Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
Coordenação de Operação de Redes Especializadas
Suporte N3 e Desempenho...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

245837793 apostila-101-curso-basico-datacom-versao-2006-2

566 views

Published on

245837793 apostila-101-curso-basico-datacom-versao-2006-2

Published in: Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

245837793 apostila-101-curso-basico-datacom-versao-2006-2

  1. 1. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE DataComCurso Básico da Rede Datacom Instrutor: ________________________________________ Data: ___/___/___ a ___/___/___ Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos
  2. 2. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 2 Conteúdo: 1.DATACOM 1.1.Introdução ......................... 03 2. HARDWARE 2.1.Multiplexadores .................... 06 2.2.Placas.............................. 09 3. GERÊNCIA 3.1.Características de gerenciamento ... 19 3.2.DmView 5.2 ......................... 20 3.3.Emulador ........................... 21 4. DMVIEW 4.1.DmView Login ....................... 23 4.2.Network Manager .................... 24 4.3.Menu de Configuração DM706 ......... 25 4.4.Menu de Configuração DM705-CPU32 ... 27 4.5.Menu de Configuração DM705-CPU64 ... 29 4.6.Circuit Config ..................... 31 4.7.Cross Connect Config ............... 34 4.8.Search Circuits .................... 35 4.9.Search Devices ..................... 37 4.10.Search Links ...................... 39 Curso Básico Rede DataCom 5.TESTES 5.1.Teste E1 ........................... 42 5.2.Teste V35 .......................... 43 5.3.Teste G64 .......................... 44 5.4.Teste FXO/FXS ...................... 45 5.5.Procedimento para Testes ........... 47 6.ALARMES 6.1.Legenda de Alarmes ................. 49
  3. 3. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 3 1. Introdução
  4. 4. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 4 1.1. Introdução: 1. Datacom
  5. 5. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 5 2. Hardware
  6. 6. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 6  Multiplexador E1 com até 4 interfaces Digitais (V.35, V.36/V.11 ou V.28), uma interface E1 Elétrica (G.703/G.704), interface de voz (FXS) e uma porta de roteamento WAN (Frame Relay/PPP). Todas as placas são hot-swap.  Canais de Voz e Dados.  Disponível um slot para expansão: E1 Elétrica ou FXS.  Opção de relógio interno ou regenerado de alguma interface.  DM706C 2.1. Multiplexadores: 2. Hardware
  7. 7. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 7  Multiplexador E1 flexível com capacidade de até 8 placas de diversos tipos de interface e facilidade de cross-connect entre qualquer timeslot de qualquer porta. Todas as placas são hot-swap.  Somente estarão disponíveis 7 slots, pois o slot H é alocado automaticamente para portas WAN de roteamento (para gerência).  Canais de Voz (até 28 canais de voz com suporte à TP) e Dados.  Pode operar com duas fontes de alimentação (Principal e Backup).  Opção de relógio interno ou regenerado de alguma interface.  DM705 CPU32 2.1. Multiplexadores: 2. Hardware
  8. 8. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 8  Multiplexador E1/STM1 com capacidade de até 10 placas de diversos tipos de interface e facilidade de cross-connect entre qualquer timeslot de qualquer porta. Todas as placas são hot-swap.  Possui dois slots High-Speed, permitindo taxas até 155MBit/s.  Canais de Voz e Dados.  Pode operar com duas placas CPU, permitindo redundância.  Pode operar com duas fontes de alimentação (Principal e Backup).  Opção de relógio interno ou regenerado de alguma interface.  DM705 SUB CPU64 2.1. Multiplexadores: 2. Hardware
  9. 9. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 9 2.2. Placas:  E1 Elétrica  V.35  FXS  Interface WAN de roteamento  E1 Elétrica  E1 Óptica  V.35 Dual  G64 (G.703 codirecional)  MBB  FXS  FXO  Interface WAN de roteamento  STM1 Elétrica  STM1 Óptica  E1 Elétrica (E1 e E1Q)  E1 Óptica  V.35 Dual  G64 (G.703 codirecional)  MBB  FXS  FXO  E&M  Interface WAN de roteamento  DM705 SUB CPU64 DM705 CPU32 DM706C 2. Hardware
