Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Tubarão branco /

1,308 views

Published on

  • Be the first to comment

Tubarão branco /

  1. 1. 1
  2. 2. ORIGEM  500 milhões de anos – Agnatas (peixes mais antigos), não tinham mandíbula, apenas um osso circular em torno da boca (Lampreia,atual);  400 milhões de anos – Peixes holocéfalos, lembram os tubarões (Quimera, parente remoto);  350 milhões de anos – Tubarões mais primitivos (Cladosseláquio, Hibodonte) e raias (Jamanta);  130 milhões de anos – Espécies atuais e Carcarodonte (24 metros);  Atualmente – 350 espécies formam 6 grupos: 1.Tubarão mako, grupo lamniforme, como o branco. 2. Tubarão serra, grupo pristiniforme. 3. Tubarão baleia, grupo orectolobiforme. 4. Tubarão martelo, grupo carcarriniforme. 5. Tubarão bagre, grupo heterodontiforme. 6. Cação-anjo, grupo squaciniforme. 2
  3. 3. Carcarodonte  Carcharodon megalodon  Extinto há 50 milhões de anos  Contemporâneo do branco  24m de comprimento (6m a menos que a baleia azul)  Dentes com 15cm de comprimento 3
  4. 4. Tubarão Branco (Carcharodon carcharias)  Pertence à classe dos Chondrichthyes;  À subclasse dos Elasmobranchii;  À superordem dos Selachimorfa;  À ordem dos Lamniforme;  À família dos Lamnidae;  Ao gênero Carcharodon; 4
  5. 5. Anatomia 5
  6. 6.  Esqueleto formado por cartilagens e tecido conjuntivo e sem caixa torácica;  Mandíbula não anexada ao crânio;  Possuem dentes substituíveis incorporados à gengiva e formato variável de acordo com a dieta;  Possuem barbatanas com esqueleto alongado e apoiado em raios moles não segmentados chamados de ceratotrichia;  Escamas placóides – pele com textura de lixa;  Cauda com formato variável de acordo com a espécie; 6
  7. 7. Fisiologia  Não possuem bexiga de gás para flutuabilidade;  Possuem uma musculatura com músculos divididos em 3 grupos (cardíacos, viscerais, esquelético);  Para respirar, extraem oxigênio da água que passa pelas guelras, com auxílio dos movimentos natatórios; 7
  8. 8.  Na termorregulação, são poiquilotérmicos;  São isotônicos em comparação ao ambiente marinho com alta concentração de ureia e de trimetilamina;  A digestão é lenta, com um estômago em forma de J e um intestino extremamente curto;  Olfato extremamente apurado;  Possuem uma visão míope, mais eficiente a curtas distâncias e à noite; 8
  9. 9.  Possuem grande sensibiliade às vibrações, com um ouvido interno responsável pelo equilíbrio e detecção de vibrações;  Possuem órgãos eletrorreceptores chamados ampolas de Lorenzini;  Possuem linhas laterais que captam vibrações de média e baixa frequência;  Possuem uma reprodução sexuada com fertilização interna;  Podem ser ovíparos, vivíparos ou ovovíparos; 9
  10. 10. A Grande Morte Branca 10 Mandíbula móvel • Ergue o nariz num ângulo de 40º. • Abaixa a mandíbula inferior e desloca para a frente a gengiva superior. Caça 1. Camuflagem 2. Sangra para enfraquecer 3. O morde-e-solta se repete 4. Segundo assalto 5. Espera até 140 minutos para comer.
  11. 11. 11
  12. 12. HABITAT  Regiões próximas das correntes frias e temperadas do planeta.  América do Norte, sul da África e Austrália.  Águas rasas perto das praias de clima temperado e semitropical (procriação das focas e leões marinhos).  Ausente nas águas ao sul do Brasil e na Patagônia (correntes frias, focas e leões marinhos).  Baleia orca, outro grande predador.  Treze visitas ao Brasil (1995). 12
  13. 13. ESTUDO  Etiqueta de identificação .  Rodney Fox, australiano.  Gaiolas de aço. 13
  14. 14. UTILIDADE  Ápice da cadeia alimentar  Alimentícia  Cosméticos  Farmacêutica “Sem o branco os oceanos estarão doentes”. Marie Levine 14
  15. 15. 15
  16. 16. REFERÊNCIAS  POUGH, F. Harvey. A vida dos vertebrados / F. Harvey Pough, et. al.; [tradutores Ana maria de Souza , Paulo Auricchio]. – 4. ed. – São Paulo: Atheneu Editora, 2008.  SÁ, Vanessa de, Jennifer Skipp. O Monstro Corre Perigo / Super Interessante, setembro de 1995.  Tubarão. Disponível em: pt.wikipedia.org/wiki/Tubarão. Acesso em 04 dez. 2012. 16
  17. 17. 17

×