE: ASPNP, 2010.
O QUE É?                               Infecta tanto o homem comoZoonose                        os animais.Parasitose     ...
NOMES POPULARES “Canjiquinha” da carne; Lombriga na cabeça.          SILVA, M. M. da F. e (2011)
ONDE OCORRE?•Ocorre em todo o mundo.•Principalmente países em desenvolvimento:     Educação sanitária da população;     ...
EPIDEMIOLOGIANO MUNDO:       (AUBRY et al., 1995)50 milhões de pessoas infectados por ano;•50.000 mortes.NA AMÉRICA LATINA...
DADOS DO IMAEm 2009, nos frigoríficos registrados junto ao IMA,foram:• 172.060 animais abatidos• 4014 estavam infectados c...
PRINCIPAIS ESPÉCIES ACOMETIDAS HOMEM BOVINO SUÍNO           SILVA, M. M. da F. e (2011)
ETIOLOGIA SUÍNOCysticercus cellulosae BOVINOCysticercus bovis HOMEMCysticercus cellulosaeCysticercus bovis             ...
CARNE COM CISTICERCOS     SILVA, M. M. da F. e (2011)   FONTE: GRUBER, 2011.
IMPORTÂNCIA Em 2009, a agropecuária foi responsável por  27% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro,  42,5% das export...
PREJUÍZO Diminuição das exportações de carne; Diminuição do prestigio dos países produtores e o valor de  seus produtos;...
PREJUÍZO PARA O PRODUTOR Recusa dos frigoríficos em comprar o gado; A carcaça condenada pela inspeção para graxaria - o ...
PREJUÍZO PARA O FRIGORÍFICO Condenação da carcaça para congelamento por no mínimo 15  dias a -10 ºC, gerando custos de ar...
Carcaças condenadas ao congelamento peloServiço de Inspeção           SILVA, M. M. da F. e (2011)
CICLO   Cisticercose        SILVA, M. M. da F. e (2011)
CICLOTENÍASECISTICERCOSE               SILVA, M. M. da F. e (2011)
SINTOMAS - Cisticercose• Ataques epiléticos;•Desordens mentais;• Alucinações;• Cansaço;• Hipertensão craniana;• Demência;•...
DIAGNÓSTICO Sinais clínicos Exames laboratoriais; Dificuldade de diagnosticar a cisticercose em animais  vivos e humano...
TRATAMENTOProcurar o médico ou um posto de saúde.Somente o médico pode diagnosticarcorretamente a doença e indicar otratam...
Apesar de serem doenças   distintas, a prevenção e erradicação da teníase e da        cisticercose se       complementam.É...
PREVENÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA• Educação sanitária;• Não comer carne crua ou mal cozida;• Lavar frutas, verduras e legumes com...
PREVENÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA•Só beber água potável;• Não comer carne de abate clandestino;• Diagnosticar e tratar pessoas co...
ABATE CLANDESTINO       SILVA, M. M. da F. e (2011)
ABATE                              CLANDESTINOSILVA, M. M. da F. e (2011)
PREVENÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL Educação sanitária; Uso de fossa sanitária / rede de esgoto; Não contaminar a água, o solo...
PREVENÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL Evitar o uso de efluentes de esgotos para irrigação de pastagens; Tratamento sanitário do e...
PREVENÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Inspeção sanitária em frigoríficos; Destinação adequada das carcaças e dos órgãos parasitados;...
IMPORTÂNCIA DA INSPEÇÃO SANITÁRIA            DA CARNE• Garantir a inocuidade e integridade dosalimentos.• Ponto importante...
SILVA, M. M. da F. e (2011)
SÓ CONSUMIR CARNES E ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL QUE TENHAM      SIDO INSPECIONADOS.Procure pelo selo da inspeção no rótulo...
OB                                 DR                                 ÚI                                 VG               ...
FONTES AUBRY, P.; BEQUET, D.; QUEGUINER, P. La cysticercosis: une maladie parasitaire    fréquente et redoutable. Med Tro...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Complexo teníase cisticercose

16,465 views

Published on

MONIQUE MÁXIMO DA FONSECA E SILVA

ELABORAÇÃO DE PALESTRA, ROTEIRO ILUSTRADO PARA TEATRO INFANTIL E VÍDEO-AULA SOBRE O COMPLEXO TENÍASE-CISTICERCOSE

TCC apresentado à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Curso de Pós-graduação Lato-sensu em Defesa Sanitária Animal, para obtenção do título de Especialista em Defesa Sanitária Animal.