  10. 10. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 10 2.2. Placas:  E1 Elétrica - Interface elétrica com velocidade de 2048kbit/s; - Impedância na interface G.703 selecionável entre 75Ohms (cabo coaxial com conector BNC) e 120 Ohms (par trançado com conector RJ45); - Disponível na unidade básica; - Suporta CRC4 e sinalização por canal associado (CAS);  DM706C  V.35 - O DM706 possui 4 portas V.35. O conector utilizado é um DB25 fêmea com pinagem ISO2110 Amd.1 ; - Operação Múltiplas de 64k até 2M ; - Possibilidade de utilizar relógio externo para recepção de dados. 2. Hardware
  11. 11. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 11 2.2. Placas:  FXS (opcional no slot de expansão) - Utiliza um canal de 64kbit/s; - A FXS possui 4 portas que apresentam conexões do tipo RJ11 e operam a 2 fios cada; - Disponíveis somente na placa de expansão; - Permite aplicações FXO-FXS (com central telefônica) em conjunto com um DM705 e FXS-FXS (hotline); - Tarifação por polaridade reversa ou por pulso de 12kHz ou 16 kHz; - Na placa de expansão também pode ser utilizada uma placa E1 com uma porta G.703.  DM706C 2. Hardware
  12. 12. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 12 2.2. Placas:  DM705 CPU32  DM705-E1 (E1 Elétrica) - Possui 1 interface elétrica com velocidade de 2048 kbit/s; - Impedância na interface G.703 selecionável entre 75 Ohms (cabo coaxial com conector BNC) e 120 Ohms (par trançado com conector RJ45); - Suporta CRC4 e sinalização de canal associado.  DM705-FO (E1 Óptica) - Possui 1 interface E1 ótica com velocidade de 2048 kbit/s; - Operação sobre fibras óticas singlemode ou multimode, conectores SC-PC; - Possui as mesmas capacidades de CAS, CRC4 e SIA. 2. Hardware
  13. 13. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 13 2.2. Placas:  DM705 CPU32  DM705-V.35D (V.35 Dual) - Apresenta duas portas compatíveis com as recomendações V.35, V.36/V.11, V.28 (a 64 Kbit/s), sendo as mesmas selecionadas por estrapes; - Operação em velocidades múltiplas de 64kbit/s até 2048kbit/s. A única limitação é que ambas compartilham (internamente) um frame de 2048kbit/s; - Operação em baixa velocidade (1200, 2400, 4800, 9600, 19200) com protocolo X.50 como link principal; - Possibilidade de utilizar relógio externo para recepção de dados. 2. Hardware
  14. 14. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 14 2.2. Placas:  DM705 CPU32  DM705-FXO - Utiliza um canal (timeslot) de 64kbit/s; - Possui 4 portas que apresentam conexões tipo RJ11 e operam a 2 fios cada; - Tarifação por polaridade reversa ou por pulso de 12KHz ou 16 kHz; - Permite aplicações FXO-FXS, podendo ser conectado diretamente a uma Central telefônica; - Sinalização via CAS; - Gera sinais de gancho.  DM705-FXS - Permite aplicações FXO-FXS (com central telefônica) e FXS-FXS (hotline); - A placa de usuário possui gerador de tensão de linha e ring. 2. Hardware
  15. 15. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 15 2.2. Placas:  DM705 CPU32  DM705-G64 - Apresenta 6 portas G.703 codirecional podendo operar a 64kbit/s, 128kbit/s ou 256kbit/s; - As conexões são feitas através de conectores RJ45; - A impedância na interface G.703 é de 120 Ohms; - O receptor opera até distâncias de 1.000 metros sobre par trançado 0,4mm.  DM705-MBB - Apresenta 6 interfaces de Modem Banda Base podendo operar a velocidades de 64k, 128 ou 256kbit/s; - Compatível com modens banda base padrão Telebrás (Prática 225-540-773, outubro de 1994); - Conexões são feitas através de conectores RJ45 ; - Impedância na interface de 150 Ohms; - Receptor equipado com equalização adaptativa, operando até distâncias de 6000, 5000 e 4000 metros para as velocidades 64k, 128k e 256kbit/s, respectivamente, sobre par trançado 0,4mm. 2. Hardware
  16. 16. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 16 2.2. Placas:  DM705 SUB CPU64  DM705-HS-STM1E (STM-1 Elétrico) - Interface HS (High Speed) com uma porta STM-1 elétrica de 155.520kbit/s, seguindo recomendação ITU-T; - A placa utiliza conectores do tipo BNC, com impedância de 75Ω;  DM705-HS-FO (STM-1 Ótico) - Interface HS (High Speed) com uma porta STM-1 óptica 155.520kbit/s; - As placas ópticas são sempre fornecidas com conectores SC-PC, inclusive no caso de placas para uso com fibra bidirecional – MONOFIBRA; - Podem operar com conectores: DUAS FIBRAS (RX e TX) ou MONOFIBRA (RX e TX na mesma fibra). 2. Hardware
  17. 17. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 17 2.2. Placas:  DM705 SUB CPU64  DM705-E1Q (E1 Elétrico) - 4 Interfaces elétricas com velocidade de 2048kbit/s cada; - Impedância na interface G.703 é de 75 Ohms (cabo coaxial com conector BNC); - Suporta CRC4 e sinalização por canal associado (CAS). 2. Hardware
  18. 18. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 18 3. Gerência
  19. 19. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 19  Os equipamentos são gerenciados via SNMP (Simple Network Management Protocol) como in-band (porta WAN de roteamento).  O DMView 5.2 é capaz de gerenciar toda a rede de equipamentos, possibilitando configurar, verificar status, realizar testes e etc.  É necessário o uso do Exceed. 3.1. Características: 3. Gerência
  20. 20. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 20  Aplicação de gerência que permite o gerenciamento dos equipamentos DATACOM;  O DmView utiliza as informações fornecidas pelos agentes SNMP presentes nos equipamentos através das MIB´s.  O DmView possibilita:  Identificar e monitorar os status dos equipamentos e suas interfaces;  Configurar o equipamento;  Configurar parâmetros de gerência;  Realizar ações de diagnósticos;  Receber e tratar eventos ocorridos nos equipamentos.  O DmView utiliza um mapa proprietário, onde os elementos de rede ficam dispostos de forma geográfica. 3.2. DmView 5.2: 3. Gerência
  21. 21. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 21 3.3. Emulador:  Requer o uso do Exceed nas workstations. 3. Gerência
  22. 22. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 22 4. DmView
  23. 23. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 23 4.1. Login:  Para ter acesso aos elementos da rede, é necessário que o usuário se “logue” no software DmView. Quando o usuário “startar” o Exceed e executar o Xstart, uma rotina chamará a janela de login Login Window.  Na janela Login Window, o usuário deve digitar seu Username e Password, depois clicar no botão Login. Após a confirmação de login na barra de status, é recomendável que a janela seja minimizada, pois ela não pode ser fechada antes de ser efetuado o Logout. Password: telemar  Após o login, será aberta o mapa do DmView, a janela Network Manager.  Para se deslogar do DmView, deve-se ir até a janela Login Window e clicar no botão Logout. 4. DmView
  24. 24. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 24 4.2. Network Manager:  O DmView 5.2 possui um mapa proprietário, a janela Network Manager.  Nos submapas, é respeitado a hierarquia dos equipamentos (concentrador e cascatas). 4. DmView
  25. 25. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 25 4.3. Menu de Configuração do DM706C:  Menu popup sobre a CPU: View Details: apresenta os parâmetros de configuração e status da CPU. Device Information: apresenta informações sobre o equipamento, por exemplo, o firmware que está rodando no mux. Device ID Config: identificação do mux.  Menu popup sobre as interfaces: View Details: apresenta os parâmetros de estado da interface. Interface Information: apresenta as versões de hardware e software da interface . Interface Diagnostics: disponibiliza todos os testes disponíveis para a interface. Interface ID Config: dados de identificação da interface. 4. DmView
  26. 26. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 26 4.3. Menu de Configuração do DM706C:  Configuration  Device Config Através dessa opção, será aberta uma janela Slot Config, onde é possível configurar as placas do mux. Por exemplo, na placa E1 Elétrico, podemos configurar o n.º de canais de dados, CAS, CRC e etc. Também podemos definir a cross-conexão entre uma determinada interface e os timeslots do E1 do mux.  Configuration  General Config Nessa janela podemos definir a fonte de clock do mux. Lembrando que o clock do DataCom é sempre “REGENERATED” da interface E1. Ao término de uma configuração, é necessário salvar as alterações: Application  Activate and Save Configuration in E2PROM. Se pretende descartar as configurações, vá em Application  Close Window e depois clique na opção Discard Changes. 4. DmView