Orientador:
Dr Peter Bitencourt Faria

LAVRAS – MG
2011

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Complexo teníase cisticercose

  1. 1. COMPLEXO TENÍASE -CISTICERCO SE Monique Máximo da Fonseca e Silva
  2. 2. COMPLEXO TENÍASE - CISTICERCOSE São duas doenças distintas, com sintomas e epidemiologia totalmente diferentes. São causadas pela mesma espécie de parasita, (Taenia spp.) em diferentes fases de desenvolvimento. VAMOS ESTUDAR CADA DOENÇA SEPARADAMENTE! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  3. 3. TENÍAS ESILVA, M. M. da F. e (2011) FONTE: GRUBER, 2011.
  4. 4. O QUE É?•Infecção do homem pelo verme na faseadulta.•Pode ser causada pelas Taenia sollium ouTaenia saginata.•Nome popular: Solitária. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  5. 5. ESPÉCIES ACOMETIDAS O homem é o único animal que se infecta com o verme (Taenia) na fase adulta. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  6. 6. •Taenia sollium ingestão docisticerco presente na musculatura dosuíno.•Taenia saginata ingestão docisticerco presente na musculatura dobovino. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  7. 7. TAENIA SOLIUM SILVA, M. M. da F. e (2011) FONTE: GRUBER, 2011.
  8. 8. TAENIA SAGINATAFONTE: CDC - Centers for Disease Control and Prevention. FONTE: GRUBER, 2011. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  9. 9. Fonte: http://euamoanatureza.wordpress.com/2010/11/22/platelmintos/SILVA, M. M. da F. e (2011)
  10. 10. Ciclo de vida da Taenia saginata Fonte: http://euamoanatureza.wordpress.com/2010/11/22/platelmintos/SILVA, M. M. da F. e (2011)
  11. 11. SINTOMAS - Teníase• Perda de peso;• Apetite excessivo;• Náuseas;• Dores;• Prurido anal;• Diarréia;• Vômito;• Alargamento abdominal;• Tonturas. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  12. 12. DIAGNÓSTICO Sinais clínicos Presença de proglotes junto às fezes ou nas roupas intimas; Exames laboratoriais. ATENÇÃO: SOMENTE O MÉDICO É CAPACITADO PARA AVALIAR OS SINTOMAS E DAR O DIAGNÓSTICO CORRETO!!! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  13. 13. TRATAMENTOProcurar o médico ou um posto de saúde.Somente o médico pode diagnosticarcorretamente a doença e indicar otratamento adequado!!! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  14. 14. CISTICERCO SESILVA, M. M. da F. e (2011) FONTE: ASPNP, 2010.
  15. 15. O QUE É? Infecta tanto o homem comoZoonose os animais.Parasitose Parasita na fase larvar (CISTICERCO) SILVA, M. M. da F. e (2011)
  16. 16. NOMES POPULARES “Canjiquinha” da carne; Lombriga na cabeça. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  17. 17. ONDE OCORRE?•Ocorre em todo o mundo.•Principalmente países em desenvolvimento: Educação sanitária da população; Meio ambiente contaminado com ovos; Higiene pessoal deficiente; Falta de saneamento público. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  18. 18. EPIDEMIOLOGIANO MUNDO: (AUBRY et al., 1995)50 milhões de pessoas infectados por ano;•50.000 mortes.NA AMÉRICA LATINA: (SCHENONE et al., 1982)•1 caso neurocisticercose a cada 1.000 habitantes.•350.000 pessoas com neurocisticercose SILVA, M. M. da F. e (2011)
  19. 19. DADOS DO IMAEm 2009, nos frigoríficos registrados junto ao IMA,foram:• 172.060 animais abatidos• 4014 estavam infectados com cisticercos.• 2,33% de animais positivos;• 14% das patologias encontradas em frigoríficos, sãorelacionadas à cisticercose. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  20. 20. PRINCIPAIS ESPÉCIES ACOMETIDAS HOMEM BOVINO SUÍNO SILVA, M. M. da F. e (2011)
  21. 21. ETIOLOGIA SUÍNOCysticercus cellulosae BOVINOCysticercus bovis HOMEMCysticercus cellulosaeCysticercus bovis SILVA, M. M. da F. e (2011)
  22. 22. CARNE COM CISTICERCOS SILVA, M. M. da F. e (2011) FONTE: GRUBER, 2011.
  23. 23. IMPORTÂNCIA Em 2009, a agropecuária foi responsável por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, 42,5% das exportações e mais de 17 milhões de empregos. Mais de 28 milhões de cabeças abatidas / ano. O Brasil é fornecedor de 25% do mercado mundial de alimentos.(IBGE 2009; IBGE 2011) SILVA, M. M. da F. e (2011)
  24. 24. PREJUÍZO Diminuição das exportações de carne; Diminuição do prestigio dos países produtores e o valor de seus produtos; Condenações; Prejuízo de U$ 164 milhões / ano na América latina; A cada 200 bovinos abatidos a perda é de cinco carcaças, devido às depreciações causadas pela cisticercose. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  25. 25. PREJUÍZO PARA O PRODUTOR Recusa dos frigoríficos em comprar o gado; A carcaça condenada pela inspeção para graxaria - o produtor nada recebe pelo seu animal; Condenação para conserva ou salga faz com que se perca parte do valor da carcaça; A retirada de partes da carcaça onde se localizam os cisticercos pode levar a perda de até 15 kg de carne por animal; Marketing negativo: prejuízo no conceito de qualidade da carne pode levar à diminuição do consumo. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  26. 26. PREJUÍZO PARA O FRIGORÍFICO Condenação da carcaça para congelamento por no mínimo 15 dias a -10 ºC, gerando custos de armazenamento e o custo financeiro deste período de tempo; Perda total das vísceras; A procura e retirada dos cistos desfiguram a carcaça; O congelamento diminui o peso da carcaça e a deprecia na venda ao varejo; Quando o destino da condenação é a conserva, salga ou graxaria, ocorrem perdas pelo custo de processamento e de linha de abate. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  27. 27. Carcaças condenadas ao congelamento peloServiço de Inspeção SILVA, M. M. da F. e (2011)