  27. 27. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 27 4.4. Menu de Configuração do DM705-CPU32:  Menu popup sobre a CPU: View Details: apresenta os parâmetros e status da CPU. Device Information: apresenta informações sobre o equipamento, por exemplo, o firmware que está rodando no mux. Device ID Config: identificação do mux.  Menu popup sobre as interfaces: Interface Information: apresenta as versões de hardware e software da interface . Interface Diagnostics: apresenta os parâmetros de estado da interface e disponibiliza todos os testes disponíveis para a interface. Interface ID Config: identificação da interface. Interface Performance: apresenta contadores de erro e slip (dependendo da interface). View Circuits: Abre a janela Circuit Search com os filtros preenchidos com os dados referentes ao nó. 4. DmView
  28. 28. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 28 4.4. Menu de Configuração do DM705-CPU32:  Configuration  Device Config Através dela, é possível configurar placas e as interfaces do mux.  Configuration  General Config Nessa janela podemos definir a fonte de clock do mux. Lembrando que o clock do DataCom é sempre “REGENERATED” da interface E1 que está ligado ao concentrador.  Configuration  Cross Connect Config É possível verificar os relacionamentos entre os timeslots de entrada e saída de cada placa. O formato dos endereços timeslots é XYY, onde X corresponde ao slots da placa (varia de A à H) e YY é o nº do timeslot (de 0 à 31).  Configuration  Circuit Config Abrirá uma ficha onde é possível configurar, alterar ou remover um circuito. Ao término de uma configuração, é necessário salvar as alterações: Application  Activate and Save Configuration in E2PROM. Se pretende descartar as configurações, vá em Application  Close Window e depois clique na opção Discard Changes. 4. DmView
  29. 29. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 29 4.5. Menu de Configuração do DM705-CPU64:  Menu popup sobre a CPU: Device Information: apresenta informações sobre o equipamento, por exemplo, o firmware que está rodando no mux e também apresenta o status da CPU. Sync Source Status: apresenta informações sobre o clock do equipamento. Device ID Config: dados de identificação do mux.  Menu popup sobre as interfaces: Tributary Information: apresenta as versões de hardware e software da interface . Tributary Diagnostics: apresenta o status da interface e disponibiliza todos os testes disponíveis para a interface. Interface ID Config: dados de identificação da interface. View Circuits: Abre a janela Circuit Search com os filtros preenchidos com os dados referentes ao nó. 4. DmView
  30. 30. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 30 4.5. Menu de Configuração do DM705-CPU64:  Configuration  Device Config Abrirá a janela Port Config, e através dela é possível configurar placas e as interfaces do mux.  Configuration  Sync Source Config Nessa janela podemos definir a fonte de clock do mux. Lembrando que o clock do DataCom é sempre “REGENERATED” da interface E1 que está ligado ao concentrador.  Configuration  Cross Connect Config É possível verificar os relacionamentos entre os timeslots de entrada e saída de cada placa. O formato dos endereços timeslots é XXYY, onde XX corresponde ao slots da placa (varia de acordo com o slot/porta) e YY é o nº do timeslot (de 0 à 31).  Configuration  Circuit Config Abrirá uma ficha onde é possível configurar, alterar ou remover um circuito. Ao término de uma configuração, é necessário salvar as alterações: Application  Activate and Save Configuration in E2PROM. Se pretende descartar as configurações, vá em Application  Close Window e depois clique na opção Discard Changes. 4. DmView
  31. 31. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 31 4.6. Circuit Config:  Circuit Info: .Name: Designação completa do circuito, de acordo com o STC. .Notes: Nome do cliente. .Rate: Velocidade do circuito. .Type: Sequencial ou Não Sequencial. .Source: Slot / Porta / Timeslot referentes à ponta A do circuito. .Destination: Slot / Porta / Timeslot referentes à ponta B do circuito.  Circuit View: Representação gráfica da crossconexão. 4. DmView
  32. 32. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 32 4.6. Circuit Config:  Circuit Actions: .New: Abre uma ficha em branco para uma nova configuração de circuito. .Modify: Libera a ficha para alterações. .Remove: Remove o circuito da rede. .Save: Salva as configurações de um circuito na base de dados (mas não efetiva a configuração na rede). .Search: Lista os circuitos do mux. .Close: Fecha a janela. Ao término de uma configuração, é necessário salvar as alterações: Primeiro, clique no botão Save, depois vá na opção Application  Activate and Save Configuration in E2PROM. Se pretende descartar as configurações, vá em Application  Close Window e depois clique na opção Discard Changes. 4. DmView
  33. 33. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 33 4.6. Circuit Config: 1) Habilitar a interface: Em Device Config, desmarcar a opção Disable Port Operation. 2) Parametrizar a interface: Em Device Config, setar velocidade, clock, habilitar ou não testes, habilitar ou não alarmes para a CPU etc. 3) Criar o circuito: Em Circuit Config. 4) Identificar a interface: Preencher a ficha Interface ID Config das interfaces do circuito. PROCEDIMENTO PARA CRIAR CIRCUITOS: 1) Remover o circuito: Em Circuit Config. 2) Desabilitar a interface: Em Device Config, marcar a opção Disable Port Operation. 3) Tirar a identificação da interface: Clicar em Delete na ficha Interface ID Config das interfaces do circuito. PROCEDIMENTO PARA REMOVER CIRCUITOS: 4. DmView
  34. 34. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 34 4.7. Cross Connect Config:  Cada letra corresponde a uma interface. Todas as interfaces são representadas por “timeslots”.  As crossconexões “arrastadas” tem circuitos trafegando, porém não foram criados pela ficha Circuit Config. Para criar o circuito na base de dados com a designação, clique com o botão direito no timeslot, no menu pop-up, clique em Create Circuit. Preencha o Name e o Notes.  As crossconexões criadas por circuito estão marcadas por um quadrado preto.  Ao selecionarmos um timeslot e deixar o mouse em cima, é mostrado ao usuário qual o Circuit Name que está trafegando naquele timeslot (só quando tem circuito criado). 4. DmView
  35. 35. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 35 4.8. Search Circuits:  Na janela Circuit Search, selecione os filtros desejados para a pesquisa, preencha a respectiva caixa de texto (pode-se usar o coringa “%”) depois clique no botão Search. Na tabela abaixo dos filtros aparecerá todos os circuitos resultantes da pesquisa.  Para abrir a ficha de configuração do circuito, selecione o circuito desejado, dentre os resultantes da pesquisa, e clique em View Circuit. Para abrir o mux onde está o circuito, selecione o circuito desejado, dentre os resultantes da pesquisa, e clique em Navigate to... .  Tools  Search  Circuits: Opção utilizada para localizar um determinado circuito na rede. 4. DmView
  36. 36. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 36 4.8. Search Circuits: 4. DmView
  37. 37. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 37 4.9. Search Devices:  Na Janela Select Device, selecione os filtros desejados para a pesquisa, preencha a caixa de texto (pode usar o coringa “%”) depois clique em Search. Na tabela abaixo, irá aparecer todos os elementos resultantes da pesquisa. Search  Search Devices: Opção utilizada para localizar um determinado elemento na rede.  Para abrir o mux, selecione o nó desejado e depois clique em Navigate to... . 4. DmView
  38. 38. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 38 4.9. Search Devices: 4. DmView
  39. 39. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 39 4.10. Search Links:  Na Janela Device Search, selecione os filtros desejados para a pesquisa, preencha a caixa de texto (pode usar o coringa “%”) depois clique em Search. Na tabela abaixo, irá aparecer todos os elementos resultantes da pesquisa.  Search  Search Links: Opção utilizada para localizar um determinado link de 2mb na rede.  Para abrir o mux, selecione o nó desejado e depois clique em Navigate to... . 4. DmView
  40. 40. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 40 4.10. Search Links: 4. DmView
  41. 41. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 41 5. Testes
  42. 42. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 42 5.1. Testes – E1 Elétrico / E1 Ótico:  LAL: O laço analógico local serve para testar a parte analógica dos circuitos da placa de interface.  LDL: O laço digital local serve para testar o link externo e os dois sentidos dos dados. 5. Testes