  28. 28. CICLO Cisticercose SILVA, M. M. da F. e (2011)
  29. 29. CICLOTENÍASECISTICERCOSE SILVA, M. M. da F. e (2011)
  30. 30. SINTOMAS - Cisticercose• Ataques epiléticos;•Desordens mentais;• Alucinações;• Cansaço;• Hipertensão craniana;• Demência;• Palpitações cardíacas;• Falta de ar;• Rompimento ou deslocamento da retina;• Dor;• Câimbras. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  31. 31. DIAGNÓSTICO Sinais clínicos Exames laboratoriais; Dificuldade de diagnosticar a cisticercose em animais vivos e humanos; Inspeção sanitária em animais abatidos; RX. ATENÇÃO: SOMENTE O MÉDICO É CAPACITADO PARA AVALIAR OS SINTOMAS E DAR O DIAGNÓSTICO CORRETO!!! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  32. 32. TRATAMENTOProcurar o médico ou um posto de saúde.Somente o médico pode diagnosticarcorretamente a doença e indicar otratamento adequado!!! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  33. 33. Apesar de serem doenças distintas, a prevenção e erradicação da teníase e da cisticercose se complementam.É necessário quebrar o ciclodo parasita em todas as suas fases. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  34. 34. PREVENÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA• Educação sanitária;• Não comer carne crua ou mal cozida;• Lavar frutas, verduras e legumes com cloro. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  35. 35. PREVENÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA•Só beber água potável;• Não comer carne de abate clandestino;• Diagnosticar e tratar pessoas contaminadas. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  36. 36. ABATE CLANDESTINO SILVA, M. M. da F. e (2011)
  37. 37. ABATE CLANDESTINOSILVA, M. M. da F. e (2011)
  38. 38. PREVENÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL Educação sanitária; Uso de fossa sanitária / rede de esgoto; Não contaminar a água, o solo e os alimentos. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  39. 39. PREVENÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL Evitar o uso de efluentes de esgotos para irrigação de pastagens; Tratamento sanitário do esgoto. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  40. 40. PREVENÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Inspeção sanitária em frigoríficos; Destinação adequada das carcaças e dos órgãos parasitados; Imunização de bovinos contra a cisticercose ($$ $). SILVA, M. M. da F. e (2011)
  41. 41. IMPORTÂNCIA DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DA CARNE• Garantir a inocuidade e integridade dosalimentos.• Ponto importante no controle do complexoteníase / cisticercose.• A condenação de carnes contaminadas peloscisticercos quebra o ciclo do parasita, poisimpede que os seres humanos se alimentemdele e continuem a disseminar a doença. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  42. 42. SILVA, M. M. da F. e (2011)
  43. 43. SÓ CONSUMIR CARNES E ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL QUE TENHAM SIDO INSPECIONADOS.Procure pelo selo da inspeção no rótulo ou na carcaça!!! SILVA, M. M. da F. e (2011)
  44. 44. OB DR ÚI VG IA DD AO S! ? SILVA, M. M. da F. e (2011)
  45. 45. FONTES AUBRY, P.; BEQUET, D.; QUEGUINER, P. La cysticercosis: une maladie parasitaire fréquente et redoutable. Med Trop, 55, n.1, p.79-87, 1995. CURY, A. Cisticercose causada por Taenia saginata e Taenia solium em bovinos, suínos e no homem. Instituto Brasileiro de Pós-Graduação em Méd. Veterinária QUÁLITTAS / UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. São Paulo, 2009. ASPNP Associação Sul-Matogrossense dos Produtores de Novilho Precoce. Cisticercose bovina. Disponível em: http://www.novilhoms.com.br/artigos/cisticercose-bovina. Acesso em 10/01/2012. CDC Centers for Disease Control and Prevention. Disponível em: http:// dpd.cdc.gov/dpdx/Default.htm. Acesso em 10/01/2012. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção da Pecuária Municipal. v.37. 2009. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores IBGE – Junho de 2011. 2011. MINISTÉRIO DA SAÚDE SCHENONE, H. et al. Epidemiology of human cysticercosis in Latin America. In: FLISSER, A. et al. (Ed.) Cysticercosis: present state of knowledge and perspectives. New York: Academic, 1982. p. 25-38. Platelmintos. Disponível em: http://euamoanatureza.wordpress.com/2010/11/22/platelmintos /. Acesso em: 20/19/2011. HARES, L. F. (Coord.). Higiene pessoal: hábitos higiênicos e integridade física. São Paulo: Friuli, 2004. V.2. 28 p. SILVA, M. M. da F. e (2011)

×