  43. 43. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 43 5.2. Testes – V.35D:  LDL: Este laço serve para testar o link externo e os dois sentidos dos dados.  LDR: A V.35 transmite um pedido de ativação de laço remoto para outra interface. Quando o lado remoto detecta o pedido de LDR, envia um sinal de confirmação de fechamento de loop. O dispositivo remoto, então, comporta-se como se estivesse em LDL.  BERT: O padrão de teste de BERT é gerado em direção ao dispositivo de crossconnect do Mux, podendo, portanto, ser direcionado para qualquer uma das interfaces presentes no equipamento. 5. Testes
  44. 44. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 44 5.3. Testes – G64:  LDL: Este laço serve para testar o link externo e os dois sentidos dos dados.  BERT: O padrão de teste de BERT é gerado em direção à interface G.703 da placa, podendo, portanto, ser utilizado para testar seu próprio link de dados. 5. Testes
  45. 45. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 45 5.4. Testes – FXO / FXS:  LDL: Este laço serve para testar o link externo e os dois sentidos dos dados.  BERT: O padrão de teste de BERT é gerado em direção ao dispositivo de crossconnect do Mux, podendo, portanto, ser direcionado para qualquer uma das outras interfaces presentes no equipamento. 5. Testes
  46. 46. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 46 5.4. Testes – FXO / FXS:  RING: FXS: Quando o RING é executado na FXS, é enviado o sinal de RING diretamente à linha do assinante, fazendo com que o telefone, à ela conectado, toque. FXO: Quando o RING é executado na FXO, a sinalização de RING é enviada através do CAS, usando o “link” entre os DM705. A placa FXS repassará essa sinalização ao telefone, fazendo com que o ele toque.  OFF HOCK: FXS: Quando o OFF HOOK é executado na FXS, a sinalização de telefone fora do gancho é enviada através do CAS, usando o “link” entre os DM705. A placa FXO repassará essa sinalização à central pública. FXO: Quando o teste de OFF HOOK é executado na placa FXO, é enviado o sinal de telefone fora do gancho diretamente à linha da central pública. 5. Testes
  47. 47. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 47 5.5. Procedimento para Testes:  Abrir o nó;  Clique com o botão direito na interface onde será realizado o teste, no menu pop-up que irá abrir, selecione a opção Interface Diagnostic. Será aberta uma janela onde encontraremos as opções de testes e resultados dos testes.  No grupo Tests, podemos encontrar as opções de teste disponíveis. Estas opções variam de acordo com o tipo de interface.  Em BERT Diagnosis, podemos visualizar os resultados do teste.  Para iniciar um teste, basta clicar no botão correspondente no grupo Tests.  Para interromper o teste, clique no botão Stop localizado na parte inferior da janela.  Para fechar a janela de testes, clique em Close. PROCEDIMENTO PARA REALIZAÇÃO DE TESTES: 5. Testes
  48. 48. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 48 6. Alarmes
  49. 49. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 49 6.1. Legenda de alarmes: LEGENDA DOS ALARMES:  Hardware Fail / Critical: Falha Crítica. VERMELHO  Major: Alarme Majoritário (Só para CPU64). LARANJA  Minor: Alarme Majoritário (Só para CPU64). AMARELO  Test: Interface/Mux em teste. AMARELO ESCURO  Normal: Sem Alarmes. VERDE  Unknown: Desconhecido. Se todo o nó estiver assim, possivelmente o mux perdeu a gerência. AZUL  Disabled: Interface desabilitada. MARROM  Masked: Status “mascarado” por configuração, afim de inibir os alarmes. ROSA 6. Alarmes
  50. 50. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 50 6.1. Legenda de alarmes: LEGENDA DOS ALARMES: PRIORIDADE INTERFACE CONDIÇÃO ALTA PRIORIDADE E1 Elétrico E1 Ótico Sem portadora (Loss) Recebendo AIS Sem sincronismo de frame V35 CT105 OFF (se habilitado) CT108 OFF (se habilitado) CT113 OFF (se fonte de relógio) G64 Sem portadora Recebendo AIS - Falha em uma das fontes BAIXA PRIORIDADE E1 Elétrico E1 Ótico Sem sincronismo de CAS Sem sincronismo de CRC-4 Remoto com alarme V35 CT128 OFF (se habilitado) CT113 OFF (se habilitado) - Se uma das fontes passar do estado com fonte para sem fonte 6. Alarmes
  51. 51. Gerência Nacional de Redes e Serviços Corporativos Coordenação de Operação de Redes Especializadas Suporte N3 e Desempenho de RE 51 FIM

×